Sonata em Auschwitz

Sonata em Auschwitz Luize Valente




Resenhas - Sonata em Auschwitz


37 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Daniela.Alvelos 28/05/2020

Apesar de já ter lido vários livros sobre o Holocausto, esse com certeza foi um dos mais pesados e que me tirou o sono, de pensar em quão desumanas as pessoas são e foram capazes de ser.
E o mais estranho é que por mais emoções horrorosas que ele tenha me trazido, eu não queria largar o livro, de tão fluida a história.
Me fez, com certeza, dar valor às pequenas coisas que muitas vezes nem vemos.
Super indicado.
comentários(0)comente



Alessandra.Rocha 05/05/2020

esse livro me ensinou a dar importancia as pequenas coisas, sobre a nossa liberdade e pensamento... simplesmente amei e super indico.
comentários(0)comente



Jaine Franco 19/04/2020

Esse romance histórico da Luize Valente é incrível! .


Ler sobre o Holocausto nunca é fácil. Então já vai se preparando.


Essa foi uma leitura que eu precisei em muitos momentos dar uma pausa, fechar o livro, respirar.
Todo o sofrimento gratuito realizado pelos nazistas é indigesto. A todo momento dá aquele nó na garganta.
Lembrar a crueldade que o ser humano foi (e ainda é, convenhamos) capaz de fazer a outos seres humanos é muito doloroso, e revoltante. "Aquele lugar era uma máquina de morte operada por sádicos. " .

Livros como esse são muito necessários, recomendo a todos. "Aqueles que não conseguem lembrar o passado estão condenados a repeti-lo."
comentários(0)comente



Mah Mac Dowell 02/04/2020

Bom
Sempre gostei de histórias no contexto da segunda guerra mundial. Contudo confesso que esperava um pouco mais desse, mas não deixa de ser uma boa leitura.


saraiva 02/04/2020

bem bom
não é meu estilo preferido de livro mas gostei bastante. acredito que é um livro mais adulto, mas adorei o final. muito triste (como todo livro sobre esse período) e bonito.
comentários(0)comente



Renato Kenji 18/02/2020

Sonata em Auschwitz
Livro muito bom! Como todo livro de segunda guerra, bastante intrigante e bem interessante pelo fato de detalhar bastante os momentos em Auschwitz. Literatura que prende bastante o leitor do início ao final do livro! Super recomendo!!!
comentários(0)comente



Tamires.Xavier 22/05/2020

Livro que me prendeu do início ao fim.
Sonatas em Auschwitz nos trás um pouco da história dos Judeus na segunda guerra mundial, esse é um dos temas de romance que mais gosto de ler, por mais que seja uma história fictícia, retrata como histórias de uma vida toda foi extinta por causa da maldade de pessoas sem coração.
Pessoas perdendo suas casas, suas conquistas de uma vida e que eram passadas por gerações, esposas separadas bruscramente de seus maridos, mães perdiam seus filhos e filhas, sere humanos sendo tratados como animais.
Um livro que trás reflexões para uma vida toda, momentos que fazem parte da história real de muitas vidas.
Será que as pessoas que sobreviveram a tudo aquilo, realmente deixou o passado de lado e conseguiu viver uma vida tranquila ou será que as sombras do passado voltavam para os perturbar?
Uma coisa é certa ninguém nunca vai conseguir esquecer o que se passou em auschwitz.
comentários(0)comente



Cristiane 25/12/2017

Sonata em Auschiwitz
Gosto muito de livros que retratam como as pessoas se sentiam e o que passavam nessa época. Livro escrito maravilhosamente bem e, apesar de ficção, trás uma história que poderia muito bem ter sido real... adorei! Lido em uma semana.
comentários(0)comente



Luiza 26/01/2018

Sonata em Auschwitz
Histórias da Segunda Guerra Mundial são sempre difíceis. Não importa qual seja o ponto de vista narrativo, sempre nos envolvemos (às vezes a tal ponto de não conseguir continuar com a leitura).

Conheci Luize Valente com Uma Praça em Antuérpia, e, por isso, quase surtei quando Sonata em Auschwitz chegou em minha casa. Apesar de saber que seria uma história cheia de sofrimentos, também sabia que teria a narração consoladora de Luize para me fazer aguentar até o final.

Amália é filha de um alemão que mora em Portugual desde os cinco anos. Passou sua passou parte de sua infância naquele país, e parte de sua adolescência em Moçambique, onde os pais foram exilados por se oporem ao regime de Salazar.

Em toda a sua vida, pouco (quase nada, na verdade) sabia da origem alemã do pai. Até então, ele nada falava, nem mesmo uma única palavra em alemão era proferida nas casas em que Amália e o irmão cresceram.

Isso muda quando, ao tirar o telefone do gancho para ligar para seu ginecologista ela escuta seu pai conversando, em alemão fluente, com a avó paterna que ela vira uma vez na vida, há muito tempo, e por um momento tão breve que ela mão se lembra de seu rosto.

Na conversa, ela escutou sobre Frida, a bisavó de quase cem anos que queria conversar com Hermann, seu pai, sobre o filho, avô paterno de Amália, oficial alemão que lutou na guerra pelo Reich.

É um choque de repente descobrir-se descendente de um nazista, uma ruptura em tudo o que ela conhecia até o momento sobre a família que a criou defendendo ferrenhamente o valor dos direitos humanos.

Assim mesmo, ela parte para Berlim e, em segredo, vai procurar a bisavó. A velha senhora desfia a história de sua família, do marido seguidor ferrenho de Hitler que se matou ao admitir que o sonho do império alemão estava extinto e de Friedrich, seu filho mais moço, o sensível e genial piloto que viu sua liberdade cair por terra após um acidente aéreo.

E, especialmente, Frida contou a Amália sobre a noite em que ele chegou em casa de madrugada carregando uma menininha recém nascida numa cesta. Haya, que nascera menos de dois dias antes no campo de concentração de Auschwitz.

Apesar de ter sido dado como morto, Frida tinha esperanças que Friedrich ainda estivesse vivo, no Brasil, após descobrir, nos pertences de seu pai (com quem tinha cortado relações antes da guerra), um cartão postal com a foto de Haya adolescente junto com sua mãe e, ao lado, uma partitura de piano com uma composição de Friedrich para a bebezinha resgatada.

A história foi contada, mas as perguntas ficaram. Perguntas sobre Friedrich, sobre Haya, sobre as ações do pai... E é com elas que ela vem para o Brasil. É com elas que ela se encontra com Haya e Adele. E é assim que Adele rompe o silêncio dos anos e, pela primeira vez, conta para a filha sobre o local de seu nascimento, e sobre o soldado alemão que salvou sua filha da morte em Auschwitz.

Não é uma história fácil de se ler. A todo momento, um bolo se forma na garganta quando se presencia, mesmo que somente pela leitura, o horror e a desumanidade sendo distribuídos tão gratuitamente. Fiquei pensando também como seria ver uma pessoa boa tendo que desfigurar seu próprio caráter para não sofrer as consequências por ajudar os alvos de um ódio infundado. Como seria saber que seus avós e/ou pais fizeram parte, mesmo que a contra gosto, dessa carnificina. Só pensar é arrasador.

É aqui que me explico ao definir a narração de Luize Valente como "consoladora". Suave e humana, ela parece sabe como afagar os corações partidos e espremidos depois (e até antes) das partes mais sofríveis da narração. Os sofrimentos vividos se alternam entre momentos ternos que mostram a força de pessoas que foram dizimadas por não caberem em um "ideal" estúpido de um homem louco.

A leitura de Sonata em Auschwitz é muito mais que recomendada.

site: http://www.oslivrosdebela.com/2018/01/sonata-em-auschwitz-luize-valente.html
comentários(0)comente



Alê 19/11/2019

Sonata em Auschwitz
Somente sensacional!
comentários(0)comente



Kari 25/11/2017

O que eu posso dizer sobre essa leitura? É que encontrei uma leitura incrível que vai muito além do que eu pude esperar!

Ao ler "Sonata em Auschwitz" o leitor sente-se transportado para além das páginas e se vê imerso em um turbilhão de sentimentos que extravasam pelos olhos em alguns momentos e nos fazem refletir sobre questões históricas e passadas, assim como presentes e talvez futuras!

