Doce Vingança

Doce Vingança Nora Roberts
Nora Roberts


Compartilhe


Resenhas - Doce Vingança


51 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


ONEIZA 01/08/2018

Doce Vingança é um ótimo livro, escrito pela rainha do romance. Nele, Nora Roberts nos coloca a par das diferenças religiosas, culturais e políticas entre os povos islâmicos e os ocidentais. Também surpreende ao nos mostrar a face sombria de Hollywood, com uma história de decadência artística e ruína moral. E, por fim, nos presenteia com mais uma irresistível história de amor. Recomendo a leitura, pelo simples prazer de ler uma história bem contada.
comentários(0)comente



Nalu.Oliver 25/04/2017

Doce vingança
O melhor livro que já li em toda a minha vida,amo,amoo
Joyce Oliveira 03/11/2017minha estante
A Adrianne chega ser irritante quando tenta manter a distância do Phillip?




Grasielle 22/01/2017

Perfeito como Nora Roberts
Sem palavras para essa obra maravilhosa. Você vibra pela personagem. Sente raiva e dor por ela... é um daqueles livros que te puxa para dentro das páginas e te transformam. Adrianne me lembrou muito Tracy Whitney, personagem do magnífico Sidney Sheldon em Se houver amanhã. O tipo de personagem que amo: forte, bela, misteriosa e vingativa e tudo isso mantendo sua feminilidade com um poder único.
Suka Rosário 19/05/2018minha estante
Nunca tinha parado pra ver q realmente elas são parecidas




Miss 29/08/2016

Lindo
Lindo
comentários(0)comente



Laine 08/06/2016

Lindo!
Primeiro livro da Nora que leio, será que comecei pelo certo? Não tenho certeza, mas essa história me conquistou. Dividido em 3 partes temos a vida da realeza e do outro lado a de ladrões de joias, quase um conto de fadas com muitas tristezas pelo caminho. Phoebe era uma estrela de cinema que se apaixonou e se casou com Abdu o Rei de uma país do Oriente Médio, mudou toda sua vida para se adaptar aos seus costumes rígidos, ganhou uma presente lindo O Sol e a Lua, um colar com uma pérola e um diamante e teve uma filha, Adrianne e foi aí que tudo mudou, ela sofreu de todas as formas possíveis nas mãos do Rei e Addy ver tudo isso e sofre junto, o que só aumenta o ódio dela pelo pai e sua vontade de vingança. Muita coisa acontece não vou falar por que surpresa é tudo nesse livro. A autora descreve com muitos detalhes cada fase da vida de Adrianne o que as vezes irrita porque as coisas demora a acontecer, mas a contraponto você fica mais ligado aos personagens que tem suas personalidades bem construídas.
O que mais gostei no livro foi Adrianne, uma mocinha que é sua própria heroína (e minha) e não precisa de nenhum homem pra fazer sua vida andar, não que eu não goste do mocinho, que quer ser mais que um herói e sim o parceiro de Addy, andar lado a lado sabe?! Philip ai meu coração ele é tão lindo, esses dois é mais que química perfeita. Sentir falta de um epílogo, mas indico muito esse livro, por conta de alguns detalhes 4 estrelas.
comentários(0)comente



Camila A. Meireles 24/01/2016

Este é o melhor da autora que eu li com o mínimo de capacidade intelectual para entendê-lo, de modo que só o apreciei melhor na releitura quase uma década depois.

MARAVILHOSO.
comentários(0)comente



Andréia 18/02/2015

Perfeito!
Já li esse livro várias vezes, foi um dos primeiros adultos que eu li. Me apaixonei por ele! Penso que a forma que foi escrito, a história em si, tudo te cativa, faz com que você queira ser a Adrianne, e ser amada pelo Philip. O enredo foi muito bem pensado, a descrição dos lugares foi impressionante, me senti dentro da história, enfim, só posso dizer que esse livro marcou minha vida, SEMPRE que me pedem o nome de um livro que eu indicaria, o primeiro livro que me vem a mente é Doce Vingança. Amo ele e recomendo para quem quiser ter uma leitura super rica!
Patricia 29/12/2015minha estante
Adoro este livro, um dos meus preferidos!




Lovinha 15/09/2014

Um romance lindo demais! Nora Roberts nos instiga, surpreende, alucina, desconcerta, nos despedaça (mas depois junta os cacos). A mocinha Adrianne, uma princesa (no sentido real mesmo) esconde um segredo de família e sua mãe (uma atriz americana que se apaixona e casa com um muçulmano). Elas sofreram horrores no início da trama,e o vilão? O pai (um sheik poderoso e lindo). Ela alimenta um forte desejo de vingança contra aquele que destruiu sua infância e a felicidade de sua mãe. Para realizar seu intento, Adrianne concebe um plano que envolve um fabuloso colar de família. A princesa corre perigo (de vida e liberdade), mas se fortalece, embrutece e fica cada vez mais esperta. Tem personalidade e luta pelo que quer.
É só na fase adulta de Adrianne que entra o mocinho, Fhilip (também ricão e lindo), começam a se envolver depois de um encontro inusitado; o amor por ele poderia fazer ela desisitir do tal plano e desviá-la de seu objetivo?
Fran 25/05/2017minha estante
undefined




Camila Melo (A Bookaholic Girl) 27/03/2014

Simplesmente Nora Roberts !
O meu primeiro livro de Nora Roberts e logo me apaixonei desde a primeira página, acabei o livro em um dia e meio, porque a história é simplesmente fascinante.

O livro começa com a história da ex atriz americana Phoebe que quando mais nova decide casar-se com Abdu, o rei de Jadir e com ele teve uma filha chamada Adrianne. Diante das crueldades do marido
devido à imposição dos homens às mulheres naquele país, Phoebe foge com a filha para os Estados Unidos para começarem uma vida nova.

Traumatizada Adrianne começa uma vingança por tudo o que o seu pai causou na sua vida e da sua mãe. Apesar de ser uma jovem muito bonita, Adrianne não confia nos homens e não consegue se relacionar com eles.

O livro vai mostrando as características de Adrianne e todo o plano que a jovem possui até chegar ao seu objetivo principal: fazer o pai sofrer tanto quanto ela e a mãe sofreram.

É impossível não se comover com os dramas e traumas sofridos não só por consequência das atitudes do pai Abdul, mas também pela vida que sua mãe Phoebe tem.

Eu super recomendo e apesar de ser um livro médio, em termos de volume, é surpreendente o valor e o conteúdo da história. Simplesmente demais. Nora Roberts me conquistou.
comentários(0)comente



Leitora Voraz 04/03/2014

RESENHA DO LIVRO DOCE VINGANÇA
RESENHA: DOCE VINGANÇA

O Sol e a Lua:

A mulher que o tiver experimentará a grandeza de uma rainha.

O cofre que o guardar desafiará as mentes mais sofisticadas do crime.

Mas cuidado: conta a lenda, que por todas as mãos que passou, deixou um rastro de sangue e ruína.

Era uma vez ......

Uma linda americana de cabelos da cor do fogo e olhos da cor do mar. E um lindo príncipe do deserto gentil e romântico.

Assim começa nossa história. Phoebe Spring era uma atriz de Hollywood, no auge de sua carreira, amada por seu público e dona de uma beleza espetacular. Exercia um fascínio nos homens e inveja nas mulheres.

Nunca pensou que, um dia, teria a vida das mocinhas que representava nos filmes. Mas teve. Encontrou, na vida real, um rei de verdade: Abdu - o Xeique de Jaquir!!!!

Mas algo deu errado, o sonho quebrou:

O que fazer quando você sabe que tem que ir embora, mas você não quer ir? Que daria tudo para ter sido diferente e voltar aos bons tempos? Você quer fugir de quem ele é hoje, mas quer abraçar quem ele foi ontem? E quando enfim se liberta, descobre que está presa para o resto da vida a ele? Pois seu coração não consegue desistir dele. Ficar dói, mas fugir também dói. Não há saída: não há ninguém para quem voltar, sua vida anterior não existe mais, foi esquecida; e não há ninguém por quem ficar, o príncipe dos contos de fada, nunca existiu, era só uma fantasia vendida pelas telas do cinema.

Adrianne, sua filha, a mantinha viva, enquanto, ao mesmo tempo, a ausência daquele Abdu que conheceu a matava. As duas faces do amor: o amor que salva e o amor que destrói.

Era uma vez ......

Uma linda princesa chamada Adrianne. Ela vivia em um castelo de verdade, coberta de joias e de proteção.

Mas algo estava errado, pois sua mãe não era feliz:

O que fazer quando, ainda criança, descobrir nos olhos de sua mãe uma tristeza profunda? E encontrar nos olhos de seu pai a rejeição? Era apenas uma garotinha quando teve que cuidar de um adulto cheio de traumas, em um mundo que ela não entendia, era uma estranha.

E quando se viu sozinha, jurou vingança por todo o horror que testemunhou sua mãe passar
ao lado do rei. Addy tinha um plano e por muitos anos esperou sua Doce Vingança....

Mas todo plano tem falhas. Addy não esperava por aquele homem charmoso e enigmático, Philip Chamberlain. Não estava preparada e não sabia o perigo que ele representava.

Philip se surpreendeu com um sentimento que não conhecia. Addy, com o coração ferido, cega pela dor e pelo medo, não iria permitir que ele se aproximasse.

Era uma vez ......

Um gatuno. Mas não um gatuno qualquer, leitores. Ele circulava pelas altas rodas da sociedade mais poderosa do mundo: os ricos sem coração!!! E escolhia suas vítimas, aquelas que não mereciam carregar, em seus pescoços, as pedras mais preciosas que a natureza já esculpiu.

Era chamado por: O Sombra!!!

Depois de ter roubado milhões de dólares em joias, era o ladrão mais procurado pela Interpol. O capitão Stuart Spencer o perseguia há anos e nunca conseguiu nem chegar perto dele.

Ele não tinha como imaginar, mas a “sombra”, que não deixava rastros, estava se preparando para o maior feito da sua carreira.....

E viveram felizes para sempre.....

Phoeb nunca viveu esse final e nem Abdu. Mas Adrianne sim: no balanço geral, estava cheia de cicatrizes e com uma história fantástica para contar, ao lado daquele que roubou seu coração......

O Cantinho abre o coração:

Alguém já ouviu falar de Nora Roberts?

Não sei se já perceberam, mas ninguém indica seus livros, as pessoas indicam a autora, como se ela fosse uma unanimidade.

Por muito tempo coloquei seu nome em minha lista e hoje a espera chegou ao fim. Não me arrependi.

A autora revela logo nas primeiras páginas quem é Philip. Depois, através de um flashback, Philip nos apresenta sua vida, o momento em que conheceu Adrianne e sua relação com “O Sombra”.

E temos, durante a leitura, um jogo perigoso: Adrianne querendo realizar sua vingança, “O Sombra” sendo caçado e Philip no meio de todos os acontecimentos.
Mas se me perguntarem sobre o que é a história, eu respondo: é sobre o amor!!!

O amor do Rei Abdu por Phoebe: por ela, desafiou sua cultura e arriscou seu trono. Mas quando a vergonha caiu sobre o seu teto, puniu Phoebe por ter sido fraco e ainda amá-la.

O amor de Phoebe pelo Rei Abdu: por ele, abandonou seu país e renunciou a tudo que acreditava, submetendo-se às regras de um mundo novo. Mas esse amor se transformou em uma droga: aos poucos destruía seu organismo e aumentava sua dependência.

O amor de Phoebe pela filha: por ela, arriscou tudo, inclusive a própria vida. Ultrapassou todos os limites e não suportou.

O amor de Adrianne pela Phoebe: por ela, fez o impossível: virou gente grande quando ainda era uma criança, se dedicou a ser seu porto seguro e enfrentou o inferno para salvá-la.

O amor de Adrianne pelo Rei Abdu: por ele, viveu dez anos de sua vida em função de uma vingança. Mas o que ela não admitia, é que, no fundo, era só uma garotinha assustada implorando pela atenção de seu pai.

E, então, entram em cena Adrianne e Philip, que são surpreendidos por um sentimento maior do que eles mesmos, impossível de controlar. E a autora nos brinda com humor, charme e muitas cenas de amor!!!!!

Ela não podia permitir que ele entrasse em sua vida, não suportaria perdê-lo. Ele não poderia deixá-la só, não suportaria perdê-la. Ambos arriscam tudo só para ficarem juntos.

Pontos altos do livro:

Eu estou completamente, apaixonada por Philip Chamberlain!!!! A autora criou um romance que não é meloso (olha que eu adoro romances melosos), ele é inteligente, sedutor, engraçado, intenso e ao mesmo tempo um romântico. Ele em nenhum momento desistiu dela.

E não poderia esquecer das cenas de Adrianne com sua avó Jiddah. Vocês não fazem ideia do tamanho desse amor!!! Impossível descrever em palavras. A avó faz uma participação pequena, mas definitivamente, inesquecível!!!!

Meu primeiro contato com a autora: gostei muito da narrativa, adorei a história e não senti as 472 páginas passarem. Mas não foi uma história impactante, a ponto de consagrá-la.

site: http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/2014/02/resenha-do-livro-doce-vinganca.html
Hel 15/10/2016minha estante
Melhor resenha que eu li deste livro!




Belle 19/02/2014

Mais uma dose de Nora, por favor?
Ok, essa resenha foi difícil. Demorei séculos para começar a rascunhá-la e perdi as contas de quantas versões dela eu fiz. A questão é que, em meio a tantos livros maravilhosos da Norinha (ainda pretendo apresentá-los à série Mortal e à Trilogia do Círculo), este conquistou um lugar de destaque no meu coração e eu não sabia como dividir isso com vocês da maneira certa.

Em Doce Vingança, Nora nos mostra todo o seu talento ao mergulhar fundo em uma cultura absolutamente diferente e nos apresentar às consequências do fanatismo religioso. Adrianne, Princesa de Jaquir – um país islâmico do Oriente Médio, governado por seu pai, o Rei Abdul –, cresceu com sua mãe, Phoebe, lhe contando histórias sobre o lugar de onde viera e onde era uma grande estrela do cinema: o Ocidente. Para a pequena Princesa, os lugares que a mãe narrava e costumes como mulheres dirigindo, não tendo que usar burca e falando com homens que não fossem da família ou seus maridos, não passavam de fantasia. Adrianne era feliz no harém, mas, sabia desde sempre, que a mãe não era.

Certa noite, ainda muito pequena, Adrianne presenciou o próprio pai estuprar a mãe e entendeu o motivo da infelicidade dela. Mesmo criança, ela sempre soube que o pai não a amava, mas, sempre sentira uma mescla de amor e medo pelo homem imponente que era Abdul. Entretanto, naquela noite, todo o amor de Adrianne morreu enquanto percebia a dor da mãe e o que restou foi o ódio e o medo. Aos cinco anos, Adrianne deixou de ser criança.

Acontece que o Rei Abdul, fascinado por Phoebe, resolveu fazer dela sua Rainha e, assim, a cortejou e a conquistou, fazendo com que ela abandonasse toda a cultura ocidental e abraçasse a religião do marido, mesmo sem ter muito conhecimento sobre todas as práticas. Aquele que parecia um casamento perfeito e repleto de amor, transformou-se num inferno para Phoebe, quando ela deu à luz uma menina e não um menino. E, para piorar, ela teve complicações que a tornaram estéril. Apesar de Abdul ter estudado no Ocidente, ele é um homem absolutamente preso aos ensinamentos muçulmanos e viu a esterilidade de Phoebe como um castigo por ter virado às costas para sua religião e feito dela Rainha do seu povo. Ele a acusa de tê-lo seduzido, quando ele é quem fora atrás dela, completamente apaixonado pela linda mulher nas telas de cinema.

Quando Adrianne cresce, Phoebe se vê encurralada. Abdul vai mandar a menina para um internato na Alemanha até que ela esteja pronta para se casar e isso a deixa apavorada. Acontece que Phoebe só suportou todos aqueles anos de humilhações, surras e estupros para proteger e garantir a felicidade da filha, mesmo que à custa da própria sanidade. Então, em um plano arriscado e desajeitado, ela foge desesperada de volta para a América, onde encontra abrigo com sua melhor amiga, Celeste. Mesmo a salvo de Abdul, Phoebe jamais conseguiu refazer a própria vida, a carreira... E, para sua própria humilhação, jamais deixou de amá-lo.

Conforme os anos foram passando, Adrianne viu a mãe definhar até morrer e isso alimentou seu ódio e seu desejo de vingança. Aos 25 anos, ela está pronta para fazer o pai pagar por toda a dor que causou a Phoebe. Ela passou dez anos planejando cuidadosamente o que faria para ter o Sol e a Lua, um colar de inestimável valor com o qual Abdul presenteara Phoebe no casamento e que, por lei, pertencia a ela, mas, que ele se recusara a entregar após o divórcio. Enquanto se prepara para executar o plano, Adrianne se esconde atrás de uma máscara de socialite (ela é uma espécie de it girl dos anos 80/90), envolvida em obras de caridade e muito dinheiro. A Princesa Adrianne de Jaquir se transformou em uma mulher linda e inacessível. Ao menos até Philip Chamberlain aparecer em sua vida.

Philip é um notório ladrão de jóias reformado, que trocou de lado e passou a trabalhar para a Interpol; afinal, nada melhor para pegar um ladrão do que um outro ladrão. Ele é bonito e elegante e, apesar de não ter nascido na classe privilegiada, sabe caminhar por ela muito bem, obrigada. E é numa festa dessa classe, enquanto seguia a pista de um ladrão tão bom quanto ele, conhecido apenas como “O Sombra”, que Philip encontra Adrianne. Ela o fascina imediatamente e ele não perde tempo para se aproximar... Já Adrianne, apesar de manter sua máscara de “mulher de gelo”, pela primeira vez na vida, se sente atraída por alguém, e ela sabe que precisa manter distância para não correr o risco de se perder.

Só que Philip é determinado e vai atrás dela, ao mesmo tempo em que a busca pelo “O Sombra” o leva cada vez mais perto de Adrianne. Enquanto ela faz de tudo para se manter afastada, acaba metendo os pés pelas mãos e trazendo Philip para mais perto do que qualquer outro já esteve. Agora, ele não vai deixá-la fugir e quer ser parte essencial dos planos de vingança de Adrianne. Assim, os dois partem para Jaquir com um plano perigoso em mente. Perigoso apenas para o coração da Princesa...

Doce Vingança foi o único livro que eu consigo lembrar que não teve nada de minimamente irritante, ou chato na história! Os personagens são absolutamente fascinantes, até mesmo os mais odiáveis! A única coisa incômoda é a questão do fanatismo religioso, mas, por questões óbvias. A intenção da Nora era nos deixar desconfortáveis com a situação das mulheres em Jaquir. Não vou me aprofundar nesse assunto, porque eu não conheço muito do Islamismo para fazer considerações e nem sou ignorante a ponto de desrespeitar a religião alheia...

Só que como mulher ocidental, não dá pra não se indignar com muitos dogmas expostos no livro. E, cara, a Nora simplesmente arrasou com isso. Como eu disse, não conheço muito sobre a religião, mas, acredito que, como escritora, ela tenha se preocupado em ser realista nesse ponto, tenha pesquisado e escrito com base nos ensinamentos do Corão. Então, meus singelos parabéns à ela pela riqueza de detalhes em todos os sentidos: religiosos, culturais, de hábitos etc. Ela conseguiu nos deixar incomodados e com raiva da cultura e, ao mesmo tempo, fascinados. Mostrou-nos os dois lados do islamismo: o fanático e o moderado. E deixou claro que a religião, em si, não é algo ruim e cruel, mas, é dominada por homens cruéis os quais acreditam que as mulheres são seres impuros, que não têm controle sobre sua sexualidade e, por isso, precisam dos homens para “protegê-las de si mesmas”.

Doce Vingança é absolutamente lindo! O Philip é lindo! A Adrianne é linda! E eles dois juntos... Caramba, é sensacional! Eu tive que fazer um esforço enorme para não colocar o meu trecho favorito do livro aqui, para não soltar spoilers e frustrar vocês, mas, preciso dizer que, se um dia houver uma crise no casamento de vocês e a possibilidade de um divórcio se apresentar... Façam isso ao estilo muçulmano (ou seria “Jaquiriano”???), aperfeiçoado pelo maravilhoso Philip Chamberlain.


site: http://www.itcultura.com.br/2014/01/doce-vinganca-nora-roberts/
comentários(0)comente



Larissa Martins 22/01/2014

Doce Vingança
Ótimo livro uma historia que envolve a gente e te deixa a cada momento querendo saber o que vai acontecer, e o romance e perfeito com eu queria um Philip Chamberlain para mim.
comentários(0)comente



Eliani 07/10/2013

Uma das minhas estórias preferidas.
Já li umas três vezes com certeza.
comentários(0)comente



Li 28/08/2013

DESAFIO LITERÁRIO 2013 - AGOSTO - VINGANÇA * LIVRO 1
Sinopse: Em Doce Vingança, vamos conhecer a história de Adrianne, linda e elegante princesa, que esconde um terrível segredo de família. Quando criança, foi testemunha da crueldade com que seu pai tratava a esposa, sua mãe - uma lendária estrela de cinema. Ao tornar-se adulta, Adrianne alimenta um forte desejo de vingança contra aquele que destruiu sua infância e a felicidade de sua mãe. Mas o surgimento de Philip Chamberlain em sua vida, com sua inteligência, encanto e enigmático carisma, que tem motivos pessoais para se aproximar da Princesa Adrianne, poderá desvia-la de seu objetivo, e somente tarde demais ela perceberá o perigo oculto ao descobrir que tem pela frente dois homens de força excepcional - um com a capacidade de tirar a sua liberdade, outro com o poder de tirar a sua vida.

Bom, não tive muita opção de escolha... Na verdade queria ter lido "o conde de monte cristo", mas me passei e quando vi já estava na metade de agosto, correndo para achar um livro para o tema do desafio deste mês, então foi Nora mesmo... Foi até bom, que conheci o trabalho dela.

E não pretendo ler mais nenhum da autora.
Livro fraco, história fraca...
De interessante, só as partes sobre o oriente médio, mesmo que superficiais.

"Ninguém a conhecia. Nem mesmo Celeste compreendia plenamente os conflitos e dúvidas que a dominavam. Era princesa de uma terra que não era mais a sua. Era visitante num país que continuava a lhe ser estranho. Era uma mulher que tinha medo de ser uma mulher. Uma ladra que queria justiça.
Naquele momento, com a brisa da tarde soprando em seu rosto, com a fragrância da maresia e das flores que a cercavam, queria alguém para abraçá-la.
Adrianne virou-se e tornou a entrar na suíte. Podia não ter alguém, mas tinha alguma coisa. Vingança."

Até entendo Adrianne, a dona do pensamento acima, estou lendo uma série de livros que acabo me identificando com as personagens principais, mas li o livro sem gosto nenhum, acabei mesmo pois precisava.



site: http://desafioliterariobyrg.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Lari 24/07/2013

Apaixonante
Mais uma vez, Nora Roberts me surpreendeu com a maneira que ela caracteriza e descreve as suas personagens. Sempre muito detalhista, e sabendo exatamente descrever qualquer tipo de sentimento, raiva, alegria, tristeza e principalmente o desejo entre os protagonistas.
Mais um livro simplesmente apaixonante, que não te deixa descansar até você ler a última palavra.
comentários(0)comente



51 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4