Entrelace: Caminhos que se cruzam ao acaso

Entrelace: Caminhos que se cruzam ao acaso Diana Scarpine




Resenhas - Entrelace: Caminhos que se cruzam ao acaso


32 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3


@leituras.da.cah 22/01/2021

Entrelace
Henri e Carol se conheceram pela internet e há dois anos e meio mantém um namoro virtual, sem nunca terem se visto pessoalmente. Então Henri viaja de São Paulo, onde mora atualmente, até a cidade de Jequié, onde ele cresceu e sua família vive.
Ele se sente bem inseguro e apreensivo com o encontro, pois ele é cadeirante e tem medo de que ela o rejeite quando o vir. Ele contou a ela sobre sua deficiência através de um email que ele até anexou uma foto sua na cadeira de rodas, mas ela nunca nem comentou nada sobre isso.
Carol se sente ansiosa para conhecer Henri, e fica esperando alguns minutos no local onde eles marcaram de se encontrar. Porém após um tempo esperando, ela decide ir perguntar a um cadeirante que está ali se viu um homem passar por ali. E sua surpresa é enorme ao descobrir que ali na sua frente está Henri. Ela se sente enganada por ele, pois ele nunca lhe disse que era cadeirante e ela acaba falando coisas terríveis a ele, demostrando um enorme preconceito. Acontece que Carol nunca visualizou o email que ele lhe enviou.
Um tempo depois, Henri irá começar a trabalhar no hospital, onde irá montar uma comissão do núcleo de bioética e Ética de pesquisa do hospital. E que surpresa ao descobrir que Carol irá trabalhar com ele, ele será seu chefe, pois ambos estudam essa área.
Carol demonstra a cada conversa que tem o preconceito que sente e deixa claro que nunca irá namorar alguém como Henri.
Um dia ela escuta Henri conversando com seu chefe sobre a casa onde mora, e ele sugere que ele aluguel um quarto de sua casa.
Como Carol quer sair da casa dos seus pais, ela acaba pedindo a Henri para dividirem a casa, ela nem sabe o motivo pelo qual fez isso, e ele nem sabe por que aceitou também, pois ele a ama mas sofre pelo preconceito que ela demonstra.
Então eles vivem juntos, ela as vezes é bem legal com ele, mas sempre sente vergonha de ser vista junto com ele em público.

Aqui temos uma história de amor e preconceito. O livro nos desperta vários sentimentos no decorrer da leitura, raiva, tristeza, indignação, amor. Torcemos para que eles fiquem juntos, mas até quando podemos ser humilhados por aqueles que amamos? Se amamos uma pessoa não deveríamos amar ela do jeito que ela é?
A autora nos traz um ótimo livro para refletirmos cheio de representatividade.
Lua 12/05/2021minha estante
Desculpa a pergunta mas tem cena +18? Não gosto de hot


@leituras.da.cah 12/05/2021minha estante
Oi
Oi lua. Não tem não.


Lua 12/05/2021minha estante
Obrigada por dizer




Karin Cristine 18/07/2020

Muito aprendizado
O livro Entrelace conta a história de Carol e Henri, que se conheceram em um chat, mas a vida tinha bem mas para esses dois.
Henri é um fofo, após Henri sofrer um grave acidente que lhe deixou tetraplégico e sua noiva o abandonar ele tenta recomeçar a sua vida e conhece Carol em um chat de relacionamento e lá eles tem um namoro Virtual , após alguns anos se falando eles marcam de se conhecer. Porém Carol é uma pessoa super preconceituosa. E aii será que ela consegue deixar o preconceito de lado para ficar com Henri???
Claro eu ameiiii ?, me emocionei, dei risadas e super torci pelos dois @Diana como sempre arrasandoooo com cada detalhe, eu me senti literalmente dentro do livro e em vários momentos, eu quis bater na Carol Kkkkkk
Eu super recomendo!!!!
Um leitura super fluída, às vezes um pouquinho pesada é simplesmente MARAVILHOSA!!!!
comentários(0)comente



Carolina DC 02/09/2013

É a primeira vez que eu leio o trabalho da autora Diana Scarpine e fui positivamente com sua escrita fluida. A autora trouxe aos leitores uma história diferenciada desde o início da trama, pois seu protagonista, Henri, é cadeirante. Nós acompanhamos lado a lado com ele, suas dificuldades, desde tarefas que consideramos simples, como andar nas ruas até situações mais complicadas que nem imaginamos.
Henri tem um relacionamento virtual de dois anos com Ana Carolina, que ao descobrir esse detalhe de Henri, o rejeita de forma horrível, mostrando-se muito preconceituosa. Henri, é fofo, amoroso e incrível, e mesmo sofrendo muito com a rejeição da garota, continua amando-a e dando suporte a ela.
Ana Carolina é uma personagem dúbia: ora é um ser humano terrível, outra é gentil. Acredito que muito do preconceito que ela demonstra e acaba impondo a Henri se deve as suas próprias imperfeições e é claro, a ignorância no assunto. Um ponto muito positivo do livro da Diana é que ela vai tirando muitas dúvidas dos leitores sobre a realidade dos cadeirantes, através do diálogo dos dois protagonistas, o que eu achei fantástico, pois particularmente não sabia de muitas dessas informações.
A narração alterna entre o diário do Henri e da Ana Carolina, então é possível ver as duas perspectivas da mesma situação.
Uma história bonita, com passagens dolorosas e outras amenas. Uma história de vida.
Em relação à revisão, diagramação e layout a editora fez um bom trabalho. Encontrei uns errinhos de grafia e de digitação, mas nada que influenciasse na leitura.
"...compreendemos que nossas vidas eram como as areias da praia e as águas do mar: profundamente ligadas e indissociáveis por toda a eternidade; pois, por mais que se afastassem, as águas do mar sempre voltavam para beijar as areias da praia e envolvê-las num íntimo e amoroso abraço..." (p.660)

Essa resenha será publicada no blog Acordei com Vontade de Ler.
comentários(0)comente



Alline 31/10/2020

Leitura necessária!
Na trama primeiramente conhecemos Carol uma mulher que aproximadamente há dois anos mantém um relacionamento virtual com Henri um homem extremante gentil, amável e lindo. Todavia, Carol necessita conhecer pessoalmente seu namorado que mora em São Paulo. E como Henri vai trabalhar em um projeto na sua terra natal, Jequié/BA que também é a moradia de sua amada ele marca um encontro com a mesma, pois, ele mandou uma imagem e um texto revelando que é cadeirante e a mesma não importou com sua condição física.
Entretanto, o encontro não saí como o planejado, ou melhor, o “felizes para sempre”, não acontece, uma vez que, quando Carol descobre que Henri é cadeirante (não viu a mensagem dele) ela surta, pois, seu preconceito fala mais alto, e a mesma humilha Henri de uma forma totalmente impossível de descrever, haja vista que suas palavras magoaram até eu.
A partir daí, acompanhamos um Henri totalmente machucado, todavia, quando pensa que nunca mais irá ver a pessoa que mais ama e ao mesmo tempo, que mais o magoou, o destino lhe dá uma “rasteira” e ele descobre que Carol será sua parceira no Projeto de Reabilitação no Hospital de Santa Mônica/Jequié.
Neste passo, a autora nos apresenta uma história super intensa pois, o preconceito de Carol fala mais alto em boa parte da trama e Henri (meu amor) sofre demais com isso, mas não consegue ficar longe de sua amada. Ademais, a trama contém plots twists incríveis que a partir do momento que lemos passamos compreender o significado do título da obra, ou melhor, o significado de ENTRELACE.
CONTINUA NO @AMORFATILIVROS

site: https://www.instagram.com/amorfatilivros/?hl=pt-br
comentários(0)comente



Livros e Sorrisos 03/08/2020

O que farei com o meu preconceito?
Entrelace : Caminhos que se cruzam ao acaso nos conta a história de Henri e Carol. Duas pessoas bem distintas, mas com os caminhos totalmente entrelaçados.
*******************
Os dois são de Jequié- Ba, mas Henri, após sofrer um grave acidente de carro e ficar tetraplégico, se muda para São Paulo. Depois de alguns anos, se sentindo muito solitário , ele conhece Carol em um site de relacionamento. Conversa vai, conversa vem... e ambos decidem iniciar um namoro virtual.

Depois de um tempo, Henri decide voltar para sua decide natal, a fim de trabalhar na implantação do "Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital de Reabilitação Santa Mônica, Regional de Jequié", e, também, se encontrar com Carol.

Estava indo tudo muito bem , até o momento em que dois se encontraram . Pois, segundo Carol, durante os dois anos e meio de namoro virtual, Henri não contou a ela que era cadeirante.

E agora? O que fazer com o preconceito existente?


Até um certo ponto da leitura, o leitor sentirá muita raiva de Carol. Porém, o desenvolvimento da história é recheado de surpresas, fazendo-nos sentir, também, muita pena dela

Mas a pergunta é : Até quando Carol continuará encobrindo o seu amor por Henri com um preconceito idiota?

E pra finalizar, tenho a dizer que autora abordou muito bem as dificuldades que uma pessoa com deficiência enfrenta diariamente.

Vocês já leram algum livro da autora? / Gostam de livros com personagens com deficiência? Se sim, qual você mais gostou?
Resenha por @livros_e_sorrisos
comentários(0)comente



Laura 28/10/2021

Como as areias da praia e as águas do mar
Simplesmente amei esse livro! Henri é incrível, gentil e merece demais ser feliz. Carol teve uma longa jornada lutando contra seus preconceitos, mas foi bom vê-la sendo capaz de superá-los. Assim como a autora comentou, não podemos fingir que o preconceito não existe, precisamos discutir e combatê-lo, e para isso é preciso que seja mostrado. Um livro lindo e necessário!
comentários(0)comente



Bia 18/09/2020

Entrelace
Diana Scarpine
Paginas: 547

O amor e o preconceito podem andar juntos??


Carol nao faz cerimónia ao destilar seu preconceito e sua indiferença perante Henri, uma mulher que ao decorrer do livro despertou em mim uma enorme repulsa. E quem diria que o destino colocaria na frente dela o preconceito e o amor vestido em uma unica pessoa, e aquela mulher intolerante tem a chance de ser transformada, sera que ela ira se entregar ao amor ou se afundara ainda mais ao preconceito??

Henri, o que falar desse homem, serioooo ele é um personagem apaixonante, e inspirador. Depois de sofrer um grave acidente a qual lhe deixou paraplégico Henri lutou bravamente ate conseguir a sua independência novamente, uma independência que era vista como imposivel por muitos, com muita luta provou que a sua limitação nao lhe tornava limitado para realizar seus projetos e realizar os seus sonhos.

E dois mundos totalmentes diferentes se cruzam, dois caminhos se entrelacaram ente se, qual será o desfecho desta historia de preconceito e amor?

Ja leram?? Deixe seu comentario, beijos até mais @devorando__livros
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Lohany 28/04/2020

Eu me senti muito incomodada e irritada em muitas partes do livro com o preconceito da Carol em relação à deficiência do Henri. É como se tudo que ela falasse ou fizesse fosse para o atingir diretamente. ⠀
Quando ambos começaram a se relacionar pouco tempo depois, ela ainda era preconceituosa e se sentia incomodada em estar próxima ao Henri quando havia mais pessoas por perto. Ela se comportava como se ele não estivesse presente e quando saiam juntos na rua, ela nunca permanecia ao seu lado com medo dos olhares das pessoas e do que elas pudessem falar.

Esse livro me trouxe muitas reflexões, como, as dificuldades pela falta de acessibilidade para pessoas deficientes e o preconceito que enfrentam diariamente. Fiquei muito feliz ao final pela mudança radical da Carol, embora tenha magoado Henri profundamente muitas vezes, ela quebrou todas as barreiras que havia construído por causa do seu preconceito.

site: https://www.instagram.com/cronicaliteraria/?hl=pt-br
comentários(0)comente



Bia 18/09/2020

?????????? ?
?????? ???????? ?
????????: 564?
?
??? ???? ? ? ??????????? ????? ????? ?????????
?
?
?????? ??? ??? ????????? ?? ???????? ??? ??????????? ? ??? ???????????? ??????? ?????, ??? ?????? ??? ?? ???????? ?? ????? ????????? ?? ??? ??? ?????? ???????. ? ???? ????? ??? ? ??????? ????????? ?? ?????? ???? ? ??????????? ? ? ???? ??????? ?? ??? ????? ??????, ? ?????? ?????? ??????????? ??? ? ?????? ?? ??? ????????????, ???? ??? ??? ??? ?? ???????? ?? ???? ?? ?? ???????? ????? ???? ?? ??????????????
?
??????, ? ??? ????? ????? ?????, ???????? ??? ?? ?? ?????????? ???????????, ? ??????????. ?????? ?? ?????? ?? ????? ???????? ? ???? ??? ?????? ???????????? ????? ????? ?????????? ??? ????????? ? ??? ????????????? ?????????, ??? ????????????? ??? ??? ????? ???? ????????? ??? ??????, ???? ??? ????? ???? ?????? ??? ? ??? ?????????? ??? ??? ??????? ???????? ???? ???????? ???? ???????? ? ???????? ?? ???? ??????.?
?
??D??? ?????s ??????????s ?????????s ?? ??????, ???? ???????? ?? ??????????? ???? ??, ???? ???à ? ???????? ????? ???????? ?? ??????????? ? ??????
?
?? ??????? ????? ??? ??????????, ?????? ???? ?????
comentários(0)comente



blog 08/05/2017

Resenha de "Entrelace caminhos que se cruzam ao acaso" pelo blog biblioteca sem fim
O livro narra a história de Carol e Henrique,ou Henri como ele prefere ser chamado,que se conhecem através da internet onde se apaixonam e começam um namoro virtual.Tudo vai bem até o momento em que eles decidem se encontrar,pois Carol ao chegar,encontrou um Henri totalmente diferente do que imaginara,não que ele tenha mentido em relação a sua aparência,pelo contrário,sempre foi muito sincero,mas um pequeno detalhe para Carol, foi capaz de passar por cima da sua tamanha beleza e caráter.A partir daí,Carol e Henri entram em um guerra travada entre o amor e o preconceito.Será que Carol será capaz de vencer o preconceito que existe dentro de seu coração. Afinal, amor e preconceito não conseguem no mesmo espaço.
O livro realmente vale a pena,podem adquirir sem medo,tenho certeza que você,assim como eu,não vai conseguir parar de ler até saber o que vai acontecer no desenrolar dessa história.


site: https://blogbibliotecasemfim.wixsite.com/meusite/single-post/2017/05/08/Resenha-Livro-Entrelace-caminhos-que-se-cruzam-ao-acaso
Diana 08/05/2017minha estante
Muito obrigada pela linda resenha, Beatriz! Adorei!

Abraço,
Diana Scarpine.




Bruna 31/08/2017

Quando o amor supera o preconceito...
Com uma temática que foge do usual, Entrelace escrito por (pegar nome da autora) é uma obra que surpreende e agrada com uma escrita bem desenvolvida e personagens reais. Falando sobre amor e preconceito somos convidados a acompanhar uma obra que é uma verdadeira lição de vida e um ensinamento sobre as verdadeiras dificuldades de alguém com deficiência... Emocionante, sentimental, esse é um livro que te fará sentir muitas coisas durante sua leitura! Prepare-se para amar e odiar esses personagens que pouco a pouco nós cativam através de seus relatos de vida em uma obra que é impossível ficar imune, confiram:

"E esta situação tornava-se cada vez mais incômoda e dolorosa para mim. Amor e rejeição não podiam caminhar juntos. Pelo menos, na minha opinião não."

Quando há mais de 20 anos Henri sofreu um acidente que veio a deixá-lo tetraplégico, foi necessário que ele aprendesse a superar os obstáculos e sua condição; com muito esforço ele foi capaz de criar uma autoestima e confiança, o levando a finalmente se permitir ter um relacionamento. Dedicando-se ao estudo científico e trabalhando em hospitais, ele se vê prestes a mudar a sua vida para que possa se encontrar com sua amada que ele só conhece pelo computador.

Mantendo um namoro virtual há dois anos com Ana Carolina, e tendo a conhecido pela internet, ambos nunca se viram pessoalmente e ele teme a reação que ela possa ter diante de sua condição agora que se encontra prestes a sair de sua casa em São Paulo e voltar para Jequie na Bahia, onde ela e sua família residem. Com medo que seus sentimentos não se mostrem tão sinceros quanto ela diz, Henri adia ao máximo seu encontro com Carol temendo o que pode ocorrer quando ela o ver pela primeira vez frente a sua deficiência. Provando-se certo os seus temores, ele se vê sendo humilhado por aquela que vivia a dizer que o amava ao acusa-lo de enganá-la - mesmo que ele já houvesse contado há muito tempo sobre seu acidente – e cerca-lo de palavras de ódio.

"Peço, todavia, que não tente mais me machucar seja psicológica ou fisicamente, pois eu já sofri bastante em minha vida e a deficiência não me faz menos humano do que as outras pessoas. Eu tenho sentimentos, como qualquer um, como você, e não quero voltar a sentir a dor física e psicológica que senti hoje."

Extremamente preconceituosa, Ana Carolina, se mostra incapaz de manter uma relação com alguém que considera incompleto... Henri, por sua vez, prefere ficar sozinho mesmo a amando à ter que lidar com seus ataques cheios de ódio e carregado de preconceitos. Tendo que encarar os fatos da vida real e vendo suas vidas insistir em se entrelaçar uma à outra, ambos terão que aprender a conviver até que ele possa voltar para o lugar de onde nunca deveria ter saído - sua casa.

Com palavras feitas para machucar, Carol acaba o magoando cada vez mais ao mesmo tempo em que parece incapaz de se manter afastada dele. Através de atitudes confusas e muita química, iremos acompanhar a trajetória desse casal que teve seu fim antes mesmo de começar... Afinal, quando amor e ódio passam a conviver juntos, quem será o grande vencedor? Haverá esperança para um final feliz quando o preconceito parece cegar tudo?

"A lição que aprendi com Henri não era exclusiva para que têm deficiência. Era para mim e para qualquer pessoa também. A diferença, seja ela qual for, não é uma aberração. É apenas uma forma mais perceptível de demonstrar que, na verdade, a regra, a normalidade, é a diferença, e não o padrão, pois ninguém é igual."

Entrelace - Caminhos que se cruzam ao acaso é um livro que surpreende o leitor ao fazê-lo lidar com uma profundidade incomum através de uma história repleta de sentimento e lições de vida. Com um tamanho que chega a assustar em um primeiro momento, essa é uma obra complexa e completa que transborda sentimentos a cada página e retrata um tema poucas vezes presente na nossa literatura: a deficiência física. Muito bem escrito, essa é uma leitura que ocorre de forma rápida através de uma narrativa fluida e envolvente desde sua primeira página e que proporciona momentos de puro prazer e reflexões. Podendo ser considerada até inovadora, essa é uma obra que se destaca em meio a outras tão iguais e sem inovações.

Carol é uma protagonista que começamos odiando por seu pensamento fraco e mesquinhez exagerada. Seu forte preconceito, sua forma de ver e lidar com a vida, sua maneira de ser, é algo que vai criando uma sensação de repulsa e nos fazendo desgostar cada vez mais conforme vamos a conhecendo e suas atitudes no decorrer da história. No entanto, apesar dela se mostrar alguém desagradável, sua presença é importante para demonstrar a forma como o preconceito está inserido em uma sociedade egoísta e obscura, onde se rejeita aquilo que não se encaixa em padrões desejados ou esperados do outro. Felizmente ela é uma personagem que consegue se redimir e ensinar ao leitor importantes questões que de outra forma não apresentariam tanta força e até poderia acabar por se tornar algo falso. Intensa e complicada, Carol, é a típica personagem que odiamos e ao mesmo tempo não conseguimos não gostar. Sua personagem em si é alguém que conseguimos gostar, mas sua personalidade - ainda que muito bem construída - nos afasta conforme sua idiotice vai se manifestando de forma intensa e constante. Ela é aquela mulher real, cheia de dúvidas e conflitos, que provoca no leitor os mais variados sentimentos ao se ver frente à frente com alguém tão complexa e difícil, mas que condiz com a nossa realidade.

Henri, por outro lado, é um personagem que cativa nossos corações quando se mostra forte e determinado diante as dificuldades da vida e o preconceito sofrido diariamente - até por aqueles que mais ama. Tetraplégico ele aprendeu depois de longos anos de dificuldades a se aceitar e a lidar com sua nova forma de passar pela vida, onde mesmo com dificuldades o possibilitam de ter uma vida normal e independente; algo que poucos entendem por mais que ele viva a explicar. Sua personalidade e qualidades é algo que salta aos olhos do leitor que se depara com alguém extremamente feliz e mais belo do que muitos, mesmo não se encaixando em "padrões" pre-estabelecidos. Possuidor de uma beleza diferente e sem jamais se menosprezar diante sua deficiência, ele é um personagem que se mostra alguém fantástico é um exemplo para muitos que julgam ou se consideram inferiores por serem diferentes. Ao não se deixar culpar diante do preconceito daquela que ama, ele mostra uma força, uma determinação, um amor próprio sobre si que não se deixa receber menos do que o merecido mesmo que isso signifique não ter aquela que ama... A todo momento há um lembrete que não há nada de errado com o Henri, o errado é o preconceito existente dentro de cada um, algo que por mais que muitos conheçam, poucos exercem!

Narrado através de ponto de vista intercalado entre os dois protagonistas, somos capazes de acompanhar um romance repleto de química entre o casal, mas que está longe de ser fácil ou perfeito ao retratar os muitos obstáculos presentes nessa relação por causa de questões relacionados a cultura preconceituosa em que estamos inseridos. Diferentes na forma de ser, Henri e Carol mostram diferentes facetas e ensinam importantes lições sobre como mudar esses pensamentos já tão ultrapassados diante de tantas mudanças nas facetas da vida. Seus personagens secundários estão o tempo todo presente na obra, ainda que de forma indireta, para realçar essas atitudes e mostrar um contexto completo e amplo de como as coisas funcionam. Longe der ser algo belo, Diana Scarpine é capaz de oferecer um romance avassalador que reflete as partes feias e escuras de um ser humano, assim como a parte mais bonita e sincera do sentimento que move tudo: o amor.

Disponível apenas na versão digital (e-book), esse é um livro muito bem revisado e que permite o ajuste da fonte para a que for mais confortável para você. Com uma diagramação rica em detalhes, ela em nada deixa a desejar em relação aos físicos. Sua capa apesar de simples, é possuidora de uma beleza que encanta e atrai além de se relacionar de forma ideal a sua história. Muito bem dividido, em nenhum momento o leitor se vê perdido nas trocas de narrações e na linearidade da obra; seguindo um caminho continuo e apresentando uma linguagem fácil e acessível, Entrelaces, é uma obra indicada para todos além de ser um grande aprendizado de vida!

Muito bem construído e elaborado, essa é uma obra que poucas vezes se vê perdida em seu enredo. Apresentando uma linguagem concisa e envolvente, Diana dá vida a uma história com páginas que fluem de forma natural tornando sua leitura algo fácil e agradável. Apesar de ser uma história de tamanho considerável, seu número de páginas acabam por serem quase desconsideradas diante de um grande talento e uma abordagem feita com maestria.

Brutal, Entrelace é um romance que gira em torno do preconceito e seu poder de destruição. Intenso, sentimental, essa é uma obra que se mostra diferente ao trazer como narrador uma personagem que fala e demonstra todo seu preconceito infundado e que muitas vezes sabe ser errado, mas não consegue mudar. É algo que acaba por ser algo extremamente doloroso e triste de se acompanhar, ao mesmo tempo em que fascina por se tratar de algo poucas - ou até raríssimas - vezes já vistas na literatura. Diana, através de sua escrita, realiza uma crítica social forte a falta de inclusão aos deficientes no dia-a-dia e as dificuldades em se viver em um lugar tão pouco pensado para quem a possui. Surpreendente, essa é uma obra que muitos iniciam seu contato sem sequer saber do que se trata e acabam por se encantar com o quanto ela é capaz de oferecer muito mais do que o esperado!

Provando o talento que a literatura nacional possui, esse livro veio para quebrar paradigmas e abrir os olhos de quem insiste em fingir não enxergar questões absolutamente necessárias. Com um drama agregado de romance na medida certa, essa obra é mais do que recomendada! Leiam, e se permitam descobrir o quanto à vida de alguém pode estar entrelaçada a de outro em uma história que agrega tudo que há de melhor nesse universo.


site: www.brookebells.com
Diana 31/08/2017minha estante
Muito obrigada pela linda resenha, Brooke!

Beijos,
Diana Scarpine.




LetíciaBaldez 14/08/2015

[RESENHA] #ENTRELACE
A estória começa com a partida de Henrique (Henri), para sua cidade natal na Bahia (Jequié), para ter um encontro com Ana Carolina (Carol), que é uma namorada virtual há cerca de dois anos e meio. Henri há todo momento se mostra inseguro com esse encontro com Carol por medo de ser rejeitado ou vítima de preconceito devido sua deficiência.

Ao chegar para o encontro não é reconhecido por Carol e ela pensa ter levado um bolo, ao se aproximar de um homem cadeirante ela pede uma informação e ele revela que é Henri. Carol não aceita que Henri seja cadeirante e o humilha dizendo monstruosidades a ele, diz ter sido enganada e que ele é um aleijado que nunca poderá fazê-la feliz, que nenhuma mulher iria querer ficar com um meio homem, que não poderia lhe dar filhos.

Ela vai embora furiosa e Henri fica extremamente triste, pois a ama, e pensava que ela também o amava. A todo o momento ele disse que nunca a enganou, que ele mandou um e-mail explicando tudo sobre sua deficiência e em anexo uma foto sentado na cadeira de rodas, mas ela diz que ele é um mentiroso pois nunca recebera e-mail algum.

Os dois vão embora para seus lares e depois de um tempo de reflexão, Henri vai para seu novo trabalho em que ele desenvolverá uma pesquisa denominada CEP. Lá ele encontra com Carol sem saber que ela seria sua colaboradora. Ambos preferiam não falar sobre trabalho por isso não tinham conhecimento de que trabalhavam na mesma área.

"Infelizmente ou felizmente (não sei), parece que, quando amamos, ficamos mais sensíveis e é esta sensibilidade aflorada que faz com que nos machuquemos facilmente quando ouvimos algum comentário da pessoa amada que não nos agrada."
Carol não lida muito bem com essa situação e Henri deixa claro que não irá prejudicá-la em seu trabalho. Os dois começam o projeto, ele diz que a ama e ela sempre deixa claro que o odeia com todas as suas forças.

Com passar do tempo à relação dos dois não melhora, apenas o trabalho os liga para uma socialização bem monossilábica. Carol diz o tempo todo que ele quer conquistá-la e ele diz que a ama, mas não acredita que ela seja capaz de amá-lo. Os dois começam a se falar com mais frequência, sempre com farpas.

Até que um dia Henri tem sua casa finalizada e se muda para lá, Carol fica sabendo e sem saber direito o porquê pede hospedagem em sua casa. Henri não quer aceitar, mas está a cada dia mais apaixonado por Carol mesmo ela magoando seu coração. Ele impõe algumas regras e Carol vai morar com ele.

"A lição que aprendi com Henri não era exclusiva para quem tem deficiência. Era para mim e para qualquer pessoa também. A diferença, seja ela qual for, não é uma aberração. É apenas uma forma mais perceptível de demonstrar que, na verdade, a regra, a normalidade é a diferença, e não, o padrão, pois ninguém é igual."
Os dois começam uma relação de amigos, mas sempre com as palavras preconceituosas de Carol que insiste que ele não é homem em sua plenitude. Diversas vezes ele é claro e se diz independente e que não precisa da pena nem do preconceito advindo dela.

O tempo vai passando e Carol sempre demonstra que está atraída por ele, mesmo dizendo que ele não é homem para ela. Ela até tenta se envolver com outros homens, mas nenhum a leva a sério como Henri.

Honestamente eu fiquei com preguiça de começar a ler um livro tão grosso, olhei-o em meio a outros livros e pensei “esse livro está me chamando”, comecei a ler e logo fiquei com ódio da protagonista Carol, sério ela é preconceituosa e muito grosseira com Henri, faz questão de humilhá-lo quando o vê pela primeira vez e como se não bastasse tudo isso, em alguns momentos é gentil e em outros tem um comportamento ridículo e incompreensível.

Com o passar das páginas confesso que ela me surpreendeu e mudou drasticamente, a amor por Henri a fez amadurecer muito e fez ela rever seus preconceitos e a crescer como pessoa. Ao contrário de Carol que é muito impulsiva e cabeça dura, Henri é inteligente, romântico e muito forte pois superou tudo que aconteceu com ele e se mostrou gentil e amável com Carol mesmo ela não merecendo tal tratamento.

Confesso que o livro me deixou muito nervosa em algumas situações, muitas vezes meu coração doía com o sofrimento de Henri e a indiferença de Carol. Um ponto muito legal é o esclarecimento que a autora dá sobre a sexualidade de um deficiente, sobre como eles reagem ao estímulo sexual e que podem ter uma vida sexualmente ativa.

O livro é narrado pelo ponto de vista de Henri e Carol, as folhas são brancas :( a capa não é muito bonita, mas o que importa é que o livro mostrou a superação do preconceito do verdadeiro amor, e que a vida de Carol e Henri já estavam entrelaçadas há muito tempo.

Amei e recomendo este livro, que entrou para meus favoritos de 2015, espero que tenham curtido a resenha bibouss, fiquem de olho nas redes sociais e deixem nos comentários o que acharam do livro.

site: http://sobangulos.blogspot.com.br/2015/07/resenha-entrelace.html
comentários(0)comente



Lari 07/03/2015

Uma história linda com uma bela lição de vida
Minha sinopse:
"Entrelace" conta a história de Henri e Carol, duas pessoas que se conheceram virtualmente e que acabaram se apaixonando, mas quando eles vão se encontrar, Carol se depara com um cadeirante e ao descobrir que é Henri, ela fica furiosa e começa a ofender ele chamando-o de mentiroso, algo que não é verdade, pois Henri lhe contou sobre sua deficiência, mas um grande mal entendido aconteceu e Carol não leu essa revelação de Henri.
Então os dois se distanciaram completamente e quem saiu mais machucado dessa relação foi Henri, pois ele achou que a mulher que ele amava o tinha aceitado como ele era, mas infelizmente não foi isso que aconteceu. No entanto, o destino se encarrega de novamente colocar os dois frente a frente, isso ocorre quando Carol vai conhecer seu novo chefe e ele é Henri. Nesse momento Henri se mostra um grande profissional e aceita Carol como sua funcionária, essa relação entre os dois não será nada fácil, mas ambos terão que ser extremamente profissionais e deixar de lado a relação pessoal.
A convivência de Carol com Henri fica cada vez pior, pois Carol é muito preconceituosa e vive magoando Henri, mas mesmo com todo o sofrimento que Carol lhe causa, Henri não consegue deixar de amá-la e esse sentimento se intensifica mais ainda quando Carol passa a morar na mesma casa que Henri. Será que agora Carol vai se dar conta do quanto Henri é especial e vai deixar de lado seu preconceito e seu jeito egoísta?

Minha opinião:
Quando eu peguei o livro para ler, confesso que fiquei um pouquinho desanimada, pois é um livro grossinho e eu tinha acabado um livro que arrastei a leitura toda, mas quando comecei a ler, nem vi as páginas passarem, eu "devorei" esse livro como a algum tempo eu não fazia com livro algum, ou seja, a leitura foi muito fluida para mim.
A diagramação do livro está simples, a fonte do texto está em um tamanho pequeno e as páginas são brancas, o que de início pode afastar muitos leitores, mas vale muito a pena ler mesmo com esses detalhes que não agradam a maioria das pessoas. A capa do livro eu não gostei, não que ela seja feia, mas ela não chama a atenção para a história do jeito que deveria. Vale lembrar que os capítulos são intercalados entre Henri e Carol, isso é um ponto bem positivo, pois assim conseguimos ver a história do ponto de vista dos dois.
Em relação aos personagens, os dois foram muito bem construídos, é impossível não ser conquistado por Henri, ele é um personagem muito forte e admirável, um homem que mesmo com todas as dificuldades não se deixou amargurar e que sempre pensa e faz o bem para os outros. A Carol também é uma personagem incrível, mas ela vai fazer o leitor a odiar com todas as forças, pois ela é muito fria e sempre machuca Henri, tem atitudes ridículas que fazem o leitor se perguntar o que ela tem na cabeça, mas depois a Carol vai conquistando o leitor aos poucos. Ambos possuem uma linda história de vida e elas foram entrelaçadas bem antes deles terem noção da existência um do outro.
Esse livro tem uma grande história de amor e superação, ele mostra que às vezes o preconceito que sentimos pode atrapalhar e muito a nossa felicidade, que deixar de ser preconceituoso não é algo fácil que pode ser feito da noite para o dia, ele também traz a tona a questão da dificuldade que um cadeirante possui para se locomover em algumas cidades.
Bom, eu não consegui expressar nem metade do que esse livro me fez sentir, é difícil colocar em palavras o quanto essa história me emocionou e me marcou, eu só posso dizer que recomendo muito a leitura desse livro, pois o mesmo tem uma história incrível que faz o leitor refletir bastante. Entrelace é simplesmente um livro maravilhoso que precisa ser compartilhado com o mundo, ele é sem sombra de dúvida o melhor romance nacional que já li e entrou para a minha lista de livros favoritos. Agora para finalizar: LEIA esse livro mesmo se a revisão não agradou você, pois vale muito a pena, a história é muito linda.

site: http://srtabookaholic.blogspot.com.br/2014/10/resenha-entrelace.html
comentários(0)comente



32 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR