Morte na Flip

Morte na Flip Paulo Levy




Resenhas - Morte na Flip


18 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Fernanda 25/10/2012

Resenha: Morte na Flip
Resenha: Morte na Flip é um livro intenso e cheio de reviravoltas. Na verdade, é o tipo de livro que te deixa apreensivo desde o começo. Eu gosto bastante de gêneros policiais e essa trama me chamou bastante atenção justamente pela narração clara e detalhada. A história gira em torno do personagem Joaquim Dornelas, e suas buscas incessantes por respostas para crimes mal resolvidos.
Antes de iniciar o evento da Feira Literária Internacional de Palmyra – FLIP, o delegado está voltando para casa, mas tem a sensação de que está acontecendo algo errado. Por esse motivo, ele fez com que um de seus investigadores ficasses espertos, pois algo poderia estar acontecendo.

“Meu nome é Joaquim Dornelas. Sou delegado titular da Polícia Civil de Palmyra. (...)” Pg. 56.

Confira a resenha completa aqui: http://segredosemlivros.blogspot.com.br/2012/10/resenha-morte-na-flip-paulo-levy.html
comentários(0)comente



Ju 27/09/2013

Morte na Flip
Gente, eu estou cada vez mais apaixonada pelo delegado Joaquim Dornelas. *-* Meu primeiro contato com ele foi no livro Réquiem para um assassino, e posso testemunhar que ele lutou muito para se tornar uma pessoa melhor de um livro para o outro. Além de ser um investigador brilhante, consegue reconhecer todos os erros que cometeu em sua vida pessoal e lutar para fazer diferente na nova chance que a vida lhe apresenta.

"Uma vida pautada pela força, pelo poder de decisão e ação, não se muda de uma hora para outra. O trabalho na polícia não contribuiria em nada para isso. Pelo contrário. Se não tivesse cuidado, o embruteceria ainda mais. Desistir da carreira estava fora de questão. De uma hora para outra, num dos meandros da mente, revelou-se o desafio à frente: fazer a travessia da brutalidade para a humanidade executando o seu trabalho."

Eu já disse para vocês que o delegado é viciado em chocolate??? Ele tem uma gaveta em que guarda secretamente seu chocolate ao leite preferido. Chocolate faz milagres com ele, e comigo também! Então super me identifiquei com esse hábito... rs...

"Lembrou-se de que a barra de chocolate havia acabado. Um desespero comedido surgiu, pois para o delegado nada como o naco de um bom chocolate ao leite para desbastar as arestas de um momento de tensão."

Em Morte na Flip, na madrugada do primeiro dia do Festival, uma das principais autoras convidadas é assassinada. Dornelas a havia visto em um barco na noite anterior, acompanhada apenas pelo marinheiro, e pressentiu que havia algo errado. Mas pressentimentos não justificam ações extremas, principalmente quando ele não seria diretamente responsável por providenciar isso. Então, depois de garantir que sua equipe fique de prontidão, ele volta para casa. É acordado por Solano, seu braço direito, com a notícia de que algo realmente aconteceu.

Logo a vítima é identificada: Georgia Summers, autora de muito sucesso, com vários romances de banca publicados. O delegado precisa descobrir quem teria interesse em sua morte, e o motivo. Os fatos vão se revelando aos poucos, a história foi muito bem construída.

Dornelas é fantástico, ele desvenda as coisas de uma forma espetacular. Confia plenamente em sua intuição, e que intuição ele tem! Mata as charadas bem mais facilmente do que eu. Desta vez, aliás, preciso confessar que não consegui desvendar toda a trama sozinha. Me senti como no final dos livros da Agatha Christie, em que o Poirot vai apresentando todo o caso e eu só leio, de boca aberta, me achando uma idiota. Dornelas me fez sentir exatamente do mesmo jeito.

Espero que o Paulo continue dando vida ao Dornelas, porque quero ler muito mais histórias com a participação dele. Apesar de estarmos falando de livros policiais, com o delegado as histórias ficam bem mais leves, a humanidade dele causa esse efeito. Ao mesmo tempo em que um crime está sendo desvendado, Dornelas tem que lidar com problemas comuns que se apresentam a todo ser humano, como o cachorro que ele tem e que fica grande parte do dia sozinho em casa, e sempre que o delegado aparece precisa urgentemente dar um passeio! rs...

Amei Morte na Flip, e espero que um dia vocês também possam conhecer o delegado Joaquim Dornelas.

site: http://entrepalcoselivros.blogspot.com.br/2013/09/resenha-morte-na-flip.html
Juh 27/09/2013minha estante
Parabéns pela resenha Ju!! Nossa estou muito curiosa para conhecer o Joaquim Dornelas, e ele tem um hábito que eu também tenho: Chocólatra HAHHAHA, AMO CHOCOLATE. Aaaah eu sou louca por livros que me surpreendem completamente no final, os de Sherlock Holmes me deixam fascinada por causa disso e sei não, mas fiquei com a impressão que o Joaquim Dornelas é bem parecido com o Sherlock!! rsrsrsr!!


