Cisne

Cisne Eleonor Hertzog




Resenhas - Cisne


98 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


Raiane 29/01/2019

Perda de tempo
Ler esse livro foi uma completa decepção e tortura. Achei que nunca iria terminar. O livro é excessivamente prolixo, daria pra cortar metade desse livro. Os personagens são todos iguais e fica difícil diferenciá-los, principalmente os filhos de Doris e Henry, Tim, Tom, Ted e etc não sei quem vocês são, até o nome parecido não ajuda em nada. Os personagens também são perfeitinhos e a autora insiste em destacar a mega inteligência deles, os moleques são bons em música, teatro e tudo o que você pode imaginar. A escrita repleta de diálogos, metade deles completamente desnecessários, torna a leitura muito cansativa e irritante. Apesar da sinopse falar da entrada da molecada na Escola Avançada de Champ-Bleux, você chega até a página 300 e nada deles entrarem na bendita escola.
comentários(0)comente



LT 21/10/2018

Oi, gente! Tudo bem?

Hoje vou resenhar o primeiro da série Uma geração da Eleonor Hertzog. Eu já resenhei o spin-off Herdeira? no blog Burn Book. E fiquei tão fascina que precisei começar do início, Cisne.

Ela é minha autora parceira e resolvi trazer aqui para o blog.

[O Cisne] É preciso dizer que Eleonor tem um dom fantástico para criar universos diferentes, com personagens cativantes e tudo isso com uma narrativa que flui muito bem. É intenso, rápido, não te faz querer parar mais. Pode parecer assustador ao primeiro contato, um livro de 726 páginas. Mas acaba em um instante!

Mas, o que é O Cisne? Basicamente, é um grande veleito que é movido por energia solar e também um laboratórios flutuantes mais high tech que existe no mundo. Lá, os cientistas Henry e Doris Melborne realizam suas pesqusias sobre a vida marinha. Mas, muito além de um laboratório, é onde o casal mora com seus oito filhos, que são: Teo e Ted (gêmeros), Tim e Tom (também gêmeos), Pam e Peggy, Liz, Bobby e Peggy, que é adotada.

Peggy aqui é muito importante, pois ela é dotada de poderes especiais. Henry e Doris sabem disso, mas os irmãos, não.

[O enredo] E é com essa família de cientistas e oito filhos que começamos a nossa jornada em que todos os irmãos estão bastante agitados para passarem na Escola Avançada Champ-Bleux, onde seus pais se formaram. Ela é responsável pela educação dos cientistas mais bem conceituados do mundo e é claro que todos estão muito ansiosos para saberem se conseguiram entrar ou não.

Não bastasse essa questão, a família/tripulação recebe uma missão em outro palenta, Tarilian. Porque eu disse família/tripulação? Porque dois repórteres irão embarcar junto com eles, um do planeta Terra e outro do planeta Tarilian e isso pode ameaçar a dinâmica familiar dos Melborne, que já está abalada com a questão dos resultados de Champ-Bleux.

[Os personagens] Como eu disse, eu gosto muito da narrativa da autora. Apesar de simples, é bem dinâmica e adoro como ela consegue trabalhar com tantos personagens ao mesmo tempo sem perder a fluidez.

É gostoso ver a dinâmica da família, as brincadeiras entre os irmãos, as mensagens que o livro passa e também, como precisamos prestar atenção a todos os detalhes para não deixar nada passar batido.

Eu adorei esse universo construído pela autora e também a forma como cada personagem foi construído belamente, com muita maturidade, cada um desempenhando um papel dentro do laboratório flutuante e um papel dentro da família também.

Os personagens são carismáticos, inteligentes, companheiros e faz você querer embarcar em uma aventura com eles. E é isso o que Eleonor te proporciona. E ao terminar esse livro, você com certeza vai querer saber o que vem em seguida. Eu sei que eu quero!

Vocês gostam de fantasia nacional? Contem para mim nos comentários!

Um grande beijo e até a próxima!

Resenhista: Duda Razzera.

site: http://livrosetalgroup.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Elves ºº 03/05/2018

A leitura de "Cisne" se resume a decepção. Talvez não seja um livro pra mim, já que sou (acho) o único a avaliá-lo com uma nota tão baixa. Mas o livro não conseguiu me conquistar em nenhum momento. Parei a leitura diversas vezes para ler outros livros e essas pausas eram grandes porque eu não conseguiu ter saudade da estória, muito menos desejo de retornar a ela. Mas como não costumo desistir de nenhum livro, persisti e consegui finalizar. Acredito que um dos erro que existe nesse livro e acho que todos vao concordar, até mesmo os que gostaram e/ou chegaram a favoritar, é o tamanho desnecessário. Talvez com um trabalho mais cuidadoso da editora junto a autora, a história puderia ter sido enxugada um pouco. São diálogos e mais diálogos onde se repetem coisas, conversas desnecessárias e por falar nisso, a impressão que tinha no decorrer da leitura é que não acontecia absolutamente nada na estória, pq basicamente os capítulos são preenchidos de conversas a respeito de planetas e tal. É necessário todas as descrições existentes ? Sim, mas a impressora que dá é que estamos num livro de história, onde passamos a conhecer a terra do futuro e a descoberta de outros planetas através da visão de uma família que mora num navio. Pra se ter noção, existe um capítulo onde a autora narra uma peça teatral por volta de umas 30 páginas. (????) Outro ponto que muito me incomodou é o número extremamente exagerado de personagens. Juro que cheguei ao final do livro, sem conseguir me recordar quem eram os personagens citados no diálogo (arrastado) derradeiro do casal, donos do cisne. é incrível como a autora continua jogando novos nomes por volta da página 400, 500.

Esperei muito tento para ler esse livro, procurei em muitos sites, até que encontrei numa promoção e o comprei ano passado e diante de todas as resenhas que tinha lido, fui com sede ao pote achando que ia achar ouro. Vc pode fazer sua leitura e possivelmente achar, no meu caso, não foi o que aconteceu.
Raiane 14/04/2019minha estante
Concordo totalmente.




Arca Literária 13/09/2017

resenha disponivel no link a partir do dia 04/10/17
http://www.arcaliteraria.com.br/cisne-heleonor-hertzog/

site: http://www.arcaliteraria.com.br/cisne-heleonor-hertzog/
comentários(0)comente



Lígia Colares 30/01/2017

Resenha de Cisne
Quando entrei em contato com a Eleonor, a minha primeira preocupação foi com o número de páginas do livro… Tinha acabado de entrar de férias, já tenho um livro pela metade que não tenho coragem de terminar, e não queria ficar me arrastando em um livro enorme e não conseguir ler mais nenhum… Mas fui ler a sinopse e algumas resenhas, e achei que valia a pena arriscar a leitura… Feliz fui eu, em aceitar! *.*

13909235_660266364127902_2562627683818925677_oHenry e Doris moram com seus sete filhos a bordo de Cisne, barco que além de casa também é laboratório de pesquisa para esses dois biólogos mundialmente conhecidos. Todos eles possuem idade para ajudar tanto na área de pesquisa quanto na parte de navegação, então a família toda é tanto pesquisadora quanto navegadora. Com certeza passar meses num barco torna a família muito unida! Tão unida que decidiram, juntos, fazer os exames para a Escola Avançada Champ-Bleux, e no meio disso se veem envolvidos em um problema interplanetário!

Sete filhos, mais dois pais, já é personagem pra caramba. Quando a gente começa a descobrir segredos e a ter alguma ideia do que pode acontecer, mais um monte de personagens são apresentados. Para minha cabeça que odeia nomes, tudo poderia se tornar um enorme x-bagunça, mas Eleonor define tão bem a personalidade de cada um deles, as características físicas e psicológicas, que fica muito fácil identificá-los e criar simpatia!

Além de tudo, é notável a habilidade de Eleonor em dar as informações de forma fluida e na quantidade certa… Ou seja, você descobre uma parte da história enquanto dois personagens conversam sobre ela, e quando você acha que entendeu o que está acontecendo, um personagem fala algo em uma conversa casual que enlouquece! Haha!

Eu sempre tento ler um livro e ajudar, seja com uma crítica construtiva ou apontar algo que eu, como leitora chata, não gostei… Mas pensei por dias, e não consegui achar nada para acrescentar na história de Cisne! Simples, a forma como foi escrita, a apresentação de informações e de personagens… O desenrolar das histórias… A única coisa que tenho para dizer para Eleonor é que ela criou grandes expectativas para o próximo volume! *.*

O que você ainda está fazendo ai? Vá atrás de seu exemplar! Haha!
comentários(0)comente



Nu e As 1001 Nuccias 06/11/2016

Resenha do Blog As 1001 Nuccias
Resenhista: Nuccia De Cicco

Nunca tive muita dificuldade em definir qual o gênero de determinado livro. Bem, até agora! Eis que me deparei com uma obra que tem um pouco de quase todos os gêneros que mais gosto e leio. Em sua história, podemos encontrar distopia, romance, ficção-científica, aventura, fantasia. Só faltou mesmo o terror, mas sei lá, tem mais 2 volumes pela frente... XD

Em Cisne, somos apresentados ao batalhão à família Melbourne, composta por ninguém mais, ninguém menos 10 pessoas: Doris e Henry (os pais biólogos marinhos), Teo e Ted (os gêmeos mais velhos), Tim e Tom (os gêmeos seguintes), Pam, Lis, Bobby (o caçula) e a adotiva Peggy. Todos eles moram juntos em um barco, o Cisne.

Mas o Cisne não é um barco qualquer. É o único e mais equipado e moderno veleiro solar da Terra. Sob comando e cuidados da família Melbourne, é usado para pesquisas marinhas a pedido do Comando Científico.

As aventuras começam com o veleiro pronto para aportar em Porto Alto. É um procedimento anual, mas desta vez, irão receber a bordo uma foca dourada, um animal lindo e enorme que quase foi traficada, porém foi salva a tempo por um "foca", um repórter em início de carreira, o querido e imparcial Jean.

Mas os filhos Melbourne estão mais preocupados com outras coisas: neste porto estão suas caixas postais e, nas caixas, estão os resultados para entrada na maior e mais bem prestigiada escola de ciências da Terra, a Escola Avançada Champ-Bleux.

Entrar para esta escola, a mesma em que os pais estudaram, não é fácil. Além dos testes de conhecimentos, passam por psicotestes. Ninguém com menos de 13 ou mais de 18 anos pode se candidatar. Sendo aprovados, precisam estudar por 10 anos ininterruptos!

Ao saberem que TODOS passaram nos testes, os pais Melbourne pressentem um aviso. Descobrem, então, que seus filhos podem ser os próximos escolhidos, aqueles que, juntos com outros jovens, farão parte do Toque de Reunir, no qual mentes brilhantes se juntam para salvar o planeta.

E isso acontece em meio ao caos de um erro diplomático, causando desavenças e tremores nas relações entre a Terra e Tailirian, um planeta semelhante e vizinho, que orbita do outro lado do sol. Tairilianos são muito inteligentes e possuem tecnologias avançadas, porém não no setor espacial. O intercâmbio entre cientistas terráqueos e tairilianos é essencial para a evolução de ambas as espécies.

Foi um resumo muito enxugado, mas esmiuçar mais a história é começar a dar spoiler a torto e a direito. Posso dizer que há uma guerra iminente, que nem todos são quem dizem ser, que os humanos não vivem apenas com tairilianos há muitos séculos. Segredos e tramoias são partes fundamentais da história.

Diferente de outros livros, neste temos muitos personagens e muitos locais diferentes onde eles interagem. No entanto, todos são apresentados no seu devido tempo, e nos acostumamos com cada personalidade. Além dos Melbourne e de toda a cidade portuária, somos apresentados ao longo de livro a todos os outros jovens que fazem parte do Toque de Reunir, cada um morando na sua cidade com seus próprios problemas.

ambém conhecemos melhor os repórteres, os pais de tais jovens, parte das gerações anteriores... Gente pacas! Mas sem se perder com tantos nomes e características. É interessante o modo como eles são interligados desde seu nascimento, mas somente descobrimos tais detalhes com o decorrer da leitura.

E eu achei? A escrita da autora é muito boa! Você imerge no mundo da Terra futurística, em que a paz foi alcançada, mas está seriamente ameaçada, em que há apenas um governo único em todo o planeta, se mistura aos personagens. Ficava chocada a cada revelação, pois já tinha me acostumado com o personagem de determinado modo e, então, uma nova informação mudava tudo.

Às vezes nem percebia a mudança, a informação tinha me escapado e eu precisava voltar alguns parágrafos para entender melhor. É um livro que tem muitos diálogos, muitas conversas e nelas é que são dadas as explicações sobre o tempo, espaço e história. Habilmente, algumas informações fornecidas ao leitor nos primeiros capítulos são as explicações imprescindíveis de eventos que acontecem do meio para o fim. Gostei mesmo!

Se não fossem os pequenos detalhes acima descritos, o livro teria levado com toda certeza pontuação máxima! Recomendo fortemente a quem busca uma boa aventura, uma mistura muito bacana de ficção científica com fantasia, uma pegada leve e juvenil. Espero poder ter em mãos o segundo livro em breve e saciar a minha vontade de saber o que acontece na escola e com os personagens todos!

*Resenha com citações e imagens no link do blog.

site: http://1001nuccias.blogspot.com.br/2016/11/resenha-livro-cisne-de-eleonor-hertzorg.html
comentários(0)comente



Dai (Blog Virando a Página) 26/08/2016

Era uma vez... uma história mágica!
O Cisne é um grande veleiro movido a energia solar, um dos mais avançados biolabs flutuantes do planeta, e nele, os cientistas Henry e Doris Melborne realizam diversas pesquisas marinhas. Mas a embarcação não é somente um laboratório, ela também é o lar deste casal e de seus oitos filhos: Os gêmeos idênticos Teo e Ted, com dezesseis anos; em seguida vem mais um casal de gêmeos (também idênticos!) com quinze anos, Tim e Tom; com quatorze anos vem Pam e Peggy; depois Liz, com treze anos; e o caçulinha, Bobby, com oito anos. Peggy foi adotada pelos Melbornes com doze anos, logo após perder seus pais em um acidente, e não demorou muito para ela se entrosar com eles. Desde o início, podemos perceber que esta personagem possui poderes especiais, mas que são de conhecimento apenas de seus pais adotivos, seus irmãos nem desconfiam de tal coisa.

Essa numerosa, barulhenta e unida família sempre causa um grande alvoroço onde passa, atraindo pessoas de todas as idades, e o veleiro é uma atração esperada em todos os portos que atraca. No início da trama já somos apresentados a dinâmica dessa tripulação, que é composta pelos membros da família, lá todos desempenham uma função. Os irmãos estão mais agitados que o normal, pois com exceção do caçula Bobby, todos fizeram teste para ingressar na escola onde seus pais se formaram. A Escola Avançada Champ-Bleux é a mais conceituada unidade de ensino, e a mais deputada também, ela é responsável por formar os melhores cientistas da Terra, por isso, enquanto aguardam o temido resultado, os nervos de todos estão à flor da pele. Em meio a esta espera, os Melbornes recebem a notícia de que deverão receber e hospedar dois estagiários do planeta Tarilian, e com eles, dois repórteres, sendo um tariliano e outro terráqueo. Essa nova tripulação pode colocar a rotina do Cisne em risco, mas a união familiar supera qualquer dificuldade encontrada.

A narrativa do livro é bastante simples, somos introduzidos do dia a dia da família, nas brincadeiras diárias dos jovens e no cotidiano do Cisne, mas não se engane com essa simplicidade, pois ela te passará diversas mensagens. Algumas delas não aparecem de imediato, mas ao longo da leitura, ela fará toda a diferença. Os irmãos vivem em uma atmosfera amigável e divertida, sempre pregando peças um nos outros, mas quando a situação exige seriedade, eles agem com uma maturidade admirável, e não aparentam ter a idade que tem. Em meio a segredos, descobertas, mistérios, aventura e muito companheirismo, você embarcará em uma história fantástica, completa e inteligente. E eu tenho certeza de que antes de terminar o primeiro volume, você desejará fazer parte desta grande família.

Narrado em terceira pessoa, Cisne nos transporta para um mundo mágico, onde tudo é possível. Eleonor tem uma escrita fantástica e muito sagaz, que nos deixa realmente ligados à trama. Confesso que o tamanho do livro me intimidou no começo, afinal, esse “livrinho” possui mais de 700 páginas. Em alguns momentos, eu fiquei bastante perdida, principalmente no início do enredo, pois são muitos personagens para assimilar e muitos diálogos, o que acabou me deixando perdida. Por isso, a leitura tornou-se um pouco cansativa inicialmente, arrastando-se por um tempo maior do que eu imaginava. Contudo, depois que me acostumei à narrativa e “peguei no tranco”, ela transcorreu com facilidade. Sendo assim, eu te aconselho a lê-la com bastante calma. A parte física da obra está impecável, assim como a revisão. A capa retrata o veleiro com perfeição, a diagramação está sutil e muito bem feita. Parabéns a editora pelo capricho! Um dos pontos que mais admirei na trama, foi a união e a amizade que os Melbornes possuem. Para mim, a família é algo de muito valor, é a nossa base e a nossa força, e ver isso retratado com tanta beleza e destaque, foi gratificante. Essa família esbanja amor, lealdade e cumplicidade. Henry e Doris são pais amorosos, que confiam e acreditam no potencial dos filhos, e os protegem com todas as forças. Vai ter um momento que você vai desejar ser adotado por eles também (rs)! E entre tantos personagens (e são muitos, heim?!), os que ganharam o meu coração foram sem sombras de dúvidas, a Peggy e o Tim.

Recomendo a leitura para todos os apaixonados por fantasia, e para todos os que apreciam uma boa leitura, Cisne aborda de tudo um pouco, o que cativará vários tipos de leitores. Linhagens é o próximo volume da série, e nela teremos a continuidade da história. Já vou me preparando, pois o “tijolinho” é tão grande quanto este. Mas no fim, cada segundo de leitura vale super a pena! Até a próxima!

Confira a resenha completa no blog: http://www.blogvirandoapagina.com.br/2016/08/resenha-cisne-uma-geracao-todas-as.html

site: http://www.blogvirandoapagina.com.br/2016/08/resenha-cisne-uma-geracao-todas-as.html
comentários(0)comente



Portal JuLund 13/07/2016

Cisne, Mundo Uno
Assim que comecei a ler Cisne, tive uma feliz surpresa ao me deparar com situações extremamente engraçadas sendo relatadas dentro do grande veleiro Cisne. Imaginem só a confusão que não deve ser dentro deste navio cuja tripulação é uma família extremamente inteligente, cercada de ciência e sem deixar de ser uma família, bastante unida, apesar das brigas do dia-a-dia e muito carinhosa. Trata-se de oito filhos: os primeiros gêmeos Ted e Teo , de 16 anos, idênticos; o segundo par de gêmeos, Tim e Tom, de quinze anos; a bela Pam, de 14 anos, que não era gêmea, mas ganhou uma irmã de sua idade, Peggy, que foi adotada pelos Melbourne depois da morte de seus pais, e se encaixou perfeitamente à turma; Lis veio logo em seguida, tinha 13 anos; e o caçula, Bobby, de oito anos.

Leia mais no

site: http://portal.julund.com.br/resenhas/cisne-mundo-uno
comentários(0)comente



Carla Brandão 26/06/2016

Em Cisne, Eleonor Hertzog convida o leitor a conhecer o barco que dá título ao livro e seus numerosos ocupantes: o casal de cientistas Henry e Doris Melbourne e seus filhos Teo, Ted, Tim, Tom, Pam, Lis, Bobby e Peggy, essa última adotada pelo casal após ter perdido os pais. Formados pela Escola Avançada de Champ-Bleux, Henry e Doris têm o Cisne como barco de pesquisas e casa.

Os primeiros capítulos nos colocam dentro do Cisne. Conhecemos a rotina da tripulação - todas as atividades são realizadas pelo casal e seus filhos - e um pouco da personalidade de cada um deles. Apesar de muito responsáveis, os jovens Melbourne também têm atitudes e brincadeiras típicas da idade, o que garante muita bagunça e passagens divertidas. Os irmãos adoram pregar peças uns nos outros e divertir as crianças no porto de uma cidade encenando histórias de piratas. As risadas só dão espaço para a preocupação quando o assunto é Champ-Bleux. Exceto o caçula, Bobby, todos fizeram os exames para ingressar na escola e agora vivem a expectativa pelos resultados... Quem passou? Quem não conseguiu?

O clima de aventura de uma família que vive no mar, pouco a pouco vai abrindo espaço para a entrada de outros personagens e, com eles, muitos mistérios e um novo mundo: Tarilian. Descoberto por astronautas terráqueos e com uma ciência mais avançada que a da Terra, tem como habitantes os tarilianos - nada parecidos com os alienígenas com os quais estamos acostumados. As relações entre a Terra e Tarilian nunca foram totalmente boas. Parecidos em muitos aspectos, os dois mundos têm também suas diferenças, que vez ou outra são motivos de atritos. E é justamente uma confusão diplomática entre eles que acaba sobrando para a família Melbourne.

Dos dias ensolarados à bordo de um barco de pesquisas somos levados a Cidades Espaciais, conhecemos astronautas, cientistas famosos, Casas, Linhagens... Cisne é composto de muitas histórias que se entrelaçam para formar uma trama completamente diferente de tudo o que eu já tinha lido. A leitura foi cheia de altos e baixos, me prendendo muito em determinados momentos, mas sendo cansativa em outros. Os capítulos são relativamente grandes e quase não há narrador, a história é contada basicamente através dos diálogos.

É inegável, porém, a criatividade da autora ao construir com tantos detalhes um enredo tão complexo. O cuidado com cada pedacinho da trama é evidente a cada linha. A história contada por ela é também muito original, não é o tipo de livro que durante a leitura nos faz pensar que já lemos aquilo antes. Não mesmo! Cisne é surpreendente.

Além da criatividade na escrita, o que também não falta em Cisne são personagens. Eles são muitos! E exigem bastante atenção do leitor para acompanhar cada um sem ficar perdido. Mistérios também existem aos montes. Muitos deles vamos descobrindo junto com os personagens, outros nos são contados por suas vozes e alguns só descobriremos nos próximos livros. Eleonor, aliás, soube muito bem como deixar um gancho para o volume seguinte da série.

Para quem gosta de aventura e ficção, Cisne é uma boa pedida!

site: https://blog-entre-aspas.blogspot.com.br/2014/08/resenha-cisne-eleonor-hertzog.html
comentários(0)comente



Fernanda | @psiuvemler 30/04/2016

[Império Imaginário] Cisne, de Eleonor Hertzog
O Cisne é um veleiro solar um dos mais avançados biolabs tripulado pelo casal de doutores Melbourne, conhecidos como os melhores biólogos marinhos formados pela Escola de Champ-Bleux, que forma os mais renomados cientistas do mundo. Lá são realizadas importantes pesquisas marinhas feitas pelos biólogos Henry e Doris. Lá também é onde o casal mora há anos e onde cria os seus oito filhos, sendo eles Teo e Ted, Tim e Tom, Pam, Lis e Bobby, os legítimos, e a jovem Peggy, que fora adotada. Além do número grande de filhos, outro mistério ronda a família: ela possui duas duplas de gêmeos idênticos que são Teo e Ted, com 16 anos, e Tim e Tom, com 15 anos. Como os doutores conseguem manter a ordem em alto-mar, ninguém sabe.
Nas primeiras páginas acompanhamos a chegada do veleiro no cais de Porto Alto, fato que acontecia anualmente. Pela multidão que os aguardava, ficava claro que os Melbourne eram diferentes dos demais cientistas, afinal, qualquer um que vinha de fora achava loucura quando alguém dizia que toda aquela gente era amiga do casal e de seus filhos. Durante cinco dias, a tripulação do Cisne ou seja, a penca de filhos divertia, ajudava e trazia diversas novidades aos moradores de Porto Alto.
Mas nossa aventura começa mesmo quando os Melbourne ficam sabendo dos envelopes que continham o resultado da seleção para os novos alunos de Champ-Bleux. Quase todos haviam feito a inscrição e os mais variados testes necessários com exceção de Bobby que, com oito anos, não tinha idade o suficiente. Tim era o mais empolgado com os resultados e foi o que convenceu os outros irmãos a tentarem também. Lis, de 13 anos, tinha certeza de que não entraria, pois, em 50 anos de Champ-Bleux, apenas uma pessoa da idade dela conseguiu ingressar na Escola, porém ela estava conformada com isso. O espanto é geral quando os envelopes são abertos e eles descobrem que todos conseguiram. Ninguém nunca soube quais eram os critérios de seleção da Escola, mas Henry e Doris sabiam que algo estava muito errado naquilo.
Cisne é uma obra repleta de segredos e mistérios que vão muito além do que qualquer leitor é capaz de imaginar. Toda a história se passa em uma época onde o planeta Terra já evoluiu o suficiente para conseguir viver pacificamente. Descobrimos que não estamos sozinhos no universo. Um planeta localizado do outro lado do Sol possui uma tecnologia deveras mais à frente da nossa. A partir disso, os terráqueos começam a fazer de tudo para ultrapassar a ciência de Tarilian, em pleno momento cujos laços interestelares não poderiam estar mais frágeis.
O livro foi cedido ao blog em parceria com a autora e, assim como uma parte dos leitores, confesso que fiquei levemente apavorada com o número de páginas do livro, porém como ele já estava entre os livros que eu queria ler, aceitei a parceria de imediato. Agradeço à autora pela oportunidade e confiança em nos enviar um exemplar de sua obra.
Eu comecei a leitura bem empolgada. Esperava encontrar os doutores Melbourne com seus vários filhos viajando até a escola de Champ-Bleux. No entanto, surpresas vão surgindo, problemas aparecem cada vez com mais frequência e em maior intensidade e o que antes era para ser uma viagem tranquila acaba tornando-se um pesadelo. O contato com os tarilianos é de suma importância, mas está cada vez mais arriscado. O casal de biólogos, juntamente com Peggy, acabam se metendo em problemas sobre coisas que nem sabiam que existiam. E assim o leitor é apresentado a terrestres nervosos, tarilianos enraivecidos, repórteres, focas, golfinhos e mais uma infinidade de coisas que não daria nem para tentar explicar aqui.
Infelizmente não pude aproveitar tão bem a leitura quanto gostaria. Muitas vezes o número excessivo de personagens acabou irritando um pouco minha paciência, pois, quando eu finalmente ficava aliviada por saber quem é quem sem trocar nomes e ter que voltar páginas, mais dez personagens surgiam. Claro que não é assim até o final do livro, então um pouco à frente da metade do livro já é capaz de se estar habituado com o enredo. No entanto, não foi apenas isso que desencorajou a minha leitura. Muitas vezes pensei em pular alguns capítulos para não precisar ler a mesma discussão entre Terra e Tarilian através de perspectivas diferentes. Quer dizer, às vezes isso é necessário para entendermos melhor, mas não foi esse o caso. Grande parte das cenas sobre isso era apenas a opinião dos outros futuros alunos de Champ-Bleux.
Apesar dos pontos negativos, não foi uma leitura ruim. O livro causou, sim, um certo receio de aventurar-me em outros livros com número aproximado de páginas, mas a autora deu ao enredo de Cisne um final magnífico que me deixou curiosa pelo destino de certos personagens na continuação. Já outros personagens que não me agradaram tanto assim me fazem ficar em dúvida se leio ou não o segundo volume. No mais, dou parabéns à autora, que criou fortes ligações entre todos os personagens sem deixar nenhum ponto escapar. A trama realizada e todos os mistérios que a envolvem foram muito bem elaborados.
O trabalho gráfico, que ficou por conta da Editora Mundo Uno, está fantástico. A capa e diagramação condizem perfeitamente com a história contada, porém acho que a revisão poderia ter sido melhor. Não encontrei nenhum erro grotesco, felizmente, mas algumas frases ficaram com palavras faltando e isso deixa um furo na citação, apesar de não tirar completamente o seu sentido. Os capítulos são intitulados e enumerados abaixo de uma ilustração do veleiro, mas muitas vezes encontrei o título misturado com o desenho. Alguns parágrafos ficaram excessivamente grandes cheguei a encontrar um único parágrafo de uma página e meia e isso muitas vezes cansava durante a leitura. O restante ficou maravilhoso.
Apesar de ser uma obra muito bem comentada, acredito que para mim teria sido ainda melhor se a obra fosse dividida entre dois volumes. Todavia é uma leitura que recomendo para quem gosta de uma ficção científica intrigante, repleta de aventuras e mistérios.

site: http://imperioimaginario.blogspot.com.br/2016/04/resenha-cisne-eleonor-hertzog.html
comentários(0)comente



Fernanda @condutaliteraria 19/03/2016

Recomendo!
Acho que a primeira coisa que passa pela cabeça da gente ao se deparar com “Cisne” é o tamanho, rs. Nada menos que 724 páginas!!!!

Mas vou falar: depois que vocês conhecem os Melbourne, a vontade de ficar com eles vai além dessas páginas.

O Cisne é um veleiro solar onde vive a família Melbourne e que também lhes serve de local de trabalho; um centro de pesquisas.

A família é bem extensa. O casal Doris e Henry, biólogos marinhos renomados, possuem oito filhos: Teo, Ted, Tim, Tom, Pam, Lis, Bobby e Peggy, que é adotada.

Doris e Henry são formados pela escola de Champ-Bleux, a mais avançada da Terra, bastante rigorosa em seus exames de admissão, onde todos almejam entrar e só entram os melhores. Agora os filhos tentam seguir o mesmo caminho dos pais.

Em meio a toda diversão proporcionada pela família Melbourne, também vamos conhecer Tarilian, um mundo alienígena, onde seus habitantes, que até então tinham uma relação amigável com a Terra, vêm tudo se desestabilizar diante de um incidente diplomático, o que trará muita confusão durante a história.

Uma personagem que destaco é Peggy, doce e enigmática, muitos mistérios a envolvem. Algumas coisas sobre Peggy não foram totalmente esclarecidas, ficou aquele suspense no ar, que acredito que iremos saber mais em “Linhagens”, o próximo livro.

Além dos Melbourne, temos tantos outros personagens, terráqueos ou tarilianos, todos muito bem construídos pela autora.

Nesse cenário, Cisne nos desafia a cada página! Repleto de aventuras, mistérios, intrigas e surpresas. Mesmo sendo longo, a história não ficou cansativa ou chata, pelo contrário, você se vê preso ao Cisne do início ao fim.

Outra coisa que achei bom do livro é que mostra como o ser humano, independente da raça ou origem, é capaz de buscar intrigas e tornar as coisas tão mais difíceis quanto parecem.

A trama é envolvente e eu adorei a escrita da Eleonor, o único ponto que me incomodou um pouco foram os muitos diálogos. Mas nada que atrapalhasse o desenvolvimento da história, me senti dentro do Cisne, vivendo todas as aventuras!

A capa do livro é muito bonita e a diagramação perfeita.

Não tem como não se apaixonar pelos Melbourne. Você termina o livro com um gostinho bom e a imensa vontade de ler o próximo.

Cisne foi uma grata surpresa para mim, foi mais do que eu esperava e adorei passar um tempo a bordo dele!

Eu indico a todos que gostam de uma boa ficção científica, com aquela pitada de fantasia. Vale a pena ler!
comentários(0)comente



Conchego das Letras 18/03/2016

Resenha Completa
Olá,

Sabe quando você começa a leitura já assustada com a quantidade de páginas? Então, fui eu!! rsrs. Quando vi o tamanho do livro, fiquei imaginando o quanto de aventura poderia ter, se eu ia gostar, se ia ficar cansativa a leitura.. Mas esqueci todos esses "SEs" e me aventurei nessa grande história.

O livro Cisne é o primeiro que vou fazer a resenha da nossa parceira, a Editora Mundo Uno, e nele vamos conhecer uma família - o casal de cientistas Henry e Doris Melbourne e os seus oito filhos, sendo uma filha adotada - que moram em um veleiro. Lá, eles fazem grandes pesquisas marinhas e são conhecidos por serem ótimos biólogos.

Comecei a conhecer essa grande família ao longo da leitura; confesso que no começo fiquei um pouco assustada. São muitos filhos e com isso, fiquei um pouco atrapalhada para saber quem falava ou fazia algo. Mas no decorrer da história fui conhecendo o jeitinho de cada um e antes mesmo de a autora escrever quem estava falando, eu já sabia.



Sete dos oito filhos do casal tinham feito o teste para a Escola Avançada de Champ-Bleux, que é conhecida e almejada por muitos. Os irmãos queriam muito passar, pois seus pais tinham se formado nessa escola e eles queriam traçar o mesmo caminho. Fiquei uma boa parte da leitura angustiada junto com os filhos, para saber se eles tinham passado no teste.

O que achei bem legal foi a forma que a família se relacionava, eles eram bastantes carinhosos e tinham uma amizade linda e respeitosa. Além de filhos, eles eram a tripulação do veleiro. Eles faziam tudo o que se possa imaginar, cuidavam desde a manutenção até as pesquisas marinhas.

Mas a história não é só isso, uma família em um barco, onde os filhos querem passar em uma escola e fazem pesquisas marítimas. Existe muito mais, pois é uma história cheia de suspense e mistério.


Na sinopse fala sobre a descoberta de um novo planeta, Tarilian. Este foi descoberto próximo a Terra e eles não vivem tão bem assim com seus novos vizinhos. Aconteceu um desentendimento, piorando ainda mais a rivalidade entre os dois mundos e, com isso, o Cisne se viu nesse empasse para tentar resolver esse pequeno incidente.

Os jovens Melbourne não sabem dos segredos que os envolvem, não sabem que fazem parte de uma geração que decidirá o futuro do mundo inteiro. Agora eles precisarão dar o melhor de si para melhorar as relações entre Terra e Tarilian.


Não posso deixar de citar que fiquei muito confusa com tantos personagens, os planetas e os nomes desses locais. É muita informação para poder assimilar e chegou a uma parte que a leitura se tornou um pouco cansativa. Mas depois que entendemos um pouco mais de tudo as coisas melhoram e a leitura flui melhor.

A autora tem uma escrita muito detalhista, em alguns momento foi interessante, pude entender melhor o que acontecia e, em outros momentos, achei desnecessária e que poderia ter sido cortada. A autora abusou dos diálogos e, claro, eu amei! A família é divertida e dei muitas risadas com o que eles aprontavam.

Eu fiquei assustada de como minha resenha ficou grande. Mas como falar pouco com um livro de tantas páginas? rsrs Super recomendo a leitura para aqueles que amam uma ficção científica e que querem se aventurar em uma grande história, cheia de mistério.

Ahhh... O segundo livro é tão grande quanto o primeiro e já foi lançado :). Em breve resenha aqui no blog.

site: http://conchegodasletras.blogspot.com.br/2016/03/resenha-cisne.html
comentários(0)comente



Denise 16/03/2016

Resenha: Cisne - Eleonor Hertzog
Cisne é um veleiro, onde são realizadas grandes pesquisas marinhas pelos Biólogos Henry e Doris Melbourne. Vivem a bordo do Cisne o casal, 7 filhos legítimos e uma filha adotada, com as idades entre 8 e 16 anos. Algo muito incomum acontece, desses 7 filhos, duas duplas são de gêmeos....idênticos!
"Teo e Ted eram os gêmeos mais velhos, com dezesseis anos; depois, vinha outro par de gêmeos, Tim e Tom, com 15 anos. Pam era a seguinte com quatorze, Lis tinha treze, e depois vinha uma pausa de cinco anos (nos dias de tédio, os filhos se divertiam especulando o que teria acontecido naqueles anos para os pais não terem procriado o filho anual) e vinha o caçula, Bobby, de oito anos. Peggy tinha quatorze anos como Pam, e havia se entrosado perfeitamente com eles desde o primeiro dia."
A narrativa começa com 7 dos 8 filhos do casal fazendo testes para a Escola Avançada de Champ-Bleux, a escola mais conceituada e mais difícil de entrar do planeta, e onde seus pais se formaram.

Em meio a isso, vemos a convivência do dia a dia no Cisne, já que toda a tripulação se resume à família. Os jovens nos são apresentados ora com um ar mais infantil, fazendo brincadeiras e "pegadinhas" entre eles, ora como crianças notavelmente adultas e responsáveis que ajudam os pais na embarcação, com as pesquisas, e com os afazeres domésticos.

Desde o início já notamos que há algum mistério acerca de Peggy, a filha adotiva de 14 anos. Ela é diferente, tem alguns "poderes" que só os pais adotivos sabem e ela tem que trabalhar isso, sem que os irmãos saibam.
"Tinha algo de sonhos, aquele veleiro... Talvez fosse a Lua, ou o marulhar leve das ondas, ou o balanço do barco... Ou talvez fosse aquela estranha família, deixando a bordo uma parte de sua magia. Magia? Sorrisos, alegria, um tapa nas costas, uma palavra amiga... Amizade da melhor qualidade."
Ao longo da narrativa conhecemos outras famílias, de outros planetas inclusive. Sempre com um mistério envolto às conversas entre eles. Fiquei com a impressão que há muito mais para ser contado e conhecido do que foi.

Em um certo momento, o Cisne é obrigado a abrigar dois estagiários Tirilianos e com eles 2 repórteres. Um Tiriliano e um Terráqueo. A rotina no Cisne pode mudar drasticamente, para a pior, mas a união da família e a maturidade dos filhos acabam superando até mesmo isso.

Paralelo à tudo o que acontece a bordo, conhecemos o resultado dos testes e sabemos quais dos 7 filhos do casal vão entrar na Escola Avançada. Apenas Bobby, de 8 anos não fez os testes, pois ainda não tem idade.

Eu fiquei um pouco confusa com a quantidade de personagens trazidos, de famílias e seus filhos, de planetas e "Casas" que surgiram. Não sei se fui eu mas isso meio que me incomodou pois era gente demais para eu assimilar e fiquei um pouco perdida. Penso que o livro com o tanto de informação que tem poderia ter sido dividido em dois, talvez assim eu não me perdesse tanto.

Um ponto que eu achei legal foram os diálogos entre a família Melborne. Vi diálogos normais e simples, corriqueiros até, de fácil entendimento e bem divertidos. Mas não se engane com a simplicidade de alguns diálogos! Quando o bicho pega e o assunto é sério e trata de pesquisas, de poderes mentais, a coisa muda completamente e eu fiquei pensando de onde a autora tirou tudo o que nos trouxe.

Tive dois pensamentos bem diferentes ao iniciar a leitura:
O primeiro foi..."nossa, que linguagem simples e direta!" e o segundo foi "gente, que mulher inteligente! De onde a autora tirou essa riqueza de detalhes!" Sim, preciso ressaltar que fiquei impressionada com a inteligência da autora, apesar de em certos momentos eu ter achado a leitura cansativa. Mas eu penso que isso aconteceu por causa do número de informações e personagens e eu me perdi toda....Mas logo me encontrei!

Um ponto que eu achei muito interessante e isso me fez gostar ainda mais da narrativa foi a amizade e o respeito que há entre os irmãos e entre seus pais, acho isso bonito e uma coisa que deve ser incentivada e valorizada. E foi o que eu vi sempre. A confiança depositada e merecida é algo muito bonito e sempre presente na estória.

Não encontrei um único erro no livro, seja de pontuação, seja de ortografia...nada. A capa é até simples, mas é muito bonita. Apesar da infinidade de personagens, eles são muito bem estruturados. Há "pistas" desde o início da leitura, que eu só fui entender ao terminar e nossa, como eu não vi antes? De novo, essa autora não é normal gente...que cabeça!!!!

Enfim, recomendo a leitura para todos que gostam de ficção, romance, aventura, ação, fantasia....ufa...tem de tudo! Já estou ansiosa pelo segundo e sei que também é um livro enorme!!! Vou ter que acostumar!!!! Mas vale a pena!


site: http://www.eupraticolivroterapia.com.br/2016/03/resenha-cisne-eleonor-hertzog.html
comentários(0)comente



Nelmaliana 09/03/2016

Cisne é um veleiro de alta pesquisa tecnológica e o lar da família Melbourne. Nele moram Henry e Doris, os pais e conceituados biólogos marinhos, juntamente com seus 8 filhos, que variam de idade entre 8 a 16 anos. Esse grupo de pessoas é o único responsável por todo trabalho na embarcação, e as crianças além das obrigações com o veleiro ajudam os pais nas pesquisas sobre a vida marinha da Terra.

Henry e Doris formaram-se na Escola Avançada de Champ-Bleux, e os filhos resolveram seguir os mesmos passos. Surpreendentemente todos os filhos que se candidataram, conseguiram a vaga e enquanto aguardavam o ingresso na escola, a família é envolvida em uma questão diplomática entre a Terra e Tarilian – único planeta habitado conhecido pelos terráqueos – sendo obrigados a aceitar a bordo do Cisne dois repórteres estagiários.

Em meio a essa tensão entre os dois planetas, os Melbourne precisarão evitar que essa frágil amizade se transforme em uma guerra, e ao mesmo terão que lidar com questões envolvendo seus filhos, que são muito maiores que os problemas interplanetários.

Vamos começar assim: a história do livro é muito interessante, e teria tudo pra ser uma das minhas melhores leituras. Porém a maneira como ela é escrita, é extremamente enfadonha. Lembrando que a partir daqui é exclusivamente minha opinião, minha experiência com o livro.

Esse livro entrou pra minha lista de querências desde o primeiro momento que o vi. E cada vez que via ou ouvia alguém falar sobre ele, só aumentava o meu desejo de lê-lo. No meio do ano passado consegui comprá-lo, porém ele nunca chegou nas minhas mãos (p.s. cuidado com compras em grupos na internet). Aí fiquei sabendo do book tour, e mais que depressa me inscrevi. E qual não foi minha felicidade ao ver que havia sido um dos blogs escolhidos. Mal pude suportar a ansiedade até recebê-lo. Porém, a alegria parou por aí.

As dez primeiras páginas foram excelentes, estava mega empolgada com a leitura. Mas a partir daí, infelizmente não foi bacana. A leitura começou a se arrastar interminavelmente. A escritora usa um estilo que eu nunca havia visto, pelo menos nunca num livro tão grande. Ele é narrado quase que totalmente através de diálogos.

E isso, com o decorrer das páginas se torna maçante. Vou relatar alguns detalhes logo do início, então não tenham medo de spoiler. Cada vez que o Cisne aporta em uma cidade, a tripulação faz uma festa pras pessoas que os aguardam. Em certo momento, eles chegam a um porto e as crianças Melbourne decidem fazer um teatro pros moradores locais, bacana, porém esse teatro é narrado em sua íntegra, são páginas e mais páginas assim. Existem repetições de diálogos, como por xemplo: personagem A conta algo a personagem B. Personagem A encontra personagem C e reconta a mesma história. É novidade pro personagem C, mas nós já sabemos. E isso se estende a quantos personagens precisem saber da história.

No meio do livro eu já estava cansada, e por mais interessante que a história fosse, o livro não me atraía mais. Pra mim a leitura é uma experiência ampla, que abrange uma diversidade de coisas. E por melhor que a história seja, o fato de ter sido uma leitura maçante e arrastada fez com que essa experiência não fosse das melhores.

Outra coisa que não gostei, foi o fato de muitos personagens não serem bem desenvolvidos. Em certo ponto não conseguia diferenciar algumas delas. Por ser narrado em diálogo a maior parte do tempo, também senti necessidade de mais informações sobre os ambientes onde a história se passa.

Como disse anteriormente, a história é muito interessante, tem aventura, ação, ficção, tudo que eu amo num livro, se não fosse o estilo narrativo escolhido. Isso, realmente fez com minha experiência não fosse boa.

Porém, não "desrecomendo" o livro. Como disse, é a minha opinião sobre a minha experiência, e se você não se importa com esses detalhes, leia-o, é bem possível que você tenha uma opinião diferente da minha.

Opinião postada originalmente no blog Profissão: Leitora

site: http://profissaoleitora.blogspot.com.br/2016/03/cisne-de-eleonor-hertzog.html
Raiane 12/01/2018minha estante
Estou lendo esse livro e concordo com você. :/




Keth 08/01/2016

Livro impressionante!
Resenha:
A família Melbourne não é comum, eles vivem no barco chamado Cisne onde fazem suas pesquisas marinhas com seus filhos a bordo e eles são sua tripulação.
Diferente de outros biólogos Tarilianos eles são animados e vivem muito bem, mas nem todos gostam dessa alegria que ele trazem. Jean é uma dessas pessoas, que por ser uma jornalista Terráqueo não vê nada de interessante neles mas para sua surpresa ele acaba sendo contagiado por ela família fora do comum. Seu trabalho é fazer um reportagem sobre uma espécie de foca que foi encontrada e para continuar com seu emprego ele precisa escrever um bom artigo e mandar para o jornal, mas para isso ele precisa estar abordo com os Melbounes, será que conseguiria?
E ele conseguiu mas sua câmera ficaria de fora já que o barco é o lar deles, seria uma invasão de privacidade.
Em Porto Alto onde eles então Jean percebe o quanto aquelas pessoas gostam deles e passa a ver de perto tudo o que acontece por ali. Os filhos de Doris e Henry são boas pessoas porém bem astutos, sabem muito bem aprontar uns com os outros, e não são poucos filhos não, eles tem 8 filhos sete deles são biológicos e Peggy que é adotada.
A ventura não começa quando essas crianças aprontam, mas dão início quando Peggy começa a mudar, quando Henry precisa contar sobre o seu passado e quando continuar omitindo não é mais a melhor opção.
Peggy é uma jovem mutante e não sabe muito sobre sua vida, seus pais biológicos morreram e a jovem ficou sobre o cuidados de seus tios que sofreram um acidente de faleceram o que levou a menina a morar com Doris e Henry mesmo sabendo que para ela seus pais seriam mesmo outros, os pais de Pete.

site: http://parbataibooks.blogspot.com.br/2016/01/resenha-cisne.html
comentários(0)comente



98 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7