A Metamorfose; Um Artista da Fome;  Carta ao Pai

A Metamorfose; Um Artista da Fome; Carta ao Pai Franz Kafka




Resenhas - A Metamorfose


723 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Lunii 25/08/2019

A melhor experiência
Recentemente fui instigada a ler alguns clássicos, pra poder dar um ar diferente nas minhas leituras. Decidi experimentar então esse aqui.
Quando era menor, peguei emprestado na biblioteca e não entendia absolutamente nada do livro, depois de muito tempo peguei para ver como era e me surpreendi de maneira muito legal.
Me deixei abrir para uma interpretação da obra, e me senti muito impactada pela forma como o Kafka tratou a exclusão do personagem, toda essa metáfora do inseto e a relação da família.
Esse é um dos livros que pretendo ler num futuro, para relembrar essa leitura rápida e gostosa.
comentários(0)comente



Matheus Felipe 24/08/2019

A metá...fora, de Kafka.
Apesar de ser escrita no século passado, A metamorfose retrata metaforicamente conflitos sociais que estão presentes até hoje. O livro conta a história de Gregor Samsa, que certa manhã acordou metamorfoseado num inseto monstruoso. Embora pareça ficção, a obra traz uma objetividade incrível em cada linha de cada parágrafo de cada página e, por isso, a leitura é saborosa no pequeno intervalo medido entre o começo e o fim.

É necessário frisar que a intenção do autor não era especificamente falar de como um humano se transformou em um bicho asqueroso, mas sim metaforizar as relações sociais e pôr à prova o valor do homem que, em um contexto capitalista, é apenas aquilo que produz. Com efeito, Gregor era importante enquanto trabalhava para sustentar sozinho a todos e para pagar as dívidas da família. Quando não pôde mais trabalhar devido à sua condição, passou a ser um fardo, e logo seus entes passaram a tratá-lo como um um peso morto, como um inseto que deveriam esmagar a chineladas.

Além disso, por não ser compreendido, era tratado da mais humilhante maneira possível, de tal modo que tinha que se esconder para não ser visto pela sociedade, já que era a vergonha da família, ou ainda ter que ver todos os seus móveis serem colocados para fora de seu quarto - quando humano, talvez não fossem tão importantes; como inseto, porém, era tudo que lhe restara. Os pais e irmã apenas o julgavam, e colocavam no pobre Gregor a culpa por tudo que acontecia de ruim no pequeno apartamento. Inclusive, em um dos conflitos, o pai joga uma maça que penetra a asa de Gregor e só faz as feridas aumentarem (as do corpo e as da alma). A trama continua, transformando não só Gregor como também todo o contexto em que ele se insere, e somos levados até o fim pela doce curiosidade de saber o que acontece com aquele indefeso e pobre inseto.

É incrível como 100 anos atrás Kafka já enxergava esse lado egoísta da humanidade. É mais extraordinário, porém, como nada mudou de lá pra cá. Continuamos julgando por aparências, continuamos atacando os nossos diferentes, continuamos incompreendendo nossos filhos, continuamos os donos da razão. E conquanto nos intitulemos tolerantes, sempre caímos na tentação de esmagar os insetos. Ademais, ao fim da leitura reflexões são bem-vindas (e elas virão). Quem nós somos para aqueles que estão presentes em nossas vidas? E quem são eles para nós? Afinal, somos humanos ou, como o pobre Gregor, apenas insetos?
comentários(0)comente



tadeugoulart 19/08/2019

Você é inseto ou humano?
Uma metáfora inspiradora sobre perda, desamparo e um mundo de coisas inevitáveis que podemos enxergar, pela subjetividade, o que seriam.
Samsa, ao acordar metamorfoseado em um inseto monstruoso pode nos inpirar a pensar sobre onde está depositado o controle das nossas vidas. A mudança que se dá na rotina dele me fez pensar nos papéis que exercemos, no que é uma morte, seja social ou física. É um desafio cotidiano lidar com o peso de sermos insetos ou humanos e lidar com as nossas fraquezas.
Leitura um pouco lenta, às vezes. Necessário fazer uma leitura atenta para se conectar.
comentários(0)comente



FabyTedrus 16/08/2019

A Metamorfose - Franz Kafka
Eis um livro bastante bom e bastante perturbador. Curto, gostoso de ler, com uma história que pode parecer sem pé nem cabeça ou pura bizarrice mas se você ler as entrelinhas, tentar enxergar além do que está sendo escrito é BEM bom.
Gosto da ideia de pensar que o fato do protagonista não ligar para a mutação tanto quanto liga para outras coisas mais "mundanas" e com os outros a sua volta, é um jeito bem forte de tocar em feridas como preconceito e usar isso como uma bela metáfora.
Bem interessante, vale a leitura!
comentários(0)comente



Wagner 13/08/2019

Reflexivo!
Procurei o mínimo possível sobre a obra, para poder ter a melhor experiência possível e não me decepcionei, muito pelo contrário, pra mim essa obra permite fazer diversas analogias com situações que vemos no nosso dia a dia. Do meu ponto de vista, o inseto de Franz Kafka é uma alegoria para o tipo de pessoa que vive ou passa por um tipo de situação degradante e dentro do contexto da história podemos fazer diversas analogias. De fato esse livro me tocou...
comentários(0)comente



Guaranádoamazonasémassa 10/08/2019

Há um tempo decidi me ater aos clássicos e, se curtos, melhor ainda. O objetivo é alcançar um número significativo de leituras de livros clássicos. Esse daqui, que se encaixa perfeitamente nos dois pré requisitos, eu não deixaria passar. Sobre o Kafka pouco coneço a respeito, e li a primeira metade dessa obra sem pesquisar nada sobre ela; para sentir o que o autor queria passar. E funcionou, eu realmente me incomodei com o fato de Gregor Samsa, o protagonista, pouco se lixar para o fato de ter virado um inseto asqueroso, e se preocupar mais com as dores e com o compromisso. O livro tem uma pegada bem metafórica, e me fez pensar nos casos de depressão e homossexuaidade que provoca repercussões parecidas. Foi interessante, me fez pensar.
comentários(0)comente



Lázara (Luzia) 09/08/2019

Absurda é a realidade
Como a perda da habilidade social nos apequena diante dos demais.
comentários(0)comente



Victor.Carvalho 09/08/2019

Este livro de Franz Kafka é sua mais celebre obra. Começa com uma das frases mais impactantes de toda a literatura e é esta que dita todo o tom do livro. A historia é super envolvente e de fácil leitura e pode-se dizer que é um tanto quanto perturbadora. Com certeza já esta no top 5 de leituras de 2019.
comentários(0)comente



Misa : ) 06/08/2019

Creio que a experiência foi um pouco prejudicada pelo fato de ter sido realizada através de audiobook. Dito isto, sobre o livro tenho minhas considerações: é uma história muitíssimo incomum, e ao mesmo tempo com aquela forte dose de cotidiano... O que acontece quando o surreal resolve se manifestar, sem a menor explicação racional? Uma ficção com gosto de uma realidade agridoce.
comentários(0)comente



Jônatas 05/08/2019

Kafka gênio
Simples e de explodir a cabeça
comentários(0)comente



Simas 05/08/2019

Transformação súbita
Kafka é direto. Logo na primeira frase do livro já nos apresenta o problema e a proposta.
Gregor Samsa se transforma num "inseto monstruoso" (não necessariamente uma barata) e a partir daí tem de reaprender a viver. Andar, se alimentar, falar, interagir com os demais seres humanos. A família entra em choque. E não sabe como lidar exatamente com o fato.

Mas Kafka é habilidoso ao tratar tudo com uma peculiar normalidade.

A descrição dos fatos é metódica, formal. Franz utiliza de frases extensas, entrecortadas por orações curtas que acrescentam algum detalhe ou observação ao ato, o que fornece seriedade, mas algo de confuso à obra. Tempo não é desperdiçado com minúcias, porém muitas vezes um déjà vu emerge.

Gregor Samsa é ciente de sua situação e tenta, inutilmente, continuar a se comportar como um humano comum. Durante todo o livro acaba por se manter surpreendentemente calmo e reticente, não exatamente numa fase prolongada de negação, mas uma aceitação omissa de sua situação bizarra.

A metáfora da transformação pode ser aplicada a situações reais em que indivíduos são "metamorfoseados" por influências externas, doenças ou demais fatores que podem alterar a personalidade e o cotidiano de uma família que segue sua vida na sutil e frágil bolha confortável da normalidade.
comentários(0)comente



Thales 04/08/2019

Primeiro livro que leio de Kafka, e obviamente que comecei por sua obra mais célebre.
Em termos gerais a história é de uma rapaz (Gregor Samsa) que certo dia acorda em sua cama em estado de metamorfose, onde está deixando de ser humano para se transformar numa barata. A família de Gregor quando toma conhecimento de sua metamorfose opta por deixa-lo enclausurado em seu quarto, alimentando-o diariamente e deixando os dias passarem com a esperança de Gregor algum dia melhorar e voltar ao seu estado normal.
O termo "Kafkiano" faz referência ao que é surreal e complicado, e uma pessoa tornar-se uma barata é deveras surreal. A maneira como a família lida com o problema me incomodou, pois preferiram esconder Gregor ao invés de procurar ajuda externa ?Gregor que até então era o único que trabalhava de sua família, portanto, o único que arcava com as despesas domésticas?.
A forma que Gregor é fixado em seu quarto pode ser interpretada como um descarte, pois incapaz de trabalhar e consumir, não teria mais utilidade no seu meio social. Metaforicamente Kafka faz alusão a uma sociedade tóxica e consumista, que descarta tudo aquilo que não lhe traga nenhum retorno.
Da perspectiva de Gregor nota-se como ele é rejeitado gradativamente por sua família, nota-se também a sua humanidade, mesmo transformado num inseto consegue também demonstrar ser alguém racional.
comentários(0)comente



Juh Sampaio 01/08/2019

Maravilhosamente perturbador! E o exemplo perfeito do estilo Kafkiano de trazer o que seria o ápice da história bem no começo do livro. É espetacular e amedrontante a forma como o autor traz um catalizador que se faz incontrolável, como uma verdadeira força da natureza, para o evento que se segue assim como o faz em " O processo". Esse elemento inexplicável que da o fio da meada de suas histórias é sua marca e é o que da o aspeto único de suas obras. Não se engane, porém, com esse "q" fantástico em suas histórias. Ele utiliza-se desses elementos, mas suas discussões são sempre bastante realistas. Deleite-se ( com cuidado) nesse incômodo, porém, instigante clássico.
comentários(0)comente



Loui 29/07/2019

A leitura desse livro é completamente inesperada e bem kafkiana no sentido da incompreensão. A sensação de indiferença dos fatos narrados em relação à metamorfose trata o acontecimento como algo ordinário o que, pessoalmente, pode causar certo desconforto por tratar algo tão incomum de forma tão banal.

A narrativa é bem dolorida, o fato de não saber o motivo real da transformação pode causar diversas interpretações, parte-se então do pressuposto de um homem que muito jovem assume as dispesas da família e obriga-se a trabalhar em um local que não o convém. Essa ocorrência dos fatos poderia ter gerado em Samsa uma "metamorfose" o transformando em um inseto qualquer, uma metáfora para infelicidade, desconforto, melancolia.

É a relação entre a família e o "inseto" o que mais choca nessa novela, é onde a indiferença se traduz, toma-se uma posição contrária ao esperado de como lidar com a situação e afeta diretamente na forma de como nós percebemos as nossas próprias relações.

No mais, é uma leitura importantíssima e que deve ser feita, pode ser difícil de compreender a priori, mas nos põe em reflexão e é com esses questionamentos que a obra se torna cada vez mais interessante, é impactante a forma como Kafka nos retira da nossa zona de conforto com apenas 85 páginas.
comentários(0)comente



Heloisa 29/07/2019

Kafka para serem mais humanos
Estou inquieta com o fim da leitura de "A metamorfose". Várias palavras resumem meu sentimento: abandono, solidão, exploração, isolamento, inanição, exaustão.
.
Superar a resistência à descrição da monstruosidade me fez perceber que a metamorfose de Gregor é o de menos. O livro todo desperta inúmeras sensações.
.
Gregor é um homem explorado pelo sistema, e nada me tira da cabeça que o clima que o livro traz é reflexo dos anos pré primeira guerra mundial.
.
O trabalho e a necessidade da família promoveram a metamorfose, criaram um personagem com dificuldade de encontrar a si mesmo. Gregor é um homem contemporâneo com sentimentos de exautão, aprisionado na obrigação de atender ao trabalho e às necessidades da família.
.
Quando Gregor deixa de trabalhar automaticamente a sociedade lhe tira a dignidade e sua natureza humana, e o descarta como um inseto.
.
Kafka usa o fantástico para nós chocar e acordar para o que estamos todos nos tornando: Homens presos dentro de si, perdidos e solitários .
Não é uma leitura fácil e tranquila, Kafka é denso e sofrido, e ao terminar a leitura eu me senti destruída e nem lembrei da forma de Gregor, apenas pensei nos homens que passam pela mesma transformação monstruosa e por dentro se mantém íntegros e humanos, e que merecem ser protegidos.
.
Leiam Kafka para serem mais humanos!
comentários(0)comente



723 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |