Lições de vida

Lições de vida Anne Tyler




Resenhas - Lições de Vida


31 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Saleitura 15/06/2013

Há três dias terminei de ler "Lições de Vida" e tento resenha-lo... Confesso que não está sendo fácil. Acho mesmo que se esse não fosse um livro que veio as minhas mãos através de uma parceria jamais chegaria a escrever sobre ele assim como estou tentando fazer agora.

Em "Lições de Vida" Anne nos apresenta a Ire e Maggie, um casal comum de meia idade que se põe na estrada para comparecerem ao velório do esposo de uma amiga de Maggie, é uma viagem de apenas um dia, ele vão pela manhã e voltam a noite e os acontecimentos e sentimentos do dia deles são o tema do livro. Aliás, o livro é dividido em três partes, na primeira nós vislumbramos os sentimentos da Maggie, na segunda os do Ira e na terceira voltamos para os da Maggie, mas então tudo é diferente.

E sim, esqueçam essa capa com essa menina, essas montanhas e blá... blá... blá... da capa, eles nada tem haver com a história. O que tem haver com a história é a descrição delicada, sutil e eficiente feita pela autora dos caminhos através dos quais o nosso casal se tornou um casal, como eles são, quem são eles, quais seus anseios, medos e culpas e não, no final não existe uma grande aprendizagem, uma grande mudança, uma grande lição de moral ou algo tipo auto-ajuda... isso não é mesmo do feitio da Tyler.

A maior viagem de "Lições de Vida" é uma viagem psicológica, delicada e densa ao mesmo tempo... Eu sempre me pergunto como alguém que escreve em uma linguagem tão simples, tão sem floreios, tão sem "pra que isso" como Tyler, consegue transformar em narrativa sentimentos tão densos. É muito fácil gostar dos personagens dela mesmo que eles não sejam potenciais heróis, ou homens ou mulheres de destaque e coisas do tipo.

Maggie é uma mãe de família que trabalha em uma casa de repouso para idosos... é uma pessoa carismática, ativa e meio estabanada. É daquelas que atraem as pessoas para si como um poderoso imã, em um minuto ela não conhece ninguém em dois tem uma pequena multidão em torno dela, falando, tomando chá, compartilhando um pacote gigante de pipoca ou salgadinhos e vida. Ela tem um calor humano incrível, seus dilemas enternecem, é claro que me apaixonei pela Maggie.

Mas quem cativou meu coração e conquistou meu amor eterno foi o Ira, marido de Maggie. Introspectivo, sério, meio carrancudo... Enquanto a narrativa está na visão da Maggie, vez ou outra consideramos o Ira meio frio e ausente e nos perguntamos porque ele está com a calorosa Maggie, como ele aguenta tanto movimento quando é tão introspectivo ou como ela aguenta a frieza. Porém, de repente, não mais que de repente, a Tyler apresenta a visão dele, apresenta o coração caloroso do Ira.

Meu Deus!!! Não tem como não amar aquele homem!!! Compreendo perfeitamente o sentimento da Maggie, não foram poucas as vezes que o Ira me arrancou lágrimas silenciosas. O amor dele pela Maggie é comovente, a forma dele sentir, interpretar e conviver com o mundo criado pela Maggie e seu carisma envolvente é comovente.

O que posso dizer a mais sobre esse livro? Se a vida te encanta, se você ama pessoas, se você gosta de observa-las e perceber como é denso, terrível, luminoso e complexo ser algo como humano e viver entre coisas como seres humanos então vá lá... Ignore a capa tosca e mergulhe no texto de Anne Tyler. Não espere aventuras ou coisa do tipo, apenas abra o coração e leia como se estivesse sentado ou sentada com uma pessoa muito sabia que te conta uma história um pouco longa e corriqueira, mas incrivelmente verdadeira.

Lições de Vida, não tem lição de moral ou receita de viver bem, mas tem calor humano, tolerância, uma lágrima e um sorriso para quem sabe se comover com a vida!

Leitura e Resenha por Pandora
http://www.skoob.com.br/usuario/perfil/62017/perfil:on

Link Postagem Saleta de Leitura
http://saletadeleitura.blogspot.com.br/2013/06/resenha-do-livro-licoes-de-vida-de-anne.html
Tatiane 11/10/2013minha estante
Ótima resenha! Este foi um livro que me interessou bastante, mas ainda não tive a oportunidade de lê-lo.


Beth 13/10/2013minha estante
Achei a história que você apresentou linda e envolvente. Adorei conhecer a história dos personagens. Vou procurar ler.


Maristela 13/10/2013minha estante
Já li algumas resenhas e vários comentários sobre esse livro e fiquei com vontade de ler o que só veio ser reforçada após ler sua resenha maravilhosa.


Cobra 13/10/2013minha estante
A resenha foi muito boa, não tinha conhecimento do livro ainda...me deu bastante vontade de ler.


Isabele 14/10/2013minha estante
Legal :))


Larissa 14/10/2013minha estante
Gostei , :D


Miriam Cristina 14/10/2013minha estante
Excelente resenha. Me identifiquei com a Maggie, principalmente na parte de estabanada. Sua resenha me conquistou e quero ler o livro, apesar de você ter dado 4 estrelas, eu sinto que daria 5.


Gy 19/10/2013minha estante
Gostei muito da resenha desse livro...
Quero muito lê-lo


Shirlandia 21/10/2013minha estante
Amei essa resenha maravilhosa!
Parabéns pela história e pela capa linda.


Isa 03/11/2013minha estante
Amei a resenha e a capa do livro é super linda ! *.* Querendo muuuuuuuuuito ler ^_^


Jess 04/11/2013minha estante
Achei o livro muito bom!!


xx


Calcia 09/11/2013minha estante
Acho legal um livro que faz a gente pensar e ir fundo nos sentimentos!


DomDom 10/11/2013minha estante
Confesso que não me interessei muito por esse livro. Apesar de nos deixar reflexões bem interessantes, não me agradou, pois me parece ter uma narrativa um pouco mais devagar das que geralmente gosto de ler.


Lucy 13/11/2013minha estante
Gostei demais dessa resenha!
Muito interessante!!!


Fernanda @condutaliteraria 18/11/2013minha estante
Confesso que a primeira vista esse livro não me chamou muito a atenção, deu a impressão de ser muito lento. Mas pela resenha vejo que posso gostar sim, parece ser uma história bonita.


Line 18/11/2013minha estante
Amei sua resenha..vc conseguiu me deixar com vontade de ler esse livro..confesso que quando via capa e a sinopse, não fiquei interessada, mas agora..vai pra lista dos desejados urgentemente. bjs




Fernanda 22/05/2013

Resenha: Lições de Vida
LINK DA RESENHA NO BLOG SEGREDOS EM LIVROS:

http://www.segredosemlivros.com/2013/05/resenha-licoes-de-vida-anne-tyler.html

Resenha: Se você está procurando um livro com grandes acontecimentos nem invista em “Lições de vida” da autora Anne Tyler. Porém, se deseja adentrar em uma história baseada nos fatos do dia-a-dia este é o seu livro ideal. Veja bem, não estou dizendo que a trama não é boa, mas para quem não está habituado em um enredo mais calmo, ou vai achar a história um tanto desgastante e – como diria a própria sinopse, tediosa – ou talvez consiga se surpreender com a narrativa bem construída e detalhada da autora. No meu caso, a trama conseguiu me surpreender em vários aspectos, desde a avaliação dos personagens e a sua relação uns com os outros, assim como a graciosidade e maturidade da narração. E acredito que o diferencial é poder analisar as cenas de um modo único e diferenciado, já que as situações sugerem ao leitor, poder para tal.

“A pergunta de hoje no AM Baltimore era: ‘O que faz um casamento ideal?’. Uma mulher estava telefonando para dizer que eram os interesses comuns. ‘Como os dois assistirem ao mesmo tipo de programa na TV’ ela explicou. Maggie não dava a mínima para o que fazia um casamento ideal (ela estava casada havia 28 anos).” Pg.07

Num cenário habitual, conhecemos Maggie e Ian, um casal com muitas diferenças e cheios de manias. Como já era de se esperar, a rotina já é predominante nesses vinte e oito anos de casados, assim como as discussões diárias. Mas, qual é o casal normal que não tem uma briguinha de vez em quando, não é mesmo? E é justamente esse, o ponto de vista ao qual o livro nos apresenta, pois diante de tantos confrontos da vida e todos os problemas que venham a surgir nesse tempo, o que importa realmente é que ambos têm um ao outro para contar – nas horas boas e difíceis. E é justamente numa viagem onde irão a um funeral de uma amiga de Maggie, que conhecemos boa parte da vida e personalidade dos dois. É interessante poder perceber o quanto cada um mantém seus diferencias, mas que acima de tudo se respeitam bastante, mesmo ela sendo tão ativa e ele mais quieto. A sensação é que se completam de um jeito meio torto e inexplicável. Neste percorrer, somos inundamos por várias lembranças, onde acentuam as mudanças no relacionamento de Maggie e Ian.

“Ira ficou se perguntando por que Maggie sempre tinha que convidar outras pessoas para dentro da vida deles. Ela não achava que um mero marido era suficiente, ele desconfiava. Dois não era um número satisfatório para ela.” Pg.167

“Lições de vida” não tem uma história forte, mas sim graciosa. Em seus capítulos longos, ficamos cada vez mais familiarizados com os personagens e é como se fizéssemos parte da história de um modo particular ou simplesmente nos identificamos com alguém. A descrição predomina do começo ao fim e com certeza valoriza ainda mais as cenas apresentadas. O final me deixou com uma sensação de que era aquilo o esperado e fiquei satisfeita com o desfecho. Mais uma vez a Editora Novo Conceito trás uma história rica em acontecimentos realistas, sem falar na diagramação impecável. Me senti super a vontade com essa leitura divertida e calma.

“O que a mãe de Maggie dissera era verdade: as gerações estavam indo ladeira abaixo nessa família. Estavam em todos os aspectos, não somente nas profissões e na escolaridade, mas na maneira como criavam seus filhos e no modo como dirigiam seus lares.” Pg 289


LINK DA RESENHA NO BLOG SEGREDOS EM LIVROS:

http://www.segredosemlivros.com/2013/05/resenha-licoes-de-vida-anne-tyler.html
comentários(0)comente



Milena 28/02/2014

DECEPCIONANTE
Desde o início fiquei esperando uma história emocionante, já que o título se trata de "Lições de Vida" e não encontrei nenhuma mensagem, nenhuma problema emocionante, nenhum vínculo que se quebrou e "a vida" ensinou uma lição...

A protagonista parecia que teria algo de engraçado e amoroso que a tornava incompreendida, mas que daria uma reviravolta e seria admirada, no início da leitura.. Mas não! O que seguiu foi uma mulher medíocre, com uma vidinha medíocre, atrapalhada e sem noção, pois, se metia na vida de todo mundo e só causava confusão, além de bater o carro o tempo todo.

Personagens sem vida e uma história digna de desistir da leitua nos primeiros 02 capítulos.
comentários(0)comente



Guilherme 01/04/2013

Lições de vida.
Uma mulher obcecada em garantir a tranqüilidade de todas as pessoas que estão a sua volta para compensar a frieza e a distância que encontra dentro do próprio casamento, um marido que tem como passa tempo jogar paciência e assoviar letras de músicas; estes são os personagens centrais deste livro, que embarcam em uma viagem para um funeral sendo que o seu próprio relacionamento de certo ponto já está morto.

Durante todo o tempo que estive com eles viajando, convivendo com os seus dramas fiquei me perguntando o que foi que a autora tentou mostrar através desses personagens, se compararmos esta história a qualquer família americana descobriremos que é absolutamente igual, em nenhum momento a escritora nos apresenta algo novo, algo que possa nos prender ao livro, que faça jus ao respectivo titulo da obra.

Para ler este livro é indispensável uma enorme dose de paciência, porque senão, não haverá como conseguir chegar ao final, pois a história e os personagens em nada nos ajudam.
Jeanne 24/05/2013minha estante
Concordo plenamente com o Guilherme. Em alguns momentos fiquei irritada com os personagens, principalmente com a Maggie.


Pandora 08/06/2013minha estante
Gente, você reduziu o Ira e a Maggie a quase nada. Eles são "apenas" humanos, não são heróis de livros infanto juvenis.


Bruuh 26/07/2013minha estante
Estou tentando terminar de ler esse livro no momento, assim como voce escreveu, nao consegui achar uma essencia, oque levou Anne Tyler a escrever. Estou lendo com uma tremenda paciencia, principalmente com a Maggie...protelando a leitura o maximo :(


Simone 05/02/2014minha estante
Guilherme concordo com vc, eles podem ser humanos como disse a Pandora, mas são humanos muito insossos. A personagem Maggie chega a beirar a loucura, que personagem mais irritante!!!
O marido dela também não fica atrás, o filho é um bronco, a filha uma desajustada.
E por várias vezes a autora se perde nas datas, uma hora ela fala de 1956 outra hora os velhinhos do asilo que a Maggie trabalha estão falando das tempestades de 1989, sendo que o encontro para o funeral foi 30 anos após o casamento da Serena.
Me imaginei viajando ao lado de alguém como Maggie, no primeiro ponto que ela resolveu descer eu deixaria ela lá e não buscaria mais!!!
Já li outro livro da Anne Tyler, que acabou tbem meio sem pé nem cabeça, mas esse ela se superou.
Dificilmente eu iria ler outro livro dessa mesma autora


Cris 30/03/2014minha estante
Acabei de ler dando graças, porque não aguentava mais. Ruim, sem sentido. Admiro o esforço da autora porque não é fácil desenvolver uma história, mas fora isso não vi sentido nesse livro. Não além de desanimar qualquer um sobre o casamento. Só.




Clara Beatriz 25/11/2013

Meggie Moran e Ira são casados há mais de 20 anos. Uma ida a um funeral acabou se tornando uma aventura e um dia de aprendizado.

Não me sentia tão animada pra ler esse livro, ainda mais quando percebi que o casal era mais velho que o que estamos acostumados (eu, pelo menos). É só que eu gosto daquela fofurinha dos casais jovens, e um casal mais maduro não é a mesma coisa.

A história realmente não me cativou, pois não havia bem um "problema" para ser solucionado. Não me prendeu, e a única coisa que eu queria era terminá-lo. Cheguei à última página e o livro terminou sem mais nem menos. Estou chocada por aparentemente, não haver uma continuação.

O ponto positivo do livro é que ele é bem humano. Trata de coisas que poderiam acontecer com qualquer um, e nos fazem refletir sobre as relações entre os humanos: mesmo com as diferenças, os humanos se toleram, e até mesmo se amam. Ira e Meggie são os opostos um do outro, mas mesmo assim, se casaram, e estão juntos há mais de 20 anos.

Bem, era isso. Não havia muito sobre o que falar, infelizmente. Até a próxima!

site: http://maravilhosomundodetinta.blogspot.com.br/2013/06/resenha-licoes-de-vida-anne-tyler.html
comentários(0)comente



Sara 27/09/2018

Quando ganhei esse livro, li a sinopse e já não coloquei tanta expectativa por motivos de: gênero que eu não gosto. Mas tentei, ué; vai que eu gostasse, vai que me surpreendesse, sei lá. Eu gosto de me desafiar a sair da zona de conforto literária (e a foto da autora tava tão simpática, sorriso muito bonito Sra. Anne Tyler, hahahaha), comecei a leitura.
E tive que me arrastar até o final.

Eu não gostei. Tive que ter muuuuuita paciência. Quase desisti. A escrita da Anne Tyler não foi problema pra mim. A Maggie é muito irritante!!!!!! E o Ira, apesar de eu gostar mais da parte narrada por ele, não foi o suficiente pra eu gostar do livro. A história só vai, sabe?

Não tem um acontecimento chave, nem nada. O livro é sobre seres humanos e como os relacionamentos são feitos por seres tão complexos tendo que lidar com a complexidade do outro. E eu acho que foi exatamente isso que a autora quis transmitir.

Mas enfim, eu não consegui lidar com a Maggie, o Ira não foi suficiente pra me prender, os acontecimentos me irritaram, o sorriso dos olhos da autora continua lindo, mas não deu. Ele foi um livro ruim pra mim; esse não foi escrito pra mim.
comentários(0)comente



Marcos 06/05/2013

Lições de Vida - Anne Tyler
O livro é fantástico, uma narrativa que flui de maneira fácil, mesmo tendo capítulos gigantes.
A história de Maggie é recheada de várias outras vidas, como a de Ira, seu marido, Jesse, seu filho mais velho; Daisy, sua filha; Serena, sua amiga. Fiona, sua ex nora e muitas outras.
Em apenas uma viagem de carro, de um dia, conhecemos grande parte da história de Maggie, uma mulher que vive a vida da sua maneira, fazendo amizades de forma fácil demais e conquistando todo mundo, fazendo as coisas muitas vezes sem pensar. Durante essa viagem conhecemos um pouco de Ira também, que é mais firme, mais durão, com os pés bem colocados no chão.
É uma viagem com lembranças do passado e desejos para o futuro que faz com que nós mesmos passemos a lembrar do passado, de tudo que fizemos ou deixamos de fazer.
O livro todo é envolvente, nos deixa a espera da próxima linha, e o final, bem, o final fica por nossa conta, o final nos permiti imaginar o que acontece com cada um dos personagens, deixando aquele desejo de mais.
comentários(0)comente



House of Chick 13/10/2013

Começo dizendo que eu quase surtei quando vi a capa deste livro, eu achei simplesmente PERFEITA, realmente capta a essência do conteúdo, algo realmente interessante, uma leitura boa e calma. Sabe aquele livro bom, mas sem enormes reviravoltas ou coisas do tipo? Uma história que realmente merece ser lida. Achei que a leitura flui de maneira fácil, embora eu tenha tido uma relação de amor e ódio com a personagem principal.

Embora eu ache muito legal o fato da Maggie sempre dar tudo de si para unir a família, e fazer as coisas que ela acha necessário, eu acredito que às vezes ela simplesmente fica 'cega' aos defeitos de certas pessoas, o que acaba machucando não só ela, mas os outros envolvidos. Já do marido dela, o Ira, eu gostei muito mais, ele é mais reservado, um tanto 'pé no chão', demais às vezes, mas sem me irritar, ele é a "razão" da relação entre os dois, já que Maggie é mais sonhadora e age sempre com o coração.

A história nos mostra um casal de pessoas normais, sem um casamento perfeito, algo mais 'real' e que é, ao mesmo tempo eu diria, gracioso, porque apresenta como eles conseguiram ficar juntos tanto tempo, superando as brigas, como eles se conheceram, e como eles lidam com sua família, seu filho (gente, confesso que este filho deles foi o único personagem que realmente me irritou bastante!). Mas eu com certeza não poderia deixar de mencionar o Sr. Otis, que foi um personagem super engraçado e que deu um pouco mais de "vida" àquele livro, sério, é tipo muito legal como eles se conhecem, e eu não quero falar aqui para que vocês, leitores queridos, possam conferir esta parte que na minha opinião foi uma das mais legais do livro, porque embora eu tenha gostado deste livro achei ele meio parado às vezes.

Resumindo, é um livro que fala sobre uma família, sua convivência no geral, suas qualidades e defeitos, mas não é uma história que não remete a grandes reflexões. Dito isso, eu recomendo este livro para aqueles que gostam de algo mais leve e que tem aquele certo "quê a mais" que consegue se diferenciar da maioria de uma maneira graciosa, e que somente uma autora realmente maravilhosa como Anne Tyler consegue fazer.

>> Comentários nessa resenha concorrem a prêmios!

site: Confira essa e outras resenhas no blog: www.houseofchick.com
comentários(0)comente

Beth 13/10/2013minha estante
Ganhei este livro a um tempo atrás e acredita que ainda não o li? Pois é. Agora vou tentar ler, pois sua resenha conseguiu me animar com essa linda história de vida.
elizabethmsalles@hotmail.com
?Chance Extra ? Estou participando da fan page da Editora Novo Conceito?.


Leila 13/10/2013minha estante
Ainda não li nada dessa autora. Também gostei da capa. Acho que vou gostar desse livro. Gosto de histórias com um certo "quê a mais"...
@Leila_C_S
Leila


Cris 21/10/2013minha estante
Achei a capa bem legal também, mas a história não parece ter nada de uau! como você mesma ressaltou.




alinemendes 18/10/2015

De boas intenções o inferno está cheio
O livro não apresenta nenhuma lição de vida. A menos que você considere uma lição não seguir em nada os exemplos da protagonista, uma mulher de meia idade controladora, manipuladora e mentirosa compulsiva, que não aprende nenhuma lição de vida em todas as 365 páginas. Aliás, nenhum personagem aprende qualquer lição de vida. O livro é só uma sequência de acontecimentos e memórias quase aleatórias.
comentários(0)comente



MárciaDesirée 18/10/2013

Maggie é uma mulher sentimental e que sempre tenta ver o lado bom da vida, e procura ajudar a todos em sua volta, casada com Ira, um homem calado, sério, e até um pouco arrogante. Em “Lições de Vida” acompanhamos a jornada do casal ao funeral do marido da melhor amiga de Maggie, o que acaba em um desastre total (assim como quase tudo que eles fazem nesse dia).

Após irem ao desastroso velório, Maggie consegue convencer Ira a ir à casa de Fiona – sua ex-nora, com que tem uma filha com Jesse, filho de Maggie. Maggie tem na cabeça de que Fiona e Jesse ainda se amam e que se ela “der um empurrãozinho” eles voltarão, e que dessa vez seria diferente; assim Maggie arma um plano de fazer com que os meninos se encontrem para se acertar. Mas será que o plano de Maggie funcionará?


A vida é como uma dança estranha, onde cada passo é um erro.

Bom, acho que não tenho muito o que falar sobre esse livro, achei a capa encantadora, e a sinopse até um pouco interessante, mas já nas primeiras paginas o livro me desanimou... Não, não estou dizendo que o livro é horrível e nem nada do tipo, só achei ele meio, er, sem muito para oferecer. Com personagens simpáticos, mas que não chegam a cativar, diálogos arrastados e meio forçados. Mas o que mais me incomodou foi que o livro falava muito do passado de Maggie, Ira, Jesse e Fiona, e as vezes chegava
a me confundir; sabe quando você fica perdido e não sabe mais se estão falando do presente ou do passado? Pois é, isso aconteceu milhões de vezes comigo.

Achei a historia vazia (tão vazia que contei ela e 2 pequenos parágrafos) demais, como se a autora estivesse apenas escrevendo fatos, sem dar muita importância aos acontecimentos. Do começo ao fim, as coisas apenas passavam, nada marcou na historia. A unica coisa que eu queria era termina-lo para ver se ao menos o fim seria emocionante; mas não, o livro simplesmente acabou, sem mais nem menos. Não posso negar que de algumas poucas risadas durante a leitura, mas nada que durasse por muito tempo... O trabalho da Novo Conceito ficou muito bom, capa linda, e não percebi erros de digitação.

O livro realmente não me cativou, não me prendeu. Não deu pra mim; talvez porque esse não é um dos meus gêneros favoritos, ou se foi a escrita da autora. Realmente não sei. Mas não foi uma "perca de tempo". Enfim, pode ser que outras pessoas tenham gostado, pode ser que você goste; mas não o colocaria como prioridade na fila de livros...
comentários(0)comente



Michelle 17/12/2013

FALTOU ALGO...
Duas foram as sensações que eu me deparei ao longo da leitura deste livro, a primeira e mais insistente foi que faltava algo, sendo um dos livros que menos me emocionou, não me sentia maravilhada com aquilo que lia, porém, a segunda e não menos insistente sensação era a de querer saber muito o que aconteceria com os personagens...e isso me surpreendia porque não estava completamente envolvida com eles, mas...me preocupava queria saber onde as coisas acabariam...
E confesso que até a última página esperei uma grande reviravolta, um acontecimento marcante que me fizesse sentir vontade de colocar o meu nome no livro (já que isso significaria que não iria trocá-lo em nenhum momento no sebo) mas... isso infelizmente não aconteceu, não consegui me encontrar , me amarrar nos personagens, embora não pensei em nenhum momento em abandoná-los...
Este foi o primeiro livro da ANNE Tyler que eu li, então ainda assim, antes de troca´-lo por um outro volume, irei ler mais algum dela, quem sabe eu não goste mais, afinal, e então ele continue fazendo parte da minha amada coleção...
comentários(0)comente



Pandora 16/06/2013

Há três dias terminei de ler "Lições de Vida" e tento resenha-lo... Confesso que não está sendo fácil. Acho mesmo que se esse não fosse um livro que veio as minhas mãos através de uma parceria jamais chegaria a escrever sobre ele assim como estou tentando fazer agora.

Em "Lições de Vida" Anne nos apresenta a Ire e Maggie, um casal comum de meia idade que se põe na estrada para comparecerem ao velório do esposo de uma amiga de Maggie, é uma viagem de apenas um dia, ele vão pela manhã e voltam a noite e os acontecimentos e sentimentos do dia deles são o tema do livro. Aliás, o livro é dividido em três partes, na primeira nós vislumbramos os sentimentos da Maggie, na segunda os do Ira e na terceira voltamos para os da Maggie, mas então tudo é diferente.

E sim, esqueçam essa capa com essa menina, essas montanhas e blá... blá... blá... da capa, eles nada tem haver com a história. O que tem haver com a história é a descrição delicada, sutil e eficiente feita pela autora dos caminhos através dos quais o nosso casal se tornou um casal, como eles são, quem são eles, quais seus anseios, medos e culpas e não, no final não existe uma grande aprendizagem, uma grande mudança, uma grande lição de moral ou algo tipo auto-ajuda... isso não é mesmo do feitio da Tyler.

A maior viagem de "Lições de Vida" é uma viagem psicológica, delicada e densa ao mesmo tempo... Eu sempre me pergunto como alguém que escreve em uma linguagem tão simples, tão sem floreios, tão sem "pra que isso" como Tyler, consegue transformar em narrativa sentimentos tão densos. É muito fácil gostar dos personagens dela mesmo que eles não sejam potenciais heróis, ou homens ou mulheres de destaque e coisas do tipo.

Maggie é uma mãe de família que trabalha em uma casa de repouso para idosos... é uma pessoa carismática, ativa e meio estabanada. É daquelas que atraem as pessoas para si como um poderoso imã, em um minuto ela não conhece ninguém em dois tem uma pequena multidão em torno dela, falando, tomando chá, compartilhando um pacote gigante de pipoca ou salgadinhos e vida. Ela tem um calor humano incrível, seus dilemas enternecem, é claro que me apaixonei pela Maggie.

Mas quem cativou meu coração e conquistou meu amor eterno foi o Ira, marido de Maggie. Introspectivo, sério, meio carrancudo... Enquanto a narrativa está na visão da Maggie, vez ou outra consideramos o Ira meio frio e ausente e nos perguntamos porque ele está com a calorosa Maggie, como ele aguenta tanto movimento quando é tão introspectivo ou como ela aguenta a frieza. Porém, de repente, não mais que de repente, a Tyler apresenta a visão dele, apresenta o coração caloroso do Ira.

Meu Deus!!! Não tem como não amar aquele homem!!! Compreendo perfeitamente o sentimento da Maggie, não foram poucas as vezes que o Ira me arrancou lágrimas silenciosas. O amor dele pela Maggie é comovente, a forma dele sentir, interpretar e conviver com o mundo criado pela Maggie e seu carisma envolvente é comovente.

O que posso dizer a mais sobre esse livro? Se a vida te encanta, se você ama pessoas, se você gosta de observa-las e perceber como é denso, terrível, luminoso e complexo ser algo como humano e viver entre coisas como seres humanos então vá lá... Ignore a capa tosca e mergulhe no texto de Anne Tyler. Não espere aventuras ou coisa do tipo, apenas abra o coração e leia como se estivesse sentado ou sentada com uma pessoa muito sabia que te conta uma história um pouco longa e corriqueira, mas incrivelmente verdadeira.

Lições de Vida, não tem lição de moral ou receita de viver bem, mas tem calor humano, tolerância, uma lágrima e um sorriso para quem sabe se comover com a vida!

Originalmente publicado em: http://saletadeleitura.blogspot.com.br/2013/06/resenha-do-livro-licoes-de-vida-de-anne.html
comentários(0)comente



Poly 27/09/2013

Li um livro (O começo do Adeus) da Anne Tyler e não gostei muito, mas achei que talvez devesse dar uma segunda chance à autora e ver o que ela tinha a mostrar e o resultado foi que eu consegui detestar esse livro. O começo do Adeus eu consegui ler, não era um livro emocionante ou nada do tipo, mas eu li e terminei numa boa, agora, com Lições de Vida, eu sofri muito para consegui avançar nas páginas.
A leitura não flui, a história não é interessante e eu tive que ter muita paciência para conseguir finalizar.
O livro é dividido em três partes e conta a história de Maggie e Ira, um casal de meia idade comum, com uma vida comum e um acontecimento comum. Eles têm dois filhos Jesse, um músico um tanto quanto irresponsável e divorciado e Daisy, uma jovem genial que está indo para a faculdade. A primeira parte é basicamente sobre a viagem para o funeral de Max, marido de Serena, uma amiga de Maggie.
Os capítulos do livro são enormes e eu ficava incomodada quando tinha que interromper a leitura (gosto de parar no fim dos capítulos).
Maggie e Ira moram em Baltimore e partem para Pensilvânia, local da cerimônia. Antes mesmo da viagem, Maggie ouve no rádio uma mulher anunciando seu segundo casamento e passa a acreditar que se trata de Fiona, sua ex-nora.

"- Fiona, sua nora, Ira. Quantas Fionas nós conhecemos? Fiona, a mãe da sua única neta, e agora vai se casar com um completo estranho só para ter segurança.
P. 9"

Maggie ficou com isso na cabeça durante todo percurso e comentou sobre o fato diversas vezes. Chegava uma hora que eu não aguentava mais ler ela falando sobre o casamento!
Anne Tyler foi bastante detalhista na história, narrando nos mínimos detalhes cada passo do casal. Eu gosto de leituras minuciosa, mas quando a história é envolvente. No caso, é como se eu contasse em detalhes como é meu dia a dia de estudos: sem nenhum tipo de emoção. Eu lia esperando algum acontecimento mais emocionante, só que nada acontece de fato, até a última página.
Além dos detalhes da viagem do casal, há alguns retrospectos, com Maggie lembrando da sua juventude e como conheceu e começou a namorar Ira.
Há uma ou outra passagem mais engraçadinha, como quando Maggie acreditou que Ira tinha morrido ou quando eles estavam se beijando no quarto de Serena, durante o funeral e esta entrou no quarto e acreditou que eles estavam se exibindo para ela, a recém viúva. Ou ainda quando eles inventaram para um senhor que dirigia que a roda do carro dele estava solta.
São partes engraçadinhas, mas nada para rolar no chão de rir ou te cativar por completo.
Maggie é a protagonista mais chata que eu já vi. Ela é uma mãe de família que trabalha em uma casa de repouso para idosos, ela começou a trabalhar na casa ainda adolescente e optou em ficar com os idosos a ir para faculdade. Ela é bastante ativa e carismática, algumas vezes é estabanada, especialmente ao lidar com o carro. Só que além disso, ela também é autoritária e quer fazer tudo do seu jeito, interferindo na vida das pessoas ao seu redor para que tudo saia de acordo com o que ela idealiza e tem em mente.

"Ira ficou se perguntando por que Maggie sempre tinha que convidar outras pessoas para dentro da vida deles. Ela não achava que um mero marido era suficiente, ele desconfiava. Dois não era um número satisfatório para ela.
P. 167"

Já Ira é mais quieto, introspectivo, sincero e responsável, trabalha até hoje na loja de molduras do pai e parece ser do tipo que pensa mais antes de falar, mas no final do livro, percebemos que sua personalidade também é forte e ele desmente boa parte das situações que Maggie cria. Só por ele desmascarar Maggie ele ganhou minha eterna gratidão e simpatia.
Como um típico casal comum casado há muitos anos, eles brigam bastante, mas apesar de todas as brigas dá para ver claramente o amor que um sente pelo outro. Acho lindo casais que cresceram e envelheceram juntos. Eles brigam o tempo todo, mas apenas porque se amam e se preocupam um com o outro. Esse é o caso do livro.

"- Já sei o que vamos fazer – Maggie disse a ele. – Paramos na casa da Fiona só um momento. Um momentinho bem pequenininho. Não aceitamos nem um copo de chá gelado. Fazemos nossa oferta e vamos embora.
- Isso você pode fazer por telefone – Ira disse.
- Não posso, não!
P. 143"

Acredito que o tema central da história seja a vontade de Maggie em juntar novamente Jesse e Fiona, pelo menos, a terceira parte do livro só fala disso. Maggie tenta interferir de todo modo e não quer aceitar a realidade de que talvez fosse melhor deixar as coisas como estão.
Por mais que a história dê voltas e mostre a viagem do casal para um funeral, tudo se trata de juntar Jesse e Fiona novamente.

"Maggie saiu para abrir a porta de trás. Parecia-lhe agora que, mesmo sem perceber, desde que acordara de manhã, ela um só propósito em mente: trazer Leroy e Fiona de volta para casa, finalmente.
P. 313"

Anne Tyler utiliza uma linguagem bem simples, não é preciso muito esforço para compreender as palavras ou os sentimentos que os personagens querem demonstrar. Mesmo nos momentos mais tensos e uma temática mais densa, ela consegue simplificar tudo. Mas como eu disse, o livro é muito monótono e eu não me senti motivada para continuar a leitura.
Achei que talvez eu fosse encontrar algum tipo de lição de moral no final ou ter alguma aprendizagem, mas a obra não trouxe nada disso. É a história simples e comum, como a vida de qualquer um de nós.
Não achei que a capa tivesse relação com a história. Aliás, não gostei da capa. As cores e a imagem da menina no carro não me cativaram e não têm nada a ver com a história.
comentários(0)comente



Marina 14/08/2013

..."havia um homem que acreditava que quando morresse, tudo que perdera em vida seria devolvido em um saco de juta..."
Quando ficam sabendo da morte de Max Gill, marido de Serena Gill, Maggie, sua melhor amiga, convence seu marido Ira a levá-la ao funeral de Max. Enquanto viajam, somos apresentados ao casal protagonista, Ira e Maggie, aos seus filhos, relacionamentos e suas vidas. O que era para ser apenas um viagem a um funeral acaba se tornando uma verdadeira viagem de reflexões e questionamentos sobre seus sentimentos.
Lições de vida tem uma história simples, mas profunda. Ira e Maggie são um casal bem comum, brigam o tempo todo, discutem por coisas bobas, mas se você observar, no fundo, se amam. Maggie fica o tempo todo tentando concertar as coisas, tentando fazê-las seguir seu ponto de vista, quase sempre piora a situação que interfere. Ira é impaciente, prático e não gosta das interferências de Maggie, o que quase sempre gera discussão. Seus maiores passatempos são jogar paciência e assoviar, sendo que sempre assovia músicas com letras de acordo com a situação, o que faz Maggie praticamente saber o que ele está pensando.
O livro é dividido em partes, narrado em terceira pessoa, mas apresentando somente o ponto de vista de Maggie. Apenas na segunda parte conhecemos o lado de Ira, seus pensamentos e sua forma de ver o mundo. Tudo fica mais simples quando o lado dele é apresentado, já que ele vê as coisas de um modo completamente diferente de Maggie.
Embora a história seja simples, me comoveu bastante. Não sou de chorar com qualquer coisa, mas tive muita vontade de chorar com esse livro. Ver como as coisas mudaram para os personagens, o rumo que a vida deles tinha tomado me deixou um pouco... triste. O relacionamento de Ira e Maggie não é um relacionamento quente ou açucarado, eu diria que está mais para amizade e companheirismo do que aquele amor que vemos em comédias românticas. Pessoalmente, foi o que mais me encantou nos dois.
Esse não é o primeiro livro da Anne Tyler que eu leio e me apaixonei ainda mais pela escrita dela. Aaron, protagonista do livro O começo do Adeus, publicado em 2012 pela Novo Conceito tem o mesmo toque simples, que com certeza é típico da autora. Ela escreveu onze livros e eu espero que outros sejam traduzidos para nossa língua.
O trabalho da editora ficou ótimo, apenas alguns erros de revisão, fonte legível, papel polén e notas de rodapé que ajudam muito a entender a história, já que ela se passa em outro país e existe uma grande diferença entre as culturas.
No mais, Lições de vida é um livro lido, simples e encantador. Anne consegue narrar com facilidade os problemas de uma família sem tornar a leitura chata ou cansativa. Esse é o tipo de livro que você tem prazer em falar sobre ele ou recomendar a outras pessoas. Um livro que é, enfim, uma verdadeira lição de vida.

site: http://www.31demarco.com/
comentários(0)comente



Rosana 16/04/2013

Lições de Vida - Anne Tyler - no Livrólogos
Olá! Hoje, a resenha sobre o livro Lições de Vida da autora Anne Tyler.

Maggie e Ira formam um casal comum a não ser pelo detalhe de sua esposa ser tagarela, desastrada e um tanto desajeitada.

Ira, o marido, quieto, sisudo afeito ao seu baralho nas horas vagas, não perdendo nenhuma oportunidade de jogar paciência. Nem o banco da igreja escapou de suas cartadas.

Os dois saem de sua residência em Baltimore para Pensilvânia onde acontecerá o funeral de Max, marido de uma amiga de infância, Serena.

No caminho, Ira irrita Maggie assobiando músicas que despertam nela os sentimentos mais variados. Durante esse percurso surgem fatos inusitados: colisão, discussões e reflexão sobre a vida dos filhos. Memórias e lembranças de parentes e amigos não faltam.

É uma comédia humana por assim dizer e é interessante observar que apesar de muitos anos de vida em comum ( 28 anos de casamento) há respeito mútuo.

Entre tantas passagens e reflexões acerca das pessoas, percebe-se que os valores vão mudando , transformando-se com a evolução da sociedade.

Maggie nos dá bem essa idéia ao tentar consertar o casamento de seu filho Jesse. As coisas não são como queremos que sejam, mas como elas são de fato.

“O que a mãe de Maggie dissera era verdade: as gerações estavam indo ladeira abaixo nessa família. Estavam em todos os aspectos, não somente nas profissões e na escolaridade, mas na maneira como criavam seus filhos e no modo como dirigiam seus lares.” pág 289

Um livro para se distrair. Interessante, terno e rico em histórias e nos lembra como a vida a dois é cheia de cumplicidade e complexa :) A diagramação é agradável para leitura. Um bom entretenimento.
comentários(0)comente



31 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3