Chuta Que É Carma!

Chuta Que É Carma! Vanessa Bosso




Resenhas - Chuta Que É Carma!


35 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


ester.melo 13/05/2020

Rir muito
Clara chega em casa e descobre que seu ex namorado roubou tudo dela seu apartamento não tem mais móveis nenhum e com ajuda de sua amiga Paty ela decide fazer uma viagem espiritual para acabar com os carmas da sua vida.
Primeiro elas vão para o México e passam por várias cidades e tenta descobrir como acabar com o carma que a segue a cada namoro, ela só conhece que a deixa na mão ou acaba com seu coração.
Na última cidade ela encontra com um ex namorado da faculdade e
Como não rir com as decisões dela é cada burrada que ela faz e ela consegue se superar a cada enrascada.
comentários(0)comente



Valéria Martins 06/04/2020

Mais amor próprio Clara.
É uma livro bom para quem quer sair da ressaca literária, é bem divertido, e arranca varais risadas com as histórias inusitadas de Clara e Patrícia, em alguns momentos achei bastante repetitivo, e faltando um pouco de amor próprio em Clara, talvez no segundo livro tenha mais disso, mas nesse ela vive em uma espiral eterna de achar o amor da sua vida, e jurando que felicidade está associada em outra pessoa, mas é bem leve, demorei para ler por conta da repetição mesmo, tem muitos capítulos mas todos são bem curtinhos.
comentários(0)comente



Karina 23/06/2020

Chuta Que É Carma!
"Chuta que é carma!" é um livro tão gostoso de ler que eu li ele inteiro em uma noite.
Confesso que no início eu estava me cansando da Clara carente, se diminuindo e chorando por causa de um homem. Mas então pensei que é assim a realidade, nós mulher tendemos a nos culpar pelos términos do relacionamento. Choramos e pensamos "Onde foi que eu errei?". É triste porém real.
Engraçado, sexy e imprevisível. Gostei de ver a transformação da Clara, adorei a amiga Patty e já quero ler o próximo livro.
comentários(0)comente



Swellen 15/05/2020

O foco do livro está na superação de um término e como superá-lo. Há muitas questões sobre amor, autoestima, felicidade, amizade e aceitação. Tudo isso aparece aos poucos e sempre com a reflexão das amigas (Clara e Patty) sobre o tema. A amizade delas é linda e uma parece completar a outra. Sem mencionar nos lugares lindos que elas passeiam.
O livro tem uma narrativa divertida, porém não muito descritiva. Então, cabe ao leitor imaginar o que houve. Os capítulos são rápidos e leves para se ler. Super indico esse livro, que me conquistou pelo título na Bienal do Livro em SP há 4 anos e que agora consegui ler. De uma coisa é certa: você irá rir muito!
comentários(0)comente



Bya 17/09/2020

Muito bom
Livro gostosinho de ler, é engraçado, tem aprendizados legais, cenas de romance e de amizade... Tem de tudo um pouco.
comentários(0)comente



Rub.88 04/12/2018

Carmas não se apagam, se esquecem...
Chick lit é um gênero literário onde a estória versa sobre a vida de mulheres modernas, jovens e livres que se envolvem em romances ligeiros e tem sempre as dificuldades resolvidas com humor e desprendimento. Literatura feminina focada em entretenimento puro onde as peripécias acontecem sem provocar grandes consequências. Leveza no estilo de narrativa e fraseado de conversa entre amigas.
Chuta que é Carma! , da escritora Vanessa Bosso, caiu na minha mão e fui desafiado a lê-lo.
Nele tem a estória de Clara que acabou sair de um relacionamento toxico. E o Boy ainda por cima carregou todos os moveis da casa dela. É, vai escutando.
Desiludida ela arranja de ultima hora um viagem espiritual com a super best friend Patty, que se divorciou com divisão total de bens há pouco tempo. Juntas vão à cidade mítica de Machu Pichu, no Peru. Procuram na exótica paisagem comercial esquecerem as desavenças amorosas. Mas lá, Clara encontra um conhecido de tempos mais loucos. Coração quebrado quer conserto ou pelo menos um bom remendo. Acabam ficando, mas ela se arrepende quase instantaneamente. Com promessa de se falarem novamente no Brasil, se despendem e Clara e a amiga que até agora só fez cara feia vão para a próxima parada da viagem.
Miami as espera, com um navio pronto para o cruzeiro dos solteiros. Ai a coisa desanda. Clara tenta resistir ao clima de festa, a fartura de guloseimas, ao jogo no cassino e aos homens, porem acaba cedendo em cada pecado. No fim ainda se enroscou com um bonitão, que é, claro, compromissado sem ela saber.
Sexo casual. Muita comida e compras. Choradeira de abandono e traição. Cenas vergonhosas que são transformados em comedia pastelão. Promessas de abstinência. Lições chochas de moral. Se essa mulheres bebem o tanto que está escrito aqui elas estão mais para buchudas de boteco do que gatas no auge da forma física.
Lutei contra essas 250 paginas por dois meses. É tranquilamente o pior livro que já li. Eu nunca tinha ouvindo falar desse gênero Chick lit, e podia passar o resto da minha vida sem essa informação.
Não há nenhum pensamento valido nessa obra. Foi o mesmo que ouvir adolescentes falando por horas. Uma tortura. Tudo é falso e leviano. Tantas palavras e nenhuma realidade. Sem conflito crível. Imaturidade é o tema central, mas involuntário, do enredo. Os diálogos foram às coisas mais irritantes. Afe, que perda de tempo...
comentários(0)comente



Ester 01/09/2020

Amei
Gente me identifiquei muito com a história de clara,nossa ela é muito azarada na vida sentimental,mais nada nessa vida é por acaso tudo tem um propósito... e Patty nossa muito engraçado,essas duas amigas são figura em pessoas ri horrores com elas Ansiosa para lê o 2
comentários(0)comente



Victoria Guará 08/09/2020

Livro com uma narração leve e tranquila, consegue prender bem o leitor com as aventuras de Clara e sua amiga Patty. Adorei!
comentários(0)comente



Gabriela de Andrade Rodrigues 18/07/2016

Bem fraco
As protagonistas do livro são mulheres adultas que agem como adolescentes o tempo todo, às vezes, são até um pouco fúteis, machistas e homofóbicas. O livro é superficial e não "prende" a leitura, até porque os capítulos possuem no máximo três páginas. Tenta ser uma mistura de "Comer, rezar e amar"com "O Diário de Bridget Jones", mas não possui nem o carisma do segundo, nem os "insights" do primeiro. Há até uma tentativa de compor um contexto espiritual, mas este acaba se transformando numa classificação maniqueísta dos personagens masculinos que aparecem pelo enredo. Não serve como passatempo ou entretenimento, já que não apresenta nem um ápice ou um final sólidos.
comentários(0)comente



Dryh 22/09/2016

Muito divertido!
Devo ter dançado funk aos pés da cruz, só pode! – página 10

Clara não tem sorte alguma para o amor. Ela parece ser um imã para caras errados, e, para confirmar essa teoria, Rogério, seu último namorado (o qual ela deu um pé na bunda, tarde demais, devo dizer), sumiu com todos os móveis do seu apartamento. Sendo assim, ela estava com o coração partido, o apartamento pelado, e a certeza de que seu carma era dos brabos, e de que precisava de novos ares.

E é aí que a aventura começa. Clara e sua melhor amiga (irmã de consideração), Patty, decidem fazer uma viagem (espiritual) para o Peru, onde passam por poucas e boas, além de tentarem reconstruir a auto estima de Clara, que ficou perdida em algum lugar da galáxia, além de sua sorte e todas as outras coisas boas que sumiram de sua vida. Mas, no meio de tanta coisa ruim, tem que sair alguma boa, né? Ou não...

Eu nunca vi pessoa tão azarada quanto a Clara, de verdade. Como ela mesmo dizia, a mulher devia ter sido o capeta em pessoa na última encarnação, porque não é possível! Cada hora uma coisa nova e ruim acontecia, e quando ela começava a acreditar em si mesma, tinha esperanças de encontrar o amor, a felicidade e etc, lá vinha mais uma bomba. E eu, assim como a Clara, fui feita de boba sempre que achava que as coisas estavam dando certo. Mas tais situações não deixavam de ser engraçadas.

E por falar em engraçado.... Eu ri horrores com este livro! Não só das situações hilárias em que Clara se metia, mas também da forma como ela e Patty falavam. Elas são hilárias, e eu não me aguentava de tanto rir, às vezes até relia a página algumas vezes só para rir de novo. E a autora ainda tem uma escrita leve que flui muito rápido, então a gente praticamente devora o livro, mal percebendo que já está acabando.

