Semente de bruxa

Semente de bruxa Margaret Atwood




Resenhas - Semente de bruxa


32 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3


@thereader2408 27/12/2021

Perdoar é libertar o prisioneiro...
Em "A tempestade" de William Shakespeare o personagem Próspero pede a audiência que o perdoe e o liberte, mas do que exatamente ele queria ser libertado? Esse questionamento foi explorado pela escritora Margaret Atwood, famosa pelo "O conto da Aia", pois segundo a autora todos nós, de certa forma, estamos em algum tipo de prisão. "Semente de Bruxa" é uma releitura construída no âmbito doprojeto Hogarth Shakespeare, e retoma a peça "A Tempestade", uma das histórias mas incríveis criadas pelo Bardo.

O livro da Atwood conta a história de Felix, que trabalha como diretor artístico do Festival de Teatro de Makeshiweg e é muito bem sucedido em seus projetos. Seu próximo trabalho será a encenação de "A tempestade" que além de o ajudar a melhorar sua reputação, servirá para curar antigas feridas emocionais. Mas Feliz é traido e se exila, assombrado pelas suas memórias, ele planeja sua vingança. Uma oportunidade chega doze anos depois, na forma do cargo de professor em um presídio e lá ele planeja encenar "A Tempestade" com seus alunos, ao mesmo tempo prepara uma armadilha para aqueles que o trairam.

Depois de publicado a autora soube de um preso na Itália que participou de uma encenação de "A tempestade" na prisão e achou a experiência tão libertadora que depois de solto ele visita prisões com um projeto sobre Shakespeare. Em "Shakespeare salvou minha vida" de Laura Bates, é narrada a história de uma professora que ensina literatura em prisões de segurança máxima e mostra como isso foi uma experiência gratificante para todos os envolvidos.

Ao falar sobre sua inspiração em recontar "A tempestade" em uma prisão, a autora afirma que um dos objetivos foi levantar um debate sobre "para quê servem as prisões?". Para punir e fazer com que as pessoas tenham os piores momentos de suas vidas? Ou para recuperar pessoas que um dia serão reintegradas novamente à sociedade?

Embora o título do livro possa remeter a bruxaria ou uma abordagem sobrenatural, o livro na verdade fala de luto, vingança, perda, arrependimentos e segundas chances, o que tem tudo a ver com os diversos tipos de prisões que possamos estar submetidos, alegóricas ou não.

@thereader2408
comentários(0)comente



@thereader2408 27/12/2021

Perdoar é libertar o prisioneiro...
Em "A tempestade" de William Shakespeare o personagem Próspero pede a audiência que o perdoe e o liberte, mas do que exatamente ele queria ser libertado? Esse questionamento foi explorado pela escritora Margaret Atwood, famosa pelo "O conto da Aia", pois segundo a autora todos nós, de certa forma, estamos em algum tipo de prisão. "Semente de Bruxa" é uma releitura construída no âmbito doprojeto Hogarth Shakespeare, e retoma a peça "A Tempestade", uma das histórias mas incríveis criadas pelo Bardo.

O livro da Atwood conta a história de Felix, que trabalha como diretor artístico do Festival de Teatro de Makeshiweg e é muito bem sucedido em seus projetos. Seu próximo trabalho será a encenação de "A tempestade" que além de o ajudar a melhorar sua reputação, servirá para curar antigas feridas emocionais. Mas Feliz é traido e se exila, assombrado pelas suas memórias, ele planeja sua vingança. Uma oportunidade chega doze anos depois, na forma do cargo de professor em um presídio e lá ele planeja encenar "A Tempestade" com seus alunos, ao mesmo tempo prepara uma armadilha para aqueles que o trairam.

Depois de publicado a autora soube de um preso na Itália que participou de uma encenação de "A tempestade" na prisão e achou a experiência tão libertadora que depois de solto ele visita prisões com um projeto sobre Shakespeare. Em "Shakespeare salvou minha vida" de Laura Bates, é narrada a história de uma professora que ensina literatura em prisões de segurança máxima e mostra como isso foi uma experiência gratificante para todos os envolvidos.

Ao falar sobre sua inspiração em recontar "A tempestade" em uma prisão, a autora afirma que um dos objetivos foi levantar um debate sobre "para quê servem as prisões?". Para punir e fazer com que as pessoas tenham os piores momentos de suas vidas? Ou para recuperar pessoas que um dia serão reintegradas novamente à sociedade?

Embora o título do livro possa remeter a bruxaria ou uma abordagem sobrenatural, o livro na verdade fala de luto, vingança, perda, arrependimentos e segundas chances, o que tem tudo a ver com os diversos tipos de prisões que possamos estar submetidos, alegóricas ou não.

@thereader2408
comentários(0)comente



Tatiana.Macari 05/11/2021

Uma releitura de A Tempestade de Shakespeare, muito intrigante e que te prende até o fim, final bem razoável, esperava mais
comentários(0)comente



@pelamente.psique 11/09/2021

Clube do Livro - Agosto 2021
(Resenha) Livro - Semente de Bruxa - Margaret Atwood
.
?Está é a minha primeira resenha no IG de um livro da Margaret apesar de ser o meu terceiro contato com a autora (já li O conto da Aia e Os Testamentos). Quando este livro foi escolhido para a LC, minha expectativa foi enorme!
.
?Foi amor à primeira vista quando adquiri esta edição caprichadissima da @morro, a segunda grata surpresa foi descobrir que este livro é fruto de um projeto de uma editora inglesa que decidiu homenagear os 400 anos da morte de Shakespeare convidando autores contemporâneos para revistarem as obras do autor.
.
?Está é a história de Felix um diretor artístico que está no auge de sua carreira e é responsável por um renomado festival de teatro e tinha planos de produzir a melhor adaptação de ?A Tempestade? de Shakespeare quando é surpreendido por uma demissão.
.
?Ele logo percebe que o golpe da demissão é uma cilada de negociações políticas de seus inimigos, mas Félix já enfrentava a tragedia da morte de sua filha e com isto ele exila-se em uma cabana, longe de tudo e de todos.
.
?Este é o mês dos pais e está relação pai e filha é abordada com muita sensibilidade e beleza ao longo de toda a historia nos deixando emocionados (e confusos) hora questionando a sanidade do protagonista, hora acreditando no sobrenatural.
.
?Alguns anos depois ele decide restaurar sua vida e concorrer a uma vaga de professor de teatro em um projeto de uma penitenciária e é aí que sua ?vingança? começa!
.
?A autora esmiúça a peça original abrindo nossos horizontes para a percepção sobre o comportamento humano através das reflexões sagazes que Félix dispõem para cativar os detentos.
.
?Adorei a forma inteligente que Félix manipula as pessoas e fui surpreendida com o final que demonstrou imensa nobreza de espírito do personagem. Conta pra mim se você já leu esse livro ou alguma obra da Margaret ou se conhece a obra A Tempestade de Shakespeare.
comentários(0)comente



Jacky 20/08/2021

Uma obra prima!
Nessa minha mania de não ler a sinopse, eu realmente não esperava que o título desse livro tivesse esse enredo como plano de fundo.
Semente de Bruxa é uma releitura da peça "A tempestade" de Shakespeare, colocando ao redor dessa análise da peça a história de Felix Phillips, um diretor e produtor teatral que perde a família e é demitido de seu atual emprego no comando de um grande teatro, vítima de uma maracutaia armada por seu assistente, Tony, antes de colocar em prática a peça de sua vida, "A tempestade".
A autora faz um belo bolo com várias camadas que esmiúçam a peça original de Shakespeare enquanto conta a história do personagem principal, fazendo o leitor analisar duplamente as leves nuances de comparação entre os personagens da peça original e os envolvidos na narrativa de Margareth Atwood rodeando toda a vida pessoal de Felix, além de deixar a dúvida quanto a veracidade da participação filha do protagonista na apresentação e nos deixando apreensivos quanto ao andamento de sua vingança pessoal.
Confesso que por diversas vezes achei que Felix ia colocar todos ali em uma grave situação por causa de seu enorme desejo de vingança, mas o desdobramento final me deixou tão chocada que tive que parar a leitura para respirar.
Para finalizar essa obra magnífica, o final é perfeito, trazendo os "atores" da peça em uma analise própria de cada um de seus personagens num futuro após o final da trama da peça original.
Assim como disse o jornal britânico "The Guardian", eu também queria que Atwood reescrevesse toda a obra de Shakespeare, pois isso ficou magnífico.

Obs.: Recomendo a leitura da obra original, no final do livro há apenas um grande resumão da história de Shakespeare.
comentários(0)comente



Lí­lian 13/06/2021

Muito incrível msm, amei a escrita e o desenvolvimento do livro, mas não dá para ler rápido, pq tem MTAs referências. Quem faz ou ama o teAtro vai ficar apaixonado por esse livro.
comentários(0)comente



Thay 06/05/2021

Adorei
A tempestade de William Shakespeare como jamais vista. É sensacional ver como a interpretação faz toda a diferença.
comentários(0)comente



Patrícia 13/04/2021

Uma história de vingança
Felix é um diretor de teatro muito dedicado ao seu trabalho ainda mais depois de perder sua esposa e sua filha pequena mas ele acaba deixando muitas responsabilidades a cargo do seu assistente.
Quando Felix menos espera ele é demitido e seu assistente assume seu lugar, então Felix pega suas coisas e vai viver isolado, onde ele fica por doze anos, até descobrir uma vaga para dar aula em uma prisão e ele decide se candidatar, ele consegue o emprego e lá ele vai dar continuidade ao seu projeto que foi interrompido, com os presos ele vai montar a encenação de A Tempestade de Shakespeare e também se vingar das pessoas que armaram para que ele fosse demitido.
.
Eu gostei muito da leitura mas sinto que perdi muito da experiência por não ter lido A Tempestade de Shakespeare antes mas uma coisa que esse livro fez muito bem foi me deixar com vontade de me aventurar por Shakespeare ?
comentários(0)comente



Paulo 19/01/2021

Ressignificar clássicos pode ser uma tarefa mais complicada do que parece. Ainda mais quando se trata de William Shakespeare e suas peças de teatro. Vários filmes já se debruçaram nas temáticas abordadas em peças como Rei Lear, Macbeth, A Megera Domada. Mas, A Tempestade sempre foi um desafio para qualquer bom produtor por conta do seu escopo e dos simbolismos atrelados a ele. Fora que a linguagem shakespeariana é a do teatro, sendo que transformar isso em um estilo de prosa pode se revelar um desafio grande. Mas, Margare Atwood aceitou a ideia e nos presenteou com Semente de Bruxa, um dos seus últimos grandes trabalhos (antes de Os Testamentos) e mostrou o quanto pode ser versátil na forma de abordar o roteiro.

Felix é um diretor de teatro que gosta de correr riscos. O comum para ele não tem graça. Em suas peças para a companhia de teatro local ele propõe peças que beiram à insanidade e, vez por outra, a ira do público. Mas, em uma manobra política, seu parceiro de produção, Tony, o retira do festival de Makeshiweg. Traído e abandonado por seus companheiros e vivendo uma vida solitária, Felix decide se isolar em uma pequena cabana longe daquilo que tanto o encantava. Seus pensamentos se voltam para a esposa que se separou e para a sua filha que morreu precocemente e se transforma em uma espécie de assombração, mesclada com a peça que ele nunca foi capaz de fazer, A Tempestade. O espírito de Miranda, nome de sua filha e de uma das principais personagens da peça A Tempestade, o perseguem, ilustrando seus fracassos. Só que a oportunidade para realizar sua peça e se vingar dos traidores pode estar chegando. Felix é contratado para um programa social na cadeia onde prisioneiros de crimes médios são incentivados a participar de um projeto educacional para reduzir suas penas. Lá, Felix vai encontrar um novo rumo para sua vida.

As associações com a peça A Tempestade estão espalhados por todo o romance. Atwood foi sagaz ao usar a peça de diversas maneiras, sejam elas claras ou subentendidas. A narrativa é contada em terceira pessoa a partir do ponto de vista de Felix, que funciona numa boa como uma espécie de Próspero no romance. Outros personagens da peça podem ser relacionados às figuras de Sal, de Tony e até na de Lonnie. Anne-Marie, que encarna Miranda na encenação na cadeia, é uma boa Miranda a partir do momento em que ela demonstra inocência quando precisa e maturidade para aconselhar o seu Próspero a seguir em frente. A narrativa adota um sistema em quatro atos (ou três atos e um epílogo) de forma a seguir o modelo teatral. No primeiro, temos a apresentação e o problema, no segundo temos o desenvolvimento e a preparação, no terceiro temos o clímax e no quarto a resolução de tudo. É uma maneira genial de introduzir a linguagem do teatro em um romance em prosa.

Nosso protagonista é um personagem que possui uma série de questões que precisam ser resolvidas. É como obstáculos que precisam ser superados caso ele queira avançar. Enquanto ele não for capaz de fazer as pazes com o seu eu interno e deixar o espírito de Miranda partir, Felix não vai ser capaz de seguir em frente. Não estamos aqui diante de um narrador confiável: Felix é dramático, quase teatral na forma como enxerga o mundo. Ele acaba encontrando no programa social uma maneira de não só ajudar outras pessoas, mas a manter sua criatividade em alta. É impressionante o quanto o personagem amadurece nesse tempo em que ele realiza peças teatrais na cadeia. Até mesmo a forma como ele se relaciona com as pessoas muda porque ele precisa pensar que essas pessoas não são iguais a artistas, que estão preparados para lidar com ambientes de stress. A própria cadeia é um ambiente de stress. Mesmo assim ele consegue criar um ambiente leve e engrandecedor.

Uma das qualidades do romance é perceber o quanto crescemos junto com o personagem. Acompanhamos as etapas da produção de uma peça ambiciosa. A preparação, os obstáculos, as mudanças de direção. Atwood nos mostra todos os bastidores da produção de uma peça de uma maneira tão gostosa que queremos permanecer no universo literário que ela criou até o final. Felix não é um produtor 100% correto o tempo todo, sendo surpreendido por aqueles que ele está ensinando. Ao final todos vão ter atravessado o seu Rubicão, tendo retirado alguma coisa desse aprendizado.

A vingança realizada por Felix vai se tornando mais e mais vazia à medida em que a produção teatral vai mostrando a ele aonde ele pode inserir os seus esforços. Pensar que ele criou aquilo como uma forma de lidar com seus inimigos. Só que sua tristeza e solidão se refletem no espírito de Miranda que o persegue e acaba fazendo parte da produção teatral. Nesse sentido, o personagem é muito humano e tenta lidar com a dor à sua maneira. Quando chega lá pela segunda metade da trama já sabemos aonde está o coração do protagonista.

Mas, onde está o elemento fantástico da narrativa? Bem tênue, na existência da assombração de Miranda, em Próspero que por vezes se funde com o próprio protagonista. Mas, não existe aqui nenhum feitiço sendo realizado, ou bolas de fogo disparadas. Atwood fez uma bela ficção especulativa onde traça a trajetória de um homem que precisa lidar com seus fantasmas e seguir em frente ao mesmo tempo em que traz luz e cores à vida de prisioneiros desesperançosos. Todos saem melhores ao final da narrativa, exceto aqueles que cometeram maldades.

site: www.ficcoeshumanas.com.br
comentários(0)comente



Løu huebes 26/07/2020

Um livro okay.
O livro se trata de uma releitura do cla?ssico "A Tempestade", de William Shakespeare. Felix o protagonista se encontra no melhor momento de sua carreira como diretor, seu pro?ximo passo seria produzir a obra A Tempestade, mas acaba sendo trai?do por um parceiro de forma inimagina?vel. Apo?s a traic?a?o ele se exila em uma cabana que ele encontra abandonada onde ele vai viver assombrado pelas memo?rias de sua filha perdida, enquanto planeja sua vinganc?a. Ele troca de nome e se torna um professor falido que comec?a a incentivar presidia?rios de uma prisa?o a encenarem pec?as de Shakespeare, em va?rios momentos no?s leitores esquecemos que os talentosos atores dessas pec?as se tratam de criminosos, e? ate? co?mico e uma das coisas que eu mais gostei do livro.
Apo?s um tempo Felix descobre que finalmente sua esperada oportunidade de vinganc?a se torna possi?vel. Ele enta?o decidi que os presidia?rios iram encenar A Tempestade para os espectadores que foram chamados a atenc?a?o para assistirem esses criminosos atores.
Gostei do livro mas na?o foi nada surpreendente, e? mais uma leitura para acalmar, uma boa escrita sem du?vida e bons personagens. Pretendo logo ler O Conto da Aia da mesma autora.
comentários(0)comente



Talitha 04/07/2020

O livro em si é bom - mas poderia ser melhor
Em geral, gostei da história, mas eu mesma achei muita enrolação até chegar a peça de teatro que é o objetivo final. Também achei o fato da filha do protagonista ser um fantasma que fica perambulando pra lá e para cá meio bizarro. Sei que o objetivo da filha ser um fantasma era para fazer um paralelo com Ariel, que é um espírito em a Tempestade de Shakespeare, mas mesmo assim... Para mim não caiu bem esse detalhe. Como diz o título, é bom, mas poderia ser bem melhor.
comentários(0)comente



Jaque @blogmalucadoslivros 30/06/2020

Outra obra de Margareth Atwood que não decepciona!
Em Semente de bruxa, me deparei com uma trama diferente, mas instigante sobre vingança.

A PREMISSA:
Nesta releitura de "A tempestade" de Shakespeare, conhecemos Félix. Ele está feliz e pleno com seu emprego de diretor artístico do Festival de teatro de Makeshiweg mas após a morte de sua filha a vida de Félix passa a ir água abaixo, o levando a perder este emprego que tanto ama. Assim ele acaba indo morar em uma cabana remoendo rancores do passado, a dor de ter perdido sua filha e sendo assombrado por isso e jura vingança.

❝Mas seria mais do que isso, porque dentro da bolha encantada que ele estava criando, sua Miranda viveria de novo.❞

Após doze anos, Félix arruma um emprego de professor de teatro em uma penitenciária e ali, finalmente ele encontra a chance de finalmente se vingar daqueles que um dia, tiraram tudo que ele tinha.

O QUE EU ACHEI:
Este foi meu segundo contato com a escrita da autora, e posso dizer que mais uma vez ela me surpreendeu com a delicadeza de sua escrita e a sua narrativa tão instigante. Félix é um personagens amargurado e rancoroso e eu senti empatia por ele, mesmo não concordando com suas atitudes.

Semente de bruxa não é um livro eletrizante, eu diria que é uma leitura de altos e baixos porque as vezes eu achei a leitura monótona mas ainda assim não conseguia largar, eu queria saber como seria a vingança de Félix e as consequências que isso teria.

Por fim só posso dizer que é sim uma ótima leitura, sensível e instigante. Margareth se tornou uma das minhas autoras preferidas, então mesmo com algumas ressalvas recomendo demais este livro!

site: https://www.malucadoslivros.com.br/2020/06/resenha-semente-de-bruxa-margareth.html
comentários(0)comente



Pedro Bonavita 10/06/2020

Aprisionamento da vingança
?Semente de Bruxa? tem um humor ácido, mas ao mesmo tempo bastante pessimista. Essa releitura da peça de Shakespeare mostra como a vingança aprisiona o vingativo em ilusões.
comentários(0)comente



juliabarros 18/04/2020

a ideia é boa mas não convence
acredito que o livro tenha bons momentos e bons personagens mas achei que a motivação para o enredo um pouco fraca.
comentários(0)comente



Wonderland of Books 13/02/2020

Adoro essa escritora. Lerei tudo dela.
comentários(0)comente



32 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR