A Viajante do Tempo

Diana Gabaldon



Resenhas - A Viajante do Tempo


100 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


spoiler visualizar
comentários(0)comente



Andreza 13/12/2014

Esperando pelo próximo ...
O que falar de Outlander ? Bom, para começar, fui apresentada a série de livros a partir da série de TV, -que por acaso, tem atores excelentes e é uma produção incrível- fiquei apaixonada e comecei a ler.
Demorei um tempo para ler, mas logo após percebi que essa demora, era explicada. Havia realmente amado o livro. Ele é muito rico em detalhes e em suas 800 páginas, tudo é muito bem explorado. A personagem principal, Claire, é uma mulher forte e determinada, real, e não melosa, como vemos em muito livros. Jamie é... Ah, ele é justo e fiel ao que acredita e honra sua palavra; não é um príncipe, está mais para um homem verdadeiro consigo.
Na série, a história de Frank (marido de Claire em 1945) é bem explorada, o que não deixa de ser um item atrativo. Alguns podem se assustar com o tamanho, mas eu garanto que vale a pena lê-lo.
Envolve um romance construído com o tempo, e não "amor à primeira vista", temos a adição de elementos históricos (os quais eu adoro) sobre a Escócia (um dos lugares que mais quero visitar, por ser lindo e intrigante) e sobre a Inglaterra do século XVIII; é aquele livro para amar mesmo.
Entretanto, tenho somente uma crítica. Ás vezes, o que o Jamie fala parece ser um pouco artificial e também brutal, mas a brutalidade faz parte da época em que a história se passa.
Acho que para uma primeira resenha, dá para o gasto, haha.
Aproveitem o livro !
comentários(0)comente



Rafaela Regis 11/12/2014

Outlander: A Viajante do Tempo - Diana Gabaldon
Outlander - A viajante do Tempo da autora irlandesa Diana Gabaldon era um dos livros que me indicaram que eu estava louca para ler! Acredite a propaganda foi tão boa, o mocinho é tão perfeito e a história é tão gostosa, segundo a pessoa que me recomendou que eu não podia deixar de conferir, demorou um pouquinho, mas felizmente consegui colocar as mãos nele e ver o que o Jamie tem... humm... kkkk

Comecei a ler o livro de noite e só consegui largar quando amanheceu, o que para minha sorte isso foi de uma sexta para o sábado, se não eu iria trabalhar pior do que os zumbis do The Walking Dead, um horror!

A escrita da Gabaldom é fabulosa, sem mentira, e prende o leitor desde o início que meio parado para a parte da ação de verdade! E para melhorar a minha situação eu já tinha assistido dois episódios da série então deu para imaginar tudo melhor ainda.

O livro começa a ser ambientado no ano de 1945 no final da segunda guerra Mundial e é ai que conhecemos a Claire, ela é uma enfermeira dos campos de guerra e está bem acostumada com os horrores dessa época e não tem medo de coisas feias, o que ela não sabe é que isso vai ajudá-la bastante num futuro próximo, ou seria melhor dizer passado?

Claire é casada com Jack, mas por causa da guerra os dois precisaram se separar, no entanto com o fim da mesma eles se reencontram e decidem partir para uma segunda lua de mel e lá Claire acaba tendo o seu futuro lido nas famosas folhas de chá por uma moradora local e as revelações são um tanto quanto absurdas, serio até eu surtei com o que a mulher disse.

E como Jack é meio fascinado pelas lendas das Highlands eles acabam indo para um ritual, as escondidas é claro, e Claire fica fascinada e dias depois decide retornar ao local para pegar algumas ervas quando de repente é transportada par o ano de 1743, mais de 200 anos atrás, loucura, né!

E aí começa a diversão, digo a ação! Claire se vê em meio a uma guerra entre ingleses e escoceses e não sabe bem como explicar nem a forma com que ela está vestida, mas ela é muito esperta e tira de letra. Então ele aparece Jamie Frase! Um lindo escocês que deixa qualquer leitora babando!

Claire mesmo estando querendo voltar para casa, para seu tempo, mesmo sem ter ideia de como fazer isso, ela acaba encontrando vários motivos para ficar e descobrir o que o destino reserva para ela.

Não é fácil falar desse livro, pois ele é daqueles que arranca vários sentimentos ao mesmo tempo, confesso que senti desde a aflição, raiva, desespero e é claro muitos suspiros, esse é aquele tipo de livro que quando está tudo bem acontece uma desgraça daquelas e quando tudo está para se perder aparece uma luz no fim do túnel! Deu para entender né!

Mas o que eu mais gostei, o que para uns pode ser um poco chato ou até mesmo tedioso foi que mesmo com 800 páginas, Gabaldon não perdeu o pique da escrita e soube detalhar as cenas com um que tão fascinante que você se vê transportado para aquela época, e como amante de romances históricos devo dizer que eu ameis, né!

Mesmo sabendo que é uma série longa e com livros bem grossinhos estou muito ansiosa para ler o segundo volume e descobrir o que vai acontecer com os protagonistas e descobrir se Claire vai ou fica. Recomendo!

site: http://dlivros.blogspot.com.br/2014/10/outlander-viajante-do-tempo-diana.html
comentários(0)comente



Elis C. 11/12/2014

Outlander - A Viajante do Tempo
Em 1945, a enfermeira Claire Randall e seu marido Frank Randall – um professor universitário – se reencontram após anos separados durante o período da II Guerra Mundial e partem para Inverness, no intuito de se reconectarem e viverem uma segunda lua de mel. Enquanto Frank está fascinado pela árvore genealógica de sua família e investiga a história de seus antepassados, Claire descobre novas plantas e faz novas amizades. E claro, ambos, juntos, se maravilham com as paisagens históricas e as tradições e crenças locais.

Neste cenário de curiosidade e fascínio pela região, o casal presencia um ritual misterioso no círculo de pedras Craigh na Dun e ficam maravilhados com o ocorrido. Claire decide voltar ao local para observar a vegetação e quando o faz, é transportada através das pedras para a Escócia de 1743. Ela se vê no mesmo local, com a mesma roupa do corpo, mas cercada por um mundo diferente, com costumes e tradições peculiares da época.

É neste ‘novo mundo’ que a aventura da protagonista se desenvolve. Claire precisa adaptar-se à sua nova realidade, cercada de clãs escoceses e soldados ingleses, e descobrir uma forma de voltar para o século XX e para os braços de seu marido. Contudo, ao fazer parte do clã Mackenzie – mesmo que praticamente como refém –, Claire descobre uma realidade com pessoas simples e, apesar de tudo, amigáveis, no entanto, provavelmente incapazes de acreditar em sua história.

E é nessas reviravoltas, no seu anseio por voltar à Craigh na Dun e retornar ao ano de 1945, que Claire se aproxima de Jaime, um escocês corajoso e determinado, e estabelece com ele uma relação de empatia e confiança que modifica para sempre o destino desse casal.

---

Apesar da questão da viagem no tempo, o livro expressa uma realidade histórica fantástica, pois a autora apresenta detalhes que transporta o próprio leitor para o século XVIII. Além disso, mesmo com o grande número de páginas, na minha opinião, foram poucos os excessos desses detalhes, pois na maior parte do livro, acredito que a escrita detalhada é essencial para que o leitor sinta empatia pelos personagens e pelo que os mesmos vivem e já viveram.

Claire é uma protagonista decidida e corajosa, e uma vez que o livro é narrado em primeira pessoa, o leitor consegue se identificar com as angústias da personagem e, apesar da fantasia que é viajar no tempo, me fez questionar: o que eu faria numa situação como essa?

Mesmo que possa parecer clichê, a história de Jamie e Claire se desenvolve no tempo certo, sem enrolação, mas também com um cuidado para não parecer algo superficial e efêmero. Um fato que envolve os dois, me deixou um pouco descontente, no entanto, acredito que a ideia da autora foi a de apresentar a realidade da época, mesmo que o relato deixasse os leitores insatisfeitos com a postura dos personagens.

---

A minha história com o livro iniciou quando recebi os mimos da Editora Saída de Emergência.

Fiquei apaixonada pela capa do livro e pela sinopse. Ao saber da existência da série baseada no mesmo, fiquei mais fascinada ainda, pois seria possível conhecer a história por meio de duas de minhas paixões: livro e série.

Quando o livro chegou, demorei um pouco para iniciar a leitura, mas quando comecei, não consegui parar até chegar à última página. E depois disso, assisti os oito episódios da série com uma rapidez sofrida, pois ao mesmo tempo que queria ver como retrataram o livro, gostaria que os episódios não chegassem ao fim.

Adorei muito a adaptação que fizeram e a escolha dos atores. Consegui vivenciar minha leitura mais uma vez ao assistir a série e estou ansiosa pela continuidade. Ah, e claro, o segundo livro “Outlander - A Libélula no Âmbar” já está na minha lista de desejos!

Para quem gosta de história e romance, é uma ótima dica de leitura!

site: http://frasesfeitasecoisascliches.blogspot.com.br/2014/12/dica-de-leitura-15.html
comentários(0)comente



Michele B. 10/12/2014

perfeito
Outlander é narrado pela protagonista, Claire Beauchamp Randall, uma inglesa que trabalhou como enfermeira durante a Segunda Guerra Mundial, casada com Frank, ela foi separada do marido por causa da guerra, e agora com o fim da guerra, ela pode finalmente passar tempo com ele. Eles decidem viajar para uma segunda lua de mel, pelas Terras Altas no norte da Escócia. Frank é um professor universitário, e ele está montando a sua árvore genealógica, assim na Escócia, ele pretende saber mais de seus antepassados....

Leia mais em meu blog Lost Girly Girl

site: http://www.lostgirlygirl.com/2014/11/resenha-473-outlander-viajanete-do.html
comentários(0)comente



Debora 04/12/2014

Eu disse que não ia ler Outlander, que ia ficar apenas com a série. Bom, falhei miseravelmente. Larguei tudo, e me atraquei nas 800 páginas mais cheias de magia, intensas emoções, personagens complexos e trama rica e intrínseca que tive notícias depois de As Crônicas de Gelo e Fogo.

Outlander - A Viajante do Tempo conta a história de Claire Randall, enfermeira na Segunda Guerra Mundial e que agora desfruta de uma segunda lua de mel na Escócia, com seu marido Frank Randall. Enquanto ela se interessa por ervas medicinais, ele passa seu tempo tentando descobrir sua árvore genealógica. E acaba chegando a um ascendente que foi Capitão dos Dragões ingleses, Jonatham “Black Jack” Randall, quando a Inglaterra tentava impor sua soberania a Escócia.

Movidos por sua curiosidade Claire e Frank presenciam um ritual druida na montanha de Craigh Na Dun, e alguns dias depois Claire volta ao local a procura de uma erva que viu, no entanto, após ouvir barulhos estranhos e tocar em uma pedra fendida do santuário, ela acaba no ano de 1743 no meio do conflito Inglaterra-Escócia, em que a tensão predominava entre o exército e os clãs. Levada refém pelo clã Mackenzie, Claire tentará se adaptar enquanto busca entender o que lhe aconteceu.

Bom, isso é só a ponta do iceberg. Após ser transportada para o passado Claire se envolve nas tramas históricas da época, virando refém dos acontecimentos e se apegando as pessoas ao seu redor (cof cof Jamie cof cof). Então, resumir esse livro é quase um sacrilégio. Uma imensidão de situações, cada uma levando a outra puxam o fio da trama, nos conduzem pelo passado e por essa história viciante, intrigante e majestosamente pensada.

Claire é uma personagem suprema. A autora, Diana Gabaldon, acertou em cheio ao criar uma personagem forte, inteligente, corajosa, com a dose certa de medo e temeridade, mas que não hesita em abrir mão de seu próprio bem estar em prol do próximo. A cada página eu era surpreendida com sua enorme capacidade de lidar com situações tensas e de risco, além de seu autocontrole. Uma personagem com defeitos, que não tenta esconde-los, mas faz o melhor que pode com o que há disponível. Nesse caso, ser uma viajante do tempo.

Outro personagem central desta trama e de suma importância é Jamie Fraser. Se alguém avistá-lo, por favor, entrar em contato, ele roubou meu pobre coração. Dizer que Jamie é o galã da história e o herói que salva Claire se casando com ela para livrá-la das temíveis e cruéis garras de Black Jack pode ser verdadeiro, mas é meio um insulto. Porque sua participação na estória não se reduz a apenas isso. Eu disse no post sobre a série de TV que Jamie é a alma da série e lendo o livro tive a plena confirmação desta afirmação. Ele inspira a Claire, lhe dá força de vontade e é a âncora que a segura em sua instável situação (assim como ela é a dele). Ele é intenso, teimoso, corajoso de um jeito imprudente e cabeça dura. A jornada dele é triste, recheada de acontecimentos que teriam matado e quebrado - psicologicamente e fisicamente - qualquer um, mas ele continua em pé. E para não dizerem que estou sendo parcial aqui, eu odiei ele por um bocado de páginas, devido a algumas coisinhas que ele apronta. Os personagens da Diana não são preto no branco, são cinzas e ponto.

Com Claire narrando, em primeira pessoa, sua jornada nos sentimos transportados para a época de 1743, onde costumes, crenças, TUDO era diferente. Um dos maiores atrativos do livro/série para mim é: conhecer outra cultura, além de ter uma ideia melhor de como o mundo era antigamente.

A escrita da Diana é ridiculamente maravilhosa, poética, com metafóricas incríveis que pintam vividamente os cenários e acontecimentos em nossa cabeça. A leitura flui de maneira assustadora e é impossível desgrudar um minuto sequer os olhos das páginas, salvo para respirar e absorver os impactantes acontecimentos. O ritmo da história se mantém durante todo o tempo, nunca se tornando enfadonho ou cansativo. Diana escreve de maneira inovadora, sutil, com um vocabulário refinado e com profundidade para passar toda a carga tanto sentimental, visual, quanto cultural. Mas para não dizer que o livro é livre de defeitos em alguns momentos senti que a descrição das ações e ambientes era priorizado em detrimento dos sentimentos. Ou talvez fosse apenas minha ávida vontade por saber tudo o que os personagens que passei a amar sentiam.

Em meio a miríade de emoções que experimentei lendo essa magnífica e bem bolada trama, eu pensava que não sobreviveria ao que viria a seguir quando virasse a página. O tempo de recuperar o fôlego, de se restabelecer após uma situação particularmente tensa é pequeno. E quando imperava a calmaria e a frágil felicidade você pressente nas entrelinhas que o que está por vir é milhões de vezes pior do que passou.

Outlander é aquele livro que representa o objetivo da leitura do melhor modo possível: te transportar para uma realidade diferente e, apesar de difícil, complicada, completamente desejável de se viver, com personagens que você se identifica e irá amar mais que a própria vida tanto quanto irá odiá-los em determinados momentos. Mal posso esperar para embarcar nessa viagem de novo!

site: http://vanille-vie.blogspot.com.br
comentários(0)comente



leninh@ 03/12/2014

Foi quase impossível começar essa resenha com coerência, me faltam palavras para descrever o quanto estou extasiada com a leitura de Outlander. Com certeza esse foi um dos melhores livros que já li na vida. E eu que achava que conhecia muito sobre romances históricos, lendo essa história pude perceber que eu não sabia nada, não imaginava o que seria conhecer o verdadeiro teor de um romance histórico, e eis que me deparo com a grandiosidade da escrita de Diana Gabaldon.

Desde o primeiro capitulo do livro já me vi viajando em suas páginas, era difícil me concentrar em outra história — já que tive que parar três vezes a leitura para ler outros livros e adiantar a pilha. Eu ficava pensando em Jamie, em Claire, em todo o enredo empolgante que eu tinha deixado de lado, em todos os personagens densos e naquela terra inóspita que eu deixei para trás.

Diana Gabaldon tem o poder de nos fazer viajar — assim como Claire —, nessa empolgante aventura de decisões, dúvidas, paixão, e nos faz sofrer com os personagens, amar intensamente e odiar na mesma proporção.

Claire e Jamie são os personagens mais perfeitos que se pode encontrar num romance histórico. Ela é forte, corajosa, espirituosa, bem aquém do seu tempo — mesmo antes de voltar no tempo. E Jamie, Oh my God, como não se apaixonar por um homem assim? Que atire a primeira pedra quem leu e não suspirou por ele (risos).

Os dois têm a química perfeita para um casal de protagonistas. Como enfermeira, Claire se adapta facilmente naquele novo mundo, onde o que menos se tem são remédios e assepsia. E ela tem estômago forte, o que na verdade é um dos pontos indispensáveis para quem lida com ferimentos graves sem recursos aparentes. Fora que ela sabe se impor, e tem sempre uma resposta na ponta da língua, sem medos nem receios. Seu jeito de dar “tiradas” no momento certo torna os diálogos imperdíveis, e às vezes rendem boas risadas.

Já Jamie é um sonho de consumo para qualquer mulher. Honesto, sensível, corajoso, leal, essas são apenas algumas das suas qualidades, mas acima de tudo ele é um homem honrado. Apesar da truculência, ele consegue ser sensível o bastante para se tornar inesquecível e bem interessante, sem deixar de ser um típico escocês no auge da sua performance.

Apesar de alguns momentos durante a narrativa, que podem aviltar as leitoras mais feministas, nada do que encontrei na leitura me atacou, eu realmente me vi transportada ao ano de 1743, onde agressões, violências e atos incomuns —coisas que não vemos nos tempos atuais —, são bem típicos e nos surpreendem durante toda a leitura.

Para o leitor que gosta de livros intensos, densos, com um enredo que prende do início até a última página, com a pitada certa de humor, com um romance de tirar o fôlego, e com muito, muito sofrimento, esse com certeza é o livro certo. Eu fiquei totalmente apaixonada, dilacerada e me tornei mais uma fã da série, com certeza.

Diana Gabaldon faz jus à sua enorme legião de fãs, ela consegue nos transportar no tempo, não tem como largar o livro; não tem como não ficar pensando no que irá acontecer na próxima página; não tem como não amar cada passagem até mesmo aquelas que podem ferir os leitores mais sensíveis.

Eu preciso do próximo livro para ontem, ainda penso nos braços fortes de Jamie, em seu coração bom; nas tiradas impagáveis de Claire; e no destino de Randall, um vilão perverso e que com certeza ainda irá aprontar muito. Fico me coçando de curiosidade para saber o que aguarda nossos heróis em cada nova curva das estradas por onde ainda irão passar. O que esperar quando se tem um vilão como Randall em seu encalço?! Com certeza muitas aventuras.

Recomendo para você amante de uma boa leitura. Esse com certeza será um livro que ficará por tempos na memória e impressionará pela riqueza nas descrições e detalhes.

E que venha A Libélula no Âmbar, que aguardo ansiosa e de braços abertos.

site: http://www.sempreromantica.com.br/2014/12/outlander-viajante-do-tempo-diana.html
comentários(0)comente



Resenhas Teen. 21/11/2014

A viajante do Tempo
Oie pessoal!

Hoje trago a resenha do livro Outlander: A Viajante do Tempo, da autora Diana Gabaldon, lançado pela editora Saída de Emergência Brasil, cortesia da mesma.

Bom posso garantir quem em suas 799 páginas não são o suficiente para saciar nossa curiosidade e muito menos nosso vício em livros!

Mas para a nossa alegria e alívio se não estou enganada esse livro faz parte de um a trilogia o que significa que temos mais dois livros para devorar!

O livro, acho que alguns já devem conhecer ou já devem ter lido também, mas do mesmo jeito vou contar um pouco da história espero que amem ele tanto quanto eu!

A história se passa em dois tempos, uma no presente e a outra no passado, ela conta a história de Claire, uma enfermeira da grande guerra que após ficar seis anos ou oito (não lembro certo que feio!- risos) longe de seu marido Frank, eles decidem por fazerem uma viajem para a Escócia, mas parece que nem tudo ocorre como o planejado.

Claire é transportada para a antiga Escócia, onde os homens ainda usavam Kilts, e seus costumes eram outros!

Lá Claire descobrirá qual é o seu verdadeiro futuro, e conhecerá seu verdadeiro amor, e como diz a frase de efeito do livro: E se o seu futuro fosse o passado?

Descobriremos nesse livro muitos significados para as palavras: amor, família, companheirismo e sinceridade.

Amei ler esse livro, pois somos apresentados a um país de culturas diferentes, de épocas diferentes, e com ele aprendemos muitas coisas.

A autora segue aquela narrativa lenta, mas rápida ao mesmo tempo, ela muitas vezes diversifica sua narrativa entre uma cena e outra, por exemplo, quando era uma cena de ação ela narrava mais rapidamente, e quando era uma descrição de algo ou de algum costume ela narrava mais lentamente.

Ah algo que é bom citar é que o livro tem mais texto do que diálogos, mas esses textos são muito bons, pois nos apresentam como era as coisas antigamente, o que eles faziam, quais eram as suas leis, e os casamentos esse achei muito interessante, e algo engraçado dos Escoceses é que por mais que muitos digam que não é o Kilt não passa de uma saia! risos só a única coisa um pouco estranha de se acostumar é que eles não usavam nada por baixo, era só o Kilt e eles!

Enfim, não tenho muito que falar desse livro, pois quanto mais eu citar sobre os acontecimentos do livro, mais spoilers soltarei! risos!

Espero que amem esse livro tanto quanto eu, pois ele tem tudo para virar um Best-Seller!

Até uma próxima,
Bjs, Nay =D

site: www.resenhasteen.blogspot.com
comentários(0)comente



Elma 14/11/2014

Decepção
Comecei a ler o livro depois que vi os primeiros episódios da série de TV do canal Starz. Gostei muito da série, e estava gostando muito do livro até que alguns fatos começaram a me incomodar bastante. Lá pelo meio do livro, o protagonista espanca a heroina, como um "castigo" e logo depois, um dia, ela a violenta. Pesadamente e com uma descrição detalhada no livro que me perturbou em níveis estratosféricos. Vi comentários de que o livro é todo levado assim, e que é tido como consensual, mas a impressão que me passou foi que não, não é. Várias vezes a heroina diz não, pede para ele não bater e parar, até brigam. Enfim, foi uma decepção enorme, pois os personagens são bons a princípio e a história também, mas não dá para ler um livro que prega a violencia contra a mulher. Se você quer ler, primeiro sabia do conteúdo. A editora deveria colocar isso bem claro pois muitas pessoas podem se sentir incomodadas ao ler. Quanto a série de TV, aparentemente não tem tanta violencia e dizem que vão tirar as partes de abuso, espero que sim. Seria uma das poucas vezes que a serie seria muito mais proveitosa que o livro.
comentários(0)comente



Nina 07/11/2014

Outlander
O que dizer de Outlander? Eu já esperava que o livro fosse bom, mas depois que comecei a ler percebi que se tratava de uma das melhores fantasias que já li. Ação, emoção, aventura, romance, erotismo, conspiração tem de tudo no enredo. E o mais interessante, é uma fantasia só no que diz respeito à viagem no tempo, pois todo o restante é extremamente realista, plausível e condizente e imagino que Diana Gabaldon fez uma tremenda pesquisa para poder ambientar tão bem seu livro no século XVIII, tanto histórica quanto politicamente.

O livro é dividido em seis partes que são marcos no desenvolvimento do enredo e que organizam as principais reviravoltas do enredo. A narrração é em primiera pessoa pelo ponto de vista da Claire e é tão vívida e poética que consegue nos transportar no tempo e nos espaço, direto para a Escócia de 1743. O único problema é que é muito, muito, muito detalhista, Gabaldon descreve cada cena, cada movimento, cada gesto dos personagens e acaba pecando pelo excesso de detalhes e a leitura fica um pouco cansativa.

Entretanto o grande diferencial do livro são os personagens que possuem uma profundidade e um realismo chocante. São muito humanos e não simples mocinhos e bandidos, todos erram e acertam conforme suas experiências e fica fácil se identificar com eles. Mas é claro que o destaque fica para o casal protagonista Claire e Jamie, que são hilários juntos e que controem uma história de amor e cumplicidade imbatível. Primeiro eles se tornam grandes amigos e amor vai vindo com tempo, devagar. Eles não se apaixonam do dia para noite e sabem a diferença entre o amor e o desejo.

Claire é personagem feminina perfeita para essa história. Ela foi enfermeira durante a Segunda Guerra Mundial e isso faz com que ela reúna conhecimentos (e estômago) necessários para se virar bem como médica no passado. Por ter ficado tanto tempo entre os soldados, ela se adapta rapidamente no clã MacKenzie e consegue se fazer respeitar pelos homens dali. Teimosa, forte e corajosa, ela não hesita em tomar decisões e a lutar pelo que quer e sempre tem resposta para tudo na ponta da língua.

Já Jamie é a síntese de tudo o que a gente sonha! Forte, honesto, sincero, corajoso, leal aos seus princípios e à sua família e, além de tudo lindo! E o mais interessante, é que ele consegue ser tudo isso sem deixar de ser um típico escocês turrão do século XVIII, com toda aquela marra característica da época. É praticamente impossível não se render aos seus encantos e eu confesso que suspirei várias vezes enquanto lia, kkkk.

Só uma coisa me incomodou muito com relação a Jamie: ele sofre demais! Ele é espancado a cada cinquenta páginas, ao vivo ou em suas memórias. O rapaz apanha tanto que nem sei como Claire conseguiu remendá-lo tantas vezes. Agora juntem esse constantes espancamentos à narrativa detalhista de Gabaldon e você terá cenas de embrulhar o estômago. E isso deixou uma pergunta que não quer se calar ecoando na minha cabeça: por que criar um dos mais atraente, sexy e apaixonante personagem que já tive o prazer de ler para massacrá-lo assim? Teria Diana Gabaldon tendências sádicas?

Mas, brincadeiras à parte, foi uma leitura inesquecível e o livro é um forte concorrente para o Top 10 2014. Mesmo com os excessos (tanto de detalhes quanto de surras no pobre Jamie, rsrs) a história nos prende com suas conspirações políticas e romance na medida certa. Dificilmente o leitor se manterá imune ao chame de Jamie, digo, de Outlander.

A história foi adaptada para a TV e se transformou em uma série que estreou em agosto nos Estados Unidos e teve o envolvimento da própria autora na produção. Eu ainda não vi, pois queria ler o livro primeiro, mas estou muito curiosa para ver.

site: http://www.quemlesabeporque.com/2014/11/outlander-viajnate-do-tempo-diana.html#.VF0QfTTF9H8
comentários(0)comente



Evelin 06/11/2014

Algumas observações sobre o livro
Conheci o livro através da série de TV e resolvi lê-lo porque fiquei muito curiosa para saber o que iria acontecer. Sem dúvida, a série de TV é muito superior ao livro. Gostei de todas as mudanças, inclusões e recortes que os roteiristas fizeram em relação à história original.

A escrita da Diana é bem fraca, além do excesso de descrições, alguns diálogos cansativos e repetitivos, parágrafos desnecessários que parecem que não chegarão a lugar algum, cenas que soaram inverossímeis... Pulei várias partes. Mas o livro tem os seus méritos: a dedicação da autora em suas pesquisas, a questão histórica e social acrescentada ao enredo, a cultura celta e escocesa, entre outros.

Mesmo com os contras que citei, não senti nenhuma vontade de abandonar o livro (quando não gosto, abandono sem pena). E provavelmente lerei o próximo volume, pois gostei da trama. Apenas poderia ser melhor estilisticamente falando.
comentários(0)comente



Greice Blogando 03/11/2014

Uma ótima viagem no tempo!
Claire Randall está retomando seu casamento após passar algum tempo como enfermeira durante a segunda guerra mundial e seu marido Frank lutara por sua terra. Claire era inglesa e estava passando umas férias merecidas nas Terras Altas na Escócia no ano de 1945. Claire sempre adorou botânica e tinha grande interesse no conhecimento de plantas nativas enquanto seu marido buscava mais informações sobre seus ancestrais, tentando cada vez mais formar uma grande árvore genealógica. Claire sabia que o que seu marido mais desejava era ter filhos, mas também sabia que isso não seria possível por problemas sofridos há muito tempo.

Claire não tinha mais família. Seus pais morreram cedo e seu tio Lamb a levara a muitos lugares pelo mundo. Mas agora restara somente Frank Randall. Frank estava totalmente absorto em saber que um capitão renomado do exército inglês era seu parente. Jonathan Randall conforme constava em arquivos, lutara a favor de seu país e se mostrava um homem bom e honesto.

Quando Claire fora passear com o vigário da região, conheceu as pedras de Craigh na Dun, um conjunto de pedras conhecido como um monumento megalítico, um círculo de pedras que muitos diziam ser poderoso pelo mundo afora. Com isto, Claire e Frank resolveram voltar e conhecer aquele lugar belo. Mas quando Claire voltou no dia seguinte, o que se seguiu foi um rompante que jamais imaginara: foi parar no passado, no ano de 1743.

De início não conseguia descobrir o que estava acontecendo. Sabia que os homens vestindo seus kilts eram escoceses mas aquilo não poderia ser real. Até ser encurralada por um homem enorme e cruel. Seus olhos transmitiam o pavor e quando Claire ouviu seu nome, quase desmaiou. Aquele era Jonathan Randall.

Aos poucos o mundo de Claire foi sendo desperto por novos personagens. Foi salva pelos escoceses e sabia que o que precisava fazer era voltar para o círculo de pedras para retomar sua vida. Mas nada funcionava. Agora estava com um grupo de escoceses com nomes estranhos, mas que mostravam lutar com um ideal pelo seu povo. No bando estava Dougal, Rupert e Murtagh, e também um rapaz forte porém ferido, Jamie.

Aos poucos Claire que não se identificava com o sobrenome Randall, e sim com seu sobrenome de solteira Beauchamp, Foi conhecendo o estilo de vida daquela época: os clãs, a alimentação, a guerra entre os países, a ideia de revolução. E Jamie. O homem que despertava nela uma compaixão e uma euforia por ser tão forte e tão ingênuo ao mesmo tempo. Contam as pessoas que sobrevivera por muito pouco á fúria do capitão Randall e agora precisava fugir o tempo todo e não podia mais voltar para sua casa e para seu clã.

Mas as suspeitas de que uma espiã estava invadindo o clã agora caía sobre Claire. Como explicar sua aparição tão repentina? Como explicar que era inglesa e estava ali diante deles e a seu favor? Capitão Randall também estava a sua caça e não somente de Jamie Fraser. Entregá-la poderia acometer em sua morte. Assim, a única solução seria transformá-la em uma escocesa, casando-se com Jamie. Mas o que ninguém imaginava era que o encanto entre eles acontecia há algum tempo.

Jamie precisava voltar para sua casa, para sua terra Lallybroch. Era arriscado mas além da saudade que sentia de sua irmã, precisava ver como estavam seus bens. E foi numa emboscada que Jamie foi capturado e levado às mãos de Randall. A angústia e a dor são os flagelos de sua alma e o que mais aconteceu com Jamie foi seu sofrimento ser rompido com toda fúria. Após a fuga foi levado de volta onde um dia foi curado e agora a incerteza estava com ele. Seria capaz de se curar e seguir adiante mesmo com a ajuda de Claire? Seria Claire capaz de não voltar para sua vida? A dor os dividiu e agora pode não os unir mais.

O que falo sobre o livro?

Quando recebi Outlander para ler e peguei ele nas mãos pensei: "Caracas, tudo isso de páginas? E se for um livro chato?". Quando comecei a ler, depois de umas 70 páginas dei risadas porque percebi que a leitura seria muito boa, pois fazia bem o meu estilo. Muitas vezes eu fico com medo de livros extensos porque se a pessoa que escreve não souber entreter na leitura, vai cansar e eu vou acabar não conseguindo sair do lugar. Mas como eu amo livros com fatos históricos e que remetam ao passado!

E é exatamente isto que acontece. Se você iniciar o livro e pensar que ele é meio narrativo demais, continue porque ele vai ter muita coisa pela frente e a leitura vai te levar a um mundo cheio de vida, de novidades e de fantasias. E não é uma fantasia do estilo que não existe e sim uma fantasia que você sabe que foi verdade.

Pela leitura eu pensava que os cenários não seriam tão ruins até pelo fato de que quando nossa mente ainda não viu um fato de verdade, podemos imaginar de qualquer forma. Tinha momentos em que pensava como é que poderia ser a janela daquele castelo? Como alguém conseguiria viver assim? Achei fantástico todo o trajeto da narrativa.

