A Viajante do Tempo

Diana Gabaldon



Resenhas - A Viajante do Tempo


93 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


Resenhas Teen. 21/11/2014

A viajante do Tempo
Oie pessoal!

Hoje trago a resenha do livro Outlander: A Viajante do Tempo, da autora Diana Gabaldon, lançado pela editora Saída de Emergência Brasil, cortesia da mesma.

Bom posso garantir quem em suas 799 páginas não são o suficiente para saciar nossa curiosidade e muito menos nosso vício em livros!

Mas para a nossa alegria e alívio se não estou enganada esse livro faz parte de um a trilogia o que significa que temos mais dois livros para devorar!

O livro, acho que alguns já devem conhecer ou já devem ter lido também, mas do mesmo jeito vou contar um pouco da história espero que amem ele tanto quanto eu!

A história se passa em dois tempos, uma no presente e a outra no passado, ela conta a história de Claire, uma enfermeira da grande guerra que após ficar seis anos ou oito (não lembro certo que feio!- risos) longe de seu marido Frank, eles decidem por fazerem uma viajem para a Escócia, mas parece que nem tudo ocorre como o planejado.

Claire é transportada para a antiga Escócia, onde os homens ainda usavam Kilts, e seus costumes eram outros!

Lá Claire descobrirá qual é o seu verdadeiro futuro, e conhecerá seu verdadeiro amor, e como diz a frase de efeito do livro: E se o seu futuro fosse o passado?

Descobriremos nesse livro muitos significados para as palavras: amor, família, companheirismo e sinceridade.

Amei ler esse livro, pois somos apresentados a um país de culturas diferentes, de épocas diferentes, e com ele aprendemos muitas coisas.

A autora segue aquela narrativa lenta, mas rápida ao mesmo tempo, ela muitas vezes diversifica sua narrativa entre uma cena e outra, por exemplo, quando era uma cena de ação ela narrava mais rapidamente, e quando era uma descrição de algo ou de algum costume ela narrava mais lentamente.

Ah algo que é bom citar é que o livro tem mais texto do que diálogos, mas esses textos são muito bons, pois nos apresentam como era as coisas antigamente, o que eles faziam, quais eram as suas leis, e os casamentos esse achei muito interessante, e algo engraçado dos Escoceses é que por mais que muitos digam que não é o Kilt não passa de uma saia! risos só a única coisa um pouco estranha de se acostumar é que eles não usavam nada por baixo, era só o Kilt e eles!

Enfim, não tenho muito que falar desse livro, pois quanto mais eu citar sobre os acontecimentos do livro, mais spoilers soltarei! risos!

Espero que amem esse livro tanto quanto eu, pois ele tem tudo para virar um Best-Seller!

Até uma próxima,
Bjs, Nay =D

site: www.resenhasteen.blogspot.com
comentários(0)comente



Elma 14/11/2014

Decepção
Comecei a ler o livro depois que vi os primeiros episódios da série de TV do canal Starz. Gostei muito da série, e estava gostando muito do livro até que alguns fatos começaram a me incomodar bastante. Lá pelo meio do livro, o protagonista espanca a heroina, como um "castigo" e logo depois, um dia, ela a violenta. Pesadamente e com uma descrição detalhada no livro que me perturbou em níveis estratosféricos. Vi comentários de que o livro é todo levado assim, e que é tido como consensual, mas a impressão que me passou foi que não, não é. Várias vezes a heroina diz não, pede para ele não bater e parar, até brigam. Enfim, foi uma decepção enorme, pois os personagens são bons a princípio e a história também, mas não dá para ler um livro que prega a violencia contra a mulher. Se você quer ler, primeiro sabia do conteúdo. A editora deveria colocar isso bem claro pois muitas pessoas podem se sentir incomodadas ao ler. Quanto a série de TV, aparentemente não tem tanta violencia e dizem que vão tirar as partes de abuso, espero que sim. Seria uma das poucas vezes que a serie seria muito mais proveitosa que o livro.
comentários(0)comente



Nina 07/11/2014

Outlander
O que dizer de Outlander? Eu já esperava que o livro fosse bom, mas depois que comecei a ler percebi que se tratava de uma das melhores fantasias que já li. Ação, emoção, aventura, romance, erotismo, conspiração tem de tudo no enredo. E o mais interessante, é uma fantasia só no que diz respeito à viagem no tempo, pois todo o restante é extremamente realista, plausível e condizente e imagino que Diana Gabaldon fez uma tremenda pesquisa para poder ambientar tão bem seu livro no século XVIII, tanto histórica quanto politicamente.

O livro é dividido em seis partes que são marcos no desenvolvimento do enredo e que organizam as principais reviravoltas do enredo. A narrração é em primiera pessoa pelo ponto de vista da Claire e é tão vívida e poética que consegue nos transportar no tempo e nos espaço, direto para a Escócia de 1743. O único problema é que é muito, muito, muito detalhista, Gabaldon descreve cada cena, cada movimento, cada gesto dos personagens e acaba pecando pelo excesso de detalhes e a leitura fica um pouco cansativa.

Entretanto o grande diferencial do livro são os personagens que possuem uma profundidade e um realismo chocante. São muito humanos e não simples mocinhos e bandidos, todos erram e acertam conforme suas experiências e fica fácil se identificar com eles. Mas é claro que o destaque fica para o casal protagonista Claire e Jamie, que são hilários juntos e que controem uma história de amor e cumplicidade imbatível. Primeiro eles se tornam grandes amigos e amor vai vindo com tempo, devagar. Eles não se apaixonam do dia para noite e sabem a diferença entre o amor e o desejo.

