Uma Princesa de Marte

Uma Princesa de Marte Edgar Rice Burroughs




Resenhas - Uma Princesa de Marte


34 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3


Antonio Luiz 11/08/2010

A tataravó de Neytiri
O sucesso desta obra, publicada em capítulos a partir de fevereiro de 1912, incentivou Burroughs, balconista na papelaria do irmão, a iniciar uma carreira de ficcionista aos 35 anos. Dos 86 livros que publicou, o mais popular é Tarzan dos Macacos, de outubro do mesmo ano, mas os onze da série Barsoom –nome dado pelos marcianos de Burroughs a seu mundo – talvez tenham sido ainda mais influentes na história da cultura de massas.

Uma Princesa de Marte é mãe de Superman, bisavó de Star Wars e tataravó de Avatar. John Carter, ex-capitão confederado convertido em garimpeiro, é acuado por índios em uma caverna do Arizona e despacha-se para Marte ou Barsoom com uma viagem astral ao pé da letra. Ali encontra gigantes verdes de quatro braços e salva de suas garras a corajosa princesa da avançada cidade de Helium (gás nobre, como Krypton), após batalhas em que pistolas de raios e naves voadoras contracenam com espadas, estranhas montarias e monstros ferozes. Ajudam-no a amizade do gigante verde Tars Tarkas – seu Chewbacca, por assim dizer – e o fato de vir de um planeta de maior gravidade, o que o faz superforte pelos padrões locais.

Como todo o seu bravo e nobre povo, a bela princesa Dejah Thoris – futuro par romântico do herói, claro – é ovípara e tem a pele não azul, mas vermelha como a dos nativos prestes a escalpelar o racista Carter. Quase um século antes de James Cameron, Burroughs usou a fórmula de idealizar uma raça exótica, colocá-la bem longe e tirar-lhe os sinais de realidade e imperfeição, mas não a ponto de deixá-la dispensar os serviços de um militar estadunidense.



comentários(0)comente



The Old Man 16/04/2010

O início de tudo
Esta incrível história é a primeira de muitas aventuras que John Carter enfrenta em um planeta desvastado por guerras, habitado por feras brutais num ambiente inóspito.

Narrado em primeira pessoa, John Carter nos conta a infeliz tentativa de recomeçar sua vida após o fim da Guerra Civil Americana. Fugindo de indígenas, ele tenta se refugiar numa caverna, mas vê-se subitamente transportado para outro planeta.

Os primeiros habitantes de Marte que John Carter conhece são os ferozes tharks. Guerreiros por natureza, gigantescos e de hábitos muito diferentes dos conhecidos por Carter, estes monstros acabam por capturá-lo. Mas logo John Carter tem a oportunidade de provar seu valor e coragem, ganhando respeito e admiração de alguns membros desta temível raça.

Enquanto tenta compreender os costumes de seus "anfitriões", ele conhece Dejah Thoris, a princesa de Helium. De uma raça completamente diferente dos tharks, seu físico é semelhante aos terráqueos, apesar do tom cobre-avermelhado de sua pele. John Carter, sempre um cavalheiro que luta pelo bem e pelos valore sem que acredita, protege a princesa dos maus-tratos de seus captores.

Numa história repleta de reviravoltas fantásticas, uma flora exuberante e fauna completamente diferente de tudo que já se imaginou, Edgar Rice Burroughs prende nossa atenção enquanto viajamos por terras estranhas junto com o capitão John Carter, um herói que certamente cativará terráqueos e marcianos.
comentários(0)comente

Koneko-chan 17/04/2010minha estante
Haha, adorei a parte de John Carter ser "um herói que certamente cativará terráqueos e marcianos". Meu irmão, você vai me levar à falência com essas resenhas, sabe? :P



Quero muito ler \o/




Diego Matos 23/03/2012

Um livro referência para um gênero
É impressionante ao ler um livro que foi publicado há 100 anos, pode ser tão atual. Com um texto simples e fluido repleto de ação, descritivo apenas ao necessário, "Uma Princesa de Marte" é um espetáculo de aventura e ficção cientifica.
Nos levando um Planeta que faz justiça a seu "Deus Patrono", onde a civilização local é marcada por povos em constantes conflitos bélicos. Nos trás um protagonista brilhante, com uma construção psicológica fantástica e divertida. Dividido entre dois mundos. Alguém que dedicou uma vida em busca de um objetivo em sua terra natal, mas é surpreendido ao encontrar o amor em um planeta distante.
O livro é diversão garantida não só para aficionados por ficção cientifica, mas também para aqueles que gostam de uma história com bastante ação e aventura.
comentários(0)comente



Amadeu 28/01/2015

Isso aqui sim, é space-opera!
O grande mérito de Uma Princesa de Marte é o ritmo frenético em que Burroughs consegue escrever, ao mesmo tempo, nos imundar com informações muitas vezes precisas da geografia marciana – o que é mais impressionante se levarmos em conta que o livro foi escrito em 1912!

