Faça seu login para ter acesso a todo conteúdo, participe também do sorteio de cortesias diárias. É rápido e gratuito! :) Entrar
Login
Livros | Autores | Editoras | Grupos | Trocas | Cortesias

A Viajante do Tempo

Outlander - Livro 01

Diana Gabaldon
Resenhas
Recentes
73 encontrados | exibindo 1 a 5
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15


Eri Guimarães 29/09/2014

E Se o Futuro Fosse o Passado?
Olá Galera BLA!

O livro de hoje é muito especial para mim. Josy me indicou e desde que li a sinopse eu confesso que não me interessei logo de cara pela história e ficava brincando sobre os possíveis chifres afinal, dois homens na parada, é de pensar besteira, não? Mas, isso mudou durante a Bienal.

Quando fomos ao stand da editora Arqueiro de onde o selo Saída de Emergência faz parte nos deparamos com um vendedor muito gente boa e que nos mimou muito com essa compra. Saímos de lá com duas camisetas do livro, bottons e mouse pad. Um luxo!

No dia seguinte, já vesti a camisa literalmente. Sem nem ao menos conhecer os personagens, já fui com a camiseta falando que meu status de relacionamento era esperar o Jaime Fraser e isso rendeu uma situação divertida. Na hora do almoço fui abordada por uma garota, que parecia falar com sotaque estrangeiro muito puxado. Ela apontava para minha camiseta e dizia Outlander de uma forma que nem a Josy e nem eu conseguíamos entender. Foi somente quando ela disse que amava o Jaime Fraser que entendi o ser e caí na risada. Mas, isso bastou para que minha curiosidade surgisse.

Quando a Bienal acabou, eu não perdi tempo e baixei os episódios disponíveis da série que foi lançada no dia 9 de agosto de 2014 pela emissora Starz e que alcançou 5 milhões de telespectadores apenas na primeira semana. E logo no primeiro episódio fui arrebatada, me apaixonando completamente pela trama e seus personagens.

E é assim, em surto psicótico de fã que venho lhes falar sobre esse livro, que antes mesmo de sua leitura já estava recebendo o Selo de Qualidade BLA. Acreditem, todas as expectativas que coloquei no livro foram não só alcançadas, como superadas.

O ano é 1945, Claire Elizabeth Beauchamp Randall está em sua segunda lua de mel com Frank, depois de quase seis anos quase sem contato por conta dos serviços dos dois para o exercito durante a Segunda Guerra Mundial. O local escolhido para isso? Inveness, nas Terras Altas.

A escolha do local para essa reaproximação não foi em vão. Frank é historiador e está pesquisando sua arvore genealógica, e antes de assumir o cargo de professor, resolveu ir atrás de registros de um antepassado que viveu uma época no local.

Em um clima de romance e aventura o casal Randall aproveitando o Beltane que é o festival da primavera dos povos antigos da região da Escócia vai até um monumento de pedras chamado Craigh na Dun, e lá presenciam um ritual de dança de druidisas.

Claire, por ser enfermeira, se dedica ao estudo da botânica, focado nas plantas medicinais. E ao ver uma flor na Craigh na Dun fica tentando decifra-la. Mesmo ao voltar para casa não consegue descobrir ao certo que flor é aquela e no dia seguinte acaba por voltar sozinha ao monumento de pedras.

E é ai que ela escuta como se fosse um zumbido de abelhas. Intrigada com o som e com o vento forte que toma a Craigh na Dun, Claire se aproxima da maior das pedras e então...

O ano é 1743, Claire se vê em meio a um confronto entre escoceses vestidos a caráter com seus kilts e armas e Dragões (guardas da realeza inglesa da época). Em um primeiro momento, a jovem acha que acabou caindo num set de gravação de um filme, mas logo em seguida ela se depara com Black Jack Randall o antepassado de seu marido, que é idêntico a Frank e começa a se dar conta de que na verdade viajou no tempo.

Black Jack Randall não tem absolutamente nada da gentileza e bondade de seu descendente e Claire se vê em grandes apuros até que um escocês estranho a resgata das mãos de Randall. E é assim que Claire se vê em meio aos homens do Clã MacKenzie e é levada para o Castelo Leoch.

No caminho para o Castelo, Claire acaba cuidando de um jovem ferido à bala no ombro, Jaime, e isso mostrou a todos que apesar das roupas ela não era uma prostituta da época. E justamente ao ajudar esse jovem, Claire consegue o melhor amigo que ela poderia querer nessa sitação.

Impossibilitada de voltar até Craigh na Dun para tentar viajar de volta ao seu tempo, Claire começa a trabalhar como médica/curandeira do lugar. Sua situação é delicada, pois os irmãos a frente do Clã Colum e Dougal MacKenzie suspeitam que ela é uma espiã inglesa.

Depois de muitos imprevistos e reviravoltas Claire se vê obrigada a casar com Jaime para proteger a própria vida. E é ai que a trama se complica. Claire conseguirá retornar ao seu tempo? Ela conseguirá evitar cair de amores por seu novo marido? Ela conseguirá se adaptar a esse novo mundo se decidir ficar?

Outlander foi um livro delicioso de ler ou melhor dizendo, devorar. Com 800 páginas divididas em sete partes, o texto é em primeira pessoa, sendo narrado por Claire. Cada uma dessas partes dá uma guinada na narrativa, como se fossem marcos na vida da protagonista. Além de dar um charme na história, esse recurso valorizou toda a trama.

Claire é uma inglesa de 27 anos. Sua criação foi diferente das mulheres de sua época. Seus pais morreram em um acidente quando ela tinha 5 anos, e desde então ela foi morar com seu tio Lamb que trabalhava como arqueólogo. Por conta disso, ela cresceu viajando pelo mundo e tendo contato costumes exóticos e isso, sem sombras de dúvidas, a ajudou a se adaptar a sua nova condição. É extremamente decidida e independente. Tem uma língua afiada e não abaixa a cabeça por nada, o que acaba a colocando em situações arriscadas. É um personagem muito realista, cheia de defeitos e qualidades que a enriquecem. É uma protagonista cativante por conta disso.

Jaime... Ah, Jaime! É um jovem de 23 anos que já passou por muita coisa. Sua cabeça está a premio por crimes que não cometeu o que o faz estar sempre se escondendo durante as viagens. É teimoso como uma mula empacada, extremamente corajoso e com um coração gigantesco e gentil. Sua sinceridade chega a ser cruel. Seu carisma é envolvente. É um personagem apaixonante. Com certeza ele é o motivo pelo meu surto de fã.

Claire e Jaime juntos são simplesmente perfeitos. Eles passam o tempo todo se provocando, brigando e se metendo em situações inusitadas. Mas, o relacionamento dos dois é algo incrível. A amizade entre eles nasce rapidamente. Mesmo o casamento forçado pelas circunstancias não a abalou. Eles são extremamente sinceros um com o outro.

O que mais curti foi o fato deles não se apaixonarem da noite para o dia. Ao contrário, o relacionamento deles foi conquistado um pouco a cada dia, à duras penas. E isso fez nascer um sentimento sólido e seguro. E totalmente crível.

Diana Gabaldon tem uma narrativa limpa, fluída, com um estilo bonito e apropriado para a época em que tudo se passa, mas sem ser extremamente formal. Ela é totalmente descritiva, impossível não imaginar os cenários que Claire descreve, a beleza dos lugares, os horrores de algumas situações e principalmente a miscelânea de sentimentos provocados por toda essa loucura.

Apesar de apresentar-nos um mundo completamente novo, com tradições, dialetos e costumes extremamente peculiares, tudo soa surpreendentemente natural. Ler a obra de Gabaldon é como escutar um relato de quem esteve, verdadeiramente, na Escócia de 1743.

Em alguns momentos achei o texto bem forte. A descrição de torturas, julgamentos, acidentes. Impossível não se arrepiar, enojar ou mesmo deprimir com alguns acontecimentos. A autora conseguiu elucidar sobre uma época em que a brutalidade e barbaridade eram algo inerente à sobrevivência humana.

Gabaldon mistura, em Outlander: A Viajante do Tempo, mitos religiosos, crenças, batalhas, amor, ódio e história, criando uma obra-prima singular. É algo completamente diferente de tudo que já li, e que conseguiu me envolver de uma maneira que poucas histórias fizeram, me fazendo perder noites de sono imaginando o que iria acontecer. Não há muito mais que eu possa dizer além de: comprem, leiam, e, como eu, se apaixonem por essa história magistralmente arquitetada. Muito além de recomendado!


site: http://literalmenteamigas.hol.es/
comentários(0)comente



Geraldo 18/09/2014

Reler é reviver
Desde que comecei ler obras que abordem o tema: viagem no tempo, percebi que é um dos meus preferidos. Por exemplo o livro: OPERAÇÃO CAVALO DE TROIA de J. J. BENITEZ e o livro LINHA DO TEMPO de MICHAEL CRICHTON. São os dois livros que arracaram todas as minhas noites, total era a vontade de terminar, pois a historia é incrível.
Esse não foi diferente. Diana Gabaldon nos presenteia com Claire que recém-casada com Frank, no período de 1945, a Segunda Grande Guerra termina e ela resolve passar sua lua-de-mel na Escócia. Lá resolve ver um ritual celta feito por mulheres num circulo de pedra, como se fosse em Stonehenge, e com isso ela volta no tempo em 1753 e conhece o jovem guerreiro escocês Jamie Fraser, com quem começa viver uma inesperada, tórrida e intensa paixão.
A autora constrói milimetricamente cada personagem e você, leitor, se apaixona pelo casal, vive todas as alegrias e tristeza dos dois numa narrativa deliciosa. Claire tem um grande trunfo, ela sabe do "futuro" de cada um, tem o conhecimento da medicina e essas sãos suas pouquíssimas armas para viver num período onde saber sobre ervas e curas é considerado bruxa.
Com uma escrita bem descritiva, porém adequada para nos transportar a Escócia de 1740, costumes, músicas, alimentação com uma dose enorme de erotismo e violência, violência tal que você se vê fazendo carente com as descrições das chicotadas que os personagens levam.
Um livro que vale muito a pena, passei varias tardes de sábado, varias idas e vindas de metro e ônibus, e sem duvida, um livro que achei que fosse ser água com açúcar virou o livro do ano.

CAPA: 10,0
PERSONAGENS: 10,0
CENÁRIOS: 10,0
NARRATIVA: 10,0
ENREDO: 10,0
DIAGRAMAÇAO: 10,0
DIÁLOGOS:10,0

NOTA FINAL: 10,0
comentários(0)comente



Rose 11/09/2014

Claire Randall é enfermeira do exército britânico e casada com o professor universitário Frank Randall. Depois de passarem 4 anos separados por conta da Segunda Guerra Mundial, eles resolveram viajar em férias, uma espécie de lua de mel atrasada, e escolheram a zona montanhosa da Escócia conhecida como Terras Altas.

Além do local não ter sido tão atingido ao longo da guerra, tem também o fato de Frank, um apaixonado por genealogia, está reconstruindo sua árvore genealógica e neste local ter vivido um antepassado dele.

Claire gostava de botânica, e enquanto seu marido procurava informações para sua pesquisa, ela se entretinha com as variedades de plantas.

Foi por conta de uma trepadeira de flores azuis que ela e Frank acabaram vendo um ritual no "Círculo das Pedra". Curiosa, voltou lá sozinha depois e acabou encontrando um "portal" que a transportou para as Terras Altas de 1743!

Isso mesmo, Claire foi parar quase 200 anos no passado, em um mundo totalmente diferente do que ela conhecia. Em uma Escócia bem mais violenta e dominada por clãs guerreiros.

Desnorteada e sem saber direito o que, ou como aconteceu, Claire acaba sendo salva pelos Mackenzie e vai parar no Castelo de Loth, um clã governado por Colum e Dougal. Por ser inglesa, eles estavam quase em guerra com os ingleses, ela foi vista com muita desconfiança. No entanto, devido as suas habilidades como enfermeira, acabou sendo encarregada de cuidar dos doentes e feridos.

Isso faz Claire se aproximar ainda mais do belo escocês Jamie, que acreditem, tinha o dom de viver se machucando...

A história de Jamie é muito triste. Ele é sobrinho dos Mackenzie e perdeu a mãe ainda pequeno. Sua mãe, que era irmã dos Mackenzie, casou-se com seu pai e ele foram morar em Lallybroch. Ele e Jenny, sua irmã, ajudavam o pai a cuidar das terras da família.

Tudo ia bem, até que soldados ingleses foram ao local liderados por Jack Randall (sim amigos, o antepassado que Frank estava estudando). Esta visita deixou marcas profundas em Jamie. Marcas que ele carregaria para vida toda, sem falar da culpa e impotência...

Depois deste episódio, Jamie ficou com a cabeça a prêmio. Vivia fugindo e escondido no castelo de seus tios. Mesmo assim, ele ainda tinha esperanças de provar sua inocência.

Os destinos de Claire e Jamie aos poucos e rapidamente foram se cruzando, assim como o de Jack Randall, qua apesar da semelhança física com Frank, era moralmente seu contrário.

Jack era frio e cruel. Abusava de seu poder e gostava de fazer os outros sofrerem. Asqueroso mesmo, do tipo que é preferível manter distância...

Claire estava em perigo, e para salvar-se, teria que se casar com Jamie. Em uma tentativa de retorno, cai nas mãos de Jack no Fort William. Ela estava em grande perigo...

Mas e seu marido Jack? O que estaria acontecendo 200 anos no futuro? O que estes acontecimentos do passado mudariam no futuro que Claire vivia e conhecia? Ela não tem muitas alternativas, para voltar para casa, antes de tudo tem que estar viva...

O problema é que cada dia que passa ao lado de Jamie, é um pedaço de seu coração que fica preso no passado. Ela sabe que está apaixonada por ele e não consegue evitar...

Para voltar para o futuro, Claire precisa de Jamie. Mas na hora H, se ela realmente puder voltar, será que terá forças suficientes de deixar este escocês? O que mudaria na história se ela ficasse de vez em 1743?

Ela tinha muitas dúvidas e medos. Seu coração estava totalmente dividido. Para piorar a situação, ambos estavam em uma situação muito delicada, podendo morrer a qualquer momento. Seria tão fácil apenas voltar e esquecer tudo...

Mas Claire é uma lutadora de sangue quente. Uma mulher que nasceu para ser livre e que não entregará os pontos tão facilmente.

Gente, o livro é incrível! Achei o começo meio chato, mas logo me envolvi com o enredo e me vi devorando as 800 páginas. Sim, 800! Apesar de ter gostado muito do livro, como disse, achei o início chato. Também achei que Claire aceitou calmamente a passagem do tempo, eu no lugar dela teria "surtado". Também achei que ela levou "na boa" a consumação de seu novo casamento. Tudo bem que o noivo em questão era Jamie, e acreditem, acho que qualquer uma levaria na boa... Mas ela amava mesmo o marido, queria voltar, então achei esta "luta interna" um pouco simples demais, não sei explicar direito, foi um sentimento que tive enquanto lia.

A autora conta tudo muito bem. Descreve suas cenas e conseguimos visualizá-las mentalmente por todo o livro. Na minha opinião, algumas partes poderiam ser puladas, mas isso também pode ter sido ansiedade minha para ler tudo mais rápido. Fato é, que mesmo com estes "poréns", o livro é ótimo!

Claire pe dura na queda. Valente, não desiste diante das dificuldades e nem fica chorando pelos cantos. Em uma época totalmente diferente da sua, a coragem dela é fundamental.

Jamie é valente e corajoso. Um ogro e um doce de brigadeiro. Inteligente e honesto, está disposto a dar sua vida por aqueles que ama. Ele abre mão de tudo para ver Claire bem e feliz.

Muitos fatos abertos para o próximo volume. Muita coisa aconteceu e ainda vai acontecer. Só posso dizer mais duas coisas:

1. Leiam!

2. Que o volume 2 não demore!



site: http://fabricadosconvites.blogspot.com
Line 17/09/2014minha estante
AMiga, eu já te disse que amooo essa série?? não??pois adoro Outlander e desejo demais tê-la na minha estante..adorei sua resenha, ficou perfeita pois você retratou bem a hitória..parabéns...




@APassional 07/09/2014

A Viajante do Tempo * Resenha por: Rosem Ferr * Arquivo Passional
Paixão, ousadia e coragem em uma trama arrebatadora...

Sob o arquétipo do Guerreiro escocês, eroticamente selvagem, rebelde, entretanto de lealdade mortal, Gabaldon nos insere de forma magistral em um neo romantismo épico mesclado de paganismo, folclore e fatos históricos que abrange oito livros até o momento, este é o primeiro da saga.

Por meio de sua protagonista/heroína Claire Randall, somos guiados de uma Escócia pós II Guerra Mundial, praticamente intocada, aos resquícios de um ritual pagão que a lança através de um lendário portal à Escócia do século XVIII, em plena crise diante da possível revolta jacobita.

A narração em 1ª pessoa sob o ponto de vista de Claire, é fluída apesar das inúmeras descrições de lugares, pessoas, hábitos, comidas e principalmente ervas medicinais, já que ela [uma enfermeira] irá descobrir-se como uma curadora ou quase bruxa, mas principalmente como mulher nesta nova realidade a qual por inúmeros motivos terá que, a princípio, adaptar-se.

Entrementes, no decorrer dos capítulos a narração é amplificada por diálogos irônicos e passionais, graças a tempestuosa personalidade escocesa, mas sobretudo frente a teimosia da protagonista inglesa [desbocada, atrevida e ferina] deixando evidente que Claire está bem longe do esteriótipo submisso da mulher escocesa:

Maldito, vá para o inferno! - berrei batendo com a mão no chão, frustrada. Fez-se outro momento de silêncio escandalizado e, em seguida, enquanto eu tateava no escuro procurando as pontas soltas da atadura, ouviram-se novos comentários a respeito da minha linguagem nada feminina. [pag.80]

Clãs, disputas por terras e poder, conspirações, intrigas, bruxaria, traições, fugas espetaculares, companheirismo, lealdade, confrontos mortais e um herói como nunca existiu:

Jamie Fraser [que provoca milhares de suspiros...]

O Protagonista Jamie é TUDO, reúne qualidades e defeitos na dose certa para torná-lo quase palpável, mas creio que é seu romantismo e coragem que fisgam as leitoras [sua dedicação a Claire é impressionante, suas escolhas heroicas, seu sacrifício em nome do amor], sem falar que é belo, viril e selvagem com seus estonteantes olhos azuis, imaginem agora ele empunhando com habilidade uma espada de um metro de altura é para poucos hein? Hahaha!

O antagonista, que persegue Jamie e depois Claire, é Black Jack Randall, ou seja, um ancestral do marido de Claire [sim ela tem um marido do outro lado do portal, um professor, que aparentemente é um Lord], no entanto Black Jack é violento, inescrupuloso, vingativo, cruel, preparem-se para ficar muiiiito revolts com ele, e odiá-lo perpetuamente... Rrrrrrrrrrr [usando nossos punhais].

Com jornadas dentro de jornadas, diversos personagens, inúmeras situações típicas da época, sonhos premonitórios, superstições, corpetes e saiotes, punhais e gigantescas espadas, muiiiiiiiiiiiito sexo Hehehehehe... vamos fazer a travessia das lendárias Terras Altas, vagando por trilhas na floresta e acampamentos ao luar e num piscar de olhos, estamos dedilhando uma fantasia medieval com uma Dama a ser Salva ou seria o Cavaleiro, ou seria uma troca, ou será a possibilidade de nós leitores redescobrirmos o que é o amor?

Em minha opinião Diana Gabaldon é uma das grandes damas da ficção histórica, sua trama é magnífica. Pois, se nos quedamos tontos ao devorar 800 páginas em poucos dias, é apenas para logo em seguida recobramos os sentidos para clamar à SdE Brasil:

Precisamos muiiiiito...do Livro dois!!!

SENSACIONAL como tudo que é: BANG!
By Rosem Ferr.:.

Resenha publicada no Blog Arquivo Passional em 07/09/2014.


site: http://www.arquivopassional.com/2014/09/resenha-outlander-viajante-do-tempo.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
Nay 14/09/2014minha estante
Como assim?Quase não tem diálogos?Poucos,do tipo quase nada? rsrs




73 encontrados | exibindo 1 a 5
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15



Publicidade


logo skoob beta
"o Skoob oferece um espaço com comentários e críticas que lhe servirá de amparo antes de qualquer leitura."

Outro Lado