2666

2666 Roberto Bolaño


Compartilhe


2666





Lançado um ano após a morte do autor, 2666 foi considerado o melhor romance de Roberto Bolaño e, após receber críticas positivas no mundo hispânico, venceu o National Book Critics Circle Award nos Estados Unidos e foi eleito o livro do ano pela Time Magazine.

Maior sucesso latino-americano em escala mundial desde Gabriel García Márquez, Roberto Bolaño consolidou-se na direção contrária de seu predecessor, apresentando, em lugar da literatura fantástica que notabilizou o autor de Cem anos de solidão, um realismo cru, de humor sardônico e pessimista. É nessa chave que se desenrola 2666.

Fiel aos dois principais temas que atravessam toda a obra do autor chileno - violência e literatura -, o livro é composto de cinco romances, interligados por dois dramas centrais: a busca por um autor recluso e uma série de assassinatos na fronteira México-Estados Unidos.

A primeira história narra a saga de quatro críticos europeus em busca de Benno von Archimboldi, um escritor alemão recluso do qual não se conhecem fotos. Na segunda, há a agonia de um professor mexicano às voltas com seus problemas existenciais. O terceiro romance conta a história de um jornalista esportivo que acaba se envolvendo com crimes cometidos contra mulheres da cidade de Santa Teresa, no México (ficcionalização de Ciudad Juárez). Na quarta e mais extensa das partes do livro, os crimes de Santa Teresa são narrados com a frieza e o distanciamento próprios da linguagem jornalística das páginas policiais. E finalmente, na quinta história o leitor é conduzido de volta à Segunda Guerra, tornando-se testemunha do passado misterioso de Benno von Archimboldi.

Apesar do tamanho monumental - a edição espanhola de 2666 tem mais de mil páginas -, a trama enigmática mantém o leitor em estado de suspensão até as últimas palavras, quando só então o autor oferece a solução que permite compreender o conjunto do livro.

Recheado de reflexões sobre a natureza do mal, a relação entre cultura e violência e, de quebra, a situação do intelectual latino-americano, 2666 é um livro inteligente, surpreendente e de leitura fácil. Não por acaso, fez uma carreira tão assombrosa no contexto da crítica internacional e entrou para o rol dos grandes fenômenos literários da atualidade.

"O que Bolaño perseguiu e alcançou foi o romance total, colocando o autor de 2666 no mesmo time de Cervantes, Sterne, Melville, Proust, Musil e Pynchon."
Rodrigo Fresán

Ficção / Literatura Estrangeira / Romance / Romance policial

Edições (8)

ver mais
2666
2666
2666
2666

Similares

(23) ver mais
Os detetives selvagens
O Arco-Íris da Gravidade
 Arco-Íris da Gravidade
Roberto Bolaño : últimas entrevistas

Resenhas para 2666 (85)

ver mais
Uma obra excepcional.
on 22/2/23


São cinco histórias com temáticas diferentes, mas que se relacionam entre si. A primeira é sobre quatro amigos intelectuais de diferentes nacionalidades e que são fãs de um escritor alemão misterioso. Achei bem interessante, apesar de ter me dado muito sono sono ao lê-la. A segunda é sobre a vida do melancólico Amalfitano. Gostei bastante desta, principalmente sobre a parte do relacionamento dele com a Lola. A terceira também gostei muito. É sobre um jornalista afro-americano chamado Q... leia mais

Vídeos 2666 (2)

ver mais
2666

2666

Trecho Predileto do livro 2666, de Roberto Bolaño

Trecho Predileto do livro 2666, de Roberto Bo


Estatísticas

Desejam579
Trocam1
Avaliações 4.4 / 763
5
ranking 62
62%
4
ranking 24
24%
3
ranking 11
11%
2
ranking 2
2%
1
ranking 1
1%

46%

54%

Pedro
cadastrou em:
01/02/2009 20:47:38
Jenifer
editou em:
27/05/2021 18:16:59

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR