Ecos da Morte

Ecos da Morte Kimberly Derting




Resenhas - Ecos da Morte


197 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


ka mcd 06/03/2013

Ecos da Morte
Acho que eu deveria começar dizendo que estava louca para ler esse livro. Eu o queria há séculos, mas não conseguia encontrá-lo em inglês e nenhuma editora se habilitava a trazê-lo para cá. Mas então, finalmente, a Intrínseca anunciou o lançamento e eu fiquei eufórica e louca para tê-lo em minhas mãos. E desde o começo eu já estava com as expectativas altíssimas e acabei me decepcionando um pouco por conta disso.

Mas não desistam do livro por isso, ele é bom, eu sei que é. Meu único problema com ele foi eu mesma. Eu queria uma estória que não poderia existir. E fiquei feliz por não ser exatamente o que eu queria, por que é nessas horas que eu me surpreendo com alguma coisa de diferente que o livro contém.

Como, por exemplo, o mistério do serial killer. Ou as cenas entre a Violet e o Jay. Ou os capítulos narrados pelo assassino. Ou como os ecos se manifestam. Ou como tudo parece perfeitamente natural e completamente único.

As personagens foram um pouco... Como posso dizer, controversas para mim. Era como se, quando elas estivessem chegando ao ponto de me conquistar completamente, começassem a voltar para trás na escala da perfeição. Como um termômetro de mercúrio sendo enfiado em um balde de água fria. A Violet era corajosa, fofa, inteligente, cabeça-dura e decidida, até aí, eu a venerava, mas às vezes ela mostrava um lado seu tão infantil, dependente e fraco. E ela não podia se dar ao luxo de ser qualquer uma dessas coisas, principalmente fraca. Se o dom dela é encontrar seres vivos que foram assassinados, então ela precisa sempre estar preparada para o pior e não ficar toda vulnerável depois de encontrar um cadáver humano. Com o Jay foi quase a mesma coisa. Ele era sexy, confiante, protetor e um amor... Até que começava a ser um completo bobo. Tudo bem que esse lado bobo era um tanto quanto fofo, mas eu gostava mais do fofo combinado ao sexy e protetor.

Mas, apesar desses pequenos defeitos, não dá para não destacar o relacionamento dos dois. É natural e completamente sexy. Eles estão apaixonados há algum tempo, pelo que dá para perceber, e isso deixou tudo mais bonito e real. Uma amizade de infância que virou amor, nada tão difícil assim. E todo esse amor reprimido criou uma tensão deliciosa entre eles. Eu amei ver os beijos totalmente sexys que eles trocaram.

E, claro, além de tudo tem os corpos, presentes no livro todo e constantes parceiros de Violet. Eu queria que a autora tivesse dado mais detalhes do estado dos corpos e da "caça" ao assassino. Meio doente da minha parte? Talvez, mas eu gosto se sentir medo em livros, gosto de saber exatamente o que as personagens estão vendo e vivendo. Acho que, ao tentar fazer um livro mais light, a autora acabou deixando-o um pouco água-com-açúcar quando poderia ter ciado um ótimo triller.

A idéia de Kimberly foi genial, mas acho que faltou coragem e desenvolvimento da parte dela. É um livro muito bom que poderia ter sido maravilhoso. Mas ainda estou esperando pelo próximo, Desejos dos Mortos, louca de vontade de lê-lo e com esperança de que possa estar ainda melhor do que o primeiro. Afinal, não dá para simplesmente desistir de algo tão original e intrigante quanto isso.


http://blogminha-bagunca.blogspot.com.br/2011/11/resenha-ecos-da-morte.html
Dana Silva 27/11/2011minha estante
voce falou tuuuuuuuudo que eu senti ao ler esse livro, adorei sua resenha..


ka mcd 09/01/2012minha estante
Ahhh, fico feliz em ver que alguém concorda comigo, hahah! E também por você ter gostado da resenha, claro :)


Nath @biscoito.esperto 29/03/2012minha estante
LOL, concordo 100% com sua resenha!

O maior problema, na minha opinião, é que, com um assassino a solta e garotas sendo morta, tudo em que Violet pensava era no Jay.

Sua resenha está excelente, parabéns!


Mandy 13/03/2013minha estante
Ameeei o livro, mas senti falta de mais detalhes, como melhor descrição física dos personagens, por exemplo.
Mas foi uma ótima leitura! E Jay e Violet, ahh.. são lindos! Me ganharam ;)


Erica 08/07/2013minha estante
Eu adorei o livro e eé verdade ao le-lo parece que falta algo. O segundo O desejo dos mortos tambem eé muito bom acho eu que bem melhor. Aguardo o terceiro sem previsao ainda :(


Rosângela 16/01/2015minha estante
Estava esperando algo menos mamão-com açúcar. E outra coisa sentir o mesmo que vc sobre a infantilidade de Vi as vezes, e meio meloso demais seu sentimento com Jay... Sabe o que realmente faltou mais detalhes do Assassino, os capítulos narrados pelo o assiniano foi na verdade o que me conquistou e me fez chegar ate o final do livro .




bela_bsouza 14/04/2012

O livro me decepcionou...
Quando eu tinha visto o livro na saraiva na pré-estreia, eu tinha ficado muito animada em lê-lo por causa da sinopse e pelo tema muito interessante: Uma menina que podia ler pedaços da alma de outras pessoas mortas em terceiros e que podia descobrir um mistério de um assassinato! Mas quando estava na metade do livro, achei-o muito mais um romance entre dois adolescente do que um thriller! As unicas partes que mais me chamaram a atenção foi as do assassino em sua perseguição por meninas frágeis e os encontros dos corpos pela Violet! Esta personagem é tão infantil que eu a achei sem graça, e além do mais, ela praticamente se esquece dos milhares de assassinatos quando fica perto do melhor amigo que tanto é apaixonada. A autora esqueceu do tema principal, e acabou priorizando o romance entre Violet e Jay... O livro não é ruim, mas também não me cativou.
Pamela 24/09/2012minha estante
Foi exatamente o que eu disse na minha resenha, a autora deixou o lance dos ecos e dos assassinatos em segundo plano e a paixão dos dois em primeiro lugar, até a pagina 100 praticamente não se fala no assunto!!!


Aline Ramos 24/10/2012minha estante
Concordo plenamente! O romance foi o tema principal. Me decepcionei com o livro tb!


Lêh 13/04/2014minha estante
Concordo. Também comprei o livro pela sinopse e o título me chamou muito atenção. Esperei tanto do livro, que me decepcionei. Não só com a história, que pensei que tivesse mais ação, como na escrita. Achei o livro um tanto quanto chato do meio para o final.
O tema poderia ser muito mais explorado.




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Katrina 02/07/2020

Ainda quero essa conclusão!
Li esse livro há alguns anos e ainda lembro da história com muito carinho. Kimberly Derting soube desenvolver muito bem elementos do paranormal, suspense e romance, abordando todos muito bem. É muito fofo ver a amizade e paixão de Violet e Jay, a autora consegue trazer uma atmosfera jovem e descontraída em meio a assuntos sombrios, mas sem de fato tirar o peso que a narrativa exige. Adoro a composição desse livro e como a autora soube dar foco em assuntos tão distintos sem sobrepor nenhum. Ainda lamento a Intrínseca não ter publicado os últimos dois livros, infelizmente, no Brasil não temos a conclusão dessa série incrível.
comentários(0)comente



Brunna Brasil 13/08/2020

Descobri a série The Body Finder meio que por acaso: ganhei o segundo livro faz algum tempo. Pela capa me parecia um romance romântico, e como leio pouco do gênero e não tinha o livro 1 acabei deixando de lado por um tempo.

Mas agora, durante a quarentena, acabei comprando o e-book e comecei finalmente a ler essa história.

Violet Ambrose tem um talento especial: ela sente o eco de pessoas assassinadas. Desde pequena, a família esconde esse dom para a proteção da garota.

Já adolescente, começam a acontecer inúmeros desaparecimentos de garotas na cidade. Violet acaba sendo levada a um dos corpos, graças ao eco, e quando mais corpos de garotas começam a ser encontrados, ela decide investigar por conta própria - já que o eco da pessoa assassinada fica preso também ao assassino.

Com a ajuda de Jay, seu melhor amigo e um dos poucos que sabem de seu dom, ela busca pelo paradeiro do serial killer.

Com uma narrativa que me deixou ligada o tempo todo - li o livro de mais de 200 páginas num único dia -, Kimberly Derting nos entrega uma protagonista cativante e um final cheio de tensão e expectativa.

A série conta com 4 livros e não vejo a hora de começar o livro 2: DESEJOS DOS MORTOS.

site: https://www.instagram.com/quer_que_resenhe/
comentários(0)comente



Georgia 13/10/2011

ECOS DA MORTE - Livro 1
(The Body Finder)

Autora: Kimberly Derting
Páginas: 272
Editora: Intrínseca

Sinopse: Violet Ambrose Violet Ambrose tem dois grandes problemas: o dom mórbido e secreto que carrega desde a infância e Jay Heaton, seu melhor amigo, por quem está apaixonada. Aos dezesseis anos e confusa com os novos sentimentos em relação a Jay, ela começa a ficar cada vez mais incomodada com sua estranha habilidade: Violet tem o dom de encontrar cadáveres. Desde muito pequena ela percebe os ecos, ruídos, cores e cheiros que os mortos deixam neste mundo, pelo menos aqueles que foram assassinados. E essas marcas os unem a seus assassinos.
Para ela, isso nunca foi um grande “talento”. Mas, agora que um serial killer está aterrorizando a pequena cidade onde mora e os ecos das garotas assassinadas a perseguem dia e noite, Violet se dá conta de que talvez seja a única pessoa capaz de parar esse assassino. Em pouco tempo ela estará no rastro do assassino. E ele, no dela.


Apesar de seu instinto de proteção sobre ela, Jay relutantemente concorda em ajudar Violet em sua missão para encontrar o assassino — e Violet fica com grandes expectativas em descobrir que talvez as intenções de Jay sejam muito mais que amigáveis. Mas mesmo enquanto ela está se apaixonando intensamente, Violet está chegando mais e mais perto de descobrir o assassino... e de virar a presa dele.


Ecos da morte é o primeiro volume de uma trilogia best-seller do New York Times.

Se eu recomendo a leitura do livro "Ecos da Morte"? Claro! Se você quer ler um livro com romance, suspense e momentos de tensão...esse é o livro.
na 16/10/2011minha estante
nossa tou doida para ler esse livro deve ser muito legal... amei a sinopse bjsss


Georgia 19/10/2011minha estante
Olá na, o livro é muito bom. Tem romance e muito suspense.


Silvia 12/10/2012minha estante
Já tenho o meu, mas está na fila me esperando.


Georgia 27/01/2013minha estante
Silvia, gostei bastante da série...quando não tiver nenhum livro para ler, que vc esteja com muita vontade ler. Comece a ler a série!


Silvia 03/04/2014minha estante
Li e gostei muito deste livro ;)


manda 01/05/2015minha estante
Acabei de lê o livro tem meia hora ....li em dois dias ...eu gostei achei uma idéia original ...só que concordo que faltou algo a mais ...um dos pontos que achei que podiam ter trabalhado mais é o dom da Vi ...eu amei .. Queria que fosse algo mais.. Mais que apenas uma sensação mas enfim o livro é ótimo e super ti prende com esse mistério todo dos assassinatos.... Super recomendo ..Beijokas!!




Dani 21/04/2020

Uma enrolação .... daria pra ficar muito melhor. Achei fraco.
comentários(0)comente



Yasmin 05/11/2011

É, gostei

O tema me chamou atenção. Uma garota que consegue sentir com todos os seus sentidos a morte. São ecos, desde ondas sonoras a gostos. Gosto desse tema morte, a capa chama atenção e por isso comprei. É um livro médio, pequeno quase. A história é simples, mas bem narrada.

A trama intercala a paixão por Jay, seu melhor amigo e o constante incomodo que sente desde que ela descobriu o corpo e o sumiço de outras garotas. O livro não é aquela coisa de tensão e ação. Basicamente acompanhamos a vida de Violet do colégio para casa, sua relação de amizade com Jay abalada pelo que ela anda sentindo e sua nem tão arriscada decisão de encontrar o assassino. Ao sair de casa o procurando em lugares comuns Violet acaba é encontrando outros ecos sem importância. Violet, assim como Jay e os outros personagens não foram muito aprofundados. Por pouco não ficaram superficiais. A diferença é que com a narração detalhada de tudo o que Violet sentia esse detalhe profundidade não afetou tanto como parece a história. Talvez porque o livro é jovem ela não se aprofundou para não deixar o livro sombrio demais. Só o fato de Violet encontrar pessoas assassinadas já é pesado para um livro jovem.

A mitologia criada pela autora merecia ser mais explorada. Por ex. tudo que sabemos é que ela herdou da avó e graças as descrições exatas da autora podemos sentir como esses ecos são. Como é cada impressão. O modo como ela dividiu a trama nesse livro deixa claro que ela valorizou mais o romance do que o dom da menina.

Continue lendo: http://cultivandoaleitura.blogspot.com/2011/11/resenha-ecos-da-morte.html

comentários(0)comente



Si 03/12/2011

Ecos da Morte
História bem fraca na minha opinião, pois na maior parte do tempo, ela só sabe falar da sua paixonite por Jay, coisa típica de adolescente! Sempre é o centro das atenções pois tem um dom que a faz sentir onde estão os corpos de pessoas assassinadas e também sente isso nos assassinos.
Não gostei e não comprei o próximo, até porque estou detestando livros em série, pois a história começa a virar só enrolação!!!
comentários(0)comente



Karine 09/04/2013

Levemente pesado.
Violet Ambrose tem dois problemas – o dom mórbido e secreto que carrega desde a infância e Jay Heaton, seu melhor amigo, por quem está apaixonada. Aos dezesseis anos e confusa com os novos sentimentos em relação a Jay, ela começa a ficar cada vez mais incomodada com sua estranha habilidade – Violet encontra cadáveres. Desde pequena ela percebe os ecos que os mortos deixam neste mundo. Ruídos, cores, cheiros. Mas não todos, apenas os das vítimas de assassinato. Para ela, isso nunca foi um grande talento. Na maioria das vezes, tudo o que encontrava eram pássaros mortos, deixados para trás pelo gato da família. Mas, agora que um serial killer está aterrorizando a pequena cidade onde mora e os ecos das garotas assassinadas a perseguem dia e noite, Violet se dá conta de que talvez seja a única pessoa capaz de detê-lo. Em pouco tempo ela estará no rastro do assassino. E ele, no dela.

Violet é legal. Acho que a falta de descrição nos personagens me incomodou de início, mas foi só de início. Kimberly escreve com maestria. Ela é boa no que faz. Encontrar mortos nunca foi tão terrível... e sombrio. Com o desenrolar da história, Violet foi se tornando o tipo de menina a qual eu teria uma grande amizade: Firme e verdadeira. E apesar de seus medos serem profundos, os ignora pelo bem de todos. Acho que Jay se tornou aquele cara que eu tanto esperava ver. Os personagens são legais, sim. Apesar de achar que Kimberly os quase não descreveu. O desfecho foi daqueles de te assustar e de te tirar o fôlego. Inimaginável e surpreendente, ainda mais quando você perde todas as esperanças. O interessante é que o livro não deixa um gancho para o segundo. O que me faz querer ainda mais ler a sequência. Um thriller de tirar o sono.
comentários(0)comente



Piva 08/02/2012

http://www.restaurantedamente.com/2012/01/livros-ecos-da-morte-de-kimberly.html
Violet nasceu com um dom, ela sente a presença de cadáveres, é como se eles a chamassem através dos mais diversos sentidos. Desde pequena ela tem atendido esses chamados, mas são de apenas animais da mata perto de sua casa, tirando apenas um caso terrível que houve em sua infância, não há chamados maiores que esses. Mas então tudo se modifica, em uma festa ela é atraída até um cadáver e garotas de sua idade começam a ser mortas e Violet pode ser a próxima se não descobrir quem é o autor de tais crimes.

Acima de tudo Violet é uma adolescente e tem enfrentado problemas decorrentes da idade, como a paixão repentina pelo seu melhor amigo de infância Jay. Ele mudou muito durante o verão, se tornou um homem, com isso todas as garotas da escola começaram a dar mais atenção para ele, algo que tem tornado difícil para Violet lidar.

Pensei um bom tempo antes de fazer essa resenha, já tentei diversas vezes escrevê-la, mas sinto que serei injusto com o livro. Quanto mais tento avaliá-lo mais pontos negativos encontro em sua construção, infelizmente essa será uma resenha bem negativa.

Destacarei os pontos positivos primeiramente. A premissa é original, mas nada único, a idéia de que Violet sinta impressões dos assassinados como se fosse um pedido para um descanso eterno é algo interessante. A escrita é em terceira pessoa e com enfoque na personagem da Violet, mas a autora inseriu um segundo ponto de vista em primeira pessoa, o assassino, achei isso maravilhoso para manter a tensão, pois através dessa visão ficamos sabendo como acontece todo o ritual e como o assassino tem se mantido à surdina. A autora vai revelando esses detalhes lentamente e vamos tendo uma noção maior da mente do assassino e mantendo o leitor assíduo para o desenrolar da trama.

Agora os pontos que não gostei da trama: O ambiente escolar está muito presente na trama, em minha opinião de uma maneira excessiva, o grande uso dessa temática não acrescenta nada para a história, as personagens desse ambiente são extremamente irritantes, assim como as situações. Quando se tem um ambiente escolar cada autor dá o seu toque a trama, uma visão, mas a autora não se preocupou em fazer isso, ela apenas representou um ambiente fútil com personagens mais fúteis ainda. A superficialidade desse ambiente chega a ser grosseira, o culto pela beleza e a futilidade tornam a narrativa uma mesmice, uma repetição que não causa desenvolvimento algum.

A autora soube expressar bem a confusão sentimental que Violet se encontra, mas o desenrolar dessa trama é decepcionante. Jay é tido como um deus, belo e herói, fato que o faz sempre aparecer magicamente nas situações de perigo que Violet sempre se encontra. Violet não tem voz alguma, parece que ela não se preocupa em expressar sua opinião ou até de ter uma opinião, sem contar que a vi como irresponsável, ela sabe do perigo em que se encontra e ignora sempre isso, levando a diversas situações de donzela em perigo. O romance é fraco e extremamente meloso, foi um dos piores casais literários que já conheci. A autora criou uma zona de conforto e não quis em instante algum explorar fora disso, tornando um romance sem graça e repetitivo.

O final é completamente frustrante, a autora se contradiz em diversos pontos, inverte a personalidade do assassino e a resolução mais irreal impossível, utilizando a mesma fórmula de sempre a donzela que precisa de resgate. A outra deu a impressão que faria uma grande transformação na história, mas na última página deixa claro que prefere permanecer em sua zona de conforto. Era uma premissa muito interessante, mas faltou criatividade e coragem pra surpreender o leitor, provavelmente não continuarei a série porque muita coisa me incomodou e pelo que li não sai desses detalhes. Nunca faço isso, mas se alguém estiver interessado sobre esse assunto indicaria a série Gritos da Alma da Rachel Vincent ou a série Dream Catcher da Lisa Macmann. Infelizmente foi um péssimo debut.

http://www.restaurantedamente.com/2012/01/livros-ecos-da-morte-de-kimberly.html
Isis 03/05/2012minha estante
Adorei sua resenha. Você disse exatamente o que eu pensei após ler o livro. Premissa interessante, porém desenvolvimento fraco demais.


Aline Ramos 24/10/2012minha estante
Otima resenha. Eita romance chato, tb achei o pior casal. E os ecos acabaram tendo "aparições" secundárias. O "romance" tomou boa parte do livro.




Mika Fontoura 02/06/2020

Bom
Achei a história boa, um pouco chata em certas partes, mas me envolveu o suficiente para terminar rapidamente, esperava mais do livro, porém, foi uma leitura legal.
comentários(0)comente



Vivi 19/10/2011

Suspense envolvente e sedutor
O primeiro volume da mais nova série The Body Finder é um suspense envolvente e sedutor, com uma estória de amor linda e apaixonante. Uma ótima forma de incluir os leitores de infanto-juvenil em uma literatura com mortes e suspense.

Ecos da Morte é o tipo de livro que conquista o leitor já nos primeiros capítulos mostrando que tem potencial.

Comecei a ler o livro já cheia de preconceitos, por estar cansada de livros adolescentes que são bobinhos seguem um padrão clichê, e este livro me surpreendeu com sua simplicidade e beleza, tem um toque de sobrenatural, mas nada que fuja muito da realidade, afinal existem muitos sensitivos por aí com um dom um tanto similar ao da protagonista.

Tenho tanta dificuldade de escrever a respeito de um livro que gosto muito que vocês não fazem ideia, eu sofro, e este é um deles.

Na hora de avaliar então, é um tormento. Dar 4 injusto assim com 5, afinal o enredo não tem nada de surpreendente, sabemos o que vai acontecer no final, mas a forma como é apresentado é muito boa que nos faz querer mais, e hoje afirmo que não vejo a hora de ter em mãos o Desejo dos Mortos, para devorar, embora eu tenha um grande receio do que será feito com Violet e Jay.

Resenha completa aqui: http://www.filmeslivroseseries.com/2011/10/ecos-da-morte.html
comentários(0)comente



Ellie 19/05/2020

Perto do final esse livro quase me infartou! Comecei a ler sem saber a sinopse e a cada novo capítulo eu ficava mais confusa sobre o que era a história. Com uma vibe primeira temporada de Riverdale (sem aquele tanto de frase absurda, apesar de que tem umas bem bobas) e uma pitadinha de leve de Odd Thomas versão feminina, é um livro adolescente fofo e sobrenatural. Já passei pelo crush no melhor amigo que a Violet passa e fiquei torcendo pra que desse acerto porque é a história clichê mais linda que existe (é ótimo namorar com o melhor amigo, contando que dure), e o Jay é um amor, até eu me apaixonei por ele. O livro alterna entre partes fofas de drama adolescente e partes tensas sobre um psicopata e tem horas que corta o clima, mas faz um equilíbrio. Vale a pena ler apesar de umas partes bem bobinhas.
comentários(0)comente



Blog MDL 28/12/2013

Poderia ser muito melhor...
Violet não é uma garota normal em muitas coisas, mas se tem algo que a torna semelhante as demais de sua idade é o fato de estar apaixonada pelo seu melhor amigo. Ela não sabe quando isso começou, mas de repente aquele garoto comum sumiu e deu lugar a um que não só tinha todas as qualidades que ela tanto admirava, como também, tinha se tornado bonito o suficiente para que todos os olhares femininos se voltassem para aonde quer que ele fosse. Isso estava mexendo com sua cabeça de uma forma que ela não era capaz de se concentrar em muita coisa, mas quando ela vê o eco de um morto na água do lago, ela sabe que não será capaz de ignorá-lo até que parte do mistério envolvendo aquele corpo estivesse resolvido. O que ela não esperava era que o caso fizesse parte de um crime praticado por um serial killer que passa a deixar um rastro de corpos e ecos para trás, colocando-a diante de um grande impasse: o de se tornar a caça ou o caçador.

Em ‘Ecos da Morte’ a autora Kimberly Derting se propôs a conduzir o leitor por uma trama repleta de suspense, mas com um toque de romantismo que deixaria a história imperdível. Contudo, tenho que dizer que o que vi no livro foi a inversão dessa proposta, já que o que encontrei foi um romance que se prolonga até não poder mais e um caso policial que apesar de ser bem interessante é posto em segundo lugar para que o leitor vislumbre um pouco mais de drama adolescente. Sei que descrevendo-o dessa maneira a história parece ser mais do mesmo, mas é justamente o que ela se tornou quando a autora preteriu o dom que a Violet tinha de ouvir ecos das almas daqueles que partiram para focar nos sentimentos que ela nutria pelo seu melhor amigo. Ao fazer isso, Derting não só colocou em jogo o bom desenrolar de sua trama, como também, condicionou a sua protagonista a vivenciar situações intermináveis que só posso nomear como sendo de “donzela em perigo”.

E sendo bem sincera, o dom de capturar resquícios da alma de pessoas mortas não combina em nada com uma personalidade fraca e que não usa a razão na hora de tomar decisões, mas foi o que eu vi incontáveis vezes durante o livro e isso me incomodou sobremaneira. À parte disso, a autora também cometeu o deslize de não dar melhores explicações sobre o dom de Violet, já que os únicos detalhes que o leitor tem sobre o assunto foram rasos demais. E por falar em temas mal explorados, não tenho como deixar de pontuar a maneira completamente sem graça com que ela solucionou os crimes que estavam ocorrendo na cidade. Principalmente porque não satisfeita em deixar o final previsível, ela ainda destruiu qualquer esperança do leitor de entender quais eram as razões que levaram o serial killer a cometer tais crimes.

Outro ponto que me chateou com relação ao desenvolvimento do enredo foram as infindáveis reclamações que a protagonista fez no decorrer da narrativa sobre o fato de estar apaixonada pelo Jay e por ele estar chamando a atenção das meninas da escola. Ainda mais porque foi nesse ponto que a autora caiu nas garras do clichê ao trazer para o seu livro o pior do estilo “high school” na literatura, esquecendo-se que o ambiente escolar só funciona bem em thrillers se o autor se propuser a abordá-lo fora da zona de conforto (lembrem-se de “Carrie, a estranha” ao ler isso). Não dá mais para ficar fazendo piadinhas sobre a garota popular do tipo “abelha rainha” e ainda querer que o leitor ache graça disso, sinto muito.

E se você estiver prestes a riscar o livro da sua lista de desejados, não faça isso – ainda –, porque o livro tem sim suas qualidades. Uma delas é a narrativa da autora, já que mesmo com diálogos simples, ela consegue envolver o leitor de forma que você lê uma e outra página sem sequer perceber. Principalmente porque a sua forma de descrever os cenários tem certa delicadeza que deixa a leitura mais fluída e o clima da cidade bem interiorano. Como o livro é escrito em terceira pessoa, há certa flexibilidade na mudança de pontos de vista e apesar da autora não explorar isso muito bem, ela consegue instigar a leitura ao inserir alguns capítulos curtos do ponto de vista do criminoso em questão.

Ou seja, em matéria de equilíbrio entre erros e acertos até que ela não foi mal. O que faltou mesmo foi ponderação na hora de acrescentar ou retirar algo do enredo, já que foi nesse quesito que mais pude observar a sua inexperiência como escritora. Tenho certeza que se a Kimberly tivesse deixado a sua ideia amadurecer mais um pouco antes de declarar esta como sendo sua versão final do livro, ela teria conseguido entregar algo mais semelhante ao que foi prometido por ela, pelos meios de comunicação e pelas editoras, aos leitores da série ‘The Body Finder’. Dito isso, não posso concluir essa resenha sem antes dizer que 'Ecos da Morte' é uma leitura para distrair nas tardes de ócio e não um thriller para fazer você temer a sua própria sombra. Em suma: antes de considerar a leitura do livro, pondere sobre aquilo que você espera dele para não se decepcionar depois.

site: http://www.mundodoslivros.com/2013/12/resenha-ecos-da-morte-por-kimberly.html
comentários(0)comente



197 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |