Poemas de Álvaro de Campos

Poemas de Álvaro de Campos Fernando Pessoa




Resenhas - Poemas de Alvaro de Campos


21 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2


Isabelle.Staviski 18/03/2021

Cansativo mas ótimo para estudar Modernismo
A leitura em si é chata, a melancolia e autopiedade frequentemente acaba dificultando a leitura.
Porém há muitas citações históricas dentro dos poemas, quase todos são datados e é visto muitas vanguardas europeias como a do futurismo nos textos.
comentários(0)comente



delicadas.leituras 08/02/2021

Um gênio literário
Obra contendo poesias incrivelmente reflexivas, não a toa este é um dos heterônimos de Pessoa mais parecido com o próprio, seu alter ego. Diante de inumeráveis escritos tão diversificados assim como são diversas suas personalidades pode ser tido por vezes como portador de transtorno dissociativo de identidade (múltiplas personalidades), mas só digo o que está evidente: foi um gênio!
comentários(0)comente



Luciana 25/12/2020

Mestre da poesia
Sentimentos que se transformam em poesia.
Fernando Pessoa é um mestre!
comentários(0)comente



Hyago.Saraiva 17/11/2020

Álvaro dos Campos, histérico e melancólico
O modernismo me encanta, mas também me deixa num ambiente enfadonho. É praticamente isso que senti ao ler esse livro.

Pessoa é gênio, de fato. A escrita é livre, construída com muita destreza intelectual, os odres é que são monótonos, chatos e longos. Por isso quase não concluí essa leitura.

O que entendi, li com ajuda de dicionários, pra mim a poesia também está nessas coisinhas.
comentários(0)comente



Jack 24/09/2020

Histórico
É uma obra históricos de Álvaro de Campos, heterônimo de Fernando Pessoa, que traz um retrato de Portugal das primeiras décadas do século XX, em um tom, muitas vezes melancólico, outra hora nostálgico, o poeta nos leva para dentro de si e para dentro de nós mesmos. Com uma linguagem muitas vezes truncada o livro requer pesquisas para possibilitar o entendimento de certos trechos.
comentários(0)comente



Yasmin 20/07/2020

"Tenho sono, não durmo, sinto e não sei em que sentir.
Sou uma sensação sem pessoa correspondente,
Uma abstração de autoconsciência sem de quê,
Salvo o necessário para sentir consciência,
Salvo? Sei lá salvo o quê..."

Minha quarentena resumida em uma estrofe
comentários(0)comente



Thamara 29/04/2020

Intenso
Poemas que tratam medo, um pouco e solidão, dúvida e uma gota de esperança.
comentários(0)comente



Gabzz 20/02/2020

Um favorito
Nunca li Fernando Pessoa e não sei se começar a ler ele pelo seu heterônimo foi uma boa ideia, mas amei o livro. Sua escrita é incrível e os assuntos tratados também. Pretendo reler mais vezes.
comentários(0)comente



Karla.Senne 18/02/2020

"transbordei, não fiz senão extravasar-me"
Se tivesse eu vos conhecido pelas tempestuosas épocas de minha adolescência, não somente teria vos compreendido, mas feito-o par do meu coração sem companhias. ó Alvaro! ó Pessoa meu, tuas letras me tocam e violentam; cada uma, sem intervalos.

Nunca - nunca! - voltará minh'alma a deitar-se, em "beijada dor", em tão formosa poesia. Tu, Pessoa meu, só é privado da coroa da santidade, pois, dos homens todos comuns, que transitam de um vazio para outro inda mais abismal, só em ti fora concebida a violenta e obscena flor da íntima poesia. Poesia!... que todos bradem esta arte furiosa que vulnera os corações. Fizeste tu, Pessoa meu, dos versos tuas veias e da tinta teu sangue. Encerraste-te nos braços mármores desta antiquíssima senhora, dando-lhe-a tua própria carne e ossos, e assim fundindo-se num Só. Digo eu: tua Poesia! Só tua, Pessoa meu. Absolutamente todos perderam seus encantos ao primeiro compôr teu.

Doloroso homem que tem a inspiração movida pela podridão das chagas. ó sim, todas as feridas decompostas de toda terra pisoteada por homens de mãos sujas e almas soturnas! Estas desabrigadas dores encontraram, por um momento, em vós um lugar. Foste o corte e a faca, o objeto e o membro, o matador e a vítima. No vão do teu ser deste palco e atos a vários.

ó Álvaro, Pessoa meu, feriste-me, feriste-me! E não mais sei como convalescer-me.

Terminei este pequeno livro reconhecendo um par de olhos melancólicos, como manhãs nubladas, numa multidão de proporções oceânicas. Reconheci, sim. E chorei.
comentários(0)comente



Craotchky 06/12/2018

Fragmentos
"O que é a necessidade de escrever versos senão a vergonha de chorar?..."

"O que é fazer versos senão confessar que a vida não basta"

"Eu nunca farei senão copiar um eco das cousas,
O reflexo das cousas reais no espelho baço de mim."

"Viajei por mais terras do que aquelas em que toquei...
Vi mais paisagem do que aquelas em que pus os olhos...
Experimentei mais sensações do que todas as sensações que senti...
Porque, por mais que sentisse, sempre me faltou que sentir
E a vida sempre me doeu, sempre foi pouco, e eu infeliz."

"E preciso querer chorar, mas não sei ir buscar as lágrimas..."

"Amei e odiei como toda a gente,
Mas para toda a gente isso foi normal e instintivo,
E para mim foi sempre a exceção, o choque, a válvula, o espasmo."

"O mundo é para quem nasce para o conquistar
E não para quem sonha que pode conquistá-lo, ainda que tenha razão."

"Quando quis tirar a máscara,
Estava pegada à cara.
Quando a tirei e me vi ao espelho,
Já tinha envelhecido."

"A vida ali deve ser feliz, só porque não é a minha."

"Queria levar ao menos a um outro coração a consciência do meu!"

"Estou cansado da inteligência.
Pensar faz mal às emoções."

"Quanto fui, quanto não fui, tudo isso sou.
Quanto quis, quanto não quis, tudo isso me forma.
Quanto amei e deixei de amar é a mesma saudade de mim."

"Aquece, meu coração!
Aquece ao passado, Que o presente é só uma rua onde passa quem me esqueceu..."

"Pode ser que para outro mundo eu possa levar o que sonhei,
Mas poderei eu levar para outro mundo o que me esqueci de sonhar?"

"Nem me lembro de te ter esquecido senão quanto te vejo,"

"Viver é desencontrar-se consigo mesmo.
No fim de tudo, se tiver sono, dormirei.
Mas gostava de te encontrar e que falássemos.
Estou certo que simpatizaríamos um com o outro.
Mas se não nos encontrarmos, guardarei o momento
Em que pensei que nos poderíamos encontrar."

"Ó coração por sarar! quem me salva de ti?"
comentários(0)comente



Leandro.Bonizi 01/04/2018

O poeta complexo
Meu livro de cabeceira. Quase uma bíblia de emoções intensas ou, como eu chamo, meu "mapa de estados psicológicos complexos". Não há estado de espírito que eu não ache um poema correspondente.

Geralmente em versos livres, seguindo os caprichos do coração. O caos, as angústias do espírito, o desespero... acho difícil alguém não identificar em cada poema algo que já sentiu pelo menos uma vez na vida, pois são emoções comuns a todos os seres humanos, que Fernando Pessoa expressa com uma genialidade fenomenal, encontrando as expressões perfeitas para expressar as tormentas na alma de cada um de nós. Pois a vida é isso: dores, frustrações, desilusões... e disso tudo a arte desse grande poeta floresce.
comentários(0)comente



May 21/08/2017

Incrível
Pessoa é um dos poetas mais admiráveis à quem já tive a oportunidade de ler. Nunca tinha lido uma obra dele, até porque ele escreve poesia e, pelo que eu saiba, não existe um livro elaborado por ele; mas conjuntos de poemas reunidos em livros feitos por pessoas amantes do poeta. Enfim, Álvaro de Campos, como dito por grande parte as pessoas que leem Pessoa, é o seu heterônimo mais sensível e que se atêm a essência humana. E é o ramo, se assim se possa chamar, de poesia que mais me agrada. Achei a maioria dos seus poemas maravilhosos, favoritei vários e com certeza esse é um dos meus livros de cabeceira. Quero sempre tê-lo ao meu lado e desfrutar de toda beleza dos versos de Álvaro de Campos.
comentários(0)comente



Colégio Evolução 22/07/2017

Álvaro de Campos é um dos heterônimos de Fernando Pessoa e como este fez uma biografia para cada um de seus heterônimos, temos que Campos nasceu em Tavira da Serra Grande, estudou engenharia naval e dentre todos os heterônimos foi o único a manifestar fases poéticas.
Neste volume de poesias somos apresentados a um poeta amante efusivo do modernismo e das máquinas. Poeta disposto a sentir tudo de todas as maneiras.
comentários(0)comente



Luciano Luíz 28/05/2016

Mais uma obra de FERNANDO PESSOA, sob o heterônimo de ÁLVARO DE CAMPOS. A edição pocket surpreende pela quantidade enorme de textos. Um melhor que o outro. Sem contar alguns épicos tanto em tamanho quanto em qualidade. Não tem o que dizer. É ler e sentir toda a força desse poeta português insuperável.

Nota: 10

L. L. Santos

site: https://www.facebook.com/L-L-Santos-254579094626804/?fref=ts
comentários(0)comente



21 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2