Faça seu login para ter acesso a todo conteúdo, participe também do sorteio de cortesias diárias. É rápido e gratuito! :) Entrar
Login
Livros | Autores | Editoras | Grupos | Trocas | Cortesias

A Viajante do Tempo

Outlander - Livro 01

Diana Gabaldon
Resenhas
Recentes
88 encontrados | exibindo 1 a 5
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 |


Jully 25/10/2014

O melhor livro que já li
Emocionante, um livro que te cativa do começo ao fim. Sem contar que você começa a se imaginar como Claire e o que ela passa....não posso continuar escrevendo sem dar spoiler....mas vale a pena. Ansiosa por ler o restante. E a série não foge do que a autora escreve, simplesmente demais !!!!!
comentários(0)comente



Jé Oliveira 24/10/2014

Resenha para o blog "Books and Movies"
Outlander não é romance comum, ele não é nada parecido com os romances que temos visto por aí. Diana Galbadon criou um herói e dezenas de cenas verdadeiramente românticas que deve ser suficiente para satisfazer até mesmo o leitor de romances mais exigente, já a questão da viagem no tempo e algumas referências a bruxas e fadas deve ser do interesse dos leitores de fantasia e histórias paranormais. Outlander é um romance histórico repleto de detalhes da vida do século 18 nas montanhas escocesas, dentro e fora de um castelo, ele também relata alguns dos acontecimentos que levaram à Revolta de 1745. Diana Gabaldon mostra-se uma escritora incrível que mergulha profundamente na vida de seus personagens e da história em torno deles, pintando um quadro extraordinário que realmente transporta o leitor para outro tempo e lugar .

Claire é uma heroína incrivelmente forte, que às vezes pode ser um pouco ousada e audaciosa, mas no fundo ela é uma pessoa gentil e carinhosa. Ela se adapta surpreendentemente em um novo tempo e lugar, muito melhor do que a maioria das pessoas jamais conseguiriam se confrontados com o dilema dela. Claire é uma mulher muito inteligente, que usa cada grama de conhecimento à sua disposição para reverter sua situação. De alguma forma ela encontra a coragem para fazer escolhas difíceis em uma época em que as escolhas eram, por vezes, poucas ou inexistentes, especialmente para as mulheres, e para fazer o que precisa ser feito, quando necessário. Ela também é teimosa e persistente, mesmo em face de probabilidades quase impossíveis. O melhor de tudo, ela é um pilar de força para seu amado Jamie tanto quanto ele é para ela, e ela tem uma poderosa paixão subjacente que coincide com a dele.

Jamie, na minha opinião, é o melhor herói romântico que já foi escrito por um autor. Ele exibe tanto a força física e mental, bem como uma força de caráter, que vão acima e além de qualquer herói comum. Jamie também mostra um profundo respeito, não apenas por Claire, mas com todas as mulheres com quem ele convive, um verdadeiro cavalheiro em todos os sentidos da palavra. Por fora, Jamie é resistente como aço, suportando mais dor física do que qualquer pessoa jamais deveria sentir, enquanto no interior, ele é amável, gentil e sensível, muitas vezes, instintivamente sabendo coisas que os outros não o fazem. Ele é bem inteligente e bem-educado e muitas vezes lindamente poético em sua fala. Eu amava o jeito que ele estava sempre brincando com Claire. Jamie é simplesmente um personagem maravilhoso, um homem que ama desinteressadamente e com todo o seu ser.

Juntos, Jamie e Claire fazem um casal formidável, e é óbvio desde o início que eles são almas gêmeas. Não há mal-entendidos inventados entre eles, apenas honestidade, algo que é difícil de se encontrar nos romances atualmente. Eu amei a forma como a autora cria, além de uma paixão avassaladora, uma bela amizade entre o casal principal. Pode se dizer que a base do relacionamento do casal é a amizade que surge desde o primeiro encontro. O que é ainda melhor, porém, é como que a amizade continua a florescer e crescer mais e mais, mesmo depois que eles são casados. O nível de intimidade desses dois personagens é algo que raramente se vê em um romance, e mais do que pouco ou nada tem a ver com interlúdios sexuais. Durante os momentos em que Jamie e Claire estavam separados, mesmo por curtos períodos de tempo, eu simplesmente não podia esperar para ver eles juntos de novo, pois eles tem uma química tão forte que sempre que aparecem o leitor consegue sentir uma certa "eletricidade".

Os personagens secundários também são extremamente bem trabalhados e surpreendentemente bem construídos, mesmo aqueles que tem pequenas aparições. O aspecto viagem no tempo adiciona um certo charme a história e Gabaldon certamente pensou nas implicações de tal feito se fosse realmente possível. Cada cena simplesmente aumenta a riqueza de detalhes no livro, e não há nada que eu sentia que era excesso. O cuidado da autora ao juntar todos os elementos é impecável.

Sobre a diagramação e capa, não tenho palavras para descrever o quão belamente a Saída de Emergência conseguiu preparar esse livro. Todos os detalhes são perfeitos e o layout combina perfeitamente com a história, mais uma vez um mega parabéns para a editora.
comentários(0)comente



Clara 22/10/2014

Resenha Outlander: A Viajante no Tempo
Esse é o primeiro livro da coleção Outlander da autora Diana Gabaldon. Sinceramente, porque não li essa coleção antes? ADOREI!!! Devo dizer que comecei a ler após ver o primeiro episodio da serie, essa por sinal que se mostrou fiel ao livro e com um elenco impecável!!

O livro começa em 1946, no pós-segunda guerra mundial, contando a história de Claire, uma inglesa de 27 anos que serviu na guerra como enfermeira e de seu esposo Frank Randall, professor universitário que também lutou na guerra. Como tinham se visto muito pouco durante o conflito, assim que a guerra acabou resolveram fazer uma segunda lua de mel para que pudessem se reconectar e decidiram fazer uma viagem para a Escócia.

Uma das grandes paixões de Frank é a genealogia, com isso ele aproveitou a viagem para conhecer mais sobre seus antepassados. Um deles era o Black Jack Randall Capitão do 8º Regimento de Dragões de Sua Majestade. E em meio a essa busca por informações Claire e Frank descobriram um circulo de pedras Craigh na Dun e testemunham uma cerimônia druida, da qual ficaram extremamente encantados.

Claire por sua vez é muito interessada em botânica, na realidade seu maior foco são em elementos da natureza que possam servir ou auxiliar na cura de alguma enfermidade e como na sua primeira visita ao circulo de pedras não pode analisar com precisão as plantas do local ela resolveu voltar lá e acabou tocando em uma das pedras e viajando no tempo indo parar em 1743 na Escócia Pré-revolução jacobita restauração da dinastia Stuart. Após ser salva de um possível estupro, passou a ser hospede do clã dos MacKenzie, digo hospede, pois devido a sua situação de ser uma estrangeira e eles não conhecerem absolutamente nada sobre ela, obviamente todos tinham um pé atrás e a tratavam como uma possível espiã inglesa.

Daí para frente a história fica cada vez melhor e repleta de detalhes e situações. Uma das coisas mais geniais para mim é que são duas épocas diferentes dentro da mesma história, e nenhuma se passa atualmente, então as indumentárias, as descrições das paisagens locais, costumes e culturas são bem pontuados em ambos os períodos e vemos nitidamente o choque cultural vivido pela Claire. E para dar mais profundidade são usados alguns termos em gaélico.

A saga de nossa protagonista é muito intensa, pois além de ser tudo novidade ela vive em uma constante busca por sobrevivência e tentando voltar para sua época. Mas o fato é que, em meio a tudo isso, ela passou a conhecer melhor as pessoas ao seu redor e as circunstâncias passaram a determinar e exigir posicionamentos extremos.

Alguns desses fatos foram bem óbvios, pois de cara já imaginávamos o que iria acontecer entre os personagens Claire e Jamie Fraser sobrinho do chefe do clã dos MacKenzie, fugitivo, lindo, um querido, ruivo, forte, alto, cabeça dura tá bom parei hahahaha porem a forma como a coisa toda se deu foi muito interessante, pois o desenrolar do relacionamento e a intensidade de emoções de ambos. Nossa!!

O Jamie é algo a parte, ele é muito rígido com suas convicções, é um homem de palavra, forte e luta com unhas e dentes pelo o que acredita. É muito amor num personagem só!! Heheheheh.. Fora que li os livros já visualizando ele como o Sam Heughan!!!

É interessante que os personagens estão sempre em uma linha tênue entre o bem e o mau, pois eles são muito humanos e com personalidades fortes e em muitos momentos se veem em situações das quais os fins podem vir a justificam os meios e que certas atitudes mesmo erradas podem suprir as necessidades naquele momento. As vezes ficamos com raiva de alguns personagens, mas a narrativa trata de nos mostrar os por quês e as reviravoltas são super válidas. OK, mas nem tudo se justifica né, Capitão Black Jack Randall?

A narrativa é muito envolvente, os mistérios referente a viagem no tempo e a própria aventura em si faz com que o livro aguce nossa curiosidade e eu realmente recomendo a leitura.

Sassenach.

site: http://nomeumundo.com/2014/10/22/resenha-outlander-a-viajante-do-tempo/
comentários(0)comente



Thaisa 21/10/2014

Uma fantástica fantasia romântica...
Ao analisar a sinopse desse livro, de uma maneira superficial, ele parece não ter nada interessante Esse é verdadeiramente um ledo engano. Optei por não escrever o texto contido na orelha do livro por ele conter muitos spoilers e achei melhor deixar que a imaginação do leitor seja aguçada com a minha resenha. Preciso dizer que Outlander juntamente com Claire me tirou totalmente de minha zona de conforto.
Esse livro é o primeiro de uma série de 8 livros. Como todo bom livro fantástico ele contém muitas e muitas páginas para nos deliciar com a narrativa envolvente da autora. Adoro livros de fantasia, mas ainda não havia lido nenhuma fantasia histórica. Me encantei pelas Highlands, pelos escoceses e costumes desse povo na época em que se passa toda a aventura. Me envolvi completamente com a história e apesar das suas 800 páginas não senti o tempo passar conforme ia lendo.

Confira a resenha completa no blog Minha Contracapa:

site: http://minhacontracapa.com.br/2014/10/resenha-outlander-a-viajante-do-tempo-de-diana-gabaldon/
comentários(0)comente



Elis 21/10/2014

Uma autora que após conquista o leitor, o deixará abalado devido a sua incrível maneira de desenvolver uma história com maestria. Mas não pense que somente irei gavar essa obra, porque como muitas, ela tem pequenas falhas. #calma

Bem confesso que no princípio enquanto Claire estava com Frank, eu me perguntava onde estava a parte boa da história, já que o achei totalmente sem sal e sem graça. Uma pessoa que não aprecia uma outra, que diz amar da devida maneira, perde o encanto. A viagem dela através do tempo, para mim ficou mal explicado também, no entanto da para deixar passar. O caso de ela não pirar, ao se encontrar em outra época, também me deixou meio assim. Mas digamos que ela seja, uma pessoa muito centrada. Para mim foram esses os pontos falhos.

Agora vamos a parte boa. Conhecer o personagem Jaime Fraser, nos deixa suspirando pela beleza, coragem e heroísmo que ele vai nos revelando durante as páginas. Dougal e seus homens acabam levando Claire para o castelo do clã Mackenzie, após salvá-la de Jonathan Randall, antepassado de seu marido Frank. E ela se vê enrolada nesse mundo paralelo, tentando voltar para seu marido, mas tantas coisas acontecem que mesmo ela tendo medo de modificar o futuro, por ter um conhecimento que eles não o têm, ela vai se prendendo as pessoas daquela época. E descobrindo que seu coração pode ter encontrado outro caminho.

Durante a leitura eu pensava que estava vivendo dia a dia com eles, tamanha a forma que a escritora nos transporta para o livro. Foi triste pensar no sofrimento que as pessoas naquela época sofriam, e as injustiças causadas, o tema bruxaria também era tratado de uma maneira muito cruel, assim como a desobediência a um superior ou até mesmo marido. Ouve momentos em que eu queria matar alguns personagens, admirem-se Jaime conseguiu me tirar do sério ao ponto de eu ter de parar um momento a leitura, pois queria matá-lo. Mas Diana Gabaldon é tão incrível, que até após isso ela nos faz reverter nossos sentimentos. Capitão Randall é o personagem mais detestável que já encontrei, ele tira qualquer leitor do sério. Houve partes lindas de amor e reencontro familiar, que mereceram cada sorriso que disponibilizei.

Quando cheguei ao final da leitura, minha vontade era gritar, porque queria engatar o segundo volume, mas a autora não me permitiu, porque para lê-la, ela exige exclusividade, digo, que não posso ler livros em paralelos, pois ela tomaria o tempo das outras leituras. Então o segundo volume terá de esperar um tempo, mas admito em alto em bom som, que foi maravilhoso descobrir tal obra.


site: http://amagiareal.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



88 encontrados | exibindo 1 a 5
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 |



Publicidade


logo skoob beta
"É sem dúvida um sinal de liberdade, uma mostra de que é a própria leitura que está pedindo seu espaço, independentemente de campanhas de incentivo."

JB Online