Confissões

Confissões Santo Agostinho




Resenhas - Confissões


116 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


@aprendilendo_ 17/06/2020

Resenha de Confissões de Santo Agostinho
A confissão é uma importante prática da igreja católica a qual consiste na expressa revelação de nossos pecados e erros ao padre para, dessa forma, sermos perdoados por Deus. Como sou e cresci em uma família de religião protestante, nunca tive um contato direto com tal ato. Apesar disso, desde a infância tal ideia sempre pareceu-me intrigante e de certa forma, assustadora. A simples ponderação sobre a possibilidade de abrir todos ou parte dos meus piores pensamentos realmente me causa calafrios. Nesse sentido, Agostinho de Hipona leva a atitude de reconciliação ao máximo quando, em sua obra intitulada Confissões, faz a primeira autobiografia do ocidente e a preenche de seus remorsos sobre incredulidades, depravações e arrogâncias em seu caminho até conhecer Deus.

Contextualizando, a obra foi escrita entre 397 e 400 depois de Cristo. Na época, Agostinho, nascido no norte da África, tinha cerca de 40 anos. O livro, basicamente, conta a história do teólogo de seu nascimento até sua conversão aos 33 anos de idade. A escrita constrói-se através de 13 livros somando ao todo 414 páginas. Ela pode ser dividida em duas partes, a biográfica ( livro I ao IX) e a teológica ( livro X ao XIII) em si com cerca de 254 paginas para a primeira e 140 para a segunda.

Do início ao fim entendemos o porquê do pensador cristão ser tão citado e influente ainda nos dias de hoje. Presenciamos seu caminho, da religião maniqueísta à católica, seus relacionamentos com amigos, professores e a forte influência de sua mãe em sua vida. Com uma escrita poética e pensamentos densos de um homem a frente de seu tempo, Agostinho consegue passar pela própria história com um singular atributo de analogias sobre cada etapa e momento até a conversão. Logo, a obra não contém apenas os fatos, na verdade, eles quase tornam-se coadjuvantes das reflexões conjecturadas. Nesse contexto, o autor, apesar de expressar sua confissão de forma pública, a escreve diretamente para Deus, essa atitude, como consequência, faz do livro muito mais que uma confissão, uma oração. Portanto, presenciamos a todo momento uma conversa entre criador e criatura e as conclusões tiradas de tantos questionamentos.

“ Tu vês o tremor de meu coração em todos esses perigos e lutas e em outros desse tipo, e sinto que tu saras mais constantemente minhas feridas do que eu deixo de infligi-las.”

Na segunda parte o escritor, como já dito, deixa os acontecimentos de sua vida e passa a discorrer sobre as ponderações teológicas quanto ao início de tudo e suas abrangências como o tempo a matéria e o ser humano. Aqui, cabe ressaltar talvez um dos maiores entraves para uma leitura amena. Por se tratar de uma obra dos primeiros séculos e de um autor tão genial o qual não se abstêm de entregar todas as suas confissões e crenças, a escrita é enfaticamente complexa, podendo deixar o leitor muitas vezes perdidos em meio a prolongados pensamentos e difíceis conclusões capazes de obrigar a releitura da parte algumas vezes. Essa característica segue todo o livro e na primeira parte consegue tornar-se mais confortável com o tempo. A segunda, entretanto, sobrepesa as dúvidas e incertezas do autor podendo tornar o livro um pouco pesado no final, mas com certeza não menos impressionante.


Confissões é um dos maiores clássicos da literatura mundial, sendo recomendado não só aos cristãos mas àqueles em busca de uma sincera leitura sobre um homem e seu maior amor e propósito de vida. E dentre os muitos motivos, apesar de discreto, talvez esse seja o principal, o pensador demonstra-se um convicto cristão o qual busca com todas as suas forças aproximar-se cada vez mais de sua luz e isso, essa determinação é rara em qualquer homem de qualquer tempo. Humano, fiel, complexo, cristão, incrível, esses são alguns dos elogios para a tão necessária obra de Agostinho de Hipona.

Para mais resenhas, acesse: aprendilendo.com.br

site: https://www.aprendilendo.com.br/post/resenha-de-confiss%C3%B5es-de-santo-agostinho
almeidalewis 18/06/2020minha estante
Muito boa a explicação ?????.mesmo depois de adquirir as confissões em 2001 só vim a ter determinação e motivação de ler ele em 2004 olhando para trás hoje vejo que foi bom amadureci mais antes de me aventurar por ela.se tornou um livro que quase sempre revejo alguma citação, pensamento e oi conclusão de Agostinho,adoro essa questão da interioridade que ele explanou.mantenho ele perto da minha confissão ( Leon tostoy ) que é tb uma obra maravilhosa.valeu Pedro mais uma vez pela sua esmera contribuição para nós aqui do Skoob.


@aprendilendo_ 18/06/2020minha estante
Realmente, se Deus quiser pretendo revisitar essa obra diversas vezes durante os anos. Muito obrigado, amigo. Como já disse, é sempre muito bom receber um feedback de alguém tão apaixonado pelo tema.


almeidalewis 18/06/2020minha estante
Já assistiu o filme dele ( bem interessante tb o encontro dele com santo Ambrósio...a luta da mãe dele...o encontro dele com macrobio com o maniqueísmo etc ) enfim eu gostei muito do filme tb.um abraço querido


@aprendilendo_ 18/06/2020minha estante
Ainda não, mas pretendo assistir em breve, parece mesmo ser interessante, abraços.


beatriz.libanio 20/06/2020minha estante
É um livro muito dificil de se ler? Queria começar a ler os clássicos da igreja católica mas ainda não se dou conta da linguagem.


@aprendilendo_ 21/06/2020minha estante
Olha, pessoalmente,eu tive dificuldades de nível alto para ler ele, tanto que até parei por um tempo na época de provas. Agora, se você está interessada, te garanto que o conteúdo não decepciona em nenhum aspecto e um desafio é sempre muito bom. Se você estiver disposta a reler algumas partes e ficar confusa de vez em quando, recomendo de olhos fechados.


beatriz.libanio 21/06/2020minha estante
Bom saber, acho qur vou me preparar um pouco mais antes de mergulhar nessa obra. Obrigada!


@aprendilendo_ 21/06/2020minha estante
E uma dica pessoal, a linguagem, por ser como se uma oração, aparenta-se muito com poemas e declamações. Caso você já esteja familiarizada com tal linguajar mais enfeitado e indireto, talvez você não sinta tanta dificuldade.


almeidalewis 21/06/2020minha estante
Realmente ele não é um livro fácil de se ler, porém depois de lido nunca mais esquecido!?? Até hj guardo versos em minhas memórias. Tem um filme sobre ele que pode abrir mais o leque e o entendimento sobre confissões e tb tem um podcast literário que debate o livro dele. Essas duas recomendações não invalidam oi diminui o livro pelo contrário adiciona e nossas observações ficam mais abertas ??. Eu passei 3 anos ( adquiri e deixei lá abandonado) para conseguir me determinar a lê ele, mas valeu muito, muito a pena ???. O tempo apenas me amadureceu. Lhe desejo uma ótima leitura ???


beatriz.libanio 21/06/2020minha estante
Obrigada !


Leticia Rosa 22/06/2020minha estante
Ótima resenha??
Só aumento minha curiosidade em ler essa é obra.


@aprendilendo_ 22/06/2020minha estante
Muito obrigado!


Biel 01/07/2020minha estante
Obrigado por essa resenha tão completa! Sem dúvidas, aguçou minha curiosidade em relação à essa obra.


@aprendilendo_ 01/07/2020minha estante
Muito obrigado!


JoAo.Eduardo 19/11/2020minha estante
Que resenha...que Deus abençoe ???????


@aprendilendo_ 19/11/2020minha estante
Muito obrigado!


Supriano 23/06/2021minha estante
vou começar hoje...ótima explicação ?




Claire Scorzi 26/05/2021

Teologia Verdadeira Gera Doxologia
Agostinho de Hipona (354 - 430) foi um dos maiores teólogos do Cristianismo. Espécie de unanimidade entre católicos e protestantes, seu pensamento é assombroso porque perspicaz, original, fruto de profundo interesse nas coisas de Deus - e sendo assim, um pensamento focado nEle, que começa na inquirição dirigida ao Senhor e parte daí para fascinantes ideias que mesclam teologia e filosofia.
Em Confissões, Agostinho nos dá uma autobiografia diferente: é uma autobiografia que se confessa a Deus, que fala a Ele, todo o tempo, numa união de sinceridade e doxologia.
Falei em doxologia; procede, pois é quase impossível o cristão ir lendo "Confissões" sem ser levado ao louvor; diante das investigações agostinianas, que exaltam Deus enquanto o interrogam acerca das Suas maravilhas, É difícil também não chorar em certas passagens; Agostinho, apaixonado por seu Senhor e tão cônscio das próprias falhas, gera em nós a mesma humildade; a compreensão de quanto somos pequenos, miseravelmente pequenos e, contudo, tão amados por Aquele que é infinitamente maior do que nós.
"Dai-Vos a mim, ó meu Deus, entregai-Vos a mim. Eu amo-Vos e, se é ainda pouco, fazei que Vos ame com mais força. Não posso avaliar quanto amor me falta para ter o suficiente a fim de a minha vida correr para o vosso regaço e não sair dele..." (pág. 382).
Georgeton.Leal 26/05/2021minha estante
Esse está na minha próxima lista de aquisições. Agostinho é indispensável


Kelly Oliveira Barbosa 26/05/2021minha estante
Quero reler. Confissões foi uma experiência maravilhosa na minha vida.


LER ETERNO PRAZER 27/05/2021minha estante
Finalizei sua leitura essa semana! E foi uma leitura que me trouxe ótimas reflexões!


Claire Scorzi 27/05/2021minha estante
Que bom ver tantos terem esse encontro - ou a caminho de tê-lo - com Agostinho. A releitura fez-me um bem imenso. Recomendo demais ^^


Gessy 29/05/2021minha estante
Eu amo esse livro.


Claire Scorzi 29/05/2021minha estante
Tendo relido - ele passou com louvor no teste da releitura - digo o mesmo, de coração ^^


Biel 04/06/2021minha estante
Estou lendo e compartilho da mesma opinião com você. Lindo demais esse livro!




Maurino 08/07/2011

A caminhada da libertação.
Não, em absoluto, não se trata das reflexões superlativamente emocionais de um moralista pedante, como eu tinha ouvido dizer. Agostinho tem um problema genuíno: procurar a Deus. E procurando o que ama, quando O ama, não encontrou nada extra memoriam. Podemos vê-lo em seu estilo, a forma pela qual se exprime literariamente, ao explicar-se quanto ao que significa confessar-se diante de Deus. Encontrar a beata vita pressupõe já tê-la, em essência, na memória – a memória de Deus. E é experienciando-a que o homem conquista as virtualidades de sua humanidade. Tal qual o mito da reminiscência, em Platão, a Verdade de Deus é o não-esquecido, a-létheia - todavia, embora Platão e Agostinho tivessem pensado a Idéia de modos distintos pensaram, contudo, o mesmo, pois só o diverso pode ser igual. Em suma, o presente não passaria se ele não fosse, ao mesmo tempo, passado e presente. Assim, como procurar a Deus se ele já não estiveste aqui, para mim, no presente, como passado puro, a priori? O conhecimento interior que cada um de nós tem em si mesmo inclui o que cada um exprime quando diz “eu sou”. Ora, ao mesmo tempo em que Deus ultrapassa a alma é vivendo nele que eu o encontro e encontro a mim mesmo: “que me conheça a mim, que Te conheça a Ti, Deus” – eis o “cogito” agostiniano. Esse livro é incrível
Renata CCS 21/01/2013minha estante
Gostei muito de sua resenha. Fiquei interessada em ler este livro.


Edvander 23/09/2015minha estante
Muito boa a sua resenha! A questão do essencialismo e do "existencialismo" (a confirmação da essência na vida a partir da "existência em Deus") é sim um assunto em Agostinho. Não sou propriamente um agostiniano, mas esse cara deu uma rica e bela contribuição para o pensamento ocidental.


Denise 11/03/2018minha estante
Parabéns pela resenha! Uma beleza! Claramente demonstra uma pessoa de elevado nível cultural! Adorei o fato de ter comparado Agostinho a Platão e ambas as "teses". Muito esclarecedor sobre o que encontraremos ao ler esse livro. Um ótimo auxílio para os demais leitores.




May 15/12/2021

Leitura incrível.
Pra começar, recomendo a leitura da obra por essa versão, da Paulus. A editora tornou o texto mais fluido e agradável.
Santo Agostinho narra seu processo de conversão ao longo da vida e traz uma série de reflexões muito úteis para os cristãos, mas também para qualquer pessoa que deseje aprender um pouco mais sobre o processo do autoconhecimento.
comentários(0)comente



Richard.Laia 17/01/2021

Enriquecedor!
Repleto de reflexões profundas e uma forma única de escrita, Agostinho literalmente apresenta suas confissões a Deus através de uma oração direta a Ele. (Me lembra bastante dos Salmos bíblicos em que o autor eleva seus pensamentos ao Criador e começa a adorá-lo através da sua escrita e por incrível que pareça através da sua filosofia)
Nesse livro também encontramos uma boa parte da biografia do bispo de Hipona, contando de sua relação com a família, a igreja e principalmente com Deus.
Confesso que levei mais tempo para terminar o livro do que esperava, em determinados momentos a linguagem usada é um pouco lenta e o texto nao corre conforme estamos acustumados, mas o conteúdo é enriquecedor, fantástica visão de mundo, e conhecimentos que vou levar pra vida. Se você quer aprender mais sobre a soberania de Deus, sobre os aspectos da criação, o problema do mal e a representação de Deus através do tempo, essa é uma excelente pedida pra você!
comentários(0)comente



Gui Fernandes 13/04/2021

Não passe dessa vida pra outra sem ler essa obra.
Livros 1 ao 9: Agostinho confessa seus pecados desde a infância e conta sobre toda sua vida até a conversão.

Livros 10 ao 13: Aborda diversos temas, com uma perspectiva mais filosófica/teológica ( tempo e eternidade, trindade, amor de Deus e etc... )
comentários(0)comente



anoca 29/03/2021

é inútil resenhar clássicos pq ta todo mundo careca de elogiá-los, mas eu gostaria de apontar que é uma excelente obra para quem está no processo de conversão e para quem sofre de escrúpulo.
comentários(0)comente



Joabe.Gileade 30/09/2020

Santo Agostinho
A minha motivação para o livro Confissões é o grande ícone Agostinho de Hipona. Não resta dúvida: É gênio! Detentor de muito conhecimento.
Ler esse livro é ter o privilégio de ouvi-lo. Trata de diversos assuntos os mais variados possíveis. Dentre esses quero destacar os eventos principais de sua biografia bem como comentários e definições de muitas crenças da igreja cristã.
Recomendo a leitura desse livro para todos os amantes do conhecimento e em particular para aqueles que querem se aproximar mais de reflexões espiritualistas.
comentários(0)comente



Annesley 28/01/2021

Uma autobiografia que em certos pontos da história abre discussões teológicas e filosóficas profundas, além de uma rebuscada escrita, que pode tornar a leitura um pouco cansativa. Este é o tipo de livro que deve ser lido devagar e regado de meditação, para que se possa extrair o máximo do riquíssimo conteúdo proporcionado por esse grande doutor e pratriarca da Igreja. Não é o tipo de leitura indicado para quem está começando a vida intelectual.
comentários(0)comente



Iago Sales 31/03/2022

Bom.. mas enfadonho
A leitura melhorou significativamente no final, embora complexa e dificil em alguns trechos. Todavia, Agostinho devaneia demais nas primeiras cartas, tornando um verdadeiro desafio continuar a leitura. Mas, quem segue adiante, recebe uma granta surpresa.
comentários(0)comente



Renatinha 21/04/2021

Dai-me o que me ordenais e ordenai-me o que quiserdes
O Santo Doutor confessa todas as fases de sua vida e ensina, na prática, o seu lindo processo de conversão. O que mais me deixou feliz foi saber que, as cartas de São Paulo (quem sou muito fã) ajudou na sua busca pela Verdade (Deus). Um livro não só teológico, mas também, filosófico e psicológico que vale muito a pena ler.
comentários(0)comente



Viviane.Fonseca 19/09/2021

Finalmente li Confissões!
Que livro!
Incrível acompanhar através de "Confissões" a história de conversão de Santo Agostinho. Ele é um grande exemplo de que a santidade está ao alcance de todos, basta querermos, buscarmos e seguirmos verdadeiramente a Deus. No geral, não é um livro difícil de ler, mas apresenta grande influência filosófica, tornando a leitura um pouco mais densa em determinadas partes.
Através do livro também podemos conhecer um pouco sobre sua mãe, Santa Mônica, a qual nunca desistiu e sempre acreditou na conversão de seu filho. Uma santa a ser exemplo e refúgio para todas as mães que oram pelos seus filhos.
comentários(0)comente



Edmon Santos 11/04/2021

Confissões de Agostinho.
Realmente, uma leitura extremamente edificante e interessante; é muito legal a nossa identificação com algumas etapas da vida de Agostinho. Recomendo fortemente a leitura por todo cristão.
comentários(0)comente



Lidia.Lacerda 15/04/2021

Nossa que livro! O que falar da história de Agostinho e das confissões que Ele faz ao nosso Deus!!
Me senti com pouca inteligência para ler esse livro, rsrsrs. Mas ao mesmo tempo fui muito marcada com algumas partes!!
comentários(0)comente



spoiler visualizar
Marcus Klinger 26/10/2020minha estante
é muito pesado de ler?? preciso tomar conhecimento da obra por ser obrigatória para o vestibular que acontece em fevereiro mas estou arrastando a leitura ^^?


Rian 26/10/2020minha estante
Eu particularmente achei uma leitura fácil e maneira. Ele é um pouco grosso (mais de 300 páginas), mas não é considerado um calhamaço.
Creio que depende do seu conhecimento sobre a história do cristianismo.
Aconselho a você fazer uma breve pesquisa (Google) sobre algumas informações acerca de Agostinho, para que você entenda quando ele viveu, a sua linha religiosa de pensar, visto que é um clássico.
Boa leitura.


Marcus Klinger 26/10/2020minha estante
Valeu, você me animou!! =]




116 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR