A Lei: Por Que A Esquerda Não Funciona

A Lei: Por Que A Esquerda Não Funciona Frédéric Bastiat




Resenhas - A Lei: Por Que A Esquerda Não Funciona


4 encontrados | exibindo 1 a 4


Jonas.Pessoa 17/09/2019

Leitura agradável!
A obra é bem objetiva e introdutória. Destaque para a linguagem acessível, tópicos enxutos e aos comentários do editor que em muito corroboram com o livro. Contudo, há defeitos que necessitam ser declarados: a formatação da obra deixa claro a intenção de fazer volume, uma vez que a mesma é relativamente curta. A distância de parágrafos entre um tópico e outro é absurda. Mesmo sendo louvável que a linguagem seja objetiva e compreensível, o autor não se aprofunda significativamente, deixando alguns tópicos apenas pra "encher linguiça". Outro defeito é uma grande quantidade de citações, além de muitas dessas serem enormes, tornando a leitura cansativa e dificultada. E a cereja do bolo, nos aspectos negativos, são as inúmeras charges que tomam uma página inteira; não enriquecem o conteúdo, e, mais uma vez, dão "volume" a obra. Apesar desse a intempéries, creio que é válida a leitura.
comentários(0)comente



Fidel 23/12/2018

A LEI - PORQUE A ESQUERDA NÃO FUNCIONA
O livro “A Lei - Porque a Esquerda não Funciona”, do escritor e tradutor Eduardo Levy, é um exame da obra "A Lei", que foi escrita em 1850 pelo economista e escritor francês Claude Frédéric Bastiat (1801-1850), fazendo-lhe profundos comentários e o analisando sob à perspectiva do Brasil atual. O livro contém as reflexões de Bastiat sobre os mecanismos naturais que dão origem às leis, assim como às suas inapropriadas e distorcidas aplicações. Suas ideias sobre direitos do indivíduo, que tanto contribuíram para o pensamento do liberalismo clássico, são sustentadas por três direitos: à vida, à liberdade e à propriedade.

Neste contexto, Bastiat argumenta que as leis escritas, ou seja, as leis dos homens, têm origem nos direitos naturais, os quais compreendem o direito a vida (condição necessária para a existência do indivíduo), o direito à liberdade (que considera que todo o homem nasce naturalmente livre) e o direito à propriedade (que pressupõe que o homem só pode alcançar a plenitude da sua liberdade dentro de um sistema democrático se as leis protegerem sua propriedade privada).

Para Bastiat, a forma como o Estado se apropriava da propriedade alheia, através dos altos impostos e a legitimidade a esse demasiado confisco através de instrumentos legais era questionável. Ele defendia que a "espoliação legal", um instrumento para extorquir o povo, era o meio pelo qual o Estado afundava o país na pobreza. Assim, Bastiat afirmava que a espoliação caminhava na contramão dos direitos naturais do indivíduo, vez que o Estado a convertia em direito tributário quando era do seu interesse pratica-la e a criminalizava para combate-la, quando praticada pelos indivíduos.

O pensamento de Bastiat é substancialmente liberal. Suas ideias em muito fortaleceram a defesa da liberdade do indivíduo contra as formas de opressão com origem no Estado. Desta forma, concluímos que nestas ideias estão a origem dos valores que são caros para o liberal: o indivíduo, a liberdade, a propriedade privada, a democracia representativa, os direitos civis e o mínimo de intervenção estatal na vida privada do cidadão.

site: www.leiologopenso.com.br
comentários(0)comente



J R Corrêa 06/09/2017

Sensacional
Ótimo livro. Linguagem simples com argumentos .
comentários(0)comente



vilmar.nunesdes 15/12/2016

A LEI
O livro trata de um excelente tema que é muito relevante para o momento atual do Brasil que é a utilização do aparato público por parte dos que estão no poder para criar ou modificar leis para benefício próprio, ou seja, para benefício de um pequeno grupo que está no poder. Posso resumir isso na seguinte frase: não importa se vai prejudicar e tirar direitos do outro, se me beneficia concordo que se torne lei. A crítica de bastiat é a governos que usam a lei para para fins de espoliação e retirada de direitos individuais como o direito à propriedade privada, liberdades individuais e outros direitos citados que, segundo ele, são anteriores à lei e ao estado. Ele chega a ser profético em alguns pontos. Uma defesa radical do liberalismo com alguns excessos que são perfeitamente compreensíveis tendo em vista a época em que bastiat escrevia.
Impressionante a atualidade desse texto e como nós demoramos a aprender com os erros. Livro curto, mas rico.
comentários(0)comente



4 encontrados | exibindo 1 a 4