Os Impostores

Os Impostores




Resenhas - Os Impostores - A Garota do Cemitério #1


39 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Queria Estar Lendo 06/03/2017

Resenha: Os Impostores
A Garota do Cemitério é uma trilogia de histórias em quadrinho bastante famosa lá na gringa que foi trazida para cá pela editora Valentina, e foi cedida ao blog para esta resenha. O primeiro volume, Os Impostores, tem uma leitura bem fluída e rápida e convidativa a quem quer se aventurar no gênero das comics.

Nossa protagonista adotou o nome de Calexa Rose Dunhill. Por quê? Porque ela não se lembra de nada da sua vida. Calexa acordou no cemitério com lembranças sombrias de alguém tentando matá-la. Temendo que essa pessoa tentasse novamente caso soubesse que ainda estava viva, Calexa decide se refugiar nas sombras do cemitério. Em meio às incertezas de sua identidade, a garota do cemitério acaba por presenciar um crime e se torna uma parte essencial dessa história para garantir que a justiça seja feita.

Pode parecer premissa de uma HQ de super-heroína, e eu também achava isso. O elemento fantástico está ali na Calexa, mas não temos o background esperado para o nascimento de uma figura mascarada que combate o crime e tem uma bat-caverna. Calexa é só uma garota desmemoriada que acontece de estar no mesmo lugar e na mesma hora em que um grupo de amigos comete um assassinato; a alma da menina morta fica presa à de Calexa, e o único jeito de encontrar paz para si mesma e para a vítima é se encorajando a fazer justiça.

De novo, não, ela não é uma heroína. Ela não veste um uniforme e nem combate o crime. Ela só precisa ajudar essa alma perdida a encontrar paz, a desanuviar seus pensamentos - agora presos aos da garota morta.

A HQ é bem rápida e fácil de acompanhar, e talvez por isso tenha sido um pouco vazia. Estou bastante acostumada com o gênero e amo devorar toda e qualquer HQ que você coloque à minha frente; estamos falando da viciada em Watchmen e The Flash e Lanterna Verde e tantos outros títulos da DC e da Marvel aqui, senhoras e senhores. A Garota do Cemitério tem uma premissa ótima e um desenvolvimento rápido, e acaba antes do que o esperado. Sim, eu sei, é uma trilogia, espera-se cliffhangers e "continua no próximo volume". Mas quando acabou esse eu fiquei "ué?".

Estou acostumada com esse tipo de corte, mas imagino que quem não esteja vá pegar essa história e ficar bem perdido. Talvez um pouquinho mais de desenvolvimento fosse bem-vindo dentro desse primeiro volume, exatamente por estar apresentando a personagem a novos leitores. Ela está confusa e sem memória, mas não significa que deva deixar o leitor confuso e perdido também.

Outro ponto que me deixou bastante "espera, o quê?" foi o crime. Quando ele aconteceu eu dei um berro porque AMIGOS CÊS TÃO LOUCOS? Eu queria que esse quadrinho fosse Elektra ou Justiceiro só pra ver menos justiça e mais punição. Espero que a Garota do Cemitério siga os preceitos do meu amado Frank Castle no futuro, especialmente com a pessoa responsável por desmemoriá-la e deixá-la ali para ser esquecida. Ela não se esquece, ela existe!

Apesar disso, as artes são um show à parte. Ao mesmo tempo em que a história flui bem, os quadrinhos em si prendem a sua atenção, e você divide sua leitura muito bem entre as artes e o que está acontecendo dentro delas. É isso que eu mais adoro em histórias em quadrinho. Ver e ler e entender de um jeito único.

Para quem curte o gênero ou para quem quer se aventurar em um quadrinho, recomendo fortemente essa história. Tenha em mente o cliffhanger e as poucas respostas, mas saiba que vale a pena esperar pelos próximos volumes para entender totalmente o conjunto da história da misteriosa Calexa.
comentários(0)comente



Tamirez | @resenhandosonhos 07/08/2018

A Garota do Cemitério
Já fazia um bom tempo que eu não lia nada da Charlaine Harris depois da sua série da Sookie Stackhouse, que originou o seriado de tv True Blood. Ela também fez parte do meu momento de ler sobre vampiros, que também se encerrou já faz uns bons anos. Porém, não sabia que ela se aventurava também nas HQs e quando a Valentina anunciou o lançamento dessa história em colaboração com os outros autores fiquei curiosa e fui pesquisar sobre a temática.

Em um primeiro olhar a história pode parecer um suspense a ser solucionado, mas logo alguns elementos sobrenaturais são envolvidos e a trama realmente mostra qual caminho quer seguir. O arco principal é descobrir quem a tal garota é e porque alguém tentou matá-la. Conforme as páginas passam e ela procura nos jornais da cidade por notícias do seu desaparecimento também nos perguntamos porque ninguém está procurando por ela.

A personagem se ajusta rapidamente a sua nova realidade e tenta se manter positiva ao fato de estar viva, mesmo que morar em um cemitério e roubar não seja algo que ela desejasse. No meio do caminho alguns possíveis aliados vão aparecer, assim como problemas.

O começo da história me pareceu um pouco apressado e ela se repete em vários momentos sobre se sentir mal em fazer aquelas coisas. Porém, enquanto seu estabelecimento no cemitério parece rápido, outras coisas demoram a se moldar e vemos um certo tempo passar até que um confronto seja realmente estabelecido. Não sei se essa paz de espírito de sentar e aguardar compreenderia um comportamento real – eu certamente seria mais ousada -, mas resolvi relevar essas coisas e mergulhar na história.

Como todas as HQs que peguei até agora a leitura é super rápida e dentre as coisas que já li essa tem uma temática diferente, o que vem a acrescentar ainda mais pra mim que sou novata nesse tipo de leitura. O traço também é diferenciado, já que os quadros são retratados de forma mais “desleixada”, retratando detalhes apenas quando há um close ou destaque em algo específico. As cores pendem para os tons frios com muito azul escuro, verde, preto e também tons pasteis de marrom que se intercalam em momentos específicos.

Ao contrário de alguns títulos que já pequei, essa HQ tem uma história que se desenvolve aqui e chega a uma conclusão, deixando apenas a trama central e de fundo em aberto para seguir se desenvolvendo nos próximos volumes. Isso é um ponto positivo, pois acabo por me chatear quando a história é cortada no meio parecendo sem planejamento, apenas pra fisgar o leitor num primeiro volume de forma pouco estrutural.

E, independente de quem for, Calexa parece ser uma boa garota e vemos isso através de suas ações. Pode ser que nos surpreendamos no futuro, mas por enquanto sua identidade é o mistério que fica para dar continuidade a essa história.

Pra um primeiro volume A Garota do Cemitério cumpre bem o seu papel e apresenta uma história intrigante e concisa, sabendo encerrar no momento certo para criar tensão para a continuação, sem frustrar o leitor. Charlaine Harris que já tinha um lugar no meu coração por seus vampiros clássico-modernos, ganhou mais uma estrelinha ao lado do nome.

site: http://resenhandosonhos.com/garota-do-cemiterio-charlaine-harris-christopher-golden-don-kramer/http://resenhandosonhos.com/garota-do-cemiterio-charlaine-harris-christopher-golden-don-kramer/
comentários(0)comente



Minha Velha Estante 25/06/2018

Resenha da Adriana Medeiros
E nessa nova onda de HQs quem vem sendo lançada aqui no Brasil, a Valentina não poderia ficar de fora, né? Hoje vamos falar de A Garota do Cemitério, primeiro HQ lançada pela Valentina e primeiro livro da trilogia Os Impostores, dos autores Charlaine Harris (da série cheia de vampiros As Crônicas de Sookie Stackhouse) e Christopher Golden (que escreveu quadrinho de Buffy e Hellboy). Respaldo tem!!!


O livro conta a história de uma garota que é jogada em uma cova no cemitério. Mas quando ela acorda não se lembra de como foi parar lá e nem sequer de quem ela é ou o seu próprio nome. A única coisa de que ela tem plena certeza é de que alguém a quer morta, baseado nos flashes que ela tem de vez em quando.


Vivendo no cemitério, escondida de todos e sem saber quem é, nossa protagonista acaba escolhendo um nome com a ajuda das lápides: Calexa Rose Dunhill passa a ser a sua nova identidade.

Mas a vida de Calexa não é só tranquilidade no cemitério. Ela precisa fazer pequenos furtos para sobreviver. E o zelador é um dos seus alvos favoritos, apesar de não se sentir confortável com a situação e prometer que um dia vai devolver tudo o que precisou pegar.


A vida de Calexa começa a se enrolar novamente quando ela assiste um ritual feito por alguns jovens no cemitério, que acaba com a morte trágica de um deles. A partir daí ela percebe que tem a habilidade de falar com espíritos e de viver suas memórias.


Adorei o traço sombrio da história e das suas ilustrações, foi realmente um trabalho em conjunto que deu super certo. Don Kramer conseguiu transmitir a característica de cada um dos escritores e o seu talento nos seus quadrinhos.


A história é extremamente interessante e flui rapidamente, e já vou avisando: nem todas as respostas serão dadas! Lembrem-se de que é uma trilogia, e ainda tem muito mais por vir!

site: http://www.minhavelhaestante.com.br/2017/03/leitura-da-drica-garota-do-cemiterio.html
comentários(0)comente



Jaque @blogmalucadoslivros 22/10/2018

A garota do cemitério - Série Os impostores #Livro 1
Já faz um bom tempo que eu não leio nenhuma Hq, então quando a editora Valentina anunciou que “Garota do cemitério” estaria disponível no Kindle Unlimited não pensei duas vezes e fui correndo ler.

A HQ traz a história de uma garota que foi largada em um cemitério por pensarem que ela estava morta. Mas Calexa, acorda sem saber nada do seu passado, e principalmente sem saber o porquê alguém tentaria matá-la. A partir disto ela resolve se esconder no cemitério, adotou o nome de Calexa e passou a roubar a vizinhança e o zelador do cemitério para se manter viva escondida.

Vivendo no cemitério ela acaba descobrindo um dom inimaginável: Ela pode ver a alma se desprendendo do corpo das pessoas que morrem. Um certo dia, Calexa acaba presenciando um grupo de jovens praticando magia negra, que acaba fazendo uma vítima.

O espírito da garota morta acaba entrando no corpo de Calexa, e isso faz com que ela passe a ter memórias da garota misturadas com a sua. O objetivo de Calexa desde o início era ficar escondida até descobrir quem era e o motivo que levou alguém a tentar matá-la, mas agora ela terá que decidir entre ficar escondida ou arriscar ser descoberta, mas fazer justiça a morte da garota no ritual.

A garota do cemitério é o primeiro Hq da série Os impostores, e cumpre aquilo que promete: introduzir o leitor na história de Calexa e nos incentivar a ficar curiosos com a continuação. A narrativa foi muito bem construída e a ambientação é bem sombria, já que grande parte da história se passa em um cemitério e por Calexa não saber nada do seu futuro e além disso descobrir que tem um dom sobrenatural.

Eu li A garota do cemitério de uma vez só. Calexa é uma personagem cativante e toda história que se passa com ela é muito instigante e bem desenvolvida, por isso foi muito dificil não devorar esta Hq e ficar curiosa pela continuação!

site: http://www.malucadoslivros.com/2018/10/resenha-garota-do-cemiterio-livro-1.html
comentários(0)comente



Guibauer 28/07/2020

Interessante
Achei a história bem interessante e envolvente, peguei para ler de forma despretensiosa pelo kindle unlimited e só depois descobri que a versão física é em cores, mas ler uma versão em preto e branco não atrapalhou em nada. Fiquei realmente envolvido e curioso para saber mais sobre a vida e história da personagem principal. Espero que os próximos volumes também sejam lançados no Brasil.
comentários(0)comente



Krizia Loiola 27/04/2017

Os Impostores - Série: A Garota do Cemitério #1
Olá, pessoas tão lindas do meu coração!!! Haha Hoje, eu trago uma resenha de HQ ( História em Quadrinho) Já amei... Gente, o livro é tão lindo. Eu realmente fiquei encantada com a capa, as cores, as ilustrações. Foi sinceramente amor à primeira vista. Bom chega de blá... blá...blá e vamos ao livro.
"Calexa Rose" acorda em um cemitério sem memória. Ela não faz a menor ideia de quem seja. Ela está completamente perdida. Em um momento de flash back ela lembra-se que foi agredida e deixada ali para morrer. Bom supostamente pode ser isso. Todavia, ela não consegue lembrar-se do porque, ou quem fez isso com ela. Só tem a certeza que não é seguro sair do Cemitério. Então, passa a viver ali. Para sobreviver começa a roubar comida. (Tem até uma cena engraçada com o pássaro do senhor que cuida do cemitério). Mas, vou deixar vocês descobrirem por si mesmos. haha
Voltando, é uma HQ que te prende. Eu comecei a ler assim como
não quer nada e só parei pra comer e depois quando terminou. Fiquei tão empolgada, que terminei de lê-lo e estou aqui descrevendo a resenha. Assim pá pum. Haha

Os dias vão passando e ela continua "vivendo", ou melhor, sobrevivendo dia, após dia. Até que em certa noite ela é testemunha de um crime horrendo dentro do cemitério. Marla a garota que é morta passa a viver dentro dela. Com o objetivo de que "Calexa" a ajude a encontrar a paz e justiça. As duas entram então em uma jornada para a verdade ser revelada. "Calexa", com exatidão deixa o medo domina-lá, então as coisas vão acontecendo no tempo certo. E aí que temos um ótimo enredo. Sou muito suspeita, porque apaixonei demais!!! Eu super indico a leitura que por sinal é bem rapidinha. Escolha a bebida de sua preferência e partiu...

Esse é o primeiro livro de uma trilogia e vou te falar eu necessito desesperadamente dos próximos livros. Surtandoo em 3...2...1... #OFF

site: https://cantinhodabrub.blogspot.com.br/2017/02/resenha-os-impostores.html
comentários(0)comente



BookTherapy 02/07/2017

A verdade vive... escondida num cemitério.
Devo confessar que eu nunca tinha lido esse tipo de HQ. Gibis acho que todo mundo teve contato, né? Mas nunca tinha visto uma graphic novel. E amei!

site: http://wp.me/p7mYmm-yN
comentários(0)comente



Carolina DC 12/02/2017

Em uma noite chuvosa, uma jovem é retirada do porta-malas de um carro e despejada no cemitério Dunhill. Uma jovem que aparentemente está morta. Aparentemente. Ao acordar, ela não faz ideia de quem é ou quem tentou matá-la. Então ela decide permanecer escondida no cemitério. Afinal, e se quem tentou matá-la foi a sua própria família?

Dias se passam e ela sobrevive furtando comida do zelador, o senhor Anthony Kelner e procurando por notícias de seu desaparecimento nos jornais. São dias sombrios, tristes e baseados em sobrevivência. Passeando pelas lápides ela decide escolher um nome para si própria: Calexa Rose Dunhill.

A sinopse é bem explicativa. A jovem descobre que tem a capacidade de ver as almas desprenderem de seus corpos. Sem saber se é uma habilidade recém adquirida ou não, ela vai presenciar um grupo de jovens que vai ao cemitério praticar magia negra. Porém, ao retornarem uma segunda vez, Calexa é testemunha de um crime hediondo. Como se isso não bastasse, o espírito da vítima entre em Calexa, fazendo-a observar momentos da vida da vítima.



"Os impostores" é o primeiro HQ da série A Garota do Cemitério, onde a protagonista é uma jovem que precisa descobrir a sua própria identidade e o seu passado, ao mesmo tempo em que precisa auxiliar algumas almas a encontrar a paz.

O HQ é apaixonante. O cenário é sombrio e tem um ar sobrenatural e os personagens são intrigantes. Fica claro que não é apenas Calexa que tem uma história a ser descoberta.

Com traços fortes e bem definidos e uma paleta de cores escura em sua maior parte do tempo, "Os Impostores" é uma HQ recomendada para os fãs do gênero e da autora Charlaine Harris.

site: http://www.viajenaleitura.com.br/
comentários(0)comente



LT 14/02/2017

Olá! Nana Garces aqui e hoje para trazer a resenha da graphic novel “A Garota do Cemitério”, o primeiro livro da trilogia: Os Impostores, dos autores Charlaine Harris e Christopher Golden. Você pode se perguntar o que estou fazendo resenhando uma graphic novel, e a resposta é simples: Porque eu tenho uma paixão ENORME pela Charlaine Harris! Quando soube que a Editora Valentina iria trazer esse quadrinho, surtei! E não pude esperar muito para comprar e ler!

Quem me acompanha pelo instagram sabe que parei tudo que estava lendo só pra ler essa graphic novel, o que na verdade durou apenas uma hora... Mas vamos lá!

“A Garota do Cemitério” conta a história de uma garota que é jogada dentro de um cemitério, porém ela encontra-se sem lembranças de quem foi, mesmo seu nome ela não é capaz de recordar. O que a personagem tem são flashes de memória onde ela sabe que alguém está querendo ela morta. Como não se lembra do próprio nome, acaba escolhendo seu nome baseado nas lápides do cemitério e então assume o nome de Calexa Rose Dunhill.

Calexa é bastante quieta e passa a maior parte do tempo escondida com medo de que seja descoberta e assassinada. Para sobreviver acaba tendo que roubar do bondoso Zelador ou da vizinhança, ela não se sente confortável fazendo o que faz, mas precisa para sobreviver.

Com o passar dos dias, Calexa descobre um dom: ela pode ver os espíritos daqueles que são enterrados ali indo para qualquer outro lugar.

Com o passar das semanas, Calexa acaba se tornando um fantasma no cemitério, vendo tudo o que acontece por ali e numa noite acaba se deparando com um grupo de adolescentes que aparecem ali para beber e fazer algum ritual, mas tudo fica apenas na tentativa e assim seguem mais algumas semanas até uma nova visita no cemitério, e ali Calexa pode ver o assassinato de uma jovem, e tudo fica muito mais interessante quando o espirito da jovem, em vez de ir para o outro lado, entra no corpo de Calexa que começa a ter as memórias da jovem assassinada.

A partir daí vocês vão ter que ler para descobrir o que acontece com Calexa!

Vamos ao que achei da história: A Garota do Cemitério é algo que eu esperaria de Charlaine Harris, tem a pegada da garota que consegue se virar sozinha e amadurecer com os problemas, tem o sobrenatural discreto que quando você vê, está acontecendo e aparece naturalmente, e todas aquelas questões humanas do que fazer ou não.

Entretanto, essa HQ foi escrita em conjunto por Christopher Golden, um incrível escritor que tem uma lista enorme de trabalhos, entre eles, algumas histórias de Hellboy, Uncharted, Baltimore, e escreveu alguns episódios de Buffy, a caça-vampiros. Não vou colocar a lista inteira, porque é muita coisa! Mas posso falar que ele tem um ar sombrio, o que combinou perfeitamente com a fantasia de Charlaine Harris.

O casamento literário dos dois criou uma história deliciosa de se ler, com cenas sombrias e um dilema profundo de uma garota que não sabe quem é. Perfeito!

A arte de Don Kramer está linda, todas as páginas são coloridas e tão bem desenhadas. A sequência é clara e fácil de entender, a história pula na frente do leitor. Claro, não se poderia esperar menos de alguém com tanta experiência e que inclusive já trabalhou com a Marvel e a DC, e que desenhos lindos ele fez dos heróis das duas empresas. Vale a pena conferir!

Minha única reclamação é de que foi muito rápido! Em uma hora tudo acabou e deixou essa pobre leitora ansiosa pela continuação! E só me resta esperar que a Editora Valentina nos traga logo o segundo livro dessa trilogia o mais rápido possível!

A edição da Editora Valentina ficou uma graça, muito bem feita. As cores e letras não possuem falhas, nem borrões. A Valentina está de parabéns! (E ganhou meu coração quando trouxe algo da Charlaine pro Brasil novamente! – risos).

É isso pessoas! Eu convido vocês a conhecerem essa graphic novel incrível, de três profissionais que, juntos, tem tudo para dar certo! É claro que é pra você, leitor, que curte aquela pegada sobrenatural, mas se você não curte, e tiver a oportunidade de ler, leia que vale a pena!

Por hoje é isso! Espero que tenham curtido e, como sempre, deixem seus comentários e compartilhem com os amigos!

Resenhista: Nana Garces.

site: http://livrosetalgroup.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Blog Stalker Literária 10/08/2017

Uma HQ incrível, muito curiosa para ler as próximas
O que você faria se acordasse em um cemitério e a única lembrança que tivesse é de que tentaram te matar?

Os impostores – A Garota do cemitério #1 começa logo com esse choque. Nossa protagonista é desovada em um cemitério, e acorda algum tempo depois com a certeza de que ficou morta por alguns momentos, mas acabou sobrevivendo. Ela tem certeza de que quem lhe jogou ali acha que ela está morta, e como ela não tem lembrança nenhuma de sua vida, o mais seguro é se manter escondida, e é assim que o cemitério acaba se tornando o seu lar.

É em uma cripta que ela resolve se esconder até aparecer alguma notícia sobre seu desaparecimento, afinal é de se esperar que alguém iria notar a falta dela não é mesmo? Mas os dias vão passando e nossa protagonista vai se acostumando mais a aquele lugar, tendo que roubar alimentos e roupas para conseguir sobreviver e se manter segura, e acaba criando uma rotina com algumas pessoas como o zelador do cemitério e uma senhorinha que mora ali perto.

Mas é ali também que ela presencia um acontecimento chocante, algo que acaba mudando a sua vida de uma maneira que ela não sabe explicar, e cabe a ela agora trazer justiça por tal acontecimento, mas como fazer isso quando ela está tentando se esconder e não pode simplesmente aparecer para qualquer pessoa?

Os Impostores é a primeira Graphic Novel que leio depois de muito tempo, pois apesar de ser um formato que eu gosto bastante eu infelizmente acabo não comprando pra ler, e quando peguei essa que foi o primeiro lançamento da Valentina no ramo me apaixonei perdidamente logo nas primeiras páginas.

A história é completamente instigante, afinal de contas tanto a protagonista quanto o leitor quer saber quem desovou ela ali, quer ter alguma pista de quem é ela ou o que aconteceu depois que ela foi jogada, mas quando um assassinato acontece ali e ela presencia tudo a GN ganha um novo rumo, que deixa o leitor com os olhos grudados nas páginas tentando descobrir como ela sairá dessa e se ela terá coragem de trazer justiça para a pessoa.

Não posso falar muito da história pra vocês se não iria acabar estragando os mistérios e tudo mais, mas o que posso afirmar que é muito interessante acompanhar Calexa (nome que ela se deu por não se lembrar do seu) vivendo no cemitério, as amizades que ela faz, como ela sobrevive ali escondida sem ser notada e principalmente seus pensamentos, medos e descobertas.

Quanto a qualidade da Graphic Novel, a Valentina está de parabéns. As páginas são mais grossinhas e brilhantes, as ilustrações são perfeitas, cada mínimo detalhe ali consegue deixar o leitor ainda mais apaixonado, de modo que quando você muda de página não sabe se fica ali admirando ou lê logo a história para saber o que vai acontecer naquela página rsrsrs.

Por ser a primeira de uma trilogia, Os Impostores – A Garota do cemitério #1 não revela muitos dos mistérios ou se aprofunda na personalidade da protagonista (alias, isso é uma coisa que não acontece muito nesse estilo de publicação), mas ainda assim é uma leitura rápida que vai prender o leitor tanto pela história quanto pela beleza gráfica. Você vai fazer a leitura desta HQ em menos de uma hora e ficar morrendo de vontade de ter um próximo volume em mãos para saber mais de Calexa e sua vida antes e depois do Cemitério.



site: http://www.gordinhaassumida.com.br/2017/08/resenha-os-impostores-garota-do.html#axzz4pH6Kq3tj
comentários(0)comente



Aline Marques 21/08/2017

Misteriosos impostores [IG @ousejalivros]
E se todos que te conhecem pensassem que você está morto? Ou melhor, desejassem.
Afinal, você saiu de um porta malas direto para o cemitério.

Assim começa a história da protagonista sem nome, que luta contra o desespero de não lembrar nada sobre si mesma, mas que não consegue ficar indiferente aos valores que um dia adquiriu.

Permanecer nas sombras, fazendo do cemitério o seu lar, ou buscar justiça para si e para o espírito daquela que foi mais do que uma companhia indesejada, pode parecer uma escolha fácil, para quem desconhece o perigo.

O começo de uma trama intrigante (que poderia ser melhor desenvolvida) com ilustrações e diálogos envolventes e sombrios, numa linda edição capaz de agradar leitores de várias gerações (juvenil +).

Quem é Calexa Rose Dunhill, e por que ela foi descartada?
comentários(0)comente



Vicky 12/03/2017

A Garota do Cemitério traz a história de Calexa Rose Dunhill, uma jovem que acorda um dia no cemitério sem se lembrar do porquê de estar ali ou, o que é mais importante, quem é. Dias se transformam em semanas e semanas em meses e Calexa, mesmo sem recuperar a memória, consegue sobreviver escondida no cemitério enquanto espera ou suas memórias voltarem ou um sinal de que alguém a está procurando. Mas é claro que o que já é complicado pode ficar ainda mais perigoso.

A narrativa de Charlaine Harris e Christopher Golden começa com ação e mistério, as questões de identidade de Calexa são o foco principal da narrativa, como era o esperado desde a leitura da sinopse. Por ser o primeiro volume da série também era esperado que houvesse mais mistérios e perguntas do que respostas. Afinal, esse é o papel dos primeiros volumes: apresentar a história, os personagens e despejar um balde de complicações para serem resolvidas no que vier a seguir. Sendo assim, Os Impostores cumpre seu papel e traz uma história secundária que ajuda a personagem principal a começar a se localizar como pessoa -- o que me leva a contar sobre essa "segunda história".

Enquanto acompanhamos Calexa sobrevivendo da forma que pode no cemitério (e um pouco fora dele), vemos um grupo de amigos tentando realizar um ritual bizarro (ao melhor estilo de Supernatural em seus dias menos conturbados) que não dá certo. São as ações dos integrantes desse grupo que trazem consequências inesperadas para Calexa -- e eu não contarei aqui o que acontece poruqe quero que você leia a história, é claro. A partir dessas consequências ela acaba encontrando ainda mais força de vontade e seu instinto de sobrevivência chega ao seu pico.

O estilo da narrativa é um pouco diferente do que eu estava acostumada nas tramas da Charlaine, o que era mais do que esperado porque um romance é completamente diferente de uma história em quadrinhos, e por isso o ritmo também é essencial para que o leitor não perca o interesse. Assim, a parceria entre Harris e Golden deu muito certo: grande parte da narrativa são os pensamentos de Calexa e por estarem na medida certa, no tom certo, nos deixam ligados ao suspense e à preocupação da personagem. E é justamente essa característica o que eu gosto nessa história em quadrinho: os autores conseguem fazer com que nos solidarizemos com a personagem principal desde o início.

Com progressão narrativa bem construída, cenas recheadas de ação e momentos com personagens gentis e bondosos (e, por que não (?), inspiradores), Harris e Golden provam que sua parceria criativa dá mais do que certo.

Também não posso deixar de comentar sobre as ilustrações. O traço de Don Kramer é muito limpo e realista. Seu estilo de desenho combina muito com o estilo da narrativa -- e vale lembrar que Kramer possui grande experiência com graphic novel e HQs. E já que estou falando da parte bonita desse volume, a editora Valentina está de parabéns com a qualidade das folhas (como você pode imaginar, eu gosto muito do cheiro das páginas novas de um livro) e da impressão.

Os Impostores abre caminho para uma centena de acontecimentos na vida de Calexa e para seus leitores. Para quem conhece a escrita da Charlaine esst é uma experiência nova e divertida. Para quem está chegando agora, venha sem medo e se deixe envolver pelos mistérios do passado dessa jovem mulher de fibra e força de vontade.

site: http://www.vickydoretto.com/2017/02/doki-livros-garota-do-cemiterio-livro-i.html
comentários(0)comente



Larissa 08/08/2017

Blog Por Livros Incríveis
Se eu tenho uma tristeza nessa minha vida de leitora é ver o descuido com os quais as obras da Charlaine Harris - famosa pela série de livros, The Southern Vampire Mysteries, que serviram de inspiração para a série de TV True Blood - foram tratadas aqui no Brasil, assim, quando soube que lançariam uma série dela quase entrei em combustão de tanta alegria.

Lançada no início de 2017 pela editora Valentina, A Garota do Cemitério traz em 128 páginas a primeira parte da trilogia entitulada de "Os Impostores".

De desenvolvimento bem rápido e de fácil entendimento, a leitura dessa HQ foi bem rápida e agradável já que a trama consegue prender de maneira muito efetiva. Entretanto, essa primeira parte é bem introdutória - até mais do que deveria - deixando diversas incógnitas e questões em aberto que poderiam ter recebido um pouco mais de elaboração, assim como o crime chave desse volume que teve uma solução bem previsível, o que me deixou com a sensação de que a trama poderia ter se estendido um pouco mais. Olhando por outro lado, foi um belo uso do famoso cliffhanger, já que agora eu sou uma leitora desesperada pelo segundo volume que nem tem, ainda, previsão de lançamento por aqui.


Calexa Rose Dunhill é uma protagonista muito interessante. Ela acordou no cemitério sem nenhuma lembrança de sua vida e somente com a certeza de que tentaram matá-la e que vai tentar novamente caso saibam que ela sobreviveu. Assim, Calexa, que retirou seu nome de uma das lápides do cemitério, tenta sobreviverem meio aos mortos e as incertezas sobre quem ela é, até que ela presencia um crime e acaba se tornando a parte que pode fazer com que a justiça seja feita.

Mesmo com a capacidade de ver espíritos, Calexa não é, ao menos nesse primeiro volume, uma heróina; ela é só uma menina perdida na vida e no mundo que tenta lembrar quem ela realmente é e isso me surpreendeu um pouco pois, ao ler a sinopse, meu primeiro pensamento foi pensar que essa capacidade dela se desenvolveria e se tornaria algo maior. Contudo, Calexa não ser uma heroína não é um problema, na verdade acabou tornando a conexão e a empatia com ela mais fácil e rápida.

Com ação, muito mistério e um toque sobrenatural, o cenário é bastante sombrio e tudo isso é repassado na arte de Don Kramer através dos traços fortes, que marcam bem as expressões dos personagens e combinam perfeitamente com os diálogos, e das cores escuras que dominam a maior parte das páginas.

A Garota do Cemitério foi uma excelente escolha da Valentina para adentrar no mundo dos quadrinhos, fazendo sua estreia com uma edição caprichada e sem falhas. Também é uma excelente escolha para quem deseja se aventurar nesse tipo de leitura que é mais visual mas igualmente apaixonante.

site: http://porlivrosincriveis.blogspot.com.br/2017/06/hqs-5-os-impostores-garota-do-cemiterio.html
comentários(0)comente



Capitu Já Leu 23/07/2017

Nem surpreendente, nem desanimador, o primeiro volume da série Garota do Cemitério faz o dever de casa ao me deixar com vontade de saber o que de fato aconteceu com Calexa.
Imagine você acordar dentro de um cemitério com a sensação – talvez até mais do que uma sensação – que aquilo é um aviso, que você foi jogada ali por alguém que achava que já tinha feito o serviço? Entre túmulos malcheirosos, flores murchas e muitos defuntos, está você, sem memória, meio grogue, tendo apenas a ideia fixa na cabeça que a situação que você está passando não é um acidente.

É exatamente assim que Calexa, personagem principal do quadrinho Garota do Cemitério – Os Impostores, inicia a história. 

Jogada dentro de um cemitério enquanto estava desacordada, Calexa decide que permanecer ali seria o mais seguro para si, esperando que suas memórias trouxessem a razão de quase ter sido assassinada. Porém, se manter viva e escondida por semanas em um lugar até certo ponto movimentado não é uma tarefa tão simples. Entre se esconder do funcionário da manutenção e fugir dos visitantes diários, Calexa precisa viver.

E talvez essa seja a minha primeira implicância com o começo da história. Tive a sensação que o primeiro terço do quadrinho é quase como uma passagem, um corredor que você, leitor, segue para enfim chegar a algum lugar. Senti falta de um pouco mais de drama psicológico nessa parte, pois a personagem está sozinha, dormindo num mausoléu. Seus diálogos – mentais, já que ela não conversa com ninguém – são curtas e normalmente não me impactaram, mostrando seus medos ou devaneios. Mesmo em uma situação horrorosa, achei Calexa pouco desenvolvida nessa parte.

Porém, quase na metade desse primeiro volume da história, o quadrinho engrena, trazendo uma sequência de ações de outros personagens que vão influenciar diretamente em nossa protagonista. Essa parte, mais agitada, que exige uma personagem mais ativa – incluindo suas escolhas em correr mais riscos – torna a história mais fluída, dizendo mais a que veio. Os encontros de Calexa com desconhecidos é, para mim, o ponto alto. Acho que me interessei bastante pelo modo como os personagens secundários são apresentados, exatamente por serem retratados como se vistos por uma janela. É uma visão delicada, que retrata gestos simples e momentos fugazes desses personagens. 

Nesse sentido, ver tais personagens como Calexa provavelmente os via funcionou perfeitamente para mim. São vozes e construções bem distintas, que trazem um pouco das histórias e possibilidades de tais personagens. Ponto para o quadrinista!

Mais para o fim da história, Calexa é levada a uma situação difícil, e uma nova voz passa a interagir com ela. Nesse ponto, acho que o meu desejo de mais “perrengue emocional” por parte da protagonista é mais atendido. O jogo entre as duas vozes funciona bem e tem um desfecho bacana. O desfecho desse conflito é bem-feito, porém fiquei com a sensação que, tirando essa aventura, o livro não mergulha no seu principal problema: quem é Calexa? Ela corre perigo ao sair do cemitério?Quem tentou matá-la?; Existe alguém procurando por ela?

Enfim, sei que é uma sequência de quadrinhos e me mantenho com vontade de continuar a série, mas fiquei com a sensação que muito pouco foi dito nesse primeiro volume. Queria um pouco mais da mente da personagem, um pouco mais de conflito e de gancho para as próximas aventuras. Por isso, esse primeiro volume faz o dever de casa sem surpreender e me deixa com vontade de saber o que vai acontecer, mas não me tocou ou emocionou com alguma cena ou passagem mais forte. Está mais no clima de "toca o barco e vamos ver até onde vai".

Por fim, não poderia deixar de tocar em dois pontos que me chamaram atenção nas ilustrações dos quadros. O primeiro é que as expressões faciais nos quadros menores são bem indefinidas. Em alguns casos é difícil perceber as emoções no rosto dos personagens quando não temos um quadrinho de close. Como comparação, no quadrinho Valente, de Vitor Cafaggi, mesmo nos quadros que não dão enfoque somente ao rosto de Valente, percebemos as sensações do personagem. Em Garota do Cemitério – Os Impostores isso não fica claro.

Por outro lado, gostei bastante de algumas passagens de quadros. Algumas sequências são bastante bem-encadeadas, dando uma sensação de movimento muito legal. Alguns quadros de close também funcionam bem e se mostram bem escolhidos. 

Espero encontrar, no próximo volume, uma Calexa um pouco mais desenvolvida, além de suas principais questões mais exploradas. Mesmo que a trama paralela desse primeiro volume tenha afetado a protagonista e tenha sido preponderante para o posicionamento dela diante dos problemas que enfrenta, o primeiro volume me pareceu quase um prólogo frente aos principais conflitos da história.

site: http://www.capitujaleu.com/2017/07/GarotadoCemiterio.html
comentários(0)comente



39 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3