O Vitral Encantado

O Vitral Encantado Diana Wynne Jones




Resenhas - O Vitral Encantado


30 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Vai Lendo 02/06/2020

Desde que li a primeira obra de Diana Wyne Jones, me tornei uma fã apaixonada pelo trabalho dela e passei a literalmente procurar por suas histórias. Felizmente, descobri que ela escreveu muitas ao longo de sua vida, mas infelizmente a maioria não tem tradução para o português. Mas O Vitral Encantado tem! Olha que maravilhoso. E publicado aqui no Brasil pela Galera Júnior.

A história gira em torno do protagonista Andrew Hope e do fato de ter se tornado o confuso dono da mansão do seu avô, que acabara de falecer. Mas, naturalmente, não é apenas isso. A verdade é que o avô de Andrew era um mago e que, junto com a casa, vinham também muitos mistérios e um campo de proteção, o que tornava Andrew o responsável pela segurança de toda a região.

E, como Jones é o tipo de autora que não se contenta com apenas um mistério de cada vez, ela ainda insere na história o jovem Aidan Cain, que, caçado pelos temíveis Perseguidores, vai até a porta de Andrew pedir por abrigo e proteção. E, assim, os dois se tornam amigos para desbravar as terras e os mistérios da mansão.

Nesse livro, Diana faz o que ela já fazia muito bem — além de criar histórias sensacionais com personagens maravilhosos. Ela joga um monte de perguntas na cara do leitor na primeira metade do livro. E, se o intuito dela é fazer com que enlouqueçamos pensando em teorias bizarras, ela consegue facilmente — eu chego a pausar a leitura em certos momentos, só para ficar conjecturando por alguns minutos, antes de voltar a ler e descobrir, mais tarde, que estou errada.

É a partir da segunda metade do livro que ela começa a oferecer as respostas e a amarrar as pontas soltas, surpreendendo a cada mistério resolvido. Mas você deve ter notado que, em nenhum momento, eu comentei sobre o tal vitral encantado — que é o título do livro, afinal. O fato é que o vitral existe na história, mas eu diria que papel dele é bem secundário — apesar de o título soar bem aos ouvidos, admito que eu não o teria usado. Por outro lado, o vitral tem, sim, a sua importância na história, só que acaba ficando suplantado por tantos mistérios.

Os personagens são um caso à parte, porque a Diana sabe criar personagens muito bem. Não precisou nem de um capítulo para que eu me sentisse próxima do Andrew e depois, do Aidan. E essa familiaridade, junto com a forma fluida com que Jones conduz a história, torna muito fácil a leitura. Eu diria que esse é o tipo de livro que se lê em um dia.

Quanto ao trabalho da editora, eu achei ótimo. A Galera Júnior fez um ótimo trabalho com o material — a capa é absolutamente linda, exatamente do jeito que acho que deveria ser.

O Vitral Encantado é mais uma obra que vou guardar e me lembrar com carinho dessa autora que tanto admiro — na verdade, são grandes as chances de lê-lo outra vez. É uma leitura leve, fácil e incansável.

site: https://www.vailendo.com.br/2020/05/18/o-vitral-encantado-de-diana-wyne-jones-resenha/
comentários(0)comente



Beatriz 16/05/2020

Razoável
A história é simples, confortável, até de se ler. O tipo de livro que você lê numa tarde chuvosa quando não se tem nada melhor para fazer. Os personagens são simpáticos, mas nada de emocionante ocorre na história, que também é pouco explorada e desenvolvida. Achei a relação da stashe com o andrew superficial demais. A tradução não é lá essas coisas existem alguns erros de revisão.
comentários(0)comente



Virgínia 03/05/2020

Os livros da Diana Wynne Jones são repletos de magia.
O vitral encantando tem diversos personagens encantadores, a Sra Stock durante todo o livro crítica o protagonista Andrew Hope dizendo que ele "vive em seu próprio mundo", mas a beleza do livro é justamente porque todos os personagens da história vivem em seu próprio mundinho particular e ler eles interagindo entre se é um deleite.
O livro é leve, simples, sem reviravoltas loucas ou coisas do tipo.
comentários(0)comente



Carol B. 14/04/2020

Incrível! Tem uma história de magia absolutamente envolvente, como os outros livros da autora e personagens sagazes e inteligentes.
comentários(0)comente



Brenda 03/03/2020

Fofo, Mágico, Intenso, Encantador
Uma introdução ao universo de magia de Melstone House e seu Vitral Encantado. Uma história eletrizante que nos deixa com ávidos por mais e mais detalhes, mais e mais páginas, mais e mais magia.
comentários(0)comente



Lana 29/02/2020

É um livro fofo com personagens de fantasia bem diferenciados, o que me surpreendeu.
comentários(0)comente



Carol 21/02/2020

Mágico
Lido pelo Kindle unlimited. Me interessei pelo livro por ser da mesma autora de Owl's Moving Castle e não me decepcionei. A história é leve, os personagens são divertidos e magia é retratada como algo tão natural para seus usuários como respirar. Irei, com certeza ler mais livros da escritora.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Dri F. @viajecomlivros 11/08/2018

Amo livros de fantasia em geral, mas esse é um livro confuso.
A história não se explica, os fatos são meio jogados e nem no fim achei que houve clareza na história. Por ser classificado como uma história infanto-juvenil, acho que esse livro mais confunde que explica.
Esperava bem mais dele.
comentários(0)comente



Andréia 13/07/2018

Resenha O Vitral Encantado - www.starbooks.com.br
O Vitral Encantado é um livro infantojuvenil escrito pela britânica Diana Wynne Jones que é uma aclamada escritora de fantasia, na própria capa desse livro há uma indicação do Neil Gaiman, ainda não li nada do autor (shame on me) mas sei que muitos leitores que acompanham o blog gostam dele e que suas indicações pesam na hora da escolha de um livro.

O livro começa com Andrew Hope, um ‘‘professor universitário’’ como ficará conhecido por todos, indo para a casa que herdou em Melstone do avô após descobrir a morte dele pelo aviso do seu fantasma, chegando lá somos apresentados a um universo repleto de magia e seres mágicos, onde tudo é afetado pela magia, seja de forma direta ou indireta, desde pernas magicamente criadas a legumes de tamanho desproporcional ao por nós conhecido. Andrew é herdeiro de um grande legado, de obrigações com relação ao casarão e seus funcionários, bem como à magia e campo de proteção aos quais ele fica alheio durante certo tempo.

Paralelamente as novidades apresentadas à Andrew, conhecemos o jovem órfão Aidan que está sendo perseguido por seres desconhecidos e que tem como meta procurar o mago Brandon para que ele possa protegê-lo dessas criaturas, só que para sua surpresa o mesmo faleceu então só lhe resta pedir ajuda ao neto do mago, Andrew.

O livro gira em torno da vida dos personagens e sobre a descoberta de Andrew e Aidan sobre a magia, sua manipulação e qual é de fato a herança deles, além do questionamento com relação a quem está perseguindo o jovem Aidan e o que está acontecendo na região.

‘‘- Aprender, para mim, parece sempre significar seguir uma linha reta e ignorante, e então, de vez em quando, dar um salto bem alto. Você não concorda?’’

O livro tem um pouco mais de 300 páginas e por ser um livro direcionado para o público infantil achei o desenrolar da estória enrolado, por exemplo, não sei quantas vezes a autora falou de legumes e dos seus tamanhos absurdos quando ela poderia ter diminuído muito essas repetições que na minha opinião foram desnecessárias, parece que a estória só avança e de fato se desenvolve após a página 200 mais ou menos, que foi quando a leitura prendeu a minha atenção para que os mistérios finalmente começassem a serem desvendados.

A capa da obra ficou delicada e muito bonita e com certeza tem relação com o conteúdo da obra, assim como o seu título, o vitral tem papel importante no decorrer da trama. Gostei de a autora dar voz a todos os seus personagens, nele as preocupações de todos são levados em conta e até uma criança tem voz para opinar e é relevante. O livro é narrado em terceira pessoa dando enfoque a mais de um personagem nos fazendo ver que todos tem preocupações e ideias que devem ser levadas a sério independente da sua idade. A magia é delicadamente intrincada na composição dos personagens e a trama é repleta de seres mágicos que vão desde magos, contrapartes, seres gigantes até cachorros que se transformam em gente.

Apesar de ter considerado a obra em certos momentos travada, eu gostei da narrativa, da criação dos personagens e do desfecho da obra então sim, eu recomendo a leitura independente de idade, pois além de tudo o que citei ela transmite mensagens muito bonitas e que valem a pena serem transmitidas.

‘‘Ainda assim, Aidan podia ouvi-lo cantando a distância. Então voltou para a cama, assombrado com o quanto era fácil fazer alguém feliz. A Vó sempre dizia que assim você também ficava feliz, mas Aidan até então nunca acreditara muito nisso.’’

site: http://www.starbooks.com.br/2016/02/resenha-o-vitral-encantado-diana-wynne.html
comentários(0)comente



Brenda.Rocha 11/03/2018

Bem gostosinho de ler
A cada livro que leio de Diana Wynne aumenta, e muito, o meu amor por ela. Até então não tive nenhuma decepção com livros dela e quando vi a capa e sinopse desse percebi que esse também não seria. Foi uma leitura pra lá de agradável com aquele jeitinho especial dela de narrar as coisas de um modo simples mas muito único. Lembra bem o estilo dos studio Ghibli e daria pra fazer uma animação a la Castelo animado, que aliás indico a leitura também.
Preciso nem dizer que amo os universos mágicos que Diana criou e é uma pena suas obras não serem tão conhecidas por aqui. Apesar disso nutro a esperança de mais livros dela serem publicados no Brasil.
comentários(0)comente



hanny.saraiva 16/08/2017

Bobo
e bobo.
comentários(0)comente



Queria Estar Lendo 06/06/2017

Resenha: O Vitral Encantado
Se você gosta de histórias mágicas, inteligentes e com um ar cômico esperto, considerará o livro de Diana Wynne Jones tão maravilhoso quanto eu o achei.

Com pouco menos de 200 páginas, é uma leitura fluída e bem atrativa, em terceira pessoa e que narra os acontecimentos de forma suficientemente detalhada, acrescentado características dos lugares e pessoas sem exagerar. O tom da história é tão bom que você vê os personagens ganhando vida na sua imaginação, cada um com seu jeito próprio de ser e isso foi feito pela autora de maneira tão aprofundada que, apesar de todos os personagens focarem no que acontece em torno do lugar principal, eles têm personalidades incrivelmente fortes, mas de um jeito leve, afinal, é um livro infanto-juvenil, sobre aventura e magia.

Assim que passei da primeira página me vi encantada pela história de Andrew, um acadêmico de história de uma Universidade que acaba herdando a antiga propriedade misteriosa de seu avô após encontrar o fantasma dele na estrada. Curioso quanto ao estranho envelope dourado que ele segurava, Andrew decide ir morar na casa onde o avô morava e começa a relembrar coisas peculiares de sua infância, as quais havia esquecido.

"Andrew sentiu-se ficando mais alto que Groil. Era um tronco poderoso, imensos galhos retorcidos, ramos de raios e milhares de folhas crepitando com força. Sua mente trovejava. Ele lutou para encontrar uma voz que as pessoas compreendessem. Lutou para encontrar o próprio cérebro. Era um frágil vestígio de uma mente humana, mas ele o encontrou e agarrou-se a ele. Então apontou um dedo, ou talvez um galho, para o Sr. Brown, agora quase ao seu lado na plataforma
- Rei errante - trovejou ele."

Também temos Aiden na história, um menino cuja avó também morreu, está um tanto perdido pelo mundo, exceto pela certeza de que deve ir até a casa de Jocelyn Brandon, o avô de Andrew e pedir por ajuda. É através dele que Andrew começa a rever o que tinha esquecido e se lembrar do quanto a propriedade é especial e do quanto é importante que ele a mantenha protegida e principal, o colorido e chamativo vitral que fica na porta da cozinha.

"Aidan desceu o morro e seguiu na direção do bosque, pensando que, para ser justo, Stashe não tivera pena dele. Na verdade, tampouco Andrew. Ambos haviam compreendido como ele se sentia, e tomaram o cuidado de não aborrecê-lo. Aidan ansiava por alguém que não compreendesse."

Acontece que, a tarefa de cuidar de tudo passou para ele assim que Jocelyn morreu, pois ele era um mago muito poderoso e conhecido, com uma área mágica de proteção tão extensa que abrange até os dias atuais da história uma grande área ao redor da antiga casa, incluindo a pequena cidadezinha onde ela se encontra e com isso, é capaz de dar mais vida à região, seja aos seus moradores, seja às habilidades que eles possuem, deixando a cidade e a área ao redor com uma atmosfera de paz e magia. Assim, o avô de Andrew ela considerado o protetor disso tudo, assim como os outros Brandons antes dele e para isso, dependiam do extremo cuidado àquele vitral mágico que mais tarde, mostrou-se muito mais importante do que à primeira vista.

Assim, Aiden ao chegar no lugar encontra Andrew ao invés de Jocelyn, que assim como seu avô, se vê no dever de protegê-lo das forças estranhas e misteriosas que rondam a vida do garoto e agora, a propriedade. Muito além do que imaginavam, os dois entram em uma reviravolta cheia de magia, criaturas estranhas e um rei arrogante e poderoso. Tudo isso é fantástico e tudo isso acontece na casa do avô e dos ancestrais de Andrew, o que só torna as coisas mais interessantes, pois cada partezinha colocada no enredo tem uma história significativa.

A narrativa flui rápida e foi difícil deixar o livro de lado por muito tempo. É um livro leve e encantador, mas com um tom adulto e maduro que só esse tipo de história é capaz de ter. Fiquei fascinada com a maneira como Diana Wynne Jones criou e conduziu tudo, ainda não havia conhecido seu trabalho, mas depois de O Vitral Encantado, com certeza virei uma grande fã.
comentários(0)comente



Veronica @gatonolivro 04/03/2017

Esse é o segundo livro da autora que leio, o primeiro O Castelo Animado é um dos meus livros favoritos.

"Quando Jocelyn Brandon morreu - em uma idade muito avançada, como costuma acontecer com os magos - deixou a casa e seu campo de proteção para o neto, Andrew Brandon Hope."

Andrew tem que manter o campo de proteção em ordem para que nada de ruim aconteça, ele só não sabe como ainda. O começo do livro é um pouco confuso pela quantidade de personagens, Sra. Stock e Sr. Stock trabalhavam para o avô de Andrew e agora trabalha para ele, eles não são parentes todo mundo na cidade tem o mesmo sobrenome Stock, não gostando como Andrew trata a casa os empregados trazem os sobrinhos para ajudar, Shaun e Stashe, também temos o pai de Stashe, Tarquin. É o Aidan que tem poderes mágicos assim como Andrew e está sendo perseguido depois da morte da avó dele. E mais personagens a cada moita da casa, mas são todos importantes.

Li tudo em 2 dias só porque não tive tempo de ler em 1, adorei os personagens, a historia todo a magia, já adicionando a autora Diana Wynne Jones aos meus autores favoritos e colocando todos os seus livros na minha lista.

site: https://gatonolivro.blogspot.com.br/2017/03/resenha-o-vitral-encantado.html
comentários(0)comente



Mari 28/12/2016

A história é muito boa mas o final é meh
Eu já tinha esse livro mas demorei um tempão para começar a ler ele. Em um ponto da história eu não sabia o porquê de não ter lido antes. O começo acho que demora um pouquinho mas quando o Aidan chega na Melstone House a história fica muito empolgante. O meio definitivamente é a melhor parte, fiquei muito apaixonada pelo enredo e esperando o que ia acontecer. Uma das coisas que mais gostei foi a magia: ela é simples, não tem uma mitologia nem um universo complexo por trás dela, mas isso não faz dela menos mágica. O final porém eu não gostei tanto, eu esperava umas coisinhas que não aconteceram e outras que eu não gostei. No geral, eu recomendo a leitura pra uma fantasia fofa e gostosa de ler.
comentários(0)comente



30 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2