O Grande Gatsby

O Grande Gatsby
4.04417 3758




Resenhas - O Grande Gatsby


273 encontrados | exibindo 16 a 31
2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 |


Geisy 28/07/2016

Quem quer dinheiro?
Você já sonhou em ser rico? Os Estados Unidos dos anos 20 eram o paraíso dos novos ricos, homens que de uma hora para outra se tornaram milionários e gastavam sem controle, acreditando que aquela prosperidade jamais acabaria. Naquela época, os Estados Unidos passaram a ser a grande potência mundial, tendo cerca de 50% de todo ouro mundial. Tiveram um forte crescimento econômico pós-Primeira Guerra Mundial e inúmeras inovações tecnológicas estavam a venda: Eletrodomésticos, rádio, cinema, vitrola, automóveis, etc.
Eis o chamado Sonho Americano, de se tornar rico independente da sua linhagem na Terra Prometida chamada EUA. O que as pessoas esqueciam é: qual o preço que se paga por um sonho?
O grande Gatsby (publicado em 1925) é a obra-prima de Francis Scott Fitzgerald. O livro conta a história de Jay Gatsby, um homem que muda de nome na tentativa de reconquistar Daisy, sua antiga paixão, que o abandonou para se casar com alguém mais rico. De forma misteriosa, o humilde oficial do Exército se transforma em um ricaço que dá festas extravagantes todos os dias em sua mansão. Tudo é contado pelo ponto de vista do vizinho de Gatsby, Nick Carraway, um aristocrata falido e primo de Daisy, que vai para Nova York trabalhar no mercado financeiro para tentar mudar de vida.
Em quase cem anos de sua publicação, o romance teve adaptações para cinema, teatro e ópera e arrebatou milhares de fãs, entre eles, J. D. Salinger. O autor Fitzgerald nunca escreveu uma biografia, mas temos suas cartas pra ler e podemos dizer que ele foi, ao mesmo tempo, alguém que viveu a loucura dos anos 20 e que também soube se distanciar o suficiente daquela realidade para fazer um relato tão incrível do homem da época.
Como estudante e professora de Literatura, digo: o mais importante é COMO se conta uma história e não O QUÊ é contado. Quantas histórias de amor e traição você conhece? Agora, quantas você diria que são realmente de qualidade? Na superfície, O Grande Gatsby trata-se de uma história de amor, mas na verdade é também uma história de sonhos e desilusões, de idealismo e materialismo. De um homem romântico que deixa para trás sua origem e seus valores em busca de um sonho juvenil, mas que acaba por não encontrar nada além de hipocrisia e cinismo naquela metrópole rica, moderna e inquieta. Do jeito mais difícil, ele descobre que o sonho americano quase nunca se realiza e, quando se realiza, não é da forma que a gente queria. O preço que se paga é alto demais. E não é possível voltar ao passado. Fitzgerald vê e antevê uma sociedade fútil e materialista que receberia um golpe na cara logo logo na crise de 1929 ou, mais recentemente, de 2008. Ao construir um narrador com essas características (que se diz imparcial, é um moralista), Fitzgerald, mais do que contar uma história, descreve uma sociedade em mudança, tendo como protagonista dois românticos que vivem em uma época de desilusões e de grandes transformações na cultura dos Estados Unidos.

DUELO LITERÁRIO
Vídeos toda sexta-feira/domingo sobre Livros, Quadrinhos e Artes em geral!
Blog: http://dueloliterario.blogspot.com.br/
Canal: https://www.youtube.com/channel/UCIlG3BiKp7E7OU7cITrE-vg

site: https://www.youtube.com/channel/UCIlG3BiKp7E7OU7cITrE-vg
comentários(0)comente



Luísa 17/07/2016

Um clássico que vale a leitura!
O Grande Gatsby foi escrito por F. Scott Fitzgerald e foi publicado pela primeira vez em 1925. A história se passa em Nova York e em Long Island, no verão de 1922. Ela é narrada por Nick Carraway, primo de Daisy Buchanan e vizinho de Jay Gatsby. Gatsby é um milionário que ficou famoso pelas festas que aconteciam em sua casa. Porém, apesar de toda essa popularidade causada pelas tais festas, ninguém sabia muito sobre seu passado, o que aumentava muito os rumores sobre a origem de sua fortuna.

Nick passou a frequentar as festas e, mais tarde, descobriu que Gatsby só mantinha estas festas na esperança de que Daisy, o grande amor de sua vida, fosse a uma delas por acaso. Em meio a tudo isso, Nick acaba se tornando um intermediário para ajudar com que Gatsby se encontre, casualmente, com sua prima Daisy. Mas é claro que a história não é tão simples assim, afinal Daisy é casada com Tom Buchanan há 5 anos e ambos têm uma filha juntos. Sem contar que estamos falando de algo que estava acontecendo nos anos 20, período em que as pessoas viviam muito de aparências.

Foi tão bom ler o livro sem saber muitos detalhes da história, que eu acho que vou parar por aqui antes de soltar algum spoiler. A riqueza de detalhes com que Fitzgerald descreve as cenas transformou o texto em algo muito bonito de ser lido. Você consegue se sentir dentro da história. Muitas vezes me peguei com vontade de reler o trecho que eu tinha acabado de ler só para poder apreciar mais uma vez todo aquele ambiente ou sensação que estavam sendo descritos. Muito legal.

Eu, que não conhecia a história antes de começar a ler, achei o final do livro bastante surpreendente. Uma crítica à sociedade em que vale a pena pararmos um pouco pra pensar sobre o nosso próprio comportamento diante das demais pessoas. O desfecho do livro também nos traz uma lição: Se mantivermos sempre a esperança, poderemos alcançar o inalcançável.

site: http://luisadrumond.com.br/2013/10/livro-o-grande-gatsby-de-f-scott-fitzgerald/
comentários(0)comente



Thai Mafra 16/07/2016

O Grande Gatsby é o retrato da sociedade luxuosa e desregrada dos Estados Unidos dos anos 1920. Com o fim da Primeira Guerra Mundial e o aumento das exportações para a Europa, os Estados Unidos viram um período de forte crescimento econômico, com queda nos preços dos bens de consumo e aumento do crédito. Esse avanço na economia impulsionou o ideal da "American Way of Live", que pregava a vida, a liberdade e a busca pela felicidade. As pessoas então passaram a se lançar num consumismo exagerado e a uma tentativa de enriquecimento rápido na bolsa de valores. A vida dos ricos, com suas festas regadas a jazz e muita bebida, passou a ser cobiçada por todas as classes sociais.

É nesse contexto que o jovem Nick Carraway, recém-chegado da guerra e ansioso para ganhar a vida em Wall Street, se muda para West Eggs, em Nova Iorque. Em uma casa imponente do outro lado da baía, moram sua prima Daisy Buchanan e o marido Tom. E vizinha ao chalé simples de Nick, está a mansão luxuosa do misterioso Jay Gatsby, um homem famoso por dar festas grandiosas das quais pouco participava. Embora as portas da mansão de Gatsby fossem abertas a todos, poucos presentes eram realmente convidados para as festas, e nenhum parecia saber quem de fato era Gatsby e qual a origem do dinheiro que pagava todos aqueles luxos.

Aos poucos, Nick vai adentrando na vida social de Nova Iorque e na vida pessoal dos personagens da trama. Começa a sair com Tom e descobre que o amigo trai Daisy com a mulher do mecânico. Também acaba sendo convidado para uma das festas de Gatsby e descobrindo quais eram as reais intenções por detrás das festas grandiosas do milionário.

Gatsby e Daisy haviam sido namorados há vários anos. A guerra e outras complicações na vida de Gatsby, no entanto, acabaram por separar os dois. Certa de que jamais reencontraria Gatsby, Daisy acaba se casando com o abastado Tom Buchanan. Mas Gatsby nunca desistiu de reencontrá-la. Todos os eventos que aconteciam em sua casa tinham como objetivo atrair a atenção de Daisy. A cada vez que Gatsby abria a porta da sua casa para estranhos, esperava que sua amada aparecesse, para que os dois pudessem retomar a história de amor que fora interrompida anos atrás.

Tocado pela história de amor - e talvez fazendo vista grossa por conta das traições de Tom - Nick acaba concordando em ajudar Gatsby e Daisy a se encontrarem às escondidas. Mas o que Nick, Gatsby e Daisy vão acabar descobrindo é que o passado não pode ser mudado, e que cada acontecimento na vida de alguém traz consequências que não podem ser evitadas.

Ao mesmo tempo uma crítica social e um autorretrato, O Grande Gatsby é hoje considerado a obra-prima de Fitzgerald. Sua crítica à vida desregrada e inescrupulosa da sociedade norte-americana dos anos 1920 acaba sendo, talvez, uma autocrítica do próprio autor, uma vez que Fitzgerald possuía todos os hábitos que questionava.

Certamente, dentre todos os livros que já li, esse foi o que mais me surpreendeu positivamente. Comprei-o num impulso pela beleza da edição, uma capa dura lindíssima coberta com uma capa plástica que reproduz o cartaz da adaptação para cinema de 2012 (e como resistir a um livro com Leonardo DiCaprio na capa?). Dentro do livro, temos um encarte com fotos de Fitzgerald e sua mulher Zelda, bem como imagens das muitas adaptações para cinema.

Achei que iria deixar o livro guardado na estante, intocado, porque nunca me interessei realmente pela história. Mas quando resolvi pegar para ler, acabei "pagando a língua" e me encantando com a história. Talvez ela tenha me tocado tanto por eu não ter criado nenhum tipo de expectativa em relação à leitura.

Resenha completa na Sociedade dos Leitores Compulsivos


site: http://www.sociedadedosleitores.com.br/2016/07/resenha-o-grande-gatsby.html
comentários(0)comente



Mandy 09/07/2016

O Grande Gatsby
Nick é um personagem pouco ativo no livro em primeiro momento, apenas narrando coisas que observa dessa vida totalmente oposta a sua, grandes festas, jogos de amor e dinheiro, ostentação e a podridão da sociedade da época, podridão essa que ficava escondida na tapeçaria das mansões. Entre sua narração sobre os acontecimentos da vida de Gatsby, temos uma leve visão da vida paralela de Nick, seu envolvimento amoroso com a bela Jordan e o fato dele ser o único a saber do segredo de todos e ainda permanecer imparcial na hora de julgar suas atitudes...

site: http://www.pequenosvicios.com.br/2013/07/resenha-o-grande-gatsby-f-scott.html
comentários(0)comente



Sanoli 07/07/2016

Surtei Postei!
Agradecemos a todos que nos acessaram!
:)
Bjs

site: http://surteipostei.blogspot.com.br/2016/06/f-scott-fitzgerald-o-grande-gatsby.html
comentários(0)comente



Jessica 28/06/2016

o grande gatsby e suas lições de vida
Simplesmente porque eu não gosto de romances melosos, (tipo Nickolas Sparks) no máximo li “A Culpa é das Estrelas” de romance no último ano. Já vou adiantando que o Grande Gastby é um romance que não termina com um “felizes para sempre”, logo não crie expectativas de finais convencionais. Isto é o que torna o livro incrível!

Ter um Gatsby na vida é o sonho de muitas meninas por aí! Um cara que faz de tudo para te reconquistar, que depois de anos do fim do relacionamento só tem olhos pra você. Que compra uma mansão do lado da sua e dá festas com a esperança de você aparecer algum dia. (que fofo!) Mas este também foi o maior erro de Gatsby: viver um amor platônico que não é correspondido da maneira esperada.
RESENHA COMPLETA NO BLOG

site: https://relicariodepapel.wordpress.com/2015/11/15/resenha-pocket-o-grande-gatsby-voce-escolhe/
comentários(0)comente



Maria Fernanda 25/05/2016

Quase não é lá.
Eu sempre fui fascinada por Fitzgerald, pela figura dele e a pessoa que ele foi. Mas, curiosamente, nunca lera nada escrito por ele, apenas sobre ele.

Que O Grande Gatsby é um clássico, todo mundo sabe. Seja porque é a obra prima de um grande autor, seja porque funciona como um relato histórico espetacular... É um livro bem cotado. Mas, sei lá... Não é um enredo que possui uma finalidade, digamos assim, sabem? Você lê. Você compreende. Você termina. Você reflete. Você fica "tá, e daí?"

Não me entendam mal, por favor! Todo o drama do livro é maravilhoso e a escrita de Fitzgerald é SUBLIME. Sem contar que ele é famoso por ter retratado a vida boêmia dos anos 1920 com precisão e sinceridade; o que muito estimo pois sou louca por História. É só que não tem muito para onde correr... Não consigo encontrar um jeito melhor de explicar do que com "sei lá."

Para não acabar me enrolando mais ainda, vou me ater ao que importa: que narrativa triste! Vendo o filme eu já ficava bem pra baixo, mas, ao ler as palavras do autor e entender melhor a estória, caí de cara no fundo do poço. Fiquei com um nó tão grande na garganta quando concluí a leitura... Senti uma dor quase palpável. Parecia que eu estava sofrendo por alguém real e não por um personagem fictício. Ai, gente, me deixa, sou sensível mesmo.

site: http://instagram.com/_bookhunter
Adri.Lückmann 21/08/2016minha estante
Minha opinião foi resumida nessa sua...nada de tão magnânimo mas me.deixou meio depre também. .hehhe




Sil 20/05/2016

A HISTÓRIA DE UMA HOMEM QUE CONSTRUIU TODA UMA VIDA POR AMOR
Olá,

faz frriooo!! Adoro dias assim ♥ Vamos ao que interessa:

Jay Gatsby, quando jovem, não pôde se casar com sua amada Daisy, por ser de uma classe inferior. A mocinha acabou se casando com um atleta milionário. Seu casamento porém, não é muito feliz: seu marido possui uma amante, que de vez em quando resolve incomodar o casal.

Gatsby, agora inexplicavelmente podre de rico, promove festas espalhafatosas para atrair a atenção de sua querida Daisy, na esperança de que ela vá aparecer em uma delas. Quando enfim se reencontram, ele tem o desafio de reconquistar e convencer sua querida, de que é o melhor para ela, de que poderá fazê-la feliz.

O livro é narrado pelo vizinho de Gatsby, o Sr. Carraway, que por uma feliz coincidência, é primo de Daisy. Com o tempo, o Sr. Carraway acaba profundamente envolvido no caso de amor dos dois, e fica extremamente cansado das confusões de ambos.

Um clássico espetacular escrito pelo norte americano F. Scott Fitzgerald (adorooo esse sobrenome). Um livro com personagens muito interessantes. Uma crítica á sociedade consumista. Uma linda história de amor.

Amo ♥

site: http://www.colunadovale.com.br/a-historia-de-uma-homem-que-construiu-toda-uma-vida-por-amor/
comentários(0)comente



Caren Gabriele 26/04/2016

O Grande Gatsby
Outro daqueles crimes que cometo e depois imploro perdão: Assisti o filme (2013) muito antes de ler o livro. Para ser bem exata, nas férias de junho de 2014. E eu me lembro, com exatidão, de como me apaixonei por ele. Principalmente porque, na época, tinha aula de literatura com a melhor professora que jamais imaginei encontrar, e ela simplesmente não parava de falar sobre a queda da visão do tempo como algo circular, na pós-modernidade o tempo é elíptico. Então, da pra entender como eu viajei bastante assistindo esse filme. E como eu me arrependo de ter levado tanto tempo para devorar o livro.


"Sua ilusão tinha-se projetado além dela, além de tudo. Ela lançara-se ao seu sonho com uma paixão criadora, acrescentando-lhe incessantemente alguma coisa, enfeitando-o com todas as vigorosas plumagens com que deparava. Quantidade alguma de ardor ou de entusiasmo pode competir com aquilo que um homem pode armazenar em seu fantasmagórico coração."


O texto é considerado um clássico da literatura norte-americana, e não é para menos. A história que se passa em 1922 (alô Modernismo!) é uma critica ferrenha ao American Dream, principalmente num período pós Primeira Guerra Mundial, quando a sociedade se desfazia no caos e tentava, a todo custo, se recompor e readequar depois das mudanças provocadas pela mesma.

Um dos detalhes mais interessantes da obra e que vale ser comentado aqui, é a escolha do autor sobre como conta-la. Ao invés de usar o usual narrador observador, ou deixar o próprio Gatsby contar a sua história, ele passa a palavra para Nick Carraway, um narrador personagem que também é observador -e por acaso, escritor- o que permite ao texto uma infinidade de floreios literários que tornam a leitura fácil e, é claro, muito me agradam.

Mas deixando de lado a parte teórica, o que encanta mesmo nesse livro é o seu personagem principal. Numa sociedade impregnada pela amoralidade e egoísmo, Gatsby talvez seja o ultimo dos românticos. Beirando quase a ingenuidade, o amor do protagonista por Daisy, mulher por quem move céus e terras, é absoluto, obsessivo e por vezes, nocivo.

Não, eu não sou louca. É que, como pessoa que adora literatura, eu vejo nesse queridíssimo personagem principal, o confronto entre o romantismo idealizador e a modernidade que tenta, a todo custo, romper com essa tradição que já não cabe mais. E eu não poderia deixar de falar daquela que representa essa ruptura, é claro.

Deisy é o retrato do próprio conflito. Ela o ama, ou o amou o suficiente para não se esquecer como era. Mas agora mais velha, casada, com uma filha, um esposo e uma vida com todos os caprichos que foi ensinada a querer, vê-se diante da escolha entre viver uma grande aventura e se livrar da depressão que a vida infeliz a levou, ou continuar na segurança de saber que, por pior que se sinta, sua vida é perfeita como a de outras jamais foram.

Gatsby ainda nos faz refletir sobre a ideia de que tudo é valido para conseguir nossos objetivos, os meios não importam, desde que consigamos alcançar o fim tão almejado. Em sua bondade para tudo que envolvesse a sua amada ou que pudesse o ajudar a se aproximar um pouco mais dela, Gatsby se perde em meio a atos ilícitos e péssimas companhias que, no fim, não valem tanto a pena.

Mas esses são só alguns pontos que me chamaram a atenção na história, e me fizeram a amar como a poucas outras ao longo dos anos. O Grande Gatsby não é só uma boa história, é um ótimo livro, escrito de maneira que faça os olhos do leitor escorregarem pelas linhas com suavidade e no fim das duzentas e poucas páginas, sentir-se mergulhado no drama do infeliz homem que se atreveu a, sobre todas as coisas, amar.


"Durante algum tempo, esses devaneios proporcionavam uma válvula de escape à sua imaginação; eram uma sugestão satisfatória da irrealidade da realidade, uma promessa de que o rochedo do mundo se apoiava com segurança sobre uma asa encantada."


F. Scott Fitzgerald foi um escritor, romancista, contista, roteirista e poeta norte-americano. É considerado um dos maiores escritores americanos do século XX e suas histórias, reunidas sob o título Contos da Era do Jazz, refletiam o estado de espírito da época. Foi um dos escritores da chamada "geração perdida" da literatura americana.

site: http://palavra-insana.blogspot.com.br/2016/04/o-grande-gatsby-f-scott-fitzgerald.html
comentários(0)comente



Bella 19/04/2016

O Grande Gatsby
Clássicos e mais clássicos nesse site minha gente!

O clássico de hoje é O Grande Gatsby, o livro foi lançado em 1925 por F. Scott Fitzgerald e é conhecido como uma grande crítica ao American Dream ou Sonho Americano em tradução literal, ele se passa no verão de 1922 e é narrado não por Gatsby e sim por Nick Carraway que irá se tornar um grande amigo do senhor Gatsby.

O mais interessante no livro, além da crítica é claro, é o pano de fundo, os Estados Unidos da América que com a Primeira Guerra Mundial estavam a todo vapor, uma economia próspera, uma alta sociedade regada a cigarros, bebidas e festas, quem estudou um pouco de história sabe que tudo isso irá ruir depois com a crise de 1929.

Nick é um jovem que se muda para estudar e conhece o Grande Gatsby, mal sabe ele que o ilustríssimo senhor irá trazer alguns problemas para a sua vida, mas antes disso Gatsby irá convidá-lo a muitas festas, irá fazer com que conheça muitas pessoas e com certeza o dará um verão inesquecível.

Um personagem memorável no livro é a querida Daisy, prima de Nick e com um marido que a traí descaradamente ela terá importância no desenrolar da trama e com certeza, ao menos espero, vocês irão ficar tão surpreendidos quanto eu fiquei com a história da moça.

O livro trata de sentimentos, da relação: dinheiro x poder, e de outros assuntos interessantes, se você quer entender melhor o livro pode escutar:

O Grande Gatsby, Projeto X

site: https://heyvamosfalar.wordpress.com/2015/12/18/o-grande-gatsby-alma-leitora-13/
comentários(0)comente



Conchego das Letras 11/04/2016

Resenha completa
Olá, pessoal, tudo bem?

Passei algum tempo sumida por conta das eventualidades da vida, mas estou de volta com muitos clássicos para vocês!

Hoje irei falar de um livro que é muito conhecido e se você nunca ouviu falar do livro em si, certamente já ouviu falar pelo menos do filme. É um clássico muito bom do escritor norte-americano F. Scott Fitzgerald e se passa na década de 20, num pós Primeira Guerra Mundial, onde a sociedade americana está vivendo um nível sem precedentes de prosperidade , assim como a sua economia. Já conseguiram adivinhar? Pois é... O livro de hoje é O Grande Gatsby.


O enredo gira em torno do aspirante a escritor Nick Carraway, que se muda para Nova Iorque em busca de novos ares, deixando seus negócios em Midwest. Nick é um rapaz sonhador e tem infinitos desejos; é admirador da riqueza e do glamour da sociedade, apesar de não se conformar com o materialismo. Enfim, é um típico rapaz americano e as únicas pessoas que conhece na cidade são Daisy e seu marido, Tom Buchanan.

Numa certa tarde, em Long Island, ele recebe um convite para participar de uma das animadas festas de seu vizinho. Até então, Nick não tem ideia de quem ele seja e nesta festa fica conhecendo o famoso Gatsby, cuja fortuna vem de "fontes" desconfiáveis, questionadas por todos os seus convidados. As festas de Gatsby são animadíssimas e, mesmo com a proibição da bebida, nelas esta não faz falta. Todo o glamour do vizinho, a princípio, assusta Nick, mas ele acaba conhecendo Jay Gatsby mais intimamente e eles se tornam amigos.

Nick se sente muito bem em ter a atenção daqueles de que todos falam e numa tarde em que vai tomar chá com a prima, Deisy, uma de suas amigas, uma atleta, chamada Jordan lhe fala que Deisy e Gatsby já se conheciam e em um episódio mais a frente, descobrimos que Jay Gatsby só mantinha essas festas luxuosas na esperança de se encontrar com Deisy, uma vez que toda a sociedade faz questão de frequentar sua casa.

Assim, Nick se compromete a realizar este encontro, uma vez que descobre que Tom Buchanan trai sua prima com uma mulher casada, chamada Myrtle, E por regras do blog, não posso falar mais sobre o enredo em si, pois isso seria spoiler e não podemos dar spoiler!

O que posso dizer? O livro é bastante leve, apesar de ser um clássico, a linguagem é bem acessível e flui muito bem. Gostei da constituição dos personagens, mas senti que algo deixou a desejar no final e é por este motivo que não dei cinco estrelas. Parece que foi muito rápido e os motivos dos personagens não me convenceram.

Eu gosto muito de Nick, acho que ele realmente é um excelente narrador-personagem, mas sinceramente, odeio Deisy! Gastby é incrível, nós conseguimos sentir a profundidade dele, mesmo pelo ponto de vista de Nick. Ele é um homem que já viveu de tudo e não se importa com o que dizem dele, mesmo que algumas acusações absurdas como ser um 'gangster" circule abertamente entre os convidados de suas festas. O que me incomodou nele é essa obsessão por Deisy.

O fim, fim, foi surpreendente para mim. Eu realmente não estava esperando e fiquei com o coração na mão! Acho que ele traz uma mensagem super importante para nós: que a sociedade só se impota com aparências, riqueza e luxo e não mais com a amizade, pois as pessoas não consideram os demais.

CURIOSIDADES:

01 - O grande Gatsby teve cinco adaptações para o cinema e a mais recente, com Leonardo di Caprio na pele de Gatsby, ganhou dois Oscars: um por Melhor Direção de Arte e outro por Melhor Figurino,

02 - O filme é bem fiel ao livro, o que foi um ponto bem positivo para a adaptação, garantindo, assim, o seu sucesso absoluto.

03 - Amanda Seyfried e várias outras atrizes foram cogitadas para o papel de Deisy, mas ele acabou ficando com Carey Mulligan, após o diretor, Luhrmann, mostrar sua audição para os executivos da Sony Entertainment que ficaram impressionados com o comando que a atriz tinha sobre o personagem.


Enfim, é por aqui que eu fico, pessoal! Espero que tenham gostado da resenha e que ela os encoraje a ler este clássico americano, ou mesmo assistir ao filme, de verdade, vale muito a pena!

Abraços e até a próxima!

(Esta resenha foi escrita pela colaboradora e autora Letícia Godoy)

site: http://conchegodasletras.blogspot.com.br/2016/04/resenha-o-grande-gatsby-f-scott.html#more
comentários(0)comente



Tamires 02/04/2016

O Grande Gatsby
"Em meus anos mais vulneráveis de juventude, meu pai me deu um conselho que jamais esqueci: Sempre que tiver vontade de criticar alguém ele disse -, lembre-se de que ninguém teve as oportunidades que você teve." (p. 65)


O Grande Gatsby, romance escrito por F. Scott Fitzgerald e publicado originalmente em 1925, é um livro incrível! Uma leitura que você começa sem dar tanta atenção mas que poucas páginas depois já não consegue parar de ler.

Nosso narrador é Nick Carraway, observador atento de uma sociedade materialista e fútil do pós Primeira Guerra, em que a proibição das bebidas alcoólicas enriqueciam os contrabandistas e muitos viviam o sonho americano. Seu vizinho, Jay Gatsby, é um milionário excêntrico que promove, constantemente, grandes festas em sua mansão. Ninguém sabe sobre as origens da fortuna de Gatsby ou sobre ele próprio, mas todos adoram suas festas. Ficamos sabendo, um tempo depois, que a prima de Nick, Daisy Buchanan, teve um envolvimento amoroso com o milionário quando este não podia ostentar tantos luxos, e que ele nunca a esqueceu.

Gatsby é um personagem apaixonante, meu velho! (quem já leu, vai entender a expressão). Você se envolve em seu mundo de ilusão, com as suas camisas nunca usadas e seus livros nunca lidos. Sua vida é um castelo de areia e seu objetivo é chamar a atenção de sua amada com coisas que ele imagina que ela considera importante. Mesmo desconfiando que o resultado pode não ser dos melhores, você torce por Gatsby, pois ele simplesmente merece a nossa torcida.

Em uma sociedade deslumbrada com o luxo e sem um pingo de moral, uma pessoa como Gatsby está fadada a solidão. Felizmente, ele encontra em Nick Carraway não só um cúmplice para se encontrar com a sua amada Daisy, mas um amigo verdadeiro, pois embora estivesse inserido de certa maneira naquela sociedade, Nick a desprezava.

A história é bem curtinha e de leitura rápida, mas deixa reflexões valiosas para nós, leitores: expectativas muito altas podem ter consequências trágicas, portanto, é sempre bom ter limites ao colocá-las em outra pessoa.

O Grande Gatsby não foi muito popular na época de sua publicação, em 1925. Hoje, é considerado um clássico indispensável da literatura norte-americana.


Sobre a edição da Penguin Companhia
Particularmente, gosto muito das edições da Penguin Companhia, embora os livros não tenham orelha... Em O Grande Gatsby, temos uma longa introdução feita por Tony Tanner, um crítico literário inglês falecido em 1998, cujo trabalho inspirou a Universidade de Cambridge a incluir em sua matriz curricular os primeiros cursos sobre literatura americana. O texto, apesar de muito bom, é recheado de spoilers, inclusive de outros livros. Portanto, o ideal é partir para a história de Fitzgerald, a partir da página 60, e ler a introdução posteriormente.


site: http://www.tamiresdecarvalho.com/resenha-o-grande-gatsby/
comentários(0)comente



Laís 01/04/2016

Muito bom!!!
Gente, venham conferir minha resenha no meu blog ;)

site: http://sopadeletrinhasblog.blogspot.ch/2016/04/o-grande-gatsby-f-scott-fitzgerald-1925.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Filipe.Pereira 23/02/2016

Da Literatura clássica tu tira muito da escrita do autor, são estetas da linguagem, monstros do estilo; mas no quesito enredo, as obras clássicas nos enchem de tédio com romances repetitivos, onde há um esquema central já manjado por todos. Há melhores do Fitzgerald. Mas não é um mal livro. A crítica o considera o maior romance do ´seculo XX. Putos safados! Pode ser um dos maiores estilos da prosa inglesa, mas não o melhor livro de um século inteiro.


É ISSO.
comentários(0)comente



273 encontrados | exibindo 16 a 31
2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 |