O Silmarillion

O Silmarillion J. R. R. Tolkien




Resenhas - O Silmarillion


436 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Roberta 09/07/2020

Leitura incrível!
Foi talvez o livro mais difícil que já li até hoje. Entendo pq existe um fandom tão grande e fiel a Tolkien, mas ainda não sei se esse é um bom livro de entrada.
comentários(0)comente



Gaal 07/07/2020

Terminei a bíblia
Não foi fácil... Demorou, mas acabou. O livro não é longo, metade da edição que eu li são apêndices com genealogia, mapa, pronuncia, etc. Mas tem que ler esse livre sabendo mais ou menos onde você vai se enfiar.
É uma enxurrada de nomes, você não vai lidar com 15 personagens, você vai lidar com 70, e eles vão sumir e reaparecer lá na frente na narrativa. É muito nome de locais, famílias, tem elfo, tem humano, tem Valar, tem anão.. sério, vá preparado.
Mas... É incrível, saber tudo desde o início, trouxe outro olhar pras estórias já mais conhecidas. Desde a criação dos Valar, até o surgimento de Sauron, as duas primeiras eras, é tudo muito interessante de ler. Se você gosta de Hobbit, mas principalmente Senhor dos Anéis, leia!
comentários(0)comente



Rodrygo Raasch 07/07/2020

O SILMARILLION – J.R.R. TOLKIEN
O presente livro é a maior pérola de J.R.R. Tolkien, segundo a opinião do próprio autor. O Silmarillion começou a ser redigido por volta de 1917 em forma de notas esparsas sobre mitologia da Terra-Média, ao qual, Tolkien colhia informações e realizava anotações sobre os dias antigos da Terra-Média, durante a Primeira Era do Mundo. A título de curiosidade, em O Hobbit e O Senhor dos Anéis são relatos dos últimos dias da Terceira Era.

Acima apontamos que esta é a maior pérola do autor e, isto se deve as inúmeras tentativas deste em publicá-lo conjuntamente com O Senhor dos Anéis, ainda que em função disso Tolkien tenha perdido inúmeras oportunidades de publicar esta última obra separadamente. Tolkien não viu em vida O Silmarillion publicado, posto que a primeira edição do presente livro ocorreu quatro anos após o falecimento do autor.

Outro ponto curioso é fato de que Tolkien nunca conseguiu em vida terminar a obra, O Silmarillion publicado 1977 é fruto do esforço de Christopher Tolkien, filho do autor, em reunir em um único livro as inúmeras anotações deixadas por J.R.R. Tolkien, motivo este que inúmeras partes apresentam incongruências geográficas entre a narrativa e a série de mapas constantes no final do livro.

Ainda, sobre a atividade criativa do presente livro, Tolkien era um Católico cativo, contudo, não admitia alusões as figuras bíblicas como o amigo CS Lewis se valia, motivo este que em O Senhor dos Anéis não há representação religiosa, como pondera Ives Grandra. Nesse sentido, Michael White na obra J.R.R. Tolkien Senhor da Fantasia pondera:

“Um dos aspectos mais surpreendentes da mitologia de Tolkien é que, como as antigas tradições nas quais se baseava, ela descreve um mundo destituído de cristianismo. A Terra-Média é um mundo que, em linguajar cristão, havia “caído em desgraça”, mas não havia se redimido.“

Data vênia, mesmo respeitando a posição anteriormente apresentada, ousamos discordar e, juntamente com as ponderações do Padre Paulo Ricardo, nos posicionamos baseado segundo as informações contidas nas primeiras páginas de O Silmarillion, ao qual, narra a história de criação da Terra-Média: no princípio havia Eru, o único, inicialmente este cria os Ainur e os propõe temas musicais. Entre os Ainur há Melkor, o mais poderoso dos Ainur, e este apresenta uma dissonância musical em relação ao tema proposto por Eru, consequentemente, alguns dos Ainur segue Melkor e se rebelam ao tema musical de Eru. Desta dissonância é criado Arda (mais conhecida como Terra-Média).

“Havia Eru, o Único, que em Arda é chamado de Ilúvatar. Ele criou primeiro os Ainur, os Sagrados, gerados por seu pensamento, e eles lhe faziam companhia antes que tudo o mais fosse criado. E eles lhes falou, propondo-lhes temas musicais; e eles cantaram em sua presença, e ele se alegrou. Entretanto, durante muito tempo, eles cantaram cada um sozinho ou apenas alguns juntos, enquanto os outros escutavam; pois cada um compreendia apenas aquela parte da mente de Ilúvatar da qual havia brotado e evoluía devagar na compreensão de seus irmãos. Não obstante, de tanto escutar, chegaram a uma compreensão mais profunda, tornando-se mais consoantes e harmoniosos.“

Assim, vislumbra-se logo no primeiro parágrafo a figura divina de Ilúvatar, ou Eru, verifica-se ainda a existência de Anjos, os Ainur. Desta forma, é impossível não correlacionar esta parte preliminar de O Silmarillion com as bases do Cristianismo, tais como visto em Genesis na Bíblia. Logo, não estamos em um mundo destituído de divindade, mas tão só decaído.

Vale lembrar que a obra em análise começou a ser redigida em 1917, mas, como apontado alhures, não foi concluída em vida pelo autor. A isto podemos ponderar acerca das influências da Primeira e Segunda Guerra Mundial na construção da Terra-Média, já que Tolkien fora para o front de batalha na primeira guerra e, na segunda fazia parte de um grupo responsável pela observação dos céus em Oxford, com fito de avisar a população quanto aos bombardeios aéreos que sofria a Inglaterra todas as noites enquanto pendurava a Guerra.

Seguindo, como o ilustre leitor pode observar, trata-se de um livro complexo e relativamente extenso, de redação truncada, onde a maior virtude está na grande quantidade de informação sobre o universo criado pelo autor, o que, por si, torna a leitura pesada e demorada. Como apontado alhures, não é fruto de uma obra acabada e lapidada, mais a junção de textos esparsos.

No mais, pode-se observar que O Silmarillion é o ponto de partida de quase a totalidade de livros de Tolkien. Dentro dele há capítulos sintéticos ao qual o Autor posteriormente publicou livros desenvolvendo com maior riqueza de detalhes, tais como Beren e Luthien, O Ferreiro do Bosque Grande e Os filhos de Húrin.

Trata-se de obra obrigatória para os fãs e simpatizantes de John Ronald Reuel Tolkien, além de ótima dica de leitura para entusiastas com os livros O Hobbit e a trilogia de O senhor dos Anéis. Em O Silmarillion se encontrará em riqueza de detalhes toda a fundamentação da Terra-Media, sua história. Trata-se de um dos maiores livros de fantasia já publicados, ponto de partida para um mundo novo, cativante e inspirador.

site: https://1995literatura.wordpress.com/2019/08/15/o-silmarillion-j-r-r-tolkien/
comentários(0)comente



emlindh 07/07/2020

Silmarillion
A obra suprema da criação de um mundo fantástico, que convenhamos também é a base para muitos outros mundos da fantasia. Lembre-se de ler com o mapa de Beleriand e com um caderno para fazer anotações, se não os nomes dos personagens e lugares vão virar uma confusão só.
comentários(0)comente



FMJ616 06/07/2020

Assim se fez uma obra-prima
Estou declaradamente órfã. Eu não fiquei com ressaca literária, pelo contrário, quis me envolver mais ainda nesse mundo maravilhoso que Tolkien criou. E esse foi meu erro. Parti direto pro Hobbit e minha decepção foi muito grande no começo. Não é, de forma alguma, o mesmo autor. Digo, a escrita do silmarillion não é pra crianças como esse outro definitivamente é. Alias, outra coisa q me encafifa é: pq é no masculino O Silmarillion, sendo q são AS SILMARILLS?
Chorei em muitas partes desse livro, o fim de vários personagens, mesmo sabendo desde o começo o triste fim que teriam os noldor depois do funesto juramento. o ápice com certeza foi Fingolfin Nolofinwë, pela deusa, como amei esse eldar. E obviamente no resumo de Beren e Lúthien, e eu nãos ei se tenho coração o suficiente pra ler o livro todo e sofrer tanto novamente.
já A queda de Gondolin e Os filhos de Húrin eu não faço questão de saber, principalmente desse último, ô ódio q tenho desses omis.
Acredito que pra aqueles que não conseguem se adaptar aos muitos nomes sinônimos, que fiquem se referenciando no glossário que tem no livro pra dar uma rememorada. A maioria q fui lá era mais por alguma curiosidade, mas é uma ferramente maravilhosa a qqr momento da leitura.
Apesar de não gostar do hobbit tanto quanto gosto desse livro, tenho q me permitir, até eu chegar no senhor dos anéis. Espero q seja uma jornada melhor e que me relembre mais essa maravilha aqui q vai ficar pra sempre no meu coração como um dos melhores livros de ALTA FANTASIA que já li na vida.
comentários(0)comente



