A Escrava Isaura

A Escrava Isaura Bernardo Guimarães




Resenhas - A escrava Isaura


137 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Taci 14/02/2020

Romance Meloso Que Nos Traz Conhecimento
Como estávamos estudando a época do romantismo nas aulas de Português, fomos obrigados a ler um livro sobre o tema. Fiquei feliz com a minha escolha e não vou negar que fiquei empolgada.
É um livro que nos traz para a época da escravatura e nos mostra um pedacinho do que aconteceu por lá. O machismo também está bastante integrado. Gosto muito de livros sobre esses assuntos, pois nos traz uma grande reflexão sobre os dias atuais nos mostrando muitas vezes, o quão pouco isso mudou.

Odeio quando Isaura se rebaixa e não se acha digna o suficiente, mas entendo o motivo pelo qual ela faz isso. Esse tipo de romance super meloso não me agrada, mas gostei da experiência de ler algo do gênero, principalmente por se tratar de um clássico.
Não preciso nem dizer o quanto Leôncio me causa repugnância!

Eu simplesmente AMEI o final, pois adoro quando algo inesperado acontece. Me surpreendeu de uma forma que me deixou boquiaberta.
comentários(0)comente



Jez 14/02/2020

É um livro bem diferente do estilo que eu gosto. É um clássico então é bem difícil de gostar. Mas de certa forma da pra se ter uma visão do Brasil na época da escravidão.
comentários(0)comente



Biblioteca Álvaro Guerra 13/02/2020

A Escrava Isaura é um romance escrito por Bernardo Guimarães em 1875 e publicado no mesmo ano pela B.L. Garnier, Rio de Janeiro. Com o romance, Bernardo Guimarães obteve fama, sendo reconhecido até pelo imperador do Brasil, Dom Pedro II.

Empreste esse livro na biblioteca pública.

Livro disponível para empréstimo nas Bibliotecas Municipais de São Paulo. Basta reservar! De graça!

site: http://bibliotecacircula.prefeitura.sp.gov.br/pesquisa/isbn/9788508172047
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



trinha 29/01/2020

larguei na metade e n pretendo voltar
comentários(0)comente



Ju Zanotti 24/10/2019

A primeira vez que li A Escrava Isaura me senti obrigada a isso, não era uma leitura por prazer, estava no colegial e não me afeiçõei a narrativa, hoje depois de 15 anos +/- reli e me senti envolvida na narrativa, amei e sofri com a história de Isaura, como se fosse um desses romances contemporâneos que normalmente me sugam. Enfim, obra maravilhosa que sinto em ter demorado a apreciar.
comentários(0)comente



Biblioteca Álvaro Guerra 24/10/2019

Romance que fez de Bernado Guimarães um dos mais populares autores de sua época, A escrava Isaura é uma obra antiescravagista, sem idealização romântica, que ressalta a ambivalência da condição escrava da protagonista, mostrando assim o jogo dos preconceitos e dos bloqueios sociais brasileiros ligados à raça.

Empreste esse livro na biblioteca pública.

Livro disponível para empréstimo nas Bibliotecas Municipais de São Paulo. Basta reservar! De graça!

site: http://bibliotecacircula.prefeitura.sp.gov.br/pesquisa/isbn/9788502072817
comentários(0)comente



Juan 26/09/2019

Perfeito para romancistas clássicos, apesar de eu não ser um deles. A leitura apresenta temáticas presentes no nosso histórico, tais como a escravidão e o machismo. Porém, apesar de trazer boas doses de situações que fazem você sentir nojo e distância do que conhecemos como raça humana, a história traz um romance que, para mim, é muito meloso, prefiro os personagens antagonistas do que a própria Isaura. Mas não deixa de ser uma boa experiência para um leitor, afinal, temos que experimentar um pouquinho de cada gênero par definirmos nossos gostos.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Hemy Gomes 29/06/2019

O coração é livre, ninguém pode escravizá-lo, nem o próprio dono.
A Escrava Isaura é uma história que tem como protagonista a jovem Isaura, uma menina mestiça, filha de mãe escrava e de pai feitor, muito bela e prendada, cheia de habilidades e que foi criada como uma filha pela antiga sinhá da fazenda de onde morava. Após falecimento do pai de Leôncio, senhor da fazenda em Campos dos Goytacazes, Isaura fica sob os cuidados do jovem herdeiro da fazenda. Leôncio nutre uma paixão e desejos libidinosos e violentos por Isaura e faz de tudo para mantê-la como escrava, ignorando o pedido da mãe pela alforria de Isaura, o dinheiro da alforria conseguido pelo pai de Isaura e o chilique da esposa, Malvina, que ameaçou ir embora ao descobrir o que o marido sentia por Isaura.
Tentando resolver os problemas, Leôncio manda Isaura para a senzala, mas ela consegue fugir para o Recife com seu pai, Miguel. Vivendo fugida com o nome de Elvira, ela busca se inserir na sociedade e vai a um sarau acompanhada de Álvaro, um nobre rico que acaba se apaixonando por ela. Depois de surpreender a todos com sua beleza e talento, Martinho acaba descobrindo o segredo de Isaura e quer entregá-la para a polícia. A partir daí, Isaura passa por altos e baixos, desejando a morte (que seria a única coisa capaz de livrá-la de sua sina) e com seu destino oscilando entre voltar para as mãos do nojento Leôncio ou de ser salva por Álvaro, a quem ela ama e que é capaz de sacrificar tudo pelo amor que tem por Isaura.

Cheguei sem expectativa nenhuma (ok, talvez só um pouco, obrigada professora!) pra esse livro, pois estava lendo pra escola e acabei me surpreendo! A história flui muito rapidamente (tanto que no capítulo 10 já tem uma reviravolta enorme) e tudo que acontece é bem explicado e coerente. Adorei as intervenções do narrador que sempre para a história em algum trecho marcante para explicar algo necessário pra compreender a história, descreve bem os personagens psicologicamente e fisicamente e tem ótimos comentários que interagem com o leitor.
Queria deixar um destaque para o capítulo 13 que foi onde o autor mais demonstrou o bom humor que sempre esteve presente na história através dos estudantes que ficam zombando uns dos outros. No fim, o que houve com Leôncio foi totalmente merecido, assim com o de Isaura e Álvaro. A única coisa que eu não gostei muito foi o final porque apesar de ter sido chocante, tudo o que pode ter acontecido depois fica para a imaginação do leitor. Fora isso, a história foi maravilhosa e é um clássico muito simples de ler, apesar de algumas palavras mais rebuscadas que não atrapalham o entedimento.

Nota 4,5 de 5
comentários(0)comente



Keith 08/06/2019

Um pouco decepcionada
O livro retrata a história de Isaura,uma escrava filha de um homem branco com uma escrava e que teve o privilégio de ter recebido educação que era na época exclusiva para pessoas brancas.
Isaura foi criada pela senhora da casa depois que teve sua mãe morta pelo senhor da casa que ficou revoltado quando soube da gravidez da mulher. Para essa senhora, Isaura foi a filha que ela nunca teve e recebeu educação, aulas de piano e a capacidade de entender que merecia ter mais e que essa condição de escrava não era certa.

"Desd'o berço respirando
Os ares da escravidão
Como semente lançada
Em terra de maldição
A vida passo chorando
Minha triste condição."
(Pág. 8)

Eu até compreendo que esse livro pode ter sido um escândalo pelo o assunto em questão. Mas atribuo esse choque ao atraso que o Brasil sempre teve com respeito a cultura escravocata que se perdurou muito.
Me incomodou que o livro de um autor entitulado abolucionista tem como protagonista uma escrava BRANCA que consegue enganar a sociedade por ser branca e que todos os elogios que recebe é:
'um anjo desses foi colocado num corpo errado'
'um pessoa preciosa assim(referindo-se aos seus dotes de cantar e tocar piano) não merece a condição de escravidão'

Até mesmo o personagem Álvaro que apesar de ser apresentado como uma pessoa completamente contra a escravidão e que os escravos que possuía ele alforriou e deu um lugar para morar pois sabia que seria difícil para eles terem condição de se desenvolverem, no fim dava os mesmos elogios à Isaura.

Não houve protagonismo de pessoas negras, não houve pautas que mostravam a dor de um negro. Mostrou uma escrava branca (porque herdou a cor do pai) que apesar de sofrer com sua condição de escrava, se lamentava em não entender o porquê de ter nascido assim. 'O que adianta nascer branca e continuar escrava?'

Dou 3 estrelas porque de uma forma ou de outra escandalizou, expôs a violência de ficar nas correntes, de sofrer por não ter escolhas e mostrou como os senhores poderiam ser pessoas sem escrúpulos que consideravam uma vida uma simples propriedade. Porém o livro poderia ter sido muito mais.


comentários(0)comente



Dandara 17/05/2019

"A Escrava Isaura" foi escrito em 1875, ainda durante a escravidão, mas na época em que os movimentos abolicionistas estavam cada vez mais ganhando espaço. O próprio autor, Bernardo Guimarães era um abolicionista. É uma literatura do período do Romantismo, que fica bem evidente nas características que marcaram o movimento, como por exemplo, a idealização da mulher e a descrição dos costumes da sociedade na época. O livro conta a história de Isaura, uma escrava branca - mestiça, filha de pai branco e mãe negra - e sua luta para se livrar de seu algoz, Leôncio. A narrativa do livro é lenta e cansativa, pelo menos nas primeiras 40 páginas, o vocabulário é denso e rebuscado, por se tratar de um clássico escrito no século 19.
comentários(0)comente



SSS 21/04/2019

"És formosa, e tens uma cor linda, que ninguém dirá que gira em tuas veias uma só gota de sangue africano."
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
A Escrava Isaura se tornou, sem dúvida, um dos livros no meu top 5 do ódio. Para mim, a leitura foi chata e maçante, difícil de terminar, livro que realmente eu não indicaria para nenhum amigo próximo. Publicado em 1876, a obra de Bernardo Guimarães visa ser um grito abolicionista em meio a uma literatura que nunca tocou nesse assunto. Contudo, na minha humilde opinião, de leitora e estudante de literatura nacional, o tiro saiu pela culatra.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
O enredo é bem simples, em uma fazenda vive Isaura, uma escrava branca e belíssima, de cabelos lisos e pele perfeita. Desde pequena, Isaura foi adotada pela dona da casa, que não tendo filha, educou a jovem escrava como tal. Lia, escrevia, cantava, tocava piano. Perfeita. Após a morte da senhora que a criou, a fazenda passa para o filho, que agora, senhor de suas vontades, mesmo casado, decide tomar Isaura para si.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Sendo lançado no romantismo, a obra é uma história de amor. E toda trama se desenrola até que Isaura e seu amado tenham o devido final feliz, que não posso negar, é bem surpreendente. Isaura é a heroína perfeita. A princesa salva da torre, mostrando que a escravidão é ruim, e que o amor vence tudo, até a condição de sangue... SERÁ?
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Sei muito bem que a obra faz jus a sua época, e tinha um público alvo bem específico, mulheres brancas ricas, que liam e adoravam histórias de amor. Olhando por esse lado, a obra é OK. Uma história legal, com final feliz. Contudo, não consigo aceitar que considerem esse livro mais do que isso. Como chamar de "luta pela abolição", se a todo momento é dito e repetido pelo autor que Isaura só era inteligente, bonita e educada, POIS TINHA PELE BRANCA? Não dá. Entendo o período histórico, mas ao meu ver, a obra não deixa de ser racista, visto que Álvaro jamais iria olhar e respeitar Isaura da mesma forma se ela fosse negra, não importando sua beleza. Simplesmente não consigo respeitar.

site: https://www.instagram.com/resenhadora/
comentários(0)comente



137 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |