Fugitiva

Fugitiva Alice Munro


Compartilhe


Fugitiva





“Uma história de ninar, em que todos os detalhes eram importantes e precisavam ser acrescentados a cada vez, e isso com relutância convincente, timidez, risinho, que safada, que safada.” Trecho do conto que dá título à Fugitiva, coletânea de narrativas de Alice Munro, essa frase, calculada e ao mesmo tempo natural, sincera, sem amarras, poderia representar bastante, como um objeto visto por lente de aumento, a prosa da autora canadense: histórias de ninar, cheias de detalhes pessoais e próprios de intimidades, de momentos em que se está livre do olhar de um terceiro.

Vencedora do Nobel de Literatura de 2013, Alice Munro apresenta em Fugitiva as obscuras e frágeis fundações de relacionamentos, de descobertas juvenis ou tardias, de enfrentamento ou aceitação de mistérios no universo feminino. As mulheres de Munro, e especialmente neste livro, se encontram em constante questionamento: a idade, o trágico e o belo de correr atrás de um homem que acaba-se de encontrar no trem, a insegurança e o desejo em forças opostas na relação entre marido e esposa.

Cada conto se desdobra em movimentos que geram uma reação inesperada, como nas histórias de ninar, em que tudo reside calmamente até que surge o elemento desequilibrador. Que, mais do que pôr a própria narrativa em xeque, deixam cada personagem fora de órbita, atraídos e repelidos por forças que nem eles, tampouco o narrador, sabem a origem. O cenário, apesar de ser sempre o do norte canadense, se transporta para aquela esfera universal que faz de uma obra literária um clássico atemporal.

A tradução, de Pedro Sette-Câmara, buscou preservar o estilo conciso de Munro, tipificado por um realismo cru, mas subjetivo e sugestivo. As frases, conhecidas por serem intercaladas de intervenções narrativas que deixam rastros ao longo da jornada, ganham um ritmo acertado em português. Períodos pontuados milimetricamente, acompanhados por uma câmera bem de perto. “Eric ganhava a vida pescando camarão, e há muito tempo fazia isso. Ele tinha sido aluno de medicina. Isso acabou porque ele fez um aborto numa amiga (não numa namorada).” Poucos autores hoje têm esse domínio e sabem usar parênteses como o exemplo citado.

Contos / Ficção / Literatura Estrangeira

Edições (5)

ver mais
Fugitiva
Fugitiva
Fugitiva
Fugas

Similares

(14) ver mais
Ódio, amizade, namoro, amor, casamento
Falsos Segredos
Amiga de Juventude
Americanah

Resenhas para Fugitiva (13)

ver mais
fugitiva
on 9/12/13


Sobre o encantamento que experimentei ao ler contos de Alice Munro pela primeira vez já registrei aqui, ao falar sobre "Felicidade demais". Tentarei desta vez não adjetivar muito essa curiosa (ops!) escritora. Javier Marías já nos ensinou que é a boa literatura que explica um povo e uma época (e não os documentários, os romances históricos, os filmes documentais, o realismo forçado da literatura ruim). Há uma crônica recente dele onde este argumento é apresentado. Alice Munro alcança ... leia mais

Vídeos Fugitiva (8)

ver mais
Como ESCOLHER UM LIVRO!

Como ESCOLHER UM LIVRO!

LEITURAS de JULHO 2018

LEITURAS de JULHO 2018

A fugitiva e Voragem

A fugitiva e Voragem

Mulheres & Nobel de Literatura + SORTEIO | Dia Internacional de Mulher

Mulheres & Nobel de Literatura + SORTEIO | Di


Estatísticas

Desejam256
Trocam2
Avaliações 4.1 / 332
5
ranking 39
39%
4
ranking 42
42%
3
ranking 17
17%
2
ranking 2
2%
1
ranking 0
0%

19%

81%

Juci
cadastrou em:
06/05/2014 18:58:06