Aline.Oliveira 05/07/2020

Encantada pela criatividade
O que mais gostei nesse livro foi a complexidade do universo criado...Sem dúvida Tolkien tinha criatividade muito acima da média. O que achei engraçado foi que a expressão "se abateu sobre" foi usada MUITAS vezes na narrativa...não sei se era um vício de linguagem do autor ou se foi algum vacilo na tradução.
comentários(0)comente



Brenner.Resende 04/07/2020

Expansão da Mitologia
O Silmarillion é uma coletânea de obras literárias de mito-poesias de J. R. R. Tolkien. Foi editada e publicada postumamente em 1977 por seu filho Christopher Tolkien com a ajuda de Guy Gavriel Kay. O Silmarillion, juntamente com outras obras de Tolkien, forma uma extensa, embora incompleta, narrativa que descreve o universo de Eä, onde se encontram as terras de Valinor, Beleriand, Númenor e da Terra Média, onde se passam O Hobbit e O Senhor dos Anéis.
O Silmarillion compreende cinco partes: a primeira, Ainulindalë, fala da criação de Eä, o "mundo que é"; a segunda, Valaquenta, dá uma descrição dos Valar e Maiar, os poderes sobrenaturais de Eä; a terceira, Quenta Silmarillion, que forma a maior parte da coleção, narra a história dos eventos antes e durante a Primeira Era, incluindo as guerras pelas Silmarils que deu título ao livro; a quarta, Akallabêth, relata a história da Queda de Númenor e seu povo, que tem lugar na Segunda Era; e a quinta, Dos Anéis de Poder e da Terceira Era, é um breve relato das circunstâncias que levaram e foram apresentadas em O Senhor dos Anéis. Devido à morte de Tolkien antes de terminar a revisão das várias lendas, seu filho Christopher reuniu materiais a partir dos escritos mais antigos de seu pai para preencher o livro. Em alguns casos, isso significou que ele tinha de elaborar material completamente novo, a fim de resolver as lacunas e inconsistências na narrativa. Maiores esclarecimentos sobre as dificuldades em reunir e organizar esse material podem ser lidos no prefácio do livro.
O escopo inicial de O Silmarillion é estabelecer a cosmogonia do universo fictício criado por Tolkien, e aqui é perceptível a influência do cristianismo, uma vez que o autor era um católico devoto, que se revela naqueles que sucumbem ao Mal. Aqueles dotados de imenso poder geralmente cedem à vaidade e a sede de mais poder e é realmente impossível não comparar a história de Melkor com a de Lúcifer. Outro ponto de semelhança é a visão monoteística de um Deus Todo-poderoso com vários anjos o servindo como soldados e secretários, na história representados pelos Valar e Maiar. Porém é interessante ressaltar que há também fortes influências de mitos pagãos indo-europeus, formando assim um belo sincretismo religioso.
A mensagem principal que a obra transmite ao público é para que o Homem acautele-se dos sentimentos de inveja, vaidade, cobiça e a avareza. Todos os povos descritos no livro caíram em desgraça por causa desses sentimentos, lançando o mundo em um período de declínio espiritual e cultural, todavia esse declínio foi causado pelo livre arbítrio de todas as criaturas ao invés de uma natureza intrinsecamente boa ou má.
A obra tolkieniana possui o mesmo poder mito-poético que as antigas sagas indo-europeias. Afinal, seu propósito é precisamente esse: criar uma nova epopeia indo-europeia, para fundamentar miticamente a nossa existência nesses tempos estranhos, para os quais nem a Ilíada, nem a Odisseia, nem os Eddas, podem dar todas as respostas.
A obra tolkieniana trabalha com todas as questões fundamentais de nossa era (técnica, pavor da morte, burocratismo, desenraizamento, massificação, etc.) e possui enorme poder de inspiração ética.
comentários(0)comente



Rhai 04/07/2020

?Não renunciamos a amizade alguma. Mas pode ser papel de amigo repreender a insensatez de um companheiro.?

?
comentários(0)comente



Gres Micaeli 30/06/2020

O começo de tudo!
Já tinha ouvido falar que Tolkien é o pai da fantasia, de como O Hobbit e O Senhor dos Anéis são histórias fantásticas, porém nunca me interessei em ler os livros (até agora)

Depois de quase 26 anos habitando o planeta Terra, decidi me aventurar pela Terra Média e começar pelo Silmarillion foi uma decisão acertiva, eu adorei o livro, porém exige paciência...

Por ser o primeiro contato com o autor, em alguns momentos foi meio confuso o emanharado de enredos, personagens e descrições, que se convergem, mas podem causar certa estranheza a um leitor novato no universo de Tolkien como eu :)
Se você passou por isso nessa leitura, minha dica é ler sem se prender aos detalhes, algumas coisas possivelmente só farão mais sentido quando avançar nas leituras da Terra Média, e tem tanta coisa maravilhosa nessas histórias, que vale a pena "sobreviver" as partes difíceis ;)

Um livro que com certeza farei releitura e tenho certeza que será uma experiência ainda mais incrível depois de conhecer outras obras do autor...

O Silmarillion foi o começo de tudo!
O começo do mundo abordando de forma impecável a narração de tantos acontecimentos da Primeira Era.
O começo de uma nova leitora de Tolkien que quer conhecer toda obra desse autor *-*
comentários(0)comente



Sergio.Vianna 25/06/2020

A Cobiça do Homem Será a Sua Própria Ruína
Muitas pessoas me falaram coisas negativa sobre este livro. Sobre como é uma leitura pesada, até mesmo cansativa. E isso me afastou de O Silmarillion por um bom tempo. De fato, O Hobbit tem a leitura mais ?fácil? das obras do Tolkien, fluindo melhor. Já O Senhor dos Anéis eu tive alguns problemas em alguns momentos do livro.

Mas O Silmarillion para mim foi uma grande supresa. Do início ao fim, eu fui surpreendido com uma estória extremamente bem trançada, com muitas revelações e viradas incríveis dentro da trama. Sem dúvida o trabalho que melhor traduz a genialidade de seu autor. A imensa quantidade de personagens, casas, e lugares podem ser cansativas para o público geral, e se não tiver cuidado, você pode facilmente se perder ali no meio. Mas admito que para mim foi bem tranquilo, pois a estória me prendeu do início ao fim, até mais do que o próprio O Senhor dos Anéis, talvez por se tratar de um território novo, mas ao mesmo tempo cheio de similaridades.

Indico facilmente para todos que já se deixaram seduzir pela Terra-Média, e que gostariam de entender a sua criação, o surgimento de suas belas criaturas, e de todos os terrores criados pela escuridão e cobiça.
@brunoereno 28/06/2020minha estante
por indicação de alguns blogs esse é o primeiro livro do Tolkien que estou lendo. tô bem no começo e confesso que foi muito chato esse monte de personagens descritos. mas agora está fluindo.


Sergio.Vianna 28/06/2020minha estante
Realmente não é um livro fácil, principalmente se for o seu primeiro contato com o autor. Mas eu também tive dificuldade no O Senhor dos Anéis. Essas descrições absurdas estão presentes nas outras obras, a diferença desse é a quantidade surreal de personagens, e isso realmente pode atrapalhar e cansar o leitor. Mas espero que você goste do livro, e se eu puder te indicar, O Hobbit seria uma boa continuação. :)


@brunoereno 28/06/2020minha estante
isso mesmo. na sequencia lerei os filhos de húrin, o hobbit, o senhor dos anéis e finalizo em contos inacabados.




Danilo.Souza 24/06/2020

Um livro revelador
Pra quem gosta do universo de senhor dos anéis, esse é um livro incrível. Recomendo fazer a leitura com calma pois a quantidade de informações é muita.
comentários(0)comente



Hayra.Oliveira 24/06/2020

Uma obra prima
Acredito que esse tenha sido um dos livros mais belos e profundos de fantasia que eu li na minha vida.
A beleza como é narrada a história da criação do mundo de Tolkien e a complexidade com que ele expõe os detalhes desse vasto universo, faz com que qualquer pessoa se encante e queira aprofundar mais os conhecimentos nesse mundo.
FMJ616 06/07/2020minha estante
Siiiim! mana, com certeza. foi meu primeiro livro dele e nossa, que amor que tenho sobre esse livro. É tudo tão poético, lírico, aaaah! é a beleza em forma de escrita.


Hayra.Oliveira 09/07/2020minha estante
Justamente! Tudo isso que falaste eu também compartilho como opinião.
Esse livro é uma magia em palavras




Claudia.Ribeiro 23/06/2020

Sou viciada
Como todas as obras de Tolkien, este livro é mais uma das perfeições existentes entre nós! Amoo!
comentários(0)comente



Rafa 22/06/2020

Excelente livro para quem gostaria de se aprofundar no excelente mundo criado por Tolkien. No começo foi difícil acompanhar os diversos nomes, recomendo escrever os nomes em alguma folha para se situar da história kkkkk
comentários(0)comente



gabriella 22/06/2020

Magnífico
Tolkien consegue superar-se na sabedoria. Livro muito difícil, mas vale cada esforço para ler.
comentários(0)comente



436 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |