Hathor

Hathor Markus Thayer




Resenhas - Hathor


90 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


Isabela.Lopes 28/12/2019

Achei interessante o autor ter trago a ficção científica para o Brasil
comentários(0)comente



Meninas que Leem 23/12/2016

Blog As meninas que leem livros
Harthor é um livro surpreendente, pois apesar das resenhas que li sobre ele não estava preparada para as surpresas e maravilhas do mundo para onde somos transportados. O livro se inicia no século dezenove na faculdade de Cambridge........

site: http://www.asmeninasqueleemlivros.com/2011/01/hathor-markus-thayer.html
comentários(0)comente



Khrys Anjos 08/12/2015

Redescobrindo o sentido da Vida
Nesta estória fazemos duas grandes viagens.

A 1ª é uma viagem no tempo onde somos levados até a Inglaterra no ano de 1856.

Assim conhecemos o jovem John McBrian que ao folhear um livro se depara com um mistério: a descoberta de um antigo mapa. Para conseguir desvendar seu enigma ele conta com a ajuda de seu professor Sir Oliver Stwart e de seu melhor amigo William Kenward.

Eles partem para o Castelo de Bamburgh onde são surpreendidos com a chegada de novos “integrantes” para a expedição: Klaus, Steve, Tom, Yuri e Joseph. E mais tarde a equipe se completa com a aparição de Emma e sua mãe Mary.

Ao encontrarem uma chave fazem uma nova expedição cujo local de destino é o Brasil mais precisamente a Serra do Roncador.

E é aqui que acontece a nossa 2ª viagem: somos transportados até a cidade de Hathor onde conhecemos suas habitantes especiais Briela, Pÿthia, Bränia e Laýra.

Nesta leitura encontramos um leque muito grande de mensagens que nos fazem refletir sobre várias questões:

Até onde vai a sua curiosidade? Você seria capaz de largar sua vida para ir atrás de um suposto tesouro?

A ambição humana pode ser contida?

Quem vê cara pode ver o coração? Ou alguém que aparentemente está andando pela estrada errada pode ter um bom coração só esperando o momento certo para demonstrá-lo?

O que é realmente importante para você? Quais são os tesouros que você deseja possuir?

Você acredita em reencarnação? E em seres de outros planetas?

São estas questões que todos os integrantes desta expedição precisam responder.

E descobrem o verdadeiro tesouro, aquele incalculável: o conhecimento, a amizade, o companheirismo, a lealdade, o amor. Tesouros que valem para a alma.

Cada um deles passa pelo caminho da evolução espiritual e emocional. Eles acabam enxergando o que deve ser deixado para trás e o que deve ser valorizado para o futuro.

As mulheres de Hathor são especiais pois são seres mais evoluídos. Elas já aprenderam estas lições e podem enxergar além da visão humana. Elas enxergam com os olhos de espírito podendo assim ver o que a pessoa leva dentro do coração.

Temos 3 romances para nos fazer suspirar: Klaus e Emma (um amor de superação), Oliver e Mary (um amor maduro), John e Briela (um amor de reencontro).

Confesso que fiquei completamente encantada com o Klaus. Foi cativante ver o amor lapidá-lo de uma pedra bruta e sem forma num diamante que passou a refletir a Luz que irradiava de seu coração.

O Markus conseguiu criar uma estória onde a ficção se enrola na realidade como uma serpente não para matá-la mas para lhe dar uma nova visão. Para nos mostrar que nem tudo que reluz é ouro e nem tudo pelo qual fomos adestrados a acreditar é verdade.

Nosso Destino pode ser predeterminado mas quem escreve nossa estória somos nós. O caminho a seguir deve ser escolhido por cada um. E assim iremos colher os frutos da nossa escolha e viver com suas consequências.


site: http://minhamontanharussadeemocoes.blogspot.com.br/2013/10/resenha-hathor-markus-thayer.html
comentários(0)comente



Primarcolino 06/10/2014

HATHOR
Eu adorei, me apaixonei e me encantei por esse livro.

Tudo começa com um trabalho para faculdade com o prazo muito curto que John McBrian precisa fazer, o trabalho que o professor Sir Oliver Stwart passou podia ser feito em duplas, o que levou William Kenward a entrar na história.

Os estudantes começam a pesquisa, e, ao fim de um dia longo, eles levam alguns livros para continuar nas suas respectivas casas. Chegando onde mora, John começa a folhear o livro enquanto procura algumas curiosidades; ao meio do livro ele se depara com duas paginas grudadas, aparentando ter uma terceira folha no meio delas. Eis que surge a dúvida de o que fazer: tentar abrir, tentar ler o papel sem estragar o livro, ir até seu professor para ele lhe ajudar com o mistério, ou simplesmente devolver o livro a biblioteca e deixar isso de lado.

No outro dia, bem cedo pela manhã, John decide ir à casa do Sir Oliver para tentar desvendar o mistério. Chegando na residência, Emma Balding, empregada da casa, o recepciona, e, prontamente, quando o professor pega o livro, ele corta a pagina para que o mistério acabe. Eis que eles encontram um dizer e um desenho muito estranho nesse documento.



Assim que descobriram do que se tratavam, arrumaram uma expedição exploratória. Sir Oliver dispensou Emma, avisando que viajaria para Bamburgh.

Enquanto isso, na cidade, um bando de ladrões estavam combinando novos furtos. O bando era formado por Yuri Raskolnivikov, Joseph Tyler, Klaus Sckelehner, Steve Wilkinson e Tom Palmer, e eles sobreviviam de pequenos furtos, dentro e fora da cidade. Uma das únicas pessoas que não sabia da fama de Klaus era sua namorada Emma, e assim, sem maldade, contou que seu patrão havia ido atrás de um mapa do tesouro.

Klaus, deixando apenas uma carta a sua amada, vai atrás da expedição do tesouro. Chegando no lugar onde estava acontecendo a busca pelo tesouro, os ladrões fizeram o professor e os seus alunos de reféns e começaram a ajudar na escavação atrás de um resultado.

Mary Balding, vendo a tristeza de sua filha, sugere que elas devem ir atrás de Klaus, e assim elas se unem a expedição. Chegando no local elas acabam conseguindo com que todos concordem em dividir o que for achado.

Assim eles encontram um pedaço de metal, e outro livro dando indicação que o verdadeiro tesouro encontra-se no Brasil. O que eles não contavam é que havia um outro grupo muito perigoso cuidando cada movimento que eles estavam dando...



A partir desse momento se tornou uma aventura até eles conseguirem chegar no Brasil, pois eles foram roubados e levaram o livro onde continha as indicações para achar o portal.

Um portal para Hathor... Onde mais aventuras esperam por todos esses personagens, com amores, aventuras, amizades e grandes descobertas...

O livro é envolvente, de escrita rápida... No inicio achei que seria demorado ler, mas foi uma leitura totalmente prazerosa. Ele tem muitos personagens, alguns que nem citei, pois são moradores de Hathor, mas eu me apeguei em cada um deles, pois eles tem características individuais, e tem muita riqueza de detalhes na escrita do autor.

Fiquei ansiosa pois acredito que haverá uma continuação, com muito mais emoção. Vou ficar no aguardo.

site: http://www.some-fantastic-books.com/2014/08/resenha-hathor.html
comentários(0)comente



Grazi 03/10/2014

Um pouco chato no começo, mas vale a pena continua a leitura.
After tenth day the bad dogs run side by side. Be humble.


John, ao pesquisar fontes para um trabalho acadêmico passado pelo professor Stwart (não é erro de digitação) acaba encontrando um grande livro, antiguíssimo, com duas páginas coladas. Ele imediatamente interessa-se por ele pois parece haver algo entre as páginas. Ele pode a ajuda do professor para descolá-las sem danificar o livro e acaba encontrando um mapa criotografado entre as folhas. Este mapa supostamente levará-os a um tesouro perdido. O problema é que Emma, a empregada do Sir Oliver Stwart comenta sobre a empreitada com o namorado... que é membro de um grupo de ladrões. Eles todos partem em busca do tesouro em uma jornada cheia de surpresas - até para pessoas do século XXI.

Eu poderia dividir essa resenha em duas partes: minha opinião sobre o todo do livro e minha experiência pessoal lendo-o. Mas para não enrolar demais, vou misturar tudo.

Primeiro preciso logo avisar: não deixe de ler porque acha que fala sobre a história da Inglaterra antiga e blabla. Não tem nada a ver com isso. Ok, continuemos.

Bom, eu ouvi falar muito bem sobre esse livro e cheguei nele com expectativas demais acho. De alguma forma fui levada a crer que era um livro do gênero policial/mistério e acabou sendo aventura/ficção-científica (o que foi muito melhor, aliás).

Basicamente, não foi um livro que me deixou uma impressão forte quanto a identificação, carinho pela trama e essas coisas, maaaas como minha análise não se baseia só nisso preciso também comentar que é um dos melhores nacionais desse gênero.

Por que não me deixou uma impressão forte? Porque eu sou daquele tipo de gente que consegue sacar as coisas do nada, pegando partes do enredo e em Hathor tem muito isso. A trama tem uns acontecimentos meio repetitivos e por isso cansei dele algumas vezes. Mais ou menos na metade foi que a coisa ficou mais legal. Eu achei ''spoiler'' até no título do livro.

Por que é um dos melhores do gênero? Porque adoro quando o autor consegue viajar o suficiente pra me apresentar algo que nunca li antes e que eu consigo imaginar direitinho, apesar da coisa descrita não existir (ainda? xD). A narração do livro é legal, apesar da trama - em certas partes - estragar um pouco o ritmo de leitura. O autor se preocupa em explicar algumas passagens que ficariam bem complicadas, então quanto a isso não tenho o que reclamar.

Quanto aos personagens... achei a maioria deles meio rasos. Não sei descrever de outro jeito. Acho que faltou tempo para caracterizá-los melhor e alguns relacionamentos não fizeram nenhum sentido pra mim (a exceção de John e Briela). Ah, os nomes de alguns personagens eram muito difíceis de falar D: Sabe quando você lê e simplesmente pula o nome da pessoa, pra não ter que decifrar? Então... De qualquer forma, os principais tem nomes legais.

Apesar de eu ter meio que sacado o livro, ele não deixou de me surpreender - e muito - com algumas passagens. Tipo, eu nunca, nunca mesmo, imaginaria que um certo grupo de personagens entraria na trama.

Eu estou tentando seriamente não dar spoiler.

Hum... a capa do livro. Eu a acho linda. É simples e tal e pode parecer estranha a quem ainda não leu, mas prometo que ela vai fazer sentido depois da leitura. As partes em preto são meio que em alto relevo e brilha. Enfim, é charmosa.

As partes de sci-fi são de qualidade. Gostei muito mesmo. Vou parar por aqui, porque se você decidir ler, acho que vai querer não ter sabido sobre isso :p

Quanto a revisão e edição, são muito bem feitas. Eu tenho encontrado muitos livros nacionais com revisões realmente ruins, então, nesse livro devo ressaltar que houve um maior cuidado.

Ah, o epílogo dá um gancho para uma continuação!

Dito isso, preciso dizer que recomendo sim o livro. A minha experiência pode não ter sido tããão forte, mas a qualidade da história é inegável.
E é isso. Espero que resolvam conferir. Vale a pena :)
comentários(0)comente



M.Maybrick 10/08/2014

UM MUNDO NOVO
Quando começamos uma leitura da qual não sabemos ao certo se iremos gostar é impossível controlar o nervosismo e ansiedade. Foi assim que me senti ao abrir as primeiras páginas de Hathor além da grande surpresa ao me deparar com o primeiro capitulo.

A história inicia em na antiga Inglaterra no ano de 1856 onde conhecemos o jovem John McBrian, o professor Pliver Stwart, e o grande amigo de John, William Kenward além dos outros personagens que irão nos ajudar a compor toda a história. Minha grande surpresa deu-se ao me deparar com o cenário não esperado. Sim, me refiro ao tempo e local onde a história acontece, entretanto, o que foi confuso e perturbador no início logo tornou-se parte de algo maravilhoso.

O autor fez um maravilhoso trabalho com a composição da grande aventura que os personagens enfrentaram, o que envolve o desvendar de enigmas e mistérios, o desenrolar de pequenos conflitos e uma caça a um tesouro desconhecido.

Sempre foi muito difícil para mim lidar com um cenário mais antigo, logo, me pareceu estranho a atitude de alguns personagens - o que creio ser tipico da época - o que me levou a imaginar por muitos momentos nos três primeiros capítulos que o John não tinha mais de 10 ou 13 anos. Acredito que muitas coisas aconteceram rápidas demais e alguns momentos pediam mais emoção e espanto do que realmente tiveram. A aceitação rápida e quase insensível dos muitos acontecimento se assemelhou muito com gênero realismo fantástico.

Enfim, acredito que agrande curiosidade geral seja saber o que ou quem é Hathor - foi o que me perguntei por inúmeros momentos até finalmente descobrir - mas, esta resposta eu não darei a vocês e permitirei que sintam o mesmo gostinho nos lábios de poderem descobrir. Ler Hathor foi uma experiência confusa e maravilhosa, diferente de qualquer coisa que eu já li e do que esperava ler.

Li e recomendo.

Beijos, Milla Almeida.

site: http://livrosporumbeijo.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Any 09/06/2014

Intrigante!
Eu ganhei o Hathor, autografado, com dedicatória para mim e tudo mais.

Fiquei esperando uma história maravilhosa, e não achei.
O livro me cansou um pouco, e quando vi já tinha abandonado ele. Muitas pessoas gostam da história, mas não foi o meu caso.

Infelizmente não gostei.
Sybylla 01/09/2014minha estante
Também não curti.

Não sei se mais alguém teve esse problema, pois li o ebook e não o livro físico, mas encontrei erros absurdos de ortografia. O livro já estava ruim, ficou péssimo depois disso.




Marcos Pinto 11/03/2014

Sem dúvidas, um livro surpreendente
Imagine que você precisa fazer um trabalho da faculdade e, para isso, pegue um livro emprestado na própria instituição. Contudo, ao folhear o exemplar, percebe que duas páginas estão coladas. Nada de anormal, principalmente se o livro for novo. Porém, imagine ainda que, entre essas duas folhas, há um pequeno papel com frases estranhas e números desconexos. Além disso, tal papel parece conter um mapa. Essa é a surpresa que John McBrian, aluno da renomada faculdade de Cambridge, tem.

Curioso, como qualquer um ficaria em uma situação semelhante, ele começa a buscar a solução para este mistério. Na ânsia de descobrimento, pede a ajuda de seu professor, Sir Oliver Stwart, e ao seu amigo William Kenward. Juntos, eles descobrem que o segredo do misterioso papel, o que os leva até ao outro lado do mundo em busca do suposto tesouro.

“Diante dos olhos estupefatos de John, o mestre puxou um pequeno canivete que sempre trazia consigo e cuidadosamente cortou a borda inferior das páginas. John não disse uma palavra sequer. Na verdade, ficou assustado com a praticidade do professor.” (pag. 24)

A busca de um misterioso tesouro aguça a curiosidade não apenas dos acadêmicos, mas também de alguns ladrões. Nesta procura desenfreada por mistérios antigos e pedras preciosas, as pessoas mostram os seus melhores lados, porém, também os mais tenebrosos.

“– Diga-me logo, o que está acontecendo? – perguntou já perdendo a paciência.
– Sabe aquele professor idiota para quem Emma trabalha? – respondeu com uma pergunta.
– Sim, o que tem?
– O filho da mãe tem um antigo mapa de tesouro. Um tesouro que está escondido em Bamburgh.” (pag. 49)

Nesse momento, você deve estar pensando: o livro não passa de uma história do Indiana Jones. Porém, muito mais é reservado nesse grandioso romance. E se o grande tesouro não for formado por joias e barras de ouro? E se o bem mais valioso for o conhecimento? E se, ao invés de rubis e prata, o X marcasse a localização de uma sociedade avançada ou de uma espaçonave? O livro guarda tudo isso e muito mais.

Markus Thayer cria um incrível livro que vai do romance à ficção científica e da estrondosa ação ao silêncio de uma biblioteca na velocidade da luz. Cada capítulo é uma reviravolta e é impossível prever o final. Realidade, fantasia e física se misturam e formam uma leitura surpreendente e agradável.

“(...) Essa nave possui um avançado dispositivo de inteligência artificial. Funciona como se fosse um cérebro, um centro nervoso onde todas as decisões são tomadas. Um antígravo como este está repleto de subsistemas destinados aos mais variados propósitos. (...) Este centro de inteligência artificial, o qual chamamos de cérebro quântico, responde ao impulso mental de uma pessoa (...) Não é necessário conduzir a nave, você apenas pede que ela te leve para algum lugar e, quando chegar, o cérebro quântico lhe avisará.” (pag. 193)

Ambientado no século XIX, o autor apresenta personagens cativantes, uma leitura fluída e um enredo inovador. Sinceramente, não lembro de nenhum outro livro que tenha me surpreendido tanto. Se você busca fugir do clichê e gosta de surpresas agradáveis durante a leitura, esse é o seu livro. Não perca tempo e mergulhe nos mistérios de Hathor.

site: http://desbravadoresdelivros.blogspot.com.br/2014/02/resenha-hathor.html
comentários(0)comente



Juh 07/06/2013

John McBrian e William Kenward são estudantes de engenharia da faculdade de Cambridge, correndo contra o tempo eles estão para terminar o trabalho sobre Guerra das Rosas, exigido pelo professor Sir. Oliver, quando John acha algo inesperado em um livro, duas páginas estão coladas cuidadosamente e em seu interior é guardado um grande segredo há anos.
Este segredo desperta a curiosidade dos dois jovens e do professor, que decidem fazer uma expedição e ir em busca do suposto tesouro. O que eles não imaginavam é que embarcariam numa grande aventura.
John, William e Sir Oliver partem para Bamburgh, lugar onde está escondido o tesouro, e após alguns dias instalados lá eles são surpreendidos por ladrões e são mantidos reféns e trabalhando para a gangue, até a chegada de Emma e sua mãe, é quando as coisas mudam, os prisioneiros são soltos e todos passam a conviver juntos. Até que uma segunda pista é revelada, e o nosso grupo se vê obrigado a ir atrás do que quer que seja esse tesouro e onde quer que ele esteja. E o destino é: Brasil.
Agora eles estão mais unidos do que nunca, dispostos a enfrentar tudo nessa aventura, irão conhecer lugares novos, pessoas novas, sensações novas, enfim, passarão por muitas experiências inimagináveis.

Hathor foi uma leitura incrível para mim, simplesmente amei , ficção científica com uma pitada de romance tinha tudo pra dar certo mesmo, e para minha alegria o livro superou minhas expectativas, e enquanto eu lia o que eu mais desejava era conhecer a linda cidade de Hathor *-* mas procurei ao máximo imaginar tudo como era, afinal foi uma leitura rica de informações e detalhes! Amei tudo, a capa é super criativa, além de belissíma, o desenrolar da estória é cheio de surpresas e descobertas, e o desfecho não poderia ter sido melhor, Hathor é digno de 5 estrelas!
Só tenho a agradecer ao Markus pela parceria e por ter me disponibilizado o livro e ter me dado a oportunidade de ler sua obra maravilhosa, e também a Mel por ser tão atenciosa! Obrigada *-*
comentários(0)comente



Laisy 14/04/2013

Hathor
A história se passa na Inglaterra no ano de 1856. John McBrian é um jovem estudante da renomada King's College e como sempre, deve se dedicar a entregar um trabalho sobre a Guerra das Rosas, que foi exigido pelo seu renomado professor, Sir Oliver Stwart.

Para que a carga de pesquisa não fique tão puxada, seu amigo de classe, William Kenward, propõe que dividam o trabalho em duas partes, deixando cada um encarregado de compôr uma.

Numa das pesquisas, John descobre um manuscrito muito antigo na biblioteca de sua universidade, mas que contêm informações preciosas para a pesquisa de seu trabalho. Como o tempo passou muito rápido enquanto esteve na biblioteca, John decide levar este manuscrito para casa, a fim de continuar suas pesquisas por lá.

Já em sua casa, enquanto manuseia o manuscrito, John encontra algo um tanto inusitado: percebe que uma das páginas é ligeiramente mais grossa que as demais, e ao examinar com mais atenção, percebe que na verdade, se trata de duas páginas coladas. Como o manuscrito era bem antigo e continha informações valiosas com relação a Gerra das Rosas, John imagina que tivessem feito aquilo para esconderem uma informação valiosa a respeito disto. Mas ao prestar mais atenção, percebe que entre as duas páginas coladas, existe uma terceira folha.

Sem saber o que fazer e com medo de estragar o manuscrito, pois não seria uma tarefa fácil separar as páginas já que este era muito antigo, John decide ir procurar pela manhã seu professor, Sir Oliver, para que possa mostrar o que encontrou e para que este possa ajudá-lo a descobrir o que há dentro das duas páginas coladas.

Na manhã seguinte, John encontra com seu professor e lhe passa toda a situação, e juntos conseguem separar as duas páginas. Ao fazerem isto, se deparam com algo inesperado: um papel contendo um suposto mapa com uma mensagem, e logo abaixo, um código. Mas o que seria aquilo? Seria mesmo um mapa? E se fosse, onde levaria? E o que seria este código? John divide a novidade com seu amigo William e após algum tempo, Sir Oliver consegue decifrar o código. Com isso, descobrem que o código diz que eles devem ir a um determinado local da Europa. Mas o que encontrarão lá? Será mesmo um mapa? E se for, será que levará a um tesouro? É a partir daí que toda a história se inicia.

Somos apresentados a uma história repleta de descobertas e aventura. Quando eu achava que já sabia o que iria acontecer, algo inesperado ocorria e toda uma reviravolta acontecia.

Hathor é um livro repleto de ficção científica, aventura, humor e por incrível que pareça, muito romance. A história vai se mostrando surpreendente a cada página, fazendo com que queiramos saber mais e mais o que irá acontecer.

Devo confessar que não curti a parte do romance, pois achei meloso demais, mas isto não tira o brilho da história. A capa diz muito sobre o livro, praticamente conta a sua história, mas só será possível saber do que estou falando, quando vocês lerem. Rs...

Nunca havia lido nada neste estilo e gostei bastante desta nova experiência. O final me deixou com um gostinho de: "Ai meu deus! E agora?" e adoro finais assim. A história é incrível e os elementos dela são muitíssimo inteligentes. Típica de um escritor que é apaixonado por física teórica e mecânica quântica. Muito bom mesmo.