A sinopse já é bem detalhada sobre o enredo, onde um bebê nasce em setembro de 1944 nas barracas de Auschwitz-Birkenau enquanto uma sonata é composta por um oficial alemão e com isso temos muitas décadas de histórias emocionantes, onde guerra, esperança, amor, dor, perda, encontros, desencontros e tantas outras coisas são descritas com maestria, profundidade e principalmente sensibilidade!

Para aqueles que curtem a leitura de histórias que trazem relatos sobre a Segunda Guerra Mundial, Nazismo e afins irá realmente se ver submersos nas páginas desse livro. Que fala um pouco sobre tudo isso, em relatos dignos de filme e grandes prêmios! Pois realmente remete o leitor ao passado e nos faz viajar junto à todos os personagens.


Não estou aqui para fazer um resumo da leitura que eu fiz, pois como eu disse, isso você pode encontrar com perfeição na sinopse. Mas para passar meus sentimentos sobre a leitura!

Então, o que posso concluir é o quão podemos nos surpreender com enredos que teoricamente "já lemos muito" a respeito e o quão fascinante cada leitura dessa pode ser e também "agregar" sentimentos indescritíveis!

comentários(0)comente



Deise.Maria 27/04/2020

Apesar de ser um livro fictcio, como tantos outros livros que traz essa temática sobre o holocausto e sobre um dos campos onde ocorreu o maior genocídio ja ocorrido em todo mundo, emociona e nos faz repensar sobre ate onde vai a crueldade humana, este livro ele fala do encontro de Amália, uma jovem descendente de uma familia de um oficial nazista que salvou um bebe judeu da morte e que vai em busca do passado de sua familia e da verdadeira história por trás desse salvamento.
comentários(0)comente



Fernanda 11/02/2020

Um livro que merece ser lido e sentido
Com certeza Sonata em Auschwitz é um dos livros mais profundos e comoventes sobre a Segunda Guerra Mundial, prendendo você do início ao fim. Os segredos das famílias vão sendo revelados no decorrer das páginas, porém há sempre mais a ser contado.
A autora foi incrivelmente detalhista tanto nos fatos históricos quanto nas emoções. Você consegue sentir as dores, a força, a indignação e a coragem de cada personagem.
Faz-nos questionar se não estamos cometendo os mesmos erros do passado ao fechar os olhos e não agir diante de tanta atrocidade no mundo. Faz-nos questionar que nível de humanidade temos/somos.
comentários(0)comente



Jefferson Vianna 27/06/2019

Aqueles que não conseguem lembrar o passado estão condenados a repeti-lo...
Emocionado, é como eu me sinto após a leitura de "Sonata em Auschwitz", da autora Luize Valente. Este foi o meu primeiro contato com a autora e fico feliz por ter tido uma impressão positiva logo no início. É incrível como um livro é capaz de nos modificar, me sinto diferente após a leitura deste romance tão impressionante, que por sinal foi muito bem escrito e fundamentado. A leitura é fluída, as cenas são bem descritas e apesar do tema ser delicado e por vezes difícil de ser abordado, Luize soube usar as palavras, a fim de conciliar as idéias para descrever de forma clara e objetiva os episódios marcantes do Holocausto e também da Segunda Guerra Mundial. "Sonata em Auschwitz" é um livro incrível, capaz de nos fazer refletir sobre a vida, a luta pela sobrevivência e a importância do perdão. Um livro que fala do amor como cura e da necessidade de conhecermos o passado para que não venhamos a repetir os mesmos erros. Leitura recomendada.

Quotes do livro: "A gente sempre acaba achando que a nossa dor e mais dolorida que a do outro.", "A riqueza de um homem se mede pela quantidade de lágrimas que ele extrai de outros homens em seu funeral" e "Aqueles que não conseguem lembrar o passado estão condenados a repeti-lo."
comentários(0)comente



Raquel Lima 27/11/2017

Triste...
Como vários livros sobre o nazismo este é um soco em nossa Humanidade ...a degradação humana pela ideologia da superioridade. O ser humano superando suas formas de ser idiota .
comentários(0)comente



37 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3