O Conto da Aia

O Conto da Aia Margaret Atwood




Resenhas - O Conto da Aia: graphic novel


7 encontrados | exibindo 1 a 7


spoiler visualizar
comentários(0)comente



Eunice 08/09/2019

Simplesmente incrível e arrebatador
Simplesmente incrível e arrebatador! Não conhecia a história ainda, mas depois de ler essa graphic novel, só estou mais instigada a ler a obra integral. A ilustração é incrível, equilibra a crueldade da narrativa com a delicadeza da aquerela. Trabalho incrível! Recomendo fortemente para quem ainda não leu o conto da aia ou para alguém que ainda vai ler, muito bom.
comentários(0)comente



Nanda {@talvezumaleitura} 21/09/2019

O Conto da Aia
Tão intenso e impressionante como quando assistir a série, tem algumas coisas diferente só. Mas nossa, surreal! Que arte linda!
comentários(0)comente



Blog De Bem Com a Leitura 08/11/2019

Offred já teve uma vida própria, independente. Já foi casada, teve uma filha, tinha um emprego, liberdade. Vontade própria. Offred tinha um nome. Mas agora, em seu atual posto, ela se chama Offred. E é uma Aia. Ela não tem mais qualquer controle sobre a sua vida. Tudo lhe foi tirado, tudo lhe é negado. Seu corpo? Não é mais seu. Suas vontades? São completamente ignoradas. Seu único propósito, aquilo para que serve, é engravidar. Se Offred não tiver filhos ela será uma Aia sem serventia e quem não tem serventia é descartado.

Na República de Gilead as mulheres são separadas por suas funções e para cada função é designada uma cor de vestido. As Esposas usam azul; As Marthas, verde; As Econoesposas – que são mulheres de homens pobres – usam vestidos listrados e de pano barato. Já as Aias, elas usam o vermelho, como a cor do sangue que as define. A única coisa que não é vermelha em seus trajes é a touca branca que tem a finalidade de impedi-las de olhar em volta e impedir que vejam seus rostos.

Alguma coisa aconteceu antes de tudo isso e fez com que o governo tomasse medidas drásticas. Gilead é um governo tirano, a religião severa e rigorosa dita as regras. Para salvar a população, as mulheres “precisaram” ser divididas em castas, a taxa de natalidade está baixíssima e as Aias são – supostamente – aquelas responsáveis por trazer ao mundo novas crianças. Mas a verdade é cruel. Elas são obrigadas a ter relações sexuais apenas para engravidar. Se a Aia engravidar, ela cumpre o seu dever, o filho nascido é arrancado de si no exato momento em que nasce e entregue à Esposa; se a Aia não engravidar, é transferida para outro posto, a Aia tem até três chances (ou seja, três postos diferentes) e se não engravidar em nenhum delas ela será descartada.

Offred já está em seu terceiro posto e precisa engravidar ou terá de enfrentar as consequências. As Aias não podem ler, escrever, falar ou sair do quarto sem permissão, não podem fazer atividades, ter coisas pessoais, amizades. Não podem nada. Apenas ficar em seus quartos esperando pelo dia em que o homem lhes chamará para terem relações sexuais a fim de engravidá-las. O posto atual de Offred teve uma Aia antes dela, o que deixa o clima ainda mais pesado. A Esposa do Comandante deixa claro que ela é a Esposa e Offred está ali apenas para gerar uma criança.

Não é permitido usar qualquer ou meio para que a Aia engravide, somente a Cerimônia. Mas muitas Aias percebem que o homem de seu posto é estéril e acabam burlando as regras para engravidar. O que é arriscadíssimo, pois caso sejam descobertas elas podem ser mortas. Para outros delitos, a punição pode ser enviá-las para as Colônias, lugares com condições péssimas de vida, com radiação, lixo tóxico, só podridão por todo lado.

Offred em breve terá a sua vida roubada de si novamente. Não saber o que acontecerá é ainda mais sufocante, ela não tem poder de escolha, não pode acabar com tudo. Só lhe resta esperar para descobrir o que vai ser. Qual será o seu destino.

*Resenha completa no blog > http://bit.ly/2Cq4Xf5

site: http://vocedebemcomaleitura.blogspot.com/
comentários(0)comente



Guardião 20/09/2019

Arte e história!
A graphic novel ficou incrível, a história e a arte juntos formaram um combo perfeito. Pelas partes que li do livro achei bem fiel! Está nos meus favoritos com certeza!
comentários(0)comente



Mhery 21/09/2019

Após ter lido a história original e acompanhado a série, comprei quase que de olhos fechados essa Graphic Novel lançada pela Rocco recentemente. Assim que tirei do plástico, pude notar o trabalho impecável que fizeram na composição do livro: as folhas o livro quando fechado formam um padrão em vermelho e preto, dá pra notar que arte do livro é bem feita logo na primeira folheada. Somente o material da capa que eu não gostei muito, é daquele tipo que se você passa o dedo, é possível notar a marca que o dedo deixou. Sobre a história, achei que casou muito bem as escolhas das artes com a forma que a história foi resumida, para essa adaptação. Senti o mesmo "peso" da história, tanto lendo a história original, quanto vendo a série, quanto lendo esta Graphic Novel. Os detalhes principais da história, pelo que lembro, permanecem os mesmos e todos são lembrados aqui. É perfeito pra quem quer saber da história, mas não tem tanta paciência ou tempo pra ler a história original. Enfim, não é um livro barato, mas vale a pena por conta do trabalho que foi feito para criá-lo. Recomendo.
comentários(0)comente



Priih | Blog Infinitas Vidas 10/11/2019

Uma edição incrível, especialmente para quem já leu o original
Não é fácil adaptar um livro denso em uma história em quadrinhos. O Conto da Aia é narrado em primeira pessoa por Offred, uma Aia, cujo fluxo de pensamento não é linear. Enquanto rememora o passado e tenta reconstruir o passo a passo vivido pela sociedade para chegarem até onde estão, Offred também narra o presente opressivo no qual vive. E apesar de não ser fácil retratar essas idas e vindas de maneira clara, a graphic novel consegue fazer isso mantendo a fluidez da narrativa. Algumas ilustrações falam por si só, com frases mais soltas que retratam a desconexão das memórias de Offred – bem como sua tentativa de se desconectar com o próprio corpo, para tornar a vida mais suportável.

Porém, obviamente, nem todos os detalhes da obra original têm espaço na graphic novel (não quero dar spoilers, mas tem um relacionamento importante, especialmente pelo caráter afrontoso, que ganha pouco espaço na HQ). Esse aspecto não chega a atrapalhar a condução da história, e mesmo o controverso (e chocante) epílogo aparece na graphic novel, ainda que de maneira condensada. É normal que algumas coisas precisem ser deixadas de fora quando uma obra é adaptada para os quadrinhos, e nesse caso os principais fatos foram mantidos e a história permaneceu coesa. Entretanto, a narrativa de Margaret Atwood é ímpar, e vale a pena conferir a obra original para absorver toda a intensidade de O Conto da Aia.

Por último, mas não menos importante: a edição em si está incrível. A capa é aveludada, há um marca-páginas acetinado e as laterais das páginas trazem um pattern floral lindo. Não poderia deixar de mencionar o vermelho, cor marcante da obra (a cor das Aias), que faz parte de todos esses detalhes que mencionei. E o que dizer das ilustrações? Renee Nault usa a aquarela e o vermelho vibrante como pilares em toda a graphic novel. O traço da artista é muito bonito e cada virar de página merece uma atenção especial, para absorver cada detalhe.

O Conto da Aia: Graphic Novel é uma obra imperdível pra quem já é apaixonado pela obra de Margaret Atwood, pela série The Handmaid’s Tale ou pra quem quer ter um primeiro contato com essa história impactante e necessária. Recomendo mil vezes!

Resenha e fotos no blog, te espero lá! o/

site: https://infinitasvidas.wordpress.com/2019/11/10/resenha-o-conto-da-aia-graphic-novel-margaret-atwood-e-renee-nault/
comentários(0)comente



7 encontrados | exibindo 1 a 7