Play

Play Kylie Scott




Resenhas - Play


79 encontrados | exibindo 61 a 76
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


Arca Literária 13/02/2016

resenha disponivel em http://www.arcaliteraria.com.br/play-stage-dive-2-kylie-scott/

site: http://www.arcaliteraria.com.br/play-stage-dive-2-kylie-scott/
comentários(0)comente



Amigas dos Livros 05/02/2016

Tunti Tunti Tuntiii Táááááá
Ahhhhhhhhhhh que delícia esse livro!! Que delícia rir das palhaçadas do Mal! O cara tem um excelente humor, sempre uma piada na ponta da língua. E o ego mais inflado que já vi... mas isso nem tira o charme dele, porque tudo que ele diz vem com uma pitada de humor.
Esse também não é um livro que vai mudar sua vida, de deixar horas refletindo sobre sua existência e blá blá blá, mas é um romance gostoso, com uma pitada hot e correndo o risco de ser repetitiva, super engraçado.
Anne é uma mocinha forte, e isso me cativou. Muito! A bicha só se lascou na vida, mas não perdeu a esperança e tem uma frase que leva consigo “Vou dar um jeito”, e logo no inicio do livro, vemos a coitada se lascar sendo traída pela suposta melhor amiga.
Pra fugir da deprê, é convidada pela amiga e vizinha Lauren a ir numa festa na casa do guitarrista da banda Stage Dive, banda essa que ela era fã na sua adolescência. E lá na festa, conhece Mal, baterista da banda.
Ele precisa dela, ela precisa dele. Porque não unir o útil ao agradável, certo? Errado! Ou não...
Será que isso vai dar certo?
Eu super indico a leitura, vale sim a pena se distrair e cair nos encantos de Malcolm.
5/5
Tuty
Instagram: @amigas.dos.livros
comentários(0)comente



Liachristo 03/02/2016

Play - Stage Dive #2 - Kylie Scott - Universo dos Livros
Eu fiquei sabendo sobre esta série no começo do ano passado, através de um grupo de leitura que participo. Depois de tantos comentários elogiosos eu simplesmente precisava ler. Foi assim que iniciei minha pesquisa sobre a série e depois de conversar um bocado com algumas blogueiras americanas, eis que me joguei na leitura e só posso dizer que amei toda a série!
Sim, já li todos duas vezes cada e espero sinceramente ter a oportunidade de ler mais vezes ainda... kkkk

Play, o segundo livro da série conta a história de Mal Ericson, o baterista tudo de bom da banda. Como falei em minha resenha de Lick o livro anterior, esta quadrilogia nos fala sobre os integrantes de uma famosa banda de rock americana, e em cada livro conhecemos a história e algumas desventuras dos integrantes. Eu confesso que livros baseados em rockeiros nunca chamou minha atenção e nem mesmo sei porque, mas não fazia muito o estilo que eu gostava. Esta é a segunda série que leio e devo dizer que definitivamente minha opinião sobre o assunto mudou drasticamente.

Mal Erickson tem um problema... Ele anda se expondo demais junto a mídia e precisa de alguma coisa para desviar a atenção dos jornalistas e também mostrar um lado mais calmo e certinho, por isso tem a incrível ideia de arrumar alguém para fingir ser sua namorada. Será que vai dar certo?

Anne é amiga de "Ev" a heroína do livro #1, que vem a ser casada com o guitarrista da banda. Elas foram vizinhas por um tempo, antes que Ev se casasse. Um dia ao voltar para casa, ela descobre que seu companheiro foi embora e com ele sumiu toda a sua grana. Anne fica totalmente arrasada, sem saber como vai fazer para seguir em frente. É então que surge um convite de Ev para que ela compareça a uma festa onde terá a possibilidade de ver de pertinho a estrela de rock de sua banda preferida e que de quebra ela tem uma paixonite. E quem será este? Pensaram em Mal? Bom, é isso mesmo.

A partir daí, Mal entra em sua vida feito um furacão lhe fazendo a proposta mais doida que ela poderia imaginar. Ele quer que ela finja ser sua namorada por um tempo e em troca ele vai lhe ajudar financeiramente. Dentro da situação que está vivendo, é claro que Anne mesmo um pouco relutante acaba aceitando. É aí que a coisa relamente vira uma confusão. kkk

Mal é lindo, gostoso e engraçado. O cara leva a vida como se nada fosse muito importante, sempre com alto astral e com um charme de arrasar quarteirões, claro que nossa heroína acaba ficando de quatro pelo cara, mesmo sabendo o quanto pode ser difícil conquistar e manter o coração deste deus louro. No decorrer da história a autora vai se apronfundando no caráter de Mal, e podemos ver o seu eu verdadeiro, que tem muito a mostrar.

Ao conhecer Anne, ele sente uma conexão instantânea com ela e é isto que lhe dá a ideia de lhe oferecer uma posição de sua namorada de mentira. Com Anne, Mal não tem que ser o "rock star". Ela lhe dá uma sensação de paz e tranqüilidade. Tudo que ele precisa desesperadamente. Enquanto isso Mal dá a Anne o encorajamento para que ela corra riscos e se divirta mais.

A personalidade de ambos é um grande trunfo da autora. Ambos são carismáticos e nos conquistam logo nas primeiras páginas. Ambos trazem uma bagagem forte que afeta suas vidas e sua relação. E nos fazem torcer por eles durante toda a leitura.

Mal é meio que um anti herói e isto foi o que mais me encantou nele. Ele não é uma típica estrela de rock, chega a ser meio imaturo às vezes, mas tudo isto é que acaba por ser o seu charme. Anne é uma jovem de personalidade que não se deixa deslumbrar pelo mundo de Mal. Ela é forte e sabe colocar Mal em seu devido lugar quando é preciso.

E o que mais gostei é que o romance entre eles vai surgindo aos poucos. Eles vão passando da atração pela amizade e enfim para a paixão. Uma relação que vai se construindo aos poucos e que ao fim da leitura posso dizer que ficou perfeita!

Este livro tem todas as emoções que gosto de encontrar num bom romance. Conseguiu me fazer rir, me emocionar, me irritar e me apaixonar! Uma mistura de tudo que gosto na dose certa. Simplesmente uma delícia!

Se eu recomendo? O que vocês acham?
Bjus
comentários(0)comente



klau 01/02/2016

Mal definitivamente é o personagem mais dramático e engraçado do grupo, não é a toa que é o baterista da Stage Driven. E só ele precisaria alugar uma namorada. E para isso ele escolheu justamente a Anne , antiga vizinha de apartamento da Eve.

"Vamos lá, Annee. Devemos defender a nossa falsa vida sexual . "

Anne não tinha sorte em sua vida , ela é uma das pessoas de boa indole que cuida de todas a sua volta, infelizmente fazendo alguns sacrificios proprios , e as pessoas que ela ajuda geralmente tiram vantagem da situação . No Começo da trama vemos que sua ''colega'' de apartamento , deu o fora e ainda levou alguns moveis com ela, depois de ficar alguns meses desempregada e vivendo as custas da Anne. Seu chefe, usa o fato que ela gosta dele para
que ela trabalhe até mais tarde ou em horarios diferentes. Então quando a noite estava sendo péssima , Laurem a convida para uma festa na casa de Eve e Dave. Ali ela encontra Mal o baterista que pede para morar com ela, Anne não acredita que ele fosse levar a serio o pedido. E as confusões só começam ..


"Nós quebramos a minha cama", eu disse, afirmando o óbvio.
"Na batalha, sacrifícios devem ser feitos, abóbora."

site: http://musicwithbook.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Izabela 01/02/2016

Eu já tinha lido outro livro da autora e gostado muito. No caso, eu li Lick, que faz parte da mesma série desse livro aqui (a série Stage Dive). A história tinha me conquistado e eu tinha amado os personagens principais e os secundários também. Foi exatamente por isso que fiquei tão animada para ler Play, porque o personagem principal dele já tinha aparecido em Lick e tinha chamado muito a minha atenção (cheguei a comentar isso na resenha). Toda a leveza que ele tinha levado para o outro livro fazer parte desse, que é todinho dele. Mesmo sendo uma série, esse livro pode ser lido independente do outro, o único "problema" é que tiraria a graça de ler o outro depois, mas não existem spoilers que estragariam tudo. O livro ficou com cinco lindas estrelinhas e um coração de favorito lá no meu skoob. Vale contar para vocês (e só para vocês, rs) que eu perdi totalmente a dignidade lendo esse livro, sério. Comecei a ler às três da manhã (ideia tola, eu sei) e só fui parar às cinco e pouco, quando acabei a última página. Eu não consegui parar, a história me prendeu de um jeito inexplicável. É exatamente por isso que acho que vocês devem ler a resenha até o final e, depois, ler o livro também. Vamos lá!

Anne sempre foi muito fã da banda de rock Stage Dive. Quando era mais nova, suas paredes eram lotadas de imagens de todos os integrantes da banda, principalmente de Mal, o baterista. O problema é que sua mãe entrou em uma forte depressão e ela acabou tendo que crescer um pouco mais rápido para poder cuidar da irmã mais nova, exatamente por isso a parede e todo o amor pela banda foi ficando de lado. Ela estava se dando relativamente bem na vida, tinha um emprego e cuidava da sua irmã que estava na faculdade, o que ela não esperava era que uma de suas melhores amigas, e colega de casa, a abandonaria uma semana antes do aluguel vencer e, para piorar, que ela faria isso levando tudo que ela tinham na casa sem nem avisar. Ela estava completamente acabada, até que sua vizinha, e também amiga, Lauren, a chamou para uma festa. Seria legal para tirar a cabeça dos problemas, pelo menos por uma noite. O que ela não esperava era que a festa seria na casa da melhor amiga de Lauren, que por um pequeno acaso da vida era casada com o vocalista da Stage Dive.

Anne estava tão para baixo que só se tocou que conheceria o vocalista de sua banda favorita quando o viu pessoalmente lá. O que ela nem imaginava, nem em sonhos, era que ela conheceria também Mal, o baterista mais sexy do planeta, e que ele estaria precisando, e muito, dela. Ele precisava de uma namorada de fachada e Anne era tudo que ele havia sonhado para isso. Ela precisava de um novo colega de casa e lá estava ele pronto para ajudá-la, tudo que ela precisava fazer era aceitar o pedido maluco dele. Anne ignorou todos os gritos lógicos em sua cabeça, afinal, ele haviam (literalmente) acabado de se conhecer e aceitou toda a brincadeira. O que nenhum dos dois havia pensado era que no meio disso tudo seria dficil demais deixar a relação como apenas uma fachada. A ligação havia sido instantânea e a atração era forte demais. Mas quem estamos engandando aqui, estamos falando do pegador e bateriasta Mal Ericson, será que isso daria certo?

O que vou falar agora pode chocar algumas pessoas, então eu vou com calma, ok? Mal Ericson chegou bem perto do Travis Maddox (Belo Desastre) em meu coração. Ok, ainda com muita calma. Ele está do ladinho dos outros irmãos Maddox na minha listinha de favoritos. Ok, o choque já deve ter passado, ou não, rs. Eu já tinha me apaixonado por Mal em Lick, mas agora com um livro só dele tudo foi para outro nível. Ele é completamente maníaco e badboy clichê, mas eu amo tanto isso (haha). Sem esquecer que o senso de humor dele é algo genial, sério, quandoe u não estava soltando longos suspiros eu estava passando mal de rir, de verdade. As falas dele sempre rendiam muito amor e risadas gostosas. Anne é uma personagem como, basicamente, todas as outras de new adults. Isso não é uma crítica, é um comentário. Ela vai crescendo pela história e, lá pela metadem elajá se transforma em uma personagem bem mais forte e bem elaborada, gostei disso. Adorei rever os personagens de Lick e até mesmo conhecer mais alguns. Essa série está entrando para a listinha de favoritos e isso é só amor.

Toda a história do namoro falso e tudo mais gira em torno de um segredo que Mal guarda. Tudo é muito bem bolado, mas eu adivinhei o segredo assim que comecei o livro e, sim, estava certa. Isso não atrapalhou a leitura, mas tirou o fator surpresa que, acredito eu, teria feito eu gostar ainda mais da história (se é que isso é possível). Enfim, a autora está de parabéns e a editora também, por trazer o livro e a série para o Brasil. Se você gosta de new adults clichês, romance e muitas risadas esse livro é (definitivamente) para você. Não avisei antes, mas acredito que tenha ficado implícito, o livro é um new adult, ou seja, cenas para maiores de (pelo menos) dezesseis anos. Quem avisa, amiga é.

site: http://www.brincandodeescritora.com/
comentários(0)comente



LT 27/01/2016

[Play] Apaixonante!
"A vida é uma música, Anne. Vamos tocar."


Que sou completamente apaixonada por livros que envolvem bandas de rock, acho que já não é novidade nenhuma para vocês, não é mesmo?

Por isso, estou aqui agora para resenhar mais essa história...

Ano passado, tive a oportunidade de ler Lick e confesso que houve aquela famosa história do amor a primeira vista com as personagens principais do livro, quanto com os coadjuvantes e principalmente com a banda. Mas o personagem que mais me chamou a atenção foi o Mal, baterista da banda e aquela pessoa que é sempre pra cima, que gosta de fazer piadas e brincadeiras com todos.

Quando fiquei sabendo que o segundo livro era sobre ele, fiquei ainda mais empolgada pela leitura, mas me surpreendi. Pois o cara alegre e brincalhão não estava como era antes, a cada página que se passava do livro, a autora consegue nos deixar com a pulga atrás da orelha com o que se passa em sua vida.

E o que nos complica um pouco mais é que o livro inteiro é narrado em primeira pessoa pela Anne, nossa mocinha que não estava em uma boa fase de sua vida, assim como Mal.

A forma como o casal principal se conheceu foi bem inesperada. Afinal, qual é a probabilidade do pior dia da sua vida se tornar o melhor ao conhecer o seu ídolo de infância? E o melhor... Qual é a chance de que o astro do rock que enfeitava as paredes do seu quarto em posteres também se interessar por você e lhe oferecer a oportunidade de se tornar a sua namorada de mentira?

“Lá vamos nós,” ele disse sem tirar seus olhos de mim. “Ela não faz isso para você ou para o Davie. Só eu ganho o olhar enlouquecido. Porque eu sou especial.”

Uma oportunidade única na qual tudo inclinava para o fracasso, porém algo muda e o que era de mentira se torna verdadeiro graças a convivência e o desejo desenfreado.

“Eu acariciava seus cabelos e acariciava suas costas, correndo meus dedos para cima e para baixo na sua espinha. — Eu te amo — Eu disse. — Tanto que eu não posso dizer. Ele arrastou seus lábios contra meu queixo. — Eu acredito em você.”

Traumas de infância, dificuldades de relacionamento, temperamento impulsivo, aprendizagem, dor e superação... é com essas palavras que eu posso resumir Play.

Com passagens românticas, cômicas e uma pitada de drama, Kylie consegue nos prender em uma leitura fluída e gostosa, com um palavreado um pouco baixo e cenas de sexo na dosagem certa.

Nesse livro temos um clichê tanto quanto esperado e confesso que nada surpreendente acontece, mas a leitura é gostosa e para todos os fãs do gênero eu super recomendo a leitura.

O trabalho da Universo dos Livros quanto a edição está impecável. As páginas são amareladas e grossas. As letras estão em um tamanho ideal e a capa está incrível!

Na resenha do primeiro livro, eu disse que me apaixonei pela história. Mas confesso que esse livro, mesmo com o clichê mais que esperado e tudo mais, para mim foi melhor, pois o casal principal é hilário. Mesmo com problemas evidentes, Mal é demais. Ele brinca e fala besteira em qualquer hora do dia ou da noite, até mesmo na hora do sexo e isso torna as coisas mais engraçadas ainda. Anne tentando contê-lo acaba entrando na brincadeira e isso piora tudo... ou melhora.

“Sua bochechas estão rosadas. Você está tendo pensamentos indecentes sobre mim, Anne.”
“Não.”
“Mentirosa,” disse ele numa voz suave. “Você está totalmente me imaginando sem calças.”
Eu totalmente estou.
“Isso é rude, cara. Uma invasão enorme de minha privacidade.” Ele se aproxima, sua respiração aquecendo meu ouvido. “ O que é que seja que você está imaginando, é maior."

Se você quer se divertir e se apaixonar, leia esse livro.

É intenso, é lindo e por incrível que pareça, é verdadeiro. Porque por trás de todas as brincadeiras e idas e vindas, a autora nos mostra que não adianta em nada fazer as coisas para deixar os outros felizes se você não ficar feliz. O que importa na sua vida, sempre deverá ser você em primeiro lugar.

Poderia fazer outra coisa a não ser classificar esse livro como favorito?

Resenhista: Mayara Milesi.

site: http://livrosetalgroup.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Nikolle - Paradise Books 20/01/2016

Simplesmente maravilhoso, fofo, SUPER ENGRAÇADO
Anne está com certos problemas financeiros, sua colega de quarto simplesmente a abandonou, lhe deixando cheia de dívidas. Esse foi o resultado de sempre confiar nas pessoas, ser boa e prestativa para todo mundo. Mas ela está prestes a conhecer a solução para seus problemas. E ele se chama Malcolm Ericson [nosso loiro, gato sensual que apareceu muitas vezes em "Lick"].

