O Eterno Namorado

O Eterno Namorado Nora Roberts




Resenhas - O Eterno Namorado


46 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


Pretenses 15/11/2016

O Eterno Namorado
Olá, Hoje venho falar com vocês sobre o livro o Eterno Namorado que é a segunda história da Trilogia A Pousada.
Como o Booklist declarou, esta é “uma trilogia contemporânea, encantadora e excepcionalmente cativante”. Pra mim esta segunda história conseguiu ser melhor que a primeira, que como já falei, gostei muito, e me deixou em grande expectativa para o último livro.
.
.
.
Quer saber mais? Leia no blog Pretenses!

site: https://blogpretenses.blogspot.com.br/2016/11/resenha-o-eterno-namorado.html
comentários(0)comente



Tamara 11/07/2016

Adorei
Definitivamente livros da Nora Roberts sempre me fazem suspirar e me deixam mais romântica. Mesmo que eu ache que as tramas as vezes contém elementos muito parecidos, como o fato de o romance geralmente acontecer de uma forma bem semelhante em vários livros, o que deveria ser um pouco irritante, mas a autora consegue inserir características especiais em cada personagem, o que torna cada livro único e que nos faz sentirmos uma empatia imediata por vários deles, além de todo esse ambiente familiar e esse sentimento de amizade e apoio incondicional que sempre me deixa encantada.
O livro O eterno namorado, segundo livro da Trilogia A pousada era bastante esperado por mim, embora o que mais está me deixando ansiosa é o terceiro, pois acredito que serão os meus personagens favoritos. Então assim que recebi O eterno Namorado da editora Arqueiro imediatamente comecei a leitura e devorei, sem parar para qualquer coisa. Li em menos de vinte e quatro horas e ao fim simplesmente queria muito mais.
No primeiro livro acompanhamos toda a construção da pousada Boonsboro, todo aquele ambiente frenético com planos e materiais de construção espalhados, e agora nessa obra encontramos a pousada finalmente pronta e prestes a ser inaugurada, e realmente, ela ficou linda e é o ambiente literário que eu mais gostaria de conhecer. A autora nos apresenta cada detalhe sem no entanto se tornar entediante por tantas descrições. Ela descreve de uma forma simples, que nos faz sentir dentro do próprio ambiente. Outro elemento que me cativou totalmente nesse segundo livro foi Elizabeth, a fantasma que aparecia na pousada durante o primeiro livro e que agora surge com mais frequência. Porém devo alertá-los de que para quem não gosta de fantasia não há problemas, Elizabeth é uma presença no local, mas não temos nada muito fantástico cercando tudo isso. Owen fica muito intrigado com a presença dessa mulher ali e como teria sido sua vida e resolve investigar, e através de poucos fragmentos vamos conhecendo e nos comovendo com a história secundária de Elizabeth, e ficamos ansiando para saber como terminou, e junto com os irmãos ficamos dando palpites de quem teria sido ela. Além disso temos ainda bastante foco nos outros personagens, até mesmo no casal do livro anterior, Claire e Becket, o que achei maravilhoso.
Em relação ao romance também só tenho elogios. Foi um amor calmo, ponderado e lindo, um amor que foi se descobrindo e se fortalecendo aos poucos.
Como ponto negativo eu destacaria apenas meu problema de sempre com os livros da autora: a rapidez para os acontecimentos e para os romances, e apesar de esse amor ter sido calmo em seu desenvolvimento, ele aconteceu também em um espaço de tempo muito curto e acho isso um pouco surreal.
Em relação aos personagens eu adorei a personalidade de Avery. Ela é uma pessoa muito animada, agitada, que faz e refaz tudo o tempo todo e não consegue ficar parada. O ambiente onde ela convive, a pizzaria, parece ser um lugar muito bacana, mas ainda prefiro a livraria de Claire. Já Owen é um homem fascinante. Adorei a sua mania de organização e de certa maneira me identifiquei muito, pois eu gosto de organização também, embora não seja tanto. Os personagens secundários também são sempre ótimos e aqui tivemos um foco maior em Willy B, o pai de Avery que foi abandonado pela esposa e criou a filha com todo o carinho. Também cabe destaque especial para Justine, a mãe de Owen, Becket e Ryder, ela é a sogra dos sonhos!
O livro é dividido em vinte capítulos e não tem epílogo, o que me deixou bastante frustrada, além de eu ter sentido falta do primeiro capítulo do próximo livro, que geralmente é inserido no final da edição. É narrado em terceira pessoa e não encontrei erros no ebook.
Recomendo para todos os leitores que adoram um bom romance, daqueles para serem lidos embaixo das cobertas em um dia chuvoso ou em uma viagem para não vermos passar o tempo. Ressalto que apesar de esse ser o segundo livro da trilogia, não haverá problemas lê-lo de forma independente, uma vez que ele aborda a história de um casal diferente, mas é claro que é muito válido conhecer o primeiro para curtir mais um pouco dessa família e dessa cidade.


site: Resenha original em: http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2016/07/resenha-o-eterno-namorado.html
comentários(0)comente



Gy de Paula 18/01/2017

No meio do romance tinha um fantasma, tinha um fantasma no meio do romance.
Nesta sequência da trilogia A Pousada (volume dois) o romance é entre o irmão mais centrado Owen e a mais louca das amigas, Avery.
Mais uma vez os personagens são pessoas normais, que trabalham, amam, brigam (tem umas brigas engraçadas rss).
Como se pode perceber, Owen e Avery são opostos, o que só torna a relação mais real.
Amigos desde a infância, na vida adulta resolvem viver de fato aquilo que havia sido somente uma brincadeira de criança, e assumem um romance.
A história dos dois é óbvia (assim como imagino que seja a do casal do terceiro livro), mas de uma maneira bem gostosa.
Avery tem alguns monstros internos com os quais precisa lutar. E é aí que reside o 'porém' da história do casal.
Já no primeiro livro aparece um fantasma (espírito, chame do que quiser), Lizzy. Que ao que tudo indica está "presa" neste mundo buscando o seu grande amor, Billy. Neste segundo volume a história de Lizzy se desenvolve mais. O que eu achei chato para "caraleo", até que a fantasminha camarada é situada de maneira mais lógica (?) Na história. Ainda não consegui decidir se gosto ou não dessa coisa de fantasma nessa história. Eu até gosto de fantasmas, mas em fantasias ou em histórias centradas nele (Como foi o caso de Menina de 20, da Kinsella).
Mas vou me segurar e deixar pra formar um juízo somente depois de terminar o último livro.
(Sobre a trilogia:
Volume 1: Um novo amanhã
Volume 2: O eterno namorado
Volume 3: O par perfeito)
comentários(0)comente



mariana.candiago 19/08/2016

Comentários da Mari
Um romance fofo da Nora Roberts. Sem grandes dramas, sem assassinatos, mortes, etc. Um pouquinho de mistério em relação ao fantasma da pousada, mas acima de tudo, uma história de amor, entre duas pessoas que um dia aos 5 anos de idade brincaram que iam se casar! O livro do meio, uma continuação de Um Novo Amanhã (resenha aqui) e o grand finale será no livro 3.

Nota 4,5 – para ler na rede, fim de tarde, relaxando.

site: www.cinderelasliterarias.com
comentários(0)comente



Cheiro de Livro 26/09/2016

Eterno Namorado
Não canso de dizer que Nora Roberts é a versão literária de uma boa Sessão da Tarde, ou seja, livro para descansar a cabeça, consumir sem culpa e seguir em frente. “Eterno Namorado” é o segundo volume da série A Pousada (a resenha de “Um Novo Amanhã” aqui)e como em qualquer série de Nora você já sabe, logo nas primeiras páginas, qual casal se formará. Aqui não é diferente e esse segundo livro pertence a Avery e Owen.

O romance entre a dona da pizzaria e o mais metódico dos irmãos Montgomery segue o roteiro do primeiro livro: a fantasma Lizzy dá uma mãozinha, os dois se beijam e desse momento em diante começa a jornada que vai leva-los ao amor verdadeiro. Também como no primeiro volume a relação dos dois tem história, nesse caso Avery sempre foi apaixonada por Owen, desde os seis anos.

Mesmo sabendo que tudo daria certo e que em algum momento teríamos que lidar com um conflito entre o casal achei o desenvolvimento ruim. O reaparecimento de Traci deveria causar mais estragos e não ser resolvido em pouco mais de um capitulo. Avery, como personagem, merecia um desenvolvimento melhor, assim como seu pai. Como está no livro parece que Nora precisava cumprir uma lista de coisas para acontecer e fez isso sem se esforçar nem um pouco. O segundo momento de conflito é um clássico de histórias românticas – não contarei para evitar spoiler – e poderia ser melhor explorado, mas aqui plot faz mais sentido e leva a história a diante, pelo menos.

No final, como sempre, tudo se resolve sem grandes problemas. E isso não é uma questão, é um dos méritos da obra de Nora. Aqui fica um gostinho de quero mais não por causa de Avery e Owen e sim pela história de amor que está por vir no próximo livro. Hope e Ry serão os protagonistas e esse romance explicará também o enredo de Lizzy e o porquê dela ser um fantasma que habita a pousada. Agora é esperar.

site: http://cheirodelivro.com/eterno-namorado/
comentários(0)comente



Hoje é dia de Livro 13/11/2016

Resenha - Hoje é dia de Livro
"O Eterno Namorado" é o segundo livro da trilogia "A Pousada". Se você não leu o primeiro livro "Um Novo Amanhã"(resenha aqui) e quer ler este livro mesmo assim, você não terá problemas de compreendê-lo, pois a autora relembra os leitores os acontecimentos importantes para a compreensão. No primeiro livro a história foca-se em Clare e Beckett, já em "O Eterno Namorado" a história foca-se em personagens que já conhecemos, Avery MacTavish, amiga de Clare, e Owen Montgomery, irmão de Beckett.

Avery é dona de uma pizzaria e Owen trabalha na construtora Montgomery junto com seus dois irmãos. Eles foram namorados quando crianças, o primeiro amor de Avery. Com o tempo, esse amor foi escondido embaixo de uma grande amizade.

Ambos possuem vidas corridas, cada qual envolvido com seu trabalho, porém Avery sempre arruma tempo para observar o andamento da construção da pousada Boonsboro, construída pela construtora Montgomery, e ajudar no que for preciso, e Owen, em seus momentos de folga, ou não, frequenta a pizzaria de Avery, e é em um desses encontros que uma chama é acendida, e o que era apenas amizade torna-se algo mais profundo.

O livro conta uma história de amor singela e real com pitadas de sobrenatural que nos encanta e nos envolve a cada página. Ainda continuamos em contato com a família e amigos desse casal já tão conhecidos e amados. Gostar desta trilogia foi uma surpresa deliciosa, são livros divertidos e quando você menos espera, já está totalmente envolvido e apaixonado por eles.

Nunca havia lido nenhum livro da Nora antes dessa maravilhosa trilogia, porém não vejo a hora de ler o último livro "O Par Perfeito" e conhecer a história do terceiro irmão Montgomery (apesar de já suspeitar o que irá acontecer... estou super ansiosa!) e ler outros livros dessa autora que sabe cativar através das palavras.

site: http://www.hojeediadelivro.com.br/2016/10/resenha-o-eterno-namorado.html
comentários(0)comente



Cris Paiva 15/02/2017

Owen é o perfeccionista e o cérebro por trás dos irmãos Montgomery. Enquanto Becket idealiza os projetos e Ryder põe a mão na massa, Owen cuida dos detalhes; faz com que todos os prazos sejam cumpridos e o dinheiro continue correndo. Ele tem uma lista para tudo e odeia bagunça!
Já a Avery, dona da pizzaria e amiga da Claire, é o oposto. Ela não é lá muito organizada e teve uma quedinha pelo Becket na infância, aliás, ele foi o seu primeiro namorado aos 5 anos de idade!
A Avery costuma tirar o Owen do sério, mas não de uma maneira ruim, ele só fica meio perdido com a cor mutante do cabelo dela, e da maneira como ela está sempre em movimento e fazendo mil coisas ao mesmo tempo. Ele só quer que ela pare um pouco, descanse e coma alguma coisa, pelamor de Deus!!
Os dois são bons amigos, e iam ficar nessa amizade confortável, se um certo fantasma intrometido e com uma quedinha pra o romance, não desse um jeitinho de unir o casal. Um beijinho só, e foi como tacar fogo em palha seca! Essa Lizzy leva jeito para a coisa. Hehehehe

Tambem gostei muito do romance do Owen e da Avery, mas fiquei achando que no geral foi o mais fraco dos três. O que, em se tratando de Nora Roberts, ainda é boa diversão. A história focou bastante no fantasma da pousada, a Lizzy, a história dela está começando a se desenrolar e confesso que fiquei mais interessada nela do que no casal. Mas mesmo assim, o Owen é um fofo, a Avery conseguiu deixar de ser besta sem muita dificuldade e é claro que todos terminaram felizes para sempre.
comentários(0)comente



Rose 28/07/2016

Eu já tinha me apaixonado pelo livro Um Novo Amanhã, e principalmente pelo Beckett, o caçula dos irmãos Montgomery, agora chegou a vez do todo certinho Owen, e adivinhem, mais um amor...
A família Montgomery está a mil, não só pela expectativa do casamento entre Clare e Beckett, mas também pela inauguração da Pousada Boonsboro.
Graças ao meticulosismo de Owen, o cronograma da reforma estava correndo muito bem e em muito breve o sonho da família estaria realizado.
Owen é todo certinho e organizado. Super planejador, planilhas e listas são suas ferramentas de trabalho e de vida. Bem diferente de Avery, a dona da Pizzaria que fica em frente da pousada e que toda a cidade frequenta.
Avery é um verdadeiro furacão, fazendo sempre mil coisas ao mesmo tempo. A bela baixinha ruiva não para um minuto e sempre está com um irresistível sorriso. Agora a moda desta maluquete era pintar o cabelo de várias cores, cada semana era uma cor diferente.
Mas o que esta descontração podia esconder de quem não a conhecia era a a sua determinação na área profissional. Neste quesito Avery era centrada e organizada, dava um passo de cada vez, mas sempre para frente, pensando alto. Assim, Avery pegou-se sonhando com o espaço próximo a pousada, onde poderia abrir um restaurante mais sofisticado, aliado a um bar, onde ambos poderiam servir muito bem aos hóspedes da futura pousada.
Estas qualidades eram bem conhecida por Owen, afinal os dois se conhecem desde criança. Ambos até chegaram a namorar, e aos 5 anos Avery declarou em alto e bom tom que ambos se casariam quando crescessem!
A verdade foi que a vida acabou deixando apenas a amizade forte e sincera entre estes dois, algo que estava prestes a mudar...
Owen não conseguia parar de pensar na ruivinha, e graças ao fantasma de Elizabeth (Lizzie) seus instintos masculinos foram despertados. Apesar do interesse mútuo, tanto Owen como Avery ponderaram alguns pontos antes de se jogarem de cabeça em uma relação mais que fraternal a que estavam acostumados.
Claro que com a espevitada da Avery em uma ponta, a ponderação foi recheada de humor e malícia, o que foi muito bem vindo ao enredo. Conforme os dois iam percebendo que poderiam ter um algo a mais, foi muito gostoso ver o crescimento dos sentimentos. Nada foi de uma hora para outra, ou de qualquer jeito. A relação foi galgando novos patamares gradativamente, de uma forma calma e tranquila. Para o leitor isso foi uma delícia. Sem falar que os diálogos entre eles eram ótimos, ainda mais quando Avery tirava Owen de sua característica "todo certinho".
Outro ponto positivo do livro, e que já havia sido notado por mim no livro do Beckett com a Clare são os diálogos entre os irmãos, ou mesmo entre as amigas Clare, Avery e Hope. Os diálogos são totalmente críveis, para quem tem irmão sabe como um implica com o outro, ao mesmo tempo em que dá apoio e amor. E isso é sentindo nas páginas o livro. O livro transborda aquele sentimento de família e amizade.
Mas não pensem que tudo são flores não, pois apesar de alto astral de Avery, ela guarda dentro de si um trauma causado pela abandono de sua mãe. Uma mãe que nunca ligou para ela, e que acaba voltando sem aviso, o que afeta Avery de uma forma que ela mesma não queria. Owen vai precisar ter muita paciência se quiser que este namoro continue em evolução, mas ele sabe que a recompensa será maravilhosa.
A história da fantasma Lizzie também ganha novas proporções. Apesar dela não ser decisiva neste livro como foi no anterior ao evitar uma tragédia, sua presença acaba mobilizando Owen e Hope a descobrirem mais detalhes sobre seu passado. E as descobertas feitas foram bem interessantes, e devem fazer parte do último volume da trilogia, já que afeta diretamente a um dos personagens.
Um destaque para a cena em que Owen descobre algo sobre sua mãe. Foi descrita de uma forma perfeita e engraçada, uma cena tão bem feita que conseguimos imaginar como se estivéssemos vendo na tv. Eu morri de rir nesta hora.
É incrível como Nora consegue transformar um enredo simples em algo mais. Leiam e me contem.

site: http://fabricadosconvites.blogspot.com.br
comentários(0)comente



Lay 14/12/2016

Chegou a hora de ler o segundo livro da série A Pousada, da Nora Roberts. Depois de iniciarmos a série com Um Novo Amanhã e sermos apresentados à família Montgomery, proprietária da Empreiteira Montgomery, localizada na pequena cidade de Boonsboro e vermos Beckett Montgomery conseguir finalmente ficar com a mulher que sempre amou, chegou a hora de mais um irmão ter a sua chance.

Seguindo a estória apresentada no primeiro livro, Beckett e Clare estão muito felizes juntos e prestes a se casar. Com isso, a família Montgomery cresceu rapidamente com a chegada de Clare e seus filhos, Harry, Liam e Murphy. Claro que isso é motivo de muita felicidade para Justine, que ganhou três netos de uma só vez e para Owen e Ryder que já gostavam dos meninos, mas agora são seus sobrinhos. Enquanto a vida pessoal de Beckett muda completamente, a profissional continua a todo vapor também. A reforma da pousada está quase no final e cada irmão teve seu papel nessa jornada, cada um com suas habilidades: Ry sendo o empreiteiro-chefe, Owen com a parte administrativa e Beckett como arquiteto.

Para Owen, tudo deve ser meticulosamente planejado, com direito a muitas listas e planilhas para ajudar na organização dos detalhes seja no trabalho ou na vida pessoal. Sendo assim, nada mais natural do que cuidar da parte administrativa da Empreiteira Montgomery. Gerenciar os diversos empreendimentos da empresa exige muito dele, mas a movimentação constante é o que move sua vida.

Como eu já havia falado anteriormente, a relação de amizade nesse livro é intensa e alguns personagens são muito importantes, como as amigas Clare, Avery e Hope. Aqui iremos nos aprofundar em relação à Avery McTavish, a proprietária da Vesta Pizzaria e Restaurante. Avery é amiga da família Montgomery desde criança. Seu pai, Willy B., era um grande amigo de Thomas Montgomery então nada mais natural do que a amizade entre os filhos. Porém, quando eram crianças, Avery teve uma paixonite por Owen, que foi superada alguns anos depois e eles se tornaram grandes amigos.

Apesar de grandes amigos e da empreiteira ser a proprietária do imóvel onde funciona a Vesta Pizzaria e Restaurante, Owen e Avery pouco se viam, mas com a reforma da pousada (em frente a Vesta) e o movimento constante, eles passaram a se ver quase que diariamente e isso fez com que percebessem uma atração crescendo entre eles.

Como grandes amigos, Owen e Avery se conhecem muito bem, mas temos aí uma grande questão: vale a pena arriscar uma amizade de anos por conta de uma atração?

Enquanto vemos Owen e Avery deixando as coisas acontecerem naturalmente, a pousada é inaugurada e Lizzy ganha mais destaque na estória, fazendo com que aos poucos algumas peças comecem a se encaixar (sorry, não posso falar sobre ela sem soltar spoilers). Também temos o passado de Avery que continua atrapalhando sua vida e Owen terá que ajudar sua amiga e amante a superar o passado e baixar a guarda, deixando que o passado permaneça lá, no passado.

Owen é um fofo e quando percebe que quer ficar com Avery, faz de tudo para conseguir isso, convencendo-a de que isso é o certo para eles. Avery, embora tenha o passado para superar, poderá contar com o apoio do pai, das amigas e de todos os Montgomery para isso. Dedicada, trabalhadora, não consegue ficar parada e sempre tem algo em mente para seus negócios.

Mais uma vez a Nora arrebatou meu coração com um romance lindo de doer o coração de tão fofo. Quanto mais conheço os irmãos Montgomery, mais eu amo essa trilogia. E agora estou muitíssimo ansiosa para conhecer a estória do irmão mais velho, Ryder e claro o desfecho do mistério que envolve Lizzy e a Pousada Boonsboro.

site: http://www.detudoumpouquinho.com/2016/09/resenha-o-eterno-namorado-nora-roberts.html
comentários(0)comente



Quel 31/07/2016

O Eterno Namorado
No início o livro é parado, quem leu o livro um percebe a diferença, o casal logo fica junto. Já essa história é diferente porque, antes de eles se envolverem eles são amigos
Então eles se vêem em conflito entre amizade e irem para cama.
Mas com o passar da história você percebe o quanto eles se importam um com o outro.
comentários(0)comente



Vânia 29/07/2016

A Pousada #2
A obra da pousada ia a todo vapor. Já estavam na fase da decoração e nisso a mulherada estava mais do que animada. Claro que aos homens cabia apenas aceitarem o que e onde elas queriam cada móvel e carregá-los ao vários cômodos e andares do prédio.

Owen, aquele da família encarregado em comprar o material, contactar muitos dos fornecedores e ser o REI DAS LISTAS, estava satisfeito em como tudo se desenrolava.

Avery, a dona da pizzaria, amiga dos Montgomery há seculos - o pai dela sempre foi muito amigo do casal -, era a única que se encontrava meio enrolada para poder ajudar, mas sempre que podia, aparecia por lá.

Além da inauguração da pousada, eles estavam às portas do natal e ano novo, o que iria dar uma certa parada em tudo, e o casamento de Beckett e Clare que seria em abril.

A camaradagem entre todos era ótima.
Hope, a nova gerente do hotel, estava feliz com sua mudança para BoonsBoro e dando graças a Deus por ter se livrado a tempo de seu noivo infiel.

Por conta do últimos ajustes na pousada, com tanto barulho de polimento, pistolas de pregos, Owen decide trabalhar a partir da pizzaria Vesta, aproveitando que ainda estava fechada ao público.

Owen e Avery eram amigos e quando crianças - ela com 5, ele com 8 - tiveram aquele namorico infantil. Na verdade, Avery que sempre teve uma quedinha por ele e achava, assim como ele, que tudo já havia sido superado.
Avery não parava em nenhum relacionamento. Seus cabelos, ruivos de natureza, estavam sempre coloridos (Mesmo!!!). Sua disposição para o trabalho era incansável. Ela havia alugado aquele imóvel dos Montgomery e transformado num sucesso; seu talento para a cozinha era inegável. Mas ela carregava sombras que não queria dividir com ninguém.

Numa tarde de arrumação da pousada, Lizzy, a fantasma que mora lá, dá um jeito de fazer Owen e Avery encontrarem-se numa situação inusitada. Acabam se beijando. E o que estava adormecido volta com total pressão.

Mais tarde decidem que valeria a pena serem amigos com benefícios. Nenhum dos dois queria saber de compromisso. Owen estava feliz na posição de solteirão, focando sua carreira nas muitas obras que teriam na construtora (porque a mãe deles estava sempre tendo alguma nova ideia, como, por exemplo, comprar um prédio na parte de trás da pousada e transformá-lo numa academia de ginástica) e brincando com seus novos sobrinhos, Harry, Liam e Murphy, filhos de Clare.
Entretanto, aquele beijo, o clima de "felizes para sempre" entre Beckett e Clare e a própria Lizzy, com sua história de amor a partir de descobrirem sua identidade, fizeram com que ele quisesse algo mais com Avery.
Ela parecia querer também, mas por que, então, volta e meia ela agia com um certo ceticismo em relação a eles, como se nada daquilo importasse?

Owen quer investir em seu relacionamento com Avery; Avery descobre-se sentindo calafrios por Owen, mas como eles poderiam construir algo juntos com aquele abismo separando-os?

O livro traz uma história mais dramática, com toda a questão sobre o passado de Avery e o porquê dela não ter um relacionamento duradouro com outros caras. Parte desse passado dela resolve voltar, o que a deixa irritada, querendo se isolar.
Mas há cenas bem engraçadas sobre o entrosamento dos irmãos; o clima que começa a surgir entre Ryder e Hope (ele levando puxão de orelha da mãe); o pequeno Murphy e Lizzy e uma novidade sobre Justine.

Apesar do romance do casal ser bonitinho, em especial por se conhecerem desde sempre e já ter rolado algo entre eles, a conexão minha com o casal não foi de fogos de artifícios. O casal combina, mas seu interlúdio romântico foi morno.
A história de Lizzy tomou boa parte do enredo, puxando o gênero do livro para algo mais sobrenatural.
No entanto, a dinâmica entre Ryder e Hope promete!!!
Ritmo calmo. Sem cliffhanger. Romanção sem tirar nem pôr.
comentários(0)comente



Leninha Sempre Romântica 21/09/2016

Esse é o segundo livro da trilogia A Pousada, da nossa querida Nora Roberts. Eu tenho para mim que não dá para ficar sem ler um livro da Nora por muito tempo, seus livros — principalmente as últimas trilogias que li dela —, são leves, bem-humoradas, sem grandes dramas, mas que deixa o leitor satisfeito com o que lê.

O Eterno Namorado conta a história de Owen e Avery, amigos desde a infância, companheiros de uma vida e que tem muito em comum, são organizados, meio metódicos e competentes no que fazem. Da amizade, e com um empurrãozinho de um ser meio fantasmagórico, eles se veem meio que atraídos um pelo outro e sentem que daí pode surgir alguma coisa, e mesmo que não surja, a amizade pode resistir à tentativa.

A narrativa é bem fluida, e por já conhecermos os personagens do livro anterior, Um Novo Amanhã, a história segue num clima de amizade, onde todos se unem em prol de um objetivo só: a inauguração da Pousada BoonsBoro e de todos os anexos que vão surgindo ao longo da obra. Esse é um dos pontos que me chama a atenção nos livro da autora, ela consegue tornar seus personagens familiares ao leitor, fica difícil não torcer por esse ou aquele casal, isso sem falar da continuidade dos relacionamentos dos livros anteriores.

As personagens femininas descritas pela autora são fortes, tem uma personalidade única e se garantem sem nenhuma ajuda masculina, a não ser na hora do romance (risos).

Nora tem o dom de incluir um toque sobrenatural na narrativa sem tirar a credibilidade da história. Quem nunca imaginou topar com um fantasminha camarada em uma pousada antiga por onde já passou?! Aqui em O Eterno Namorado você vai querer descobrir a história desse personagem enigmático que aparece nos momentos mais cruciais, e que deixa a história ainda mais instigante.

Temos aqui uma história que se passa sem pressa. Existe uma lentidão proposital para desenrolar os fatos, e entre uma página e outra vamos nos inteirando do andamento das obras da pousada, dos detalhes da decoração, vamos passando por festas de família, descobertas inusitadas, e junto a tudo isso nos inteirando de um relacionamento que nasceu de uma amizade e que vai crescendo durante o desenrolar da trama, diga-se de passagem, bem gostosa de ler.

Aguardo com um suspiro contido a continuação da trilogia, o casal que se formará nos próximo livro, O Par Perfeito, vem me deixando curiosa desde o lançamento da trilogia. Vamos ver o que nos espera.

Recomendo a leitura!

site: http://www.sempreromantica.com.br/2016/09/o-eterno-namorado-nora-roberts.html
comentários(0)comente



Três Leitoras 18/04/2017

Resenha: O Eterno Namorado
Vamos conhecer a história de Owen Montgomery, o irmão responsável pela organização, listas de tarefas, planilhas de controle... E isso é tanto na vida pessoa, quanto a profissional. E deve ser por isso que a inauguração da Pousada Boonsboro irá acontecer conforme o planejamento.

Mas nem tudo na vida pode ser controlado né? E talvez seja por isso que Owen precisa de uma mulher como a Acery MacTavish, que simplesmente acorda e decide que deve mudar a cor do seu cabelo, pelo simples fato de ter sentido essa vontade.

Eles são amigos desde criança, hoje Avery é proprietária da pizzaria da cidade e acompanhou de perto todo o processo de reforma da pousada e essa aproximação e convívio constante fizeram com que ela notasse quanto Owen havia mudado.

Os dois foram namoradinhos na infância, mas forma crescendo e seguiram caminhos diferentes. Cada um com sua escolhas... E o natural aconteceu, eles saíram dos pensamentos um do outro.

- Não que eu me lembre. Mas não esqueça que Owen foi o primeiro namorado dela.(...)- Ela disse que ia se casar com você - observou Beckett.

Mas com a reforma da pousada, os meninos estavam sempre na pizzaria, fazendo reuniões ou apenas bebendo uma cerveja para relaxar... Como todo esse contato frequente, o desejo começou a brotar entre eles e ficamos esperando até o momento que eles não vão mais resistir...

site: http://www.tresleitoras.com.br/2017/04/resenha-o-eterno-namorado.html Concluído
comentários(0)comente



Elis 17/01/2017

Depois de ler Um Novo Amanhã, primeiro livro da trilogia A Pousada, é claro que não poderia deixar de ler O Eterno Namorado, afinal sou fã da Nora Roberts e mesmo quando não há acho fascinante, eu aprovo o romance. Claro que não é pra tanto, mas sabem quando gostamos tanto de nos entrosar com os personagens e com a linguagem do autor, que até parece que estamos vivendo um filme ou série enquanto lemos.

Owen é o irmão certinho da família Montgomery, o cara que quer as reuniões na hora e que tudo fique no esquema. E Avery é a amiga extrovertida da Clare e Hope, as personagens que conhecemos no primeiro volume. E não era para menos que esse encantamento entre os dois estava para acontecer, já que no decorrer das páginas e na sinopse, descobrimos que esses dois foram "namorados" ou seria melhor dizer, tiveram o primeiro amor.

Porém depois de tanto tempo e de terem se tornado tão amigos, ficará difícil viver essas emoções, pois Avery pode não deixar transparecer no primeiro volume, mas é muito insegura. E Owen tem medo de destruir a amizade com ela, a quem quer tanto bem.

Nora nos presenteia com um romance com altos e baixos, onde torcemos pelo casal e queremos que tudo se resolva da melhor forma, afinal a pousada está nos pontos finais para ser inaugurada. E descobrir que a Avery cozinha quando está estressada, dá água na boca. Ver o lado forte dela despertando e o Owen a apoiando em todos os momentos, é simplesmente lindo. O bom de ser ler uma trilogia é que curtimos os demais personagens por três livros seguidos e então ficamos órfãos querendo mais e mais volumes que não existirão e teremos de nos contentar com novos personagens. Graças a Deus que ela escreve muito e que mal sentimos saudades das suas obras.

Um romance para ler numa tarde e se deliciar com todos os personagens.

site: http://amagiareal.blogspot.com.br/2016/07/o-eterno-namorado-nora-roberts-vol-2.html
comentários(0)comente



Nath 26/02/2017

Resenha do blog Pobre Leitora
Eterno Namorado é o segundo livro da trilogia A Pousada e continua a história do primeiro livro. Cada livro foca em um dos irmãos Montgomery e tem como pano de fundo a construção da Pousada Boonsboro. Apesar de cada livro se tratar de um irmão, não aconselho a leitura fora de ordem por causa dos spoilers dos livros anteriores.
Neste livro, o foco é Owen, o irmão que cuida da parte da organização, já que essa é uma característica de sua personalidade. Owen é meticuloso com tudo, sempre fazendo listas de tarefas e coisas a fazer, com manias e horários regrados. Ele é amigo de Avery MacTavihs, a amiga de Clare e dona da Pizzari Vesta, desde que eram crianças, sendo até mesmo, os primeiros namorados um do outros. Só que eles cresceram e os encantos da infância se tornaram numa amizade forte e duradoura, sendo que eles se conhecem ao ponto de saberem até mesmo os pensamentos e sentimentos um do outro.
Tudo corria bem e a inauguração da Pousada estava próxima, mas Owen não contava com um novo sentimento em seus planos. Avery começa a lhe chamar a atenção de um modo diferente, de um modo que ele nunca tinha imaginado. Agora, os dois terão que entender o que sentem e se vale a pena arriscar uma amizade tão forte.

Particularmente achei o segundo livro bem melhor do que o primeiro. O romance começa logo de cara neste, e certamente tivemos indícios de que este seria o casal já no primeiro livro. A escrita de Nora continua encantadora e como sempre, ela faz casais que conquistam. Porém, neste livro eu senti uma pegada de comédia maior, o que trouxe uma leveza ainda mais acentuada à história. Portanto, me diverti muito mais lendo a história de Owen e Avery, que são personagens muito mais interessantes do que Clare e Beckett (não que tenha algo de errado com o primeiro casal, eles só são mais "normais").
[...]

Leia a resenha completa no link abaixo.

site: http://pobreleitora.blogspot.com.br/2017/02/resenha-o-eterno-namorado-nora-roberts.html
comentários(0)comente



46 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4