Édipo Rei / Antígona

Édipo Rei / Antígona Sófocles




Resenhas - Édipo Rei / Antígona


18 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Arthur Pacheco 12/07/2019

Incrível
As tragédias: Édipo rei e Antígona são, de uma forma literal, bem tristes haha. Assim como toda tragédia. Mas o diferente aqui e sua linha do tempo. Sendo passada em Édipo Rei, Édipo em Colono e Antígona(Não tive a oportunidade de ler Édipo em colono, então se alguma alma boa quiser... estamos aí) que conta a história de dos personagens em tempos diferentes, cada um começando com o seu final, uma trilogia né.

Não vou contrar muito sobre a história, e pesada e não recomendada para menores. Necessita de um vocabulário trabalhado (lembrando que nesta edição da Martin Claret - Édipo Rei - necessitei de um dicionário.) e com uma atenção especial para não se perder nas construções das cenas.

Por fim, gostei muito da experiência, as obras sem duvidas são atemporais e necessárias para qualquer estudioso ou curioso da cultura grega.

Mas possuo uma crítica em relação às traduções, nesta edição podemos perceber o nível de dificuldade encontrado entre Édipo e Antígona, onde, em Édipo até o prefácio e complexo no seu vocabulário, enquanto em Antígona a escrita e muito mais maleável e fácil o entendimento.

Fora esse ponto, nota 4,5??
comentários(0)comente



Carol Abrantes 22/02/2018

Tragédia grega icônica com valores atemporais
Sófocles nasceu em Atenas, provavelmente, em 495 a.C. e morreu na mesma cidade, no ano 406 a.C. Ele foi um dramaturgo grego, um dos mais importantes escritores de tragédia ao lado de Ésquilo e Eurípedes. Durante sua vida, escreveu 123 peças, porém 7 sobreviveram em uma forma completa. Listo algumas de suas obras: Electra (peça completa); Édipo Rei (completa); Édipo em Colono (completa); Antígona (completa); Ájax (completa); Os Comensais (peça fragmentada); Niobe (fragmentada); Hermione (fragmentada); entre outras.
A tragédia pertence ao gênero dramático. Esse gênero tem como características: ser uma peça teatral; exige lugar físico (palco) com personagens em ação; ausência de narrador; ausência de pormenores; conflitos; presença do destino; é uma leitura rápida.
Em Édipo Rei, conhecemos a história de Édipo, rei de Tebas, que passa por uma situação de infortúnio por um erro inconsciente. Sua família é perseguida pelo destino traçado pelos deuses.
Já em Antígona, a peça conta a história da personagem-título que entra em tensão com Creontes e expõe para nós, leitores, conflitos como família X Estado; leis dos homens X leis divinas; pureza X impureza; homens X mulheres.
Essa trilogia tebana tornou-se a minha favorita, porque me cativou desde o primeiro livro e arrebatou na última obra. Admito que a segunda obra foi agradável, mas não me cativou o bastante comparada a Édipo e à Antígona. Essa história trágica tebana me despertou aversão, empatia, pena, choque, pertencimento, coragem, afetividade, reflexão. Foi uma mistura de sentimentos e emoções que me instigaram.
Por fim, aconselho a darem uma chance a esse gênero literário. Explorem e experimentem outras sensações.
.
"Quem não tem medo de um ato menos medo terá de uma palavra." (citação presente em "Édipo Rei")
"Quem não se satisfaz com um quinhão normal de vida e deseja um maior, parece-me em verdade um insensato." (citação presente em "Édipo em Colono")
"Eu não nasci para partilhar de ódios, mas somente de amor!" (citação presente em "Antígona")
Mario.Henrique 23/02/2018minha estante
Parabéns pela resenha, ficou excelente!


Carol Abrantes 23/02/2018minha estante
Obrigada, Mario.


Pobre Nerd 24/02/2018minha estante
Uau!Quanta técnica!Tem que ter coragem pra resenhar uma obra dessas; e você fez de maneira tranquila,plástica e informativa.Adorei!


Carol Abrantes 24/02/2018minha estante
Obrigada!!!!


Carol Abrantes 24/02/2018minha estante
Obrigada, pobre nerd. :)) Retirei as informações sobre o autor do Wikipédia e complementei com o que aprendi na faculdade.


Pobre Nerd 26/02/2018minha estante
A arte da boa resenha consiste nisso mesmo,saber compilar informações e aplicar técnicas para moldar um bom texto.Ficou bem legal!




Daniel 17/11/2016

Édipo Rei e A Tradição do Teatro Grego
Sófocles é, sem sombra de dúvidas, o maior poeta trágico da antiguidade clássica. Sua obra-prima, Édipo Rei, que serviu como base para a literatura psicanalista, focaliza o drama de um homem que, perseguido pelo destino imposto pelos deuses, tenta fugir de sua sina, mas acaba matando o próprio pai e casando-se com sua mãe. de maneira trágica, Sófocles nos apresenta o pathos grego, o destino como forma de encenar a vida na antiguidade. Com um teatro cheio de peripécias narrativas, a obra do dramaturgo grego se torna uma das maiores referências do teatro de todos os tempos, instaurando, dessa maneira, uma tradição grega no teatro da antiguidade que se imortaliza até os dias atuais.
comentários(0)comente



Nadia Mamede 12/09/2015

Antígona
Uma obra formidável, romântica e muito profunda, que demonstra a obscuridade da alma e as falhas de caráter de grandes líderes, e as consequências de seus atos impensados.
Relata a história de Antígona, uma jovem que perdeu seus dois irmãos, Eteoclides e Polinice, em batalha; e sua luta contra o decreto do Rei Creonte que proibiu os cidadãos quanto as honras fúnebres e o sepultamento a um deles (Polinice), que foi tido como traidor; dessa forma, pela crença religiosa da época, proibindo-o de desfrutar uma passagem digna ao mundo dos mortos.
Em uma época de absoluta tirania, onde muitos morriam por pouco e as mulheres eram subjugadas, é que se passa o conto.
Creonte, monarca, decretou tal lei, pelo que pensava que "quem preza um amigo mais do que a própria pátria, merece desprezo (pg. 212)." Tendo agido desta forma, o agora decujus, e mesmo tendo parentesco para com ele, ou seja, sendo tio de Polinice, não concedeu o sepultamento, e a morte digna. Pelo que relata Creonte, estava Polinice disposto a incendiar os templos e revolucionar as leis de seu país, e não teria piedade para com aqueles contrários a sua posição.
Depois de um tempo do referido decreto, o rei Creonte recebeu uma notícia por um guarda, de que alguém teria enterrado o corpo de Polinice, às escondidas, e que ninguém sabia ao creto dizer quem teria cometido tal crime. Declarou então o monarca, que se o guarda, mensageiro de tal notícia não encontrasse e a ele trouxesse o responsável, responderia pelo crime. Dessa feita, retirou-se e temendo pela ameaça, manteve-se alerta. Tempos depois, avistou Antígona junto ao corpo do decujus, e a levou até o monarca para extrair sua confissão. Antigona, agindo em conformidade com o que se esperava, confessou ser ela mesma a autora de tal crime, sendo a responsável pelas honras fúnebres prestadas a seu irmão; vez que mesmo tendo conhecimento do decreto, não poderia de forma alguma, em razão disso, descumprir as lei divinas e desonrar aquele que lhe honrou por toda a vida, declarou que vivendo em meio a tanta desgraça, não temia a morte e pelo que seus valores morais e sua consciência ditava, estava em paz consigo mesma.
Creonte, contrariado pela insubordinação de Antígona, declarou que com sua morte, se daria por satisfeito e que como preferisse, fosse ela então ter junto de seu irmão, no Reino de Hades, pois jamais toleraria tal abuso e dominância de uma mulher. Ismênia, irmã de Antígona, que antes se negara a contribuir com o sepultamento, temendo as consequências de tal ato, arrependida, se levanta em defesa da irmã, pedindo que junto dela fosse também julgada pelo crime, pois não poderia sobreviver a mais uma perda. Creonte enfurecido, determinou que ambas fossem amarradas e levadas presas. Hémon, filho de Creonte e noivo de Antígona, já tinha conhecimento do ocorrido, e julgou também, como os demais cidadãos e servidores do monarca, desproporcional a pena aplicada, porém não pode interferir, de tal modo que Ismênia não fora penalizada, mas Antígona fora condenada a morte por tal feito. Seria a ela construído um túmulo subterrâneo, onde permaneceria até a morte, com uma certa quantidade de alimentos. O que ocorreu. Passado algum tempo, Tirésias que era conselheiro do monarca, em consulta aos oráculos, informou que lhe fora revelado o que acontecia na cidade de Tebas, com relação ao decreto proibitivo do sepultamento de Polinice e da pena de morte de Antigona, e que pelos Deuses tal ato fora considerado cruel; estaria Creonte, matando o decujus pela segunda vez, impedindo-o de adentrar os portões do Reino de Hades, condenando-o assim, a vagar entre o mundo dos mortos e dos vivos, pela eternidade. De modo que nenhum homem ou mesmo divindade, teria o direito de fazer o que ele havia feito, e por consequência, sofreria os mesmos males que estava causando. Também, alertou quando a cidade que já se levantava contra o monarca.
Creonte temendo pelo que fora revelado, e como forma de se redimir com o povo de Tebas, decretou a libertação de Antígona, Porém, não em tempo hábil, pois sofrendo pela perda da noiva, e perturbado pela insensatez de seu pai, seu filho, Hémon, suicidou-se. No momento em que foi libertar Antígona, ao abrir o túmulo, descobriu Antígona já sem vida e Hémon, junto dela, também quase sem vida, lamentando a morte de sua amada. Após uma discussão, negando-se a deixar o jazigo, cravou sua própria espada no peito e veio a óbito.
Ao saber do ocorrido, a esposa de Creonte, Eurídice, amaldiçoando-o pelo que havia feito e já sem forças para sobreviver a tamanha perda, ceifa sua própria vida com um punhal. Creonte acreditava então, ter sido punido pelos Deuses e já não tinha mais estímulos para viver, ansiava pela chegada do seu último dia.
comentários(0)comente



Rafa 23/04/2014

Eu pensei que seria uma leitura difícil, mas não foi tanto assim. Acabei bastante envolvida e senti pelos personagens. As situações são desesperadoras, e, a escrita mais densa soa como um canto de lamentos. Consegui visualizar as cenas e fiquei com muita vontade de vê-las representadas no palco. Os gregos, com certeza, sabiam escrever tragédias.

O mais difícil da leitura é a atenção que ela requer. Eu fiz questão de ler em um dia em que estava com vontade de ler alguma coisa mais desafiadora. Fiz uma imagem mental dos cenários e dos personagens. Requer um pouco mais de exercício mental do que o livro comum.

*resenha completa no blog!

site: http://arrastandoasalpargatas.blogspot.com.br
comentários(0)comente



Luciano Luíz 07/04/2014

ÉDIPO REI e ANTÍGONA, de SÓFLOCES são duas das mais famosas tragédias gregas. E possivelmente, Édipo é a mais conhecida. Senão como peça em si, mas como a estória que se alastrou pelo tempo, ganhando as mais diversas versões e interpretações.
A cidade de Tebas fora invadida por uma peste.
O rei Édipo, disposto a acabar com o sofrimento do povo, proclamou que deveria ser encontrado o responsável pela maldição que os Deuses lançaram sobre a cidade.
Ele no entanto, não sabia que em verdade, estava decretando sua própria maldição. Pois devido a um crime que cometera, que tudo veio à acontecer.
Mas, ele em hipótese alguma disso sabia.
Foi aclamado rei após derrotar o monstro conhecido por Esfinge, que ficava na entrada da cidade. Cada um que tentasse por ela passar, teria de resolver um enigma. Mas muitos acabaram por servir de alimento à criatura. Somente Édipo alcançou o sucesso e obteve o trono e a mão da rainha.
Aliás, esse enigma é bastante conhecido...
Porém... já como rei... e com o passar do tempo, a cidade acabara por sofrer consequências.
ÉDIPO REI é uma ficção impressionante, com diálogos incríveis.
Todo o sofrimento de Édipo e sua família faz o leitor se perguntar se não haveria outra forma de tentar resolver..
Já que Édipo casara com a própria mãe...
Bem, esta é uma estória popularmente conhecida...
Por isso, não vou comentar mais...
E mostra como o futuro é incerto e de alguma forma, cobra pelos atos cometidos de maneira parcialmente inconsciente.

ANTÍGONA é filha de Édipo.
Sua aventura ocorre muitos anos após a triste história de seu pai.
Ela queria sepultar seu irmão após a guerra travada nas portas de Tebas, mas o rei Creonte em hipótese alguma a isso deixaria. Já que o irmão de Antígona estava lutando contra Tebas... O que acaba por mais tragédias virem à ocorrer.
Aqui, conversas ainda melhor elaboradas são apresentadas com um ótimo nível de detalhes.
Sófocles é autor de uma trilogia, ÉDIPO REI, ÉDIPO EM COLONA e ANTÍGONA.
O segundo livro não li...
Mas as partes um e três são essências para quem busca enredos inteligentes com reviravoltas que nos fazem pensar com afinco.
Indispensável na sua estante.

Nota 10

L. L. Santos

site: https://www.facebook.com/pages/L-L-Santos/254579094626804?ref=tn_tnmn
Carol Abrantes 14/02/2018minha estante
Quero muito ler edipo em colona, mas só vendem o primeiro e o terceiro volume da trilogia.


Luciano Luíz 14/02/2018minha estante
Oi, Carol Abrantes. Aqui nesse link tem o livro 2. A tradução do título tem uma leve alteração. :)

http://www.lpm.com.br/site/default.asp?Template=../livros/layout_produto.asp&CategoriaID=619066&ID=506261




Danielle 21/03/2014

Édipo Rei é a peça que simboliza toda a beleza e a força do teatro grego da Antiguidade.
A peça expõe uma maldição familiar, tragédia da família de Édipo.
O livro possui um texto bem escrito e de fácil entendimento.
comentários(0)comente



Big Lui 10/03/2014

Triste destino de Pai e Filha
Esta edição tem as 2 tragédias de Sófocles. Resolvi ler na ordem cronológica e não ordem de qual foi feita primeira, no caso Antígona. Por isso eu li Édipo Rei e parei para ler Édipo em Colono. Só depois voltei para ler a parte da filha.

Um livro grandioso e triste, Sófocles mostra a dureza que é o destino sobre a vida humana e que por mais que se lute, não tem como escapar. Gostei, vale a pena ler, junto ou separado as tragédias.
Carol Abrantes 14/02/2018minha estante
Quero tanto ler o segundo livro da trilogia, mas já difícil. Só encontro livros que vendem o primeiro e o terceiro volume. O que achou de Édipo em colono?




Leandro 06/11/2013

Um clássico!
Essa estória é um clássico na filosofia. Por ser um conto bem curto, não tem como fazer uma resenha sem estragar o final. A única coisa que posso dizer é que esse livro nos mostra que não existe destino, e sim que nosso futuro é a conseguência de nossas escolhas.
comentários(0)comente



Anderson 08/01/2013

Édipo Rei - Antígona.
As duas peças são bastante ricas em diálogos e, levando em consideração o cunho trágico das duas obras de Sófocles, percebe-se elementos que ultrapassam as duas peças... Nelas, o contexto político muito importante naquele período histórico na Grécia Antiga.
comentários(0)comente



Alexandre 19/04/2012

Édipo e Antígona, uma viagem as crenças e poderes gregos.
Essa versão é ótima. Conta com uma introdução ao mundo tragédia grega que faz tudo se encaixar melhor para o entendimento.

Sócrates define Édipo Rei como um modelo a ser seguido, diz ele que esse texto contém tudo que é necessário e escrito da melhor forma possível para levar o leitor e espectador a catarse.

Os fatos acontecem de forma rápida e desde o começo é possível perceber o terrível desfecho para qual Édipo se aproxima a passos decididos.
O protagonista da tragédia comete todos os piores crimes que poderiam ser cometidos, todos eles de forma a desconhecer que os realiza, tornando a trama um tanto quanto sombria e angustiante. O drama escorre pelas páginas de tantos artifícios que foram usados para escrever essa obra, obrigatória para quem deseja conhecer a tragédia grega.

Antígona conta a historia de uma das filhas de Édipo e sua luta para enterrar o irmão que lutara contra sua cidade natal. Tendo morrido em batalha, fora condenado a não ter seu caminho ao Hades garantido, seu corpo não seria enterrado.
A célula dramática da obra é dada no momento em que Antígona diz que o caminho ao Hades é uma dádiva garantida a todo homem, lute ele pelo que lutar e se opõe a Creonte, líder da cidade de Tebas e quem expediu a ordem de que o corpo do irmão de Antígona não fosse enterrado.
A ousadia do homem de desafiar leis divinas é colocada em exposição aqui e Sófocles a termina de forma surpreendente.
comentários(0)comente



Paula 09/09/2011

O Rei da tragédia grega
Basicamente o livro conta a história de Édipo (cujo nome significa Pés inchados) que ao tentar fugir do seu destino, acaba indo de encontro direto a ele, quando mata seu pai biológico e casa com a sua mãe biológica.

Na entrelinha do livro todo está que estamos condenados ao nosso destino, que no caso de Édipo já estava escrito antes de seu nascimento, e que apesar do conhecimento deste destino nenhum fato ou escolha alterou a rota do que já estava escrito, da fatalidade.

Antígona conta a história de uma das filhas de Édipo, que após a morte de seus irmãos, vai contra a decisão do Rei Creonte (seu tio) e decida realizar os ritos fúnebres para o irmão que atacou a cidade de Tebas. Nesta história também esta presente a fatalidade, pois toda a linhagem/descendência de Édipo está condenada a tragédia.

Ambas as histórias são maravilhosas, em linguagem acessível, drama até dizer chega. Para conhecimento de uma tragédia grega, nada melhor que Édipo, para empolgar e para chorar.
comentários(0)comente



Garcia 05/07/2011

Tragédias Gregas
São duas clássicas tragédias gregas, que fundamentam desde peças teatrais até estudos psicológicos, devido à temática profunda que adotam.
comentários(0)comente



Rolo 17/09/2009

O amor é cego
Édipo não dá bola para o que um ceguinho lhe diz e acaba matando o pai, comendo a mãe e furando os olhos.

PS: Quando eu li esse livro, eu pensei: "O que se passou pela cabeça de Sófocles quando escreveu isso?" Cheguei a conclusão que devo deixar meu filho escolher o próprio nome...
comentários(0)comente



Alex Dax 28/05/2009

Uma das melhores tragédias já escrita na história do livro.A forma com que Sófocles entrelaça o destino das personagens é sem dúvida intrigante. Tudo parece tão disperso e tão unido ao mesmo tempo, os fatos se combinam com uma série de motivos que associados geram a catarse no leitor.

Espero que um dia eu tenha a oportunidade de ver a obra encenada no teatro.
Aproveitem a leitura!!!!
comentários(0)comente



18 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2