O Arquipélago Gulag

O Arquipélago Gulag Aleksandr Solzhenitsyn
Aleksandr Soljenítsin


Compartilhe


O Arquipélago Gulag





Escrito clandestinamente de 1958 a 1967, o manuscrito de O arquipélago Gulag foi descoberto pelo KGB em 1973, na sequência da prisão de Elizabeth Voronskaïa, uma colaboradora de Soljenítsin que o dactilografava. Na sequência disso, Soljenítsin, que tinha sido galardoado com o Prémio Nobel em 1970, decide publicar o livro no exterior. Uma primeira edição em russo é publicada em Paris ainda em 1973 e depois finalmente a edição francesa, no verão de 1974. Soljenítsin fora entretanto preso, acusado de traição, despojado da nacionalidade soviética e enviado para o exílio, onde estará vinte anos, até ao seu regresso à Rússia em 1994.

Para realizar este extraordinário livro, Soljenítsin foi ajudado pelo testemunho de 227 sobreviventes dos campos do Gulag. O livro agora publicado pela Sextante, no âmbito do projeto de edição em língua portuguesa das principais obras do autor, é a versão abreviada, num só volume, preparada por Soljenítsin e por sua mulher, Natália, com o objetivo de tornar mais acessível este livro aos leitores estrangeiros e a novos leitores. Traduzida diretamente do russo por António Pescada, eis pois uma obra excecional, um livro de combate contra o totalitarismo de face estalinista, um livro que ainda hoje nos queima as mãos.

Não esqueçamos as palavras de Soljenítsin: «Devemos condenar publicamente a ideia de que homens possam exercer tal violência sobre outros homens. Calando o mal, fechando-o dentro do nosso corpo para que não saia para o exterior, afinal semeamo-lo.»

Literatura Estrangeira

Edições (1)

ver mais
O Arquipélago Gulag

Similares

(22) ver mais
Ensaios sobre o mundo do crime
Arquipélago Gulag
Gulag
The Gulag Archipelago 1918–1956

Resenhas para O Arquipélago Gulag (4)

ver mais
o supremo mal
on 4/2/20


Esta é, sem dúvida, uma das obras mais relevantes do século XX. E foi também um dos livros mais sinistros e apavorantes que li na vida. Levei mais de seis meses para vencer as 600 páginas desse tijolo de horror e ódio, e mesmo assim só porque da página 400 em diante, exaurido pela hedionda sombra do Gulag em minha consciência, me determinei a não tocar em outro livro até chegar ao fim deste (normalmente leio alternando entre três ou mais livros). Imagine ser despertado na calada d... leia mais

Estatísticas

Desejam151
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.7 / 22
5
ranking 77
77%
4
ranking 23
23%
3
ranking 0
0%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

44%

56%

Christian
cadastrou em:
22/04/2017 11:25:32