Narinha 28/09/2013minha estante
Curti bastante a sinopse e a resenha, apesar de não ter acompanhado o livro que veio antes desse, Dornelas parece ser um delegado bem divertido - com seu vício em chocolate e sua alimentação a base de farinha láctea -, mas ao mesmo tempo que alguns de seus hábitos aparentam ser meio cômicos, o policial parece ter uma batalha interna de não deixar a frieza que sua profissão requer invadir sua vida pessoal. Sempre achei interessante esse tipo de amadurecimento nos personagens e espero sinceramente gostar de Dornelas e de suas investigações :D !!


Lore 30/09/2013minha estante
Então Ju, tenho tido bastante interesse em livros policiais, não só devido a minha futura profissão, mas sim porque tenho gostado de verdade cada vez mais de livros sobre o tema. Lembro de ter gostado bastante de sua resenha de Réquiem para um assassino, achei a história bem diferente, e se não estou enganada cheguei a ler um capitulo do livro e gostei bastante. Com Morte na Flip, meu interesse pelas obras do autor aumentou, estou adorando esse crescimento de obras nacionais. A capa desse livro é maravilhosa, e estou mega curiosa para conhecer mais sobre o Dornelas :) Adorei a resenha Ju!


Cris 07/10/2013minha estante
Não costumo ler livros policiais, então não posso dizer que este tenha me interessado. Mas sempre é lega quando a gente gosta de um personagem, e consegue "vê-lo" novamente em outra história.


Leilane 07/10/2013minha estante
Isso me fez lembra da série The Closer, a delegada também tem uma gaveta de doces e sempre no meio das investigações acaba comendo um para se acalmar hehe
Achei a trama super envolvente! Não sou tão fã de livros policiais, gosto de assistir a alguns filmes e séries, mas normalmente não me interesso por livros do gênero, mas confesso que fiquei curiosa com esse! Espero tem a oportunidade de ler um dia.
Amei a resenha!
Beijos


Thaís 12/10/2013minha estante
Oi Ju! Que legal, eu não lembrava que havia mais livros com o Dornelas a não ser o "Réquiem para um assassino" Adorei totalmente o livro, e na parte que eu também super me identifico em ser chocólatra, pena que se eu guardasse uma barra de chocolate no meu quarto não sobraria um pedaço para contar a história haha!


Sarah 12/10/2013minha estante
Que resenha legal Ju! Não sou muito fã de policiais, mas este parece interessante. E o vício em chocolates.... sei bem o que é isso rs!!




Blog PL 22/01/2013

http://palaciodelivros.blogspot.com.br/2012/11/resenha-morte-na-flip-paulo-levy.html
Postado em: http://palaciodelivros.blogspot.com.br/2012/11/resenha-morte-na-flip-paulo-levy.html

Dornelas estava próximo à Flip, um enorme evento literário que acontecia na cidade de Palmyra, quando presenciou uma cena suspeita. Tarde da noite, uma embarcação lançou-se mar adentro, com apenas duas pessoas a bordo. E, no entanto, por mais natural e comum que fosse tal acontecimento, nosso delegado manteve-se alerta, não deixando de ignorar seu pressentimento.
Horas depois, Dornelas é informado de um possível assassinato. Próximo dali, numa praia calma, um corpo com inúmeras perfurações esperava para ser averiguado. Com traços físicos diferentes dos brasileiros, provavelmente, a identificada mulher era estrangeira; e pior: era uma das mais ilustres escritoras convidada para Flip.
Mas as mortes não acabavam por aí. O marinheiro que trouxera a escritora até a praia, também morrera, ao bater a cabeça quando a tempestade viera; ou era isso que o assassino misterioso queria insinuar...
Com mentiras, perigos, traições, egoísmo, sacrifício, e mais mortes; Dornelas tem um grande trabalho a fazer, a final, o assassino estava muito longe de ser encontrado.
O primeiro ponto que notei nesse livro, foi a sua evolução. Sem que estivesse preso e limitado pelo volume anterior – Réquiem para um Assassino – Morte na Flip foi uma obra totalmente inovadora. Os envolvimentos dos personagens, as mortes, o ritmo dos acontecimentos e a narração; tudo foi inesperado e diferente, uma experiência totalmente agradável.
Dornelas se tornou um personagem mais curioso ainda – assim como seus coadjuvantes, que tiveram uma participação muito importante nessa trama. Com atitudes reais, manias, virtudes; a personalidade no geral de Dornelas é extremamente real, da mesma maneira que as cenas descritas, muito próximas de nosso dia-a-dia.
E o que faz a obra ser envolvente é seu equilíbrio, que vai desde o suspense ao romance. E é, principalmente, a vida profissional e pessoal de Dornelas que contribuí para essa dose certa. Mas as críticas que foram feitas também favoreceram para que o livro tivesse muito conteúdo, sem deixar de mencionar as frases inspiradoras de grandes pensadores.
Talvez o que mais me incomodou nesse livro foi suas folhas, que são brancas, mas que acabei me acostumando mais tarde.
Com um suspense de arrepiar, um mistério capaz de deixá-lo tenso, e uma perfeita construção de acontecimentos – além de uma capa muito criativa e bonita – Morte na Flip é um livro que indico à todos tipos de leitores! É difícil não amar essa história tão bem construída.


Primeiro parágrafo do livro:Boletim de ocorrência, inquérito, portaria, ordem de serviço, requisição de perícia, ofícios, intimação, depoimentos, auto de prisão em flagrante, despacho, pedido de prisão, requisição para a compra de ar condicionado. Dornelas parou nessa. Largou a caneta, puxou o telefone do gancho e discou três teclas.


Melhor quote: Daquele momento em diante, o delegado passou a enxergar a própria existência sob uma perspectiva mais realista. Sua frágil condição humana foi abraçada como se abraça um filho querido. Uma lição que ele pensou que jamais esqueceria. E como um ser humano falível, esqueceu. A vida, por vezes indulgente, lhe concedeu uma segunda chance. Solano estava ali para lembrá-lo.


Letícia Lançanova / Palácio de Livros
comentários(0)comente



Juh 16/02/2013

Em morte na Flip vamos conhecer mais uma aventura do delegado Joaquim Dornelas, Flip é um grande evento literário que acontece em Palmyra e traz muitas pessoas para a cidade, em meio à animação para o evento e à preocupação de algo acontecer o delegado Dornelas está mais atento a qualquer detalhe, na noite de abertura do evento ele nota algo suspeito, um barco de passeio que deixa a margem e ruma o mar em uma noite escura, não só o horário chama sua atenção, algo mais o intrigava e em anos de profissão ele não poderia deixar de considerar seu faro policial.
Ele deixa sua equipe em alerta e algumas horas depois recebe uma ligação, sua intuição não o enganara, uma mulher tinha sido encontrada morta em uma ilha das redondezas, com golpes de um objeto desconhecido e traços não brasileiros.
Um grande mistério começa, quem era ela? O que ela estava fazendo ali? Quem a matou e porque? Sua identidade não fora difícil de encontrar uma vez que a principal autora convidada para a Flip estava desaparecida. Agora o delegado terá de usar todo seu profissionalismo e intuição para desvendar esse crime. Mas claro, sem deixar de lado seu novo amor, Dulce Neves.

Mais um livro ótimo, com uma estória de tirar o fôlego e um desfecho de surpreender! Desde a primeira página do livro eu simplesmente não queria parar de ler e depois de devorá-lo em poucos dias eu so sinto uma pontinha de tristeza por me despedir de Dornelas! O livro tem uma estória muito envolvente e uma narrativa muito boa, o que faz ser quase impossível querermos parar de ler! A cada página idéias novas vão surgindo e a vontade de desvendar o crime aumenta. Em meio às investigações e ao seu romance com Dulce o nosso protagonista supera nossas expectativas mais uma vez! Para mim Morte na flip não merece menos que cinco estrelas e os leitores não merecem ficar sem conhecer esta estória intrigante, por isso recomendo a todos e espero que gostem assim como eu *-* Mais uma vez agradeço ao Paulo Levy por ter me enviado o livro tornando essa resenha possível e Parabéns pelas belas obras! Não posso deixar de comentar o quanto estou ansiosa pelo proximo livro!

"Refletiu sobre o tempo que dedicara, em toda a vida, à elucidação de crimes cometidos por razões no mínimo estúpidas, porém humanas: dinheiro, poder, ciúme, inveja, avareza, pura maldade. E no melhor dos casos, se é que isso é possível: amor. "O ser humano é um bicho muito estranho", concluiu."
comentários(0)comente



Jéssica 23/04/2013

Resenha - Diamante Negro
Eu realmente fico triste pela Literatura Nacional ser tão pouco conhecida e divulgada pelos próprios brasileiros. São muitos talentos, todos excepcionalmente grandes, que são perdidos. E fico muito feliz em divulgar esses trabalhos para ajudar nem que seja um pouco, esses escritores talentosos e ter a honra em tê-los como parceiros.

Morte Na Flip, conta o caso de uma morte inesperada, de uma grande autora mundialmente conhecida, na Flip, um dos eventos literários mais famosos do mundo. Claro que uma morte dessas, num padrão desses, implica em mais trabalho para a polícia, e o delegado Dornelas sente isso na pele.
O Livro tem a mesma narrativa gostosa e animada do livro anterior e nossa atenção é igualmente presa. Joaquim Dornelas é sem dúvida tão bem criado pelo autor que às vezes me questiono se ele existe de verdade.
Mistério é um dos meus gêneros literários preferidos, pois aprecio o grau de dificuldade em escrever. É necessário prender o leitor, fazê-lo pensar, deixá-lo curioso e surpreendê-lo no final, Paulo Levy nos proporciona tudo isso e mais, no Morte Na Flip tem até um romancesinho *o*
Gostaria mesmo de agradecer muito ao autor pela parceria, amei os livros, o enredo é realmente digno de Best-Seller, Meus Parabéns! E claro, fazer meu pedido de leitora histérica: Quero Mais!

http://docediamantenegro.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Lili Machado 08/10/2013

Um livro que tem a capacidade de fazer com que nos envolvamos com a vida do protagonista, e nos tornemos amigo dele.
No segundo romance policial do escritor Paulo Levy, o delegado Joaquim Dornelas usa, mais uma vez, seu faro policial, para desvendar mais um complicado crime, com a ajuda de sua equipe de investigadores (Solano, Caparrós, Peixoto), cuja participação foi bem ampliada.
Voltando para casa em Palmyra, tarde da noite, Dornelas tem a sensação de que está acontecendo ou vai acontecer algo de errado num barco suspeito, que invade o mar.
Dito e feito, ocorre a morte violenta de uma autora mundialmente conhecida, durante o período da FLIP, um dos eventos literários mais famosos do mundo.
Gytha Svensson (ou Geórgia Summers) é escritora de romances de banca melados, com estórias de paixões ardentes e sonhos impossíveis, com títulos como: Paixão no Olimpo; era uma das principais atrações estrangeiras da FLIP; e foi morta com vários golpes de uma arma ainda não identificada.
É também encontrado o corpo do marinheiro do tal barco suspeito, aparentemente, vítima de um acidente.
Assim se desenvolve a trama de Morte na FLIP – um livro que tem a capacidade de fazer com que nos envolvamos com a vida do protagonista, e nos tornemos amigo dele, a ponto de torcermos por seu romance com a legista-chefe do Instituto Médico Legal da região, Dulce Neves, que vai muito bem, obrigado.
Desde o Crime do Mangue, Dornelas havia se transformado numa celebridade na cidade. É homem, pai, delegado, amante, ex-marido, dono do cachorrinho Lupi, e ser humano. Cheio de atitudes, manias, erros, problemas, equilíbrio e emoção, sua caracterização é extremamente real, e leva o leitor a seu dia-a-dia, na dose certa.
Seus vícios – barras de chocolate ao leite e novelas. Aliás, esse livro aborda mais intensamente seu vicio por chocolate, mostrando sua prática metódica de guardar as barras escondidas na gaveta, para, de quando em quando, quebrar quadradinhos e deixá-los derreter na boca. Um combate à ansiedade!
Dornelas estreita os laços com o filho adolescente que atualmente mora no Rio de Janeiro – laços esses que a ex-mulher estaria querendo reatar. – Mas logo agora que o romance com Dulce, vai de vento em popa?
Nesse livro ficamos sabendo um pouco mais sobre o investigador Peixoto – adorador dos microfones e câmeras de televisão – porém avesso à responsabilidade paterna e ao choro de bebês.
Conhecemos a morena fogosa Madalena Brasil, e o garçon Marquinhos, fã de Ernest Hemingway.
Mas, que diabos será o tal “ganso” que o investigador Caparrós contratou, para auxiliar na investigação?
Gostei muito mais da arte da capa desse livro do que a do anterior, Réquien para um Assassino. A caneta vertendo sangue me parece excelente metáfora para um romance policial.
Se Réquiem para um assassino já foi uma leitura deliciosa, Morte na Flip é ainda melhor.
Enquanto não vem o terceiro livro, em 2014, vou sentir saudades de Dornelas e de suas manias por chocolate e mingau de farinha Láctea (goró).
Meus trechos preferidos, em que o leitor pode visualizar, claramente, cenas de um futuro filme, com o ator Alexandre Nero como protagonista (minha sugestão):
“Cuidadosamente desembrulhou um quadradinho e colocou-o na boca; e com a língua passou a jogar a massinha que derretia de um lado a outro, como uma bola numa partida de tênis.” – Joaquim Dornelas aproveitando seu vício.
“Tinha fé e confiança de que as pistas colhidas pelo Chagas e pela Dulce o ajudariam a sair da posição desconfortável em que se encontrava, o que significava, até aquele momento, lugar nenhum”. – Joaquim Dornelas, perdidinho da Silva.
“Sabe, doutor, o menino nasceu com os olhinhos mais puxados um pouco e os cabelos bem pretos e escorridinhos. Então eu e meu marido decidimos fazer uma homenagem ao melhor amigo dele, um china que mora perto da gente”. – mãe tentando explicar a Dornelas, o inexplicável
“Naquela manhã, o céu cinza e enrugado caía sobre a terra como uma prensa gigante. (...) A ilusão de ótica lhe dava a impressão de que chegaria de joelhos até onde estava Faustino.” – Joaquim Dornelas e o céu de Palmyra
“Dornelas comparou o encontro a uma visita a um museu, onde lhe seria permitido apenas apreciar as obras a distância, sem poder tocá-las.” – sobre uma beldade morena suspeita
“A mulher parecia encolher na cadeira. Dez minutos mais daquilo ela estaria apta a voltar para o útero da mãe.” – sobre uma beldade morena suspeita 2
“Dornelas se acendeu como um pinheiro em noite de Natal.” – Joaquim Dornelas recebendo uma informação vital.


site: http://www.skoob.com.br/estante/livro/32801524
comentários(0)comente



@injoyce_ 02/06/2018

Morte Na Flip
Flip (Festa Literária Internacional de Palmyra) é um dos eventos mais esperados da cidade. Dornelas fica preocupado com o que venha acontecer num evento onde irá se encontrar tantas pessoas, e quanto mais pessoas, mais trabalho e confusão.
O Segundo volume das perigosas aventuras do Delegado Joaquim Dornelas segue com morte dupla.
Se Joaquim já ralava muito, imagina agora com dois assassinatos.
Joaquim está adorando sua amizade colorida com a Legista Dulce Neves, está parecendo um adolescente apaixonado. Joaquim também está perdendo momentos na vida dos filhos que qualquer pai iria adorar acompanhar... mas a vida corrida do Delegado mal deixa ele dormir, as mortes dão tanto trabalho que mal aparece a vida pessoal dele nesse volume da série.
Morte na Flip é muito bom, para quem adora um romance policial, aventura, mistério e que gostem de livros que envolva literatura no meio, a história envolve escritores e editoras famosas.
Nosso querido Delegado tem que correr com o caso e se desvencilhar dos jornalistas que enchem o saco, especialmente com um caso especial como esse.
comentários(0)comente



Danielle 27/11/2013

Resenha – Morte na FLIP – Paulo Levy
Morte na FLIP é a segunda aventura do delegado Joaquim Dornelas, um delicioso romance policial com uma narrativa que envolve o leitor do início ao fim sem ser cansativo em momento algum.
Uma escritora muito famosa que seria a maior atração da festa literária da cidade de Palmira a FLIP é encontrada morta às vésperas do evento, causando um verdadeiro alvoroço na cidade. E caberá ao delegado Dornelas descobrir o autor do assassinato e ele dá um show em toda sua investigação.
Como no livro anterior o leitor acompanha também um pouco da vida pessoal do delegado fazendo com que o leitor se apegue bastante ao personagem a cada livro.
Gostei muito da maneira como a trama foi desenvolvida, com um toque de humor e um desfecho bastante surpreendente.
Aos fãs de romances policiais não podem deixar de conhecer esse autor nacional que merece muito destaque na nossa literatura.


site: www.facebook.com/minhasresenhasdp
comentários(0)comente



Guigomes 11/10/2014

Bom divertimento
Segue a mesma linha da aventura anterior com o Delegado Dornellas garantindo uma leitura agradável e divertida. Para relaxar e descansar a cabeça. Bem escrito.
comentários(0)comente



Marcos 29/08/2014

O crime nunca para, nem mesmo ao decorrer de uma festa literária. Durante a FLIP, o delegado Joaquim Dornelas vê uma estranha cena: um barquinho de passeio saindo para o mar durante a noite. Intrigado, pois esse tipo de passeio é feito somente durante o dia, ele deixa seus subordinados sobreaviso e vai para casa.

No meio da madrugada, Dornelas recebe uma ligação de um de seus assistentes: um crime foi cometido e um dos mortos, muito provavelmente, é um turista estrangeiro que veio para curtir o evento que estava ocorrendo no local. Porém, quem teria interesse em assassinar um estrangeiro?

Dornelas, com a ajuda de seus assistentes, Solano, Caparrós e Peixoto, além de Dulce Neves, legista e sua recente namorada, correrão contra o tempo para tentar desvendar os motivos que levaram a acontecer um crime tão hediondo. E o pior: o assassino está solto. Será que haverá outras vítimas? A festa literária está manchada; há morte na FLIP.

Esse crime vai atrair a imprensa brasileira e internacional como mel para um enxame de abelhas. Se não tomarmos o cuidado de divulgar a notícia de forma organizada, o trabalho da policia será muito dificultado (p. 67).

Com um enredo desses, é óbvio que o livro seria excelente. Como eu já havia lido o primeiro livro do autor, Réquiem para um assassino, a minha expectativa quanto a Morte na FLIP era alta. Contudo, o autor conseguiu superar o que eu imaginava e, certamente, entrou para lista de meus autores policiais favoritos.

Paulo Levy soube aproveitar muito bem a trama do livro; todas as possibilidades foram exploradas. Assim como no primeiro livro, o autor conseguiu extrair o melhor de cada um de seus personagens; algo raro em muitos livros policiais. Conseguimos entender o motivo da ação de cada um dentro do livro.

A relação de Dornelas e Dulce também ganha um enfoque especial nesta obra. Mas se você está imaginando um romance meloso, está muito enganado. O autor constrói um relacionamento maduro entre os dois personagens, o que deixa todo o enredo mais convincente.

O nome do delegado e a introdução macabra de Ruth prepararam o terreno para as más notícias que logo viriam. Um murmúrio coletivo tomou conta do ambiente. Ruth passou o microfone a Dornelas que respirou fundo antes de falar (p. 76).

Aliás, o delegado apresenta um amadurecimento enorme do livro anterior para esse. Agora, além de delegado exemplar, ele se mostra um homem mais feliz com a vida, menos melancólico. Ela acaba se tornando um pai melhor, apesar da distância de seus filhos. Ou seja, o autor soube caprichar tanto no assassinato quanto no plano de fundo da obra.

Quanto à diagramação, o livro também não deixa a desejar. Eu gostei muito da capa, pois ela exemplifica perfeitamente a essência do livro. As folhas são brancas, mas como o espaçamento e as letras são grandes, a leitura é rápida e fluída. Mesmo lendo por horas seguidas, como eu fiz, você não sente as vistas cansadas.

O livro é mais do que recomendado, tanto para quem gosta de livros policiais como para quem não gosta, afinal, a trama do plano de fundo deixa o livro mais leve para quem não é fã desse gênero. Certamente o livro irá te surpreender, mas prepare-se: haverá muitas reviravoltas.

site: http://www.desbravadordemundos.com.br/2016/07/resenha-morte-na-flip.html
Thiago 14/09/2014minha estante
curto bastante romances policiais... e já que o plano de fundo tb teve um capricho... esse deve ser um bom livro.




John 29/07/2013

Resenha - Morte na FLIP
O livro já começa de forma bem divertida e inusitada, percebemos que com um monte de preocupações com a delegacia, ele da prioridade ao preço do ar-condicionado. Também percebemos que o delegado considera o seu trabalho uma chatice, e para resolver isso, o que ele chama de pedaço do paraíso: A barra de chocolate ao leite.

A cidade de Paymira está recebendo a FLIP anual, que se iniciará com Show de Skank. Autores e leitores dos quatro cantos do mundo estão em Palmyra, e o delegado Joaquim Dornelas fica só na observação, pois se caso houver algum problema sua equipe de especialistas entrará em ação, para resolver os mistérios. Dornelas resolve ligar para Solano para avisar que um barco suspeito acabou de sair em direção ao mar, mais o investigador não da a mínima para isso, afinal de contas vários barcos saem a todos as horas da praia. Nesse dialogo eles fofocam de outro policial que resolveu ficar sozinho, do que aturar a sua mulher e o choro do bebê. Dornelas fica furioso com isso e percebemos que o delegado gosta da família.

Quando o delegado chega em casa, pega o seu cachorro e vai passear com ele, recebe um telefonema de Dulce Neves para jantar e ele acaba aceitando, ele e Dulce tem um amizade colorida.
E acontece um homem é encontrado morto dentro de um barco, aquele barco suspeito. O investigador Solano é o primeiro a saber e liga para Joaquim que passou uma noite de amor, com Dulce. Essas escapadas dele com Dulce é o que aumenta o divertimento do livro e também o suspense, o leitor se morda para saber o que aconteceu.

“O ser humano é um bicho muito estranho” 11

E no mesmo local que encontram o marinheiro, encontram uma mulher com aparência estrangeira, alta, cabelos loiros, branca, e se ela realmente for estrangeira, a imprensa em peso irá montar sobre o delegado e sua equipe. Ao que tudo indica ela é realmente estrangeira, e além de ser de outro país e ser casada com outra mulher. Se preparem, ela é uma das famosas escritoras que iriam a FLIP. E aí temos os mortos e agora só falta o assassino, o dever nos chama.

O mais empolgante na história é que quando o delegado tem que resolver os mistérios, ele tem que resolver os problemas com a sua vida, a mulher que o deixou e levou seus filhos para outro estado, seu filho que entrou na puberdade cedo. O romance com sua colega de trabalho, o vicio em chocolate e sua má alimentação. Ele tem que se dividir entre homem, pai, delegado e ser humano.

A narrativa é muito fácil do começo ao fim, não é cansativo, só nos momentos que vai descobrindo as coisas. A diagramação é boa, pontos no final de cada página, bem separado. As folhas são brancas, alguns não gostam, mas eu não vejo problemas. A capa é pouco sugestiva, não tem nada a ver com a história, acho que o autor quis fazer isso para dar mais suspense, eu fiquei o tempo todo querendo saber o que era essa caneta. O livro tem um encerramento triunfal, muito bom o final. Me surpreendeu.

site: http://momentoliterario1.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Dieny 18/01/2014

Morte na flip <3
Sabe quando você ama um livro ao ponto de não saber como resenha-lo sem acabar entregando a história? Ocorreu simplesmente isso comigo. O livro começa prendendo o leitor e o leva até o final da história. Confesso que á cada página que eu virava era uma expectativa enorme,eu não sabia o que esperar do livro,mas com toda certeza é um livro que prende o leitor do começo ao fim,um livro aonde você se sente amiga do delegado Joaquim Dornelas. A leitura é tão empolgante que li ele em poucos dias,passei algumas noites acordada ao lê-lo pois minha vontade de desvendar todo o mistério era imenso.O livro além de deixar aquele ar de mistério tem seus pontos engraçados,principalmente em relação á Joaquim Dornelas e seu filho que está entrando na adolescência,juro que ri em algumas partes,Joaquim Dornelas não passa de um pai super engraçado,pena que ele tem pouco contato com seu filho. O interessante também do livro é o relacionamento entre Dornelas e Dulce Neves,que é legista-chefe do Instituto Médico Legal,mas é claro que essa parte eu não vou contar para vocês. Em fim,só tenho á dizer que o livro é um equilíbrio de mistério,suspense,momentos engraçados,e quando você acha que desvendou todos os mistérios você é pego de surpresa. Enquanto ao Delegado Dornelas eu fiquei encantada pela sua inteligência,ele é muito esperto,querido,engraçado mas também leva muito á sério sua profissão,estou torcendo para haver continuações desse incrível livro,enquanto isso vou sentir saudades do Delegado Dornelas e suas manias por chocolate e mingau de farinha láctea. Recomendo o livro,e se eu fosse dar uma pontuação de 0 á 10 seria 9,5 por que esse meio ponto fica em conta do Delegado Dornelas me deixar com desejo por chocolate,afinal,vou tentar fazer o famoso mingau de farinha láctea, vamos ver se é realmente bom. :)
comentários(0)comente



Lê Golz 10/12/2014

Resenha - Morte na Flip
Morte na Flip é o segundo livro que leio do Paulo, e mais uma aventura do delegado Joaquim Dornelas. Nesta leitura, minha simpatia por Dornelas cresceu ainda mais, e depois que virei a última página, senti uma pontinha de tristeza por me despedir do delegado.


"Para a polícia, intuição não é a justificativa para qualquer tipo de ação. Para Dornelas, era uma ferramenta valiosa de trabalho." (p. 13)


Noite de estréia da Flip-Festa Literária Internacional de Palmyra, um evento onde a atenção de todos está direcionada, e uma ótima oportunidade para cometer um crime. Dornelas nota uma cena estranha na praia, onde um barco com duas pessoas, navega em direção ao mar, em um horário que não é comum que isso ocorra. Intrigado e confiante na sua intuição, ele sabe que alguma coisa errada está para acontecer.

Bom de faro, o delegado confirma suas suspeitas, quando no meio da madrugada recebe uma ligação de um dos seus assistentes. Um crime havia sido cometido em uma das praias de Palmyra, e Dornelas e sua equipe têm muito trabalho pela frente para investigá-lo. Aparentemente se tratando de uma vítima estrangeira, o desafio será ainda maior, pois a imprensa não dará sossego.

Mais uma vez acompanhamos o raciocínio de Dornelas em sua investigação, onde uma cadeia de acontecimentos parecem ter sido minuciosamente elaborados para confundir a polícia. A cada depoimento, o rumo das investigações mudam, pois inúmeras pessoas parecem estar envolvidas, mesmo que indiretamente.


"No íntimo, uma coisa lhe parecia dissonante da outra, uma vez que a polícia é coisa restrita aos animais humanos. Nenhum outro bicho assassina por amor, cobiça, ódio, prazer. 'As orcas, talvez', matutou Dornelas, embora isso não passasse de especulação científica." (p. 118)


Neste livro podemos conhecer também os pensamentos de Dornelas, sobre sua vida pessoal. Dulce, legista e sua atual namorada, tem dado um rumo diferente na vida do delegado. Gostei do relacionamento dos dois na história, pois deu uma descontraída. Podemos notar também, uma maior presença dos assistentes de Dornelas, principalmente de Solano, o que também me agradou.

A diagramação está perfeita mais uma vez, e apesar das folhas serem brancas, a leitura foi confortável. Os capítulos não são longos, e o tamanho das letras é ideal. Gostei muito da capa, que está perfeitamente ligada a história, assim como o título.

A narrativa é feita em terceira pessoa e flui rapidamente. Paulo tem uma maneira única de escrever, e conseguiu me envolver tanto quanto me envolvi em Réquiem para um assassino. Consegui até rir com o livro, tanto com o vício de Dornelas com o mingau de farinha láctea, quanto com o chocolate escondido na gaveta de sua sala na delegacia.

Como citei anteriormente, o personagem Dornelas me conquistou ainda mais neste livro, pois estava mais descontraído e de bem com a vida, além de continuar possuindo uma tremenda eficiência para solucionar o crime. Este livro é uma ficção policial mais que recomendada, com uma trama cheia de intrigas, onde ninguém deve ser considerado inocente. E, como sempre existirá crimes a serem solucionados, sem sombra de dúvida gostaria de acompanhar outra aventura do delegado. Leitura recomendada!

site: http://livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br/2014/11/resenha-morte-na-flip.html
comentários(0)comente



Dani 25/03/2018

Morte Na Flip, Paulo Levy
Ambientado na pequena cidade Palmyra, em São Paulo, durante a FLIP, um grande evento i nternacional literário, Morte Na Flip traz como protagonista o delegado Joaquim Dornelas. A FLIP é um evento que agita muito as ruas e estabelecimentos daquela pequena cidade, já inspirando no delegado o ar de confusão para vir.
E a intuição de Dornelas não falha: após a sensação de estranhamento em uma noite, ao avistar um barco, surge o que ele temia; um crime envolvendo uma estrangeira. Junto à sua equipe e sua namorada Dulce Neves, legista, Joaquim Dornelas busca a solução para aquele assassinato.
Este é um livro que tenho já há bastante tempo mas que, infelizmente, nunca conseguia passar da página 50. Sempre que o pegava, não conseguia me prender à leitura nem aos acontecimentos. Alguns meses depois, decidi ser insistente e retomar a leitura, uma vez que o livro estava em minha meta para este ano. Mais uma vez, o começo não me prendeu muito, mas fui persistente e continuei a leitura, e não me arrependi.
Adoro estórias policiais e, assim que o enredo foi bem definido, comecei a me sentir curiosa e instigada. A forma como o crime é solucionado, com o autor buscando envolver o leitor e deixá-lo por dentro de cada pista e evidência aumenta este sentimento de instigação. Muitas vezes são apresentadas hipóteses, espalhando os fatos, nos permitindo analisar junto ao personagem e buscar um culpado.
Acompanhar a investigação foi realmente ótimo, e me prendeu muito. Estava ávida para que tudo fosse desvendado logo, mostrando as motivações por trás do assassinato. [Desculpe se for spoiler] Infelizmente, o livro me decepcionou quando aconteceu algo que, para mim, é uma das piores coisas em um policial: quem o livro apontou como culpado era realmente o culpado no final. No começo do livro, suspeitei de uma pessoa, depois o livro apontou para esta pessoa, me levando a pensar que ela não seria a culpada (afinal, sempre costumo ir na direção contrária de livros policiais, é o mais lógico pois geralmente o autor entrega o culpado somente no desfecho). Depois foram surgindo evidências que apontaram para outras pessoas, perto do fim e eu, mais uma vez, esperei pelo momento em que mostraria que, na verdade, não era nada daquilo e eu me surpreenderia. Mas não aconteceu. Fiquei muito desanimada com isso, pois eu esperava uma reviravolta chocante e apenas acabou morno. A única coisa que me surpreendeu, na verdade, foi a motivação do crime. [Desculpe se for spoiler/]
Joaquim Dornelas é uma grande personalidade, que foi bem trabalhada pela narrativa em terceira pessoa. É um homem inteligente, com um raciocínio brilhante, dono de hábitos bem curiosos. Apesar de o foco do livro estar na investigação, é bem mostrada sua vida, sua história.
Por outro lado, este enfoque em outros elementos além do enredo se mostrou um pouco cansativo, até mesmo chatinho, em algumas partes. Algumas coisas poderiam ser perfeitamente deletadas, pois não faziam diferença alguma, apenas deixavam a estória empacada em alguns momentos. Outra coisa que deixou bem cansativas algumas partes foram os inúmeros trechos onde o autor usou a figura de linguagem comparação. Claro que uma aqui e ali deixa o texto bem leve, ou poético dependendo do contexto, mas encontrei umas três passagens na mesma página, ficou repetitivo.
Mesmo assim, apesar dos pontos negativos, é um bom livro com uma narrativa e um mistério que prende o leitor. Faltaram reviravoltas surpreendentes e cenas de tensão, o final ficou meio morno, mas não é uma leitura que eu tenha me arrependido. É interessante, além disso, por mostrar um pouco do trabalho de delegados, legistas e investigadores.
Morte Na Flip é o segundo livro com o personagem Joaquim Dornelas mas, mesmo sem ter lido o primeiro, Réquiem Para Um Assassino, não fiquei perdida em nenhum momento, pois este livro explora bem cada detalhe, de forma que conheci Dornelas por esta estória sem furo algum.

site: https://blueunendlichkeit.blogspot.com.br/2018/04/morte-na-flip-paulo-levy.html
comentários(0)comente



José H. 08/02/2018

Joaquim Dornelas, um personagem possível...
Morte na Flip, estava em destaque na Biblioteca que frequento. Procurando por alguma novidade na literatura brasileira, gostei da sinopse e tentei a sorte. Grata surpresa!
O livro é relativamente curto, e a história sem enrolação. Joaquim Dornelas, é um delegado, numa pequena, porém, famosa cidade. Não é um gênio como Sherlock Holmes, e nem minucioso e metódico como Hercule Poirot. Mas não deixa de ser hábil, seja em montar uma linha de investigação, seja em cuidar das questões burocráticas e delegar as funções de sua equipe. Um delegado comum, fazendo com maestria o seu trabalho, usando ferramentas possíveis.
Não espere aquela reviravolta, nas últimas páginas, como é costume nos romances de Agatha Cristie, embora elas aconteçam em vários momentos, e, muitos detalhes estejam lá no finalzinho. Nesse ponto está o grande acerto do Paulo Levy, que escreve um ótimo caso de investigação de forma possível. Isso faz do leitor participante da história, ajudando a montar esse quebra cabeças.
Quem sabe não encontramos Joaquim Dornelas por ai em novos casos. Espero que sim!
comentários(0)comente



18 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2