Colocar um romance entre a personagem principal e Jamie Fraser logicamente era mais do que necessário, pois assim cria uma ligação lógica entre o passado e o presente e leva a autora a ter motivos para viajar a diversos lugares utilizando muitas jogadas sobre reinos e clãs e não ficar somente em um só lugar. É muita criatividade.

Uma coisa que me incomodou e sei que também muita gente se perguntou sobre isto é o fato de Jamie ser um rapaz novo e sofrer tanto no livro. Claro que ele passa como um homem forte e audacioso, mas o fato de como ele sofre diversas emboscadas ou adversidades me faz pensar nele mais como um super herói. Alguns momentos ficam realmente exagerados.

Para quem ainda não sabe, Outlander se tornou um seriado com poucos episódios, até mesmo para ver a reação do público e agora está confirmado para a segunda temporada.
Ainda não assisti a nenhum episódio porque não quero confundir o personagem que construí com os escolhidos para a atuação, mas pelo que vi, muitos são bem idênticos ás características narradas no livro.

Outlander pelo que vi é uma saga que está no oitavo livro e logo a Saída de Emergência Brasil lança o segundo volume, já definido. Aproveite este tempo e leia o primeiro volume para não se arrepender de conhecer um mundo tão fantástico e cheio de aventura.

site: www.amigasemulheres.com
gustavo 03/11/2014minha estante
A série não foi com poucos episódios,são 16,só que dividiram o primeiro livro{primeira temporada) em duas partes,a primeira parte já foi,8 episódios e a segunda parte,do meio para o final do primeiro livro volta apenas em 8 de abril,e sim,foi confirmada a segunda temporada,que cobrirá o segundo livro,A libélula no ambar.


Greice Blogando 04/11/2014minha estante
Obrigada Gustavo pela correção. Vi que tinham sido poucos e que depois ia ter a volta, assim como você explicou. Não que a série fosse ruim, mas acredito que eles quisessem realmente dividir os livros.




Viviane Martins 28/10/2014

Outlander - A Viajante do Tempo
Claire é inglesa, tem 27 anos e é casada com Frank Randall, que é professor universitário e pesquisador também.

Depois de muito tempo servindo com enfermeira durante a Segunda Guerra Mundial, ela e Frank resolvem fazer uma segunda lua de mel na Escócia.

Chegando em Inverness, nas Terras Altas, Frank vai atrás de informações de sua árvore genealógica. E é durante essas pesquisas que Claire, perambulando pela cidade se depara com um circulo de pedras, parecido com Stonehenge, na colina de Craigh na Dun.

Ao se aproximar do circulo depois de presenciar um ritual antigo, Claire, se vê passando por uma fenda do tempo, e voltando em nada mais nada menos que 200 anos no passado.

Totalmente perdida e desnorteada com a viagem, ela se vê tentando achar logica para estar em uma Escócia de 1743. Quando acaba esbarrando em um grupo de homens de Kilts, que na duvida se ela era uma espiã inglesa, uma prostituta ou bruxa, acabam levando para um lugar desconhecido.

Com o decorrer dos dias, Claire acaba se adaptando a época e seus costumes, mas em nenhum momento esquece que precisa sair do domínio do Clã Mackenzie e tentar voltar para a sua própria época.

Mas claro que surgem muitos imprevistos e grandes reviravoltas que fazem com que ela repense o que realmente deseja fazer...voltar para sua vida e voltar a viver seu casamento, vou continuar onde esta e viver um novo e grande amor...

Só queria deixar bem claro que esse pequeno resumo, é exatamente isso, pois tudo o que falei não chega nem na metade do livro.

Esse livro pode ser categorizado como fantasia, apesar de o único momento que algo de fantasia acontece é durante a viagem do tempo, e romance de época. Para quem gosta de história, pode até ver que boa parte da história é bem realista, plausível e condizente, com o período histórico e o local onde tudo acontece. O que a meu ver é mais um ponto a favor, pois mostra que existiu toda uma pesquisa...

A narração é toda em primeira pessoa, Claire, e é dividida em seis partes, que são como se fossem partes da história muito importantes para a nossa protagonista. Esse detalhe ajudou a deixar a história bem organizada.

A escrita da Diana é totalmente envolvente, fazendo o leitor conhecer um novo mundo, com diferentes tradições, linguagens e culturas, e ainda passando a impressão de estar ouvindo a história de uma pessoa que viveu na época.

Os personagens são outro ponto positivo. Cada um possui uma personalidade forte e bem definida, principalmente Claire, que não é a típica mocinha, ela enfrente seus medos e coloca a cara a tapa quando era preciso, o que muitas vezes colocou ela em encrenca rs. E claro não posso deixar de falar de Jamie, extremamente brincalhão quando necessário, mas também ele sabia a hora de vestir a camisa do típico herói rs. Essa combinação não poderia em resultar em um casal perfeito para a história.

O relacionamento dos dois, não acontece de forma apressada. É torna tudo tão bonito, primeiro acontece à amizade e depois vai mudando conforme vão se conhecendo.

A autora consegue passar com riqueza de detalhes, os sentimentos no decorrer da história, sem nos poupar dos detalhes sórdidos. É tudo tão bem amarrado, que no final não fica praticamente nenhuma ponta solta.

A diagramação segue o padrão da editora, o que de forma alguma decepciona. A revisão foi impecável, pois não encontrei nada que atrapalhasse a leitura.

Eu não vejo hora de chegar dia 05/11 para poder ter o segundo livro. Então se depois disso tudo vocês ainda estão na duvida se o livro é bom ou não, o que me resta fazer é dizer LEIAMMM rsrs.

site: http://www.devoradoreshistorias.blogspot.com.br/2014/10/li-e-comento-outlander-viajante-do-tempo.html
comentários(0)comente



Jully 25/10/2014

O melhor livro que já li
Emocionante, um livro que te cativa do começo ao fim. Sem contar que você começa a se imaginar como Claire e o que ela passa....não posso continuar escrevendo sem dar spoiler....mas vale a pena. Ansiosa por ler o restante. E a série não foge do que a autora escreve, simplesmente demais !!!!!
Bella Swan 27/10/2014minha estante
Li esse livro faz um tempo, agora estou vendo o seriado nem dormi a noite vendo, amo o fato do Jamie ser perfeito. S2


Jully 30/10/2014minha estante
Eu também Bella Swan, ele é exatamente como eu imaginava...




Jé Oliveira 24/10/2014

Resenha para o blog "Books and Movies"
Outlander não é romance comum, ele não é nada parecido com os romances que temos visto por aí. Diana Galbadon criou um herói e dezenas de cenas verdadeiramente românticas que deve ser suficiente para satisfazer até mesmo o leitor de romances mais exigente, já a questão da viagem no tempo e algumas referências a bruxas e fadas deve ser do interesse dos leitores de fantasia e histórias paranormais. Outlander é um romance histórico repleto de detalhes da vida do século 18 nas montanhas escocesas, dentro e fora de um castelo, ele também relata alguns dos acontecimentos que levaram à Revolta de 1745. Diana Gabaldon mostra-se uma escritora incrível que mergulha profundamente na vida de seus personagens e da história em torno deles, pintando um quadro extraordinário que realmente transporta o leitor para outro tempo e lugar .

Claire é uma heroína incrivelmente forte, que às vezes pode ser um pouco ousada e audaciosa, mas no fundo ela é uma pessoa gentil e carinhosa. Ela se adapta surpreendentemente em um novo tempo e lugar, muito melhor do que a maioria das pessoas jamais conseguiriam se confrontados com o dilema dela. Claire é uma mulher muito inteligente, que usa cada grama de conhecimento à sua disposição para reverter sua situação. De alguma forma ela encontra a coragem para fazer escolhas difíceis em uma época em que as escolhas eram, por vezes, poucas ou inexistentes, especialmente para as mulheres, e para fazer o que precisa ser feito, quando necessário. Ela também é teimosa e persistente, mesmo em face de probabilidades quase impossíveis. O melhor de tudo, ela é um pilar de força para seu amado Jamie tanto quanto ele é para ela, e ela tem uma poderosa paixão subjacente que coincide com a dele.

Jamie, na minha opinião, é o melhor herói romântico que já foi escrito por um autor. Ele exibe tanto a força física e mental, bem como uma força de caráter, que vão acima e além de qualquer herói comum. Jamie também mostra um profundo respeito, não apenas por Claire, mas com todas as mulheres com quem ele convive, um verdadeiro cavalheiro em todos os sentidos da palavra. Por fora, Jamie é resistente como aço, suportando mais dor física do que qualquer pessoa jamais deveria sentir, enquanto no interior, ele é amável, gentil e sensível, muitas vezes, instintivamente sabendo coisas que os outros não o fazem. Ele é bem inteligente e bem-educado e muitas vezes lindamente poético em sua fala. Eu amava o jeito que ele estava sempre brincando com Claire. Jamie é simplesmente um personagem maravilhoso, um homem que ama desinteressadamente e com todo o seu ser.

Juntos, Jamie e Claire fazem um casal formidável, e é óbvio desde o início que eles são almas gêmeas. Não há mal-entendidos inventados entre eles, apenas honestidade, algo que é difícil de se encontrar nos romances atualmente. Eu amei a forma como a autora cria, além de uma paixão avassaladora, uma bela amizade entre o casal principal. Pode se dizer que a base do relacionamento do casal é a amizade que surge desde o primeiro encontro. O que é ainda melhor, porém, é como que a amizade continua a florescer e crescer mais e mais, mesmo depois que eles são casados. O nível de intimidade desses dois personagens é algo que raramente se vê em um romance, e mais do que pouco ou nada tem a ver com interlúdios sexuais. Durante os momentos em que Jamie e Claire estavam separados, mesmo por curtos períodos de tempo, eu simplesmente não podia esperar para ver eles juntos de novo, pois eles tem uma química tão forte que sempre que aparecem o leitor consegue sentir uma certa "eletricidade".

Os personagens secundários também são extremamente bem trabalhados e surpreendentemente bem construídos, mesmo aqueles que tem pequenas aparições. O aspecto viagem no tempo adiciona um certo charme a história e Gabaldon certamente pensou nas implicações de tal feito se fosse realmente possível. Cada cena simplesmente aumenta a riqueza de detalhes no livro, e não há nada que eu sentia que era excesso. O cuidado da autora ao juntar todos os elementos é impecável.

Sobre a diagramação e capa, não tenho palavras para descrever o quão belamente a Saída de Emergência conseguiu preparar esse livro. Todos os detalhes são perfeitos e o layout combina perfeitamente com a história, mais uma vez um mega parabéns para a editora.
comentários(0)comente



100 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7



logo skoob
"Se você não achar um livro lá, você pode cadastrá-lo. Isso é um diferencial, porque o acervo se torna ilimitado"

Gazeta do Povo