Doadores de Sono

Doadores de Sono Karen Russell




Resenhas - Doadores de Sono


25 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Lucy 09/06/2020

Doadores de sono não é um bom livro, mas também não é ruim. Tá eu deu 3 estrelas, gostei, mas não merece 5 e nem 4 estrelas.
Trata-se de uma epidemia na qual as pessoas deixam de dormir. Trish conta a história de Dori que acredito ser o intuito da autora com o livro: ela deixou se dormir e morreu
Agora eles conseguiram uma bebê, a bebê A para doar sono para os insones (pessoas que não dormem).
Surge o doador Q: ele fez doações, mas causou pesadelos em várias pessoas.
Fazendo uma comparação a outro livro "Os Sonhadores" que as pessoas caiam em um sono profundo e teve um final de como as pessoas acordariam, e eu amei o livro.
Doadores de Sono não tem exatamente um final, mas a autora quis fazer com a Trish que quis dar um destino melhor a outras pessoas do que teve sua irmã Dori.
E os capítulos eram pequenos.
comentários(0)comente



Chdaniely13 02/03/2020

O livro conta sobre uma epidemia que ocorre e muitas pessoas não conseguem mais dormir, mesmo estando extremamente cansadas.
Com isso, é criada a Corpo do Sono, uma organização sem fins lucrativos que coleta o sono de pessoas saudáveis para os que estão sofrendo de insônia.

Não consegui gostar nem um pouco desse livro.
Não tem nenhuma grande reviravolta e o fim é sem grandes revelações.
comentários(0)comente



Marcela.Silva 02/02/2020

Não é bom e nem ruim. Um livro que poderia ter uma história muito bem contada, porém achei que a autora teve um pouco de preguiça em desenvolver os personagens e o enredo. Acontece tudo muito rápido, muitos furos e de repente, fim.
comentários(0)comente



bloodymary 03/07/2019

Quando pesadelos são reais
Após sofrendo com insônia por algum tempo, me deparo com esse livro em um bazar com outras diversas obras, imaginei que era o destino e o levei para casa.
É um livro pequeno com uma leitura muito rápida, pelo menos até você perceber que a autora conseguiu fazer uma barriga em uma estória de apenas 166 páginas!
E COM CAPÍTULOS DE APENAS DUAS LINHAS!!
"- Oi - diz Jim.
- Oi - respondo. "

Temos a narradora nos explicando o que aconteceu com o mundo (EUA), seu trauma e como ela usa disso para manipular as pessoas, temos a apresentação sem desenvolvimento de personagens secundarios, ha toda uma descrição interessante e inicialmente parece que vai ter uma trama legal, mas de repente metade das coisas são deixadas de lado e o final é sofrível.
Admito que ter um Stephen King falando na capa pesou um pouquinho quando peguei esse livro nas mãos, por outro lado, todo mundo sabe como os finais de muitas estórias do King são bem meia boca (o que me fez pensar em como fui feita de trouxa, por minha própria pessoa).
comentários(0)comente



Tatiana 12/06/2019

Pode ser sufocante
Comprei o livro porque achei uma puta sinopse interessante e estava com um preço bem em conta.

A escrita do livro é densa e pesada, as vezes meio difícil de ler pelo tanto de metáforas, mas nem por isso deixa de ser boa. A protagonista passa por tantos dilemas e seus pensamentos são tão fáceis de seguir que ficou uma história bem interessante.

No começo foi um pouco difícil acompanhar pois a história não segue do começo, a protagonista vai contando primeiro do dia - a dia dela e depois somente o que aconteceu antes é contado.

Os pensamentos da Trish são tão pessimistas, inseguros e confusos que se torna sufocante ler muito tempo. Me pergunto se esse é um dos motivos pelo livro ser curto. Um livro commais páginas, com a trama explicada com todas as pontas presas ficaria pesado com a atmosfera que há?

Porém, meu único porém, é que essa história tem muito potencial mas terminou com muitas pontas soltas e sem um final definitivo. Seria essa mais uma forma de demonstrar o psicológico da personagem, abrupto ?

Um livro interessante, com uma premissa ótima, desenvolvimento bom, mas faltou algo.
comentários(0)comente



Monique 28/01/2019

Doadores de sono
Eu não sei como nem por que histórias como essa ficam entre as finalistas de prêmios Pulitzer. Esse negócio parece estranho demais pra ser literato.
Acho que é naquela vibe de literatura contemporânea que apenas as pessoas inteligentes conseguem ver a sua beleza. Tipo quadro de artes que apenas os sábios conseguem entender?
Essa leitura está nesse nível. Digo isso pelo fato de ficar entre os finalistas de um prêmio.
Se fosse só uma história que a Editora quer divulgar não teria falado tanto ai em cima.

A história decorre devagar e os capítulos são curtos (isso eu aprovei), porém a história deixa muito a desejar. Parece um mundo apocalíptico, mas não tão bem escrito.
Os personagens se desenvolvem rápido e, de repente, alguns tomam atitude que estão fora do contexto e a história se encurta.
Sei lá, não foi uma história boa pra valer um livro, acho que a escritora poderia desenvolver melhor a sua ideia e buscar autores com mais profundidade neste contexto para passar para o papel o que ela gostaria.
Sei lá.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Raquel.Euphrasio 20/05/2018

Não consegui me conectar.
comentários(0)comente



Michele 03/03/2018

Cansativo
Sabe quando o livro chama a atenção pela sinopse, mas quando você começa a ler vê que não tem nada a ver com o que falaram? Pois é este livro, com 168 página e demorei 2 semanas para ler... a escrita tediosa, uma história enrolada e cansativa, sem final. Foi uma decepção, pois esperava mais dele. Não recomendo a ninguém
comentários(0)comente



Kamylla Cristina 14/06/2017

Doadores de Sono, de Karen Russel
Doadores de sono é uma breve ficção que nos conta sobre uma epidemia que assola os Estados Unidos, a insônia. De uma hora para outra as pessoas simplesmente pararam de dormir.
O Corpo do Sono é uma empresa privada que recruta doadores de sono, através de pequenas doações de sonhos vidas são salvas. A recrutadora com os melhores números é Trish Edgwater, que perdeu a irmã para a epidemia.

“O que me destaca como recrutadora, dizem os irmãos Storch, é o fato de que a morte de minha irmã está eternamente fresca na minha memória; um choque, um ultraje. Não preciso procurar o pulso: essa veia continua aberta e à mostra. “

Para ser um doador, a pessoa passa por um teste e responde um questionário para saber se seus sonhos são aptos a serem doados. O questionário é basicamente sobre os possíveis pesadelos que possam assombrar seus sonhos. Dependendo de suas respostas seus sonhos são coletados e encaminhados para uma central de tratamento de sonhos, onde os sonhos serão tratados, purificados, refinados e distribuídos para os insones compatíveis.
Como a quantidade de insones é crescente a cada dia, mais e mais doadores são necessários. A suprema corte acaba liberando a extração de sonos de bebês, que são mais puros que os sonhos dos adultos. Trish é a sortuda que encontra a Bebê A. A primeira doadora universal, que tem um sonho tão puro que pode doar para qualquer insone. O maior problema do corpo do sono será convencer o Sr. Felix Harkonnen, o pai da Bebê A, que não aguenta mais ver a filha doar seus sonhos.
“O último dia da minha irmã se desenrolou sem levar em conta lua ou sol. Morreu acordada depois de vinte e um dias, onze horas e quatorze minutos sem dormir. Trancada dentro do próprio crânio, sem conseguir alçar voo. “

Outro problema paira sobre o Corpo do Sono. Um doador infectou várias pessoas com seu pesadelo indetectável. Sem saber a identidade do doador ele passou a ser chamado de doador Q. Seu pesadelo é tão real, que as pessoas que antes sofriam de insônia e queriam dormir, agora querem ficar acordadas. O pesadelo tem se espalhado como um vírus letal, tão forte que leva algumas pessoas a cometerem suicídio. Até conseguirem a cura para esse pesadelo, uma enorme turbulência afetará o Corpo do Sono.

Doadores do sono é um livro curtinho e com uma história bastante interessante. Epidemia de insônia, doação de sonhos, pesadelo viral, são itens bastante curiosos e me deixaram bastante curiosa para ler a obra. Infelizmente acabei me decepcionando um pouco com o livro. A escrita da autora é em primeira pessoa, o que gosto bastante, mas não funcionou muito bem nesse livro. Tornou a narrativa um tanto enfadonha. A personagem principal, a Trish, passa uma imagem de fraca e apagada numa história em que ela narra.
Apesar de não ter gostado da forma escrita da história, o contexto que ela traz foi muito interessante e gostei bastante da experiência de leitura.
comentários(0)comente



Sandro 17/02/2017

O mundo tem que lidar com uma epidemia de insônia. As pessoas necessitam de 'transfusões de sono' para sobreviver, correndo o risco de contágio pelo pesadelo de um doador, que se espalhou em uma parcela considerável dos receptores.
A história é narrada em primeira pessoa pela funcionária de um centro de captação de doações de sono. A protagonista possui alguns dilemas, sendo a morte da própria irma pela insônia o principal deles.
A leitura é fluida, o desenvolvimento da história a partir dessa premissa se dá de maneira simples e muitas das perguntas ficam sem respostas - ao menos respostas óbvias.
Ainda assim, achei intrigante e muito, muito interessante.
comentários(0)comente



Júnior 10/01/2017

Um dos piores que já li.
Olha, seguindo boa parte da maré desses comentários, informo que o livro é realmente RUIM. Ele não se propõe a contar uma história boa como diz na sinopse.

A história não tem começo e fim, o enredo não prende, os pontos abertos ficaram abertos.

Enfim, pra mim, um dos maiores fracassos literários que já li.

Não recomendo e digo mais: Fujam para as colinas se o vir na livraria.

Só a minha singela opinião.
Fabiano Baloo 10/01/2017minha estante
Uraaaa... nem chego perto desse livro!?


Júnior 11/01/2017minha estante
kkkkkkkk.... Fabiano, não compensa mesmo não... Eu demorei 8 dias pra ler um livro de 166 paginas... o que eh um absurdo.... De tão ruim que ele é... kkkkk


Sandro 17/02/2017minha estante
Haha to vendo que a maioria das pessoas não gostou mesmo desse livro. Engraçado que eu tive uma impressão bem diferente. Talvez o fato de eu ter insônia e pesadelos freqüentes tenha prendido a minha atenção.


Jeff Valerio 14/06/2018minha estante
Queria muito saber disso antes de gastar meu rico dinheirinho nele T-T
Mas de fato... não valeu nem o tempo que passei lendo ele. -.-'


Marcus 21/06/2018minha estante
Nossa ainda bem que vi esse comentários. O livro está na promoção na Saraiva de 45 por 25 reais e pela sinopse me atraiu muito. Mas 45 reais um livro de 168 páginas??? sem chances, até na promoção tá caro.
Vou ler na livraria sem comprar mesmo hehe




Matheus Fellipe 30/12/2016

A maior decepção literária dos últimos anos!
“[...] Má notícia pessoal: o relógio parou para a humanidade. O tempo logo será ele próprio anacrônico e, da forma que a nossa espécie o viveu neste planeta, deixará de existir. Terá fim a dualidade entre luz e trevas. Terá fim o dia vermelho ativo, a noite azul que se dissolve. A luz do sol já não é mais o catalisador da consciência, o que permite formar nossas personalidades, organizar nossas identidades sobre o travesseiro a cada manhã. Esses cientistas da televisão preveem “uma desertificação global de sonhos”. Logo, prometem, o distúrbio afetará a todos nós. O sono entrará em extinção. E, por fim, a não ser que encontremos uma forma de sintetizá-lo, teremos o mesmo destino.” — Pág. 18

Uma premissa diferente que grita por atenção, uma sinopse que nos incita a leitura, nos faz querer descobrir o que as poucas páginas ocultam, uma capa bonita e chamativa (na minha opinião) e um comentário de ninguém menos que o mestre Stephen King nos dizendo que “Doadores de Sono é um misto brilhante de ficção científica hard com fantasia e ficção científica clássica. Livro digno de um Prêmio Hugo.” Quem não se interessaria?

Eis o poder persuasivo do marketing, eles me fizeram crer que seria uma ótima leitura, e o que eu encontrei? Minha maior decepção literária dos últimos anos! Fazia muito tempo que eu não pegava um livro assim, com um enredo que tinha um grande potencial, com uma ideia inovadora (eu não conheço nenhum outro semelhante) e que simplesmente resultou num livro tão fraco que, quando você termina a maçante leitura, só quer dizer para todos que não percam seu precioso tempo.

Depois de lido, eu até levantei uma teoria: se o objetivo da autora era combater a insônia com esse livro, ela cumpriu com seu objetivo, pois em vários momentos durante a leitura eu peguei no sono. A autora sabe escrever, sua narrativa é bem desenvolvida, ela realmente tem potencial e talento. Mas acho que ela se perdeu no caminho, me parece que ela saiu para fumar um “baseado” com os amigos e continuou escrevendo, porque tem umas partes do livro que são verdadeiras viagens (Ex.: Campo de Papoulas, para quem ainda vai insistir na leitura), coisas que fogem demais da realidade, cenas psicodélicas em que você se perde, não sabe se aquilo realmente está acontecendo ou se você está delirando.

“[...] O pânico aumenta vertiginosamente. Janelas permanecem iluminadas até a madrugada, cada casa do país emoldurada por retângulos amarelos de luz como se bairros inteiros estivessem tendo uma reação alérgica à crise do Doador Q. Até mesmo as pessoas sem histórico algum de insônia ou de transfusões de sonhos ficam subitamente temerosas de se enfiar na cama.” — Pág. 63

Nem vou me ater em falar do enredo em si, a sinopse já expõe o suficiente, o livro até começa bem, mas da metade pro final (?) ele se perde totalmente. Mesmo o livro sendo curto, menos de 200 páginas com fonte grande, a leitura é um tanto cansativa e não rende, suas pálpebras pesam e você dorme, literalmente.

(?) Mas que final? O livro é neutro e ainda por cima não é concluído, tem um enorme final aberto. Farei uma analogia para tentar explicar: sabem quando há um grande acontecimento (digamos uma catástrofe) e a mídia começa a dar notícias a cada minuto e fazer diversas reportagens sobre o assunto... e depois de alguns dias deixa totalmente de lado? Eu tive a mesma sensação com essa leitura, a epidemia de sono está acontecendo, o livro relata uma parte dos acontecimentos por um tempo e simplesmente desiste de notificar, sem terminar o assunto.

Eu detesto falar mal de um livro, até cogitei não escrever essa resenha, mas achei de grande utilidade pública expor a minha opinião para que os leitores tenham uma ideia do que lhes espera. Claro, podem haver pessoas que irão amar o livro, mas sinceramente eu não recomendo a sua leitura. O livro recebe 2 estrelas.

site: http://leitornoturno.blogspot.com.br/2016/12/resenha-doadores-de-sono-karen-russell.html
comentários(0)comente



Duda 28/12/2016

Doadores de Sono, por Karen Russell
Uma epidemia de insonia esta assolando a humanidade. As pessoas não conseguem dormir e vão definhando lentamente, até que, por fim, morrem.

É a partir dessa premissa que somos apresentados a Trish Edgewater. Ela é voluntária da Corpo do Sono, uma organização que busca doações de sono para adiar a morte dos insones. Trish faz esse trabalho por um único motivo: sua irmã, Dori, foi uma das primeiras vítimas dessa devastadora epidemia, e por isso ela quer evitar que as pessoas venham a ter o mesmo fim.

Tudo estava indo bem na organização, uma doadora universal, a “Bebê A” como os membros da organização escolheram denominá-la para que sua verdadeira identidade, foi encontrada; a bebe tem o sono mais limpo e tranquilo que já se teve noticia, e por isso a procura por suas doações só aumenta a cada dia. Mas, como em todo o lugar onde esta havendo sucesso, aparecem pessoas para lucrar com a situação.

site: http://palavrasradioativas.com/resenha-doadores-de-sono-por-karen-russell/
comentários(0)comente



25 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2