Quase Memória

Quase Memória Carlos Heitor Cony


Compartilhe


Quase Memória


Quase romance




Tendo o Rio de Janeiro das décadas de 40 e 50 como cenário, a história começa quando o autor recebe um embrulho sem remetente na recepção de um hotel cujo restaurante costuma freqüentar. A primeira reação é achar que se trata do original de um livro, como muitos que costumam parar em suas mãos. Mas logo os detalhes o surpreendem: a letra no envelope é a do pai morto há dez anos, assim como o nó no barbante e a cor da tinta da caneta. Inconfundíveis. Aquele objeto inesperado desencadeia em Carlos Heitor Cony lembranças do pai (Ernesto, jornalista, como o filho viria a ser) e dos tempos de menino.

Ao ativar a memória do autor, o misterioso envelope traz de volta sensações e sentimentos experimentados com o pai, como o cheiro de manga, a capacidade de sonhar, de viver a vida com entusiasmo, a alegria pura da infância, que transforma o ato paterno de soltar balões em algo de proporções heróicas. Com grande sensibilidade e contundência, Cony revisita também os sentimentos contraditórios da relação entre pais e filhos: aqueles momentos em que se alternam vergonha e orgulho, medo e respeito.



Lançado originalmente em 1995, Quase Memória marcou a volta de Carlos Heitor Cony à ficção de forma consagradora, depois de mais de vinte anos afastado da literatura.

Ponto alto na produção literária brasileira das últimas décadas, este romance explora o território entre a ficção e a memória a partir das reminiscências do autor sobre o pai morto. Nele, Cony mapeia minuciosamente a relação pai e filho: os sentimentos contraditórios, as alegrias e tristezas que não se esquecem, o afeto incondicional e, acima de tudo, a cumplicidade.

Ficção / Literatura Brasileira

Edições (8)

ver mais
Quase memória
Quase memória
Quase Memória
Quase Memória

Similares

(3) ver mais
Um pai e duas filhas
Quase Memória
Quinze anos: a juventude como ela é

Resenhas para Quase Memória (32)

ver mais
ORFÃOS
on 21/5/10


Resolvi fazer uma resenha um pouco diferente, sair um pouco do padrão chato das resenhas em geral (não todas), e contar a história do livro. Não a que se passa dentro dele, mas a história dele próprio. Antes de Quase Memória, a outra única criação de Cony que eu tinha lido era um conto chamado "O Crime e o Burguês". Li e reli, indiquei e "reindiquei" inúmeras vezes em um período de aproximadamente cinco anos. O conto, recheado de inteligência e um finíssimo bom humor, sempre foi um do... leia mais

Vídeos Quase Memória (2)

ver mais
Quase Memória - Carlos Heitor Cony

Quase Memória - Carlos Heitor Cony

Quase memória, de Carlos Heitor Cony

Quase memória, de Carlos Heitor Cony


Estatísticas

Desejam133
Trocam47
Avaliações 4.0 / 940
5
ranking 36
36%
4
ranking 35
35%
3
ranking 22
22%
2
ranking 6
6%
1
ranking 2
2%

33%

67%

Lissa
cadastrou em:
28/01/2009 18:35:31