No Limite da Ousadia

No Limite da Ousadia Katie McGarry




Resenhas - No Limite da Ousadia


36 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Fernanda 11/07/2014

Resenha: No Limite da Ousadia
Resenha: “No limite da ousadia” é um livro que foca muito nas emoções dos personagens e valoriza suas características mais marcantes. O romance não exibe apenas os conflitos adolescentes, mas também as atitudes que representam as lutas pelos objetivos e sacrifícios de cada um. É por isso que os problemas são descritos com tanta relevância e percepção.



CONFIRA A RESENHA COMPLETA NO BLOG SEGREDOS EM LIVROS:

site: http://www.segredosemlivros.com/2014/07/resenha-no-limite-da-ousadia-katie.html
Ray 15/08/2014minha estante
Gostei muito da resenha, é bom saber que o livro não só exibe apenas os conflitos adolescentes, mas também as atitudes que representam as lutas pelos objetivos e sacrifícios de cada um deles, parece ser um livro bastante intenso quero muito lê-lo.


Beth 16/08/2014minha estante
Adorei conhecer um pouco da história. Vou tentar ler este também. Beijos.


Milena 17/08/2014minha estante
Amei o primeiro livro No Limite da Atração, esse parece ser ótimo também, estou doida pra ler!


RUDY 27/08/2014minha estante
Livro fascinante e bem quente, curiosa em poder ler.
Boa resenha.
cheirinhos
Rudy


Julielton 31/08/2014minha estante
É muito bom quando encontramos palavras de incentivo referente ao livro que deseja. Quero muito conhecer a história da Beth, e olha que não sou muito fã de romances.

Julielton Souza - http://dialeticaproposital.blogspot.com.br/


Line 08/09/2014minha estante
Oi Fê...eu também esse livro e fiquei encantada com a sensibilidade da autora ao escrever o livro..bjsssss




tiagoodesouza 24/09/2014

No limite da ousadia | @blogocapitulo
Eu não sabia muito bem o que esperar da leitura de No limite da ousadia, porque as opiniões que eu li a respeito do primeiro livro eram muito divergentes. Algumas diziam que o livro é um novo adulto e outras, jovem adulto. Após terminar a leitura, eu concordo com o grupo que diz ser um jovem adulto.

Só que eu me surpreendi, porque é um jovem adulto mais intenso não na vertente da tensão sexual que a capa e o título provavelmente sugerem. Mas porque ele trata de conflitos e problemas que infelizmente são mais comuns do que se imagina. Principalmente os vividos por Beth.

Ela é uma garota que vive na periferia, mora no porão da casa de uma tia porque pra ela não te como viver mais com a mãe e o namorado violento dela. Um dia, ao tentar defender a mãe, Beth acaba presa e um tio que ela não vê há bastante tempo paga a fiança e consegue a guarda dela. Scott a leva à cidade de Groveton, um lugar que não lhe traz boas lembranças e experiências.

Ryan aparentemente tem a vida perfeita. Cercado de amigos, um ótimo atleta de beisebol e com um futuro promissor. Mas em casa há alguns esqueletos no armário, um acontecimento em particular que definiu sua família em antes e depois. Por causa de um desafio feito pelos amigos, Ryan acaba conhecendo Beth antes mesmo de ela mudar para Groveton e fica surpreso quando se depara com ela pela cidade num momento bem inusitado.

A narrativa é feita em primeira pessoa, alternando o ponto de vista de Beth e Ryan. Acredito que a autora conseguiu transmitir muito bem a personalidade de cada um. Beth é durona, determinada, mas também é frágil por causa de toda a dor que sente por não conseguir fazer mais pela mãe. Eu não gostei muito de Ryan no começo do livro. Achei ele bem playboy e mimadinho. Só fui começar a gostar dele quando entendi o que se passa na casa dele e a autora passou a explorar outras camadas de sua personalidade.

Ousadia é o segundo livro de um companion. Para quem não sabe, isso quer dizer que se passa no mesmo universo de outra história, mas com personagens novos e aparições de outros conhecidos. Eu não li o primeiro, No limite da atração, e não senti que a leitura foi prejudicada. Noah e Echo aparecem aqui, mas pouco é revelado sobre o que aconteceu no livro deles.

Recomendo No limite da ousadia para quem procura uma literatura jovem mais tocante e intensa.

"É doloroso ouvir o barulho da minha família se desmanchando. Não existe nenhum som pior na face da Terra."
Página 81

site: http://ocapitulodolivro.blogspot.com.br/2014/08/resenha-no-limite-da-ousadia.html
comentários(0)comente



Giovanna 27/07/2014

Muito bom!
No limite da ousadia trata-se da história de Beth e Ryan e, assim como o primeiro livro da trilogia, é narrado sob dois pontos de vista.
Beth havia sido apresentada de uma maneira muito simplória em No limite da atração, e Ryan é um personagem novo na trama. O romance é muito cativante e o livro é divertido e fluído, porém, ainda prefiro a história de Noah e Echo.
O que mais me chamou atenção no primeiro livro foram os problemas pessoais dos personagens principais e, infelizmente, o segundo não conseguiu me prender e comover tanto quanto.
De qualquer forma recomendo, e tenho certeza que se eu pudesse evitar compara-lo teria dado cinco estrelas.
Deyse 14/09/2014minha estante
Comecei a ler o ultimo livro dessa série (e ainda não li nenhum dos outros) e nem terminei ainda, mas já adoro ele. Não vejo a hora de voltar e ler os primeiros livros




Ceile 17/12/2014

Ousadia&Alegria NÃO PÉRA
Apesar de ter adorado No limite da atração, o livro demorou um pouco para me envolver; até a página 148 ele era um livro legal, mas nada demais. Em compensação, No limite da ousadia me ganhou desde a primeira página - eu poderia dizer que é pela ótima narrativa (também), mas Beth Risk é uma das melhores personagens para se acompanhar, principalmente quando, de bônus, temos Ryan Stone.

Apesar de fazer parte da mesma série, o livro conta outra história e pode ser lido "sozinho"; os protagonistas do livro anterior aparecem pouquíssimas vezes e não tem maiores spoilers (além do óbvio). Se você já leu No limite da atração, com certeza conhece - mesmo que de longe - a Beth e pode ter uma noção de como ela é. Digamos que a impressão que fica não é das melhores, mesmo que, no final, ela pareça tomar um rumo aceitável (e até romântico), mas aqui podemos ver que nada estava resolvido e a autora resolveu colocar o dedo na ferida e trazer à tona os verdadeiros problemas da garota.

É fantástica a forma como a autora constrói seus personagens e depois vai despindo-os e expondo o que são em sua essência - como são calejados, vulneráveis e sensíveis. Aliás, toda a trama é minuciosamente elaborada, sem deixar furos e sem esquecer dos conflitos secundários que também têm seu peso no desenvolvimento do enredo. Sem contar que a autora explora com profundidade os problemas dos personagens, não se limitando ao clichê garoto-que-é-desafiado-e-acaba-se-apaixonando-pela-garota-errada, assim como não é precitada nas cenas e deixa tudo acontecer no tempo certo, com naturalidade.

"- Acabou, Beth. Eu não brinco com as pessoas com quem eu me importo."

Uma das coisas mais interessantes aqui é que há uma inversão dos papéis comuns dos protagonistas: (a mocinha e o bad-boy). Na verdade, Ryan está mais para o mocinho e a Beth para a bad-girl, o que deixa tudo ainda mais legal de acompanhar. Claro que Ryan também não é o perfeitinho que aparenta ser, mas ele é um verdadeiro príncipe que toda garota merece encontrar. Beth também não é de toda mau, ela tem seus motivos e toda a carranca não passa de uma proteção para seu nebuloso mundo.

Eu não vou negar que sou louco por você, tô maluco pra te ver que fiquei um pouco receosa e resistente quanto à construção de um novo romance envolvendo Beth. Sou extremamente apegada a certos casais e eu esperava que Isaiah tivesse sua chance de superar seus problemas junto da própria Beth, então foi um choque quando fiquei sabendo que ela teria outra pessoa, em outro lugar, com outra turma. Ao mesmo tempo, sei reconhecer que a autora fez o melhor para sua personagem, levando-a para um lar onde ela poderia, de fato, ser tratada como merecia. Ok, Alison (mulher do seu tio) não era exatamente legal com ela, mas Beth teve uma chance para uma nova vida e eu não posso reclamar.

"- Por favor, fala comigo.
Falar - foi isso que me colocou nessa situação. Foi o que transformou o que não deveria ser nada em algo. Parte de mim implora para ficar, para conversar. Mas, em vez disso, fujo para a noite escura. Ficar vai doer, e correr é minha única opção."

Ao contrário do que pode parecer, o livro não tem aquele teor sexual, mas existe uma atração bem legal entre os personagens. Se você quer um livro um pouco mais denso que os young-adults, mas sem deixar de lado aquele romance arrebatador, No limite da ousadia é uma ótima pedida. Como às vezes acontece, não consigo colocar em palavras o quanto gostei do livro, mas saibam que foi muito e é mais do que indicado. E, claro, estejam preparados para muitos "quases", mas tudo faz parte do amadurecimento dos personagens ;)

site: www.estejali.com
comentários(0)comente



Emily 18/02/2015

Viciante
No Limite da Ousadia, um spin-off de um dos sucessos da autora Katie McGarry, é um romance gratificante, com um bom ritmo, quente, emocionante e muito bem escrito. O livro conta a vida de Elisabeth Riski, a típica garota-problema, e Ryan Stone, o típico menino de ouro, dois seres humanos completamente opostos.

A autora nos mostra os lados mais escuros de seus protagonistas. Beth luta contra os demônios que se apoderaram de sua vida depois que o pai foi embora, tendo que aprender a viver com os vícios e o namorado agressivo da mãe.

Já Ryan, o brilhante aluno, jogador de beisebol, vive uma vida de aparências, na qual precisa lidar com a falta que sente do irmão, além do fato de ser incompreendido, de não ter o livre arbítrio para correr atrás de seus sonhos, ao invés dos de seus pais.

Katie nos transporta para as vidas de ambos, que só se tornam mais problemáticas quando se cruzam. Entre o amor e o ódio, entre as brigas e os abraços, os personagens de McGarry nos mostram que sempre há esperanca, não importa para quem seja, e que por mais que você tente se recusar, o amor sempre pode te alcançar.

No limite da ousadia é um livro para se ler a qualquer momento, hora ou lugar, desde que se esteja consciente de que é impossível largá-lo até que a última página seja devorada. Este livro é muito mais que um simples romance, é uma dádiva da literatura juvenil.

P.s. Não consegui parar de ler, em poucas horas eu já o tinha devorado! Foi uma experiência e tanto! Incrivelmente fofa, diga-se de passagem *-*
comentários(0)comente



Kovas 22/07/2014

No Limite da Ousadia é um spin-off de No Limite da Atração, ou seja, em Atração Beth é uma das personagens secundárias, e agora no Ousadia, é a protagonista. Lembrando que, não é necessário a leitura de No Limite da Atração para a leitura do Ousadia, são outras histórias, mesmo acompanhadas com os mesmos personagens.

Seguindo a mesma fórmula do primeiro livro, No Limite da Ousadia é narrado pelo ponto de ambos os personagens principais, o da Beth e do Ryan.

Beth é nossa garota problema, quem leu No Limite da Atração já percebe que ela é um pouco dura na queda mas, no Ousadia conhecemos os motivos que a levou ser como é, vemos a Beth sensível. Seu objetivo de vida é cuidar da sua mãe, que é uma drogada e vive com o "namorado" Trent, que só sabe bater nela e as vezes na própria Beth. Beth é uma personagem que sofreu e sofre por causa da sua maldita mãe, mas como filha, ela a ama e quer só o bem da Sky, salvando-a de complicações.

E numa dessas salvações, Beth é presa, ao invés de Sky ser jogada no xadrez, mas o tio Scott de Beth aparece, pagando a sua fiança e sendo o mais novo "dono" da sua guarda. Beth tem uma mudança de vida radical, seu tio é bem sucedido e bem casado, e por ser "feliz" Beth o vê como um abandonador, porque era ele quem prometia a Beth a felicidade. E só agora vem cumprir essa promessa?

"Conheço meus limites, e, se alguém me despedaçar de novo, e nunca vou conseguir ter forças para juntar os cacos."
Página 307

Do outro lado temos Ryan, o jogador de beisebol popular. Ele seria o exemplar de "homem perfeitinho" para Beth, se não fosse seus conflitos familiares. Enquanto Beth não tem uma família, Ryan tem a pseudo-família, onde o pai quer impor o sonhos ao filho, mas acaba que, Ryan descobre ser bom em outra coisa, além do beisebol, mais um ponto conflitante entre ele e seu pai. Além de seu irmão Mark ter sido expulso de casa, é o outro motivo que "causou" a destruição da família mais perfeita da cidade. Temos aqui o lado tradicionalista do livro, onde o pai manda e a esposa obedece, onde os pais escolhem a namorada para o filho, onde tudo está se movimentando para que a plateia veja e aplauda.

"É doloroso ouvir o barulho da minha família se desmanchando. Não existe nenhum som pior na face da Terra."
Página 81

Enquanto Beth tem (ou tinha) Noah e Isaiah. Ryan tem Chris, e sua namorada Lacy, e o Logan. Seus amigos são aqueles que gostam de um desafio e apostas, e por conta de uma dessas brincadeiras Ryan acaba conhecendo Beth, que como sempre, não foi fácil o contato. Beth tem dificuldades em confiar, ela não tem um histórico muito bom com afeto, que é totalmente compreensível e doloroso para ela e ao leitor também.

Nosso casal da vez é um tanto quanto dificultoso, Beth com sua desconfiança e falta de amor próprio, Ryan por ter chego na Beth por causa de uma brincadeira, mas ambos estão ligados com um único problema: a família.

Além do problema familiar bem presente no livro, temos também as amizades. Beth e Isaiah são amigos a muito tempo, mas Isaiah é o amigo na friendzone, e eu até acho meio doloroso os dois não terem ficado juntos, porque Isaiah era quem mais esteve presente na vida de Beth em todas as suas dificuldades com a mãe, já sabia como lidar, ao contrário de Ryan. Mas a partir do momento em que Beth enxerga que Isaiah é só um amigo, vejo que seu argumento é mesmo real, para não tentar alguma coisa com seu melhor amigo.

"- Se você fosse meu amigo... Se você se importasse, você me ajudaria!
- Porra, Beth, estou fazendo isso porque te amo!"
Página 180

Quando eu cheguei na metade de No Limite da Ousadia não sabia que era possível ser mais um livro maravilhoso da autora Katie, ela conseguiu suprir minhas expectativas e me deixou sem chão com esse livro arrebatador, chorei e sorri. E a forma que ela trouxe os problemas de ambos os personagens principais foram de me tirar o folego. Eu me coloquei no lugar de Beth e me compadeci, e me coloquei no lugar de Ryan e fiquei asfixiada com sua falta de liberdade. E quando juntos, ambos se tornam realmente a metade da laranja. awwn

Por mais que tenham pontos clichês de um Young Adult, vejo novidades nesse enredo, o novo caminho que foi dado para os problemas mais conhecidos por nós, leitores.

O trabalho da Editora Verus na editoração e espaçamento, foi o mesmo trabalho dado em No Limite da Atração, mais uma vez um livro de mais de 300 páginas fluiu graças a fonte (ou também, pela escrita simples e focada da autora). Eu não gosto muito de capas com pessoas, mas essa do No Limite da Ousadia é bem melhor que a da No Limite da Atração.

"- Beth... - Ele hesita. - Podemos começar do zero?
Olho para ele - da cabeça aos pés. Ninguém jamais me ofereceu começar do zero. Acho que ninguém pensou que eu valia a pena."
Página 199

site: http://www.livroterapias.com/2014/07/resenha-no-limite-da-ousadia.html
comentários(0)comente



Vanessa Vieira 09/09/2014

No Limite da Ousadia_Katie McGarry
Em No Limite da Ousadia, spin-off de No Limite da Atração, de Katie McGarry, acompanhamos uma história intensa, repleta de dor, desafios e claro, muita paixão. Os personagens são extremamente fortes, além de verossímeis e encantam pela sua coragem e fibra em vencer as adversidades da vida. O romance é encantador e acontece de forma empolgante e natural, o que por si só é bem gratificante.

Beth é uma garota dura na queda e bem atípica das jovens de sua idade. Desde cedo, ela teve que cuidar da mãe drogada e assumir uma responsabilidade que nunca foi dela. Tentando salvar sua progenitora da cadeia, ela acaba tomando a culpa de um crime que não cometeu, o que lhe coloca sob a tutela de Scott, seu tio, um rico esportista aposentado, que a leva para viver com ele e sua esposa em uma pequena cidade do interior. Beth se vê às avessas com essa situação, pois não se dá bem com sua nova "tia" e ainda se encontra em um lugar onde não conhece ninguém e é incompreendida por todos. Exceto por alguém que não poderia ser mais diferente dela...

Ryan é um dos jogadores de beisebol mais populares do colégio, além de ser filho de um dos casais mais influentes e pomposos da cidade. Ele e seus amigos gostam de fazer apostas envolvendo alguns desafios e ele, por sinal, nunca perdeu uma delas. Aparentemente, ele é o menino de ouro e um dos atletas mais queridos pela escola, mas aprenderá que nem tudo é como realmente aparenta...

O que se inicia como uma simples aposta acaba tomando proporções intensas e colocando Beth e Ryan em um caminho extremamente sedutor e irresistível. Por ela, ele é capaz de abrir mão dos seus sonhos mais profundos. E ela, uma garota rebelde e que nunca deixou ninguém se aproximar, acaba colocando todas as suas fichas e esperanças nesse amor...

"Isso deve ser amor: quando tudo mais no mundo pode explodir e você não se importa, desde que aquela pessoa esteja do seu lado."

No Limite da Ousadia nos traz um New Adult intenso e marcante, que mostra toda a potência do amor, tal como uma flor que nasce entre as rochas. Beth e Ryan são totalmente opostos um ao outro, mas acabam unidos por um sentimento forte e intrínseco, capaz de lhes munir de forças para enfrentar todos os seus problemas, mesmo aqueles mais graves. Arrisco em dizer que este spin-off consegue ser ainda mais intenso do que No Limite da Atração, visto sua carga dramática e também a paixão arrebatadora que o rege. Narrado em primeira pessoa sob os pontos de vista alternados de Beth e Ryan, é um livro praticamente indefectível e que engloba em seu interior diversos dilemas atuais, como homofobia, drogas, violência doméstica, entre outros.

Beth é uma garota durona, tatuada e que não gosta muito de conversa. Ele prefere se isolar a se associar a alguém, principalmente por conta de seus problemas com a mãe, que acabaram por torná-la um pouco amarga, por assim dizer. Sua vida sempre foi muito atribulada desde que ela era criança e fica evidente que sua base familiar sempre foi frágil e conturbada. É claro que de início, ela resiste implacavelmente as investidas de Ryan, mas depois acaba por ponderar as intenções do rapaz, devido a tamanha insistência por parte dele, se permitindo, assim, amar e também ser amada...

"A lua cria um brilho prateado, e o murmúrio do riacho dá uma sensação mística ao momento. A escuridão não é tão apavorante com o Ryan. Com ele, posso acreditar que sou uma princesa com uma coroa de flores e fitas na cabeça, e ele é meu príncipe, que jurou me proteger dos males da noite."

Ryan, aparentemente, tem a vida perfeita. Bonito e charmoso, chama a atenção das garotas por onde passa, além de ser aclamado como craque no beisebol e vir de uma família de classe média alta. Porém, essa não é sua verdadeira realidade. Ele tem outros sonhos e metas que acaba adiando devido a insistência do pai para que ele siga a carreira de esportista, além de conviver com as frequentes e implacáveis brigas e discussões no seio do lar. E, para piorar a situação, tem que lidar com a ausência do irmão mais velho, Mark, que foi expulso de casa após assumir para a família que era gay. Sua aproximação com Beth acontece por meio de uma aposta e acaba tomando outras dimensões, que o fazem ficar encantado pela garota brava e arredia e lhe despertar sentimentos antes nunca vistos...

"Ela tem gosto de chuva fresca e cheiro de rosas esmagadas. Não me importa se ela não me beijar de volta. Levo os lábios até os dela e abraço seu corpo. Eu amo a Beth, e ela precisa saber disso. Precisa saber na cabeça dela. Mais importante, precisa saber no coração."

Em síntese, No Limite da Ousadia nos traz um romance arrebatador, que acontece de forma bem natural e que vai adquirindo força e constância através da confiança e também da vulnerabilidade. A carga dramática foi bem empregada e os personagens construídos com afinco e do modo mais real possível, o que tornou o enredo ainda mais exuberante. Contar com a participação de Noah, Echo e Isaiah na história contribuiu para que ela se tornasse ainda mais rica e interessante, além de nos mostrar a força da amizade verdadeira. A capa é incrivelmente bonita e a diagramação está excelente, com fonte em bom tamanho e revisão de qualidade. Recomendo, com certeza!

site: http://www.newsnessa.com/2014/09/resenha-no-limite-da-ousadia-katie.html
comentários(0)comente



Marcos 18/07/2014

Beth Risk é uma jovem durona, tatuada e cheia de piercings. Com graves problemas familiares, ela tem que cuidar da mãe, viciada em drogas e com seu relacionamento extremamente conturbado com seu padrasto, que bate em ambas e tenta matá-las a todo custo. Quando a polícia invade a sua casa e encontra drogas ilícitas escondidas no local, após uma briga muito séria envolvendo os três, ela assume o crime para manter a sua mãe fora da cadeia. É quando seu tio, Scott, resolve assumir sua criação e a leva para morar consigo e com sua atual esposa, numa cidade do interior. Em virtude de tudo o que passou, Beth se fecha para o mundo e para o seu tio, com o qual ela tem problemas familiares do passado. Scott é jogador de beisebol famoso e isso o torna uma espécie de celebridade local. Todos os garotos que jogam o mesmo esporte no colégio da cidade o admiram, inclusive o rebatedor e o mais popular do colégio.

Quer continuar a ler a resenha? Acesse:

site: http://capaetitulo.blogspot.com.br/2014/07/resenha-no-limite-da-ousadia-pushing.html
comentários(0)comente



bbbruna_ 14/10/2016

Lindo!
comentários(0)comente



lavinia.pontes 22/03/2016

Ainda to tentando decidir se gostei ou não.
Quando vi que era uma continuação de No limite da atração eu fui atrás, porque tinha gostado muito do outro livro, e apesar de se tratar de problemas familiares, conseguem ser completamente diferentes um do outro. E se tratando de estarem no mesmo universo, senti falta de participações mais ativas de Noah e Echo.
Mas vamo lá, esse livro conseguiu me deixar muito tensa por tudo que acontece do começo ao fim. Beth, ah que história sofrida dessa menina. Que vontade de abraçar e falar pra ela ter calma e tentar entender e enxergar o que acontece ao redor, sem estar alta. Por ela ter toda essa fragilidade por dentro e essa dificuldade de confiar nas pessoas, eu fiquei com raiva dos outros personagens todo o tempo, que estavam sempre pressioando ela.
No começo eu gostei de Ryan mas a medida que fui lendo mais fui pegando abuso dele com toda aquela atitude "eu não perco nunca", querendo exigir uma confiança que nem ele passava, não é de estanhar que a menina vá acreditar no que ele quer. Depois tem o tio, que abandonou a criança quando ela precisou e depois volta querendo, ou melhor, exigindo uma outra chance, e a afastando dos amigos que tiveram suas costas por tanto tempo. E tem a mãe, que nem pra cooperar com a filha e se permitir enxergar as coisas. Tudo bem, eu sei que essa relação não era das mais saudáveis, e que Beth tinha que deixar de se sentir responsável por ela, mas não acho que era pra ter sido pressionado da forma como foi. Por causa de tanta pressão pra abandonar ela tem esse instinto normal que de querer fugir. Por isso Lacy acabou sendo minha personagem preferida, porque mesmo sem saber o que aconteceu, o que acontecia, ela é a única que entende e que consegue dar espaço pra quem precisa se sentir confortável. O livro acabou bem, mas ainda acho que as coisas não precisavam acontecer assim. Ainda to tentando decidir se gostei ou não.
comentários(0)comente



Jéssica R. 14/08/2014

No limite da Ousadia, segundo volume da série Pushing The Limits, nos conta a história de Beth Risk, a amiga Noah, uma jovem durona, corajosa e que já sofreu diversas provações. No Limite da Ousadia é um spin-off e se passa no mesmo universo que o primeiro, ou seja, mesmo não tendo lendo No Limite da Atração você pode ler sem problemas esse segundo livro.

Conhecemos Beth no primeiro livro, onde ela não gostava da Echo, sempre estava drogada e/ou chapada, mas é amiga incondicional de Noah e Isaiah. Os três não tiveram uma infância muito boa e por isso cuidam um do outro. Primeiramente, eu não compreendi a Beth e pensava que ela era apenas uma garota arrogante, mas a autora me deu um belo tapa na cara ao narrar toda a história de Beth Risk. A protagonista sempre teve que cuidar da mãe drogada e num ato impensado assume um crime para protegê-la, com isso seu tio aparece, paga sua fiança e fica com sua guarda. Ela é levada para uma cidadezinha pequena e tem que começar sua vida de novo, porém as coisas não são tão fáceis já que Beth quer apenas sua vida de volta e jamais queria ter voltado para Groveton, pois quando criança passou os momentos mais felizes e tristes de sua vida nessa cidade.

''Isso deve ser amor: quando tudo mais no mundo pode explodir e você não sem importa, desde que aquela pessoa esteja do seu lado.''

Ryan Stone é o garoto popular da escola e da cidade, astro do beisebol, rico, bonito, sexy e é considerado o menino de ouro por todos. Ele e seus amigos adoram apostar alguma coisa envolvendo desafios e num primeiro momento Beth será o desafio de Ryan e ele não gostar de perder. Uma simples aposta vai transformar a vida de Beth e Ryan completamente. De início pode ser apenas mais um cara atleta e sexy que fica atrás de uma garota, mas Ryan quebra todos os clichês ao se mostrar um garoto sensível, com uma personalidade profunda e inteligente. Nessa nova escola Beth acaba encontrando pessoas de seu passado, como Lacy Harper, sua antiga melhor amiga e Gwen, garota mimada e ex-namorada de Ryan.

Ryan e Beth vão descobrir o poder do verdadeiro amor e de que nem sempre as coisas são o que parecem, principalmente sobre a vida deles. Um livro de superação, descobertas e novas aventuras. Echo​, Noah e outros personagens secundários de No Limite da Atração fazem uma pequena aparição neste livro.

Como em No Limite da Atração, a narrativa também é simples, intercalada entre ambos protagonistas, focada e que flui com naturalidade. A autora explorou os personagens de forma inteligente e podemos conhecer todos os sentimentos dos personagens principais. A capa é muito bonita e não encontrei nenhum erro ortográfico no livro. Se você deseja encontrar cenas ''calientes'' nesse livro vai se decepcionar, esse não é o foco dele e, sim, o drama dos personagens. O terceiro livro da série se chama Crash into You e conta a história de Isaiah, mas ainda não tem previsão de publicação aqui no Brasil.

''Todos nós temos nossos medos. Coisas que existem nos cantos escuros da nossa mente e que nos apavoram além da nossa fé.''


site: http://www.leitorasempre.com/2014/07/resenha-dupla-no-limite-da-atracao-e-no.html
comentários(0)comente



Tânia (@ritmoliterario) 06/12/2015

Me surpreendi!
Tenho esse livro a mais de um ano encostado em minha estante. Comprei ele porque gostei muito de ler No Limite da Atração. Só que deixei ele de lado e fui passando outros livros na frente.

Agora como esta acabando o ano decidi que iria ler os livros "encostados" e comecei por esse.

A historia é clichê, mas amo livros assim, é o tipo de leitura que não me cansa e quando tem uma escrita boa fica difícil parar. Li esse livro em dois dias e ao terminar fiquei com o coração alegre, me sentindo leve.

O que mais gostei no livro foi de me surpreender com o tipo de historia, pois pela capa achei que seria algo sensual, e não foi assim. O livro não tem esse tipo de abordagem, é mais uma historia de superação, de confiança, mas é claro que tem cenas nas quais são mostrados as características físicas dos personagens, mas nada apelativo, pelo contrário muito sutil e na medida certa.

E o que mais me agradou foi Ryan, esse personagem é perfeito. É aquele tipo de homem do bem, não é bad boy, não é metido, não é esnobe. Ele é bom, generoso, respeitoso, dedicado, ou seja, ele é perfeito sem querer ser.

Me encantei completamente com ele, cada coisa que ele pensava ou falava, eu suspirava e ficava com aquele sorriso bobo no rosto, literalmente fui conquista pelo Ryan e agora ele é um dos meus queridinhos, e não porque ele é lindo e forte, mas por ele ser lindo e forte por dentro.

Já se tratando da Beth, não é que ela fosse ruim, mas ela tem aquela coisa que as personagens femininas tem: o excesso de "frescura" e isso me incomoda e muito. Mas por outro lado eu compreendo os seus medos e sei que sua vida foi extremamente difícil, fazendo com que essas atitudes de afastar as pessoas fossem seu mecanismo de defesa. Só que essas atitudes a tornavam muitas vezes covarde, e de certa forma isso irrita mesmo sendo compreensível, uma vez que o que faltava a ela é um pouco de confiança em si mesmo.

Mas o livro é muito bom, foi muito gostoso ver a evolução da Beth e a forma como ela começou a enxergar as coisas em sua volta, foi bonito de ver e de ler. E com o final eu fiquei ainda mais encantada com Ryan, que se comportou como um verdadeiro homem.

Eu recomendo a leitura e principalmente para quem já leu o primeiro livro dessa série.












comentários(0)comente



Três Leitoras 26/10/2015

Resenha completa no blog
ncrível como algumas histórias só nos conquistam a uma segunda vista. Há mais ou menos um ano eu escrevi sobre a história de Echo e Noah, primeiro livro da série No limite, da autora Katie McGarry. Mas por alguma razão, agora desconhecida, não resenhei a história de No limite da ousadia.

Em mais um dos meus inúmeros passeios a livraria comprei o livro três da série e como boa e viciada leitora decidi reler os anteriores para ativar as emoções e lembranças sobre as histórias desses três amigos aparentemente desajustados: Noah, Beth e Isaiah.


Reler No limite da atração me trouxe boas lembranças, mas a releitura de No limite da ousadia reacendeu alguns conceitos: O que você faz quando sente perfeito? Ou, o que fazer quando a sensação é de que não se é bom o bastante? Ou ainda pior. E quando você percebe que seus sonhos não são seus exatamente, que o que você acha que escolheu viver foi uma vida de fuga ou acomodação?

Bem, todas as respostas podem ser encontradas nas vidas repletas de antíteses de Beth e Ryan numa paixão perigosa e arrebatadora.
comentários(0)comente



Gabi Gomes 20/07/2015

Até onde uma paixão pode transformar a vida das pessoas?
Confira a resenha completa no blog: http://equacaoliteraria.blogspot.com.br/

Eu sou uma pessoa muito atrapalhada. Sempre quis ler um livro da Katie McGuire, e não perdi a oportunidade de comprar No Limite da Ousadia quando o vi em promoção, entretanto, percebi muito tarde que eu havia comprada o spin-off do primeiro livro, No Limite da Atração.
Tive medo de não entender a história, por estar ligada a outra, mas respirei aliviada quando comecei a ler e perceber que as histórias não se cruzam. Os personagens que são encontrados no primeiro livro, aparecem, tendo ações importante na vida de Beth, mas o enredo é voltado completamente para a história de Ryan e Beth, e que história!
Nos primeiros capítulo, o livro não me prendeu nem um pouco, e até mesmo cheguei a abandoná-lo para ler outros, mas consegui finalmente terminá-lo e agradeci por não ter desistido da leitura.
A narrativa é feita com capítulos intercalados entre o ponto de vista de Beth e de Ryan, e isso é muito bom, pois nos mostra uma percepção mais ampla de toda a história. Entramos completamente na mente dos protagonistas.
Nos primeiros capítulos o livro é lento, e nos faz pensar que vai ser mais um romance adolescente com um enredo já conhecido, afinal, a menina problema com o garoto certinho é um tanto clichê.
Mas é ai que a autora nos surpreende, nos jogando dentro de um mundo complexo onde os personagens vivem no meio de drogas, violência, casamentos corrompidos, homossexualismo e por aí vai!
A história de Beth se desenrola de uma forma viciante, e quando pensamos que as coisas vão ficar bem, a autora nos surpreende com novas revelações sobre o passado da menina. Percebemos com o tempo que Beth não é a pessoa fria e sem sentimentos que se mostra, mas sim um garota que passou por mais problemas na vida do que alguém deveria.
Infelizmente, em certos pontos ela se mostra uma personagem chata, por sempre manter o pé para trás, levando a história a se tornar lenta. Ela tem dificuldade para ver que as coisas que estão acontecendo são para o bem dela, e isso irrita um pouco em certos momentos.
Já a história de Ryan é mais voltado para os problemas normais de um adolescente, tendo que confrontar os pais sobre seu futuro, decidir sobre seus desejos (baseball x escritor), e ainda lidar com o irmão gay. Ele é cativante em sua narrativa, e acabei me apaixonando facilmente. Ryan mostra que podemos ser muitas coisas ao mesmo tempo, basta querermos.
O final é chocante, com um toque de ação e decisão, ao nível da enredo que a história nos apresente.

site: http://equacaoliteraria.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Isabela.Lopes 31/12/2017

Me senti enganada
Li muitos comentários positivos a respeito deste livro ao longo da leitura, mas confesso que não achei TÃO impressionante. Primeiro, porque fui lê-lo sem saber nada sobre o livro e, pela capa achei que fosse um romance mais "quente". E segundo que apesar de abordar temas importantes, não achei a história muito interessante.
comentários(0)comente



36 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3