Eu fiquei doida com o final.... Adivinhem? VAI TER CONTINUAÇÃO! Comassim? Pois é..... Fiquei maluca quando virei a última página e dei de cara com essa notícia! Maaas, fazer o que, né? Isso significa que teremos mais Clara e Patty! E, quem sabe, o carma da Clara não dá uma aliviada por alguns minutos, né? A coitada bem que merece um descanso das tragédias amorosas.

Falando agora na Clara.... Eu juro que a odiei no início. Clara se vitimava demais, e eu não sei de quais profundezas a Patty tirou aquela paciência toda para aguentar os mimimis da amiga. Eu, em seu lugar, teria mandado Clara ir para um lugar muito quente e desagradável. Eita mulherzinha chata! E o pior é que ela ficava batendo na mesma tecla toda hora, e, quando recebia uma resposta realista e digna de aplausos de Patty, ficava toda triste e agia de forma infantil. Mas caaalma! Felizmente, a Clara amadurece ao longo da história (não totalmente, mas chega perto), e vai, aos poucos, deixando aquela Clara sem noção para trás, apesar de fazer algumas burradas aqui e ali.

“Patty, e se eu nunca mais encontrar alguém legal? ”, murmuro, inconsolável. “Gata, você nunca encontrou alguém legal. Qual a dificuldade? ” – página 35

Já Patty é o cúmulo da paciência e da sabedoria. Eu não sei de onde ela tirava tanta coisa profunda para responder as perguntas chatas de Clara, a mulher mais parecia um livro de autoajuda! Sem contar que ela é uma amiga incrível, e, assim como Clara, tinha muito azar para o amor…. Mas, diferente da amiga, seu carma não parecia ser assim tãão cruel.
Acho que, do livro todo, as únicas personagens que eu devo mencionar são essas duas doidas varridas, de restante, acho que seria spoiler.

Carmas não se apagam... se superam. – página 136

Então.... É isso. Eu gostei muito do livro, apesar de o início ter sido um pouco lento e a Clara ter torrado a minha paciência com suas crises de baixo-estima e falta de fé em tudo. Os momentos engraçados compensaram tudo isso, e, quando cheguei ao final da obra, até que torcia bastante para que ela finalmente encontrasse alguém que prestasse, e para que, finalmente, fosse feliz. Um dos melhores momentos da história é quando a dupla infalível acaba num navio dos Solteiros, e, como sempre, acabam passando por poucas e boas. Não é uma história espetacular que vai nos fazer agarrar o livro e nunca mais soltar, mas vale muito a pena conhecer, principalmente para quem gosta de personagens que só se dão mal (eita pessoa que gosta de rir da desgraça alheia) e cenas engraçadas à beça.

site: http://shakedepalavras.blogspot.com.br
comentários(0)comente



Lay 22/10/2016

Desde que li O Homem Perfeito, me viciei na escrita da Vanessa Bosso. Depois disso li A Aposta que também amei e quando vi a divulgação do novo livro eu logo pensei: PRECISO DESSE LIVRO! Então, assim que cheguei na bienal fui atrás da Vanessa garantir meu livro autografado, é claro. Então chegou a hora de lê-lo e só para vocês terem uma breve ideia de como gostei de Chuta que é Carma, devorei o livro em apenas seis horas!!! Quando cheguei ao final e descobri que o livro tinha continuação eu simplesmente voei para o Facebook para saber quando o próximo será publicado de tanto que preciso dessa estória.

Clara tem trinta e cinco e está vivendo um momento difícil de sua vida. Após terminar um relacionamento de três anos ela se viu sem absolutamente nenhum móvel em seu apartamento após ser roubada pelo infeliz do ex que, insatisfeito com o final da relação, levou tudo do apartamento que dividiam. Mas o problema é que Clara nunca teve muita sorte no campo amoroso e para ela a culpa disso tudo é do carma.

Após uma semana chafurdando no apê vazio, com o apoio de sua melhor amiga e irmã de alma, elas pegam o dinheiro da poupança e as férias vencidas e vão rumo a uma viagem espiritual em Machu Picchu, onde ela pretende enfim, se livrar desse carma de só se relacionar com homens errados.

Nessa viagem vemos que a situação é ainda mais tensa quando, volta e meia, Clara sempre volta ao mesmo ponto nas conversas com Patty, que por sinal, tem uma vida amorosa tão ruim quanto a da amiga. Com trinta e oito anos e a dois anos separada de um infeliz, ela também não tem muita sorte, realmente é capaz de Machu Picchu ser a chave para o início da virada dessas duas.

Embora as duas tenham seus dramas, é claro que Patty parece estar mais resolvida com tudo do que Clara e se torna uma âncora para a amiga quando ela parece afundar cada vez mais em autopiedade, apoiando-a, dando conselhos e dando uns tapas na cara quando necessário. As aventuras que elas encaram também são maravilhosas e, depois da espiritualidade de Machu Picchu, elas seguem rumo a um cruzeiro para o Caribe: economias, bye bye.

Os capítulos são curtos e divertidos e quando a gente acha que nada mais pode acontecer com a Clara... lá vem outra bomba: ex-namorado, outras pedras no caminho, meu Deus! Confesso que até eu já estava achando que a pobre tinha um problema com o carma mesmo, kkkk

Amei, amei, amei ♥♥♥♥♥ Vanessa sua diva, pelo amor de Deus publica logo o próximo livro!!!!

site: http://www.detudoumpouquinho.com/2016/10/resenha-chuta-que-e-carma-vanessa-bosso.html
comentários(0)comente



Beta Oliveira 18/11/2019

Clara precisava se encarar de frente. Sem fugir. Sem distrações. Sem se esconder atrás de quaisquer escudos – principalmente os amorosos.
E não é um processo que ocorre em um estalar de dedos. Exige tempo, coragem, compaixão com a gente mesma, entender as nossas falhas, perdoar as nossas culpas e seguir em frente rompendo esse ciclo.
Quando a gente assume a responsabilidade pelas nossas ações e, acima de tudo, pelas consequências delas, cai a ficha de que não somos o camarão que dorme e é levado pela onda.
Temos que saber quando nadar contra a maré, quando surfar a onda ou quando deixamos algo passar porque sabemos que algo melhor virá.

O texto completo está no Literatura de Mulherzinha.

site: https://livroaguacomacucar.blogspot.com/2019/11/cap-1634-chuta-que-e-carma-vanessa-bosso.html
comentários(0)comente



Lê | @lelendolido 06/09/2017

Chuta que é Carma - Vanessa Bosso
Sobre o livro

Clara terminou seu relacionamento de cinco anos de um modo muito conturbado. Rogério, o ex-namorado com quem morava, decide se vingar, levando consigo, sem o conhecimento da ex, todos os móveis do apartamento que eles dividiam.

Desiludida e com o apartamento completamente vazio, Clara liga para sua melhor amiga, Paty, para desabafar e chorar suas mágoas. Depois de muita lamento, as duas combinam de viajar para o Peru com o intuído de buscar a paz interior e se refazer espiritualmente.

A viagem é linda. Ao lado da amiga, Clara vai descobrir que antes de qualquer coisa, ela precisa amar a si mesma, aceitar-se como ela é e reconstruir sua autoestima. Mas é claro tudo isso com uma boa dose de carma.


Minha opinião

Clara é uma mulher que está sofrendo. É claro que em um momento como esse é normal a pessoa ficar cheia de pensamentos negativos e paranoias. Mas em alguns momentos, achei ela dramática demais. Consegui ver seu crescimento e amadurecimento durante a leitura, porém ela tem que melhorar mais e amar-se mais.

Paty é uma amiga que toda mulher quer, divertida, sensata, alegre, otimista, que está sempre disponível para ajudar e para dar um “sacode” quando Clara precisava. Contudo, ela também teve uma coisinha que me incomodou, seu modo de falar “jovial” demais.

Gostei da relação das duas, elas se entendem muito bem. A postura delas diante dos Carmas que aparecem do decorrer das viagens também é bem diferente. Aqui, mais uma vez, achei que Clara era muito imatura e insegura.

Livros que envolvem relacionamentos amorosos sempre trazem uma ou outra situação na qual podemos nos identificar. O foco do livro está na superação de um término e como superá-lo. Além disso, há muitas questões sobre amor, autoestima, felicidade, amizade e aceitação. Tudo isso aparece aos poucos e sempre com a reflexão das amigas sobre o tema. Assim, sofremos e rimos com as personagens, que nos fazem pensar sobre todos esses assuntos.

Em meio a todo sofrimento e abusca por uma paz espiritual, Clara vai se deparar com possibilidades de sexo casual. A autora aborda o tema com um toque de diversão, mostrando que não é preciso esperar nada desse momento além de diversão e prazer, é claro!

A escrita da Vanessa é leve, simples e super gostosa. Os capítulos são curtos, dando um ritmo rápido à leitura. A autora conseguiu elaborar uma história engraçada e ao mesmo tempo questionadora. Um livro muito bom para quem está passando por uma situação de fim de relacionamento.

Quem não tem ou teve um Carma na vida né?

site: http://www.lelendolido.com.br/2017/04/resenha-82-chuta-que-e-carma-vanessa.html
comentários(0)comente



Coisas de Mineira 30/01/2018

Clara já passou por vários relacionamentos. Alguns ruins e outros péssimos. Quando pareceu que não podia piorar, Rogério, seu namorado por três longos anos, levou toda a mobília do apartamento em que moravam depois que ela lhe deu um pé na bunda. Ou seja, além de ter sido um grande babaca, ele se mostrou um verdadeiro cretino sem caráter. Numa fossa danada, Clara decide que é hora de se livrar desse Carma ruim. Ela precisa se reencontrar com a luz, e com a sua paz interior. Por isso, numa indecisão de destino de viagem, ela e a amiga Patty optam por uma espécie de retiro espiritual no Peru.
“É crime desejar o amor?
Onde amarrei meu carma? Por que sempre atraio homens que a princípio parecem o príncipe encantado e, logo na sequência, me ferram de formas inusitadas e muito criativas?”

Como ninguém é de ferro, além de seguirem em direção a Machu Picchu para uma viagem mística entre tribos e xamãs, elas passam por outras cidades mais movimentadas para comprinhas e saídas. Num clima que deveria ser relaxante, Clara acaba encontrando um Carma pesadíssimo do passado, Miguel, um ex super cafajeste da época da faculdade que ela pagaria para esquecer. A questão é que ele jura estar diferente e Clara não se sente muito na posição de alguém que tem como ficar “escolhendo” alguém. Além disso, ele tem um amigo bastante charmoso, e Patty, que saiu de um relacionamento um tanto conturbado também fica super interessada. Mas será que dar uma chance a eles é uma boa ideia?



Depois de se cansarem da pacata onda de meditação, elas seguem para um cruzeiro no ensolarado mar do Caribe. Infelizmente (ou nem tanto assim), o cruzeiro não é bem o que elas esperavam. Mas no clima de carência e propensão a loucuras que elas se encontram, isso bem que vem a calhar. Como era de se esperar, elas acabam conhecendo novos caras que, prometem ser tudo e mais um pouco. A questão é: depois de tanto Carma ruim, será que é uma boa se arriscar de novo?

“Existem pontes que não devem ser construídas em hipótese alguma. O que você vai encontrar do outro lado simplesmente não vale o esforço.”

O livro conta a aventura de Clara e Patty de uma maneira bastante leve e descontraída. Com uma obra engraçada que arranca boas gargalhadas, Vanessa Bosso traz alguns questionamentos bastante pertinentes como “o que é a felicidade?”, e nos leva a pensar em como estamos levando a nossa própria vida. Apesar de ter um clima tranquilo e a leitura ser muito rápida (sério, li em um dia), algumas coisas me incomodaram nesse livro. um exemplo é a inatividade da Clara diante do que seu ex-namorado fez. Por favor, quem deixa o ex levar toda a sua mobília sem fazer nada?

O nível de auto-piedade de Clara e o fato de quase tudo que sai da boca da Patty parecer vir diretamente de um livro de auto-ajuda, também deixa o começo do livro um pouco monótono. Acredito entretanto que o que mais me incomodou foi que a Clara não assume as consequências das suas escolhas. Ela justifica tudo dizendo que é o carma dela e coisa e tal, sempre voltando nesse mesmo assunto de que o carma dela é ruim, e achei isso bastante imaturo. Fora isso, o livro é bastante cômico, o que faz a leitura valer a pena, no geral. O livro termina em aberto, a continuação já saiu no ano passado e se chama “Agarra que é amor!”. Será que vem coisa boa para Clara por aí?



A edição é muito bonita, com um rosa chamativo na capa além de ilustrações de diversos acessórios femininos, o que combina bem com um livro que narra a viagem de duas amigas. A letra tem um tamanho realmente muito bom, as páginas são amareladas, e os capítulos são curtinhos, dando espaço nas páginas, fazendo o livro ser um pouco menor do que parece à primeira vista e deixando a leitura mais leve. A Editora Astral cultural fez um lindo trabalho!

Por: LÔ SCALIONI
Site: http://www.coisasdemineira.com/2017/03/resenha-chuta-que-e-carma-vanessa-bosso.html
comentários(0)comente



35 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3