Um roteiro clássico de space-opera e muita, eu disse muita? Mas bota muita imaginação do autor.

Embora o John Carter seja aquele sujeito fodástico a gente logo cria empatia por ele, que além de fodástico e um sujeito extremamente humilde e cheio de honra.

Todo um universo imaginário é descrito com precisão sobre homens, seres inteligentes, flora, fauna, espaçonaves, barcos, geografia, construções e etc.

O final do livro dá aquela sensação de tristeza por ter acabado e tantas coisas ainda por acontecer e, ao mesmo tempo, uma euforia grande para seguirmos para o próximo livro.

Gostei muito!!!!!
comentários(0)comente



Raissak 18/11/2020

Simplesmente amei, a escrita bem construida e o jeito que ele retrata as coisas do mundo que fazem você imagina-lo com muita clareza . O autor do livro é muito criativo, teve idéias brilhantes e a história em si é muito atrativa. E por ultimo amei os personagens.
Lua criss 18/12/2020minha estante
Você me falou tanto desse livro que agora tou curiosa pra ler?


Raissak 18/12/2020minha estante
Kkkkkk amo?




Roberto Oliveira 03/04/2020

Livro para sair da ressaca literária!!!
Eu estava em uma ressaca literária de 2 meses, lendo de maneira arrastada Cosmos e Inteligência Emocional. Quando um livro chamou minha atenção, ao ler os comentários na Amazon fiquei intrigado devido a muitos leitores terem achado o livro chato e previsível. Fiz a compra mesmo assim, já tinha assistido o filme Jonh Carter entre dois mundos e tinha gostado da história na verdade estória (rsrs). Esse livro foi um divisor de águas, resgatou o meu leitor quase adormecido. Super recomendo a todos.
comentários(0)comente



Henrique.Alves 28/02/2020

Clássico
A história de John Carter e Dejah thoris foi escrita a mais de 100 anos mas ainda hoje encanta gerações pela criatividade, a narrativa épica e toda complexidade política e social que há na sociedade barsoomiana
comentários(0)comente



Mrs Luna 05/09/2020

Algumas aventuras em Marte
John Carter, Capitão John Carter, é um guerreiro da Vírginia que participou da guerra civil e não pode dizer que foi um sucesso sua bravata.
Juntamente com um amigo de guerra, eles encontram uma mina para escavar e assim fazerem sua fortuna, porém ao ir buscar ajuda para conseguirem completar sua empreitada e seu amigo acaba indo para uma aldeia de índios, e ao tentar salvar seu amigo John se vê em uma enrascada e ao entrar em uma caverna ele acaba sendo teletransportado para Marte, onde vive muitas aventuras em meio aos marcianos, já que sua estrutura óssea o permite que de saltos altos e socos extremamente fortes, capazes de derrubar os marcianos, que tem 2,50m de altura um dos mais baixos.
Lá ele encontra a possibilidade de ser um herói mesmo estando entre os marcianos verdes, com uma cultura totalmente diferente, até mesmo a sua reprodução não é a mesma que os humanos.
Para quem quer uma ficção científica, que não tenha muitos termos e uma criação de mundos complexa, Uma Princesa de Marte é uma boa pedida para quem quer começar a entrar nesse mundo fantástico.
E em 2013, exatamente 101 anos depois da publicação do livro pelo Sr. Edgar Rice Burroughs, a senhora Walt Disney trouxe essa história para as telonas no filme intitulado "John Carter Entre Dois Mundos".
Já aviso que não é uma reprodução totalmente fiel, sendo incluídas algumas coisas que não existem no primeiro livro, mas é uma produção muito boa e com um design gráfico que não deixa a desejar.
comentários(0)comente



Alustriel Silvermoon 14/01/2019

Nunca existiu um homem como Jonh Carter!
O perfeito Jonh Carter, irremediavelmente apaixonado pela perfeita princesa Dejah Thoris! Eu sei que tenho que levar em consideração a época em que o livro foi escrito, mas não posso negar que tanta perfeição e necessidade de suspensão de descrença me incomodaram. O universo criado pelo autor, bem como as espécies e seus costumes são as coisas mais interessantes da leitura, porém o protagonista aprender, a ponto de falar fluentemente, uma língua alienígena em 30 dias foi um pouco demais para mim. Jonh Carter é um herói idealizado, pronto para socorrer sua princesa, também idealizada, a qualquer custo. Para alguém que chegou até o livro pelo filme, acho que este último, mesmo com seus defeitos, resolveu bem algumas questões da obra que ficaram datadas. No mais, tive dificuldade no começo da leitura, já que o primeiro terço é muito arrastado, contudo, da metade para o final a aventura engata e senti curiosidade pelo fim da jornada. O final deixou um bom gancho para a continuação e me peguei querendo ler o próximo volume, mas não urgentemente. Se desconsiderar toda a idealização e alguns pequenos absurdos, é um bom livro, mas nada excepcional.
comentários(0)comente



Adriana 02/10/2012

Uma Princesa de Marte é uma daqueles livros que você desconhece a existência até que vem a Disney e lança uma super produção baseada nele. Foi assim que descobri esta obra de Edgar Rice Burroughs, lançada originalmente em 1917 e que rendeu duas adaptações cinematográficas: uma de 2009 lançada diretamente em vídeo, intitulada Princess of Mars e a mais recente, deste ano, chamada John Carter: Encontro entre dois mundos.

Se não fosse pelo aviso na capa do DVD eu não saberia que John Carter era uma adaptação de um clássico. Achei que o livro lançado pela Fantasy este ano é que era o original. Porém, ele é apenas mais um baseado em um roteiro de filme (e pelas minhas experiências recentes com A Garota da Capa Vermelha e Branca de Neve e o Caçador, não deve ser muito bom).

Este clássico da literatura americana tem como protagonista John Carter, mais conhecido como Capitão Jack Carter, da Virgínia. Ele é um personagem sagaz, inteligente e bem humorado, que conta em uma espécie de diário suas aventuras nos dez anos que passou em Marte (o.O)! Isso aí! O homem afirma que foi parar no planeta vermelho, mas sabe que seria ridicularizado pelo povo da Terra, já que este tem uma mente muito limitada para o desconhecido. Por isso, deu ordens expressas para seu sobrinho Edgar Rice Burroughs de que só revelasse seu manuscrito 25 anos após sua partida.

Carter lutou na Guerra Civil e saiu condecorado e sem nenhum tostão. Por isso, decidiu ir em busca de ouro, junto com um colega. Eles acabaram encontrando uma caverna imensamente rica neste metal, fato que logo foi muito comemorado. Porém, os dois caíram em uma emboscada de índios e depois de uma longa perseguição, John acaba sozinho em uma caverna estranha que até mesmo aqueles índios temem. Lá acontece uma coisa incrível: Carter é transportado para Marte simples assim!

Claro que o personagem não sabe que está em Marte logo de cara. Ele percebe que se encontra em uma planície muito ao longe do que deveria e que não reconhece a vegetação e o solo. Outra coisa muitíssimo curiosa é que, ao tentar andar, ele dá pulos gigantescos, que o elevam a mais de 50 metros do solo. Chocante, no mínimo!

Depois de ser capturado pelos temíveis homens verdes de Marte e de descobrir que definitivamente não está mais no nosso planeta (já que aqui não existem homens verdes com quatro braços e mais de 3 metros de altura), ele percebe que pode ter uma arma valiosa contra aquele homens tão malévolos e frios. O fato de ter nascido e sido criado em um lugar com gravidade muito maior que a de Marte faz com que seus músculos estejam preparados para matar um homem de lá com apenas um golpe. Isso além do fato de poder pular para alturas inimagináveis.

Ele tenta sobreviver e aprender os costumes daquele estranho povo guerreiro, até que descobre que não são só os marcianos verdes que habitam o planeta… A princesa Dejah Toris é capturada em uma das incursões dos verdes contra naves de Helium e John Carter descobre que pode ficar aos pés de uma filha de dez mil jeddaks com muito prazer pela vida inteira. Dejah Toris é linda, estonteante e muito forte. Uma mulher pela qual John Carter vai viver muitas aventuras e perigos.

Edgar Rice Burroughs é um gênio na arte da criatividade. Sua obra é repleta de personagens variados: culturas, personalidades e formas diferentes, todos se entrelaçando em uma linda história de amor e muita aventura.

Isso sem falar no narrador e protagonista: John Carter é um ótimo companheiro neste saga. Ele é espirituoso e engraçado, além de ser muito parecido com qualquer pessoa comum. Enquanto conta as peripécias vividas no planeta vermelho ele dá suas próprias impressões daquele lugar e daquela gente, que poderiam muito bem ser as minhas, se eu fosse parar lá…

“Pelo menos em um aspecto os marcianos são um povo mais feliz: eles não têm advogados.”

John Carter

Com toda certeza, é um livro que recomendo para todos os públicos, de todas as idades. O livro é muito gostoso de se ler, tem uma história super interessante e é divertido pra caramba!

Adorei e recomendo!

Resenha em http://mundodaleitura.net/?p=4891
comentários(0)comente



João 03/04/2013

O que se vê na saga de Barsoom, livro um
Uma princesa de Marte, livro que nos remete a um planeta que muito se especula a vida. Escrito há quase cem anos, o livro continua até os dias de hoje algo bom e divertido para se ler.
De inicio, você pensa que a narrativa pula muitas partes, ou omite alguns detalhes, e isso chega até a comprometer a ação do livro.
E se você viu o filme John Carter antes começar a ler, provavelmente você o achará abaixo do nível do filme durante boa parte da leitura. Porém, o final, irreverente no filme, nos surpreende no livro. Um final mágico que nos instiga a ler a sequencia do livro, "Os Deuses de marte".
John Carter é um herói por excelência, e aborda as questões que aparecem a ele em um novo mundo com extrema astúcia, inteligencia, cavalheirismo e heroísmo. John Carter não foge da batalha, não é mentiroso e nem covarde, mas, sobretudo, não é assassino.
O livro nos faz refletir sobre o certo e o errado, e os problemas de marte coincidem em diversas vezes nos problemas típicos de nossa própria raça, a humana, tão distante de Barsoom.
Uma belíssima obra de ERB, merece aplausos afervorados dos leitores ao fim de seu livro. Nunca vi um livro ser tão implacável ao dizer indiretamente: "Compre a minha sequencia".
lolla 11/09/2013minha estante
Muito bem dito, a série é espetacular!




Renan 04/08/2011

John Carter
História apaixonante, Herói inspirador e um belo romance, O livro tem tudo que é preciso para ser uma boa história, e o faz muito bem, porém nos últimos capítulos o desenvolvimento da história sofre um pouco pois o autor parece agilizar muitos embates e encurtar "caminhos alternativos" o máximo possível para que se chegue logo ao grande desfecho, uma pena que seja assim, mais ainda assim consegue ser muito bom, com um final que deseja somente a desejar a leitura do próximo volume.
comentários(0)comente



Emanuel.Simoes 10/07/2016

Um dos grandes clássicos da ficção científica. Considere que foi escrito no século XIX e falava sobre vida em outros planetas, teletransporte, tecnologias futuristicas.
Fundamental aos amantes do gênero.
Tem sua cadeira junto ao Verne e Wells.
comentários(0)comente



Dan 10/05/2012

Resenha: Uma Princesa de Marte
"Sou um homem muito velho. P quanto, eu não sei. É possível que eu tenha cem anos, talvez mais, mas não posso calcular porque nunca envelheci como os outros, ou sequer lembro de minha infância. Por mais que tente me lembrar, sempre fui um homem, um homem de uns trinta anos. Minha aparência hoje é a mesma de quarenta anos atrás, talvez mais, mesmo assim, sinto que não viverei para sempre, que algum dia morrerei a verdadeira morte da qual não há ressurreição. Não sei por que eu deveria temer a morte. Eu, que morri duas vezes e continuo vivo. Mas continuo tendo o mesmo medo de alguém que, como você, nunca morrei antes. E é por causa desse terror pela morte que, acredito, continuo tão convencido de minha mortalidade." Pág. 13.

No dia 3 de março de 1866, John Carter e seu amigo, Powell, partem em uma aventura, porém Powell é capturado e assassinado por índios selvagens. Numa empreitada maluca John resgata o corpo do amigo e foge, se refugiando numa caverna. Depois descobre estar totalmente paralisado, mas consciente, a caverna devia liberar um gás paralisante. John sente que não está sozinho e que um 'ser' também encontra-se nas profundezas daquele refugio. Os índios perseguem John e não entram na caverna com medo daquela 'coisa'.

Totalmente indefeso, John faz um esforço sob humano para tentar sair daquele estado, inexplicavelmente ele está nu, olhando para o próprio corpo no chão, mas vivo, sente que seu coração ainda bate. Atordoado sai correndo...

"...Minha atenção foi rapidamente desviada por uma grande estrela vermelha próxima do horizonte distante...
Meu desejo ultrapassa qualquer obstáculo. Fechei os olhos, estiquei meus braços em direção ao deus de minha vocação e senti-me atraído, com a rapidez do pensamento, através da incomensurável imensidão do espaço. Houve um instante de frio extremo e absoluta escuridão...". Pág. 28.


John acorda simplesmente me Marte, descobre que tem uma força extrema, totalmente diferente da Terra, devido a atmosfera. Também possui a capacidade de dar longos saltos.

Mal chega à Marte e é capturado por cruéis guerreiros verdes de aparência monstruosa, acaba matando líderes em autodefesa e ganha o posto do guerreiro que matou.
Com muita sorte John sobrevive e aprende os costumes bárbaros daqueles seres estranhos, encontra uma aliada e um grande amor. Dejah Thoris, princesa de Helium, cuja aparência era humana, mas diferia em seu tom de pele, sendo levemente vermelha. Apaixonado, luta bravamente contra seus inimigos, enfrenta situações lastimáveis e segue pensando em sua amada, conhecendo culturas, povos e animais inimagináveis.

Adorei o livro, porém a forma que John foi parar em Marte e o final do livro ficaram nebulosos, nos deixando com a imaginação solta. Devorei em dois dias, super recomendo. Como vim saber esse é o primeiro de uma série de onze livros, que ainda não foram publicados no Brasil. Espero poder conferir o filme, comparando-os, e tirar minhas próprias conclusões.
comentários(0)comente



San 24/11/2012

Uma Analise do Ontem e do Hoje na Literatura
Uma Princesa de Marte, escrita pelas mãos saudosas de Edgar Rice Burroughs, torna clara onde surgiram as ideias para os clássicos de ficção-científica do cinema que conhecemos hoje. Como Star Wars (George Lucas), Star Trek (Gene Roddenberry), Avatar (James Cameron) e outros. A clara diferença entre a literatura moderna e a clássica é percebida de cara na incessante narrativa de Burroughs. Ele apresenta uma história de um amor romântico tão forte, beirando o neoclássico, onde se originou grandes dramaturgos como William Shakespeare. Onde seus personagens que beirando a loucura da paixão faria tudo para conquistar o coração de sua amada e manter-la protegida e distante de tudo e todos. Esse é um dos pontos mais negativos do livro, onde se sobrepõe essa paixão louca de John Carter por Dejah Thoris, deixando de lado os detalhes que fariam a história mais rica em detalhes. Aparentando que a história passada em Marte só é um pretexto para que haja esse amor, sendo ele possível de recriar em qualquer outro lugar do planeta Terra, era só criar algum empecilho de alguma cultura diferente da Americana.

Por trás desse amor ininterrupto, somos apresentados as estranhas raças de marcianos, chamadas Tharks. É nesse momento, quando Carter é capturado por eles, que ele começa se vangloriar por seus poderes maravilhosos, sua veracidade, sua masculinidade, seu lado macho Alfa. E como SÓ ele poderia conquistar a mais desejada mulher daquele planeta. Fica claro a ideia de superioridade do macho sobre a fêmea nesse livro, uma ideia original na época, suprida por Burroughs em varias partes de sua narrativa. Onde a pobre e indefesa mulher deve ser protegida pelo poderoso guerreiro e ele por sua vez ter o direito de proclamar a mão dela.

É uma boa ficção-científica de tempos antigos, hoje ela não se adequaria a nada que possamos chamar de original, ou revolucionário; por ser algumas ideias contidas no livro de uma narrativa preconceituosa. Muitas das vezes se tratando dos índios americanos de um modo pejorativo e cruel, ou das mulheres como seres indefesos e que não podem se defender. Excelente em seu tempo, bom no nosso. E para verificar como a mudança da literatura veio a acanhar em nosso tempo, porém nada acrescenta as ideias de hoje.
comentários(0)comente



34 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3