Nada Escapa a Lady Whistledown

Nada Escapa a Lady Whistledown Suzanne Enoch
Julia Quinn
Mia Ryan
Karen Hawkins




Resenhas - Nada Escapa a Lady Whistledown


22 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Saleitura 08/06/2018

LINDO E EMOCIONANTE
A colunista de fofocas Lady Whistledown, que fez parte dos quatro primeiros livros da serie Os Bridgertons, retorna nesta duologia como a "narradora" de uma antologia. Julia Quinn com mais três autoras consagradas nos encanta logo no primeiro livro "Lady Whistledown Contra-ataca" dando aos contos uma ligação perfeita.

Julia Quinn com Suzanne Enock, Karen Hawkins e Mia Ryan retornam em Nada Escapa a Lady Whistledown tendo como cenário uma Londres congelada como nunca tinha sido vista em sua história onde até o majestoso "Tâmisa congelou." Em meio a esse inverno intenso os personagens de quatro histórias vão se encontrar em eventos, no "Theatre Royal" para assistir a "O mercador de Veneza", em festa de patinação no gelo desfrutando dos trenós, da Feira de Inverno e finalizando com o baile do dia de São Valentim.

"Os quatro contos aqui apresentados têm uma pequena ligação entre si: a heroína de Suzanne Enock derruba a minha em uma festa de patinação no gelo, e, quando o herói e a heroína de Mia Ryan discutem em público, o fazem em um baile oferecido pelos personagens de Karen Hawkins." (Julia Quinn)

No primeiro conto - Um amor verdadeiro - Suzanne Enock nos apresenta o casal Lady Anne Bishop e Maximilian Trent, marquês de Halfurst que foram prometidos desde pequenos pelos seus pais. Anne tinha dezenove anos e passa a maior parte do ano em Londres em virtude do cargo que seu pai ocupa no gabinete. Prometida em casamento desde que nasceu considerava ter uma vida perfeita. Tinha os melhores amigos do mundo e recebia convites para todos os eventos". Seu noivo nunca lhe escrevera uma carta , mas foi só surgir na coluna de Lady Whistledown uma fofoca sobre seu comportamento nada apropriado, fazendo "anjinhos na neve" com alguém que não é seu prometido, para fazer lorde Halfurst vir para Londres reivindicar os seus direitos. Ele vai ter que se esforçar para conquistar seu coração e convencê-la a trocar Londres por Yorkshire onde tem suas propriedades além de sua fazenda de ovelhas".
"Já esperava que fosse bela, mas não contara com o calor que o percorria quando olhava para ela, ainda mais intenso agora do que pela manhã. Ele a decifraria e a faria desejá-lo da mesma maneira que a desejava... porque não sairia de Londres sem ela."

O segundo conto - Dois corações - de Karen Hawkins vamos conhecer a história de Elizabeth Pritchard e Royce Pemperley amigos de longa data. Liza era uma mulher de 31 anos que após ser citada na coluna de Lady Whistledown permitiu-se ser cortejada por lorde Durham. Perdera os pais ainda menina ficando aos cuidados de um tutor até assumir o total controle de sua fortuna. Apesar de ser considerada uma solteirona aos olhos da sociedade estava satisfeita com sua vida livre de obrigações do matrimônio, sendo um tanto extravagante na maneira de se vestir, mas nada que abalasse a sua figura notável. Tudo isso a colocava como alvo de caça dotes o que sempre pode contar com o apoio e ajuda dos irmãos Margaret Shelbourne e Royce Pemperley que eram sua família e evitavam essas possíveis ameaças.

Royce é o melhor amigo de Lisa e além de ser um galanteador incorrigível tinha o cuidado de não colocar em risco a sua liberdade. Estava satisfeito em passar a vida flertando e casamento estava longe de seus objetivos. Com isso Liza procurava se manter imune ao toque de Royce. Por outro lado Royce ao saber da noticia de que sua melhor amiga e confidente estava querendo se casar o deixou meio confuso em relação aos seus sentimentos por Liza.

"Mas que inferno, eu quero Liza. Uma forte onda de desejo o invadiu e ele teve que se forçar a respirar. Desejava Liza, sua melhor amiga, a única mulher que sabia realmente quem ele era. A ideia era assombrosa. Perturbadora. E absolutamente impossível. Que diabo ele deveria fazer agora?"

O terceiro conto - Uma dúzia de beijos - de Mia Ryan nos emociona com a história apaixonante de lady Caroline Starling e Terrance Greyson ,marquês de Darington. Caroline estava muito triste com sua vida desde a morte do seu pai cujo título marquês de Darington como também as propriedades passaram para Terrance, seu primo em quarto grau. Guardava uma mágoa maior pelo fato de que ela e sua mãe tiveram apenas dois dias para desocuparem Ivy Park, o " lar da família por muitas décadas." Estava no Theatre Royal em companhia de seu pretendente lorde Pellegring, e não sabia se ria ou chorava só de pensar em se casar com ele. Escondeu-se em um canto caindo em prantos e de repente diante dela surgiu o homem "mais espetacular que já vira em sua vida" que lhe ofereceu um lenço de linho.

Este homem espetacular é Terrance, o marquês de Darington que dera dois dias para que ela e sua mãe saíssem de Ivy Park. Lenny procura se manter distante, mas não pode evitar o quanto a impressionou assim como seu coração dispara ao vê-lo.
Terrance sofreu um acidente quando soldado que o deixou com alguns problemas e um deles era a dificuldade de se comunicar. Como poderia Lenny entender tudo isso e mais ainda expressar seus sentimentos e abrir seu coração? Terrance ficou encantado com Linney que despertou nele um sentimento único.

"Linney deu um leve sorriso quando seu cérebro nebuloso a guiou rumo a um sonho fascinante. Curiosamente, lorde Darington era o protagonista do sonho. E foi, de fato, um sonho muito bom.” "Gostaria de beijá-lo pelo menos uma dúzia de vezes - murmurou ela.

Julia Quinn encerra com o quarto conto - Trinta e seis cartões de amor - trazendo a linda história de amor de Susannah Ballister e David Mann-Formsby, conde de Renminster. Susannah fora cortejada na última temporada por Clive, irmão David, que no final acaba pedindo em casamento outra moça. Susannah vai se refugiar em sua casa no campo e agora depois de um ano ela retorna a Londres para uma nova temporada só que fica isolada tomando chá de cadeira. David a encontra no evento e fica encantado com sua beleza , franqueza e coragem vendo que ela na verdade não era a mulher certa para seu irmão e sim para ele. David vai fazer de tudo para conquistar o coração de Susannah.

"E enquanto estava ali sentado, no Theatre Royal, ignorando os atores no palco em favor de uma mulher sentada no camarote ao lado do seu, tomou uma decisçao muito importante. Ele se casaria com Susannah Ballister."

Quatro contos com quatro histórias maravilhosas de arrancar suspiros dos leitores. Histórias que levam os apaixonados por esses romances a viverem esse contos de fadas aguardando as fofocas de Lady Whistledown que, com certeza, vai nos revelar os encontros e desencontros até o tão esperado '"felizes para sempre." Mais uma vez somos surpreendidos pela forma perfeita como as autoras conseguem fazer seus personagens se encontrarem nos eventos desse inverno intenso.
Como sempre a edição está perfeita desde a capa, sua diagramação e acabamento. Tudo que nos leva a uma leitura maravilhosa e mais do que recomendada

Resenha by Irene Moreira
https://www.skoob.com.br/atividades/post/user/5b19e40899d998db348b629b


site: https://saletadeleitura.blogspot.com/2018/06/resenha-nada-escapa-lady-whistledown.html
comentários(0)comente



Jaque - Blog Livros e Laços de Fita 04/06/2018

Para tudo porque a maravilhosa lady Whistledown veio com tudo!
Quem teve a ideia de juntar as quatro autoras que escreveram Nada Escapa a Lady Whistledown merece um premio! Vou beijar ela até o dia em que o rio Tâmisa congelar! Ops… e não é que ele congelou aqui!?

Então pessoas lindas, em Nada Escapa a Lady Whistledown, vamos ter um repeteco da lindeza que foi o primeiro livro. Pra quem não conhece, aqui vamos ter quatro contos escritos pelas autoras Julia Quinn, Suzanne Enoch, Karen Hawkins e Mia Ryan.

As histórias acontecem no mesmo espaço de tempo e muitas vezes, os diferentes personagens das autoras se esbarram (ou se derrubam em montes de neve…) e as histórias vão se entrelaçando e se misturando de uma forma deliciosa para os leitores. Porém, aqui nem todos os contos me agradaram. São todos uma delicia de ler, mas um em especial foi bem parado pra mim e o outro pareceu incompleto.
Vamos começar com “Um Amor Verdadeiro”, de Suzane Enoch, que foi (pasmem!) o meu preferido. Os personagens são todos mais do que apaixonantes e eu não resisto a um mocinho apaixonado e decidido, como vocês bem sabem. Morri de amores pelo marques de Halfurst, acho que ele foi o personagem que mais amei em todo o livro, depois da nossa querida Lady Whistledown, claro.
Depois temos “Dois Corações”, de Karen Hawkins, e esse não me agradou. Não gostei dos personagens, achei eles meio forçados. A história em si também não me agradou, achei arrastada e meio parada. Infelizmente demorei um século para terminar de ler esse… quase pulei, mas não seria uma ideia muito auspiciosa, já que as histórias são entrelaçadas.
Aí, depois dessa “lenha” toda, temos “Uma Dúzia de Beijos”, de Mia Ryan, e esse é uma fofura. Aqui me apaixonei pela mocinha, uma personagem tímida e negligenciada pela família. Adorei a narrativa e a história em si deixa uma sensação boa no coração durante a leitura. Pena que termina na melhor parte… Aff! Nem tudo pode ser perfeito, né?!
E encerrando com chave de ouro, temos “Trinta e Seis Cartões de Amor”, da nossa diva mor Julia Quinn. Amores, esse conto é lindo demais da conta, parece um sonho de amor. Suspirei por ele a cada capitulo. Temos amizade entre irmãos, uma mocinha rejeitada e um amor que surge do nada e se torna mais forte que tudo.
Como não amar um conto desses? Só esse e o primeiro já valem pelo livro todo! Os dois do meio estão meramente fazendo figuração. E, para tudo ficar ainda mais divertido, nossa amada Lady Whistledown faz uma participação como seu alter ego. Sim, a personagem por trás da colunista mais intrometida de Londres aparece aqui.
Amores, se vocês gostaram de Lady Whistedow Contra-ataca, vão amar esse aqui. Achei o contexto das histórias muito mais divertido, já que temos até o rio Tâmisa congelado!

site: www.livroselacosdefita.com
comentários(0)comente



Leilane 29/05/2018

A ONIPRESENTE LADY WHISTLEDOWN COMO SEMPRE ALTERANDO O DESTINO DE MUITOS CASAIS NESTE NOVO LIVRO DE CONTOS
A onipresente Lady Whistledown mais uma vez se envolve com o destino de quatro casais ao narrar certos acontecimentos e indiscrições em sua coluna, e neste livro de contos, a criadora da personagem, Julia Quinn, junto com Mia Ryan, Suzanne Enoch e Karen Hawkins nos contam a história de amor de cada um.

Um Amor Verdadeiro – Suzanne Enoch: É um conto bem legal, os personagens são prometidos desde a infância e ao finalmente se conhecerem é atração instantânea. Mas algumas coisas me incomodaram na história, ainda mais por um referência totalmente desnecessária a zoofilia que um dos personagens faz e a personagem – que estava pensando que tinha já se entregado para o principal -, apesar de horrorizada, pensa “ovelhas, hum”, ficou muito estranho, talvez tenha sido a tradução, mas este hum me passou uma impressão super errada e fica difícil saber o que realmente a personagem quis dizer com isso. O restante também ficou um tanto acelerado, mesmo para um conto e a insistência da Anne de fugir do cara e sempre aceitar os convites do cara que claramente estava querendo o dote dela – só ela que não percebia – e ainda falava trocentas asneiras, tipo essa de sugerir que o noivo dela aprendeu suas habilidades com ovelhas, me fez perder a paciência com a personagem para ser bem sincera, então gostei da premissa, mas o conto me decepcionou um pouco, o personagem do Max é quem deixa o conto mais interessante mesmo.

Dois Corações – Karen Hawkins: Basicamente é um conto sobre friendzone, no passado devia ser mais difícil, talvez seja algo que aconteça mais hoje em dia, mas você conhece uma pessoa, sente todas aquelas afinidades, e você aprecia tanto a amizade que você encontrou ali que não consegue ver além até que algo o chacoalha da situação e você é obrigado a avaliar os sentimentos reais. Gostei, achei interessante por ela ser bem independente e peculiar ao mesmo tempo, mas ao mesmo tempo senti que a pressão social caiu sobre ela e mesmo feliz, não ter o que a sociedade dita – casamento e filhos – pesou nesta mulher de 31 anos, e como isso é uma história romântica, lá foi ela encontrar seu amor no melhor amigo e finalmente saíram da friendzone. A história dela estava mais interessante antes de bater essa bad nela, então o conto não me conquistou como um todo, acho que quis me identificar com a personagem por ter a mesma idade que eu, mas acabou contrastando nesse aspecto de a bad vir e ela quase aceitar qualquer coisa só para preencher o vazio, mas ainda assim gostei bastante do conto.

Uma dúzia de beijos – Mia Ryan: Resumidamente, achei o conto bem fofinho, o meu favorito do livro, apesar de ter sido meio acelerado, encanto-me com personagens que sabem reconhecer no outro seu complemento para um companheirismo verdadeiro, não os que simplesmente se encantam e tudo magicamente se resolve. Além disso, os personagens tem consciência de suas limitações e inaptidões para lidar como determinadas pessoas e contextos, por isso foi fácil de simpatizar com eles.

Trinta e Seis Cartões de Amor – Julia Quinn: O conto é bem para mostrar como a mulher se ferra na sociedade que coloca o homem acima de todos os erros, entretanto, a personagem é forte, só ficou bem constrangida e com orgulho ferido, mas isso é algo que ela só realmente enxerga depois de já ter encontrado o amor da sua vida, o que é uma pena, acho que ela teria conseguido por conta própria. Mas de maneira geral, um conto que vale a pena ser lido e muito, assim como os outros.

site: http://lerimaginar.com.br/2018/05/a-onipresente-lady-whistledown-como-sempre-alterando-o-destino-de-muitos-casais-neste-novo-livro-de-contos/
comentários(0)comente



Dryh 16/05/2018

<3
O Tâmisa ter congelado no que foi o inverno mais frio de toda a Londres não era a maior novidade. Muita coisa aconteceu, algumas delas, escandalosas! A debutante mais promissora da temporada foi deixada de lado por seu pretendente, um noivo volta a Londres soltando fogo pelas ventas ao saber que sua noiva está andando com outros cavalheiros, um libertino ameaça sossegar ao perceber que ama sua melhor amiga, e uma jovem é despejada da própria casa por um parente distante e arrogante. Quatro contos de quatro autoras que prometem nos arrancar suspiros e, quem sabe, até algumas lágrimas...

*

Era aristocrático e belo, tão diferente do que imaginara que ela poderia considera-lo um impostor. Quando sorria, porém, os olhos se iluminavam e, em resposta, seu tolo coração se acelerava. – página 30

O primeiro conto é de Suzanne Enoch, e traz a história de Anne Bishop, uma jovem que, ao nascer, fora prometida ao filho de um amigo de seus pais. Mas até agora, já debutando, ela nunca recebeu uma carta sequer de seu provável noivo, de maneira que sonhava em escapar do casamento arranjado. Só que seu nome aparece em uma das colunas de Lady Whistledown, o que faz com lorde Halfurst volte para Londres para “reivindicar” sua noiva, ou como ele parecia achar que ela era, sua propriedade.

Eu já não tinha gostado muito do conto de Suzanne na antologia anterior, mas decidi esquecer isso por ora e mergulhar de cabeça em seu conto aqui. Acontece que eu não gostei. Ver que Anne não aceitou se casar com Halfurst de primeira me deixou um pouco aliviada, mas eu odiei ver que ele a tratava como uma encomenda a ser levada embora, ou até mesmo como uma propriedade que mais ninguém podia ver ou tocar. Como romance de época, obviamente a história seria um pouco machista, mas aqui, a autora exagerou. Não consegui gostar dos personagens e nem da história em si; felizmente, o conto é curto.

No momento, lorde Howard podia estar levando uma ligeira vantagem, mas Anne Bishop pertencia a ele. – página 43

*
Royce gostaria de saber o que tornava Liza única. Não era apenas seu jeito de se vestir, embora fosse bastante incomum. Era algo mais. Talvez a inteligência em seus olhos verdes ou a forma com que seu rosto se iluminava quando ela ria, mas, o que quer que fosse, despertava nele o desejo de rir e nunca mais parar. – página 121

O segundo conto é de Karen Hawkins, e traz a história de Elizabeth Pritchard – ou Liza -, uma solteirona que passara dos 30 anos, mas que era muito respeitada na alta sociedade, mesmo usando roupas feias e combinações horríveis. Liza já tivera pretendentes, mas sua melhor amiga, Meg, e o irmão mais velho dela (também conhecido como melhor amigo de Liza), Royce, afastaram os caça dotes e todos aqueles que não a mereciam. Sendo dona da própria fortuna, Liza era um alvo e tanto para cavalheiros desesperados por dinheiro.

Mas quando ela parece interessada num cavalheiro em especifico, e as coisas vão se encaminhando para uma corte e, futuramente, talvez, um noivado, Royce entra em pânico. Ele percebe que iria perder sua melhor amiga, e não apenas isso... A mulher que ele amava. Mas claro que ele demora um pouco para perceber o que realmente estava acontecendo em seu coração, eles sempre demoram, não é mesmo?

Este conto me encantou! Adorei as personagens; Liza é dona de uma personalidade e um carisma que eu ainda não havia encontrado em nenhuma outra mocinha de romance de época, e Royce é um encanto! A história também é linda, e apesar de a gente saber o que possivelmente acontecerá no final, não perde a magia. Um dos melhores contos do livro, sem dúvidas.

Tudo o que sabia ao certo era que a amava e não saberia viver sem ela. – página 169

*
Mia Ryan nos presenteia com a história de lady Caroline Starling, que junto com sua mãe, fora expulsa da própria casa por um parente distante que reivindicara para si sua herança. Agora ela precisa casar-se tanto para ter um lugar só seu quanto para fugir dos dramas da mãe, e é certo que o fará com Ernest Wareing, conde de Pellering. Só que o tal parente distante retornou a Londres e, apesar do que muitos diziam – e também do que ele deixava aparentar – Terrance Greyson, lorde Darington, não era tão ruim.

Este conto também me deixou suspirando pelos cantos da casa! Que história mais apaixonante e divertida! Caroline é uma personagem incrível, e sua personalidade me fez amar a história todinha, apesar dos momentos arrogantes de Terrance (há uma justificativa boa por trás de seu comportamento), e das investidas de sua mãe. E o mais legal do livro, é que os personagens de todos os contos se conhecem, e suas ações impactam diretamente nos acontecimentos dos outros contos! Isso é MUITO legal! E claro, não podia faltar as crônicas de L. Whistledown, não é mesmo? Esse conto é muito apaixonante, um dos meus favoritos não só deste livro, mas também unindo as histórias deste com os do primeiro.

Quem diria que alguém poderia se sentir tão aquecida quando o mundo ao redor congelava? – página 201

*
E por último, com Julia Quinn, temos a história de Susannah Ballister, aquela que era a dama mais promissora da temporada e que estava prestes a noivar.... Até que o rapaz em questão se casou com outra. Humilhada, Susannah foi com a família para o campo, e só voltou porque, bem... O Tâmisa congelou.

Ela, obviamente, não queria voltar. Afinal, quem gostaria de encarar uma sociedade que a culpava por uma corte deprimente quando, na verdade, ela não tinha culpa nenhuma? Mas sua família insistira, então ela voltara, ainda que tentasse fugir do ex-quase-noivo e sua nova esposa... E do irmão mais velho dele, que de repente parecia muito interessado nela!
Aah, fui reconquistada por Julia Quinn! Que conto maravilhoso! Ri muito com as personagens e as situações pelas quais passaram – algumas delas desencadeadas por personagens dos outros contos – e me apaixonei por Susannah e David Mann-Formsby, conde de Renmister.

Fiquei feliz ao perceber que, dos quatro contos, apenas um não me agradou. Se me lembro bem, a coisa foi pior com o primeiro livro. As histórias são leves, divertidas e até rápidas; o que chega a ser um pouco triste, mas se fossem mais longas, acredito que perderiam a magia. Sendo assim, foram leituras maravilhosas e que me deixaram suspirando alto! Recomendo muito aos fãs de romances de época, e principalmente para quem, assim como eu, sente muitas saudades de Lady Whistledown.

Ele a beijou até ela achar que desmaiaria de desejo. Ele a beijou até ela achar que desmaiaria de falta de ar. Ele a beijou até que ela não conseguisse pensar em nada além dele, não conseguisse ver nada além do rosto dele em sua mente, e até que não quisesse mais nada além do sabor dele em seus lábios...para sempre. – página 271


site: http://shakedepalavras.blogspot.com.br
comentários(0)comente



Carol 04/06/2018

Uma história num inverno gélido que irá aquecer os corações
"Ele a beijou até que ela não conseguisse pensar em nada além dele, não conseguisse ver nada além do rosto dele em sua mente e até que não quisesse mais nada além do sabor dele em seus lábios... para sempre"
- Julia Quinn

Um noivo precisa correr atrás de sua noiva em Londres, que está deixando bem claro para toda a sociedade que não irá se casar com ele.
Uma solteirona se interessa por alguém e seu melhor amigo, um dos maiores libertinos de Londres, descobre que o que sente por ela é muito mais do que amizade.
Uma jovem e sua mãe são expulsas de casa por um parente distante que reivindica a sua parte na herança. Mas ela descobrirá que ele não é tão ruim assim.
Uma dama tem seu coração partido quando achava que seria a nova noiva da temporada, alguém quer ajudá-la a reconstruir seu coração, mas ele é justamente irmão de seu quase ex-noivo.
São tantos acontecimentos em Londres... E é claro que a Lady Whistledown, a cronista da sociedade, irá nos contar tudo que acontece nesse gélido inverno.

A obra é composta por quatro contos que estão ligados por um grande evento, o baile que serviu para aquecer o inverno e também irá aquecer o coração dos leitores.
"Um amor verdadeiro" escrito por Suzanne Enoch foi o conto que menos gostei. Achei a protagonista mimada e chata, aquele típico romance em que quanto mais ela pisa, mais ele vai atrás e mais ranço eu pego. "Dois corações" escrito por Karen Hawkins, me conquistou e me fez desejar que tivesse mais páginas. Já "Uma dúzia de beijos" da autora Mia Ryan foi um conto que achei fraco, mas não ruim. Julia Quinn aparece no último conto "Trinta e seis cartões de amor" e conquista o leitor, um conto maravilhoso, com tudo o que um bom romance de época precisa e uma história de amor capaz de aquecer corações até no inverno mais gélido de Londres.
Conhecer esses contos que contam com a participação da Lady Whistledown foi delicioso na primeira experiência e nessa também, recomendo para quem quer uma leitura rápida e capaz de arrancar os maiores suspiros do leitor.

site: www.instagram.com/nossaressacaliteraria/
comentários(0)comente



Dé... 14/06/2018

O livro tem em destaque o nome da autora Julia Quinn na capa porque ela criou, digamos, que a ambientação dessa série e coordenou todas as histórias, mas outras autoras que são maravilhosas escrevendo livros de época, contribuíram cada uma com uma história, são elas: Suzanne Enoch, Karen Hawkins e Mia Ryan.

Não vou me estender falando individualmente de cada conto, mas vou falar do livro como um todo, e ele até pode ser considerado mesmo uma obra só...

Eu paguei minha língua com esse livro, porque sempre disse que não gostava de livro com vários contos, que preferia um livro com apenas uma história, que em poucas páginas era impossível escrever uma história sólida e mais um monte de bobagens, agora eu vejo... tanto que li fora de ordem porque quando o primeiro livro da série saiu, eu nem dei bola... aí assim que terminei de ler esse, estava tão encantada que saí que nem uma louca atrás do primeiro... então eu garanto, por experiência própria, que não é necessário você ler os livros em ordem... mas... será mais gostoso se você tiver lido a série Os Bridgertons até o livro do Colin pelo menos...

Primeiro de tudo a ideia de explorar as crônicas da maior fofoqueira de Londres é sensacional, confesso que achei que a série Os Bridgertons perdeu muito do seu brilho quando a fofoqueira anônima foi desmascarada e encerrou suas colunas, isso deveria ter acontecido só no último livro da série... então ressuscitar a coluna dessa forma é genial...

Em segundo lugar as tramas das quatro histórias estão perfeitamente amarradas pois elas convergem para um evento em particular, os personagens dos contos se encontram, falam uns dos outros, então é como se você lesse cada história em uma perspectiva diferente, mas que todas fazem parte de um todo...

Sinceramente não consigo apontar qual dos contos eu amei mais... talvez o segundo conto tenha uma leve vantagem pois tem personagens mais maduros e com personalidades mais exóticas, mas a escrita das autoras é tão semelhante que eu teria dificuldade em apontar quem escreveu o que, e até mesmo apontar que não foram escritas pela mesma pessoa se já não soubesse...

Já havia visto vários livros onde autores se juntam para formar uma só obra com vários contos, geralmente com temas semelhantes, mas como esse, sinceramente nunca vi igual e juro juradinho que não vou mais torcer o nariz pra esse tipo de livro, pelo menos não antes de lê-lo...

Mesmo para quem nunca leu um livro de época, esse é um bom início... as histórias são curtas, dinâmicas e tão envolventes que eu queria mais, um livro inteiro pra cada casal pelo menos... para quem gosta de livros de época, esse é um daqueles que nos enchem de suspiros...

site: http://www.leituranossa.com.br/2018/06/nada-escapa-lady-whistledown-lady.html
Ray 15/06/2018minha estante
undefined




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Rose 06/05/2018

Um Amor Verdadeiro - Suzanne Enoch
Anne Bishop e o marquês Halfurst foram prometidos em casamento ainda crianças, por conta da amizade entre suas famílias. Fora isso, eles nunca tiveram muito contato, ainda mais depois que Maximilian perdeu o pai cedo e teve que assumir os negócios da família que não iam muito bem.
Ele que nunca gostou da falsidade e futilidade que impera na nobreza, não teve dificuldades em se refugiar e se concentrar em sua fazenda em Yorkshire para não só colocar, como também para reerguer tudo que envolvia seu título.
Durante todo este período, ele ficou bem afastado de Londres e por conseguinte de sua noiva, que cresceu e tornou-se uma bela e atraente jovem.
Anne cresceu em meio aos bailes e ditames de Londres, e como nunca teve notícias de seu noivo, não levava muito a série este futuro casamento. Mas Anne não era nenhuma burra, e se aproveitava do fato de ser noiva para não se ver obrigada pela mãe a arranjar um marido de fato, como todas as outras jovens de sua idade.
Sua vida ia muito bem, do jeito que ela queria, até que uma coluna de Lady Whistledown contou para quem quisesse saber que ela e Sir Royce foram vistos em uma situação um tanto quanto escandalosa para uma moça que estava comprometida com outro homem.
A coluna em questão chegou aos ouvidos, ou melhor, aos olhos do marquês de Halfurst, que percebeu que já havia negligenciado por tempo demais esta parte de sua vida.
Antecipando sua ida a Londres, Halfurst só tinha um propósito, reafirmar seu compromisso com sua prometida e realizar de uma vez este casamento. Ele só não esperava encontrar em sua chegada, uma moça decidida, que não estava nenhum pouco afim de se enfiar no meio do mato, e muito menos esperava se interessar de verdade pela moça, que era uma bela combinação de beleza e inteligência.
Anne, estava cheia de pretendentes, e para onde Halfurst olhava, algum nobre fazia a corte para sua noiva. Decidido a voltar casado para sua fazenda, ele tinha não só a missão de conquistar de uma vez o coração de sua noiva, como principalmente vencer sua resistência em relação a sua pequena Yorkshire.

Dois Corações - Karen Hawkins
Elizabeth Pritchard teve que aprender cedo a se virar e cuidar de si mesma. Dona de uma inteligência nata e de um humor mordaz, aprendeu a não se intimidar com opiniões alheias, e a fazer o que quer, dando sua opinião mesmo a quem não estava querendo ouvir.
Liza fez seu próprio dinheiro crescer, e sendo totalmente independente, marido era um quesito que estava longe de suas preocupações, até que percebeu que algo faltava em sua vida. E foi assim que Lady Whistledown contou em sua coluna um possível casamento entre Liza e lorde Durham.
Esta notícia caiu como uma bomba no colo de lady Margaret Shelbourne, amiga mais próxima de Liza, que a tinha como uma irmã. Sem conhecer muito bem quem era lorde Durham e suas verdadeiras intenções em relação a Liza, ela pede ajuda a seu irmão, sir Royce Pemberley, para saber se a notícia era verdadeira e se ambos tinham motivos para se preocuparem com Liza.
A notícia não assustou apenas Margaret, mas também a Royce que estava mais do que acostumado a ter Liza sempre a seu lado, sendo não só sua melhor amiga, como sua confidente. Era para Liza que ele sempre recorria quando precisava de ajuda ou conselho. Era Liza quem tão bem entendia seu humor e suas atitudes. Era Liza quem não poupava seus ouvidos seja em relação a broncas, seja em relação a qualquer coisa que lhe dizia respeito.
Royce estava acostumado a ter as mulheres a seus pés. Além de dono de um título que chamava atenção, era também dono de uma beleza sem igual e de um carisma que conquistava sem muito esforço. Ele sabia como agradar as mulheres, e não tinha muitos problemas em conquistá-las. O problema era que ele perdia o interesse muito rápido, e não via motivo nenhum a prender-se em um casamento quando podia se divertir por muito tempo ainda.
Por isso, este libertino assumido, não estava conseguindo entender muito bem sua reação em relação a notícia de casamento de sua amiga Liza. Ele não ia deixar que um homem qualquer tirasse Liza de sua vida. Por conta disso, ele estava disposto a cavar bem fundo e descobrir todos os podres deste propenso pretendente, e no meio deste caminho, a colocar um pouco de juízo na cabeça dura de Liza.
O problema era que Durham não era nenhum aproveitador, em compensação, ele e Liza não tinham nada em comum, e Liza iria sofrer se viesse a se casar com ele. Liza precisava de um homem que a aceitasse como ela era, única. E foi neste momento que Royce percebeu que Liza realmente era a única, a única mulher capaz de fazê-lo feliz. E isso era o suficiente para que ele lutasse pelo amor da mulher que morava em seu coração há tantos anos.

Uma Dúzia de Beijos - Mia Ryan
Havia muitos rumores a cerca do Marquês de Darington, mas de concreto mesmo, era seu jeito arrogante, e o fato de ter expulsado a viúva do então Marquês de Darington e sua filha de Ivy Park, o lugar que sempre moraram.
Na época em que herdou o título, Terrance era um soldado que fora gravemente ferido, e usou Ivy Park para se recuperar de seus ferimentos. Esta decisão acabou custando a saída de lady Caroline Starling (Linney) e sua mãe, fato que nenhuma das duas digeriu ou aceitou muito bem, mesmo já tendo se passado 3 anos.
Agora Darington estava em Londres, e pelo visto, a procura de uma esposa, justamente na mesmo época em que Linney estava para ser pedida em casamento por Ernest Wareing, o conde de Pellering, o que não estava deixando a moça muito feliz.
Terrance e Linney nunca se encontraram e nem tinham ideia do que acontecia na vida um do outro. Mas este fato mudou quando de forma inesperada eles se conheceram no teatro. O contato foi rápido e eles nem sabiam quem de fato eram, mas foi o suficiente para que ambos ficassem com a imagem um do outro em suas cabeças.
Então já podem imaginar a surpresa que Linney teve quando soube que o dono da covinha charmosa que lhe ajudou era o mesmo que friamente havia lhe expulsado de sua própria casa.
Se de um lado Linney tinha muitos motivos para odiar Terrance, era verdade também que ela estava atraída por ele, sem falar que a simples ideia de casar com Ernest a fazia ter vontade de sentar e chorar.
Mas como poderia pensar em algo de concreto com um homem tão arrogante como Terrance, que sabia apenas dar ordem e que ao mesmo tempo que lhe falava algo doce, também lhe jogava um balde de água fria?
Sem saber dos problemas que Terrance enfrentava por conta das sequelas de seus ferimentos, Linney não estava disposta a ser um joguete nas mãos deste arrogante marquês. Agora Terrance precisava usar sua inteligência para que Linney entendesse que não era arrogância que tinha, mas problemas reais. Ele tinha apenas uma chance, e usaria da forma correta. Só esperava que fosse suficiente para Lenny entendê-lo.

Trinta e Seis Cartões de Amor - Julia Quinn
Susannah Ballister sabia muito bem o que era ir do céu para o inferno em apenas uma temporada. Ela, que fora vista como a joia da temporada londrina de 1813, terminou a temporada se auto-exilando na casa de campo da família, quando seu pretendente, o Sr. Clive Mann-Formsby, o mesmo que a cortejou e esteve a seu lado por praticamente toda a temporada, pediu a mão da Srta. Harriet Snowe em casamento!
Sim, foi o escândalo da temporada e a humilhação pública de Susannah, que pelas línguas ferinas, foi posta em seu devido lugar, pois para eles, ela achava que seria possível conquistar um casamento de ponta, mesmo não tendo um sobrenome de peso.
Agora que o inverno de 1814 estava a todo vapor, e a sociedade estava aproveitando, Susannah percebeu que precisaria de cada gota de seu orgulho para continuar de cabeça erguida diante dos sussurros que aconteciam ao seu redor.
E foi por isso que ela viu com surpresa e desconfiança o convite de David, o conde de Renminster, irmão mais velho de Clive, para uma dança. Justamente o homem que não via com bons olhos um casamento entre ela e o irmão que a preteriu.
David realmente não achava que Susannah e Clive deveriam se casar, mas seus motivos eram bem diferentes do que Susannah imaginava. Para David, seu irmão precisava de uma mulher que precisasse dele, que o fizesse crescer como pessoa, e não uma tão decidida como Susannah.
Por conta disso, e principalmente da atitude irresponsável do irmão em relação aos sentimentos de Susannah, David sentia-se em débito com a jovem. Mas a verdade é que a dança que tiveram fez o conde notar que a jovem tinha muito que lhe interessasse.
Susannah já tivera seu quinhão de sofrimento e humilhação, e não estava disposta a se deixar levar pelo charme de um conde que nunca viria a se casar com ela, mesmo que ambos estivessem se dando tão bem. Ser abandonada por um Mann-Formsby já custara muito caro, ser abandonada por dois, seria o seu fim. Ainda mais quando ela desconfiava que tudo não passava de um jogo de poder entre dois irmãos.
David sempre fez tudo o que pode para proteger Clive, e talvez este tenha sido o seu erro. Mas Clive não era uma má pessoa, apenas precisava crescer mais como homem. Mas ele não estava disposto a tolerar que o irmão voltasse a se aproximar de Susannah, principalmente agora que estava casado com Harriet, e que ele mesmo estava com o coração nas mãos da jovem Susannah. Mas como lutar contra o poder de atração de Clive parecia exercer sobre todos e até mesmo sobre a mulher que tanto magoara?
David estava disposto a casar com Susannah, mas seria ele capaz de superar o amor que ela tinha pelo irmão? E justamente de onde ele menos esperava, é que surgiu a direção que deveria tomar para ganhar de vez o coração da jovem. Mas isso não seria fácil, mesmo para o conde, que não estava acostumado a ações tão grandiosas e românticas que o momento pedia. Será mesmo?


Mais uma vez as autoras conseguiram amarrar os quatro contos de forma harmoniosa e concreta. Me encantei com todas as histórias de forma diferente, assim como os personagens. É verdade que Anne Bishop do conto Um Amor Verdadeiro, o primeiro do livro, foi uma personagem que me deixou em cima do muro. Ela não é uma personagem chata ou coisa parecida, mas a sua firme decisão de não aceitar Halfurst apenas pelas aparências e pelo fato dele ser um então criador de ovelhas na pequena e inóspita Yorkside, me fazia vê-la como uma preconceituosa em muitos momentos. O pior é que ela nem conhecia o local, ou a vida dele para pensar assim, o que me deixava com mais raiva. Na outra ponta, desenvolvi um enorme carinho por David e Terrance. Terrance pelos problemas de comunicação que precisava enfrentar e que se a sociedade descobrisse, faria dele a piada da vez, e David pelos atos que demonstrou e pela seriedade e cuidados com o destino de Linney. Todos os contos são deliciosas histórias que saem das colunas de fofoca e ganham vida. Leiam e comprovem!

site: http://fabricadosconvites.blogspot.com.br
comentários(0)comente



Carolina Durães 21/05/2018

"Nada escapa a Lady Whistledown" é um livro delicioso com quatro contos envolvendo a cronista mais amada de Londres e sua coluna sobre as fofocas na alta sociedade.
No início do livro, a própria Julia Quinn escreve uma breve carta aos leitores, explicando a correlação entre os contos, como os personagens interagem um com o outro e como uma Londres realmente fria pode trazer amores para aquecer o coração de todos.
"Um amor verdadeiro" é escrito por Suzanne Enoch e tem como protagonistas Lady Anne Bishop, de 19 anos e o marquês de Halfurst, Maximilian Trent de 26 anos de idade. Os pais dos protagonistas eram bons amigos e os dois foram prometidos em casamento desde o nascimento de Anne. Porém, 19 anos se passaram e Anne nunca recebeu uma única carta de seu noivo. Então ela continua vivendo sua vida, saindo com amigos e aproveitando a sociedade londrina. Até que uma de suas saídas acaba virando notícia no jornal e indo parar em Yorkshire, onde Max percebe que já deixou passar muito tempo e está na hora de reclamar sua noiva de direito.
Ao chegar em Londres, ele se depara com uma mulher belíssima, intrigante e voluntariosa e decide que ao invés de apenas carregar sua noiva para Yorkshire, irá conquistá-la e fazer com que ela perceba que seu lugar é ao lado de Max.
A premissa do livro é o casamento arranjado e os "direitos" do futuro marido, mas a autora conseguiu trazer o romance nas cenas, a arte da sedução e o flerte entre o casal. Anne é um pouco ingênua em relação ao sexo oposto e não faz muita ideia do seu impacto neles e Max tem uma aura mais neandertal, mas se esforça para demonstrar romance.

"Ao levantar a cabeça, os olhos de Anne estavam fechados, os lábios ligeiramente abertos, em um doce convite. Meu bom Deus, em que ele estava se metendo? Um casamento arranjado não deveria ser tão... provocante." (p. 37)

"Dois corações" de Karen Hawkins conta a história da Sra Elizabeth Pritchard, a Liza. Liza tem 31 anos de idade, é rica e uma solteirona conhecida da sociedade. Suas excentricidades são bem aceitas, vistas como algo fofo: suas combinações berrantes de roupas e seus chapéus chamativos complementam sua personalidade vivaz. Liza tem dois melhores amigos: lady Margaret Shelbourne e o seu irmão Sir Royce Pemberley, um solteirão convicto de 39 anos de idade. Liza e Royce mantêm uma amizade duradoura, sincera e cheia de comentários pessoais e brincadeiras próprias. Mas quando Liza demonstra interesse em alguém específico, Royce se dá conta que talvez seus sentimentos não sejam apenas amigáveis e fará de tudo (mesmo que inconscientemente), para não deixar Liza casar-se com outro homem.
Esse conto é simplesmente delicioso. A forma como a relação de Royce e Liza é construída, as piadas, a camaradagem é simplesmente delicioso de se ler.

"O rosto dela se enrugou de alegria enquanto gargalhava. Era um som intenso e grave, nada próprio de uma dama, escandaloso ao extremo. Mas combinava perfeitamente com ela, e Royce acabou rindo também. Meu Deus, como sentiria falta dela." (p. 147)

"Uma dúzia de beijos" da Mia Ryan conta a história de lady Caroline Starling, a Linney, é uma jovem de 25 anos de idade. Ela e sua mãe foram despejadas da residência da família quando o novo herdeiro a herdou e esse fato tornou-se uma das notícias escandalosas de Lady Whistledown. Linney é uma jovem tímida, que não se destaca na sociedade e sua irritante mãe (que não passa de uma megera) arranjou um pretendente horrível para a filha. Para Linney toda a situação é sufocante e a cada dia que passa sente-se mais e mais presa e não encontra opções. Durante uma peça de teatro, seu caminho cruza com o de um lindo homem que realmente a enxerga. Mas sabe a jovem que esse homem é Terrance Greyson, o novo lorde Darington, seu carrasco pessoal. Terrance passou por um grande trauma e ainda é um homem em recuperação. É um homem de poucas palavras, que muitas vezes aparenta ser rude, mas que desde o primeiro encontro com Linney está decidido a passar mais tempo ao seu lado.
Esse conto é simplesmente lindo e faz o leitor suspirar! É meigo, tem personagens adoráveis e sua construção é perfeita.

"Ela o deixava confuso, e ele realmente precisava evitar confusões a qualquer custo. Além disso, ela pareceu ser um pouco doidinha." (p. 198)

"36 cartões de amor" foi escrito por Julia Quinn e conta a história da Srta Susannah Ballister. Susannah foi a estrela de sua temporada e estava sempre acompanhada do Sr. Mann-Formsby. Toda a sociedade estava esperando o grande anúncio, inclusive a protagonista, até que em uma das grandes festas, o Sr. Mann-Formsby pede em público, outra jovem em casamento. Susannah é humilhada e a sociedade é cruel, então sua única alternativa foi ficar reclusa no campo. Mas sua família resolve que está na hora de voltarem a Londres e aos 21 anos de idade, a jovem se encontra em um pesadelo: torna-se uma pária social, motivo de chacota das mulheres e ainda por cima precisa presenciar o novo casal andando pra lá e pra cá. David é o irmão mais velho do antigo pretendente de Susannah e é também o conde de Renmister. Ao perceber a situação que a protagonista se encontra em meio a uma das festas, tenta ajudá-la, mas se vê encantado pela jovem e os dois começam a compartilhar momentos incríveis juntos. Mas será que Susannah poderá acreditar que o que possuem é mais do que algo passageiro?
David é visto como um homem severo e sem graça, mas a verdade é que ele é simplesmente espetacular. É culto, gentil, romântico e totalmente irresistível. Susannah aprendeu a construir sua proteção por conta dos acontecimentos da temporada anterior, mas ainda assim é uma mulher doce, engraçada e tem uma mente rápida e é bem perceptiva. O casal combina muito bem e esse conto é lindíssimo.

"Ele a beijou até ela achar que desmaiaria de desejo. Ele a beijou até ela achar que desmaiaria de falta de ar. Ele a beijou até que ela não conseguisse pensar em nada além dele, não conseguisse ver nada além do rosto dele em sua mente e até que não quisesse mais nada além do sabor dele em seus lábios... para sempre." (p. 271)

site: http://www.acordeicomvontadedeler.com/
comentários(0)comente



Bruna 06/06/2018

Quando até o Tâmisa congela, tudo pode acontecer!
Acredito que é algo de conhecimento público o quanto a Editora Arqueiro consegue se mostrar perfeita em suas escolhas quando o assunto é Romance de época, por isso não deveria ser nenhuma surpresa que quando ela se juntasse a uma das rainhas do gênero nada menos que perfeição fosse o resultado... e se uma já é sinônimo de perfeição imagine só quando se trata não apenas de uma, e sim quatro autoras que dão show quando o assunto é escreverem juntas. Para quem ainda não conhece, Lady Whistledown Contra-ataca, primeiro livro dessa duologia, acabou por se mostrar uma tremenda surpresa á todos que - assim como eu - não são fãs de contos; com um jeito ímpar de escrever, rapidamente sua escrita e trama acabar por se mostrarem completamente encantadores, algo que continua presente mesmo se tratando de seu segundo volume. Continuando a mostrar uma sintonia enorme na escrita, Júlia Quinn, Suzanne Enoch, Karen Hawkins e Mia Ryan não decepcionam ao criar mais um enredo narrado pela divertida e aclamado fofoqueira da sociedade Londrina: Lady Whistledown enquanto novos casais se formam e se reencontram em meio a muito alvoroço. Confiram mais detalhes a seguir:

“Sentindo a necessidade de tocá-la, Maximilian deu mais um passo à frente. Levou as mãos ao pulso de Anne e a fez soltar os dedos do vestido. Ela engoliu em seco quando ele levou sua mão aos lábios. Uma lenta onda de calor lhe subiu pelas veias quando o encarou com seus cílios longos e curvados.” - Um amor verdadeiro


Em Um Amor Verdadeiro, primeiro conto dessa obra, iremos nos deparar com a história de Lady Anne Bishop e Lorde Halfurst, um casal prometido desde pequenos e cujo contato não existia desde então. Lady Anne é uma jovem repleta de personalidade que não sonha em se ver afastada de Londres, prometida desde cedo, ela não se lembra de ter conhecido o “noivo”. Sem nutrir apreço algum por ele, visto que nem sequer uma vez apresentou a decência de lhe enviar uma carta, ela passa seus dias a realizar diversos passeios e a fazer o que se espera de toda dama: compras e marcar presença nas mais diversas festas. No entanto, se mostrando tipicamente uma jovem da sociedade e com uma beleza que chama atenção desde que debutou a pouco tempo, ela se vê constantemente cercada por candidatos - ainda que seja de conhecimento público seu status comprometido; doce, carismática e atraente ela é aquilo que todos desejam, mas que nenhum se atrave a ir atrás devido ao conhecimento de que ela já é alguém prometida - algo que ela se vê constantemente feliz em lembrar. Bom, pelo menos até conhecer Maximilian, o jovem que detêm sua mão e que não está disposto a abrir mão do compromisso, ainda que ela insista em deixar bem claro que não deseja de forma alguma se afastar de Londres para viver em meio a ovelhas em Yorkshire.

Maximilian, ou Marquês de Halfurst, é um jovem cuja presença chama atenção não apenas pelo fato de há muito ter se afastado da sociedade Londrina, nem pelos boatos que correm solto acerca de que ele se encontraria falido, e sim pela sua aparência capaz de deixar qualquer jovem dama suspirando - ainda que uma dessas insistisse em negar tamanha atração. Prometido desde sempre a filha única do amigo de seu pai, ele via seu casamento como algo certo e cujo esforço era desnecessário; mas quando chega em seus ouvidos a notícia de sua prometida envolvida em uma situação nada adequada ele se põe a ir atrás daquilo que deseja. No entanto, logo ele acaba por notar que a sua não comunicação com a jovem Anne pode ter sido um erro, mas determinado a tê-la para si agora que a conhece ele está disposto a se redimir e fará de tudo para que ela lhe aceite. Eletrizante, a química entre ambos é algo que fica nítido desde o primeiro contato. Em meio a farpas trocadas, comentários sagazes e muitos beijos, Suzanne Enoch convida o leitor a embarcar por essa estória que em nada deixa a desejar - a não ser pelo seu número escasso de páginas.

“Era aristocrático e belo, tão diferente do que imaginara que ela poderia considera-lo um impostor. Quando sorria, porém, os olhos se iluminavam e, em resposta, seu tolo coração se acelerava.” - Um amor verdadeiro

“Tudo o que sabia ao certo era que a amava e não saberia viver sem ela.” - Dois Corações

Já em Dois Corações, segundo conto dessa obra, somos presenteados com a história da Srta. Elizabeth Pritchard e Sir Royce Pemberley - dois amigos que podem acabar descobrindo que existe mais do que apenas amizade por trás de tudo. Elizabeth Pritchard é uma jovem de 31 anos que está longe de poder ser considerada uma dama da sociedade com suas vestes extremamente coloridas - e longe de combinarem - e uma personalidade sem papas na língua ou ligada à regras da sociedade; dona de uma considerável fortuna, ela está longe de precisar se casar visto que aprendeu desde pequena a ser independente. No entanto, após tantos anos vivendo de forme independente, ela está cansada e determinada a mudar isso e se casar, principalmente quando um pretendente surge para realizar essa vontade - para desespero de seu melhor amigo Royce.

Royce Pemberly é o típico libertino repleto de charme que encanta a muitas, mas não se prende a ninguém. Com 39 anos de idade, sua beleza ainda é vivida lhe proporcionando encontros quentes e regados de prazer, mas sem compromisso. No entanto, sua tão apreciada paz cai por terra quando Meg - sua irmã - lhe informa que Elizabeth parece ter encontrado alguém com quem se casar. Determinado a impedi-la de cometer um erro, ele está disposto a descobrir tudo sobre o suposto pretendente de forma a impedi-la de realizar tal loucura. Ele só não esperava descobrir bem mais do que intenções de Durham... Mas seria ele capaz de dar a Liza o que ela precisa? Em meio a muita insegurança, descobertas e um romance bonito de se ver, Karen Hawkins seduz seu leitor em meio a uma trama intensa e repleta de uma grande química incapaz de se negar.

“Royce gostaria de saber o que tornava Liza única. Não era apenas seu jeito de se vestir, embora fosse bastante incomum. Era algo mais. Talvez a inteligência em seus olhos verdes ou a forma com que seu rosto se iluminava quando ela ria, mas, o que quer que fosse, despertava nele o desejo de rir e nunca mais parar.” - Dois corações

“Quem diria que alguém poderia se sentir tão aquecida quando o mundo ao redor congelava?” - Uma dúzia de beijos

Já em seu terceiro conto, Uma duzia de beijos, somos levados a acompanhar uma das histórias - pelo menos aparentou ser - mais curtas da obra, mas que nem por isso deixa de ser repleta de fofura mesmo de um modo peculiar. Lady Caroline Starling é uma jovem que viu sua vida mudar desde que seu pai veio a falecer ao se ver sendo expulsa da casa em que viveu desde sempre por um primo de quarto grau a quem nunca viu; três anos depois, e vivendo com sua nada amorosa mãe, ela se encontra prestes a ser pedida em casamento por um jovem que em nada lhe atrai, mas que parece ser um dos poucos dispostos a lhe fazer tal proposta - algo que aos 26 anos já apresenta um grande peso. No entanto, por algum motivo, ela não consegue se ver feliz em estar prestes a ficar noiva, muito pelo contrário, motivo pelo qual ao invés de estar assistindo a belíssima apresentação no teatro, Linney está escondida em um canto para que possa lidar com suas lágrimas em paz; lagrimas essas que logo são esquecidas diante da presença de um jovem que lhe causa sensações jamais experimentadas até então.

Terrance Greyson, ou Lorde Darington, é um jovem que se viu recebendo o título sem nunca tê-lo desejado, principalmente quando falar é algo que lhe exige muito esforço depois de um acidente de guerra e circulando entre os nobres seu silêncio é algo que raramente seria bem visto. Determinado então a encontrar uma noiva que possa atrair para si a atenção desviando a dele, Terrance está de volta a Londres para temporada cujo congelamento de Tâmisa é apenas a menor das novidades. No entanto, quando seu caminho cruza com o da jovem Caroline, ele sente algo dentro de si mudar; tão bela e com olhos tão marcantes esquece-la não parece ser uma opção, mas o fato dela o odiar não parece ajudá-lo em nada. Ao mesmo tempo em que Linney sente algo totalmente desconhecido pelo jovem que a faz sentir palpitações no peito e pelo qual deseja desfrutar de mais de uma dúzia de beijos, ela também o despreza pela sua arrogância e frieza com que tratou a ela e a sua mãe quando exigiu que ambas saíssem da propriedade em que moravam em um curto prazo de dois dias. E se cortejar uma dama já é difícil, imagine uma que está determinada a impedir que isso aconteça, mas sem temer um desafio - ainda que as palavras não o ajudem - Terrance está determinado em tê-la para si, mas seria ele capaz de convencê-la a aceita-lo? Em meio a um enredo leve e divertido, ainda que seus acontecimentos sejam extremamente rápidos, Mia Ryan apresenta uma estória que tinha tudo para dar errado, mas que assim como o congelamento do Rio (algo extremamente improvável) pode ser que acabe por se tornar inesquecível.

“Linney deu um leve sorriso quando seu cérebro nebuloso a guiou rumo a um sonho fascinante. Curiosamente, lorde Darington era o protagonista do sonho. E foi, de fato, um sonho muito bom.” - Uma dúzia de beijos

“Ele a beijou até ela achar que desmaiaria de desejo. Ele a beijou até ela achar que desmaiaria de falta de ar. Ele a beijou até que ela não conseguisse pensar em nada além dele, não conseguisse ver nada além do rosto dele em sua mente, e até que não quisesse mais nada além do sabor dele em seus lábios...para sempre.” - Trinta e seis cartões de amor.

E encerrando essa série de contos, temos o Trinta e seis cartões de amor, a história entre a senhorita Susannah Ballister uma jovem que se encontra extremamente mortificada depois do escândalo da última temporada e o conde Renminster, o irmão da causa de tal feito. Susannah Ballister acreditava que a temporada de 1813 não poderia dar errado, tendo conhecido o jovem Clive ela se viu cercada da mais intensa atenção, convites a bailes e dona dos comentários que os elegiam como o casal de ouro; no entanto, quando Clive finalmente propõe casamento a uma jovem, é inevitável a surpresa geral de todos visto que não havia sido ela a dama em questão. Mortificada pelo acontecimento depois de uma intensa corte, ela não vê outra opção a não ser fugir e se esconder na casa da família no campo, mas com o recente congelamento do Rio Tâmisa, sua volta antes do esperado é algo que a deixa extremamente desconfortável tanto quanto se mostra inevitável. Ela só não esperava que já em seu primeiro baile ela tivesse que contar com a presença do feliz casal, o que só reforçava os comentários de todos acerca da infelicidade que aconteceu a ela quando foi trocada tão repentinamente. Da jovem mais cobiçada, ela foi rechaçada a um esgueirar pelos cantos, ou pelo menos estava sendo até o inusitado convite para dançar de David, o conde Renminster, e também irmão de Clive.

David Mann-Formsby, mais conhecido como o conde de Renminster, sempre se mostrou um homem extremamente reservado e ciente de sua posição de forma que sua postura não poderia ser considerado menos que a ideal. No entanto, com o recente feito de seu irmão deixando a senhorita Ballister em uma situação nada próspera, ele se vê na obrigação de pedir desculpas a ela - ainda que não tenha sido sua atitude a causar tamanha confusão... Ele só não esperava encontrar na jovem, cuja beleza jamais passou despercebida, a pessoa perfeita para se tornar a sua condessa; mas como convencê-la a enxergar isso também é que era a grande questão, principalmente quando a sua singela presença já se mostrava o bastante para despertar a ira da jovem dama em questão. Determinado, ele então passa a tentar corteja-la, mas seus esforços parecem estarem sendo infrutíferos visto que Susannah parece não nota-los, o que só piora quando dúvidas passam a assombra-lo acerca dos verdadeiros sentimentos dela pelo seu irmão. Vivendo um conflito interno, David terá que descobrir se é mais importante tê-la em sua vida ainda que ela possa estar o fazendo apenas para estar perto de Clive ou deixá-la ir por não poder correspondê-lo. Mas talvez tamanha dúvida seja desnecessária, visto que ao que tudo indica tanto o número de cartões espalhadas pelo escritório quanto o sentimento da jovem por ele parecem estar ligados... Mas existirá realmente um final feliz para eles? Encantando com sua simplicidade e seu jeito único de elaborar estórias de tirar o fôlego e deixar seus leitores suspirando, Júlia Quinn volta com mais um conto que não deixa a desejar, a não ser para aqueles que desejariam poder presenciar ainda mais páginas dessa escrita que se mostra tão gostosa e rápida de ler.

“O que significava que a grande pergunta era - será que ele seria capaz de suportar? O que seria pior: ser seu marido mesmo sabendo que ela amava outra pessoa ou não tê-la em sua vida?
Ele não sabia.”

Quando o Tâmisa vem a congelar trazendo todos para uma temporada às vésperas do dia de São Valentin tudo pode acontecer, principalmente contando com a ajuda da fofoqueira mais admirada de Londres... será?!

“Talvez, quando o Tâmisa congelar... Ah, espere, o Tâmisa ESTÁ congelado.
Aparentemente, nada é impossível nos dias atuais.”

---

Falar sobre um livro de contos nunca é fácil, é preciso que se busque encontrar um equilíbrio na medida certa de forma a não se falar nem de mais e nem de menos, mas o suficiente para conseguir criar o desejo da leitura em você que ainda não conhece a obra. No entanto, tenho que confessar que essas quatro autoras facilitam bastante ao criarem contos que mesmo com seu tamanho reduzido ainda se mostram surpreendentes e empolgantes tal como uma boa obra deve fazer. Porém tenho que dizer que esse não é o meu preferido da duologia, acreditando que seu primeiro volume tenha apresentado uma construção muito maior do que esse volume, mesmo assim, em nada desmerece o talento que elas conseguem apresentar ao se unirem e criarem histórias tão diferentes e ao mesmo tempo igualmente prazeirosas.

Construído ao longo de (número de páginas) páginas, o leitor se vê cercado pelos mais diversos exemplos de amores improváveis e ao mesmo tempo extremamente previsíveis, cujos protagonistas encantam com suas personalidades tão diferentes, mas não menos encantadores. Desde mocinhas repletas de personalidade, até as mais recatadas, somos inseridos em suas estórias sem nenhum momento de hesitação e nos vemos torcendo para que as coisas deem certo - e por alguns momentos querendo até sacudi-las por suas personalidades extremamente teimosas. No entanto, seus protagonistas também não ficam atrás, até mesmo aquele que realmente tem um problema em relação a frases acaba por se mostrar um tremendo galanteador que ganham pouco a pouco nossos corações ao demonstrarem persistência e objetividade em ir atrás do que deseja.

Repleto de química, todos os casais são altamente contagiantes e cativantes - ainda que em meio a muitas trocas de farpas e situações divertidas e inusitadas. E o que falar de Lady Whistledown com seus comentários perspicazes e seus olhos de forma quase onipresente sobre Londres? Sarcástica, com tiradas muito bem pensadas, ela continua a mostrar porque detém o posto da maior fofoqueira da sociedade sem jamais perder a classe. Muito bem elaborado, mais uma vez nos vemos diante do que só poderia ser visto como impecável e essencial, visto que sua presença é claramente mais do que uma mera espectadora e muito superior ao de protagonismo.

Muito bem atrelado, o que encontramos não são 4 contos independentes reunidos em um mesmo lugar, mas sim uma obra que reuni um mesmo objetivo contado sobre perspectivas totalmente diferentes e ao mesmo tempo que se encaixam de forma única. Simples, conciso, mas encantador, Júlia, Suzanne, Karen e Mia criam um universo de época fora dos padrões que prendem o leitor a cada página de forma a se querer saber o que vem depois. Totalmente linear, essa não é uma estória que busca inventar coisas mirabolantes, mas que encanta com sua simplicidade na medida certa. Iniciados no ano de 1814, com exceção de uma das obras cujos acontecimentos se prolongam desde de 1813, iremos acompanhar quatro romances de época que se entrelaçam de forma sutil e tem seu desfecho no baile de São Valentim, assim como se vem acompanhados pelos comentários perspicazes já tão conhecida Lady Whistledown e sem a qual cada história poderia não ser a mesma - seja isso bom ou ruim, vai saber!

Com toques mais para o romance, assunto predominante na obra, sua edição apresenta uma edição que se encaixa perfeitamente ao primeiro volume dessa série, mas com características próprias e diferentes presentes desde a escolha da cor mais voltada ao vermelho e seus tons similares até objetos que remetem com sutileza aos contos que se encontram presente no livro. Mantendo um mesmo padrão, encontramos uma diagramação muito bem feita, cujos contos são extremamente bem divididos sem que quebre essa visão única de sua trama. Sem erros gramaticais encontrados por mim, sua revisão é algo notável, assim como sua diagramação cujos pequenos detalhes fazem toda a diferença. Iniciando sempre com um trecho da coluna mais esperada, a Editora Arqueiro soube dosar todos os elementos de forma que essa é mais uma das inúmeras obras que além de uma edição física linda, apresentam conteúdo de deixar qualquer um encantado!

Nada Escapa a Lady Whistledown é aquela obra que a gente imagina que vai gostar, mas mesmo assim ainda se vê sendo surpreendido pelos comentários inteligentes, pelas estórias muito bem escritas - ainda que algumas não tenham conseguido me convencer tanto - e pelos protagonistas encantadores. Repletos de personalidade cada história é completa e não deixa a desejar de forma a encantar a todos. Coesa, simples e concisa, essa é aquela obra que engana a quem acha que por se tratar de contos não encontrará profundidade e lições importantes sobre a vida, mas principalmente sobre o amor.

Mostrando porque é uma das rainhas do gênero, Júlia Quinn vem pra ensinar que não é apenas sobre colocar palavras em um papel, mas sobre como reunir a muitos em prol de uma mesma personagem - fazendo com que dê tão certo que nem mesmo aqueles que não gostam do tipo, se vejam apaixonados. Ainda que eu tenha me sentido muito mais instigada pelo primeiro volume, essa segunda obra é tão incrível quanto, motivo pelo qual nada menos que a nota máxima é o merecido. É claro que eu achei que em alguns contos a noção do amor ficou extremamente artificial, o que me incomodou um pouco, mas cercado pela aura do amor e das coisas impossíveis até mesmo essas partes acabam por ser críveis; afinal se até mesmo o Tâmisa congelou, quem sou eu pra dizer algo sobre como as pessoas se apaixonam, não é mesmo? Mais do que recomendado, Nada escapa a Lady Whistledown ganha o selo de qualidade e merece o lugar que detém no catálogo dessa editora que dá aula quando o assunto é romance de época!

Um beijo


site: www.brookebells.com
comentários(0)comente



Marlene C. 05/06/2018

Resenha: Nada Escapa a Lady Whistledown
Nada Escapa a Lady Whistledown é o primeiro livro da duologia Lady Whistledown, que foi publicada de maneira invertida pela Editora Arqueiro. Nesse volume, iremos mais uma vez acompanhar a história de quatro casais, que ao longo da temporada, irão encontrar o amor quando menos esperavam.

Um Amor Verdadeiro - Suzanne Enoch

Anne Bishop é uma jovem de 19 anos, que está noiva desde os três meses de idade, porém, como nunca recebeu nem sequer uma carta do seu noivo ao longo de todos esses anos, ela resolve seguir sua vida como se o noivado não existisse, e isso estava funcionando muito bem, até que a Lady Whistledown coloca tudo a perder.

Maximilian Trent é um homem de 26 anos, que fica surpreso quando descobre que o comportamento inadequado da sua noiva, foi parar em uma coluna de fofocas. Ele mora em Yorkshire a muitos anos e pretende trazer sua prometida para casa. Mas, o que ele não esperava, era que Anne fosse tão teimosa e relutante em deixar Londres e casar com o criador de ovelhas.

Max está encantado com sua noiva, ela é linda, intrigante e tem uma personalidade que o cativa desde o primeiro momento e apesar da ansiedade que sente em voltar para Yorkshire, Max decide ficar algumas semanas, para que assim, ele possa conquistar o coração de sua prometida e ensinar-lhe, que o lar é onde o amor está.

Eu gostei bastante desse conto, mas, ele está longe de ser o meu favorito. A mocinha tem uma personalidade forte, mas achei ela muito fútil. Max é um homem incrível e eu adorei a forma como ele colocou fim nesse dilema. Apesar da minha antipatia com a Anne, conseguir me conectar com o casal e torcer pela felicidade deles.

Dois Corações - Karen Hawkins

Elizabeth Pritchard é uma mulher de 31 anos, considerada solteirona pela sociedade. Ela tem uma personalidade bem fora do comum e um gosto para vestimentas bem duvidoso, mas, isso é o que a torna tão especial. Suas excentricidades e suas características únicas, fizeram dela uma mulher mais respeitadas e mais ricas de Londres.

Royce Pemberley e Elizabeth Pritchard são amigos a mais de 20 anos, mas, apesar de todas as coisas que ambos tem em comum, o único sentimento que existia entre eles era a amizade, até que pela primeira vez, Elizabeth mostra um real interesse por um homem e Royce é obrigado a questionar tudo o que ele imaginou sentir pela Elizabeth, pois, do contrário, ele verá sua amiga – amada – se casar com outro homem.

Esse conto foi sem sobre de dúvidas o meu preferido. Eu adorei os personagens, em especial a Elizabeth, que demostrou ser uma mulher forte, que sabe o quer e que não tem medo de falar o que pensa. Royce foi um personagem que também ganhou meu coração, ele tem 39 anos e é um solteiro convicto, mas, a partir do momento que se viu apaixonado, demostrou ser um cavalheiro encantador – quando o ciúme não falou mais alto – e por isso e muito mais, ele ganhou o meu coração.

Uma Dúzia de Beijos - Mia Ryan

Lady Caroline Starling é uma jovem de 25 anos, que não está feliz com a atual situação em que se encontra. Ela e sua mãe, foram despejadas de sua casa pelo primo que herdou a residência de sua família e a única opção que lhe resta é se casar com um homem bem mais velho que ela, que tem como amor maior, os seus cães de caça.

Terrance Greyson é o herdeiro, ele sofreu um grave acidente quando estava no exército e por isso, precisou se exiliar durante algum tempo para se curar, no entanto, o acidente deixou sequelas, que a longo prazo lhe traz alguns problemas, como o fato dele ser considerado pela sociedade e pela Caroline, um homem arrogante e cheio de si.

Terrance está em Londres, para a temporada. Ele quer arrumar uma esposa e fica fascinado com a jovem que ver chorando no teatro. Mas, o que ele não esperava, ela que essa mulher fosse sua prima de quarto grau, ao qual “ele” desalojou quando fez a mudança. Terrance logo conquista as boas graças da jovem e passa então, com beijos a mostrar o quanto a estima.

Esse foi o meu segundo conto preferido. Eu tenho uma quedinha por mocinhos feridos e ver como Terrance tenta superar a cada momento as suas dificuldades, foi bem bonito. Os personagens foram muito bem construídos, o romance bem desenvolvido e minha única reclamação a respeito dessa história, é que não tem um livro completo.

Trinta e seis cartões de Amor - Julia Quinn

Esse último conto é da minha querida e amada Julia Quinn e conta a história da Susannah Ballister, uma jovem beldade, que estava sendo cortejada por um dos melhores partidos da sociedade, até que ele se casa com outra jovem e coloca Susannah em uma situação difícil. Ela então, para fugir de todo o falatório, decide passar um tempo na casa do campo da família. Mas, como ela não pode fugir para sempre, tem que voltar para as festividades de inverno.

Para sua surpresa, o primeiro cavalheiro que demostra interesse por ela é David, o conde de Renminster, que é irmão mais velho de Clive, o homem que a estava cortejando. David sabe que o casamento entre Sussannah e seu irmão não teria dado certo, por isso, ele resolve fazer da jovem a sua esposa, mesmo que isso gere um rebuliço na sociedade, afinal, seu irmão já havia manchado o bom nome da senhorita.
Susannah está receosa com a atenção que está recendo do David. Ela quer saber qual é realmente a sua intenção, ele está protegendo ela dos falatórios, por causa do seu irmão? Ou a está cortejando? Apesar de não ter a intenção de colocar seu coração novamente em jogo, Susannah não consegue resistir a atração que sente por ele e acaba sucumbindo ao amor.

Mais uma vez Julia Quinn me encantou, com a sua mania de criar personagens incríveis. Apesar desse conto não ter sido o meu favorito do livro, eu desfrutei bastante dessa leitura, os mocinhos são incríveis, achei que a autora desenvolveu bem as suas personalidades, medos e anseios. O romance é fofo e mais uma vez os personagens mostraram, que o amor é capaz de superar as mais difíceis das adversidades.

A parte física do livro está bem bonita, folhas amareladas e letras confortáveis, não encontrei nenhum erro de revisão. Essa capa é linda e tem tudo a ver com a história. No contexto geral, cada conto me encantou da sua maneira. Os contos acontecem de maneira contínua, de modo que não confunda o leitor. Leitura mais que recomendada!
comentários(0)comente



Cheiro de Livro 22/05/2018

Nada escapa a Lady Whistledown
Quatro contos de autoras diferentes compõem o livro “Nada escapa a Lady Whistledown” (Editora Arqueiro). Quem costura todos os quatro é a personagem-título, escrita por Julia Quinn, cujo conto encerra a coletânea.

Em um inverno atípico em Londres, o Rio Tâmisa congelou e todos aproveitam o momento para patinar, socializar e, claro, se apaixonar! Os quatro contos culminam no baile de São Valentim, data mais romântica do ano.

Cada uma das quatro autoras conta uma história que traz um par romântico às vezes inusitado, às vezes quase que destinado a ser feliz para sempre! E o divertido, além de ler as desventuras desses personagens, é ver como os de um conto acabam encontrando os do outro conto e assim por diante.

Vou colocar as sinopses de cada conto e minhas impressões abaixo, mas sem spoilers (embora todo mundo já saiba que todos serão felizes para sempre no fim de cada conto, né? É meio que padrão, graças a Deus!).

O primeiro conto do livro é de Suzanne Enoch e um dos que eu mais gostei! A sinopse é a seguinte: Um futuro noivo fica sabendo que o “comportamento escandaloso” de sua bela prometida foi parar na coluna de lady Whistledown e volta correndo para Londres com o intuito de ganhar o coração da moça de uma vez por todas.

Nem preciso dizer que eu ADOREI o conto! A protagonista é independente e atacada e não cai de amores de cara logo não! O gatinho tem que trabalhar muito para conquista-la!

O segundo conto eu também gostei muito e foi escrito por Karen Hawkins. A sinopse é a seguinte: Um conhecido libertino tem sua amizade mais antiga e seu coração postos à prova quando uma adorável dama se encanta por outro cavalheiro.

Acho que esse foi o que mais gostei! A protagonista tem mais de 30 anos e é autêntica, não liga para opiniões alheias e segue seu coração e opinião. AMEI a Liza e o conto todo é muito, muito lindinho! Queria um livro com esses personagens!

O terceiro conto foi o mais fraco, na minha opinião. Escrito por Mia Ryan, a história acompanha uma jovem que é despejada da própria casa por um detestável – embora charmoso – marquês que pretende tomar posse não apenas do imóvel, mas também de sua antiga moradora.

Tem um twist aí no meio e é bem bonitinho, mas achei a história boa demais para tão poucas páginas. A sensação é que não foi explorada o suficiente e ficou muito rápido e superficial, sabe? Pena porque a troca entre os personagens é muito legal e merecia ser mais explorada.

Fechando, a maravilhosa-eu-amo-tudo-que-ela-escreve-menos-a-Daphne, Julia Quinn! Seu conto traz uma história deliciosa de seguir! A alta sociedade está em polvorosa, afinal a debutante mais promissora da temporada foi rejeitada por seu pretendente… apenas para ser conquistada em seguida pelo charmoso irmão mais velho do canalha que não a quis.

Gatinha que se livra do embuste! QUEM NUNCA?! Adorei esse conto até porque a moça – Suzannah – é uma maravilha de personagem e o Conde David é uma COISA!

“Nada escapa a Lady Whistledown” é um livro excelente para essas situações:

Se você quiser sair da ressaca literária;
Se quiser ler algo romântico, mas não um romance inteiro;
Se já leu tudo das autoras favoritas e quer descobrir novas;
Se não conhece o gênero e quer testar se vai gostar;
Se quer se apaixonar por personagens deliciosos de ler!
Ah, e também temos “Lady Whistledown contra-ataca”, que traz as mesmas autoras com outros contos! YAY! Fato que será o próximo da lista de leitura!

site: http://cheirodelivro.com/nada-escapa-a-lady-whistledown/
comentários(0)comente



Acordei Com Vontade de Ler 01/06/2018

"Nada escapa a Lady Whistledown" é um livro delicioso com quatro contos envolvendo a cronista mais amada de Londres e sua coluna sobre as fofocas na alta sociedade.
No início do livro, a própria Julia Quinn escreve uma breve carta aos leitores, explicando a correlação entre os contos, como os personagens interagem um com o outro e como uma Londres realmente fria pode trazer amores para aquecer o coração de todos.
"Um amor verdadeiro" é escrito por Suzanne Enoch e tem como protagonistas Lady Anne Bishop, de 19 anos e o marquês de Halfurst, Maximilian Trent de 26 anos de idade. Os pais dos protagonistas eram bons amigos e os dois foram prometidos em casamento desde o nascimento de Anne. Porém, 19 anos se passaram e Anne nunca recebeu uma única carta de seu noivo. Então ela continua vivendo sua vida, saindo com amigos e aproveitando a sociedade londrina. Até que uma de suas saídas acaba virando notícia no jornal e indo parar em Yorkshire, onde Max percebe que já deixou passar muito tempo e está na hora de reclamar sua noiva de direito.
Ao chegar em Londres, ele se depara com uma mulher belíssima, intrigante e voluntariosa e decide que ao invés de apenas carregar sua noiva para Yorkshire, irá conquistá-la e fazer com que ela perceba que seu lugar é ao lado de Max.
A premissa do livro é o casamento arranjado e os "direitos" do futuro marido, mas a autora conseguiu trazer o romance nas cenas, a arte da sedução e o flerte entre o casal. Anne é um pouco ingênua em relação ao sexo oposto e não faz muita ideia do seu impacto neles e Max tem uma aura mais neandertal, mas se esforça para demonstrar romance.
"Ao levantar a cabeça, os olhos de Anne estavam fechados, os lábios ligeiramente abertos, em um doce convite. Meu bom Deus, em que ele estava se metendo? Um casamento arranjado não deveria ser tão... provocante." (p. 37)
"Dois corações" de Karen Hawkins conta a história da Sra Elizabeth Pritchard, a Liza. Liza tem 31 anos de idade, é rica e uma solteirona conhecida da sociedade. Suas excentricidades são bem aceitas, vistas como algo fofo: suas combinações berrantes de roupas e seus chapéus chamativos complementam sua personalidade vivaz. Liza tem dois melhores amigos: lady Margaret Shelbourne e o seu irmão Sir Royce Pemberley, um solteirão convicto de 39 anos de idade. Liza e Royce mantêm uma amizade duradoura, sincera e cheia de comentários pessoais e brincadeiras próprias. Mas quando Liza demonstra interesse em alguém específico, Royce se dá conta que talvez seus sentimentos não sejam apenas amigáveis e fará de tudo (mesmo que inconscientemente), para não deixar Liza casar-se com outro homem.
Esse conto é simplesmente delicioso. A forma como a relação de Royce e Liza é construída, as piadas, a camaradagem é simplesmente delicioso de se ler.
"O rosto dela se enrugou de alegria enquanto gargalhava. Era um som intenso e grave, nada próprio de uma dama, escandaloso ao extremo. Mas combinava perfeitamente com ela, e Royce acabou rindo também. Meu Deus, como sentiria falta dela." (p. 147)
"Uma dúzia de beijos" da Mia Ryan conta a história de lady Caroline Starling, a Linney, é uma jovem de 25 anos de idade. Ela e sua mãe foram despejadas da residência da família quando o novo herdeiro a herdou e esse fato tornou-se uma das notícias escandalosas de Lady Whistledown. Linney é uma jovem tímida, que não se destaca na sociedade e sua irritante mãe (que não passa de uma megera) arranjou um pretendente horrível para a filha. Para Linney toda a situação é sufocante e a cada dia que passa sente-se mais e mais presa e não encontra opções. Durante uma peça de teatro, seu caminho cruza com o de um lindo homem que realmente a enxerga. Mas sabe a jovem que esse homem é Terrance Greyson, o novo lorde Darington, seu carrasco pessoal. Terrance passou por um grande trauma e ainda é um homem em recuperação. É um homem de poucas palavras, que muitas vezes aparenta ser rude, mas que desde o primeiro encontro com Linney está decidido a passar mais tempo ao seu lado.
Esse conto é simplesmente lindo e faz o leitor suspirar! É meigo, tem personagens adoráveis e sua construção é perfeita.
"Ela o deixava confuso, e ele realmente precisava evitar confusões a qualquer custo. Além disso, ela pareceu ser um pouco doidinha." (p. 198)
"36 cartões de amor" foi escrito por Julia Quinn e conta a história da Srta Susannah Ballister. Susannah foi a estrela de sua temporada e estava sempre acompanhada do Sr. Mann-Formsby. Toda a sociedade estava esperando o grande anúncio, inclusive a protagonista, até que em uma das grandes festas, o Sr. Mann-Formsby pede em público, outra jovem em casamento. Susannah é humilhada e a sociedade é cruel, então sua única alternativa foi ficar reclusa no campo. Mas sua família resolve que está na hora de voltarem a Londres e aos 21 anos de idade, a jovem se encontra em um pesadelo: torna-se uma pária social, motivo de chacota das mulheres e ainda por cima precisa presenciar o novo casal andando pra lá e pra cá. David é o irmão mais velho do antigo pretendente de Susannah e é também o conde de Renmister. Ao perceber a situação que a protagonista se encontra em meio a uma das festas, tenta ajudá-la, mas se vê encantado pela jovem e os dois começam a compartilhar momentos incríveis juntos. Mas será que Susannah poderá acreditar que o que possuem é mais do que algo passageiro?
David é visto como um homem severo e sem graça, mas a verdade é que ele é simplesmente espetacular. É culto, gentil, romântico e totalmente irresistível. Susannah aprendeu a construir sua proteção por conta dos acontecimentos da temporada anterior, mas ainda assim é uma mulher doce, engraçada e tem uma mente rápida e é bem perceptiva. O casal combina muito bem e esse conto é lindíssimo.
"Ele a beijou até ela achar que desmaiaria de desejo. Ele a beijou até ela achar que desmaiaria de falta de ar. Ele a beijou até que ela não conseguisse pensar em nada além dele, não conseguisse ver nada além do rosto dele em sua mente e até que não quisesse mais nada além do sabor dele em seus lábios... para sempre." (p. 271)

site: http://www.acordeicomvontadedeler.com/2018/05/resenha-nada-escapa-lady-whistledown.html
comentários(0)comente



Book.Obsession 09/05/2018

Quatro histórias para arrebatar nossos corações
E mais uma vez a colunista mais intrigante da sociedade londrina volta com suas notas e abre caminho para lindos e envolventes contos que podemos apreciar em Nada escapa a Lady Whistledown.

Começamos com Suzanne Enoch que nos brinda com o casal lady Anne Bishop e Maximilian Trent, o marquês de Halfurst, em Um amor verdadeiro.

Anne desde bebê, fora prometida a casamento com Maximilian. Suas famílias desde muito cedo criaram laços, porém após a morte de seu pai, descobriu que a família estava com dificuldades financeiras e decide diante de tantos rumores sair da cidade com sua mãe, fixando residência em Yorkshire.

Passados dezenove anos sem ao menos dar uma notícia sequer a sua prometida, ele retorna a Londres para buscar sua noiva e leva-lo para Yokshire o mais rápido possível, pois não está acostumado a se manter longe dos negócios por muito tempo. Mas essa condição poderá tomar mais tempo que o necessário, já que quando se reencontram lady Anne, simplesmente não cederá aos seus encantos e muito menos aceitará quaisquer desculpas por tamanho sumiço.

A verdade é que Maximilian, retornou a Londres após ler a coluna de Lady Whistledown que colocava lady Anne em uma situação embaraçosa com Sir Royce Pemberley e que envolvia os anjinhos de neve.

Lady Anne é uma moça acostumada a ser ir a bailes e ser cortejada por belos rapazes e inicialmente a imagem do marquês de Halfurst lhe causa má impressão, porém quando está impecavelmente vestido, verá que além de belo esse homem também desperta seu interesse por saber conversar por vários assuntos e não apenas pelas coisas da fazenda e suas ovelhas. Porém ela morre de medo de sair de Londres e conhecer outros lugares, principalmente pelo desconhecido, não se imagina vivendo em uma fazenda em Yorkshire, dando trabalho ao marquês.

Toda sociedade acha que Maximilian está falido e alguns maus intencionados tentarão convencer de que sua imagem e estar casada com ele será ruim para lady Anne, mas com uma personalidade bem determinada, o marquês mostrará a sua bela prometida que ele estava errado por ter sumido por tanto tempo e que seu coração a pertence. E por que não aproveitar sua estadia na cidade para conquistar pouco a pouco o seu carinho e devoção?

“Sentindo a necessidade de tocá-la, Maximilian deu mais um passo à frente. Levou as mãos ao pulso de Anne e a fez soltar os dedos do vestido.

Ela engoliu em seco quando ele levou sua mão aos lábios. Uma lenta onda de calor lhe subiu pelas veias quando o encarou com seus cílios longos e curvados.”

Logo depois temos Karen Hawkins, nos encantado com Srta. Elizabeth Pritchard e Sir Royce Pemberley, em Dois corações.

A temporada de frio está a todo vapor e a sociedade londrina em polvorosa com tantos eventos para irem, porém o mais concorrido no momento inicial dessa história é a patinação que acontece sob o Tâmisa.

A Srta. Elizabeth Pritchard, perdeu seus pais novinha e precisou observar seu tutor para conseguir chegar em algum lugar com sua fortuna, já que o tutor que deveria lhe ensinar nada fez para ajudá-la. Assim, cresceu dona de um império, cheia de personalidade, um tanto difícil até, mas agora começa a sentir falta de ter uma família para si, com um bom marido e filhos. O único problema e bem complexo, é que simplesmente não consegue sentir uma paixão por absolutamente ninguém com que se relaciona.

Em sua vida sempre estiveram presentes, os irmãos e amigos, lady Margaret Shelbourne e Sir Royce Pemberley. Que após ser citada na coluna de Lady Whistledown, começou a cogitar ter lorde Durham como seu esposo. Seus amigos se preocupam com essa atitude repentina, mas ela está determinada a levar essa questão a frente, mesmo que ele seja apenas uma pessoa agradável e não tenha sentimentos tão intensos por ele.

Seu medo é que o tempo está passando e com a sua idade, já deveria ter uma família formada.

Sir Royce, sempre foi muito bom em tudo o que faz, principalmente em manter-se longe de relacionamentos sérios, casar então passa muito distante dos seus objetivos. Porém, com essa nova escolha de sua amiga, ele percebe que esse assunto começa a incomodá-lo muito mais do que gostaria de admitir e se dá conta de que também tem sentimentos por Liza e seu maior desafio será mostrar pra ela que suas intenções são sérias e que seu coração sempre pertenceu a essa bela mulher.

Será que Liza finalmente deixará o amor preencher o vazio que há toma por tantos anos?

“Liza nunca se apaixonara. Na verdade, nem sabia se era capaz de sentir tal emoção.

O coração ficou apertado e lágrimas lhe brotaram nos olhos. Era por isso que estava deprimida; havia esperado anos para viver uma “grande paixão”, mas nunca acontecera. O quer era uma pena, pois tinha certeza de que se apaixonar era a sensação mais maravilhosa da face da terra.”

O terceiro conto do livro foi escrito por Mia Ryan, em Uma dúzia de beijos, conhecemos lady Caroline Starling e Terrance Greyson, o lorde Darington.

Caroline não estava muito feliz com seu prometido e prestes a ser pedida em casamento por Ernest Wareing, o conde de Pellering. Acostumada a não dar demonstrações em público, ao constatar que esse é o que o destino lhe reserva, começa a chorar em pleno teatro, mas acaba sendo amparada por um homem e se assusta.

E esse homem é Terrance, o mesmo que há anos atrás deu apenas dois dias para que ela e sua mãe saíssem de Ivy Park. Espantada com o fato dele tê-la ajudado decide se manter longe, principalmente por ter ficado muito impressionada por ele ter sido tão diferente depois de tanto tempo, não entende ao certo porque seu coração palpita cada vez que ele se aproxima.

Terrance teve um passado complicado desde que assumiu o título de marquês e como soldado sofreu um acidente que lhe deixou com grandes dificuldades e limitações principalmente quando o assunto é se comunicar. E tudo isso confunde ainda mais a cabeça de lady Caroline. Mas quando ele acha uma solução para conseguir expressar tudo que vem sentindo desde o primeiro encontro dessa temporada, a resposta poderá não chegar a tempo e Linney precisará ser ágil para abrir seu coração e mudar de uma vez por todas o rumo dessa história.

“Linney deu um leve sorriso quando seu cérebro nebuloso a guiou rumo a um sonho fascinante. Curiosamente, lorde Darington era o protagonista do sonho. E foi, de fato, um sonho muito bom.”

E fechando de forma encantadora, a diva Julia Quinn, nos presenteia com, Trinta e seis cartões de amor.

Diferente dos outros contos, esse se inicia em 1813, onde a Srta. Susannah Ballister conheceu um homem que a fez mudar suas convicções sobre o amor.

A temporada estava a todo vapor e Srta. Susannah foi colocada em uma situação extremamente embaraçosa, quando o Sr. Mann-Formsby que a cortejava, decidiu mudar os planos e pedir a Srta. Harriet Snowe em casamento.

Lady Whistledown não perdeu tempo em documentar em suas crônicas todos os acontecimentos daquele período, inclusive a retira da Srta. Susannah da cidade para a casa de campo de sua família em Sussex.

Agora estamos novamente em 1814 e a notícia do casamento do Sr. Clive com Srta. Harriet não para de ser noticiada, porém após uma temporada fora, Susannah retorna a sociedade londrina e esse reencontro com Clive, promete deixar de cabelo em pé e a fofoca correr a solto diante de tamanho constrangimento.

Porém fora surpreendida em pleno baile para uma dança e se deu conta de quem estava a sua frente era nada mais nada menos que David Mann-Formsby, irmão de Clive. De início ela desconfia, mas David queria apenas transforma o instante de pura agonia de estar em um salão sendo tão observada, em um momento de prazer, afinal tudo que aconteceu não foi culpa de Susannah, mas a sociedade preconceituosa por ser de uma família sem posses, não perdoava em tecer críticas a moça. E a dança se revelou muito mais que apenas um momento juntos. Porém, Susannah agora tinha erguido um muro em seu coração e não se deixaria levar por qualquer momento agradável e passar por qualquer situação parecida como aconteceu no passado estava completamente fora de cogitação.

Será que David conseguirá ultrapassar os muros do coração ferido de Susannah?

“Ele a beijou até ela achar que desmaiaria de desejo.

Ele a beijou até ela achar que desmaiaria de falta de ar.

Ele a beijou até que ela não conseguisse pensar em nada além dele, não conseguisse ver nada além do rosto dele em sua mente e até que não quisesse mais nada além do sabor dele em seus lábios... para sempre.”

Esse livro está completamente incrível! Favorito é pouco para defini-lo.

Tirando o último conto da Julia Quinn que inicia em 1813, todos se passam em 1814 e tem seu desfecho no baile de 14 de fevereiro, dia de São Valentim.

Quatro casais, quatro histórias criadas de forma envolvente e a cada construção vamos conhecendo os personagens, que vão ora ou outra, dando passeadas nas histórias das autoras, e torcendo para que consigam seu felizes para sempre.

Susanne Enoch me conquistou logo de cara com seu casal e confesso que poderia ter lido um livro inteiro só com eles, tamanho foi o fascínio e empatia que senti por lady Anne e Maximilian. Por isso destaco como os meus favoritos desse livro.

Claro que gostei bastante do desenrolar das outras histórias e acabei me deliciando com os romances criados, mas seria injusto não destacar os queridinhos.

Falando em destaque, sem sombras de dúvidas, que a sociedade londrina nunca poderia ser a mesma sem as traquinagens, o olhar questionador e a avaliação minuciosa de Lady Whistledown, que mesmo sem querer, cumpriu um propósito com suas crônicas e ajudou com sua língua afiada, a juntar e nos fazer torcer por esses casais com tantas qualidades diferentes, porém precisavam de um certo empurrãozinho para darem voz ao amor.

A capa é muito linda e a diagramação tem o padrão da editora Arqueiro. A narrativa é muito fluida e a leitura é feita de forma tão rápida que nos damos conta só quando terminam os contos.

Prepare-se para colar muitos post-it! Com direito a muitas risadas, bailes e eventos espetaculares, a combinação e a maestria dessas quatro autoras nesse romance de época se torna uma perfeita dica de leitura e apesar do inverno rigoroso da temporada londrina, cada história certamente aquecerá os corações e levará a muitos suspiros dos leitores que irão se apaixonar e sentirão saudades, até que Julia Quinn traga mais dessa incrível personagem e todo o universo de Lady Whistledown.

site: http://www.bookobsessionblog.com/2018/05/resenha-nada-escapa-lady-whistledown.html
margot 30/05/2018minha estante
undefined




Fernanda 24/05/2018

Nada Escapa a Lady Whistledown
Resenha no blog

http://www.segredosemlivros.com/2018/05/resenha-nada-escapa-lady-whistledown.html

site: http://www.segredosemlivros.com/2018/05/resenha-nada-escapa-lady-whistledown.html
comentários(0)comente



22 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2