DEZESSEIS

DEZESSEIS Simone Pesci




Resenhas - Dezesseis - A Estrada da Morte


16 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Silviane 21/10/2017

Imagine ouvir uma música e então escrever um livro baseando-se na letra? Pois foi isso que a autora Simone Pesci fez com a música Dezesseis de uma das bandas mais queridas do Brasil: Legião Urbana. Mas não se engane, pois o livro não se trata apenas de um jovem que participa de rachas e sim de um jovem que está destruindo a sua vida aos poucos e então encontra seu anjo. Dezesseis é um livro YA nacional para, além de fãs desse gênero literário, fãs de um bom rock.

Confesso que toda essa mistura me deixou totalmente interessada neste livro. Tinha visto algumas campanhas sobre ele no ano passado e quando vi que a autora abriu a seleção de parceiros fiquei super empolgada e me inscrevi; Quando passei e recebi o arquivo já fui logo iniciando a leitura. Sim, de fato o livro muito me agradou. Para ser honesta acho que o que o livro trás ao leitor é muito mais do que ele promete, pois muitas pessoas podem acabar esperando algo diferente do que o livro irá oferecer (e isso pode ser positivo ou negativo). Graças a Simone eu pude sentir aquela raiva de adolescentes e sua paixão tão ardente. Você sabe quando lemos um YA e reclamamos que o casal se apaixonou instantaneamente? Bom, não é nada perto dos sentimentos de JOÃO ROBERTO. Neste livre todos os sentimentos do personagem estão a flor da pele e ao invés de ser tão incomodo acabou fazendo sentido, pois muitas vezes com esta idade o sentimento acaba influenciando muito mais do que a própria razão e acredito que por se tratar de um menino a coisa fica bem diferente do que se fosse uma menina, pois sabemos que cada sexo tem sua forma de expressar e contar ao leitor (além de viver, falando sobre a vida real) seus sentimentos. Mas o que também é um aspecto legal na obra acaba frustrando com o tempo, visando que o personagem acaba não amadurecendo durante a narrativa. Acho que até entendo o porque da autora não fazer isso, sendo uma obra baseada numa música e que alguns aspectos precisam seguir o que a letra propôs, mas como eu sou uma leitura iludida acabei esperando algumas coisas diferentes.

ANA CLAUDIA é uma personagem que não me despertou empatia. Não sei dizer exatamente o porque, mas eu acho que no fundo não vi nela tudo isso que Johnny viu. No inicio eu gostei mais, talvez pelas atitudes que ela teve mas conforme conhecíamos mais dela acabei achando-a um pouco mais do mesmo. Não quero dizer que a menina seja uma péssima personagem, mas só que eu curti mais do que ela mostrou no começo (e que na verdade era mais uma "máscara"). DONA LOURDES, mãe de Johnny, também não me agradou mas porque a achei muito boazinha. A forma como ela criou o menino permitiu que ele se tornasse esse adolescente e agora é muito tarde para ela tentar corrigir esses erros, mesmo que eu ache que ela nem quer de verdade. Parece que ela não se importa tanto, mesmo que demonstre diferente. Não senti ela uma mãe pulso firme e quando ela tentou mostrar ser assim só me fez ficar com raiva pelas suas atitudes.

O livro é narrado por Johnny, mas alguns capítulos a autora introduziu outros personagens. Para ser sincera eu achei esse aspecto desnecessário, principalmente quando chega mais próximo ao final do livro quando algo grande irá acontecer e perdemos a surpresa de acompanhar com Johnny, já que outro personagem contou o que pretendia fazer e etc; Mas acredito que isso seja pessoal de leitor para leitor e pode agradar alguns. A obra também tem alguns detalhes fantasiosos criados por Simone (no inicio achei totalmente estranho não ter uma justifica para um garoto de dezesseis anos dirigir um carro livremente por ai) mas nada que prejudique a leitura, principalmente depois que tudo acaba sendo explicado. Dezesseis é uma boa leitura e indicada para quem gosta de YA com uma boa dose de drama. Apesar de o livro vender um Johnny rebelde sem causa e rachas a obra é um romance que pode emocionar as leitoras mais sensíveis.
comentários(0)comente



Daiane 02/01/2017

Apaixonante
Que eu sou apaixonada por Legião Urbana também não é segredo para ninguém. Passei boa parte da minha infância escutando as canções da banda numa fita cassete que ganhei de presente do meu irmão! Sim gente eu sou da época da fita cassete...kkkk
E Dezesseis era sim uma das minhas preferidas. O ritmo gostoso e contagiante da guitarra me fazia imaginar a história desse jovem garoto que morreu tão cedo e para nossa alegriiia a talentosa autora Simone Pesci nos presenteou com esse livro maravilhoso!

Da uma olha na Sinopse:

João Roberto, conhecido por todos como Johnny — O Rei dos Pegas — acabara de completar “Dezesseis”. Estereotipado como “rebelde sem causa”, levava uma vida desregrada, ao lado dos amigos, mostrando-se o cara legal e o maioral. Desejado por muitas garotas, sempre vencia os rachas que participava. Porém, ele não contava com um sobressalto do destino... Assim, apaixonou-se por Ana Cláudia, uma linda e doce garota que se tornaria sua salvação, bem como sua perdição. Dentre tantos conflitos e percalços para ficar ao lado de seu grande amor, Johnny entra de cabeça em uma disputa com destino à estrada da morte.

Inspirado na canção “Dezesseis” — da banda brasileira Legião Urbana — este é um enredo de amor recheado com muitas aventuras.



Instigante neh? Também achei!
E caí de cabeça na história e já me apaixonei pelo Johnny e me senti naqueles seriados americanos dos anos 90.
Simone consegue nos envolver em cada página, nos fazendo esquecer do mundo e nessa de uma página leva a outra terminei o livro em pouquíssimo tempo!
Já comecei shippando o Jhonny e Ana! Um casal muito fofo e ao mesmo tempo tão diferentes. O que me fez cantar uma música dos Under- Undergrounds toda vez que eles estavam juntos kkkk

"Iguais diferentes, diferentes iguais"

Maaas... Voltando para o livro criei um certo ódio do marombado e do pai da Ana, e pela mãe do Jhonny um carinho muito especial.
A turma dele sempre tão parceira nos momentos difíceis me fez lembrar dos meus amigos... Cada um com sua singularidade, mas como um todo eles se completavam.
Ahhhh não quero da spoiller mas o final, o final te coloca num misto de emoções!
Quer sentir tudo isso também, então para tudo que está fazendo e compra logo o seu!!

Comprando direto com a autora você pode ganhar um kit super bacana com um cd com a trilha sonora do livro e marca paginas personalizados!!

















comentários(0)comente



Deza.Farias 10/12/2016

Legião Urbana
Pra quem é fã assim como eu , é uma boa pedida :)
comentários(0)comente



Roberta 17/05/2016

A musica que deu vida a uma linda história!
A máxima de que os opostos se atraem é bem válida nesse livro. De um lado o rebelde Johnny, João Roberto, com sua empáfia de adolescente sabe tudo, mas que na verdade se esconde por de trás de toda essa armadura. Usa drogas, sexo e rebeldia para criar sua identidade, mas na verdade, no seu intimo, o arrependimentos por suas ações travam dentro dela uma batalha entre o certo e o errado que o levam a tortura. Isso acontece em um trecho bem forte que se passa com sua mãe. #Emocionante.
Já do outro lado, no extremo, tem a doce Ana Claudia, a doce e carinhosa menina, que vai ser "perder" na loucura de Johnny. Por ter em casa uma falta de carinho e amor, principalmente por parte de seu pai, que é um xerife linha dura, ela vê nas loucuras de Johnny um refugio para ser feliz.
O livro é em sua maioria contado pela visão do Johnny, mas em alguns momentos percebemos outros olhares sobre a trama, e isso é bom, pois nos faz compreender melhor tudo que esta acontecendo, todo o furacão que é a história.
Sem muitos spoilers, mas amei já uma cena do inicio do livro, em que a Ana é beijada de surpresa pelo Johnny e tipo fica apavorada com a audácia do menino. #AMEI
Mas nem tudo são flores e alguns segredos e mistérios estão entre as possibilidades amorosas deste casal adolescente, que terá uma pedra no sapato chama Sam #RaivaMortal, e mais alguns mistérios só revelados a quem ler o livro, claroooooo
O final, ahhhhh o final. Sim eu chorei, e muito! Mas era de se esperar, por tudo no decorrer do livro. Mas que foi triste, ahhh isso foi!
Quanto a escrita, sou suspeita em falar, pois a Simone Pesci, minha amiga, é #PHODA na arte de escrever, e nesse livro mostrou um lado diferente dela, uma versão mais confiante da escritora e eu fiquei mega feliz!
Parabéns Si querida por tudo que eu li, esta lindo de viver. Um livro adolescente, mas que faz certamente muito marmanjo pensar bem em suas ações no decorrer da vida!
comentários(0)comente



dayukie 06/05/2016

"Eu chorei e suspirei com este livro, ele foi tragicamente intenso. O principal ponto de vista é do Johnny, mas alternando as vezes entre Ana e Sam, no decorrer do livro, as peças desse imenso quebra-cabeça que é a vida deste casal e o passado de seus pais, vão se encaixando e a vida deles é preenchida de mentiras, dores e lágrimas. Mesmo que em meio a isso, a felicidade bate na porta, mas com tantas coisas ao redor, do mesmo jeito que ela veio, se foi. Inesperadamente."

Leia a resenha completa lá no blog!

site: http://goo.gl/fQQemN
comentários(0)comente



Rosacarla 24/04/2016

DEZESSEIS: A ESTRADA DA MORTA - SIMONE PESCI
João Roberto, conhecido por todos como Johnny O Rei dos Pegas acabara de completar Dezesseis. Estereotipado como rebelde sem causa, levava uma vida desregrada, ao lado dos amigos, mostrando-se o cara legal e o maioral. Desejado por muitas garotas, sempre vencia os rachas que participava. Porém, ele não contava com um sobressalto do destino... Assim, apaixonou-se por Ana Cláudia, uma linda e doce garota que se tornaria sua salvação, bem como sua perdição. Dentre tantos conflitos e percalços para ficar ao lado de seu grande amor, Johnny entra de cabeça em uma disputa com destino à estrada da morte.

Inspirado na canção Dezesseis da banda brasileira

Legião Urbana este é um enredo de amor recheado com muitas aventuras.

Nota da Colunista:
Se você juntou minha dica de nostalgia, com o título de livro Dezesseis e já descobriu (ou sabe) que o livro tem algo a ver com a célebre música Dezesseis da banda Legião Urbana, lhe respondo, sim você acertou. Mas não se engane ou ache que o livro é um clichê, o livro da Simone é muito mais que isso.

Como fã de literatura e de música tem algumas músicas que escuto e penso: "daria um belo filme ou livro", assim como imagino alguns livros virando filme. O legião tem várias músicas que sempre disse que dariam grandes filmes (ou livros) para desenvolver mais as sua estórias, como: Faroeste Caboclo, Dezesseis e Eduardo e Monica. E a Simone realizou um desses meus sonhos, com um livro lindo e polarizado, ao mesmo tempo fiel a canção do Legião e diferente de uma maneira muito criativa. Me atrevo a dizer que acrescentando em alguns pontos, não que falte algo na música mas para o livro foram acréscimos bem pertinentes.
João Roberto ou Johnny é o típico bad boy (quem não ama os bad boys), adorava rachas, viver perigosamente, era um bon vivant nato, até conhecer Ana Cláudia e decidir que a vida valia mais que correr para o nada... ou brigar por tudo.
Nota da Colunista:
Simone moçoila, próxima vez que você for me mandar um livro, avisa que tenho que ter uma caixa de lenços perto, porque...por favor...

O relacionamento de Johnny e Ana tem muitos alto e baixos, muitas idas e vindas. Muitos questionamentos e muitos "e se"...
Nota da Colunista:
Pode um amor mudar uma existência? A gente pode mudar outras pessoas ou essas mudanças tem que partir de cada pessoa? O amor salva? Muda? Constrói? Destrói?

Se tem algo que percebi com a leitura desse livro é que a mudança tem que partira da gente, sem pressão, quando a mudança parte por causa de outro é exigência, obrigação, e cansa com o tempo. Com uma narrativa linda cheia de curvas como as estradas que Johnny percorre, cheia de melodia como a música do Legião e amor, como só os casais apaixonados sabem transmitir; Simone nos conduz a essa linda estória de amor, mudanças, fins e recomeços...

Super, super indico a leitura dessa obra maravilhosa, Simone encontra emoções, nuances e "sombras" nesse livro lindo, vale a pena conferir.

Onde comprar:
http://www.livrostdl.com.br/produto.php?cod_produto=8342750
comentários(0)comente



Giika 30/03/2016

Inspirada na musica Dezesseis da banda Legião Urbana, Dezesseis A Estrada da Morte, conta a história de Johnny um adolescente rebelde conhecido, como rei dos pegas, por gostar de apostar corridas pela cidade, e também por ser bem encrenqueiro, porém decide deixar a fama e a vida de rebelde sem causa para trás quando conhece Ana Claudia, por quem se apaixona e é correspondido.
Juntos Ana e Johnny precisam enfrentar a fúria do pai autoritário dela, que quer a todo custo juntá-la com Samy o filho do prefeito um rapaz possessivo e violento que vê em Ana Claudia apenas um troféu.
Em nome desse amor os jovens apaixonados estão dispostos a enfrentar todos os obstáculos, tramas maléficas para separá-los, segredos obscuros do passado para ficarem juntos e terem seus felizes para sempre.

"Dezesseis - A estrada da morte" é uma história fantástica e emocionante, cheia de tramas, romances, que nos faz rir, chorar, torcer pelos nossos personagens favoritos.
É um livro que te prende do inicio ao fim, mas ao mesmo tempo faz com que voc queira ir com calma, para não terminar logo.
E apesar de tudo, vale muita a pena ler, e conhecer a história de amor de Johnny e Ana Claudia.

comentários(0)comente



Kelli Medeiros 22/01/2016

louca por Dezesseis
Eu fiquei encantada quando descobri esse livro, pois a música faz parte de uma época incrível da minha vida. A autora além de muito inteligente,é um amor com seus leitores. Obrigada Simone por esse livro tão maravilhoso.
comentários(0)comente



Juliana 20/01/2016

Dezesseis- A estrada da Morte
Em Dezesseis A estrada da morte, de Simone Pesci, iremos conhecer a história de Johnny. Um jovem rapaz que mora na capital do Brasil e que acaba de completar 16 anos.

Nesse novo ano que se inicia em sua ida, Johnny encontra o amor e percebe que, junto com tal sentimento, muito segredos decidem acompanhar e transformar sua vida.

O enredo foi inspirado na canção dezesseis da banda legião Urbana, e irá conquistar os fãs com também os leitores ávido e que gostam de enredos com inspirações em músicas.

Um pouco mais sobre o livro, narrado em primeira pessoa, ficamos com a visão do protagonista, sendo que em alguns capítulos é possível também conhecer a história do ponto de vista de outros.

O universo que a autora criou foi o mundo dos " rachas" - corridas ilegais de carros- há também drogas, bebidas e sexo. O uso desses elementos não foram apresentados de maneira agressiva nas cenas. Portanto, não causa nenhum desconforto para os leitores que não gostam de tais itens.

Linguagem dos personagens, bom como sou sempre sincera nas resenhas, tenho que dizer que esse detalhe foi um ponto que não me agradou e, quero explicar. Há algumas expressões/ gírias antiquadas que me fizeram questionar a época que a escritora quis construir. Exemplo, " pé na tábua", não vou dizer onde aparece essa, mas, digo que há uma frequência.Enfim, posso está enganada, mas essa sensação de viagem ao passado me seguiu durante toda leitura.

Personagens de uma trama intensa, não há muitos, portanto, apresentarei o casal principal:

Johnny - Um " rebelde sem causa" e aceita tal classificação. Mora apenas com a mãe em uma humilde casa, o rapaz contribui com as despesas trabalhando em uma oficina, mas, a real fonte do seu dinheiro provém das corridas ilegais que participa com seu carro, " Trovão", herdado de seu pai.

No meu ponto de vista, acredito que para um rapaz de apenas dezesseis anos, muitas das atitudes que o garoto tem não condizem com o nível de maturidade proposto. Para deixar no ar, acontece algo com Johnny que causara comoção as leitores apaixonadas.

Ana Claudia, o anjo sem asas do Johnny, a mocinha da história. Filha do delegado da cidade, Ana encontra o amor nos braços do " rebelde sem causa". Mas como nem todo o bem vem fácil, nossa garota passa um bom bocado para poder viver tal sentimento. Após o que acontece com sua alma gêmea, ela descobre que nunca mais estará sozinha.

Vocabulário simples sem o uso de palavras rebuscadas, há expressões no idioma inglês e sem nota de rodapé com devida tradução. Cada capitulo começa com uma página personalizada com a imagem da capa em preto e branco. E, com o trecho de uma das músicas da banda que inspirou o enredo.

Fontes e espaçamentos super adequados o que não nos causa desconforto durante a leitura. Há mudanças no estilo da funte quando trata-se de cartas, bilhetes e sms que os protagonistas trocram.

Capa condiz com o título e enredo, apesar de acha o modelo proposto bem mais velho que o jovem Johnny.

site: http://nossaestantenacional.blogspot.com.br/2016/01/resenha-dezesseis-estrada-da-morte.html
comentários(0)comente



Eu Leio, e Você? 07/01/2016

DEZESSEIS: A ESTRADA DA MORTE — Simone Pesci
Oi Oi Leitores!!!

Saber transformar em história, uma música que marcou gerações, ainda mais sendo de uma banda extraordinária que, até hoje é consagrada e tocada mundialmente, como é a Legião Urbana, não é para qualquer um. Mas ela conseguiu essa proeza, e muito bem!!!
Em, Dezesseis: A Estrada da Morte, Simone Pesci trouxe-nos para o mundo de João Roberto. Conhecido entre sua galera por Johnny — O Rei dos Pegas —, este acaba de completar dezesseis anos.
Um adolescente nada comum, com estilo ousado e ditando as próprias regras, Johnny vive uma vida onde nada mais importa do que o seu amor por Ana (seu anjo).
Ao vê-la reluzente, naquela noite em uma festa, Johnny perde a razão e seu coração se enlouquece de amor por aquela que o fará realizar as mais extremas loucuras, selando seu destino à uma disputa com a estrada da morte, por onde tantas vezes chegou em primeiro lugar. Mas, será que desta vez ele ganhará?!?

"O amor é como uma faca de dois gumes: em um momento ele é tudo, fazendo com que você cometa loucuras; em outro momento ele se torna a sua própria loucura. Eu enlouqueci desde o primeiro instante que avistei-a na colina, linda e reluzente, com seus lindos cabelos ao vento. Ela me fez ir do céu ao inferno nun curto prazo de tempo, sendo minha salvação e perdição."

Johnny, um adolescente vivendo a vida adoidado, mora com sua mãe e tem amigos bem loucos. É considerado um "rebelde sem causa", o maioral, o que pega geral, rsrs. Bom, isso antes de seu coração congelar em uma só garota, Ana Cláudia.
Johnny curte a vida nos embalos de "sexo, drogas e rock and roll" tendo como maior fonte de divertimento Os Pegas que realiza com seu companheiro inseparável, o Opala azul metálico.
Ana, filha do delegado da cidade, sofre com a rejeição do pai e com a marcação cerrada de Samy, sua única companhia autorizada por seu pai, e na qual é prometida ao matrimonio.
Tendo que enfrentar tudo e todos, Johnny e Ana viverá do amor ao ódio para poder ficarem juntos, pois o pai de Ana nunca permitirá tal união, por conta de um grande acontecimento do passado que o enfurece até os dias de hoje, fazendo-o transmitir toda essa raiva para Johnny, consequentemente, para sua filha.
Mas, Ana não se deixará abalar pela violência de seu pai. Seu amor por Johnny é tão grande que sua coragem e força aumentará cada vez mais quando eles estiverem juntos. E Johnny, claro, sempre babando por Ana, dispensará todas as garotas e até mesmo Vicky, seu maior (ex) affair "problemático".

"Eu me sentia o cara mais sortudo do mundo por poder desfrutar de um amor como de Ana"

Ler um livro, oriundo de uma música totalmente conhecida, no qual já se sabe o trágico final, pode até parecer ruim. Contudo, não se deixe levar pelo famoso ditado popular: " não julgue o livro pela capa", pois é de se fazer surpreender com essa leitura que, além de lhe fazer relembrar grandes músicas que marcaram essa banda extraordinária, você poderá ver, em história, o que esse menino foi capaz de fazer e superar por um amor que rompe todas as barreiras da vida e da morte para ficar junto de sua amada.

Este belo romance foi inspirado pela autora através da música DEZESSEIS, da inesquecível Legião Urbana. Então, só temos à agradecer, Simone Pesci, por nos presentear com Johnny e sua trupe e por ter nos trazido para o mundo fantástico da leitura interpretando uma cação que ainda marca gerações.

site: http://euuleioevoce.blogspot.com.br/2015/12/dezesseis-estrada-da-morte-simone-pesci.html
comentários(0)comente



Angel 11/12/2015

Dezesseis
"João Roberto era o maioral
O nosso Johnny era um cara legal
Ele tinha um Opala metálico azul
Era o rei dos pegas na Asa Sul
E em todo lugar
-Trecho da música Dezesseis"

Esse é o João Roberto... Um garoto de 16 anos que vive a vida intensamente, regada à álcool, maconha e muita, muita adrenalina.
Johnny mora com a mãe, estuda (quando lhe dá na telha) e trabalha em uma oficina mecânica.
Sua vida sofre uma reviravolta quando conhece Ana Cláudia, uma linda garota que veio para mudar algo dentro dele, mas infelizmente é filha de seu nêmesis, o delegado.
Os dois irão enfrentar muitas barreiras para conseguir viver esse amor, uma delas é Samuel filho da puta do prefeito.
Antes de conhecer Johnny, Ana era muito próxima do Samuel, que costuma ter o que quer, sem se importar com as consequências, e fará de tudo para atrapalhar a vida do casal.

Mas a pergunta que não quer calar é: por que tanta gente é contra o relacionamento de Ana Claudia e João Roberto?

Segredos serão revelados, vidas serão transformadas...
"Sorrimos sabendo que aquele seria um dia bom. Descobrimos uma afinidade, que, a cada segundo, era mais visível, expandindo-se de maneira avassaladora. Era como se já nos conhecêssemos há tempos."

Bom, para quem conhece a música o final do livro não é surpresa, o surpreendente está em como a Simone conduziu a história para chegar ao final.

O livro é inspirado na música da Legião, mas pode ser considerado uma releitura de Romeu e Julieta, e o resultado ficou muito bom.

Me emocionei em vários momentos e senti a tensão dos personagens em tantos outros, assim como muita raiva daquele maldito delegado.

Os personagens são bem convincentes, o delegado, a mãe do Johnny, seu grupo de amigos super leais, o Sammy, a Ana que é um anjo, como o próprio Johnny a apelida com razão, ela é uma pessoa incrível e o Johnny é um caso à parte, bonito, charmoso, intenso (só achei ele meio exagerado e dramático em alguns momentos) e eu definitivamente não conseguia vê-los como jovens de 16 anos.

A Simone fez um belo trabalho contando sua versão da história por trás da música e só posso parabenizá-la por isso.

O livro é narrado em primeira pessoa principalmente pelo Johnny, com alguns capítulos narrados pela Ana e pelo Samuel.
A narrativa é leve e flui super bem.


site: http://a-libri.blogspot.com.br/2015/12/resenha-dezesseis-estrada-da-morte.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Silva 30/11/2015

Dezesseis
É a história de João Roberto, o rei dos pegas, com 16 anos e rebelde, "desejado por muitas garotas, sempre vencia os rachas que participava."
Quis o destino que se apaixonasse por Ana Claudia. "Foi por ela, aquela que eu considerava minha solução e minha perdição, que estava prestes a seguir rumo à estrada da morte...". Ela era misteriosa, havia 2 motivos para que Johnny a deixasse em paz, deixo os leitores descobrirem durante a leitura do livro.
Os amigos de Johnny formavam um gangue : Julius, César, Janjão, Trakinas e Vicky que tinha 17 anos ("era uma garota que sabia me tirar do sério em questão de segundos").
A autora dá-nos a conhecer no capitulo 3, Samuel Garcia, "o cara que acabou com os meus sonhos". Samuel tratava Ana Claudia de uma maneira que Johnny não gostava "Ele era um tipico babaca, filhinho de papai".
Johnny vivia com a mãe D. Lourdes, num bairro de Brasilia, tinha herdado do pai um opala metálico azul. Trabalhava numa oficina da parte da tarde para ajudar sua mãe com as despesas e frequentava poucas vezes o 2º ano do ensino médio, até que prometeu a sua mãe tentar ir às aulas, "agradeci por ter feito aquela promessa à mamãe".
Na página 35 é quando se falam pela primeira vez... o que uma barata não faz...Uma nota para a Simone Pesci : comigo não iria resultar.
Gostei do que Ana Claudia fez no fim da página 37.
Páginas 39 e 40, só pergunto uma coisa ao Johnny : É assim que a queres conquistar? Comigo não tinhas sorte.
Gostei muito do fim do capitulo 4, até que enfim criou coragem e fez o que já devia ter feito (não vou dizer que personagem para não dar spoiler).
Só tenho uma palavra para descrever a página 48, Deja Vu... para bom entendedor meia palavra basta...
Até que enfim um capitulo narrado por Ana, o 7. No capitulo 8 ficamos a saber mais sobre a vida de Ana.
Gostei muito do poema da página 69, lindo e emotivo. Até parece que a autora sabia que eu (uma portuguesa) ia ler o seu livro. Adoro Luis de Camões.
A mãe de Johnny tem um segredo que vai ser revelado ao longo da narrativa. Eu até pensei que fosse outra coisa, mas Graças a Deus não era o que eu pensava.
O capitulo 12 é um dos mais importantes e um dos meus favoritos. A Simone fecha esse capitulo com chave de ouro.
O capitulo 14 demonstrou o quanto é impulsivo e "maluco".
Tinha de haver uma Susana na história "a ruiva gostosa do 3º D".
O capitulo 15 é outros dos meus favoritos, deu-me vontade no final do capitulo de bater em alguém.
O último parágrafo da página 163 fez-me vir as lágrimas aos olhos.
Na página 205 há uma revelação que eu não estava à espera que acontecesse.
Capitulo 22, até que enfim um capitulo narrado por Samuel : "E quando estava prestes a seguir em sua direção, senti uma mão com longos dedos contendo-me". Adorei o capitulo vai ser uma reviravolta na história. Mais uma...
Aquele final do capitulo 23, aquilo não se faz, que pena do personagem. Só espero que fique tudo bem, era o que eu pensava enquanto lia.
Só digo uma coisa em relação ao capitulo 24, Maxwell Fonseca, tinhas de o mencionar, não te contiveste... A frase final deste mesmo capitulo deixou-me bastante curiosa.
Capitulo 25, vou ter de torturar alguém, não se faz uma coisa daquelas a nenhum personagem.
Da página 259 à 262 foi tudo muito emotivo e tenso, gostei bastante desta parte do capitulo 26, aguenta coração.
No segundo parágrafo da página 268 veio-me uma lágrima ao canto do olho. Foi a página 281 e a 303 que me fizeram chorar e a autora escreveu algo inesperado, grande criatividade.
Um dos segredos que nos é revelado pela autora ao longo da narrativa, eu já estava desconfiada que ia ser assim.
Em conclusão : o Conteudo da letra da musica foi bem transposto por parte da autora e com boas explicações.
Gostei, mas continuo a preferir o "Entre o Céu e o Inferno", o meu Xodó.

As melhores :
1 - "Ela havia preparado tudo o que eu mais gostava, fazendo-me salivar sobre a deliciosa e farta mesa"
2 - "Estonteantemente linda em seu jeans surrado e seu suéter rosa... deparei-me com aquela que me fez perder o fôlego."
3 - "E mesmo envolto num emaranhado de sentimentos, consegui enxergar que o ato impensado havia sido um plano de Deus."
4 - "Janjão havia me presenteado com uma importante informação e por mais que eu não estivesse oficialmente ao lado do anjo, só de poder desfrutar de sua companhia, já acalmava o meu coração."
5 - "Meu coração acelerou, com batidas descompassadas, e o mal-estar que até então havia tomado conta de mim, elevou-se a tal nível que fez com que eu me apoiasse em um muro próximo"
comentários(0)comente



Juny 05/10/2015

" Dezesseis , A estrada da morte "
"Em Dezesseis - A estrada da morte, a autora Simone Pesci, nos convida a entrar na música 'Dezesseis' da banda Legião Urbana. A música nos diz que Johnny era o maioral, um cara legal o rei dos rachas e tals... e que teve seu coração partido... Mas quem partiu o coração do Johnny? Como? E por quê? Em sua imaginação Simone foi nos dando respostas, criando um enredo cativante e eletrizante. O Johnny que a Simone criou é exatamente como eu o imaginava - quando o Renato Russo soltava sua voz - impulsivo, irresponsável e um rebelde completamente apaixonado.
Johnny não tem medo de viver no limite, se diverte dando um 'oi' para a morte e assim mantém seu status de rei dos rachas, essa era sua maior diversão, o que me causou uma adrenalina, já que a autora parece nos colocar dentro do opala azul de Johnny .

E já que vive intensamente, não seria diferente ao se apaixonar... Ana Cláudia surge em sua vida como um anjo, uma promessa de esperança, acalmando seu coração, lhe dando uma paz que não sabia existir, ele fica obcecado por ela, tenho que dizer que foi imensamente divertido os encontros e desencontros do casal e todas as enrascadas que ele se mete só para ter a oportunidade de estar ao lado dela!

Ana Cláudia por sua vez é tímida, doce e romântica e não gosta do estilo de vida dele. Reluta em aceitar a paixão, mas ele é o Johnny o cara legal que de uma hora pra outra se mostra irresistível! Juntos eles vivem um grande amor, mas irão descobrir que não era apenas o estilo de vida de Johnny que os separava. Entre segredos e mentiras terão que lutar muito para conseguirem ficarem juntos!

Preciso falar sobre a arte desse livro, no qual a autora acompanhou de perto e escolheu cada detalhe, tudo ficou tão lindo e de bom gosto que dá pra sentir o carinho assim que se toca no livro, me emocionei de verdade quando abri o meu! Desde a capa, diagramação, revisão, tudo perfeito!! Lindo mesmo!!
Outra coisa linda no livro são as músicas e frases de Renato Russo, que para mim foi perfeito, pois ela conseguiu encaixar as frases e músicas exatas com o contexto de cada capítulo, isso só enriqueceu o enredo, nos mostrando que além de romântico, Johnny era muito culto...

Enfim, só tenho a agradecer e me orgulhar dessa autora/amiga maravilhosa, que me levou junto nessa estrada e me trouxe turbilhões de emoções!
Ameiiiiii Simone! Parabéns !
Beijos Junye
comentários(0)comente



Fer - Mato Por Livros 26/09/2015

Venha para essa estrada, pegue todas as curvas possíveis e se deixe enlouquecer, viver e amar.
Uma vez eu disse a uma amiga que a Si escreve com tanta alma, que mesmo quando é para sorrir me pego chorando. Eu fico me perguntando como Deus reage ao saber que criou pessoas tão especiais e deu um dom tão incrível para elas?

Costumo dizer que ler é muito bom, adoro pegar um livro, passar meu tempo com ele, me divertir, dar risadas. Mas viver a história, sentir ela na sua pele, chorar, sofrer é algo que não tem explicação, é algo mágico, como se existissem mesmo as fadas com suas varinhas de condão sabem? E ai no momento, quando você abre aquele determinado livro e começa a sua história a fadinha dos sonhos literários vem naquele momento, joga aquele pozinho mágico e diz: - Sinta! Viva! Sonhe! Chore! Sorria! Você está recebendo um presente. Uma linda história e com ela a oportunidade de sentir sensações inexplicáveis, de aprender lições únicas, e tudo isso através de outras vidas, vidas muito importantes essas.

É difícil achar um jeito de explicar a forma plena com que histórias assim chegam e tocam nossos corações. Queria eu sim ser uma escritora nesse momento para achar as palavras certas, palavras bonitas, com uma linguagem toda rebuscada, e encher essa página de adjetivos lindos que fizesse vocês compreenderem o poder que algumas histórias tem.

Então só posso esperar que sintam um pouco através dessas simples palavras e que possam se permitir conhecerem histórias assim.

Uma história intensa, com sentimentos intensos e arrebatadores e personagens mais intensos ainda e com personalidades marcantes.

A história de Simone já começa nos causando um turbilhão de emoções e sensações.


“Ana, às vezes sinto como se minha vida fosse acabar a qualquer instante, e por isso, não me privo de certos prazeres. É como se eu já soubesse que meus minutos estão contados.”

Johnny é um cara legal, Johnny era o maioral, conhecido como o “rei dos pegas”, ele só curte mesmo é estar com seus amigos, dar um tapa em seu cigarro, beber muitas e tirar os maiores rachas que já existiram.
E então conhece Ana Cláudia. Ana era um anjo, como o próprio Johnny gostava de descrever, uma menina doce, linda, com uma história que poderia tê-la tornado uma pessoa dura, mas ao contrário, tinha um coração puro, uma força sem igual e uma compreensão que a tornava por vezes mais madura do que sua idade exigia.

“Johnny era o inverso de tudo o que um dia sonhei, porém, ele era o inverso que eu mais ansiava.”

Eles vivem aquele amor desmedido, o tipo de amor arrebatador que nada quer saber a não ser do ser amado.
Eles agem sem pensar, o medo que eles tem não os impede de viver esse sentimento, não se preocupam com as consequências de seus atos, eles vivem cada momento de forma única e o futuro parece algo muito distante e por isso não podem esperar, eles querem o hoje.


“De duas, uma... Ou nos renderemos ou lutaremos. Minha ideia é lutar. Sempre! Agora basta saber o que você pretende fazer, anjo.”

Ao contrário de EOCEOI que fomos acompanhando a história aos poucos, conhecendo o enredo e os personagens de forma leve mesmo com todas suas dores, em dezesseis Simone volta diferente, ela traz tudo a tona de forma única e irreversível, fazendo com que não tenhamos tempo nem ao menos de respirar.
Eu sabia que devia ter me preparado melhor antes de começar a ler a história.
Não temos tempo para nada, não podemos nos preparar para a paixão enlouquecida que toma conta do coração e da vida de Johnny e Ana Claudia, não temos tempo para nos preparar para esse sentimento que os arrebatou e que nos arrebatou, não temos tempo para nos preparar para as consequências desses sentimentos, para o ódio que ele desperta, para os segredos que ele traz a tona, e menos ainda para os perigos que os cercam por viverem esse amor.

Johnny e Ana são jovens e como jovens sentem e vivem tudo de forma intensa e única. Em um determinado trecho uma personagem fala que ele vive a vida como se ela logo fosse se acabar, e é essa sensação que tudo na história nos traz. Esse viver de forma desenfreada como se não existisse o amanhã, e isso nos deixa sem fôlego e despreparados sempre para as próximas páginas.
A Simone sabe como mexer com o leitor de mil maneiras diferentes, ela nos faz rir, chorar, amar, odiar, ter medo, esperança, fé. É uma verdadeira montanha russa de emoções.

Outro fator mais que positivo no livro é que são poucas narrativas que encontramos pelo lado “masculino” em histórias, e eu adoro, mas nesse caso pode acabar conosco.
Johnny é tão intenso, tão real e tão impulsivo que fica difícil acompanhar todos os seus sentimentos, sensações e loucuras. O seu modo “adrenálico compulsivo objetivo” por vezes nos deixa enlouquecidas e com o coração na mão. Outras tantas tudo o que desejamos é ser a própria Ana e poder toca-lo, conforta-lo e entrar na loucura junto com ele. Em todas as suas loucuras...

“Anjo, tranque a porta do medo e jogue a chave fora. Deixe o mundo lá fora. Agora somos só eu e você.”

Dezesseis não é apenas mais uma história de dois amores que se encontram, vivem um amor intenso, mas não podem permanecer juntos. Dezesseis vai além de qualquer tipo de amor racional, ele mexe com algo além do palpável, além do que podemos sentir, e além até do que muitas vezes acreditamos ou não.
Simone sabe sair do mundo real, e nos fazer aceitar aquilo que muitas vezes pode não ser possível ou que simplesmente não queremos aceitar.

A história não trata apenas de um amor louco, intenso, verdadeiro e imortal. Ela trata de amizade, de laços de família ou dos laços que nunca existiram, fala de amizade, de superação, de dor, e infelizmente também fala do lado podre do coração de um humano.
Nos sentimos envolvidos, emocionados e inebriados com essa história.


“Anjo, eis um coração enlouquecido, palpitando a mil, dentro do peito. Este coração é o meu! Você o tocou apenas com o olhar, naquela noite, quando avistei-a pela primeira vez na colina. Desde então, não tive mais paz. Vivo enlouquecido.”

Quem quiser conferir a resenha completa, com a opinião de outra leitora e um vídeo exclusivo, acesse:
http://www.matoporlivros.com.br/2015/09/resenha-especial-dezesseis-estrada-da.html

site: www.matoporlivros.com.br
comentários(0)comente



16 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2