Esta resenha pertence ao blog Perdidas na Biblioteca (www.perdidasnabiblioteca.com)
comentários(0)comente



Gustavo 02/04/2013

Hathor - Blog Leitores Compulsivos
Resenha postada tambem no blog: http://vampleitores.blogspot.com.br/

__________

John McBrian é um estudante de engenharia, e durante uma certa aula, o professor estava falando sobre a Guerra das Rosas, e depois do termino da aula, o professor passou um trabalho para os alunos em dupla, então John e seu amigo resolvem fazer o trabalho juntos...

John estava folheando um livro antigo a procura de informações para enriquecer o texto de seu trabalho, quando se depara com duas folhas coladas do livro, e no meio existia uma terceira folha, então depois de muito ficar pensando sobre aquilo, leva o livro ate o seu professor, que descola a folha e descobre algum tipo de mapa, que ate agora eles não sabem para o que e para onde esta mapa os levara.

Então o professor, junto com os dois alunos depois de descobrirem algumas pistas, partem para uma aventura para descobrirem aonde leva aquele mapa, e para saberem principalmente a que leva este mapa ? Um Tesouro ? Relíquias ? Documentos Antigos ? isso só o tempo dirá rsrs
(mentira, no livro ele diz o que é )kk

Eu já comecei gostando desse livro, ele é mais um daqueles livros que te deixam com curiosidade para saber o que vai acontecer nas próximas paginas rs

E quando eles descobrem a que o mapa leva, OMG, eu fiquei de boca aberta, é muito legal, este é com certeza um ótimo livro, é um livro impressionante, que te surpreende demais, com certeza se você é como eu, que adora ser surpreendido pelos livros, com certeza você vai adorar este livro.

Quero agradecer o Markus Thayer por ceder o livro para resenha, adorei muito o livro, e super recomendo, e tem mais uma coisa, o livro tem continuação, eu já fiquei sabendo que o segundo livro já esta sendo escrito rsrs, então não perca a oportunidade de conhecer esta brilhante historia, você vai se surpreender com Hathor!

__________

Resenha postada tambem no blog: http://vampleitores.blogspot.com.br/

comentários(0)comente



Stefanello 22/03/2013

Hathor
A resenha do livro encontra-se nesse link: http://desbravandolivros.blogspot.com.br/2013/03/resenha-hathor-markus-thayer.html.
comentários(0)comente



Aline Coelho Cury 05/03/2013

Hathor
Gostei demais desse livro, ele superou minhas expectativas. Ele tem capitulos grandes mas tão envolventes que vc nem percebe, sua diagramação é simples e a narração é em terceira pessoa, até prefiro pq assim tenho a visão geral da história.
A história se passa entre os anos de 1856 até 1861, ou seja no passado, na Inglaterra. Após um trabalho de faculdade, um livro contendo uma página secreta é encontrado e dentro dele um mapa contendo segredos que levarão ao maior tesouro da humanidade.
A partir daí a vida do professor e seus dois alunos não será mais a mesma porque eles decidem ir atrás do mapa, com o objetivo de encontrar relíquias históricas. Muita ação e descobertas os esperam!!!
De acordo com o mapa eles precisariam ir ao Brasil, mas especificamente ao Rio de Janeiro. Tudo que acontece no caminho é muito interessante (me senti voltando no tempo com viagem de caravela ao novo mundo, no tempo dos impérios) , além disso dois grupos de vilões os seguirão com o intuito de roubar os tesouros; e o interessante nessa história é que eles nem sabem o que procuram e cada um tem sua expectativa. Muita ação quando os três grupos se encontram. Quando eles chegam ao lugar indicado no mapa, acabam encontrando "uma ponte" para um novo mundo, onde tudo é evoluido. Nesse ponto temos a união entre passado e futuro, já que nesse novo mundo são utilizadas tecnologias ainda desconhecida no século dezenove e até na nossa atualidade.
Enfim achei muito interessante conhecer um mundo onde a tecnologia é usada para o bem e o homem consegue viver sem impactar no meio ambiente, além de viver em paz.
Adorei e indico demais essa leitura que envolve aventura, ação, ficção científica e um pouco de romance.
comentários(0)comente



90 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6