O Romance Inacabado de Sofia Stern

O Romance Inacabado de Sofia Stern Ronaldo Wrobel




Resenhas - O Romance Inacabado de Sofia Stern


16 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2


Gilberto 26/06/2016

O romance inacabado de Sofia Stern – Ronaldo Wobrel
Se existe um aspecto da literatura brasileira contemporânea que me incomoda profundamente são os livros que só possuem inovação de estilo, mas que em contrapartida tem tramas fracas e quase sempre patéticas. Em outras palavras e de forma mais simples; falta na literatura nacional boas histórias, que o leitor possa ler simplesmente pelo prazer de virar as páginas e se divertir com aquilo que está sendo narrado ali, falta sobretudo aquele acordo tático entre autor e leitor de que o autor manterá a atenção do leitor ali, e em troca o leitor será capaz de apreciar sua obra. E eu estou dizendo isso para simplesmente deixar claro que mais uma vez tive o prazer de ler um dos livros que é uma rara exceção daquilo que eu disse acima.

O romance inacabado de Sofia Stern chegou em casa sem aviso prévio algum, vindo pelo correio e enviado por uma amiga que eu aprecio muito as dicas. Ao abrir o livro eis que me deparo com uma dedicatória do autor para mim, ou seja era recém lançado. Conhecendo minha amiga que me deu tal presente eu soube que aquilo queria dizer de forma clara e incisiva: leia, você precisa conhecer as obras de Ronaldo Wobrel! E então eu li.

Ronaldo (o personagem) vive tranquilamente em Copacabana com sua avó Sofia Stern, e eis que um dia ele recebe uma ligação de uma juíza da Alemanha que acaba deixando claro que sua avó pode ser a herdeira de uma grande fortuna, mas para isso ele tem que provar que a fortuna pertence mesmo a sua avó, e então ambos embarcam para a Alemanha, em busca de provas que mostrem que sua avó é mesmo a Sofia Stern que herdou toda aquela fortuna.

Toda a fortuna, em sua maioria composta por joias, fora deixada a Sofia por sua amiga Klara. Klara e Sofia foram grandes amigas durante a juventude de ambas, na Alemanha nazista, mas logo que começa a perseguição aos judeus a vida de ambas passam a trilhar caminhos diferentes, e em alguns momentos seus novos caminhos se cruzam, em especial quando uma passa a necessitar de favores da outra para seguirem em frente com suas vidas.

Eu não vou contar nesta resenha tudo que acontece dentro do livro, mas uma coisa que merece destaque é a identidade de Sofia como refugiada, ou melhor a perca de me deixa pensando em o que é possível descartar como registros, nomes, passado e tudo aquilo que é concreto e material, e em contrapartida aquilo que não é possível fazer-se perder; memórias, sentimentos, forma de pensar e de agir, traumas, sonhos. E em se tratando de refugiados esta troca de identidade é um delicado jogo de equilíbrio entre aquilo que se precisa ceder, e consequentemente mudar, e aquilo que não se quer deixar pata trás, ou seja uma linha tênue entre necessidade e escolha daquilo que vai mudar em sua identidade.

Outro detalhe que me deixou encanto foi o quanto de informações reais do período nazista existe no livro, sem que isso o torne maçante ou cansativo, o autor demonstra plena competência em dosar informações no momento certo de forma que acrescenta qualidade a narrativa, sem com isso criar descrições desnecessárias.

O romance inacabado de Sofia Stern consegue atingir assim como todas as grandes obras várias categorias, tornando –se assim impossível de ser classificado em um único gênero, podendo tanto ser definido como romance histórico, quanto como auto ficção, ou romance de aventura, melhor do que isso é só o fato de que este romance tanto pode ser lido como uma pequena obra de arte, quanto como um livro para simplesmente se divertir.

site: https://lerateaexaustao.wordpress.com/2016/06/27/o-romance-inacabado-de-sofia-stern-ronaldo-wobrel/
Renata CCS 27/06/2016minha estante
Que resenha instigante! Vai direto para a lista de futuras aquisições.


Eva Luna 30/06/2016minha estante
Gostei tanto de sua resenha que comprei o livro pra ler. Vou começar hoje.


Paty 08/07/2016minha estante
show !




Ladyce 10/06/2016

Acabo de ler o novo livro de Ronaldo Wrobel, "O romance inacabado de Sofia Stern". Foi grande o prazer de reconhecer aqui o escritor que me encantara com "Traduzindo Hannah" há cinco anos. É reconfortante constatar que um autor de que gostamos inicialmente continua a produzir obras da qualidade e do interesse que percebemos anteriormente.

"Sofia Stern" é obra bem mais complexa e dinâmica. É narrada como um thriller. Ao final de cada capítulo uma questão, uma curiosa mudança de rumo, uma observação intrigante nos leva ao capítulo seguinte com ansiedade. Trata-se de uma aventura, iniciada no Brasil, por um brasileiro, morador de Copacabana, que esperançoso de ser recipiente de uma fortuna de milhões de euros, viaja com a avó nonagenária, imigrante de guerra, de volta à Alemanha, a fim de apresentar documentação para que ela seja considerada herdeira legal da cobiçada fortuna. No meio do caminho, conturbado e repleto de reviravoltas, como Ronaldo Wrobel já mostrou ser seu estilo narrativo, aprendemos muito sobre ele, ela, a família e a Alemanha de Hitler.

A Segunda Guerra Mundial é o tema mais importante e modelador das artes do século passado. Direta ou indiretamente ela molda até hoje a produção literária e artística mundial. Não haverá ficção literária, em número ou natureza, que possa transmitir a nós, gerações pós-apocalipse, o que foi uma guerra em que morreram quase sessenta milhões de pessoas, um pouco mais de 3% população mundial em 1940. Ronaldo Wrobel se encarrega, junto a outros, de nos lembrar disso. Precisamos saber para não esquecer, e jamais repeti-la. Mas talvez por estar duas gerações removidas da hecatombe, ele toma a liberdade de encará-la por ângulo diferente. Em seus livros, "Hannah" e "Sofia Stern", Wrobel se concentra na vida dos que sobreviveram. Seu foco está nas histórias dos que tiveram vidas modificadas como consequência da guerra e nas estratégias que usaram para tornar suas vidas relevantes em outras circunstâncias. É o sobreviver que o atrai, que o fascina. Com fino humor, afiada observação do comportamento humano e muita pesquisa Ronaldo Wrobel tem feito, aos poucos, uma pequena revolução literária no país, abrindo a porta outrora fechada do bolorento recinto onde escritores brasileiros se abrigam. Ventilando o ambiente ele se separa dos autores dedicados a publicações autorreferenciais e herméticas, escravas de modismos intelectuais, acorrentadas por programas político-sociais que passam por literatura.

Aqui não. Temos um texto ágil, inteligente, informativo, divertido que dá prazer de ser degustado. Até pouco tempo essas eram características inexistentes nas prateleiras das estantes nativas. A prova é que nossos leitores se debruçam mais sobre obras em tradução, concebidas no exterior, do que sobre as publicações nacionais que raramente consideram a existência de um público leitor inteligente, curioso e ávido por uma boa história. Ronaldo Wrobel nos dá exatamente o que faltava no horizonte literário brasileiro.

A produção literária de Wrobel o coloca num contexto maior do que a Segunda Guerra Mundial. Há, subjacente nos dois livros mais recentes do autor, temática sutil e relevante: a questão da identidade. Esse é um tópico explorado nos meios literários, amiúde, a partir da segunda metade do século XIX, quando a fome e a pobreza na Europa levaram milhares de imigrantes italianos, irlandeses, alemães e outros às terras do Novo Mundo. Mais tarde depois de cada uma das grandes guerras, um maior número de pessoas deslocadas habita novas terras, refazendo vidas. A identidade que desenvolvem é um tema de relevância e que precisa ser aventado, hoje, quando multidões atravessam fronteiras impacientes para forjar nova vida em melhores circunstâncias.

Imediatamente após a imigração segue-se a questão de identidade. Todos os imigrantes passam por essa experiência e Wrobel não é alheio a isso. Escritores, ensaístas, como André Aciman e Amin Maalouf entre outros dedicaram-se a essa complexa questão. Não se trata só da língua, do país ou da cultura que se deixou para trás cair no esquecimento. Hábitos de aldeias que não mais se sustentam em novas realidades deixam um tremendo vazio na alma. Mas há, sobretudo, a necessidade de pertencimento ao país que abraçou o imigrante. O que o imigrante faz para se integrar ao novo mundo? E quais são, afinal, os sacrifícios para que os sonhos num novo horizonte se construam? Sem necessariamente abordar essa questão diretamente, Ronaldo Wrobel descreve para o leitor as diversas artimanhas que envolvem a nova vida. Lição importante para os dias de hoje.

Tema riquíssimo, o jogo de identidades desafia a compreensão de quem somos e de quem projetamos ser. Já no início do século XX Pirandello questionava a percepção da realidade em uma de suas mais conhecidas peças teatrais, "Assim é se lhe parece" (1917). Mas hoje, cidadãos de uma cultura global nos encontramos de hora em hora nos definindo e redefinindo, como fazem os astutos personagens de Hannah e de Sofia Stern. A cada avatar um novo nome, uma nova vida. Como disse Mia Couto: “A verdade é que nós somos sempre não uma mas várias pessoas e deveria ser norma que a nossa assinatura acabasse sempre por não conferir. Todos nós convivemos com diversos eus, diversas pessoas reclamando a nossa identidade.” [E se Obama fosse africano?: O planeta das peúgas rotas (2011)]. Assim segue "O romance inacabado de Sofia Stern". Com uma variante que nos faz pensar ainda uma vez na questão de identidade, Ronaldo Wrobel se insere na narrativa ficcional. Ele é ao mesmo tempo personagem e narrador. Provavelmente só para mostrar que o jogo de identidades é universal. Este é um bom e sedutor livro que nos envia mais questões do que as levantadas aqui. Além de entretenimento de primeira ordem, o livro nos leva a considerar temas atuais sob uma nova perspectiva. Ronaldo Wrobel está de parabéns.

Recomendo a leitura sem quaisquer restrições.
Nanci 10/06/2016minha estante
Gostei muitíssimo de ambos, Ladyce. Do romance delicioso do Ronaldo, e da sua resenha, como sempre.


Letícia 21/06/2016minha estante
ai ai quero acabar logo essa tese para voltar para a literatura. Adoro livros com temáticas históricas e pela sua resenha vou gostar bastante.




Luiza 15/07/2016

O Romance Inacabado de Sofia Stern
Romances sobre a Segunda Guerra Mundial me atraem. Não sei dizer o motivo, mas, geralmente, rendem histórias incríveis e emocionantes. Por isso, O Romance Inacabado de Sofia Stern foi uma das minhas escolhas do mês no catálogo do Grupo Editorial Record.

Ronaldo vivem em um casarão de estilo antigo em Copacabana junto com sua avó, Sofia Stern. Apesar de serem muto chegados, ele sabe pouco sobre sua juventude, conhecendo somente sua origem alemã e que veio ao Brasil quando a Segunda Guerra Mundial estava prestes a estourar. Para ele, bastava.

