O Baile dos Deuses

O Baile dos Deuses Nora Roberts




Resenhas - O Baile dos Deuses


41 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3


Quemlefazfilme 06/12/2009

O Baile dos Deuses por Quem lê faz seu filme
O círculo de 6 estava formado. Hoyt o Feiticeiro, a Bruxa Glenna que chegou do futuro, Cian o vampiro irmão de Hoyt e cruelmente transformado por Lilith, Moira erudita, princesa e futura rainha de Geall, Larkin o Shifter e o guerreiro que todos tinham certeza que era King, o amigo de Cian.

A Deusa Morrigan juntou essas 6 pessoas de mundos diferentes a fim de derrotar a vampira Lilith e seu exército que juntos planejam dominar os mundos. Lilith foi a responsável pela morte e transformação de Cian, irmão gêmeo de Hoyt o feiticeiro. Lilith não se conforma com o fato de sua criatura se voltar contra o criador e golpea Cian em sua maior vulnerabilidade.

Ainda no primeiro livro da trilogia percebemos que realmente o cargo de guerreira era mesmo para ser de Blair. Uma descendente da família de Hoyt e Cian que carregava a cruz de Morrigan e era de fato uma caçadora de vampiros em outro mundo.

Se no primeiro livro a paixão de Hoyt e Glenna foi épica e invejável, capaz de ascender luzes e tudo mais, no segundo temos Blair e Larkin. Uma caçadora de vampiros teimosa e durona e um Shifter lindo e persistente e ainda por cima lorde de Geall. Tentador não é ? Pois é, Larkin é dono de uma sinceridade e um bom humor tão natural que consegue avançar algumas barreiras e cicatrizes antigas em Blair. Quem vence essa queda de braço? Não se pode mesmo fugir do destino ?

Já Cian, o vampiro Irlandês-Novaiorquino de olhos de bolinha de gude e dono de um humor pra lá de sarcástico, começa a nos deixar em dúvida se seu coração é realmente desprovido de sentimentos.

Não era só necessário muito treinamento para enfrentar Lilith e seu exército, precisavam descobrir onde seria a batalha e quando e como chegar até lá. A Deusa Morrigan deu trabalho pra essa gente! Pessoas com histórias de vida diferentes unidas por um destino.


Muito trabalho, muita união, muita magia, muita força e determinação marcaram o segundo livro dessa trilogia. Uma paixão recheada de declarações de amor em gaélico, passeios com dragões e entrega nos fazem transcender.

Como quem lê faz seu próprio filme, o meu me levou direto a um mundo, ou melhor, a mundos onde tudo pode acontecer. Escuridão, morte, luz, arco-íris, passeios de dragão, lutas de prender a respiração e enfim cenas de amor e entrega. Hum que cenas... Ei Nora, não tem um dragão sobrando pra mim????

Beijos de fada.
Luka.
comentários(0)comente



Sthéphanny Alves 26/11/2020

Sem palavras
Magnífico, é o que tenho a dizer.
Estou louca por esta história, pelos personagens, pela garra deles, pelo Círculo. Estou apaixonada pelo desenvolvimento que Nora trás para cada personagem, para cada relacionamento, mostrando que ninguém é uma causa perdida, independente de como se está por dentro.
Estou ansiosa para ler o desfecho da história, e também, totalmente ciente de que esta é uma daquelas histórias que vão me dar uma ressaca literária daquelas. Nem li o último livro, e já sinto falta dos personagens.
comentários(0)comente



Nyll 23/01/2021

Fabuloso, é o que posso dizer dessa sequência do Círculo de fogo. A preparação para a grande batalha continua, e o Círculo de seis têm se saído muito bem, enquanto aguardam a grande batalha, resolvem os percalços do caminho ao destino final.
comentários(0)comente



Mika 21/05/2011

Brigas e dragões *-*
Se você continuar lendo essa resenha, deve significar que você já leu o primeiro livro da trilogia – A Cruz de Morrigan – e se você leu minha resenha do anterior deve saber que eu achei o livro um pouco estranho, para não dizer bizarro, devido ao sobrenatural. Porém, devo pedir para que você esqueça essas palavras anteriores, porque a “bizarrice” ainda não tinha começado. O sobrenatural desse segundo volume é bem maior, fazendo o anterior ser fichinha.

Como nesse segundo livro um dos personagens central é um transmorfo – homem que se transforma em vários seres - você já pode começar a imaginar a que tipo de criaturas será apresentado aqui. Eu disse pode começar, porque apenas lendo vão conseguir imaginar a beleza que Nora Roberts põe em suas palavras, quando ela descreve-os. Principalmente o dragão, no primeiro momento a sensação é de liberdade, é impossível existir tal ser, mas a imaginação é o limite. A prova disso é o nosso gosto pela leitura.

Para quem gosta de sobrenaturalismo essa trilogia é uma ótima pedida, de tudo tem um pouco. Eu prefiro a parte do sarcasmo nas falas dos personagens, a autora nunca me decepciona nesse ponto. Não posso dizer que o livro possa agradar a todos, muitos homens resistem aos romances, mas com as batalhas pode chamar mais a atenção.

Eu não me atreveria dizer que esse livro é melhor que o anterior, mas diabos! É sim! É bem melhor, há mais ação e prefiro a forma que Nora narra o romance do casal aqui – com brigas e ironias – nunca escondi que as brigas entre os casais me atraem mais que qualquer coisa. E aqui ela também trás diálogos de Cian (♥) e Moira, o que me encheu de alegria. Estou doida pra ler o terceiro livro desde que comecei a trilogia.

A beleza não fica somente quanto a parte do dragão, junto vem todo o esplendor da Irlanda, Nora não poupa-nos de tanta beldade. É capaz de você se apaixonar pelo país somente com suas palavras (assim como eu, há tempos).
Talita 27/05/2011minha estante
Livro maravilhoso


Leila 16/02/2017minha estante
Casais explosivos que brigam são os melhores. Nada mais próximo do amor que o ódio, ou a tentativa de se refugiar nele.




Keila 06/01/2013

O Baile dos Deuses
A história começa um dia após a batalha entre eles e os vampiros que acontece no final do primeiro livro...Agora, com o Círculo já formado, o negócio é treinarem para a grande batalha e esperar o momento de passarem pelo O Baile dos Deuses - portal que liga os dois mundos, passado e presente, e seguirem viagem para Geall...e entre um treino e outro, temos a formação do segundo casal: Blair e Larkin.

Blair é a guerreira do Círculo. Ela é engraçada, mas mal humorada, tem a língua afiada e é responsável por algumas das grandes cenas de ação do livro.

Larkin é aquele de múltiplas formas: se transforma em qualquer animal, grande ou pequeno. Ele é honesto, sincero, tem uma certa pureza de caráter, além de ser divertido e sensual, os diálogos dele com a Blair são ótimos, vão da diversão a sensualidade...E é isso o que torna o casal tão legal: Blair é muito inquieta, desconfiada, está sempre dando ordens e Larkin é calmo, consegue dar um jeitinho em tudo, mas sem desespero...

O livro não fica somente no romance, temos também as estratégias de batalha feita por ambos os lados, vemos a forte ligação de Blair com Hoyt e Cian...Conhecemos novos personagens o tio de Moira e pai de Larkin, Riddock, o rei temporário, já que Moira terá que retirar a espada da pedra para se tornar a rainha de Gaell, e a relação a Moira e Cian, personagens do próximo livro, tem diálogos interessantes nesse livro, que mostra toda a confusão sentimental que eles tem em relação um ao outro.

Livro divertido, com muita ação e um toque de sensualidade.

Recomendo!!!!

comentários(0)comente



Kah 29/07/2020

Adorei, Larkin e Blair são um otimo casal de como você não deve mandar nas escolhas dos seus parceiros, mesmo, e que não pode recusar o amor por medo.
comentários(0)comente



Monie 31/03/2020

Simplesmente incrível!
comentários(0)comente



Leila 16/02/2017

Uma aula de bom romance + aventura
Que livro maravilhoso!
Você acha que Jojo Moyes, John Green e Nicholas Sparks sabem escrever romances? Então você não conhece Nora Roberts, mais de 160 romances no currículo (e ela não é idosa).
A Trilogia do Círculo mistura romance, aventura e um pouco de terror. O tema é clichê, vampiros, caça-vampiros etc., mas é muito mais que isso. Não vou descrever mais uma vez a história, como outras resenhas o fizeram e farão, mas eu nunca li uma escritora que descrevesse tão bem sentimentos e relacionamentos em um romance.
Até achei o Larkin um pouco perfeitinho demais, o que quer dizer irritante, mas ele é um legítimo príncipe encantado (literalmente). Blair é uma das melhores personagens que eu já vi em um livro, das mais ricas e densas. Nora consegue ser profunda sem ser excessivamente melosa e dramática (mas um bom romance precisa de drama, é claro).
Este livro foi melhor do que o primeiro da trilogia, e certamente não é tão bom quanto o terceiro.
Viajei pela Irlanda e pela terra de Geall e fiquei com o coração dolorido de saudades.


Nil 16/02/2017minha estante
Linda resenha! Eu não tive muita sorte com a Nora Roberts, os livros que li dela foram bem medianos.


Leila 17/02/2017minha estante
Quais tu leu? Os que eu li, adorei. Acho seus personagens muito intensos. Mas o melhor dessa trilogia me parece ser o roteiro, cheio de emoção.


Nil 17/02/2017minha estante
Doce Vingança, Virtude Indecente, Tesouro Secreto e Pecados Sagrados. Eu não os achei ruim, só não me encantaram.




LT 27/07/2016

500 anos depois... vamos falar de O Baile dos Deuses! Lá no início do Blog a quase seis meses atrás (Gente, dia 08 de agosto - esse mês - daqui a alguns dias - completaremos 6 meses! O tempo passa rápido demais e estou adorando tudo isso! Voltando... rs) postei a resenha de A Cruz de Morrigan - o primeiro livro de uma trilogia que amo, a Trilogia do Círculo da minha Diva Nora Roberts e prometi um reencontro para falarmos mais um pouquinho sobre a trilogia, então, vamos bailar? rs

Para lembrar da trilogia, basta clicar aqui e ler a resenha de A Cruz de Morrigan - Volume I.

No primeiro volume conhecemos o nosso "elenco" (os personagens) e ao longo da trilogia vão surgindo alguns secundários, mas os principais nós já conhecemos que são: Hoyt o Feiticeiro, Glenna a Bruxa, Cian o vampiro, Moira a erudita, Larkin o Shifter (de diversas formas), Blair a guerreira/caçadora e Lilith que dispensa apresentações, não é?

Ele viu onde a terra estava queimada, onde estava devastada. Viu as próprias pegadas na lama quando galopava em meio à batalha, na forma de um cavalo. E viu a mulher que o montara espalhando destruição com uma espada flamejante...

Em A Cruz de Morrigan acompanhamos a formação do círculo mais improvável do mundo, o tipo de combinação que juramos que não vai dar certo, mas que ainda assim, é a única chance que não apenas nossos protagonistas tem, mas o mundo inteiro de sobreviver e é nessa onda que nossos personagens preferidos tem de se entrosar e se preparar em pouco tempo para enfrentar uma grande guerra. Entretanto, como é que se consegue treinar e fechar uma equipe quando não se confia em todos os envolvidos? Quando existem certas "rixas" dentre a equipe e uma das principais é pela origem - ou melhor - pelo que é um destes membros. Como confiar a sua vida e a salvação do mundo nas mãos de pessoas que você não conhece e ou que a muito deixou de "conhecer"? É difícil, porém, a única saída e o nosso círculo vai tentar, tentar mesmo!

"Não há necessidade de ter pressa. Podemos nos divertir um pouco enquanto estamos aqui. Pelo que percebi, não te divertes muito." "Se ainda estivermos vivos em novembro, darei piruetas na rua. Darei piruetas sem roupa." Ele lhe lançou um rápido sorriso. "Esta é uma razão nova e importante pela qual irei lutar. Não pensei nas piruetas, mas já pensei uma ou duas veze em ti, nua."

Antes de mais nada, preciso dizer que Nora mantém sua escrita, escrita que para mim é ótima e que flui facilmente para o leitor de forma contagiante e envolvente. A trama continua muito bem construída, ela não se perde em momento algum, nos apresenta os detalhes na medida certa e a um enredo cada vez mais viciante.

"Só não faça nada de tolo" cedendo à necessidade, à preocupação, ela segurou os cabelos dele com as duas mãos, e puxou o rosto dele para o seu. Manteve o medo fora do beijo. Não era medo o que queria mandar junto com Larkin. Em vez disso, transmitiu-lhe esperança e calor, e ficou abraçada com ele enquanto a energia do beijo vibrava até os dedos dos pés.

Nesse volume, conhecemos melhor a personalidade das personagens, seus motivos para estarem ali e a função de cada um. Acompanhamos o treinamento sério deles e as investidas de Lilith contra o círculo na tentativa de desmantelar aqueles que podem destruí-la. E, como não poderia faltar, assistimos a formação de mais um casal, o desenvolvimento de um romance bonito e singelo.

... havia aquele lugarzinho secreto dentro dela, que estava cansado, cansado demais de ficar só, de ser o que era, de fazer o que tinha de fazer, exigindo-lhe que permanecesse sozinha. Sozinha, com sangue, morte e uma violência sem-fim.

Blair é uma caçadora da linhagem da família de Hoyt e Cian, ela é descendente deles e vive no mundo dos dias atuais. Larkin é um shifter de outro mundo, de um dos vários que existem por aí, ele é um Lorde de uma terra chamada Geall e primo de Moira que é a princesa de lá. Geall é a terra que está destinada para receber o derrame de sangue e dependendo de quem vencer... o mundo pode ser salvo ou condenado para sempre. Larkin é um personagem incrivelmente cativante, bem humorado, paciente, educado e lindo... um sonho, não é? E além de tudo, um cavalheiro capaz de curar as "feridas" da vida de um jeito todo especial. É entre esses dois que vemos um romance acontecer, mas será mesmo Larkin capaz de curar a alma de uma caçadora teimosa, marrenta e até certo ponto folgada? Blair é assim e ainda assim, gosto muito dela. Ele vai conseguir despertar o amor ou a cosia toda vai acabar sendo apenas unilateral? O nosso mocinho vai tentar, mas conseguir? É outra história...

Ela fora criada para acreditar que o monstro debaixo da cama era real e que só estava esperando você relaxar para te arrancar a cabeça. Fora treinada para adiar este momento pelo máximo de tempo que conseguisse se manter de pé e lutar, esfaquear, incendiar e matar tantos quanto fosse humanamente possível. Porque, por trás de sua força, de sua inteligência e de seu treinamento incessante estava o reconhecimento de que um dia, de alguma forma, ela não seria tão rápida, tão esperta, nem teria tanta sorte. E o monstro venceria.

Alguns personagens começam a nos deixar em dúvida na questão de que lado realmente estão, as coisas começam a acontecer rápido demais, o perigo aumenta, temos algumas surpresas e revelações e além de tudo isso, a antipatia entre dois dos nossos queridos membros do círculo começa a se fazer cada vez mais presente. Como é que uma equipe que não é tão bem entrosada, que tem dúvidas sobre alguns de seus membros pode ser capaz de derrotar a pior das criaturas que quer junto a seu exército destruir todos os mundos? Todos sabemos que é necessário um conjunto que funcione perfeitamente, onde as peças se encaixam para que as coisas deem certo e realmente funcionem. Se nossa equipe não é capaz disso, como é que podem almejar ter chances de ir além ou de se atreverem a pensar que podem vencer? Seria no mínimo sonhar demais, não?

"Não conheço teu pai ou teu irmão, mas sei que prefiro muito mais estar aqui contigo do que com qualquer um deles. Lutas como um anjo vingativo."

Esse livro conta com mais ação do que o anterior, mais suspense, perigo, medos, sonhos, desejos, amizade, traições ou não... e com novas criaturas. Com muita aventura, lágrimas e sorrisos. Com tudo que a escrita da Nora é capaz de nos proporcionar e o sarcasmo se faz presente, principalmente em Cian (o meu preferido). A receita é perfeita, para quem curte a mistura de romance com sobrenatural, é uma pedida maravilhosa!

Aqueles olhos, pensou ele, ao fechar a porta quando ela saiu. Aqueles olhos cinzentos e amendoados poderiam matar um homem. Sorte a dele já estar morto.

O Baile dos Deuses nos prepara para o que vem pela frente e posso dizer para vocês que, Nora vai surpreende-los ainda mais no último livro da trilogia, esse é apenas a preparação para tudo que está por vir e ele é sensacional, então, se você vai ler, prepare-se para muitas emoções!

Resenhista: Ana Luz.

site: http://livrosetalgroup.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



50livros 30/12/2017

Livro bom para distrair a cabeça
Não era meu plano ler esse livro agora de cara, mas por conta desse primeiro desafio da #fantastona2017 me vi motivada a fazê-lo. E, gente, não me arrependo. Adorei a história, sem enrolação, sem neura e, mesmo assim, com muita dureza de sentimentos e realidade. O amor impossível acontece e sem aqueles clichês bizarros, a Moira consegue se mostrar a personagem mais forte da trama, uma verdadeira surpresa para mim.

É tão chegada o Samhain, mas se você acha que o livro será só lutas, está muito enganado. Tem muita estratégia, romance, dever e magia também. Para mim, foi o livro mais completo da trama. Como se passa todo em Geal, achei que ficaria meio bobo, mas muito pelo contrário, consegue mostrar bem toda a seriedade que é governar um reino e levá-lo para a guerra.

O casal Moira e Cian encantam, me fizeram chorar 2 vezes, me apeguei real a eles. O melhor foi que não ficou aquele clichê de vampiro sedutor, muito pelo contrário, mostrou o quanto o Cian é medroso. Acho que é por isso que durou tantos anos. Hahahahahahaha... 

A trama consegue esquentar o suficiente e termina não só de maneira empolgante como linda, cheia de significado. Um ode ao perdão que dá gosto de ver (e de ler!).

site: www.50livros.com/single-post/2017/12/13/RESENHA-DUPLA---Resenhas-de-Baile-dos-Deuses-e-Vale-do-Silêncio-de-Nora-Roberts---Fantastona2017
comentários(0)comente



Thay 16/07/2013

Múltiplos sentimentos ...
O segundo romance da série foca mais na guerreira: Blair e no de múltiplas formas: Larkin, mostrando como é difícil para uma mulher independente e sozinha aceitar o amor de um homem simpático, irresistível e irritante ... E no meio de tudo isso tem discussões, amor, o fogo de uma paixão. É bom mas o primeiro livro é um pouco melhor, o que não significava que este não seja apaixonante também.
comentários(0)comente



Paulinha 27/08/2012

Viciante ....
Aqui o amor entre Larkin e Blair e recheado de treinamento e diversão, pois Larkin é um personagem muito engraçado.

Mas a autora não deixa de lado os outros personagens e isso realmente é um ponto forte do livro.

Você passa a gostar mais dos personagens, no meu caso do Cian.
comentários(0)comente



Lorraine.Dias 24/02/2021

Monotono
Faltou um pouco mais de contexto no livro, a narrativa dos personagens principais se arrastou sem uma base forte.
Um casal que parece que foi forçado, não vi a química.
Porém, a história continua e vamos ver o que o 3º livro da trilogia boa traz.
comentários(0)comente



Books Friends & News 01/10/2011

Ação e Romance
No livro anterior A Cruz de Morrigan conhecemos Hoyt Mac Cionaoith, um bruxo sobre o comando da deusa Morrigan, terá que reunir um círculo de seis (uma erudita (Moira); um vampiro (Cian, irmão de Hoyt); aquele de múltiplas formas (Larkin, primo de Moira), uma guerreira (Blair, caçadora de vampiros); uma bruxa (Glenna) e o próprio Hoyt) para combater uma vampira demoníaca, Lilith, a fim de salvar o mundo contra a destruição. Quem ainda não leu o primeiro livro, é melhor começar logo, realmente é excelente o universo criado por Nora Roberts.

Os livros foram divididos por casais, o primeiro A Cruz de Morrigan focou o casal Hoyt e Glenna, e o livro da resenha de hoje, O Baile dos Deuses (2º livro da trilogia) o casal em destaque é Blair e Larkin, porém paralelamente o romance acontece desenrolar da preparação da batalha final que irá acontecer no terceiro livro o Vale do Silêncio (já lançado pela Bertrand e em breve resenha).

Todos os livros iniciam com um velho contando a crianças sobre a história do círculo dos seis, apesar de no decorrer do livro não acontece nenhuma narração desse velho, e também só o conhecemos como velho, já que a identidade dela nós é revelada somente no terceiro livro, mas desconfio que ele seja um dos seis do círculo.

Em Baile dos Deuses, a história começa num dia após a batalha entre eles e vampiros que acontece no final do primeiro livro, e já nos é apresentando o casal desse livro, Blair uma caçadora de vampiro (quem assistiu o seriado Buffy lembra realmente muito a personagem), e como foi nos mostrado no primeiro livro, ela tem um vinculo familiar com um dos personagens do círculo (leiam o primeiro livro para descobrir...), ela não se tornou uma caçadora por que quis, ela nasceu com o estigma de ser uma caçadora de vampiros, passou a maior parte da vida dela lutando sozinha, mas agora ela integra esse grupo, e terá que aprender a ter confiança nas pessoas para lutar, não que a relação seja turbulenta, apenas é que Blair por ter tido várias decepções, primeiro com o pai, depois com suas relações pessoais que não deram certo devido sua “profissão” ela se tornou fria e reservada, porém ...

...Aquele de múltiplas formas, Larkin, um personagem que veio através do tempo da antiga Gaell juntamente com Moira, irá começar a penetrar nessa camada fria de Blair, ele é um personagem interessante já que pode mudar de forma, pode ser falcão, um cavalo alado, e dragão, no que ele imaginar... ele é honesto, sincero, tem uma certa pureza de caráter, além de ser divertido e sensual, os diálogos dele com a Blair são ótimos, vão da diversão a sensualidade. Outra particularidade adora comer, mas não gosta de cozinhar... então quando alguém vai para cozinha ele segue para ver se consegue alguma coisa, e ele sempre consegue, como descrito no livro é impossível não gostar de Larkin, ou seja, somente ele poderá ou não conquistar a guerreira Blair.

Como dito no inicio, mesmo sendo baseado em um casal, o livro não fica somente no romance, temos também as estratégias de batalha feita por ambos os lados, gostei muito da parte de ação desse livro, a parte maligna, faz você ao mesmo tempo se divertir e odiar, Lilith e Lola (vampira francesa) estão contando com alguma ajuda (para saberem somente lendo o livro) e preparam bastante surpresas e armadilhas para o círculo do seis, tanto Blair como Larkin serão bastante sacrificados nesse livro, já que ambos se tornam os principais alvos das vampiras, além do filho da Lilith (o pequeno Chuck kkkk), o Davey, as cenas descritas dentro da caverna são bem horripilantes (crianças demoníacas na minha opinião dão mais medo que muito demônio por ai).

Apesar de não ser o foco do livro, o vampiro Cian, terá alguns problemas, o círculo dos seis terão que ir para Gaell, pois é lá que fica o Vale do Silêncio o lugar da batalha final, porém para voltar, eles terão dois problemas em relação a Cian, essa passagem não permite demônios e além de não saberem também se irá ser dia ou noite quando chegarem em Gaell, o personagem Cian me conquistou desde o primeiro livro, ele tem aquele humor sarcástico, e nesse livro apesar de não aparecer pouco, mas quando aparece é sempre num deleite em ser lido, além de nos mostrar um pouco do seu lado humano, uma lado que me chamou atenção foi um diálogo dele com Blair, que ela afirmou que todos os vampiros transformados tem como primeiras vítimas a própria família, no caso de Cian, ele nunca teve coragem de prejudicá-los e desconfio que isso não foi revelado sem motivo.

Nesse livro aparecem outros personagens, já que eles irão para Gaell, o tio de Moira e pai de Larkin, Riddock, o rei temporário, já que Moira terá que retirar a espada da pedra para se tornar a rainha de Gaell, e a relação a Moira e Cian, personagens do próximo livro, tem diálogos interessantes nesse livro, que mostra toda a confusão sentimental que eles tem em relação um ao outro.

A descrição de Gaell, a autora consegui u descrever de uma maneira que nos vez imaginar com a nossa própria visão, ela não precisou ser minuciosa na descrição, e também não fez tudo na mesma narrativa, a cidade e também os costumes foram mostrados aos poucos no decorrer da leitura, sem deixá-la entediante.

Foi complicada a resenha desse livro, pois ele é o intermediário, e já que não gosto de spoilers em resenha, foi difícil contornar isso, e por outro lado a leitura foi um grata surpresa, porque achava que ele iria ser desinteressante, principalmente o casal, diferente dos outros, principalmente a Blair só foi apresentada praticamente no final do primeiro livro, então não tinha grandes expectativas, porém estou lendo um livro de Nora Roberts e com certeza ela iria dar um jeito de conquistar o leitor e fazer de um livro que podia ser monótono um livro divertido, com muita ação e um toque de sensualidade.

Para ler a resenha completa com citações ilustradas acessem -->> http://www.guardiadameianoite.com.br/2011/10/resenha-o-baile-dos-deuses-nora-roberts.html
comentários(0)comente



Rose 21/11/2011

Depois de muito tempo, li a sequência da “Trilogia do Círculo“ e achei muito melhor que o primeiro volume “A Cruz de Morrigan”. Depois do casamento de Hoyt e Glenna, nossos herois ficam esperando o dia em que irão para Geall e terão que derrotar Lillit e seu exército de vampiros e assim salvar todos os mundos. No meio desta espera, claro que tem algumas aventuras, alguns confrontos entre eles e os vampiros, mas tem principalmente o despertar de Blair e Larkin, a caçadora fria e destemida e o nobre, lindo e bem humorado da família real de Geall. Aliás, Larkin é apaixonante, terno, atencioso, companheiro, amigo e claro corajoso. Quem não se apaixonaria por ele? No inicio Blair resiste, mas pouco a pouco, Larkin vai minando suas resistências, mas uma emboscada acontece e põe a vida de Blair em perigo, deixando Larkin desesperado. Claro que não vou dizer o que acontece com os dois, vocês terão que ler para descobrir.
comentários(0)comente



41 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3