Claire é personagem feminina perfeita para essa história. Ela foi enfermeira durante a Segunda Guerra Mundial e isso faz com que ela reúna conhecimentos (e estômago) necessários para se virar bem como médica no passado. Por ter ficado tanto tempo entre os soldados, ela se adapta rapidamente no clã MacKenzie e consegue se fazer respeitar pelos homens dali. Teimosa, forte e corajosa, ela não hesita em tomar decisões e a lutar pelo que quer e sempre tem resposta para tudo na ponta da língua.

Já Jamie é a síntese de tudo o que a gente sonha! Forte, honesto, sincero, corajoso, leal aos seus princípios e à sua família e, além de tudo lindo! E o mais interessante, é que ele consegue ser tudo isso sem deixar de ser um típico escocês turrão do século XVIII, com toda aquela marra característica da época. É praticamente impossível não se render aos seus encantos e eu confesso que suspirei várias vezes enquanto lia, kkkk.

Só uma coisa me incomodou muito com relação a Jamie: ele sofre demais! Ele é espancado a cada cinquenta páginas, ao vivo ou em suas memórias. O rapaz apanha tanto que nem sei como Claire conseguiu remendá-lo tantas vezes. Agora juntem esse constantes espancamentos à narrativa detalhista de Gabaldon e você terá cenas de embrulhar o estômago. E isso deixou uma pergunta que não quer se calar ecoando na minha cabeça: por que criar um dos mais atraente, sexy e apaixonante personagem que já tive o prazer de ler para massacrá-lo assim? Teria Diana Gabaldon tendências sádicas?

Mas, brincadeiras à parte, foi uma leitura inesquecível e o livro é um forte concorrente para o Top 10 2014. Mesmo com os excessos (tanto de detalhes quanto de surras no pobre Jamie, rsrs) a história nos prende com suas conspirações políticas e romance na medida certa. Dificilmente o leitor se manterá imune ao chame de Jamie, digo, de Outlander.

A história foi adaptada para a TV e se transformou em uma série que estreou em agosto nos Estados Unidos e teve o envolvimento da própria autora na produção. Eu ainda não vi, pois queria ler o livro primeiro, mas estou muito curiosa para ver.

site: http://www.quemlesabeporque.com/2014/11/outlander-viajnate-do-tempo-diana.html#.VF0QfTTF9H8
comentários(0)comente



Evelin 06/11/2014

Algumas observações sobre o livro
Conheci o livro através da série de TV e resolvi lê-lo porque fiquei muito curiosa para saber o que iria acontecer. Sem dúvida, a série de TV é muito superior ao livro. Gostei de todas as mudanças, inclusões e recortes que os roteiristas fizeram em relação à história original.

A escrita da Diana é bem fraca, além do excesso de descrições, alguns diálogos cansativos e repetitivos, parágrafos desnecessários que parecem que não chegarão a lugar algum, cenas que soaram inverossímeis... Pulei várias partes. Mas o livro tem os seus méritos: a dedicação da autora em suas pesquisas, a questão histórica e social acrescentada ao enredo, a cultura celta e escocesa, entre outros.

Mesmo com os contras que citei, não senti nenhuma vontade de abandonar o livro (quando não gosto, abandono sem pena). E provavelmente lerei o próximo volume, pois gostei da trama. Apenas poderia ser melhor estilisticamente falando.
comentários(0)comente



Greice Blogando 03/11/2014

Uma ótima viagem no tempo!
Claire Randall está retomando seu casamento após passar algum tempo como enfermeira durante a segunda guerra mundial e seu marido Frank lutara por sua terra. Claire era inglesa e estava passando umas férias merecidas nas Terras Altas na Escócia no ano de 1945. Claire sempre adorou botânica e tinha grande interesse no conhecimento de plantas nativas enquanto seu marido buscava mais informações sobre seus ancestrais, tentando cada vez mais formar uma grande árvore genealógica. Claire sabia que o que seu marido mais desejava era ter filhos, mas também sabia que isso não seria possível por problemas sofridos há muito tempo.

Claire não tinha mais família. Seus pais morreram cedo e seu tio Lamb a levara a muitos lugares pelo mundo. Mas agora restara somente Frank Randall. Frank estava totalmente absorto em saber que um capitão renomado do exército inglês era seu parente. Jonathan Randall conforme constava em arquivos, lutara a favor de seu país e se mostrava um homem bom e honesto.

Quando Claire fora passear com o vigário da região, conheceu as pedras de Craigh na Dun, um conjunto de pedras conhecido como um monumento megalítico, um círculo de pedras que muitos diziam ser poderoso pelo mundo afora. Com isto, Claire e Frank resolveram voltar e conhecer aquele lugar belo. Mas quando Claire voltou no dia seguinte, o que se seguiu foi um rompante que jamais imaginara: foi parar no passado, no ano de 1743.

De início não conseguia descobrir o que estava acontecendo. Sabia que os homens vestindo seus kilts eram escoceses mas aquilo não poderia ser real. Até ser encurralada por um homem enorme e cruel. Seus olhos transmitiam o pavor e quando Claire ouviu seu nome, quase desmaiou. Aquele era Jonathan Randall.

Aos poucos o mundo de Claire foi sendo desperto por novos personagens. Foi salva pelos escoceses e sabia que o que precisava fazer era voltar para o círculo de pedras para retomar sua vida. Mas nada funcionava. Agora estava com um grupo de escoceses com nomes estranhos, mas que mostravam lutar com um ideal pelo seu povo. No bando estava Dougal, Rupert e Murtagh, e também um rapaz forte porém ferido, Jamie.

Aos poucos Claire que não se identificava com o sobrenome Randall, e sim com seu sobrenome de solteira Beauchamp, Foi conhecendo o estilo de vida daquela época: os clãs, a alimentação, a guerra entre os países, a ideia de revolução. E Jamie. O homem que despertava nela uma compaixão e uma euforia por ser tão forte e tão ingênuo ao mesmo tempo. Contam as pessoas que sobrevivera por muito pouco á fúria do capitão Randall e agora precisava fugir o tempo todo e não podia mais voltar para sua casa e para seu clã.

Mas as suspeitas de que uma espiã estava invadindo o clã agora caía sobre Claire. Como explicar sua aparição tão repentina? Como explicar que era inglesa e estava ali diante deles e a seu favor? Capitão Randall também estava a sua caça e não somente de Jamie Fraser. Entregá-la poderia acometer em sua morte. Assim, a única solução seria transformá-la em uma escocesa, casando-se com Jamie. Mas o que ninguém imaginava era que o encanto entre eles acontecia há algum tempo.

Jamie precisava voltar para sua casa, para sua terra Lallybroch. Era arriscado mas além da saudade que sentia de sua irmã, precisava ver como estavam seus bens. E foi numa emboscada que Jamie foi capturado e levado às mãos de Randall. A angústia e a dor são os flagelos de sua alma e o que mais aconteceu com Jamie foi seu sofrimento ser rompido com toda fúria. Após a fuga foi levado de volta onde um dia foi curado e agora a incerteza estava com ele. Seria capaz de se curar e seguir adiante mesmo com a ajuda de Claire? Seria Claire capaz de não voltar para sua vida? A dor os dividiu e agora pode não os unir mais.

O que falo sobre o livro?

Quando recebi Outlander para ler e peguei ele nas mãos pensei: "Caracas, tudo isso de páginas? E se for um livro chato?". Quando comecei a ler, depois de umas 70 páginas dei risadas porque percebi que a leitura seria muito boa, pois fazia bem o meu estilo. Muitas vezes eu fico com medo de livros extensos porque se a pessoa que escreve não souber entreter na leitura, vai cansar e eu vou acabar não conseguindo sair do lugar. Mas como eu amo livros com fatos históricos e que remetam ao passado!

E é exatamente isto que acontece. Se você iniciar o livro e pensar que ele é meio narrativo demais, continue porque ele vai ter muita coisa pela frente e a leitura vai te levar a um mundo cheio de vida, de novidades e de fantasias. E não é uma fantasia do estilo que não existe e sim uma fantasia que você sabe que foi verdade.

Pela leitura eu pensava que os cenários não seriam tão ruins até pelo fato de que quando nossa mente ainda não viu um fato de verdade, podemos imaginar de qualquer forma. Tinha momentos em que pensava como é que poderia ser a janela daquele castelo? Como alguém conseguiria viver assim? Achei fantástico todo o trajeto da narrativa.

Colocar um romance entre a personagem principal e Jamie Fraser logicamente era mais do que necessário, pois assim cria uma ligação lógica entre o passado e o presente e leva a autora a ter motivos para viajar a diversos lugares utilizando muitas jogadas sobre reinos e clãs e não ficar somente em um só lugar. É muita criatividade.

Uma coisa que me incomodou e sei que também muita gente se perguntou sobre isto é o fato de Jamie ser um rapaz novo e sofrer tanto no livro. Claro que ele passa como um homem forte e audacioso, mas o fato de como ele sofre diversas emboscadas ou adversidades me faz pensar nele mais como um super herói. Alguns momentos ficam realmente exagerados.

Para quem ainda não sabe, Outlander se tornou um seriado com poucos episódios, até mesmo para ver a reação do público e agora está confirmado para a segunda temporada.
Ainda não assisti a nenhum episódio porque não quero confundir o personagem que construí com os escolhidos para a atuação, mas pelo que vi, muitos são bem idênticos ás características narradas no livro.

Outlander pelo que vi é uma saga que está no oitavo livro e logo a Saída de Emergência Brasil lança o segundo volume, já definido. Aproveite este tempo e leia o primeiro volume para não se arrepender de conhecer um mundo tão fantástico e cheio de aventura.

site: www.amigasemulheres.com
gustavo 03/11/2014minha estante
A série não foi com poucos episódios,são 16,só que dividiram o primeiro livro{primeira temporada) em duas partes,a primeira parte já foi,8 episódios e a segunda parte,do meio para o final do primeiro livro volta apenas em 8 de abril,e sim,foi confirmada a segunda temporada,que cobrirá o segundo livro,A libélula no ambar.


Greice Blogando 04/11/2014minha estante
Obrigada Gustavo pela correção. Vi que tinham sido poucos e que depois ia ter a volta, assim como você explicou. Não que a série fosse ruim, mas acredito que eles quisessem realmente dividir os livros.




Viviane Martins 28/10/2014

Outlander - A Viajante do Tempo
Claire é inglesa, tem 27 anos e é casada com Frank Randall, que é professor universitário e pesquisador também.

Depois de muito tempo servindo com enfermeira durante a Segunda Guerra Mundial, ela e Frank resolvem fazer uma segunda lua de mel na Escócia.

Chegando em Inverness, nas Terras Altas, Frank vai atrás de informações de sua árvore genealógica. E é durante essas pesquisas que Claire, perambulando pela cidade se depara com um circulo de pedras, parecido com Stonehenge, na colina de Craigh na Dun.

Ao se aproximar do circulo depois de presenciar um ritual antigo, Claire, se vê passando por uma fenda do tempo, e voltando em nada mais nada menos que 200 anos no passado.

Totalmente perdida e desnorteada com a viagem, ela se vê tentando achar logica para estar em uma Escócia de 1743. Quando acaba esbarrando em um grupo de homens de Kilts, que na duvida se ela era uma espiã inglesa, uma prostituta ou bruxa, acabam levando para um lugar desconhecido.

Com o decorrer dos dias, Claire acaba se adaptando a época e seus costumes, mas em nenhum momento esquece que precisa sair do domínio do Clã Mackenzie e tentar voltar para a sua própria época.

Mas claro que surgem muitos imprevistos e grandes reviravoltas que fazem com que ela repense o que realmente deseja fazer...voltar para sua vida e voltar a viver seu casamento, vou continuar onde esta e viver um novo e grande amor...

Só queria deixar bem claro que esse pequeno resumo, é exatamente isso, pois tudo o que falei não chega nem na metade do livro.

Esse livro pode ser categorizado como fantasia, apesar de o único momento que algo de fantasia acontece é durante a viagem do tempo, e romance de época. Para quem gosta de história, pode até ver que boa parte da história é bem realista, plausível e condizente, com o período histórico e o local onde tudo acontece. O que a meu ver é mais um ponto a favor, pois mostra que existiu toda uma pesquisa...

A narração é toda em primeira pessoa, Claire, e é dividida em seis partes, que são como se fossem partes da história muito importantes para a nossa protagonista. Esse detalhe ajudou a deixar a história bem organizada.

A escrita da Diana é totalmente envolvente, fazendo o leitor conhecer um novo mundo, com diferentes tradições, linguagens e culturas, e ainda passando a impressão de estar ouvindo a história de uma pessoa que viveu na época.

Os personagens são outro ponto positivo. Cada um possui uma personalidade forte e bem definida, principalmente Claire, que não é a típica mocinha, ela enfrente seus medos e coloca a cara a tapa quando era preciso, o que muitas vezes colocou ela em encrenca rs. E claro não posso deixar de falar de Jamie, extremamente brincalhão quando necessário, mas também ele sabia a hora de vestir a camisa do típico herói rs. Essa combinação não poderia em resultar em um casal perfeito para a história.

O relacionamento dos dois, não acontece de forma apressada. É torna tudo tão bonito, primeiro acontece à amizade e depois vai mudando conforme vão se conhecendo.

A autora consegue passar com riqueza de detalhes, os sentimentos no decorrer da história, sem nos poupar dos detalhes sórdidos. É tudo tão bem amarrado, que no final não fica praticamente nenhuma ponta solta.

A diagramação segue o padrão da editora, o que de forma alguma decepciona. A revisão foi impecável, pois não encontrei nada que atrapalhasse a leitura.

Eu não vejo hora de chegar dia 05/11 para poder ter o segundo livro. Então se depois disso tudo vocês ainda estão na duvida se o livro é bom ou não, o que me resta fazer é dizer LEIAMMM rsrs.

site: http://www.devoradoreshistorias.blogspot.com.br/2014/10/li-e-comento-outlander-viajante-do-tempo.html
comentários(0)comente



Jully 25/10/2014

O melhor livro que já li
Emocionante, um livro que te cativa do começo ao fim. Sem contar que você começa a se imaginar como Claire e o que ela passa....não posso continuar escrevendo sem dar spoiler....mas vale a pena. Ansiosa por ler o restante. E a série não foge do que a autora escreve, simplesmente demais !!!!!
Bella Swan 27/10/2014minha estante
Li esse livro faz um tempo, agora estou vendo o seriado nem dormi a noite vendo, amo o fato do Jamie ser perfeito. S2


Jully 30/10/2014minha estante
Eu também Bella Swan, ele é exatamente como eu imaginava...




Jé Oliveira 24/10/2014

Resenha para o blog "Books and Movies"
Outlander não é romance comum, ele não é nada parecido com os romances que temos visto por aí. Diana Galbadon criou um herói e dezenas de cenas verdadeiramente românticas que deve ser suficiente para satisfazer até mesmo o leitor de romances mais exigente, já a questão da viagem no tempo e algumas referências a bruxas e fadas deve ser do interesse dos leitores de fantasia e histórias paranormais. Outlander é um romance histórico repleto de detalhes da vida do século 18 nas montanhas escocesas, dentro e fora de um castelo, ele também relata alguns dos acontecimentos que levaram à Revolta de 1745. Diana Gabaldon mostra-se uma escritora incrível que mergulha profundamente na vida de seus personagens e da história em torno deles, pintando um quadro extraordinário que realmente transporta o leitor para outro tempo e lugar .

Claire é uma heroína incrivelmente forte, que às vezes pode ser um pouco ousada e audaciosa, mas no fundo ela é uma pessoa gentil e carinhosa. Ela se adapta surpreendentemente em um novo tempo e lugar, muito melhor do que a maioria das pessoas jamais conseguiriam se confrontados com o dilema dela. Claire é uma mulher muito inteligente, que usa cada grama de conhecimento à sua disposição para reverter sua situação. De alguma forma ela encontra a coragem para fazer escolhas difíceis em uma época em que as escolhas eram, por vezes, poucas ou inexistentes, especialmente para as mulheres, e para fazer o que precisa ser feito, quando necessário. Ela também é teimosa e persistente, mesmo em face de probabilidades quase impossíveis. O melhor de tudo, ela é um pilar de força para seu amado Jamie tanto quanto ele é para ela, e ela tem uma poderosa paixão subjacente que coincide com a dele.

Jamie, na minha opinião, é o melhor herói romântico que já foi escrito por um autor. Ele exibe tanto a força física e mental, bem como uma força de caráter, que vão acima e além de qualquer herói comum. Jamie também mostra um profundo respeito, não apenas por Claire, mas com todas as mulheres com quem ele convive, um verdadeiro cavalheiro em todos os sentidos da palavra. Por fora, Jamie é resistente como aço, suportando mais dor física do que qualquer pessoa jamais deveria sentir, enquanto no interior, ele é amável, gentil e sensível, muitas vezes, instintivamente sabendo coisas que os outros não o fazem. Ele é bem inteligente e bem-educado e muitas vezes lindamente poético em sua fala. Eu amava o jeito que ele estava sempre brincando com Claire. Jamie é simplesmente um personagem maravilhoso, um homem que ama desinteressadamente e com todo o seu ser.

Juntos, Jamie e Claire fazem um casal formidável, e é óbvio desde o início que eles são almas gêmeas. Não há mal-entendidos inventados entre eles, apenas honestidade, algo que é difícil de se encontrar nos romances atualmente. Eu amei a forma como a autora cria, além de uma paixão avassaladora, uma bela amizade entre o casal principal. Pode se dizer que a base do relacionamento do casal é a amizade que surge desde o primeiro encontro. O que é ainda melhor, porém, é como que a amizade continua a florescer e crescer mais e mais, mesmo depois que eles são casados. O nível de intimidade desses dois personagens é algo que raramente se vê em um romance, e mais do que pouco ou nada tem a ver com interlúdios sexuais. Durante os momentos em que Jamie e Claire estavam separados, mesmo por curtos períodos de tempo, eu simplesmente não podia esperar para ver eles juntos de novo, pois eles tem uma química tão forte que sempre que aparecem o leitor consegue sentir uma certa "eletricidade".

Os personagens secundários também são extremamente bem trabalhados e surpreendentemente bem construídos, mesmo aqueles que tem pequenas aparições. O aspecto viagem no tempo adiciona um certo charme a história e Gabaldon certamente pensou nas implicações de tal feito se fosse realmente possível. Cada cena simplesmente aumenta a riqueza de detalhes no livro, e não há nada que eu sentia que era excesso. O cuidado da autora ao juntar todos os elementos é impecável.

Sobre a diagramação e capa, não tenho palavras para descrever o quão belamente a Saída de Emergência conseguiu preparar esse livro. Todos os detalhes são perfeitos e o layout combina perfeitamente com a história, mais uma vez um mega parabéns para a editora.
comentários(0)comente



Clara 22/10/2014

Resenha Outlander: A Viajante no Tempo
Esse é o primeiro livro da coleção Outlander da autora Diana Gabaldon. Sinceramente, porque não li essa coleção antes? ADOREI!!! Devo dizer que comecei a ler após ver o primeiro episodio da serie, essa por sinal que se mostrou fiel ao livro e com um elenco impecável!!

O livro começa em 1946, no pós-segunda guerra mundial, contando a história de Claire, uma inglesa de 27 anos que serviu na guerra como enfermeira e de seu esposo Frank Randall, professor universitário que também lutou na guerra. Como tinham se visto muito pouco durante o conflito, assim que a guerra acabou resolveram fazer uma segunda lua de mel para que pudessem se reconectar e decidiram fazer uma viagem para a Escócia.

Uma das grandes paixões de Frank é a genealogia, com isso ele aproveitou a viagem para conhecer mais sobre seus antepassados. Um deles era o Black Jack Randall Capitão do 8º Regimento de Dragões de Sua Majestade. E em meio a essa busca por informações Claire e Frank descobriram um circulo de pedras Craigh na Dun e testemunham uma cerimônia druida, da qual ficaram extremamente encantados.

Claire por sua vez é muito interessada em botânica, na realidade seu maior foco são em elementos da natureza que possam servir ou auxiliar na cura de alguma enfermidade e como na sua primeira visita ao circulo de pedras não pode analisar com precisão as plantas do local ela resolveu voltar lá e acabou tocando em uma das pedras e viajando no tempo indo parar em 1743 na Escócia Pré-revolução jacobita restauração da dinastia Stuart. Após ser salva de um possível estupro, passou a ser hospede do clã dos MacKenzie, digo hospede, pois devido a sua situação de ser uma estrangeira e eles não conhecerem absolutamente nada sobre ela, obviamente todos tinham um pé atrás e a tratavam como uma possível espiã inglesa.

Daí para frente a história fica cada vez melhor e repleta de detalhes e situações. Uma das coisas mais geniais para mim é que são duas épocas diferentes dentro da mesma história, e nenhuma se passa atualmente, então as indumentárias, as descrições das paisagens locais, costumes e culturas são bem pontuados em ambos os períodos e vemos nitidamente o choque cultural vivido pela Claire. E para dar mais profundidade são usados alguns termos em gaélico.

A saga de nossa protagonista é muito intensa, pois além de ser tudo novidade ela vive em uma constante busca por sobrevivência e tentando voltar para sua época. Mas o fato é que, em meio a tudo isso, ela passou a conhecer melhor as pessoas ao seu redor e as circunstâncias passaram a determinar e exigir posicionamentos extremos.

Alguns desses fatos foram bem óbvios, pois de cara já imaginávamos o que iria acontecer entre os personagens Claire e Jamie Fraser sobrinho do chefe do clã dos MacKenzie, fugitivo, lindo, um querido, ruivo, forte, alto, cabeça dura tá bom parei hahahaha porem a forma como a coisa toda se deu foi muito interessante, pois o desenrolar do relacionamento e a intensidade de emoções de ambos. Nossa!!

O Jamie é algo a parte, ele é muito rígido com suas convicções, é um homem de palavra, forte e luta com unhas e dentes pelo o que acredita. É muito amor num personagem só!! Heheheheh.. Fora que li os livros já visualizando ele como o Sam Heughan!!!

É interessante que os personagens estão sempre em uma linha tênue entre o bem e o mau, pois eles são muito humanos e com personalidades fortes e em muitos momentos se veem em situações das quais os fins podem vir a justificam os meios e que certas atitudes mesmo erradas podem suprir as necessidades naquele momento. As vezes ficamos com raiva de alguns personagens, mas a narrativa trata de nos mostrar os por quês e as reviravoltas são super válidas. OK, mas nem tudo se justifica né, Capitão Black Jack Randall?

A narrativa é muito envolvente, os mistérios referente a viagem no tempo e a própria aventura em si faz com que o livro aguce nossa curiosidade e eu realmente recomendo a leitura.

Sassenach.

site: http://nomeumundo.com/2014/10/22/resenha-outlander-a-viajante-do-tempo/
comentários(0)comente



Thaisa 21/10/2014

Uma fantástica fantasia romântica...
Ao analisar a sinopse desse livro, de uma maneira superficial, ele parece não ter nada interessante Esse é verdadeiramente um ledo engano. Optei por não escrever o texto contido na orelha do livro por ele conter muitos spoilers e achei melhor deixar que a imaginação do leitor seja aguçada com a minha resenha. Preciso dizer que Outlander juntamente com Claire me tirou totalmente de minha zona de conforto.
Esse livro é o primeiro de uma série de 8 livros. Como todo bom livro fantástico ele contém muitas e muitas páginas para nos deliciar com a narrativa envolvente da autora. Adoro livros de fantasia, mas ainda não havia lido nenhuma fantasia histórica. Me encantei pelas Highlands, pelos escoceses e costumes desse povo na época em que se passa toda a aventura. Me envolvi completamente com a história e apesar das suas 800 páginas não senti o tempo passar conforme ia lendo.

Confira a resenha completa no blog Minha Contracapa:

site: http://minhacontracapa.com.br/2014/10/resenha-outlander-a-viajante-do-tempo-de-diana-gabaldon/
comentários(0)comente



Elis 21/10/2014

Uma autora que após conquista o leitor, o deixará abalado devido a sua incrível maneira de desenvolver uma história com maestria. Mas não pense que somente irei gavar essa obra, porque como muitas, ela tem pequenas falhas. #calma

Bem confesso que no princípio enquanto Claire estava com Frank, eu me perguntava onde estava a parte boa da história, já que o achei totalmente sem sal e sem graça. Uma pessoa que não aprecia uma outra, que diz amar da devida maneira, perde o encanto. A viagem dela através do tempo, para mim ficou mal explicado também, no entanto da para deixar passar. O caso de ela não pirar, ao se encontrar em outra época, também me deixou meio assim. Mas digamos que ela seja, uma pessoa muito centrada. Para mim foram esses os pontos falhos.

Agora vamos a parte boa. Conhecer o personagem Jaime Fraser, nos deixa suspirando pela beleza, coragem e heroísmo que ele vai nos revelando durante as páginas. Dougal e seus homens acabam levando Claire para o castelo do clã Mackenzie, após salvá-la de Jonathan Randall, antepassado de seu marido Frank. E ela se vê enrolada nesse mundo paralelo, tentando voltar para seu marido, mas tantas coisas acontecem que mesmo ela tendo medo de modificar o futuro, por ter um conhecimento que eles não o têm, ela vai se prendendo as pessoas daquela época. E descobrindo que seu coração pode ter encontrado outro caminho.

Durante a leitura eu pensava que estava vivendo dia a dia com eles, tamanha a forma que a escritora nos transporta para o livro. Foi triste pensar no sofrimento que as pessoas naquela época sofriam, e as injustiças causadas, o tema bruxaria também era tratado de uma maneira muito cruel, assim como a desobediência a um superior ou até mesmo marido. Ouve momentos em que eu queria matar alguns personagens, admirem-se Jaime conseguiu me tirar do sério ao ponto de eu ter de parar um momento a leitura, pois queria matá-lo. Mas Diana Gabaldon é tão incrível, que até após isso ela nos faz reverter nossos sentimentos. Capitão Randall é o personagem mais detestável que já encontrei, ele tira qualquer leitor do sério. Houve partes lindas de amor e reencontro familiar, que mereceram cada sorriso que disponibilizei.

Quando cheguei ao final da leitura, minha vontade era gritar, porque queria engatar o segundo volume, mas a autora não me permitiu, porque para lê-la, ela exige exclusividade, digo, que não posso ler livros em paralelos, pois ela tomaria o tempo das outras leituras. Então o segundo volume terá de esperar um tempo, mas admito em alto em bom som, que foi maravilhoso descobrir tal obra.


site: http://amagiareal.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Nana 20/10/2014

Farei um desabafo, porque preciso colocar para fora toda a minha admiração por uma das minhas séries favoritas, sendo tanto em formato literário quanto na tv. Atualmente a série Outlander da Diana Gabaldon vem gerando um certo burburinho entre os antigos fãs e os novos graças a adaptação da série pela Starz. Faço parte da vanguarda que tem os livros lançado pela editora Rocco - que infelizmente acabou desistindo dos direitos e agora, a série retorna ao Brasil sendo relançada pela Saída de Emergência com todo o carinho e capricho que a história da aventura de Claire Randall merece. E não é para menos já que toda a trama é rica em detalhes históricos, lealdade, confiança e muito, muito romance.

Mas vamos ao que interessa. Em 1945, no final da Segunda Guerra Mundial, a enfermeira Claire Randall volta para os braços do marido após trabalhar como enfermeira nos campos de batalha, e agora está tentando refazer a vida ao lado de Frank. Tudo o que ela mais queria era finalmente ter um lar para chamar de seu e levar uma vida modesta, sem contratempos, para esquecer os horrores pelos quais passou.

Continue lendo a resenha no blog: @UpLiterário

site: http://upliterario.blogspot.com.br/2014/09/outlander-uma-viagem-para-as-terras.html
comentários(0)comente



Leitora Viciada 14/10/2014

A Viajante do Tempo é o primeiro volume da série Outlander, escrita por Diana Gabaldon. Originalmente publicado em 1991, o livro teve sua primeira edição em 2004, pela Editora Rocco. Esta é a nova edição, publicada pela Saída de Emergência Brasil, responsável agora pela saga.
A mudança já ocorre na capa, muito mais bonita e convidativa. A diagramação e a qualidade do material do exemplar é a mesma dos livros da Coleção BANG!, ou seja, páginas levemente amareladas, com boas margens e fonte confortável. Particularmente, gosto muito do padrão que a Saída de Emergência Brasil possui.
Há alguns anos tenho estado de olho em Outlander, pois a mistura de romance histórico com protagonistas femininas fortes me atrai. No entanto, sempre deixava a compra do livro para depois, porque os exemplares eram caros e a série, extensa. É importante um pouco de tempo para dedicar-se a uma saga longa, especialmente se ela é histórica.
Ao ver que Outlander seria republicada no Brasil, resolvi esperar pelas novas edições.
Passei uma semana mergulhada na incrível trama de Diana Gabaldon e agora estou fascinada por sua criação. O livro começa um pouco lento, mas como os acontecimentos são interessantes, segura o leitor. Conforme a leitura progride, a narrativa torna-se irresistível e eletrizante. Antes o que parecia dispensável torna-se essencial. É notável, após o término, que o início não pode ser classificado como uma amostra de todo o estilo do livro, pois o enredo é desenvolvido excelentemente a partir da metade para o final. A progressão e o desenvolvimento são naturais, mas nítidos. São muitas reviravoltas e a autora é criativa, sempre introduzindo novidades.
Inicialmente eu pensava se não seria um exagero a crítica positiva e os inúmeros elogios feitos à Outlander, pois, embora bem escrito, o livro não parecia excepcional nos primeiros capítulos. Então, de repente, fui arrebatada e percebi o porquê de A Viajante do Tempo ser, para muitos, um dos melhores romances já lidos.
Estou apaixonada por Outlander e minhas expectativas para o próximo volume são tão altas que priorizarei sua leitura, além de encaixar a série de TV à minha rotina. Desejo verificar o quanto ela é fiel.

Para ler toda a resenha acesse o Leitora Viciada.
Faço isso para me proteger de plágios, pois lá o texto não pode ser copiado devido a proteção no script. Obrigada pela compreensão.

site: http://www.leitoraviciada.com/2014/10/a-viajante-do-tempo-outlander-1-de.html
comentários(0)comente



Telma Myrbach 12/10/2014

Eu queria ser um neurônio ...
Arrebatador!!!!

Queridos....

Acabei de ler esse livro nesse momento. Ainda estou com as personagens dentro de mim!

Mais do que me apegar aos personagens, vivi-os... e vivi com eles.
Esse livro é MA-RA-VI-LHO-SO!

Tudo o que penso agora é: "eu queria ser um neurônio de Diana Gabaldon, para ver como se processa o pensamento em sua mente brilhante"!

Há tempos eu queria ler esse livro e seu relançamento pela Saída de Emergência foi providência divina...rs

Vamos à história e escrita ou vou ficar aqui, boquiaberta, por tempo demais e vocês não merecem! ;)

Imagine-se como Claire Randall (nossa heroína), me contando sua história.

O ano é 1945, você é enfermeira, casada e está em segunda lua de mel com seu marido, em Inverness (eis uma foto de Inverness e o Lago Ness, que é o que vê agora), observando das ruínas


e recompondo, mentalmente, a história da Escócia e Inglaterra, passeando pelas ruazinhas tranquilas e desfrutando da hospitalidade e do misticismo do local.

Sem saber como é possível e num piscar de olhos, você é transportada a 1743 (opa! 2 séculos atrás! Século 18!) e tenta encontrar todas as explicações possíveis do mundo racional e não as encontra.

No meio da guerra entre Inglaterra e Escócia, sendo de origem britânica, você é acusada de ser uma espiã Inglesa, pelos escoceses e ao mesmo tempo, é vista de maneira suspeita pelos Ingleses já que não consegue explicar suas origens.

Enfim... um pesadelo pra você, não é?

Sem saber como voltar para a segurança do século 20 e para os braços do seu marido, você vive uma dia atrás do outro, tentando adaptar-se a um mundo e uma era, onde as mulheres são subjugadas, usadas, estupradas e desrespeitadas, dia após dia, até que consiga encontrar uma maneira de voltar.

Nesse mundo, não há apenas a guerra e um povo que luta por sua independência e outro por conquistas... você faz amizades e, dentre elas, conhece Jamie, que é tanto quanto possível, seu protetor e anjo da guarda (além de ser um gato... *suspiro*) e começa, depois de alguns dias a ficar dividida entre os dois mundos, duas eras, duas vidas, dois amores... enfim... você é surpreendida diariamente (de maneira positiva e negativa) e fica abusadamente confusa. Natural, né?

Exato!

Essa é parte da história de Claire Randall e, apesar de discordar de muitas de suas atitudes, eu estou apaixonada por ela e apaixonada por Jamie e por tantos outros personagens marcantes, bem construídos (inclusive psicologicamente). Eu estou lá! Eu não quero voltar agora e meu livro acabou!
Fechar a última folha parece ser voltar ao século 21 e, eu não queria que isso acontecesse agora!

O jeito é "engolir meu bico" e esperar o volume 2, pelo qual já estou ansiosíssima! cujo título é "A Libélula presa no Âmbar".


Outlander é forasteiro, em Inglês.
Sassenach é como Claire é chamada pelos Escoceses.
Sassenach é o mesmo que Outlander.
Os Escoceses são Highlanders (moradoras das terras altas)
E eu sou uma Fanlander, que é como eu defino uma fã de Diana Gabaldon!

SUPER INDICO!!!

A escrita de Diana Gabaldon é maravilhosa, sua habilidade de descrever eventos criados por ela, associá-los a eventos verídicos e históricos é excepcional!

ESTOU ENCANTADA!

PS.: Pode conter erros gramaticais e/ou ortográficos. Resenha ainda não revista.

site: http://surtosliterarios.blogspot.com.br/2014/10/resenha-outlander-viajante-do-tempo.html
comentários(0)comente



TamiresCipriano 12/10/2014

#1 - Outlander, a viajante do tempo
Este é o livro que vai entrar para um dos melhores do ano de 2014 com toda certeza, me apaixonei com cada capítulo, com cada página de Outlander.

Claire é enfermeira e esposa de Frank Randall, professor universitário. Passaram muito tempo separados por conta da segunda guerra mundial e com isso, decidem ir a um local da Escócia chamada Terras Altas, para uma lua de mel atrasada.

Frank como um grande amante da história, fica admirado com seu ancestral e com o que descobre sobre ele, além de tudo, ele reconstrói sua árvore genealógica e fica muito feliz por saber mais de seu parente distante, o Jack Randall.

De um lado temos uma enfermeira apaixonada por botânica, Claire, e de outro temos um professor universitário admirado com os seus antepassados, Frank.

Certo dia eles vão a uma montanha onde há um círculo de pedras, acabam presenciando um ritual e ficam de boca aberta de como é feito bem sincronizado.

No dia seguinte, Frank pede a Claire que vá ver se houve algo depois do ritual, uma fogueira ou resquícios de que algo ocorreu ali, ela também aproveitou para buscar uma muda de planta que ela queria estudar, mas não contava que as pedras iam começar a falar sozinhas, gritar como se estivessem em guerra, foi chegar perto e acabou sendo transportada para as Terras Altas, só que foi á 200 anos antes do ano do século em que estava.

"A voz dos meus pensamentos parecia a de tio Lamb. Minha família e tudo que eu conheci como amor quando era criança. Um homem que nunca me falara de amor, que nunca precisara, porque eu sabia que ele me amava, tão certo como eu sabia que estava viva. Porque onde todo o amor existe, não há necessidade de palavras. É tudo. É imortal. E se basta." Pág 742.

Em um local desconhecido, ela acaba se juntando com o clã dos Mackenzie onde era liderado pelo Colum e Dougal.

Jamie que a salvou das garras de Jack Randall, acabou sendo seu melhor amigo, ele tinha um especial dom de se machucar sempre. Como ela era uma enfermeira, o provável aconteceu, cuidava de todos seus ferimentos e ajudou o castelo com os feridos, era mais conhecida como Sassenach.

Não demorou muito para que Claire se apaixonasse por Jamie, houve até casamento para que Randall não a levasse... Devem estar se perguntado, mas não seria o certo já que era o ancestral de seu marido? Não! De forma alguma, Jack Randall era cruel, foi ele que deixou marcas em Jamie e agora, o homem que lembra Frank, é o homem que ela mais odeia.

Será que Claire vai consegui voltar para o círculo de pedras? Será que irá conseguir voltar para o seu século? Será que seria capaz de deixar seu grande amor, Jamie, para trás?

E SE O SEU FUTURO FOSSE O PASSADO?

O livro é magnífico, como eu disse, entrou para um dos melhores do ano, Outlander é lindo, cheio de aventuras e romance.

Conheci mais da cultura, das atrocidades praticadas no século XVIII e como eu agradeço por estar anos mais a frente. Claire conhece uma pessoa que também é do futuro, graças aos seus conhecimentos de cura e sua adaptação fácil, ela consegue viver normalmente, mesmo sabendo que logo irá ocorrer uma guerra...

O livro é lindo, mas achei que Claire aceitou fácil o casamento com Jamie, que estava no meio de pessoas mais antiquadas e em um local cheio de guerras, também achei que ela não lutou muito para chegar ao local das pedras e nem demorou tanto para aceitar facilmente outro homem em seu coração.

A autora arrasou com o livro, a leitura é bem agradável, apesar do início meio chato, as descrições dos locais são perfeitos, conseguimos realmente ultrapassar os duzentos anos e imaginar como é, juntamente com Claire.

A editora caprichou na capa, a fonte é ótima e as páginas amareladas também deixam mais agradável de se ler.

Leiam, eu indico e espero que o próximo livro não demore muito.

Saibam mais no blog:

site: http://de-tudo-e-um-pouco.blogspot.com.br/2014/10/resenha-outlander-viajante-do-tempo.html
comentários(0)comente



93 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7



logo skoob
"Skoob faz sucesso e dobra em número de usuários e obras cadastradas todos os dias"

IG Tecnologia