Enders

Enders Lissa Price




Resenhas - Enders


104 encontrados | exibindo 91 a 104
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


Mariana 11/03/2014

ENDERS: UM LIVRO SOBRE LIBERDADE, APARÊNCIAS E O QUE HÁ POR DENTRO
“Espero que eu seja mais do que isto [...] Espero que eu seja aquilo que penso, o que acredito. O que sinto.”

*spoilers para quem não leu ‘Starters’

A sequência da história de Callie iniciada em Starters, começa num período de descanso ilusório da protagonista após a destruição da Prime Destinations e a libertação os Starters usados nos aluguéis de corpos dessa maléfica instituição, como teminou o primeiro livro.

O cliffhanger de Starters (a voz do Velho na cabeça de Callie) logo vem à tona para atormentar a garota de lembrá-la de que a guerra não acabou. O Velho dá uma amostra mais concreta de seu poder e provoca uma reação de Callie. A Prime acabou, mas o Velho parece ter planos ainda mais cruéis para os Metais que restaram. Não lembro se isso é conceituado no primeiro livro, de qualquer forma, Metais são os Starters que tem o chip, que participaram dos aluguéis de corpos.

Callie conhece novos Metais, personagens muito interessantes e importantes para o desenvolvimento da história. Muitos segredos serão revelados e muitas peças começam a se encaixar. Tudo fica muito bem explicadinho.

A continuação desta atraente distopia tem um ritmo ainda mais frenético que o livro anterior e desta vez, Callie me cativou muito mais. É desses livros que faz a gente correr risco de vida, atravessar a Paulista lendo enquanto caminha, difícil de parar. Simples de ler e terminar logo. Daria bons filmes.

Enders de Lissa Price Editora Novo Conceito | 286 páginas

site: http://cultmeplease.wordpress.com/2014/02/21/enders/
comentários(0)comente



Patty Santos - PS Livros 09/03/2014

"Senti como se meu estômago estivesse se retorcendo em um nó. Eu realmente detestava esse chip – essa coisa – na minha cabeça. Não ia deixar um Ender sinistro me controlar pelo resto da vida."

É sempre complicado pelo menos pra mim, começar a resenha de um livro que é uma continuação, primeiro porque ninguém gosta de spoilers e segundo porque eu não gosto de dar spoilers, já basta a sinopse, por ela o leitor já tem uma ideia do que esperar do livro, então com isso em mente, se você não leu ainda Starters o primeiro livro da duologia, já resenhado aqui no CdT no finalzinho de março de 2013, pode ficar sossegado que não falarei nada que comprometa sua viagem na leitura do primeiro livro.

Enders com certeza veio para esclarecer todas as pontas soltas deixadas em Starters e chocar alguns leitores com suas revelações, eu acredito que boa parte dos leitores não gostarão do rumo dos acontecimentos ou do desfecho desta distópia, eu posso dizer que fiquei desconcertada em determinados momentos tamanha a crueldade de alguns personagens.

Se no primeiro livro a frase "Quando os gaviões gritam, é hora de voar" deu a entonação de que poderíamos esperar um livro repleto de mistérios, pela frase "Não confie em ninguém além de você mesma. E, em seguida, questione essa confiança." podemos ter ideia do que esperar de Enders, o sentimento de desconfiança está presente em cada página do livro.


"É tudo por causa do dinheiro, então? Você não está fazendo isso porque acredita em alguma coisa?
- As pessoas fazem qualquer coisa por dinheiro. – Ele examinou suas unhas. – Ainda não percebeu?"

Com uma narrativa intensa e direta Lissa nos brinda com uma boa continuação, em Enders temos uma enxurrada de informações e tudo acontece muito rápido, o primeiro capitulo é explosivo, literalmente. Não há enrolação, estejam preparados para o ritmo frenético do livro, como não há em quem confiar, passei boa parte do livro com o pé atrás, principalmente em relação aos personagens novos da trama.

Para Callie não há folga, a garota é bombardeada com revelações e situações de stress o tempo todo, e mesmo assim se mostra uma garota corajosa e forte, ela é o tipo de personagem que conquista o leitor, acima de tudo por fugir do convencional, mesmo com seu mundo desabando Callie ainda é capaz de amar, e nesse livro os sentimentos dela começam a mudar, a idealização de um romance em uma cenário caótico e repleto de perigos é sensacional.

O livro é bom? É sim. A autora não nos deixa com dúvidas e ainda dá um final plausível para todos os personagens. Então porque dei somente quatro estrelas? Acredito que por ter iniciado a leitura com altas expectativas acabei incomodada com algumas revelações, principalmente sobre O Velho, achei bem fantasioso, isso aliado ao fato de ter amado o primeiro livro. Enders é bom, mais Starters é melhor.

Quem gosta de distopias não pode deixar de ler Starters e Enders, a narrativa de Lissa nos faz mergulhar em um universo bem construído com personagens fortes e cativantes, te surpreende e ainda deixa aquela sensação que valeu a pena.


"Abruptamente, parei de me mover. Fiquei imóvel, e devagar percebi que alguém estava tomando o controle de meu corpo. Parecia que eu tinha uma boa quantidade de mercúrio correndo pela minha espinha. Dos pés para as pernas, para os quadris, para o abdômen, para meu peito e meus braços. Até minha garganta parecia rígida."


site: http://coracaodetinta.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Melian 04/03/2014

Achei fraquinho
A temática é boa, o primeiro livro até me deixou interessada, mas a verdade é que falta um "algo a mais".
A escritora não dá muita ênfase nos ápices, não me prende na leitura. Mas mesmo quis terminar a serie. Achei que poderia fechar melhor que começou, mas segue a mesma linha.
Fah 06/03/2014minha estante
Senti a mesma coisa que vocÊ. Starters foi ótimo, penso que talvez ela pudesse ter acabado no primeiro livro... afinal com essa continuação a história ficou fraca e previsível!




Carol 04/03/2014

Poderia ser melhor (Por Matheus Frizon)
Callie Woodland finalmente alcançou seu objetivo: destruir a Prime Destinations e como consequência game-over para o Velho, afinal nenhum Enders irá mais alugar corpos dos Starters para os seus estranhos objetivos - quem leu o primeiro livro sabe bem o que tô falando.
Enfim, enfim, Callie agora é uma garota rica, uma vez que Helena, sua última inquilina lhe deixou metade da herança e – amém – ela e seu irmão Tyler não precisarão morar na rua, eles finalmente formariam uma família feliz, juntos com o Michael, melhor amigo de Callie, mas como nem tudo são flores... ter dinheiro e uma vida confortável nunca foi sinônimo de paz e felicidade nem aqui nem na China.
A verdade é que o Velho ainda está à solta aterrorizando todos os Metais, uma vez que um Starters passou pelos procedimentos da Prime Destinations é um caminho sem volta, já que o chip instalado em suas cabeças são, digamos assim, impossíveis de serem removidos. O Velho está a caça de todos os Metais, principalmente Callie, sua principal peça nesse jogo, mas por quê…?
A questão é que, o Velho ainda consegue controlar os Metais e para piorar tudo, Callie tem que conviver com a voz do Velho em sua cabeça. De inicio isso lhe desespera e a garota não sabe como arrancar o chip de sua cabeça sem ser morta no processo, já que o chip se torna uma bomba quando se tenta remove-lo. Mas, quando Callie começa a ouvir a voz do pai dentro de sua cabeça, ela sabe que tem de lutar com unhas e dentes para a alcançar seu “novo” objetivo: acabar com o Velho de uma vez por todas!
Então, nessa brincadeira ela acaba que conhecendo Hyden, que mais tarde revela ser filho do Velho e um dos idealizadores da tecnologia dos chips. Hyden não sabia que tinha entregado uma arma ao pai quando o ajudou a criar a tecnologia e agora os dois - Callie e Hyden - precisam encontrar uma maneira de parar o Velho, já que o vilão está decidido a vender a tecnologia dos chips junto com os Metais para um grupo de terroristas. Mas nem tudo é o que parece e confiar em qualquer pessoa nunca foi algo inteligente.
Bem. Graças a Deus eu nunca tive uma grande expectativa com esse livro por que (a) as capas dessa serie sempre me seduziram e (b) acho que a editora demorou demais para publicar a continuação, fazendo com aquele gás caísse por terra.
O que eu achei do livro? Legal. Assim, Starters com toda a certeza dá um banho em Enders, por quê? Bem, a Callie meio que se tornou uma garota muito sentimentalista, ai, credo, às vezes é um porre, ela não tinha aquela atitude inicial de ir e lá e fazer, passou o livro inteiro guiada pelos pensamentos dos outros, em nenhum momento ela disse: Para tudo, agora vamos fazer do meu jeito e acabar com tudo (é isso que esperamos dos protagonistas nesse tipo de literatura, não?). E outra, todos os nossos “amigos” eram pegos de surpresa o tempo inteiro - acho que eles foram criados para serem burros nesse livro. Passei metade do livro me perguntando quando iríamos ir para a parte que realmente importa, uma vez que, ao meu ver a autora preferiu encher linguiça antes de ir para o show bis do que fazer um livro perfeito - já que o enredo tem tudo para ser uma historia fodasticamente foda (risos).
Mas então chegamos à metade do livro - quase no fim - e descobrimos que nem tudo está perdido e que pelo menos a autora conseguiu me tirar do tédio e é ai que tenho de bater palmas e dizer: meu bem, eu bem que desconfiava, obrigado pelo presentinho, adoro mentiras!
Do todo o livro não é ruim, apenas inicialmente demorado. Oquei, oquei, agora o melhor a fazer é vocês lerem Enders e tirar suas próprias conclusões, nem tudo é cem por cento bom, nem cem por cento ruim (Matheus, pare de arrancar falas de reallity - risos).
(;


site: http://terradecarol.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Vinicius 24/02/2014

Não Confie em Ninguém além de você mesma.E,em seguida,questione essa confiança
Callie já superara os acontecimentos anteriores e com a destruição da Prime finalmente poderia viver em paz com seu irmão usufruindo de sua herança deixada por Helena daquele momento em diante tudo seria diferente mas foi ai que ela se enganara...

Novamente sua vida muda quando acontece uma explosão no shopping e um garoto misterioso aparece de repente e a protege,o Velho entra em contato utilizando do chip para falar em sua mente.

Com uma ameaça a seu irmão e a Michael,Callie decide ir a um determinado local para se encontrar com o velho porém é sequestrada pelo garoto estranho que a protegera no shopping seu nome é Hyden, um metal assim como ela (pessoas que tem o chip na cabeça).

Agora ela teria que lutar contra o velho sem ter a menor ideia de como faria isso,pois estava presa ao chip correndo o risco de ser rastreada ou controlada por ele mas acaba encontrando uma pista em sua antiga casa nas coisas de seu pai com essa descoberta isso poderia mudar tudo, porém Ninguém é realmente o que parece,Callie descobrira isso da pior maneira quando as verdades sobre as personagens vem a tona mudando completamente o rumo da estoria.

Para os fãs de suspense ou de starters iram amar essa história,particularmente eu li em um dia pois é realmente incrível...
Suzana 24/02/2014minha estante
Até deu vontade de ler ^ ^




AndyinhA 23/02/2014

Trecho de resenha do blog MON PETIT POISON

Começo falando que o que li só posso dizer uma coisa – a autora ou foi apressada para liberar logo o livro ou nunca imaginou um final para sua saga e jogou tudo de qualquer jeito. Prefiro pensar na primeira situação, porque fico muito chateada quando os autores não sabem finalizar suas séries e essa listinha é grande.

Esse livro me fez duvidar em ter lido Startes, não falo como algo legal, falo no sentindo de que como posso ter lido algo ruim assim antes e ainda continuar? Esse entra para uma nova categoria (que ainda não criei) dos livros que simplesmente não consigo classificar porque foram ruins demais da conta. Quer conhecer mais um? Clique aqui.

A personagem principal era burra no anterior e aqui ela pediu para entrar na fila duas vezes e foi atendida, nunca vi alguém que sabe que está sendo caçado ficar dando tanta bobeira como ela ficou nesse livro. Gente, vamos usar 2 minutos de lógica, você caro amigo, sabe que está sendo perseguido ou coisa do tipo, vai ficar dando mole? Indo a locais que não conhece com pessoas que você nem sabe realmente quem são? E tipo assim, seu sexto sentido em nenhum momento vai te dar aquele feeling de que pode ser uma armadilha?!

Para saber mais, acesse:

site: http://www.monpetitpoison.com/2014/02/poison-books-enders-lissa-price.html
comentários(0)comente



Felipe Miranda 17/02/2014

Enders - Lissa Price por Oh My Dog estol com Bigods
Pouco mais de um ano após o lançamento de Starters, poder ler o desfecho da duologia distópica escrita por Lissa Price foi uma experiência nostálgica. Apesar de não ter absolutamente tudo fresco em minha mente, o que me preocupou de início, a memória foi retornando a cada detalhe exposto na narrativa e ao final, foi como se tanta espera não houvesse existido, mas como houve acabou valendo a pena.

O segundo livro de qualquer série ou trilogia é sempre o mais aguardado por mim, é ele que geralmente firma a estória. Entendam, em Starters, a autora nos apresentou aos personagens, nos situou no tempo, espaço e o cenário distópico. Já em Enders, por já estarmos confortáveis com todo o universo de Price, a autora teve um leque aberto de rumos, reviravoltas e problemas para desenvolver e resolver, sem se preocupar tanto com explicações de funcionamento, digamos assim. O agravante disso tudo é que Starters é uma duologia, o desfecho também veio com Enders, ou seja tudo em um único livro. Obviamente a minha ansiedade era enorme e justificada. Fico feliz em saber que a autora deu um fim satisfatório a trama.

Embora a Prime Destinations esteja fechada e o aluguel de corpos suspenso, o Velho está foragido, à espreita e mais ativo que nunca. Os Starters continuam com chips instalados em seus cérebros, o que permite que sejam rastreados e até controlados. A ideia de viver assim é repugnante para Callie, ela não vai aceitar tão fácil a ideia de ser controlada para o resto de sua vida. O chip é responsável pela distância entre ela e o irmão Tyler, é preciso dar um passo de cada vez. Mas como lutar contra um inimigo que atua dentro de sua mente? O Velho e seus Enders estão a procura de algo e não pouparão vidas ou esforços, explosões criminosas estão acontecendo e o perigo está não só nas ruas mas também na cabeça de Callie.

A narrativa ganha novas cores e uma reviravolta inesperada com o jovem Hyden, que auxliará Callie e Michael a descobrir os planos do Velho e encontrar quem sabe uma saída. Um de seus muitos segredos envolve o fato de Hyden não poder tocar ou ser tocado por ninguém, apesar do mistério ele parece ser confiável. O medo é uma constante e como se não bastasse ter dado seu corpo para que os Enders usassem, Callie está revivendo as memórias de sua antiga inquilina Helena. Por que? O último gás da estória envolve o paradeiro do pai de Callie, há indícios de que ele esteja vivo e não fora levado para o centro de tratamento anos atrás durante a Guerra dos Esporos.

Posso ousar e indicar um único defeito que encontrei na narrativa, em alguns delicados momentos da trama, um aprofundamento maior poderia ter dado um rosto mais emotivo a estória. E se tratando de um desfecho, não cairia mal, certo? Ignorando isso Lissa Price encerrou sendo fiel ao nível de estória que se propôs a contar. E que estória, não? Callie é uma protagonista forte e não vai facilitar para ninguém, Michael é ofuscado por Hyden que rouba a cena e forma uma dupla de coragem com Callie. Os vilões da estória se multiplicaram, é, o Velho não é o único interessado na tecnologia avançada dos chips.

E pra finalizar essa resenha enorme de fã, deixo meu quote predileto e uma recomendação de coração: leiam Enders!

"Pode parecer piegas, mas é verdade: o que há do lado de fora não é tão importante quando o que há por dentro." Trecho da página 189

site: http://www.ohmydogestolcombigods.com/2014/02/resenha-enders-lissa-price.html
comentários(0)comente



RUDY 16/02/2014

Resumo sinóptico
Após ter destruído a Prime Destinations, Callie Woodland está morando na casa que Helena deixou para ela e a neta. Tyler seu irmão e Michael seu amigos (que gosta de desenhar os Starters) estão morando com ela e Eugenia, Enders que trabalhava para Helena e agora está tomando conta de Tyler.



Callie continua a ouvir a voz do Velho em sua mente, estranha apenas que seja parecido com a forma que seu pai falava com ela, através de código. Decide que quer de qualquer forma deixar de ser um Metal, quer tirar o chip que está em sua mente.



Conhece Hyden que a protege de uma explosão provocada pelo Velho no shopping. Faz isso para mostrar a ela que é capaz de explodir qualquer Starters que tem chip, quer obrigá-la a satisfazer seus desejos e vontades. Ameaça fazer o mesmo com o pequeno Tyler e ela fica abalada.

Hyden aproxima-se dela e começa a revelar fatos que ela nem imaginava terem acontecido ou que sejam verdadeiros. Hyden tem um problema físico/neurológico que não pode sentir o toque das pessoas porque sente dores excruciantes, o que atrapalha um pouco a aproximação física com Callie.



Juntos vão tentar chegar ao Velho e descobrirem uma forma de tirar o chip da cabeça de Callie. Ela é uma Starters/Metal diferente dos outros e pode ser comandada a distância sem perder a consciência, pode inclusive matar as pessoas, o que a torna bem perigosa.



Ninguém é realmente quem parece ser...


site: http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/2014/02/resenha-12-enders-lissa-price.html
comentários(0)comente



naniedias 15/02/2014

Uma decepção!
Muito Fraco!

Já leu Starters? Não?
É totalmente possível ler esse segundo livro sem ter lido o primeiro, mas não recomendo.

É no primeiro livro que a autora explica alguma coisa sobre a sociedade em que vivem seus protagonistas. A autora já não fala muito no primeiro (mas é o suficiente para que o leitor não se sinta totalmente perdido), e no segundo não fala absolutamente nada.

A verdade é que eu não gostei desse segundo livro (como você talvez já tenha percebido pelo "muito fraco" ali em cima).
Me decepcionei em vários sentidos.

Eu li Starters e achei o máximo a história!
Não acho que o livro seja distopia, por motivos que expliquei na resenha do primeiro volume, mas como uma ficção-científica juvenil eu fui arrebatada não só pela deliciosa narrativa da autora, como também pelos seus personagens, mas principalmente pela realidade alternativa que ela criou.
Tendo gostado tanto do primeiro, eu realmente esperava coisas grandiosas para esse segundo livro - não apenas uma aventura gostosa de ser lida, mas também maiores detalhes sobre o mundo da protagonista Callie.
Infelizmente, não foi o que encontrei. Nem uma boa aventura, nem as explicações por mim tão aguardadas.

Primeiramente, quero falar do que é bom, porque há coisas boas no livro.
Para começar, a edição da Novo Conceito merece elogios! A editora manteve o padrão do primeiro livro e arrasou nessa continuação. Gostei demais. Não só a parte gráfica ficou belíssima como o trabalho editorial (tradução e revisão) também ficou muito bom.
Além disso, a editora também montou um kit muito bacana, com um pen drive em formato de cartão que achei o máximo!

A autora também não deixou a peteca cair no quesito narrativa. A escrita de Lisa Price continua tão gostosa e atraente quanto no primeiro livro.
Parece que a autora faz com que a história deslize pelas palavras que colocou no papel - tornando a leitura extremamente agradável e também muito dinâmica! Lissa Price, por favor, continue escrevendo - porque é uma delícia ler.

Qual o problema, então?
Na verdade, estamos falando de problemas. No plural mesmo.
A coisa já não começa bem no título. Pode me chamar de chata, mas o título para mim é algo que faz todo o diferencial em um livro (em conjunto com a capa e a sinopse é o que me faz comprar um livro que eu ainda não conheço e do qual não ouvi falar! Portanto, considero o título um ponto de extrema importância).
Não que o título seja ruim! Ainda mais para quem leu o livro anterior. Enders se encaixa perfeitamente com o título do primeiro livro, Starters, mas não encaixa em mais nada com a trama! Parece que a autora quis usar o título apenas para combinar mesmo com a primeira história. E por que não gostei disso? Porque foi frustrante demais...
O título sugere uma maior participação de Enders... ou talvez até mesmo a história sendo contada do ponto de vista de outro personagem, agora um Ender (a primeira história é contada em primeira pessoa por Callie, a protagonista adolescente).
Porém, isso não é verdade. O segundo livro também é protagonizado por Callie, que é responsável por narrar sua própria história, e quase não há participação de Enders.

Em seguida, os personagens.
De maneira geral, são os mesmos do primeiro livro, mas retratados de uma maneira menos interessante. A protagonista novamente é Callie e alguns personagens continuam, enquanto outros novos são inseridos. Mas tirando a própria Callie e um novo personagem que aparece, todos os demais ficam super apagados e isso me desagradou bastante. E não só isso. Os próprios protagonistas não são retratados de uma maneira interessante, mas de forma bem superficial.
Por exemplo, achei péssima a maneira como Callie trata seu irmão mais novo. Ela é superprotetora demais, não dá espaço para o irmão. De certa forma, já era assim no primeiro livro, mas no segundo isso é intensificado. Sem contar que ela ora parece se preocupar demais, ora parece esquecer completamente o irmão em prol de estranhos. Devo dizer que achei bem estranha a maneira que ela interagiu com seu irmão mais novo (pelos acontecimentos de cada história, não tive essa impressão em Starters).

A grande decepção do livro, porém, ficou mesmo por conta do enredo.
Ai, ai, Lissa, como você pôde estragar uma história tão promissora?!
Em se tratando de um segundo livro numa série distópica, esperava que houvesse mais detalhamento das questões sociais que envolvem a sociedade retratada no livro. Como já mencionei antes, não consigo ver esse livro como uma distopia, mas como uma ficção-científica. Ainda assim, porém, eu queria mais detalhes, já que a realidade na qual Callie vive é tão diferente daquilo que conhecemos.
Ansiava por saber um pouco mais sobre a história daquela sociedade, o que foi e como se deu a Guerra dos Esporos e qual a extensão dessa guerra! E não só a parte histórica... na verdade, considero que até mesmo na questão de funcionamento da sociedade no presente me deixou curiosa. Não há menção do governo que a controla, da realidade cotidiana dos cidadãos, de como as questões de saúde, educação, desigualdade social, emprego e tudo mais é tratada (ou até mesmo sentida) pelas pessoas. Na verdade, o mundo todo ao redor de Callie é bastante obscuro. É como se não houvesse nenhuma luz, somente trevas, e Callie carregasse uma pequena vela, suficiente apenas para mostrar ela mesma e alguns detalhes ao seu redor (mas detalhes que são praticamente sombras desfocadas). Essa foi a minha sensação com a leitura.

Mas ainda assim, com tudo em falta, eu pelo menos esperava uma atitude da protagonista em relação à quebra do regime desigualitário que subjulga os Starters sem família (questão que foi apontada, deve-se dizer, no primeiro volume!).
Só que não encontrei nada disso. Nem as explicações que esperava, nem a atitude que poderia ter valido a pena.
Nada!
O livro se fia em uma trama completamente sem sentido, que mal é capaz de manter sua conexão com a história que nos introduziu ao mundo dos Starters.

Confesso que passei a maior parte do livro dizendo coisas do tipo "mas isso não faz o menor sentido", "por quê?" e "Oi?".

No final das contas, o livro não conseguiu mesmo me conquistar, embora eu tenha gostado tanto do primeiro. Esperava coisas completamente diferentes e o que encontrei não foi capaz de me agradar nem um pouco.
O mais frustrante de tudo é saber que esse é o último livro da série. O primeiro livro é ótimo e o segundo não deveria existir... mas eu queria - e muito - que algumas questões fossem desvendadas. É realmente uma pena que a série seja finalizada sem dar vazão às milhares de perguntas que se formaram em minha mente.

Portanto, leiam o primeiro livro, que é bem bacana, mas já sabendo que o segundo não irá responder às perguntas deixadas pelo primeiro. Se você for curioso (e como um bom leitor, tenho certeza que é!), irá se frustar bastante com Enders.
A bem da verdade, se fosse você nem perderia meu tempo lendo o segundo. Leia o primeiro, aproveite os contos que a autora publicou e finge que Enders não existe. Acho que vale mais a pena.


Nota: 3


Leia mais resenhas no blog Nanie's World!
Guillermo 30/03/2014minha estante
Concordo plenamente com o seu comentario! Amei muito Starters, mas Enders deixou muito a desejar! Achei o final completamente previsivel, o que eu acho completamente frustante; gosto de reviravoltas e finais impactantes que me façam lembrar do livro por muito tempo! Pena que isso não aconteceu.
Discordo de uma coisa na sua resenha: não gostei da escrita de Lissa Price. Tem algo que me incomoda profundamente na maneira que ela escreve. Os diálogos são... sei lá, infantis demais, como aqueles que você escreve nas suas redações de 5º ano, muito mecânicos, longe da maneira que se fala na vida real.
Além disso, achei que várias coisas não eram necessárias para a história, como aquele período em que a Callie fica presa com o Hyden e o Michael naquele local onde são submetidos a vários testes... Completamente dispensável para o enredo. E uma coisa que eu estava LOUCO para saber mas não foi esclarecido: os motivos da Guerra dos Esporos! Alem disso, queria saber o que aconteceu nos outros países também, não só da vida nas cidades citadas no livro (nem nelas não foi muito bem explicado)
Enfim, esse livro se tornou uma enorme frustação para mim.
P.s.: faz um bom tempo que não vou no seu blog, tenho que me atualizar por lá! Rsrs


Jehpintrix 02/12/2014minha estante
A história é boa, mas a autora não soube construir os personagens e as falas são muitos rasas...




Ana Luiza 13/02/2014

É hora de tirar as máscaras
Callie Woodland conseguiu o que queria. A Prime Destinations foi fechada e nenhum Starters terá seu corpo alugado para Enders ricos novamente. Helena, a última inquilina de Callie e mais uma vítima da Prime, deixou metade de sua fortuna para a garota e seu irmão Tyler, que juntamente com Michael, vivem uma vida mais que confortável na mansão da falecida Ender. Mas ter dinheiro e pessoas que se importam com seu bem estar não quer dizer que a batalha de Callie acabou. Ela pode ter saído das ruas, mas muitos jovens como ela ainda vivem na miséria. E apesar da Prime Destinations não existir mais, o Velho ainda está a solta e todos os Starters que alugaram seus corpos ainda estão com chips na sua cabeça, o que lhes confere o apelido de Metais. E a maioria deles não está em boa situação.

“- Você não gostaria de estar em meu lugar, Callie. Consegue imaginar alguém que detesta o próprio corpo? Sou prisioneiro dentro dele. (...)
- Todos os Metais são prisioneiros. Até conseguirmos derrotar seu pai.” Pág. 88

Grande parte dos Metais perdeu o dinheiro que ganhou na Prime, sendo que outra grande maioria nem chegou a receber. E a situação desses jovens se revela ainda pior quando o Velho prova para Callie, de maneira dramática e sanguinária, que ainda pode controlar os Metais e, inclusive, transformar os chips em suas cabeças em bombas. Com a voz do inimigo novamente em sua cabeça, Callie sabe que precisa agir. Entretanto, não será uma tarefa fácil. A garota descobre que não pode tirar o chip da sua cabeça sem se matar no processo, mas quando escuta a voz do pai na sua cabeça novamente, ela sabe que tem que ir até o fim.

A caminho de um encontro face a face com o Velho, Callie é abordada por um misterioso garoto, que já salvara sua vida antes e que afirma que está fazendo o mesmo novamente. Hyden, como é chamado o Starter, revela que é filho do Velho e que ajudou a criar parte da tecnologia relacionada aos chips. Entretanto, assim como Callie, ele está em guerra com o pai, que sempre fora um homem horrível para o filho. Hyden não sabia das pretensões do pai quando o ajudou a criar os chips e, depois de ver o que ele fez, ficou decidido a acabar com tudo. Entretanto, o garoto sabe que o fim da Prime não é o fim do pai. O Velho pretende vender a tecnologia dos chips, assim como os Metais, para grupos terroristas estrangeiros.

“- É tudo por causa do dinheiro, então? Você não está fazendo isso porque acredita em alguma coisa?
- As pessoas fazem qualquer coisa por dinheiro. – Ele examinou suas unhas. – Ainda não percebeu?” Pág. 254

Determinados a impedir o Velho, Callie aceita se juntar a Hyden nessa batalha, que por sua vez tem ao seu lado Ernie, seu guarda-costas Middle, e Redmond, o cientista que ajudara Callie e Helena no passado. Enquanto decidem exatamente o que fazer, Callie e Hyden começam a juntar os Metais e levá-los para seu esconderijo, onde estão fora do alcance do Velho. Logo Michael se junta a eles, apesar de Hyden ter levado o garoto e Tyler para outro lugar seguro, longe de Callie. Quando as coisas parecem começar a melhorar, tropas do Velho invadem o esconderijo e todos os Metais são sequestrados, assim como Redmond, e Ernie é ferido. Agora sozinhos, Callie, Hyden e Michael tem que se virar para encontrar o Velho e todos os Metais. Ao visitar a antiga casa, Callie encontra provas de que seu pai pode estar vivo, mas nas mãos de seu inimigo. Disposta a descobrir toda a verdade, Callie precisa ver além das mentiras e máscaras não só do Velho, mas também daqueles que ama e que a cercam. Ninguém é realmente quem parece ser e até onde a garota conseguirá ir? Em que ela deverá confiar? Nessa batalha pela verdade e pela liberdade, falhar não é uma opção.

“- Ela é a neta de Helena. Prometi que a encontraria.
- Entendo – disse ele, com as mãos nos bolsos. – Mas você tem que entender uma coisa: nem todo mundo quer ser encontrado.” Pág. 62

Li “Starters” (resenha aqui) há mais de um ano e amei o livro, que se tornou favorito. O final foi simplesmente perfeito, com apenas uma ponta solta, e me deixou sem palavras e louca pelo próximo livro. Entretanto, Lissa Price deveria ter ficado apenas em “Starters”. “Enders”, o segundo e último volume da duologia “Starters”, foi uma boa leitura, mas como continuação e final da duologia, foi péssimo. Enquanto o primeiro volume traz uma história irresistível, personagens cativantes e um pouco de crítica social, o segundo livro peca nesses e em outros aspectos. A trama foi extremamente óbvia, as “surpresas” não são nada que não se podia prever e não há nenhuma inovação ou algo que faça o livro se destacar. Não gostei do seguimento da trama, que não tem um desenvolvimento natural, e os acontecimentos parecem forçados. O final foi previsivelmente feliz e sem sal, consigo pensar em outros inúmeros desfechos satisfatórios, nenhum parecido com o real.

Os personagens perderem seu brilho, principalmente a protagonista. Callie se tornou uma sentimentalista chata e tive vontade de enforcá-la diversas vezes. Os outros personagens também foram óbvios, nenhum deles ultrapassando as impressões iniciais, a maioria tendo o mesmo comportamento do primeiro livro. Não sei o que aconteceu em “Enders”, mas todos os personagens pareciam meio mortos e tontos, sempre sendo pegos de surpresa, como se eles tivessem perdido aquela chama que os tornava tão convincentes e cativantes no primeiro livro. Algo que me irritou bastante nessa falta de profundidade dos personagens foi como os bonzinhos eram sempre bonzinhos e os maus sempre maus. Ninguém é 100% de alguma maneira, então odeio quando autores colocam heróis e vilões perfeitos que só demonstram parte de sua natureza, como se bondade e maldade fossem distintos como água e óleo. Nesse ponto, a autora chegou a ser contraditória. Callie dizia o tempo todo que estava disposta a fazer tudo para proteger as pessoas e se livrar do Velho, mas ela sempre parecia pegar o caminho mais fácil, que sempre acabava não levando-a onde ela queria. Diferente da protagonista do primeiro livro, a Callie de “Enders” chega a ser um pouco covarde, que só fica reclamando das situações em que se mete e que não faz nada se ninguém der um empurrãozinho.

A narrativa em primeira pessoa da autora estava novamente perfeita, mas a protagonista e muitos outros aspectos do livro me irritaram tanto que a narrativa foi irrelevante para minha opinião final. A sensação é de que Price se perdeu completamente nesse livro. Ela é mais uma boa autora com a “síndrome da continuação”. Estou cansada de ler bons livros que acabam sendo ofuscados por continuações medíocres. Lissa, assim como outros, ficou tão preocupada em escrever mais um volume que acabou pecando muito na história em si. “Enders”, como um livro único, seria uma boa obra. Mas como é a continuação e último volume de uma duologia, ele é decepcionante e frustrante.

Sobre a edição, pelo menos, não há reclamações. A tradução estava perfeita e a diagramação excelente, não encontrei nenhum erro. O tamanho e tipo da fonte também estavam bons. A capa é lindíssima e combina perfeitamente com a história. Fico feliz que escolheram essa a original (ao lado), que é horrível. Apesar de não ser tão grosso assim, o livro me surpreendeu com seu peso, que é bem mais leve do que eu esperaria para suas 285 páginas.

“- Quer dizer que... você sentiu pena de mim?
- Não. – Os olhos dele encontraram os meus. – Eu me apaixonei por você.” Pág. 257

site: http://mademoisellelovebooks.blogspot.com.br/2014/02/resenha-enders-lissa-price.html
comentários(0)comente



aprigio 13/02/2014

Cansativo
Enders e uma distopia que continua do exato ponto do primeiro livro intitulado Starters, que e infinitivamente superior. Em Enders a protagonista Callie continua sua luta para se livrar do chip que há em sua cabeça e lutar por sua vida a de seu irmão e a do seu Amigo Michael. O livro apresenta altos e baixos, há a introdução de alguns personagens que acrescenta o desenvolvimento da estória, principalmente a de um jovem e se revelará diversos segredos do mesmo. A narração continua a mesma, a facilidade do texto e a falta de algo mais complexo, porém o ritmo e mais lento, achei que embora se inicie num ritmo legal, com o passar das páginas o livro meio que se perde um pouco, fica repetitivo e em momento algum há um clímax digno de fim de estória e pior o livro apresenta um final lógico, acho que seria o final realmente mais lógico e aceitável para um documentário ou algo realmente real, na verdade foi um fim bem .... Sem fim, ficou devendo. Michael não ganha o destaque que achei que ganharia e o novo par de Callie tem uma revelação interessante, mas e outro que ficou devendo como algo a mais. O livro não e ruim, de forma alguma, só carece de um texto mais bem escrito com resoluções que realmente sejam plausíveis, pois achei que a solução que foi dada pela autora para algo tão complexo que e um mundo pôs guerra e um mundo de interesses industriais ridícula, acho que ela não tem o menos conhecimento sobre o ramo e não tinha a menor capacidade criativa para um desfecho cheio de clímax, acho incrível como não há clímax no livro.
comentários(0)comente



Fernanda 04/02/2014

Resenha: Enders
Resenha: “Enders” é a continuação de Starters de Lissa Price, publicado pela Editora Novo Conceito. Assim como o primeiro volume este também prende a atenção do leitor do início ao fim e cria perspectivas sensíveis e surpreendentes. Starters se mostrou bastante promissor e o desfecho se concretiza com várias perguntas sem respostas, expostas justamente para serem analisadas neste segundo e último livro. Felizmente a autora conseguiu realizar atos magistrais, com reviravoltas dignas para agradar os leitores.

Callie Woodland é uma protagonista sensacional. Mesmo! Desde o começo mostrou ter uma personalidade forte e cheia de princípios. Quando procurou a Prime Destinations foi para ajudar o irmão doente e desde então se mantém focada para achar a melhor solução de ver todos ao seu redor em segurança e claro, tirar o chip de sua cabeça. É impossível não simpatizar com seu jeito. E um dos pontos positivos é poder observá-la fazendo as coisas e saber que ela tinha mesmo potencial para aquilo.


CONFIRA A RESENHA COMPLETA NO BLOG SEGREDOS EM LIVROS:

site: http://www.segredosemlivros.com/2014/02/resenha-enders-lissaprice-novoconceito.html
Álexx' 10/02/2014minha estante
Curtam:
Pensamentos de um Starter
https://www.facebook.com/pages/Pensamentos-de-um-Starter/276437032470765




ricardo_22 29/01/2014

Resenha para o blog Over Shock
Enders, Lissa Price, tradução de Ivar Panazzolo Júnior, 1ª edição, Ribeirão Preto-SP:
Novo Conceito, 2014, 285 páginas.

Muita coisa aconteceu na vida de Callie Woodland desde que a Guerra dos Esporos mudou radicalmente o mundo que conhecia, mas depois dos acontecimentos que momentaneamente devolveram a paz para sua vida, ela descobre que estava enganada e que a situação continua complicada. Sua condição é muito especial para determinadas pessoas e o temido Velho continua se comunicando com ela através do chip que tem implantado em sua cabeça.

Quando percebe que sua vida continuará a mesma enquanto estiver sendo comandada pelos Enders, Callie busca uma forma de remover o chip sem correr risco de vida. Ela está disposta a tudo para voltar a ter uma vida normal ao lado de seu irmão Tyler e do amigo Michael. Callie não sossegará enquanto não alcançar seus objetivos, que incluem a busca pela real identidade do Velho e a verdade sobre o que aconteceu com sua família.

“Estava com saudade de Tyler. Hyden me convenceu de que o risco de fazer outro contato pela aerotela era grande demais. E eu não sabia se aquilo dificultaria a situação para nós dois no final. Era mais fácil não ouvir a voz de meu irmão, porque eu conseguia me concentrar no que tinha de fazer.
Resgatar os Metais” (pág. 83).
Após a leitura de Starters, ainda que com algumas observações e detalhes não tão positivos e ainda assim comuns em livros introdutórios, a espera por Enders não poderia ser menos angustiante. Muito tempo se passou, o que apenas aumentou a expectativa por um livro que tinha tudo para ser surpreendente. Felizmente foi!

No livro anterior foi possível sentir a falta de algumas explicações, o que como dito pode ser considerado normal, mas ainda nas páginas iniciais do segundo livro fica claro que as dúvidas serão facilmente deixadas para trás. No entanto o detalhe mais interessante, também perceptível ainda no início, é como Lissa Price conseguiu criar um mundo complexo e tão detalhista em tão poucas páginas – e com apenas dois livros, o que dificilmente acontece.

A estrutura do enredo, anteriormente já vista como grande qualidade da autora, continua perfeita e ainda mais viciante. Isso porque as surpresas surgem com naturalidade e assim fica impossível largar o livro, sabendo que algo novo acontecerá em questão de palavras. Como Callie não está mais em um mundo desconhecido, e por já estar adaptada com todas as mudanças causadas pela Guerra dos Esporos, ela consegue agir com rapidez para salvar todos ao seu redor e isso é um grande diferencial.

O surgimento de novos personagens também é fundamental, sobretudo por acontecer na medida certa sem que nenhum apareça fora de contexto, o que também é natural em algumas continuações. Vale lembrar ainda que os próprios personagens são responsáveis por dar motivos para se surpreender com as revelações e com tudo o que ainda está por vir no livro – mesmo que uma ou outra surpresa seja previsível.

Sem contar, claro, que a própria estruturação dos personagens, bem como suas personalidades, são fundamentais para o encanto do leitor. A maneira como eles são apresentados, ainda que através da visão de uma narradora-personagem, torna impossível não se cativar e assim ficar na torcida, mesmo sem a certeza de que são realmente confiáveis.

site: http://www.overshockblog.com.br/2014/01/resenha-212-enders.html
Álexx' 10/02/2014minha estante
Curtam:
Pensamentos de um Starter
https://www.facebook.com/pages/Pensamentos-de-um-Starter/276437032470765




Juan Florêncio 11/01/2014

Viciante! Não tem outra palavra que defina melhor o enredo dessa história.
Há pouco menos de um ano atrás, em meio a febre distópica que tomava conta do mercado editorial, Lissa Price teve seu primeiro livro lançado no Brasil. Starters, que parecia ser apenas mais um fruto da modinha distópica, mostrou-se um fenômeno nas livrarias e de crítica, repetindo o alvoroço que causou nos Estados Unidos, onde havia sido lançado meses antes. O plano de fundo continua sendo uma sociedade futurística com uma organização social extremamente frágil e cheia de rupturas. Um seleto grupo dos habitantes desse senário vive com uma extravagante situação econômica enquanto outros não têm o que comer ou onde viver. Até aí, tudo normal. Entretanto, a autora conseguiu fazer um apanhado de particularidades que fizeram da história, no mínimo, um caso peculiar em meio às outras obras do gênero.

Em um futuro não muito distante, os Estados Unidos foi devastado por uma guerra que usou, sobretudo, armas biológicas. Esse evento ficou conhecido como guerra dos esporos, e exterminou pessoas entre os 20 e 60 anos, que não receberam proteção adequada por não serem consideradas pelo governo prioridades. Quando os conflitos cessaram, havia uma grande população de jovens e idosos na região. Esses primeiros passaram a ser designados como starters, e em geral vivem subjugados, sem casa, família, dinheiro e nem mesmo, o que comer. Esses segundos foram denominados enders, e por conta da idade, ocupam os melhores empregos e cargos, e por consequência, formam a massa rica dessa sociedade.

Ao passar do tempo, uma empresa oferece esperança para os starters. A Prime Destinations, criou um método que permite ajudar tanto starters como enders. O método consiste em uma troca de corpos. A troca consiste na instalação de um microchip na cabeça de um starter, que em conjunto com métodos tecnológicos faz com que um Ender assuma o controle do seu corpo e passe um tempo como uma espécie de hóspede. Ao término do aluguel, o starter pode voltar para a sua vida, porém, com o pagamento do serviço. Essa oferta atrai vários starters de Los Angeles, palco dos acontecimentos do livro, entre eles, Callie, uma órfã que vai em busca do serviço para ajudar seu irmão doente. O que a garota não imagina, é que ela passará por muitos apuros e descobrirá que o trabalho de alugar corpos, envolve uma trama perigosa a qual ninguém, se quer, desconfia.

É assim que começa a trama do primeiro livro da série. No fim do mesmo, Callie causa junto com alguns dos seus recém adquiridos amigos uma grande confusão com a Prime, ganhando um grande inimigo e pondo em risco a sua própria vida. Enormes ganchos foram deixados no primeiro volume para serem descobertos apenas nesse segundo e, infelizmente, último volume.

Se Starters era uma obra de leitura facilmente fluida graças a ação e as descobertas sempre instigantes, Enders consegue se sobressair a isso, sendo quase capaz de transportar o leitor de seu local de leitura para a intensa e acalorada confusão que se organiza pelos quatro cantos de Los Angeles. Desde o primeiro capítulo a narrativa já começa explosiva literalmente, devo dizer e segue nesse ritmo até a última página do livro. O velho, antigo dono da Prime Destinations, começou uma caça aos Starters, para vende-los a grandes líderes de outros países, e conta com o apoio de todos os Enders nessa missão. Para evitar que isso aconteça, Callie procura métodos de afundar ou ao menos atrapalhar o máximo que puder os planos do seu grande inimigo. E é no meio dessas tentavas que ela acaba encontrando novos aliados, amigos, amores e por consequência, inimigos.

Callie é uma daquelas personagens que facilmente consegue fãs no mundo da literatura. Justamente por ser um tipo que foge ao estereótipo da garota adolescente. Forte, audaciosa e sem medo, a personagem surpreende em todas as suas ações e consegue sempre chamar a atenção para si. O romance nesse volume está mais latente, e a protagonista enfrenta desilusões e novos sentimentos se formando. É sensacional a mistura de amor com um ambiente rarefeito e cheio de perigos.

Lissa Price consegue com maestria nessa finalização de saga mostrar o quão boa como escrita ela é. Enders consegue ser impecável em todos os aspectos, os personagens são fortes e muito bem construídos, a narrativa se torna cada vez mais sólida e fluida, bem como as novas histórias que vão surgindo e as reflexões causadas a partir do conteúdo do livro são a cada página mais provocativas. É muito difícil largar o livro, e não porque Lissa abusa do suspense ou de fazer com que coisas aconteçam em um capítulo e as consequências disto só sejam reveladas no próximo, e sim, porque o livro é simplesmente magnífico.

Infelizmente, Lissa Price resolveu ser inédita até no número de exemplares de sua série, formando uma duologia. Enders fecha com chave de ouro essa série que particularmente, não deixou a desejar em nenhum aspecto. Segundo o The Hollywood Reporter, alguns estúdios já estão brigando pelos direitos de adaptação do livro. Vamos torcer para que seja verdade, e se não for, sempre podemos reler e nos maravilhar com esses personagens únicos e cativantes que saíram da pena de Lissa Price, e não vão sair tão cedo da nossa memória.

site: http://asasliterarias.com/
Larissa 13/01/2014minha estante
Eu já estava ansiosa, mas você conseguiu piorar minha situação kkk


Taina 14/01/2014minha estante
Muito boa a resenha! Aonde você conseguiu comprar o 2º? Já lançou?


rose 14/01/2014minha estante
Muito bom o primeiro, não vejo a hora de ler o segundo. Mas já lançou no Brasil???


Juan Florêncio 14/01/2014minha estante
Oi, meninas. Fico feliz que tenham gostado da resenha. O livro chega às livrarias em Fevereiro. Fiquem ligadas.


Any 14/01/2014minha estante
gostei da resenha ,conheci o primeiro livro Starters na Bienal , e estou hiper ansiosa para ler o segundo .bjinho


PriPriii 19/01/2014minha estante
Perfeito.Amei sua resenha.


Ellen 13/02/2014minha estante
Resenha muito boa, reflete bem a minha opinião. Terminei de ler o livro hoje, mas só espero que, seja qual for o estúdio que adapte o livro, arranje um ator à altura para representar o Hyden. :)


Carolina 05/03/2014minha estante
Não li a resenha mas me apaixonei por você! Passa wpp, gato? kasjhdkhasldjhasd


Jehpintrix 02/12/2014minha estante
N estou gostando do livro. :(


Raissa Heidi 21/03/2015minha estante
Tanto os dois volumes quanto o conto me conquistaram, mas o final do livro me decepcionou... achei meio normalzinho... Meio final de filme de ação adolescente.




104 encontrados | exibindo 91 a 104
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7