Assim Falava Zaratustra

Assim Falava Zaratustra Friedrich Nietzsche




Resenhas - Assim Falava Zaratustra


14 encontrados | exibindo 1 a 14


Amâncio Siqueira 04/10/2020

Friedrich Wilhelm Nietzsche (Röcken, Reino da Prússia, 15 de outubro de 1844 — Weimar, Império Alemão, 25 de agosto de 1900) faz uma síntese lírica de seu pensamento em Assim Falava Zaratustra, seu livro mais conhecido, através do profeta Zaratustra, também conhecido como Zoroastro. Entre seus principais temas estão o nihilismo, a vontade de potência, o eterno retorno, a mudança do paradigma moral e o super-homem. Mais de um século após sua publicação, as palavras de Zaratustra continuam sendo um livro para todos e para ninguém.


site: https://youtu.be/LVG-I_wH5GM
comentários(0)comente



Otavio.Paes 31/08/2020

Um livro para poucos
Assim Falava Zaratustra- escrito em 1883-1885


Um dos trabalhos filosóficos mais lidos e influentes de todos os tempos. Assim falou Zaratustra tem um caráter híbrido: filosofia, religião e literatura se juntam formando algo bem atraente e complexo. "Um livro para todos e para ninguém". Se, por um lado atrai o leitor por sua forma poética e metafórica, o afasta por seu hermetismo; e ao mesmo tempo em que é escrito muito diferentemente dos livros convencionais de filosofia, é de uma grande profundidade, exigindo muito cuidado na interpretação. Isto é, muitos podem ler, mas poucos podem entender.


Ao publicar Além do Bem e do Mal, livro imediatamente posterior, Nietzsche revelou ao amigo Jacob Burckhardt que a nova publicação continha "as mesmas coisas que ele havia dito antes na boca de Zaratustra, mas de modo diferente, bem diferente".

De fato, o leitor reconhecerá, linguagem metafórica e alegórica dos discursos e diálogos de Zaratustra, muitas das ideias que seriam desenvolvidas em prosa reflexiva nas obras posteriores- ou que já haviam sido abordadas em Aurora e A Gaia Ciência, livros aos quais ele chegou a se referir como " comentários ao Zaratustra antes que ele aparecesse".

Zaratustra(XII e VI a.C), profeta e poeta persa, é uma alusão ao primeiro no ocidente, a codificar uma visão binária e excludente de bem e mal.
Na concepção da filosofia de Zoroastro, o bem e o mal são forças que lutam entre si, ou seja, ele foi um dos primeiros inventores da moral, e responsável por levá-la ao plano metafísico, universal. 
Faz diversas paródias, como a caverna de Zaratustra, que seria o inverso da caverna de Platão; também ironiza a Bíblia- fortificando sua crítica à moral cristã, moral esta que está bem enraizada no mundo ocidental. Enfim, satiriza as bases da cultura ocidental.

"Na verdade, os homens se deram a si próprios todo o bem e todo o mal. Na verdade, não o receberam, não o encontraram, não lhes caiu como uma voz do céu. O homem é que pôs valores nas coisas, a fim de se conservar. Foi ele que deu um sentido às coisas, um sentido humano".
Ou seja, foi o homem quem criou os valores morais, a partir de seus interesses e a fim de se conservar; são produtos da história humana. Os valores "bem" e "mal" têm uma origem e história. O "bem" e "mal" não caíram como uma voz do céu, não foi dado ao homem, não existiu desde sempre- então Nietzsche conclui que não há noções absolutas de "bem" e "mal"; assim ele nos mostra que, contrário ao que supomos, o bem nem sempre contribui para o prosperar da humanidade, nem o mal para sua degeneração.
Ao repensar a natureza de valor, acaba abençoando o que até então era maldito e amaldiçoa o que até então era abençoado. Amaldiçoa: a compaixão, o amor ao próximo, a divisão corpo/alma, o padre, a igualdade... Ele está descendo seu martelo aos valores mais caros, que nortearam, e ainda norteiam, a civilização ocidental; está "quebrando as antigas tábuas de valores". Esta obra é, talvez, uma das maiores críticas já feita aos valores ocidentais- pode ser compreendido como a mais profunda recusa dos valores e ideais do homem moderno.

"Porque os criadores são duros. E deve-nos parecer beatitude imprimir vossa mão em séculos como em cera branda, e escrever sobre a vontade de milênios como sobre bronze, mais duros que o bronze, mais nobres que o bronze."
Nietzsche aqui salienta a destreza com que se deve manejar o martelo, é importantíssimo ter forças para quebrar os ídolos- mas apenas com o fim de criar novos valores, de "escrever novos valores em novas tábuas". - Temos aqui a ideia de desconstrução: não estando preocupado em discutir a validade das deduções dos adversários, mas sim de quebrá-las pela raiz.

"Quase no berço ainda nos dotam de pesadas palavras e pesados valores: "bem" e "mal", assim se chama o patrimônio. E nós arrastamos fielmente aquilo com que nos carregaram sobre duros ombros e por áridos montes! Se suamos, dizem-nos: "É verdade, a vida é uma carga pesada!"A única coisa pesada, porém, para o homem levar é o próprio homem! É que carrega aos ombros demasiadas coisas estranhas. Como o camelo, ajoelha-se e deixa-se carregar bem" [...] "Mas aquele que diz: Este é meu bem e meu mal, esse descobriu-se a si mesmo. Com isso faz emudecer o míope e o anão que dizem: "Bem para todos, mal para todos".[...]
" Este é agora meu caminho. Onde está o vosso?" Era assim que eu respondia aos que me perguntavam "o caminho". O caminho, de fato, o caminho não existe!".
Zaratustra, diferente dos profetas convencionais, não quer discípulos nem seguidores, quer aliados, por isso, quando chegar determinado momento, será necessário seguir com as próprias pernas. A leitura de Zaratustra deve guiar para a liberdade, tornar-se senhor de si mesmo, os ensinamentos dele servem para apontar caminhos possíveis- "A solidão é o caminho que te guia a ti mesmo"; "Antes ser louco por seu próprio critério, do que sábio segundo a opinião dos outros"

O livro trata, de forma densa, de temas que estão presentes em toda sua obra, assim como apresenta novas ideias. Cada capítulo nos leva a uma profunda reflexão. É uma obra bem hermética, então pode receber muitas interpretações diferentes, também por isso é uma rica fonte para se apropriar

Observação: A obra é dividida em quatro livros, e Nietzsche pretendia acrescentar mais dois, porém ele perde a razão em 1889 e acaba não fazendo, e também deixa alguns conceitos inacabados- como a vontade de potência e o além-do-homem.
comentários(0)comente



Raphael 13/05/2020

Complexo
Recomendo que não comece a ler Nietzsche por este livro, caso contrário vai ficar achando que ele é louco.
comentários(0)comente



AndrA.BrandAo 22/04/2019

li e acabei absorvendo pouco da leitura
comentários(0)comente



Mari 18/01/2018

"Deus morreu! É a vez do homem, melhor, do super-homem!"
"O que é grande no homem é ele ser uma ponte e não uma meta. O que se pode amar no homem é ele ser uma passagem e um declínio."

Para mim, uma das frases mais marcantes. De um livro marcante, atraente e profundo. 'Assim falava Zaratustra' narra a história de Zaratustra, um pensador que desce das montanhas para ensinar aos homens o que descobriu em seu isolamento. Com uma linguagem cheia de metáforas e aforismos Nietzche apresenta seus preceitos através do personagem principal.

É um livro que nos faz abraçar uma nova perspectiva sobre o que fazemos e como fazemos, quem somos e quem queremos ser. Foi, pra mim, uma fuga da minha zona de conforto literária e, honestamente, não me arrependo. Apesar de ter levado mais tempo do que imaginei (devido à linguagem, que precisei checar diversas vezes no dicionário, e à profundidade das reflexões/interpretações), foi uma leitura muitíssimo interessante, que realmente valeu a pena e expandiu minha visão sobre várias questões.

comentários(0)comente



ari 01/07/2017

Necessário releitura...
comentários(0)comente



Alcinéia_az 30/07/2015

Assim falava Zaratustra
“O homem é uma coisa que deve ser superada.”
É impossível passar pela leitura de “Assim falava Zaratustra” e não mudar nosso olhar com relação à religião, pois nesta obra Nietzsche mostra que Deus está morto e foi o homem que o matou através da ciência, e visando isto, o autor faz um desafio a humanidade propondo ao homem que seja o super-homem, que vá além do homem e faça o bem como uma arte, superando o bem proposto pelo cristianismo que sempre visa algo em troca, pois segundo Nietzsche “aquele que não tem fé em si mesmo mente sempre”, “pois tudo quanto tem preço pouco valor tem”.
Depois da leitura deste livro compreendi que a religião é a prova mais concreta do fracasso da humanidade com relação ao bem.
comentários(0)comente



Luciano Luíz 09/08/2014

ASSIM FALAVA ZARATUSTRA, do maior filósofo de todos os tempos, NIETZSCHE.
O mais sábio homem que já andou entre nós.
A busca desenfreada pelo Super-Homem (ou se preferirem, Além do Homem. Uma tradução mais próxima), onde o ser humano encontraria tudo o que fosse necessário para a mudança completa.
O homem que pensa.
O homem que age.
Que renuncia à tolice.
Que usa do raciocínio para com o bem-estar de outros homens.
Fazer o bem acima de tudo.
Preparar-se para enfrentar o mal a todo e qualquer custo.
Afastar-se das crendices e estar além do que o ser humano é.
O alemão nos mostra de forma precisa, o que seria alguém que está no nível superior.
Que não se encontra na ignorância.
Ter a alma, o conhecimento, e a humanidade sempre à postos.
Isso é estar além.
O próprio NIETZSCHE era único.
E ainda hoje, raros são os homens que já conseguiram chegar onde ele explana neste livro fenomenal.
No início, é uma leitura fácil, mas depois, mostra-se altamente complexa, e por isso, requer muita atenção do leitor. Pois o pensar nesta obra é fundamental.

Nota: 10

L. L. Santos

site: https://www.facebook.com/pages/L-L-Santos/254579094626804
comentários(0)comente



llucianin 06/03/2014

foi difícil!
confesso que pensei em abandonar a leitura; começou bem, mas depois ficou chato, uma escrita cheia de aforismos, e símbolos que nos deixa por fora do assunto, mas depois veio os diálogos e ficou muito bom, pude notar pela rapidez que li os últimos capítulos. Um livro em que Niezsche decreta a morte de deus, e anuncia o além-homem, o homem criador de seu próprio destino, satirizando o novo testamento bíblico com uma criatividade única!!
comentários(0)comente



carlospauluk 02/01/2014

Chato
Dos livros chatos, esse foi o mais rápido que eu li =P
R'Amon~An~Gelo 15/03/2014minha estante
Admiro de ter lido esse tijolo rápido! :O




Francisco 27/08/2013

Zaratustra: o vigor de uma afirmação
Talvez Assim Falava Zaratustra seja o Magnum Opus de Nietzsche. Ele faz uma autópsia crítica e relativiza as verdades "racionais" de seus colegas filósofos predecessores. Distila ironia e disseca o ponto de convergência da mentalidade avizinhada de valores decadentes, hipocrisia, vícios e grilhões. Diante dessa situação despe o estranhamento e o asco, parte em direção a uma platéia inverossímil transmutada em animais, monstros, seres humanos com suas virtudes e defeitos, para falar do passo decisivo a ser dado pelo ser humano: precisamente uma obra de evolução (ubermensch). O vigor das palavras de Zaratustra promove uma identificação do leitor com esse ideal de superação, chave de ignição para as transformações mediadas pela vontade de potência de cada um. Nesse universo a apatia, a subserviência e a acomodação não tem vez, e até a morte é redimida da sua crueldade assumindo um ar de descanso e retorno a uma condição elementar de unidade holística com o mundo. Assim Falavra Zaratustra é realmente uma obra incendiária, capaz de justificar o melhor e o pior que há no ser humano. Recomendo muito a leitura dessa obra!
comentários(0)comente



fellipe! 02/03/2013

*****
É um livro para se ler com uma espécie de "crítica psicológica", pois fica mais que claro que Zaratustra é uma projeção do próprio autor. Muito de suas questões, tais quais como o "Eterno Retorno" e a noção do "Homem superior" são frequentemente citados, além do tom profético e trágico, natural do filósofo. Quanto aos que criticam a sua incompreensão, defendo-o por sua abordagem poética, já que uma tentativa de se entender 'logicamente' uma obra como essa seria errônea, pois este é um livro puramente sensorial. Para sentir, acima de tudo.
comentários(0)comente



14 encontrados | exibindo 1 a 14