Contos de Fadas

Contos de Fadas Hans Christian Andersen...




Resenhas - Contos de Fadas


63 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Kath 14/03/2019

O lado cru e fantástico dos contos
Contos de Fadas era o livro desse box que eu estava com mais vontade de ler. Alguns dos contos eu já conhecia, mas relê-los foi fantástico. Outros me deixaram muito surpresa, pois não conhecia essas versões.

Perrault, cujos contos abrem o livro, mexe mais com o fantástico simbólico, seus contos tem resquícios de analogias da realidade e são cheios de moral, ainda que os outros tenham morais do mesmo modo, Perrault torna isso mais óbvio, inclusive, com versinhos no final de cada conto ilustrando isso. O modo como ele contou Cinderella, o Pequeno Polegar e Barba Azul, contos que já conhecia em outras versões, me deixou realmente surpresa, em especial pelas cenas de certa barbárie que aconteciam. Pele de Asno ainda não tinha lido, e o Gato de Botas eu tinha ouvido essa mesma versão em Conte Outra Vez.

Seguindo para A Bela e a Fera, esse eu pulei porque tenho um livro a parte com as duas versões originais desse conto, então deixei para aproveitá-lo nele.

Chega então os famosos irmãos Grimm, dessas versões deles eu só conhecia mesmo Rapunzel. Achei o modo deles de contar histórias um pouco mais descontraído, ainda que tenham certas coisas nas entrelinhas que tenha me deixado um pouco "chocada" na falta de uma palavra melhor. O que eu mais pensava enquanto lia esse livro era em como é uma besteira amenizar as histórias para criança como se elas fossem seres de cristal. A magia crua dos contos me deixou fascinada e fiquei triste por não ter mais a inocência pueril para apreciá-los sob a ótica de minha infância tão aconchegante.

Vem então Andersen. A impressão que tive dele é que era um pessimista nato. Todos os seus contos envolviam forte drama ou tragédia e dos cinco apresentados no livro apenas 2 tinham de fato um final que se pode ser considerado "feliz". A versão dele de A Pequena Sereia foi pra mim não somente fascinante, mas um pouco chocante por causa do contraste com a história vulgarmente conhecida graças à Disney. E mesmo já tendo visto um curta russo de A Pequena Vendedora de Fósforos, ainda senti um aperto no peito e uma angústia muito forte lendo esse conto. Ao meu ver, ele é praticamente um retrato do descaso e da falta de humanidade da sociedade hipócrita. Quando a menina morre eles finalmente se dão conta de que ela existia fingindo uma tristeza e empatia que me enojam.

Esse Jacobs eu não conhecia, inclusive, nem fazia ideia que Os três porquinhos e João e o Pé de Feijão eram dele. Conhecia versão das duas histórias, mas fiquei surpresa ao lê-las porque são muito diferentes das que conhecia, Os três porquinhos mais que João, mas gostei muito de ambas. Além de mexer com o fantástico elas flertam um pouco com a ironia e, eu diria, até mesmo a anarquia.

Fechando o livro tem a história dos três ursos que eu conhecia (e acredito que a maioria das pessoas) por Cachinhos Dourados. Essa versão do livro é bem diferente da que eu tinha visto, mais resumida e com um final quase inconcluso.

Amei esse livro, supriu todas as minhas expectativas e agora estou mais que curiosa para saber o que vou encontrar nos três volumes do Box dos Grimm que tenho em casa.
Tayani.Carvalho 28/03/2019minha estante
nao gostei muito,mais seu comentario e sempre bem vindo, mais eu so acho que vc deveria diminuir as palavras que seria melhor para entender , dois bjs querida


Kath 30/04/2019minha estante
Tayani.Carvalho escrevo minhas resenhas para consultas futuras e para armazenamento da minha leitura não para agradar você. Se você tem preguiça de ler textos grandes ou simplesmente não consegue entender o vocabulário simplista que uso não é do meu interesse. Dois beijos, querida.




camimoon 07/02/2019

Livro muito encantador, com uma capa linda, ilustrações ricas em detalhes e cores que enchem os olhos. Trás os contos já tão conhecidos, com detalhes mais sombrios mas ainda sim cheios de magia e que busca um feliz para sempre a cada página.
comentários(0)comente



Matt 31/01/2019

Que experiência interessante ter a oportunidade de ler as traduções das fábulas originais e poder deixar a visão infantilizada das adaptações da Disney de lado. O universo dos contos de fadas nunca pareceu tão sombrio e espantoso.
comentários(0)comente



Tatá 15/12/2018

Clássicos Zahar
Resenha no Blog Estante á Aversa

Link da resenha: https://blogestanteaaversa.blogspot.com/2018/12/resenha-contos-de-fadas-classicos-zahar.html
comentários(0)comente



Ízis Miranda 26/09/2018

Uma ótima opção para presente!
Contos de Fadas é um compilado com os contos mais famosos de grandes autores, são alguns deles: os irmãos Grimm, Andersen e Perrault. Nessa edição produzida pela Editora Zahar você encontrará os contos originais, ilustrações diversas e muita aventura!

Confesso que essa edição da Zahar me conquistou desde a capa, pois é, adorei os desenhos que ilustram alguns dos contos presentes do livro e a cor rosa convidativa. A edição é em um tamanho entre o pocket e o livro físico normal, ponto que ajuda se você gosta de carregar um livro na bolsa como eu. A leitura é fácil e rápida por dois motivos: as páginas amareladas e o tamanho da fonte.

site: www.vidro-colorido.blogspot.com
Tayani.Carvalho 28/03/2019minha estante
sim,concordo plenamente minha querida[




Andy 09/09/2018

Lembranças da infância
É muito bom este livro, pois faz você se lembrar em como contos de fadas te fascinava, ao ler você será transportado ao passado, à sua infância.
comentários(0)comente



Elba Mara 27/07/2018

Sempre bom rever a infância
As histórias q embalam e impressionam pelo lado tenebroso da obra , nada de Disney para forrar e atenuar o drama.O bom é velho conto de fadas! Um adendo sobre o patinho feio , o original não é tão bom mas o restante foi uma ótima experiência. Bela e Fera e A pequena Sereia pra sempre meus preferidos!
comentários(0)comente



leila.goncalves 18/07/2018

Legado Cultural
Esse livro reúne vinte e seis contos infantis, comentados e ilustrados com trezentas pinturas e desenhos. Seu intuito é recuperar um poderoso legado cultural, criando um compêndio de narrativas que sirvam de entretenimento para distintas gerações.

Também é uma boa oportunidade para falar, debater e deliberar sobre valores, desejos e aspirações através de histórias irresistíveis que permitem aos mais novos atravessar a realidade, a fim de sobreviver num mundo dominado por gente grande e aos saudosistas, reviver essa experiência.

A responsável por esse trabalho é Maria Tatar, uma especialista no assunto. Além de dirigir o Programa sobre Folclore e Mitologia na Universidade de Harvard, ela é autora, organizadora e tradutora de diversas obras, entre as quais se destacam "The Power of Stories in Childhood" e "The Grimm Reader".

Sua introdução é um material precioso. Nela, é explicada as origens e evolução dos contos de fadas, esclarecendo dúvidas e revisando conceitos, inclusive, sua importância e abrangência psicológica e moral dentro da sociedade.

Igualmente pertinente, é o comentário que antecede cada narrativa. Mrs. Tatar lança um novo olhar sobre velhas histórias, fazendo apreciações extremamente úteis para a orientação das crianças.

O livro também reúne as biografias dos autores, compiladores e ilustradores, o que fecha com chave de ouro a leitura.

Finalmente, se você quiser presentear a criança que já foi ou um jovem leitor, fica minha sugestão, inclusive, o livro no formato tradicional é muito atraente, valorizando seu conteúdo.
Tayani.Carvalho 28/03/2019minha estante
cala boca veia




Kelly Brandão 13/07/2018

Vale muito a pena
Num geral, eu gostei bastante. Salvo um conto ou outro, que não me desceu de jeito maneira, o livro é encantador e assustador.
Adorei conhecer as versões não romantizadas, principalmente porque são trágicas em sua maioria. Adoro tragédias.
A pequena sereia, que história macabra, triste, e repleta de sentimentos. Sim, tudo numa única história.
A bela e a fera, meu conto favorito de todos os tempos, é ainda mais belo e encantador em sua versão original.
Branca de Neve, cruzes, sempre foi sonsa, tadinha.....
João e o pé de feijão me deixou ainda mais chocada com o tamanho da desonestidade de João.
Pele de asno é uma história horrorosa, transbordam coisas ruins, sentimentos ruins. Detestável.
O pequeno polegar é uma versão de João e Maria. Pais inconsequentes que abandonam os filhos a própria sorte.
Mas a história que mais me emocionou foi A pequena vendedora de fósforos, gente, que história triste. Tão triste que se tornou minha favorita.
Recomendo demais esse livro, mesmo com todo o conteúdo duvidoso, vale demais a leitura.
comentários(0)comente



Amanda | @oparaisodaleitura 01/07/2018

Contos de Fadas
Este livro, querendo ou não, é uma quebra da infância ao perceber que os contos não são como apareciam na Disney. Porém, os seus ensinamentos e mensagens são mais fortes, não focando na ideia do “felizes para sempre”, mas sim de dar um toque ao leitor.

Dizem que os contos, em suas versões originais, tem uma função quase que terapêutica. Muitos psicólogos os usam para fazer com que algo que esta inconsciente venha emergir, através de algum sonho ou de alguma experiência que a energia da leitura traz.

Fora esse lado terapêutico, os contos realmente mexem de alguma forma. Seja por meio da mensagem que cada um vai passar ou pela história como um todo. Cada conto tem um propósito e são curtinhos, entre 10 à 20 minutos se consegue ler um!!

CONTOS PRESENTES:
- Cinderela ou O Sapatinho de Vidro;
- Pele de Asno;
- O Gato de Botas ou O Mestre Gato;
- O Pequeno Polegar;
- Chapeuzinho Vermelho;
- Barba Azul;
- A Bela e a Fera;
- A Bela Adormecida;
- Branca de Neve;
- Rapunzel;
- João e Maria;
- A Roupa Nova do Imperador;
- O Patinho Feio;
- A Pequena Vendedora de Fósforos;
- A Pequena Sereia;
- A Princesa e a Ervilha;
- João e o Pé de Feijão;
- A História dos Três Porquinhos;
- A História dos Três Ursos ou Cachinhos Dourados.

@oparaisodaleitura

site: https://oparaisodaleitura.com/
Tayani.Carvalho 28/03/2019minha estante
otima escolha,bjjs




suellem 01/05/2018

Contos de fadas
Esta antologia traz alguns desses contos mais conhecidos, reproduzidos aqui em novas traduções, a partir dos originais normalmente considerados como suas fontes literárias. Alguns são realmente originais... Outros foram recolhidos do folclore e recontado de uma forma tão adequada e que teve tanto êxito que se converteram em matrizes. Pág 10.
Contos de fadas quem nunca ouviu ou viu alguma adaptação ? Dificilmente vamos conhecer alguém. Esse livro tem cheiro de infância, cheiro de saudade da avó que contava história.
O que eu achei de interessante é a forma que alguns contos são escritos bem diferentes da forma que eu conhecia . Alguns contos tem o final bem pesado e talvez por isso algumas adaptações resolveram modificar o final.
Outra coisa que eu também gostei foi os contos que terminavam com a moral da história como o da chapeuzinho vermelho. Na época de escola eu gostava bastante de livros que tinham a moral da história e as vezes eu criava as minhas próprias moral da história rs. Me trouxe uma lembrança muito boa dessa época .
Algumas historias aparecem mais de uma vez no livro, porém de formas diferentes, o que me fez pensar que as vezes a mesma história pode ser contada de diversas formas, talvez a história que eu conheça pode não ser a mesma que você conhece e por aí vai .. uma observação boba mas que eu ainda não tinha parado para pensar .
Apesar de algumas histórias serem bem pesadas , outras são bem leves e divertidas , ótima para contar para as crianças.
comentários(0)comente



Jéssika @saymybook 13/04/2018

"Falar de contos de fadas é evocar história para crianças, lembranças domésticas, ambiente familiar. Equivale também a uma filiação ao maravilhoso, em que tudo é possível acontecer."

Você deve conhecer quase todas as histórias desse livro, ouvindo em casa, ou vendo animações. São contos recontados de geração a geração, em todos cantos do mundo.

CHARLES PERRAULT: Cinderela, Pele de asno, O gato de botas, O pequeno polegar, Chapeuzinho vermelho, Barba azul.

JEANNE MARIE LE PRINCE DE BEAUMONT: A bela e a fera.

JACOB E WILHELM GRIMM: A bela adormecida, Branca de neve, Chapeuzinho vermelho, Rapunzel, João e Maria.

HANS CHRISTIAN ANDERSEN: A roupa nova do imperador, O patinho feio, A pequena vendedora de fósforos, A pequena sereia, A princesa e a ervilha.

JOSEPH JACOBS: João e o pé de feijão, A história dos três porquinhos.

ANÔNIMO: A história dos três ursos.

O que eu mais senti ao ler tudo foi choque. Eu não conhecia as versões originais e lendo aqui, percebi o quanto fui feliz crescendo na ignorância.

É difícil falar do livro que me fez sentir tanto, acaba que a resenha fica mais emocional do que racional. Eu só conhecia a parte bela e mágica da maioria, me surpreendi com algumas partes sombrias que foram ocultas quando conheci a história há muitos anos.
Pele de asno, o final de Branca de neve, Rapunzel, A roupa nova do imperador, e, A pequena sereia, me deixaram de queixo caído.

Os contos são incríveis! É interessante ver como tudo muda ao ser recontado. Acho que é um pouco pesado pra ler para crianças, mas se você é maiorzinho, leia pra criança que há em você.

site: www.instagram.com/saymybook
comentários(0)comente



Coisas de Mineira 05/02/2018

Tenho certeza absoluta de que você, leitor dessa resenha, conhece alguns Contos de Fadas. É fato. Eles fazem parte da vida de todos nós. Seja através de algum familiar, da escola ou da mídia, em algum momento essas histórias chegam até nós. Comigo não foi diferente. Quando eu era pequena, minha mãe me contava alguns contos, brincava com a voz e até cantava. Talvez seja por isso que eu quis tanto este livro, me faz lembrar a infância e é um dos meus queridinhos.

... Os livros da infância são objetos sagrados. Muitas vezes destroçados de tão lidos, esses livros nos transportavam de descoberta em descoberta, levando-nos a mundos inéditos e secretos... Pág. 7

Além da minha mãe e da escola, eu também assisti muitos desenhos clássicos da Disney e até hoje gosto muito de alguns deles, como por exemplo, A Bela e a Fera que recentemente me arrastou pro cinema. É provável que os Contos de Fadas também tenham feito parte da sua infância. Mas você já parou pra pensar no que essas narrativas te ensinaram? Sua vida tem sido encantada? Você encontrou seu príncipe ou sua princesa? O bem sempre vence? Todo final é feliz?

Não estou pretendendo criticar as características dos Contos. Até porque eu gosto muito deles e justamente por gostar foi que desejei muito esse livro. Trata-se de uma edição comentada e ilustrada, na qual encontramos notas de Maria Tatar (Uma acadêmica americana especialista em contos clássicos e folclóricos). Essa obra reúne mais de vinte contos em suas versões originais. São textos de autores como Charles Perrault, irmãos Grimm, Hans Christian Andersen e outros.

Na verdade é difícil falar em versão original, já que tais histórias são vindas de uma cultura popular. Elas foram passadas de geração em geração, contadas e recontadas milhares de vezes. Estes autores ganharam fama registrando os contos e graças a esse trabalho essa cultura foi preservada. Dentre os contos presentes na coletânea, alguns são mais conhecidos, outros menos. Achei muito interessante poder lê-los e conhecer também a visão critica de Maria Tatar.

Estas versões são um pouco diferentes das que conheço. Foi legal ler e descobrir detalhes omitidos ou modificados nas adaptações. Fiquei surpresa com finais não tão felizes e com a violência presente em algumas delas. Posso dizer que me deparei com um lado sombrio das tramas que antes desconhecia. Destaque para os contos O Pé de Zimbro, Barba Azul e Pequena Sereia que foram um pouco macabros. Ainda bem que não chegaram assim a mim quando eu era criança!

A edição é um luxo e está muito bonita, capa dura, as páginas trazem ilustrações de diferentes origens e versões. Gostei muito da introdução e dos comentários da autora chamando atenção para pontos relevantes e para a moral das histórias. O que acho legal em contos é a possibilidade de parar a leitura ao fim de cada capitulo sem se perder na trama, pois você conclui uma ideia e retoma em uma nova. Este parece um livro de estudo com sumário, biografias, notas, apêndice... Mas eu li por puro prazer.

Contos de Fadas despertam diferentes sentimentos. Há aqueles que amam e também aqueles que criticam. O fato é que eles envolvem comércio, capitalismo, moral, dominação masculina, valores... É polemico! Muitos pesquisadores se dedicam a esse assunto, que vamos combinar, rende! Eu particularmente não desprezo esses contos, mas sei que eles carregam o peso de valores tradicionais que na atualidade já não são tão bem aceitos.

Eu estaria mentindo se dissesse que algumas dessas obras não despertaram em mim um enorme encantamento. Elas fizeram parte da minha infância e me emocionam até hoje. Sei que histórias novas virão e essas histórias irão representar melhor nossa realidade e refletir as mudanças culturais da nossa época como já tem acontecido. Mas, continuarei tendo uma relação afetiva com os Clássicos, por isso amei ler essas versões, relembrar e ser convidada a lançar um olhar crítico sobre elas. Excelente leitura! Indico!

Qual é a sua relação com os Contos de Fadas? Gostou da resenha? Beijo da Nat.

Por: Nathalia Reis
Site: http://www.coisasdemineira.com/2017/08/resenha-contos-de-fadas-ed-comentada-e_15.html
comentários(0)comente



Ana 25/01/2018

Um encanto para todas as idades.
Essa bonita edição da Editora Zahar de contos de Perrault, Grimm, e outros autores, é muito completa, ricamente ilustrada, e contém algumas das histórias que nos acompanharam ao longo de toda a nossa infância.
São ao todo 20 contos, entre eles:
A bela adormecida, Branca de neve, Cinderela, A bela e a fera, e ainda há no livro uma apresentação de ninguém menos que Ana Maria Machado, uma das rainhas da literatura infanto-juvenil brasileira.
Alguns dos contos são controversos e curiosos, como Pele de Asno, que tem um tom incestuoso, mas isso não tira o encanto da história. É importante, como disse Ana Maria, conhecer os contos de fadas para conhecer a nós mesmos.
O livro possui ilustrações de Arthur Rackham, Willcox Smith, Walter Crane e Gustave Doré, além de gravuras anônimas, belíssimas. Um tesouro.


comentários(0)comente



AmadosLivros 16/08/2017

"Contudo, por mais que apreciemos as histórias da infância, também as superamos, as abandonamos e as rejeitamos como coisas pueris, esquecendo seu poder não só de construir o mundo infantil da imaginação, como de edificar o mundo adulto da realidade. Os contos de fadas, segundo o ilustrador britânico Arthur Rackham, tornaram-se 'parte de nosso pensamento e expressão cotidianos, e nos ajudam a moldar nossas vidas'."

Encontrei essa edição de Clássicos da Editora Zahar no Kindle Unlimited e sem nem pensar duas vezes baixei. Adoraria adquirir a versão capa dura e assim que po$$ível, farei. Enquanto isso, me contentei com o ebook e não me arrependi.

Sempre que ouvimos falar em "contos de fadas", só pensamos nas histórias contadas por nossos pais ou avós em nossa infância, ao nos colocar para dormir. Nisso, ou nas animações da Disney. Cinderela, Branca de Neve, A Bela Adormecida, A Bela e a Fera, Rapunzel, A Pequena Sereia, O Patinho Feio, O Gato de Botas, e por aí vai. Mas muito se engana quem pensa que esse livro da Zahar é para crianças. Cá comigo, depois de adulto, você nunca pensou no quanto O Gato de Botas era inteligente, mas malandro e trambiqueiro, e mesmo assim se deu bem? Ou como O Patinho Feio trata sobre bullying - e naquela época nem se pensava nessa palavra? E Chapeuzinho Vermelho, que se deu mal por desobedecer ao conselho mais clássico de todos os pais: não falar com estranhos?

São basicamente as respostas para algumas dessas dúvidas que você irá encontrar nesse livro. Maria Tatar teceu comentários sobre cada conto, ao iniciá-los, onde destrincha suas origens, interpretações e significados. Durante os contos, notas de rodapé traz informações relevantes sobre algum trecho do conto, uma interpretação sobre o que aquela frase ou história queria passar de moral e ensinamento para quem o ouvia na época em que foi escrito - alguns ensinamentos podem tranquilamente perdurar até hoje, como é o caso de Chapeuzinho Vermelho. Outros, eu considero apenas para conhecer a cultura daquela época, como é o caso de Barba Azul, que via como "natural" assassinar suas esposas desobedientes - mesmo que no final ele tenha sido finalmente castigado, apenas por ter mexido com uma família específica, e não pelos crimes anteriores.

"Enraizado, como se viu, numa cultura em que casamentos arranjados eram norma, o conto de Madame de Beaumont (A Bela e a Fera) sanciona, para as mulheres, a obediência, a abnegação e uma forma de amor baseada na gratidão e não na paixão, ao mesmo tempo em que nos dá uma Fera que aprecia claramente a perfeição física somada à delicadeza e à compaixão. À medida que lemos a história, porém, podemos ver esses valores contestados de várias maneiras. (...) Por que a Bela é fisicamente perfeita, enquanto a Fera pode continuar sendo um cônjuge perfeito apesar de sua aparência? Por que a história termina subvertendo seus próprios termos, ao transformar os dois cônjuges em imagens da perfeição física." posição 784/785 - e nisso eu só me lembro de Shrek e a quebra de padrões ao transformar a princesa numa ogra para viver feliz para sempre com seu amado ogro.

Provavelmente alguns contos você nunca ouviu falar. Eu já conhecia a maioria deles, até os mais estranhos, porque quando criança encontrei um livrinho de contos de fadas da minha tia, bem velho e amarelado, onde apareciam vários contos desses, a maioria dos irmãos Grimm - se perdeu pela casa, infelizmente. Sou louca para reencontrá-lo, relia várias vezes quando criança. Mas voltando ao que interessa, o interessante nessa edição são as análises desses contos, além de encontrar a versão mais próxima do original deles, aquelas partes pesadas que a Disney nunca colocou e nem vai colocar, óbvio, em seus filmes. Outra coisa interessante é que até uma relação entre os contos e a vida do seu autor é possível encontrar.

Conforme avançamos, notamos que muitos contos são parecidos, mudando apenas de personagem principal. Como esses contos eram passados via oral e chegavam a vários povos diferentes, muitos eram adaptados para as culturas locais de cada país onde eram contados, então alguns se tornam repetitivos. O que não exclui sua importância.

O livro ainda traz algumas pinturas e ilustrações ao final de cada conto. As ilustrações são feitas por artistas que viveram no começo do século XIX e até anteriormente, acrescentando a visão daquela época aos contos. Não sei na edição física, mas imagino que deva ser tão maravilhosa quanto o ebook. Depois que passa todos os contos, traz também uma biografia dos autores dos contos, como os Irmãos Grimm, Charles Perrault, Hans Christian Andersen; e dos ilustradores, como Arthur Rackham, Gustave Doré e Walter Crane.

Se você gosta de contos de fadas, assim como eu, irá se apaixonar por esse livro. Ele ainda tem um apêndice com outras versões de alguns contos. Você sabia que antes da menina Cachinhos Dourados, quem entrava na casa dos três ursos era uma velha? Se não sabia, vai poder conhecer essa outra versão da história, além de se deliciar, relembrar sua infância, se espantar com algumas coisas, ou simplesmente tomar conhecimento de outros contos que você nunca ouviu falar. Boa leitura!

"Minha história terminou. Entrou por uma porta, saiu pela outra, quem quiser que conte outra."

site: http://amadoslivros.blogspot.com.br/2017/03/livro-contos-de-fadas.html
comentários(0)comente



63 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5