Um dia, depois de um episódio de senilidade da avó, ele recebe um telefonema da Alemanha comunicando que Sofia Stern havia herdado uma fortuna em joias de uma amiga chamada Klara Hansen,uma pessoa que, até então, ele jamais tinha ouvido falar. Tal tesouro havia sido encontrado após a descoberta de um bunker durante a construção das fundações de um supermercado.

A partir daí, o passado de Sofia Stern, e seu romance inacabado nos são revelado.

A narração é divida em duas partes, que se alternam ao longo do livro. Uma acompanha Ronaldo, enquanto tenta construir o quebra-cabeça que é o passado de sua avó. Na outra, a história de Klara Hansen e Sofia Stern se desenrola em episódios determinantes para a vida das duas.

Apesar de possuir um enredo lindo e de ser muito bem narrada, O Romance Inacabado de Sofia Stern deixou um pouco a desejar no final. Justamente no climax de toda a história, a sensação de deja vu frustrou o que poderia ter sido um desfecho tocante.

De fato, este é um romance inacabado para muitas pessoas. Inclusive para os leitores.

site: http://www.oslivrosdebela.com/2016/07/o-romance-inacabado-de-sofia-stern-ronaldo-wrobel.html
comentários(0)comente



Na Nossa Estante 17/07/2016

O romance inacabado de Sofia Stern
O que me atraiu para O romance inacabado de Sofia Stern, de Ronaldo Wrobel, foi o cenário da Segunda Guerra Mundial, foi a Alemanha. Me atraiu ao mesmo tempo em que me deixou com um pé atrás. Minha experiência em terras alemãs me fez ver um lado da guerra que eu nunca tinha realmente entendido: a perspectiva alemã. Uma das minhas grandes decepções é que isso seja tão pouco retratado na cultura internacional. Na brasileira, então, é escassa. Foi esse fato que me deu receio - e depois alívio, seguido de alegria.

Wrobel traz uma contextualização fantástica sobre a Alemanha da Segunda Guerra. Sendo Sofia Stern mestiça, ele mostra sua personagem sofrendo os atos iniciais da ascensão de Hitler, como, na escola, ser considerada inferior por seu sangue impuro. Ao mesmo tempo, traz a família de Klara Hansen, sua melhor amiga, ariana pura, mas que em nenhum momento aceita as ideias xenófobas de Hitler. Hugo, irmão mais velho de Klara, aliás, é um dos rebeldes contra o regime nazista e se afasta da mãe e da irmã quando interpreta suas atitudes como apoio ao regime.

Todas essas histórias, do fim da década de 30, vem à tona quando Ronaldo (o personagem), neto de Sofia Stern, resgata o passado de sua avó através de um livro marrom, com suas memórias, e vai até a Alemanha para provar que ela tem direito à herança deixada por Klara à Sofia. Descobrir o que aconteceu com Hugo, preso no Campo de Concentração de Dachau por suas atividades ilegais, é outra das metas de Ronaldo - até porque ele seria uma ótima testemunha no julgamento da herança.

A leitura não é em momento algum extenuante, pelo contrário. É difícil parar de ler, já que a cada capítulo surge uma pulga atrás de nossa orelha, uma surpresa, um mistério. E o final de Wrobel fecha (ou aumenta?) muito bem essa atmosfera. Me deu uma alegria e um orgulho enorme saber que existe uma obra dessas na nossa literatura brasileira. Certamente vou buscar mais do autor.



site: http://www.oquetemnanossaestante.com.br/2016/07/o-romance-inacabado-de-sofia-stern.html#comment-form
comentários(0)comente



Maria - Blog Pétalas de Liberdade 28/07/2016

Recomendo!
"- São vaga-lumes, vovó!
- Fale baixo, Ronaldo. Eles pensam que são estrelas.
- Bobagem! Eles não entendem o que estou falando.
- Nem eu estou entendendo. Será que sou um vaga-lume?
- Não, vovó. Você é uma estrela." (pagina 12)

Ao terminar o primeiro capítulo de "O romance inacabado de Sofia Stern", já imaginei que seria um livro que eu iria gostar, suposição que foi se confirmando a cada página lida. Na obra conheceremos Ronaldo (protagonista e autor tem o mesmo nome), um rapaz que cuidava da avó Sofia Stern com muito carinho, mas que estava preocupado com comportamentos atípicos que a senhora vinha apresentando (se bem que ela nunca foi uma pessoa comum, talvez por ter vindo para o Brasil fugindo dos nazistas no início da Segunda Guerra Mundial, mas só ela sabia quais traumas trazia da guerra, pois não gostava de falar sobre o assunto).

"Netos raramente conhecem os avós. Podem até ser seus cúmplices e amá-los de verdade, mas quase nunca suspeitam de mistérios que não tiveram condições de desvendar. Avós são esfinges porque ali mora mais do que alguém. Ali mora o tempo. Com minha idade, vovó já havia enfrentado vilões históricos, atravessado o Atlântico e se casado com o homem a quem daria uma filha em 1954. Uma epopeia!" (pagina 15)

Um dia, Ronaldo encontrou um diário de sua avó, e outros objetos suspeitos da época em que ela ainda não morava no Brasil, mas como ela se recusava a lhe falar claramente sobre esse período, ele resolveu pesquisar por conta própria. Pouco tempo depois, ele recebeu uma ligação de uma juíza alemã, informando que sua avó poderia ser a herdeira de uma grande quantia num processo que corria na Alemanha, mas ele teria que viajar para lá para representar a senhora. Sofia decidiu ir com o neto, e juntando as descobertas que ele faria nessa viajem com os escritos do diário, ele descobriria que a vida da avó foi surpreendente.

Aos 15 anos, em 1933, Sofia conheceu Klara, uma garota vinda do interior e que, talvez por isso, era a única da escola a não se importar com o fato de Sofia ter sangue judeu. As duas se tornaram amigas, mas para manter essa amizade com o passar do anos, teriam que enfrentar toda a segregação que estava sendo imposta pelos nazistas, e fariam coisas inimagináveis uma pela outra, ainda que em alguns momentos suas vidas se distanciassem por causa de suas origens. Klara, a modista talentosa, Sofia, a cantora nas noites, Klara e sua vida ariana de luxo e aparências, Sofia e sua vida no submundo. Amores, medos e sonhos, tudo isso compartilhado entre elas. Sofia veio para o Brasil e se tornou avó, mas como ela chegou até aqui? E o que aconteceu com Klara? Só lendo para saber.

"Vovó carregava culpas lancinantes desde a juventude na Alemanha. Quantas delas infundadas?" (pagina 187)

"O romance inacabado de Sofia Stern" é um livro que me surpreendeu muito, e que eu recomendo que vocês leiam! Foi uma leitura muito agradável de se fazer, tão boa e com uma escrita tão fluida que eu poderia ter lido o livro todo num único dia, mas interrompi a leitura para continuar no dia seguinte por ainda não estar preparada para me despedir dos personagens. Falando nos personagens, eles são tão vivos e com personalidades tão interessantes, que é como se eu estivesse vendo o Ronaldo, a Sofia, a Klara, o Hugo (irmão da Klara, ele tem um papel importante na trama) na minha frente! O quanto eles cresceram e se modificaram com o passar dos anos, as escolhas que tiveram que fazer, o quanto sofreram, o quanto amaram, e o quanto especialmente o Hugo acreditou e esperou e mudou, o quanto Sofia sofreu por coisas que não era culpada mas não sabia, o quanto Ronaldo foi capaz de ir atrás da história da sua avó, o choque que o final trouxe para ele e para nós.

Eu dei cinco estrelas para o livro, mas não o marquei como favorito por causa do final. "O romance inacabado de Sofia Stern" tem a mesma temática de outro livro da Editora Record: "Uma Praça em Antuérpia" escrito pela Luize Valente e publicado em 2015. Os dois se passam na época que antecede a Segunda Guerra Mundial, embora o de Luize continue no decorrer da guerra e o de Ronaldo fique apenas nessa fase antecedente; ambos trazem protagonistas idosas que tem seu passado desvendado, mas enquanto o livro de Luize tem um carga dramática maior, o de Ronaldo tem uma pegada bem mais divertida na forma como ele conta a história (e por isso vale a pena ler ambos), e traz uma esperança para o leitor conforme coisas improváveis vão acontecendo. E já que, por mais perigos que seus personagens tenham enfrentado, Ronaldo vinha mantendo-os vivos, eu esperava um final diferente (não tô dizendo que alguém morre no final, não tô dando spoiler, tá gente!), e aí veio um final que é bom e que deixa o Ronaldo personagem sem chão, mas que não precisava ser daquele jeito e que meio que dá um nó na cabeça da gente ao nos obrigar ver partes da história de outra forma. Talvez se eu não tivesse lido "Uma Praça em Antuérpia", eu poderia ter ficado satisfeita com o final de "O romance inacabado de Sofia Stern", mas como já li, não foi algo novo, o que não diminui o meu amor pelo livro de Ronaldo Wrobel, minha admiração pelo que ele escreveu e meu encantamento pela história de Sofia.

Sobre a edição: capa bonita e condizente com a trama, páginas amareladas, boa revisão, diagramação simples e com margens, letras e espaçamento de bom tamanho.

Enfim, fica aqui a minha recomendação para que leiam "O romance inacabado de Sofia Stern", um livro daqueles que a gente começa e não quer mais largar, de tão curioso para saber o que vai acontecer em seguida e o que o Ronaldo descobrirá sobre sua avó excêntrica. Uma leitura divertida e emocionante, da qual eu poderia falar por horas, mas acho que por hoje está bom, né?!


site: http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/2016/07/resenha-livro-o-romance-inacabado-de.html
comentários(0)comente



Letícia 16/08/2016

Uma grata surpresa
Fui apresentada ao livro e ao autor pela sempre atenta e querida Ladyce. Digo atenta, pois desde que nos conhecemos, ela sempre esteve atenta ao tipo de leitura que gosto, e ela nunca errou. Dessa forma, me presenteou com essa obra recém lançada por Ronaldo Wrobel lá no Rio de Janeiro. E o meu exemplar veio autografado (um luxo e uma gentileza). E como todos sabe, estou em fase final do doutoramento, e minhas leituras recreativas tem sido pequenas ou escassas nesses últimos anos.

Porém, conforme o pedido de Ladyce, dei uma pausa nessa tarefa difícil de sustentar uma tese, e me deliciar na literatura. Iniciei a leitura e para o início tem orelha escrita por Raphael Montes, um jovem e recente autor, também carioca e que atualmente tem 3 livros publicados (já os li e gostei muito).

Já nessa breve apresentação do conteúdo da obra, você já fica com muita vontade de ler, pelo menos eu. Uma história que se passa nos períodos de guerra sempre me fascinam, e esse é um dos pontos fundamentais da narrativa.

Logo nas primeiras páginas, nos deparamos com uma escrita coesa, leve e de um ritmo muito gostoso de acompanhar. A costura que é feita nos fatos, nos faz querer avançar e avançar.

Pois bem, uma breve sinopse da história (retirada dos próprios releases por aí): Ronaldo vive em Copacabana com a avó, Sofia Stern, que nasceu na Alemanha em 1919 e fugiu para o Brasil na véspera da Segunda Guerra. Certo dia, recebe o telefonema de uma juíza alemã às voltas com um processo judicial que pode torná-lo multimilionário. Com a descoberta de um diário, Ronaldo reconstitui a juventude da pacata senhora, revelando peças de um passado que envolve paixões, inveja, traições e dinheiro. Quando outros fatos vêm à tona, Ronaldo se depara com uma série de dilemas. Resta saber o que ele prefere: ficar rico ou fazer justiça.

Ao ler essa sinopse e a orelha do livro simplesmente mergulhei na história, e Ronaldo não nos decepciona.

Vamos conhecendo Ronaldo e a simpática e espirituosa Sofia, neto e avó, sempre em sintonia e com pitadas de diversão.


Minhas impressões

É o primeiro livro que leio do Ronaldo Wrobel (que também já escreveu Traduzindo Hannah), e minhas impressões foram as melhores. Um texto escrito de forma clara e certeira, isso faz toda a diferença para a fluidez da leitura.
Percebe-se que houve uma pesquisa histórica e o autor escreve de maneira exemplar, com pitadas de humor (pelo menos para mim). Foi uma leitura muito agradável, é um livro para ler em no máximo dois dias, mas eu levei mais tempo por conta dos estudos do doutorado.

Recomendo a você um autor nacional de qualidade e uma narrativa que vai prender você junto à Sofia e suas histórias.


comentários(0)comente



Gramatura Alta 17/09/2016

Surpreendente
O quanto você conhece alguém? Esta foi a pergunta que eu mais fiz enquanto lia O ROMANCE INACABADO DE SOFIA STERN. E a resposta para isso é que não se pode conhecer alguém inteiramente. Podemos saber a maioria dos gostos, ou a maneira que uma pessoa costuma agir, mas nunca inteiramente. Normalmente, as pessoas sempre terão algum segredo, e, no caso de Sofia Stern e Klara Hansen, estes não serão poucos.

A história toda ocorre em dois tempos: na Alemanha nazista; e nos tempos atuais. Sofia Stern é a avó de Ronaldo (acredite, eu não queria dizer isto. Por quê? É muito complexo, e provavelmente você não é muito fã de spoilers). Ronaldo é quem narra a história atual, que só começa por causa das "loucuras" de sua avó.

"Folheei seu passaporte na confeitaria. Apesar de deteriorada, a capa ainda exibia a águia do Terceiro Reich agarrada a uma suástica. Mal se viam seus cabelos loiros numa fotografia manchada. Carimbos oficiais encobriam parte da assinatura: Sofia Stern, nascida na Cidade Livre e Hanseática de Hamburgo em março de 1919. O visto para o Brasil ocupava uma página junto ao carimbo de entrada R2830-01(NACIONAL) CS5.indd 23 13/4/2016 09:39:51 24 no Rio de Janeiro, datado de dezembro de 1938. Na base do visto, a palavra “temporário”. — Nunca vi esse passaporte.
— Estava em meu cofre.
— Junto com o livro marrom?
— Já falei que não existe nenhum livro marrom.
Mantive a calma:
— Existe sim. Um livro marrom com suas memórias da juventude. Estava em seu quarto naquela noite.
— Se existiu algum livro, foi esquecido, e as coisas esquecidas não existem mais."

Sofia Stern tem um passado bastante profundo. Coloque o talento natural dos seres humanos em arranjar encrenca na mesma tigela com uma Alemanha nazista e uma judia (sim, a judia é Sofia), e isso, por si só, já daria uma história. Agora coloque também uma paixão por alguém que odeia o Führer. Acho que agora esta história está ficando emocionante.

Mas a grande jogada é que existe muito dinheiro esperando por uma tal Sofia Stern em um banco da Alemanha, em 2008, e a história acabará desenterrando muito mais do que dinheiro. Ela irá desatar alguns nós que prendem uma trama muito bem trabalhada de memórias, algumas boas, a maioria ruins, e algumas simplesmente inacreditáveis. A maneira que o Nazismo foi abordado não foi apenas explicativo, mas conseguiu nos mostrar aspectos do cotidiano daquela época. Ao mesclar história e romance, Ronaldo Wrobel mostrou que um não vive sem o outro. A relação entre judeus e nazistas não foi apenas "nazistas odeiam judeus e ponto". O livro nos trouxe isto de forma muito mais profunda, pela relação de Klara Hansen e Sofia Stern.

O ROMANCE INACABADO DE SOFIA STERN me fez ter um misto de emoções. Desde aqueles choros, onde se perdem litros d'água, até a falta de reação (a genialidade desse autor pra resolver os enigmas é tão grande, que não cabe em uma palavra).

Porém, se alguém me perguntar se eu gostei da leitura, eu terei que dizer que não. Foi muito mais do que gostar. É profundo e me fez repensar vários aspectos sobre minha própria vida. E então eu tive uma ideia! Na verdade, eu decidi fazer uma proposta. Quando puderem, peçam aos seus avós, ou seus pais, para lhes contarem uma historia sobre eles mesmos. Acredite, eles irão te surpreender. Porque mesmo que para eles tenha sido algo banal, para nós é uma maneira de nos conectarmos com um outro tempo, com costumes diferentes e pessoas diferentes. E ouso dizer que esta talvez seja nossa verdadeira máquina do tempo.

E pra não perder o costume, eu preparei uma entrevista com o RONALDO WROBEL, que sairá amanhã, aqui no GETTUB. Espero que vocês gostem, porque eu amei. Eu passei a admirar a literatura nacional ainda mais do que eu já admirava. Estes nossos autores estão me surpreendendo, e a força como as palavras deste, em especial, me tocaram, não será esquecida.

Este, sim, é um livro que merece atravessar gerações!

Resenha feita pela NALU, do GETTUB

site: http://www.gettub.com.br/2016/09/o-romance-inacabado-de-sofia-stern.html
comentários(0)comente



Lê Golz 21/09/2016

Surpreendente
Com uma capa pouco atrativa, o que me conduziu a ler a obra foi a sinopse instigante, que prometia a história misteriosa de uma sobrevivente de guerra. O romance inacabado de Sofia Stern, publicado pela Editora Record, foi uma grata surpresa para mim. Quando iniciei a leitura, não imaginei que encontraria tantos mistérios e um final assustadoramente surpreendente.

Ronaldo vive em Copacabana, no Rio de Janeiro com sua avó Sofia Stern, que nasceu na Alemanha, mas havia fugido para o Brasil às vésperas da Segunda Guerra Mundial. Em meio a algumas descobertas sobre o passado da avó, ele receberá um telefonema da Alemanha informando-o sobre um processo judiciário que pode torná-lo rico, e com isso, consequentemente trará todo o passado de Sofia Stern à tona. O passado vai sendo pintado com a descoberta de um bunker cheio de jóias, um antigo diário da avó, a reconstrução de sua juventude em um cabaré de Hamburgo, e a conturbada amizade de Sofia com uma moça chamada Klara Hansen. Em meio a inúmeras revelações, Ronaldo descobrirá o quanto sabemos tão pouco de alguém que convivemos lado a lado.

Os capítulos são divididos entre passado e presente. Eles irão nos mostrar aos poucos a personalidade de Sofia e atitudes que ela tomou, que até o momento eram desconhecidas pelo neto. O autor traz uma narrativa fluída, sedutora e completamente misteriosa. Alguns trechos com contextos históricos e descrições de documentos podem ser mais lentos, mas o suspense que permeia o livro é intenso e nos instiga a continuar.

O que mais me agradou foi a criatividade desse romance. É como se pudéssemos imaginar quantas Sofia Stern existem no mundo. Milhares de pessoas morreram na Segunda Guerra, mas outras milhares fugiram para outros países, levando na bagagem um passado que queriam esquecer. E de fato esqueceram, ou fingiram não se lembrar. Há muitas histórias de amor inacabados, de amizade, de traições. Às vezes o passado é tão doloroso, que algumas pessoas preferem guardar segredos e iniciar uma vida completamente diferente. E foi todos esses mistérios e descobertas da vida da protagonista que tornaram o livro único. O fato de ser um livro nacional, só reforça o quanto existem obras incríveis em nossa literatura.

"Netos raramente conhecem os avós. Podem até ser seus cúmplices e amá-los de verdade, mas quase nunca suspeitam de mistérios que não tiveram condições de desvendar. Avós são esfinges porque ali mora mais do que alguém. Ali mora o tempo." (p. 15)

O que também pode ganhar o leitor facilmente, são os fatos históricos de uma Alemanha nazista, que são mencionados ao longo da narrativa, mesclando-se a ficção criada por Wrobel. Além disso, o comportamento dos personagens dá um charme incrível ao livro. Aqui encontramos personagens reais, com passados duvidosos, carregados de culpas. Fica claro em cada passar de páginas, que a obra é mais que um romance, já que também é narrado como um thriller, onde a cada capítulo descobrimos algo novo, que nos instiga a chegar ao desfecho. E que desfecho! Choquei com o final!

Diante de tantos elogios, logicamente que indico a leitura da obra. O romance inacabado de Sofia Stern é um livro misterioso, que traz uma história de traições, dinheiro, mortes e paixões que podem durar anos. Também nos fará refletir até que ponto conhecemos as pessoas que nos rodeiam. Que passado de guerra esconde nossos antepassados? Quem eles realmente são? Uma obra cuidadosamente bem escrita. Recomendado!

site: http://livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br/2016/09/resenha-o-romance-inacabado-de-sofia.html
comentários(0)comente



Blog De Bem Com a Leitura 27/09/2016

Na Alemanha, Hitler começava a erguer o seu exército, o nazismo estava se estabelecendo com uma grande força. Judeus, negros, homossexuais, deficientes... Somente os arianos eram dignos de sobreviver, qualquer um que não tivesse o sangue puro, era hostilizado. O país começava a dar indícios do caos que se veria dentro de poucos anos.

Sofia Stern tinha sangue judeu e católico, uma jovem linda mas que tinha o "defeito" de não ser ariana. Na escola era sempre humilhada, retirada de eventos onde somente a entrada de sangue puro era permitida e ninguém se aproximava dela. Mas um dia isso mudou, entrou na escola uma aluna nova, Klara Hansen, uma perfeita ariana que não tinha boas condições financeiras. A amizade das duas foi selada no momento em que se conheceram, seriam grandes cúmplices, mesmo Sofia sendo mestiça e Klara uma ariana.

Mas essa é a parte do passado de Sofia que o seu neto, Ronaldo, vai conhecendo aos poucos e quanto mais ele procura informações, mais vai adentrando em um universo misterioso e perigoso. Sofia não gosta de falar sobre o seu passado, tudo o que se sabe é que ela fugiu da Alemanha e veio para o Brasil com um visto provisório. No entanto, Ronaldo começa a descobrir segredos da avó que jamais imaginou que existissem.

Sofia está com a idade bem avançada e começa a falar algumas coisas que não fazem muito sentido, mas Ronaldo encontrou (ou teria sido a própria Sofia que resolveu lhe entregar?) um livro onde tinham anotações e percebeu que as histórias de sua avó não eram tão desconexas como ele imaginava. Como se não bastasse, Sofia passou a agir de uma maneira muito estranha também, chegando a sair escondida de casa para ir cantar em uma casa noturna.

Determinado a entender o que estava acontecendo com a sua avó e trazer à tona o passado que ela tanto mantém oculto, Ronaldo coloca seu nome em um banco de dados da Cruz Vermelha e a resposta é quase que imediata. Ele recebe uma ligação de uma juíza alemã e as informação que ela apresenta são ainda mais curiosas do que a história que ele sabia até aquele momento. Há alguns anos a juíza fez uma grande descoberta, que está diretamente relacionada com Sofia e Klara e que pode desencadear uma série de fatores que Sofia gostaria de levar para o túmulo com ela.

Assassinato, degradação, traição, um amor perdido no tempo... Sofia não queria reviver um passado cruel e injusto, mas era necessário voltar ao mesmo país de onde havia fugido há tantas décadas. Era necessário expor suas mais profundas memórias, seus mais obscuros segredos e vencer seus medos.

Leia mais no link > http://vocedebemcomaleitura.blogspot.com.br/2016/09/resenha-o-romance-inacabado-de-sofia.html

site: www.vocedebemcomaleitura.blogspot.com.br
comentários(0)comente



Ana Seerig 30/10/2016

O que me atraiu para O romance inacabado de Sofia Stern, de Ronaldo Wrobel, foi o cenário da Segunda Guerra Mundial, foi a Alemanha. Me atraiu ao mesmo tempo em que me deixou com um pé atrás. Minha experiência em terras alemãs me fez ver um lado da guerra que eu nunca tinha realmente entendido: a perspectiva alemã. Uma das minhas grandes decepções é que isso seja tão pouco retratado na cultura internacional. Na brasileira, então, é escassa. Foi esse fato que me deu receio - e depois alívio, seguido de alegria.

Wrobel traz uma contextualização fantástica sobre a Alemanha da Segunda Guerra. Sendo Sofia Stern mestiça, ele mostra sua personagem sofrendo os atos iniciais da ascensão de Hitler, como, na escola, ser considerada inferior por seu sangue impuro. Ao mesmo tempo, traz a família de Klara Hansen, sua melhor amiga, ariana pura, mas que em nenhum momento aceita as ideias xenófobas de Hitler. Hugo, irmão mais velho de Klara, aliás, é um dos rebeldes contra o regime nazista e se afasta da mãe e da irmã quando interpreta suas atitudes como apoio ao regime.

Todas essas histórias, do fim da década de 30, vem à tona quando Ronaldo (o personagem), neto de Sofia Stern, resgata o passado de sua avó através de um livro marrom, com suas memórias, e vai até a Alemanha para provar que ela tem direito à herança deixada por Klara à Sofia. Descobrir o que aconteceu com Hugo, preso no Campo de Concentração de Dachau por suas atividades ilegais, é outra das metas de Ronaldo - até porque ele seria uma ótima testemunha no julgamento da herança.

A leitura não é em momento algum extenuante, pelo contrário. É difícil parar de ler, já que a cada capítulo surge uma pulga atrás de nossa orelha, uma surpresa, um mistério. E o final de Wrobel fecha (ou aumenta?) muito bem essa atmosfera. Me deu uma alegria e um orgulho enorme saber que existe uma obra dessas na nossa literatura brasileira. Certamente vou buscar mais do autor.



site: http://www.oquetemnanossaestante.com.br/2016/07/o-romance-inacabado-de-sofia-stern.html
comentários(0)comente



Quel Fernandes 15/04/2017

O Romance Inacabado de Sofia Stern - Ronaldo Wrobel
Autor: Ronaldo Wrobel
Páginas: 256
Ano: 2016
Editora: Record
Gênero: Romance brasileiro
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Amazon, Saraiva
Livro cedido pela Editora para resenha
Nota:
Sinopse: Ronaldo Wrobel une o contexto histórico a uma trama repleta de cenas memoráveis e ironia fina, construindo um dos thrillers mais instigantes do ano. Ronaldo vive em Copacabana com a avó, Sofia Stern, que nasceu na Alemanha em 1919 e fugiu para o Brasil na véspera da Segunda Guerra. Certo dia, recebe o telefonema de uma juíza alemã às voltas com um processo judicial que pode torná-lo multimilionário. Com a descoberta de um diário, Ronaldo reconstitui a juventude da pacata senhora, revelando peças de um passado que envolve paixões, inveja, traições e dinheiro. Quando outros fatos vêm à tona, Ronaldo se depara com uma série de dilemas. Resta saber o que ele prefere: ficar rico ou fazer justiça.

Resenha: Primeiro livro que leio desse escritor.

Tenho me surpreendido muito e algumas decepções com livros brasileiros, mas este é um romance que tem muito suspense e de tirar o fôlego. Não tinha lido nenhum, assim.

Realmente fui surpreendida com tamanha façanha que o escritor usou.

A sinopse já diz um pouco sobre a história, porém o livro fica entre capítulo do diário de Sofia nos anos que ela viveu em Hamburgo e tudo o mais que aconteceu, bem como seu pai que a adotou mesmo sendo judia e católica na época e mesmo ele sendo um homem que perde a visão e continua batalhando para trabalhar e sustentar sua humilde casa e sua filha.

Sofia torna-se amiga íntima de uma alemã (Klara) e acaba enfrentando muitas coisas para provar que essa amizade é forte o bastante. Entretanto não é só amizade que as une. Ambas nutrem inveja uma da outra em diferentes coisas.

Amizade com o tempo se fortalece, mas Sofia apaixona-se por... por? Pelo irmão de Klara e ela vê um momento íntimo deles. O que não nada legal. Na verdade, que a desagrada, pois seu irmão não é lá muito fácil de lidar.

Ou seja, entre idas e vindas ao passado e o presente, tudo diverge. Será que Hugo está vivo? Será que Sofia está viva? Como a irmã de Hugo morreu? Será que essas joias foram deixadas para Sofia?

Só lendo essas e outras perguntas serão respondidas.

Tenho que dizer novamente que esse romance é fantástico. Ainda estou tentando achar uma palavra melhor para descrevê-lo, mas está difícil.

Super-recomendado.


site: http://www.eupraticolivroterapia.com.br/2016/10/resenha-o-romance-inacabado-de-sofia.html
comentários(0)comente



Compre pela capa 06/01/2018

UM ATRAENTE MISTÉRIO EM O ROMANCE INACABADO DE SOFIA STERN, DE RONALDO WROBEL
ENREDO

Alternando entre 2013 e o período pré Segunda Guerra Mundial, vamos descobrir junto com Ronaldo - nosso narrador - os segredos mais arrebatadores de sua amiga, companheira e avó Sofia Stern.

Sofia, já com a idade avançada, ao invés de vestir seu habitual pijama para assistir a novela, põe seu vestido de veludo vermelho e sai noite a fora. Quando seu neto, que mora com ela, percebe seu sumiço, a procura em todos os lugares que ela poderia estar, mas não a encontra. É então que ele resolve adentrar no quarto da avó e descobre um caderno envelhecido que contém, para sua decepção, apenas rabiscos em alemão e coisas sem sentido. Junto com o caderno, ele encontra um anel misterioso, com a sigla SS - que remete ao período nazista em que ela viveu em sua plena juventude, mas que pouco contou para ele.

Após voltar a procurá-la, ele a encontra cantando num bar perto de casa. Decidido a descobrir os segredos que a avó escondia dele, ele a interroga dizendo que encontrou seu caderno, mas ela nega a existência do mesmo. Ronaldo então coloca na internet todas as informações que possui de sua avó, na tentativa de descobrir algo sobre sua juventude durante o período nazista.

É então que um tempo depois, uma juíza alemã entra em contato com ele, para lhe informar que Sofia Stern herdou de sua amiga Klara Hensen milhões de reais, em jóias escondidas em um banco durante o período nazista, época de sua morte.

Ronaldo vai com a avó para a Alemanha, e ela finalmente se abre com ele, lhe contando tudo sobre sua relação com Klara. Junto com ele, descobrimos que Sofia vivia com o pai, que era judeu, numa Alemanha nazista. Quando conhece Klara, aos 16 anos, sua vida muda. Por ser judia, Sofia não tinha amigos na escola, e era habitualmente humilhada por sua descendência de "sangue sujo", mas assim que Klara, a aluna nova entra na escola, as duas viram melhores amigas. Apesar de Klara ser ariana pura, era pobre, o que contrastava com a vida rica que Sofia levava, porém humilhante por ser judia.

Por viverem na época nazista, e por serem de linhagens diferentes, as duas então são obrigadas a esconder a amizade. Após vários acontecimentos as duas se afastam, e Sofia começa um relacionamento com o irmão de Klara, Hugo Hensen, que é adepto a rebelião contra Hitler.

E é por isso que Ronaldo, tantos anos depois, tenta descobrir o paradeiro de Hugo. Ele é a única pessoa que pode provar que sua avó é a mesma Sofia, que herdou as jóias de Klara.

OPINIÃO

Por ser ambientado durante a Segunda Guerra, O Romance Inacabado de Sofia Stern possui o diferencial emocionante que todas as histórias ambientadas nesta época possuem. Aquele sentimento de que parece que essa época não aconteceu, tamanhas as atrocidades cometidas que eram consideradas normais.

O autor optou por contar a história de uma pessoa que sobreviveu a Guerra, deixando o enredo tanto misterioso quanto abalador. E ele consegue nos surpreender com sua escrita fluída, deixando a trama cada vez mais interessante.

Fazia tempo que não me deparava com uma trama que me puxasse tanto para dentro do livro. E o Plot Twist do final é simplesmente incrível e inimaginável.

E a capa é esplêndida. Fiquei chocada quando li várias pessoas dizendo que tinham odiado. Acho que é porque eu adoro desenhos geométricos. A diagramação também está muito boa. Um ótimo trabalho da Editora Record.

site: comprepelacapa.wixsite.com/home
comentários(0)comente



Sah 16/12/2020

Surpreendente
Não achei que a história seria tão boa. Em determinado momento o final se torna previsível, mas mesmo assim vale a pena. Emocionante e um tanto quanto surpreendente.
comentários(0)comente



Wolsey 13/01/2021

Leiam, leiam, leiam!!!!
Surpreendente! O autor transita perfeitamente entre Agatha Christie e Ken Follet. Reviravoltas até o último capítulo numa trama que viaja entre 2013 e o início da segunda guerra. Tive dificuldade em largar o livro. Excelente.
comentários(0)comente



16 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2