Mal é ....... um dos melhores personagens que já li nos NA's. Okay. Eu falo isso de muitos personagens, mas esse vai entrar pra listinha dos Boyfriends literários. Senhorrrr, ele é completamente louco, surtado (de um jeito muito, muito bom), SUPER engraçado, e só pra completar é maravilhosamente sexy, e ele sabe muito bem disso. Se exibir dos seus jeitos loucos é uma de suas qualidades, e quem leu o livro #1 teve um gostinho disso, e para melhorar as coisas é o cara que quer Anne como sua namorada de "mentirinha".

Já viram no que isso vai dar, certo? Se não, eu vou explicar. Após os dois se conhecerem em uma festa, Mal colocou na cabeça que Anne é pessoa perfeita para ele, e que se a ajudasse, ela só teria que contribuir com um pequeno acordo. Mas o problema é que Anne sabe que essa atração que exala de Malcolm, vai ser um pouco difícil de aguentar, mas quem gosta de recusar um desafio?

Apenas uma frase para vocês : LEIAM ESTE LIVRO: HOJE! AMANHÃ! SEMANA QUE VEM! O ANO TODO! A Anne narra o livro todo em 1° pessoa, e você praticamente morre com tudo o que ela conta sobre o que o Mal está aprontando. Ele é absolutamente MARAVILHOSO. Para quem for seguir a indicação, já aviso que você vai rir o tempo todo, então cuidado com as pessoas que estarão perto de você, e que vão te achar louco(a). Os personagens do primeiro livro e os caras da banda vão estar muito presentes nesta sequência, onde a autora que já coloca o romance e humor junto, irá adicionar um pouquinho de problemas familiares. Mesmo que eu tenha ressaltado mais o fato do livro ser engraçado, aqui vamos ter uma trama maior que a autora trabalhou, e que foi lindo e emocionante de ler. E por isso 5 estrelinhas e ♥.

site: http://paradisebooksbr.blogspot.com.br/search/label/Nik
comentários(0)comente



Ingrid Micthell 20/01/2016

PLAY - BLOG RESENHA ATUAL
Play é o segundo livro da série Stage Dive e nos trás a história de Anne Rollings, uma garota comum, apaixonada por seu melhor amigo cafajeste e funcionária de uma livraria. Após uma decepção com alguém que ela considerava uma amiga, ela é convidada por sua vizinha, e amiga também, a uma festa da banda de rock mais famosa do momento, Stage Dive, lá ela conhece Malcolm Ericson, o baterista e sua paixão de adolescente, que desperta nela sensações desconhecidas. Mal precisa de uma namorada de mentira e Anne parece ser a garota ideal e agora ele não vai deixá-la ir. Após ser expulso da casa de seu melhor amigo, Mal decide por conta própria que a casa de Anne é o melhor lugar para morar, e vivendo juntos e fingindo um namoro é impossível o amor não surgir.

“Ficou de pé e começou a andar pela sala. Dada à extensão de suas pernas, ele não foi muito longe. Três passos para frente, três passos para trás. Depois de algumas voltas parou, olhou pela janela para rua lá embaixo. — Por que todo mundo insiste em ser sério toda a porra do tempo? A vida é curta demais para todo esse excesso de liberdade compartilhada. Você está aqui. Eu estou aqui. Nós podemos ajudar um ao outro e ter um bom tempo, enquanto estamos nisso. Isso é tudo que importa — Ele girou sobre os calcanhares para me encarar, braços bem abertos. — A vida é uma canção, Anne. Vamos tocar.”

O livro é narrado em 1ª pessoa sob a visão de Anne, mas as palavras empregadas pela autora nos permite entender claramente o que se passa com cada personagem. A capa tem tudo a ver com o sedutor Mal e apesar de indicar que o livro terá sexo do começo ao fim não é isso que acontece, são poucas as cenas mais pesadas e elas são descritas em momentos totalmente oportunos, a autora soube utilizar a sensualidade de forma correta, nem muito nem pouco.


“Eu acariciava seus cabelos e acariciava suas costas, correndo meus dedos para cima e para baixo sua espinha. — Eu te amo — Eu disse. — Tanto que eu não posso dizer. Ele arrastou seus lábios contra meu queixo. — Eu acredito em você.”

No decorrer das páginas é notável a evolução dos personagens com relação a seus medos e inseguranças. O enredo do livro pode parecer meio clichê, mas a forma sensacional como são feitos os diálogos, a escrita, a caracterização dos personagens, torna o livro diferente e único. Para quem gosta de um romance New Adult, Play, é o livro perfeito, bem construído e com um enredo envolvente tenho certeza que vocês vão se apaixonar assim como eu me apaixonei.

site: http://resenhaatual.blogspot.com.br/2015/11/resenha-play-kylie-scott.html
comentários(0)comente



Lu 14/01/2016

Leitura deliciosa!
Play é a continuação de Lick, e nos conta a história de Anne e Mal, que começa assim:

Malcon Ericson, o charmoso baterista da banda Stage Dive, precisa limpar sua reputação depressa, e para isso, precisa encontrar uma namorada de mentirinha.

Anne foi roubada por sua amiga que dividia o apartamento, que a deixou sem dinheiro e alguns móveis também foram levados.
Quando Lauren, a vizinha de Anne e também amiga de Eve, convida ela pra uma festa na casa de David, o guitarrista da Stage Dive, ela reluta em aceitar, mas acaba a acompanhando. Ao tentar fugir da festa por alguns minutos, ela se encontra com Mal, sua paixão adolescente.
Mal faz uma proposta a ela dias depois. Ela finge ser a namorada dele, e como pagamento ele paga suas dividas. Sem saída, Anne acaba aceitando.

Convivendo juntos, a atração fica mais forte, e o desejo passa a se tornar algo mais. Mas será que isso pode acabar bem?

Narrado por Anne, Play é uma leitura gostosa que te trará muitos risos.

Mais uma vez, a autora nos trás uma história clichê, mas com diálogos divertidos, uma escrita leve e gostosa, que torna a leitura muito mais prazeirosa e faz você querer mais.

Os personagens são o ponto alto dos livros da Kylie. Malcon é arrogante, divertido, sexy e tudo de bom. Anne é encantadora, e faz de tudo para deixar aqueles que ama feliz, o que as vezes faz ela deixar de fazer o que realmente deseja.

O casal tem uma química incrível. Uma delícia ver os dois juntos, e é impossível não rir com as brincadeiras hilárias deles.
A diagramação está simples. Não encontrei erros que incomodam a leitura.

Indico a todos os livros da série. Mas já deixo avisado: quando você começar a ler, não vai conseguir parar.
comentários(0)comente



Bruna 10/01/2016

New Adult
Nesse livro vamos conhecer o baterista Mal, que poderia ser diagnosticado com TDAH e episódio maníacos, agitação é eufemismo para os comportamentos dele.
A narração fica por conta Anne, típica garota comum, que assim como Ev (em Lick) tem alguns problemas na família e um trabalho bem modesto, com o acrescimento de um amor platônico pelo chefe e a vida financeira falida totalmente.
Portanto um acordo onde envolvesse ter como namorado seu ídolo adolescente e suas contas pagas, seria muito mais que bem vindo á vida pacata, monótona e apática de Anne. Bem, em comparação com o primeiro livro da série, esse de longe é muito melhor, com uma trama mais...
(resenha completa no blog)

site: http://www.naoemprestolivros.com.br/2015/12/play-stage-dive-2.html
comentários(0)comente



Gaby 06/01/2016

Gente, que merda de traduçao foi essa? Em que mundo pumpkin pode ser traduzido como moranguinho?
comentários(0)comente



Pratelivros 17/11/2015

Mal, meu baterista lindo *----*
OBS: Pra ler essa resenha com seus recursos de imagem completos (gifs, fotos), aceese o link ao fim da resenha

"A vida é uma música, Anne. Vamos tocar." - Mal

Essa série tá boa demais, gente! Romance rockstar de primeira qualidade. O primeiro volume já foi muito bom. E esse aqui é ainda melhor.
Se você já leu Lick, nem preciso recomendar esse livro pra você, porque o Mal já deve ter ganhado seu coração. Em Play ele simplesmente te faz babar.

Anne está ferrada. A menina com quem ela dividia o apartamento meteu o pé, o que a deixou com aluguel pra pagar sozinha, além de ajudar sua irmãzinha com as contas da faculdade. Ela já não sabe o que fazer. Quando sua vizinha a convida pra uma festa, ela acredita que isso será uma boa maneira de desligar a mente dos problemas. Mas quando ela percebe que Mal Ericson, baterista da banda Stage Dive e sua paixoite adolescente está nessa festa, ela vê que acabou de arranjar mais um problema.

"É destino, Anne. Escrito nas estrelas. Deixa essa porra em paz."
Mal

Mal precisa sossegar. Os casos de uma noite só e as tietes tem que parar. Ele tem que achar logo uma boa garota pra namorar. E aí a Anne aparece. Mal sendo o Mal, se muda pro apartamento dela e propõe um acordo que deve beneficiar ambas as partes. Ela finge ser namorada dele e ele a ajuda financeiramente. Eles só não imaginavam que seria tão difícil obedecer as regras que impuseram a esse relacionamento de mentirinha.

"Nós não podemos transar, nós só vamos dormir juntos. O plano todo vai desmoronar se começarmos a transar. O que eu preciso é de uma relação que pareça respeitável e de longo prazo. Nós começamos a transar e você vai ser toda 'Oh, Mal, eu nunca imaginei que tamanho êxtase fosse possível. Eu não posso viver sem você! Me possua, Mal! Por favooooor.' " - Mal

O enredo, a base desse livro, não é original. Pelo contrário. Mas eu não sei como Kaylie conseguiu criar uma estória super interessante e cativante, daquelas que não te deixa entediado por nenhum segundo sequer. Se o enredo foi clichê, os personagens, as cenas e os diálogos foram os grandes destaques aqui. Muito engraçado. Pra começar, toda vez que o Mal abria a boca, você sabia que iria rir.

Mensagens de texto:
"Mal: Ben tá vindo jogar Halo
Anne: Ótimo! Mas você não precisa me contar tudo o q vc faz,Mal
Mal: Davie diz que comunicação é importante.
Mal: Quando é o seu período? Davie disse pra eu descobrir se você vai querer cupcake ou sorvete.
Anne: Eu nunca quero falar sobre isso.
Mal: Entediado. Ben tá atrasado.
Mal: Vamos comprar um cachorro.
Anne: Apartamento tem regras contra animais.
Mal: Bonito sutiã verde de seda.
Anne: Saia das minha gavetas, Mal!
Mal: Tem calcinhas pra combinar?
Anne: SAIA AGORA.
Mal: :)
Mal: sext me
Mal: Vai ser divertido
Mal: Pfvr?
Mal: Alto nível de coodependencia doenteia por ambas as partes. Relação possivelmente quase tóxica.
Anne: WTF?
Mal: Fiz um quiz de revista. Precisamos de ajuda - especialmente vc.
Anne:...
Mal: Marcando terapia pra casal. Terça 4:15 tá bom?
Anne: Nós n vamos pra terapia.
Mal: Ql o problema? Vc n me ama mais?
Anne: Tô desligando o telefone agora."

Mal continua encantador, né? Energético, barulhento, confiante até demais e muito engraçado, eu sou louca por ele desde Lick. E mesmo com esse jeitinho de garoto, malandro e muito divertido, ele é totalmente másculo quando necessário, o que é uma mistura incrível demais.

“Nós quebramos minha cama."
“Na batalha, sacrifícios tem que ser feitos, pumpkin.”

Teimoso, super fofo e GOSTOSO, esse é o Mal Ericson. E esse apelido, pumpkin? (abóbora porque a Anne é ruiva

site: http://pratelivros.blogspot.com.br/2015/11/resenha-play-kaylie-scottl.html
comentários(0)comente



Núbia Acioly 22/10/2015

Melhor do que eu esperava
Sem duvida alguma eu não iria ler Play,até porque,depois do fiasco que achei Lick,ler Play só seria perder o meu tempo,o único problema comigo,é que sou tipo aquela vizinha fofoqueiro,só que do mundo literário,eu não posso simplesmente ignorar o que se segue na estoria,por mais que ela seja ruim ou não,o que para mim torna os espoilers de certa forma interessante..Opss!

Nesse livro conhecemos Anne Rollins,uma jovem que foi obrigada a encarar as responsabilidades da vida desde bem cedo,e também revemos o baterista hilários do Stage Dive,Mal Ericson.
O livro segue aquele mesmo plano clichê do primeiro,a jovem garota pobre que se apaixona pelo astro do rock mega famoso e blá blá blá,e como eu já esperava por esse tipo de clichês,talvez ele não tenha me incomodou tanto quanto da primeira vez.

Anne é bem resolvida com si mesma,quando ela diz não é não,quando ela diz sim é sim e dificilmente alguém vai convence-la a fazer algo que não quer,o único ponto vulnerável é que Anne é tão generosa com seus amigos que muita das vezes eles acabam se aproveitando.

Anne já era apaixonada por Stage Dive desde a adolescência,tinha posters pelo quarto e sua maior paixão sempre foi o baterista,ela já conhecia os discos,adorava as musicas,como não se apaixonar pelo seu ídolo de sempre? Mas Anne e Mal são um pouco diferentes,eles sabem que podem acabar machucando um ao outro e por isso não tratam o amor de forma tão banal.

Mal é fofo mas não do jeito clichê como Dave,ele é fofo de uma forma engraçada,daquele tipo que sempre vai se preocupar em lhe fazer rir. Ele odeia quando se aproveitam de Anne,não por ser um protetor excessivo,e sim por não acha esse tipo de atitude correta.

O livro ainda tem aqueles pontos onde o dialogo parece ter sido escrito por uma criança,e todos aqueles palavrões que se tornam excessivos e tira todo o sentido das frases,ao menos neste livro ficou mais clara que parte disso também vem dá má tradução(pdf...punft --").

Mais uma vez,o livro não vai mudar a sua vida(ao menos não a minha) e nem entrar para a lista dos prediletos,mas talvez tenha ganhado a chance de entrar para a minha prateleira fisica. Ele continua tendo aquele jeito de livro sem compromisso,que você lê em um final de semana por curiosidade ou por já ter esgotado(ou não) sua lista de leitura.
Rúbia 22/10/2015minha estante
Olha, que legal.. Você também avalia os livros que tem vontade de ter fisicamente por ter gostado ou não rs Legal.


Núbia Acioly 23/10/2015minha estante
Claro,minha estante fisica é muito importante uhsuhsuhsuhushusush


Bia 04/04/2016minha estante
Adorei a resenha! Tenho uma opinião bastante parecida!




Ana Paula FZ1 16/10/2015

Se o livro do David ( Lick ) eu comecei com Ownnnnnn, esse merece ser começado com muitas, mas muitas, mas muitas risadas..rrss
Mal é o cara.... Com um bom humor muito mas muito fofo, não um fofo no sentido da ¨boiloce¨, não .... ele é macho pracarai....kkkkkk. O cara se acha a bolacha mais gostosa do pacote, mas tudo bem, ele pode ser essa bolacha. Sua auto confiança é contagiante.

Só que nem tudo são flores na sua vida. E é justamento por esses espinhos que a vida põe no seu caminho a bela Anne. Toda lascada, decepcionada, sozinha, Malcolm Ericson é a ¨solição pros seus problemas ¨, ou pelo menos é isso o que ele acha.

Mal se muda para o apartamento de Anne conhecendo-a somente há 48 horas, e faz um acordo com ela, ele a ajuda com sua vida financeira que anda uma merda, e ela o ajuda sendo sua namorada de mentirinha. Mas por quê ???? Ai é que tá, ela não sabe, mas topa.

E é aí que a vida deles começa a ficar hilária. Enquanto estão em casa, a interação deles é fantastica, conversam, brincam, brigam, ai eles saem e o faz de conta é quente, de tremer as pernas. Só que lógicoooooo que isso não ia ser um bom arranjo né, dado o fato de que Mal é o sonho de consumo de Anne desde que ela tinha 15 anos, daqueles sonhos que a gente prega poster na parede e fica imaginando como seria estar ao lado do nosso ídolo lindo e gostoso por toda a adolescência, e agora esse mesmo ídolo dorme no sofá da sua sala.... isso não pode ser boa coisa u dar certo de toda forma.

Claro que o inevitável acontece, o fogo entre eles é quente, e eles se rendem finalmente à esse fogo, só que Mal tem uma historia triste e de jeito nenhum ele quer compartilhar isso com a Anne, só que ela descobre, e isso a corta por ver como seu amigo e agora novo caso quente o afeta.

Claro que não vou contar o que é ( pra quem não leu vale a surpresa rs ), mas Kylie soube fazer um drama sem virar novela mexicana.

So que uma coisa tem me deixado tererê da vida com essas escritoras. Elas escrevem um enredo lindo, com muitos detalhes, ai quando a conta ta pra fechar, elas aceleram a história e logo vem o FIM ou o Epílogo, aí fiquei brava viu..rrrss

Achei que faltou falar mais desse momento que Mal e Anne tiveram que enfrentar antes do Epilogo, precisava ter sido um pouquinho mais explorado, sem dramalhão, mas achei que faltou algo. O que não quer dizer que o livro é maravilhoso.

O melhor de tudo, é que os outros personagens são mencionados o tempo todo, então David e Ev não ficaram esquecidos, só deixaram de ser o foco principal. Bom demais !!!

Ja me disseram que o livro dele é o melhor, ja comecei o do Jimmy ( Leed ) e li que ele é o mais intenso, Mal é o mais divertido, Ben é o mais ogro e David o mais romantico.. vamos la confirmar a teoria e ter novas emoções com essa banda quente e intensa !!!!


site: http://paixaoporleituras.blogspot.com
comentários(0)comente



Rosi.Ribeiro 13/07/2015

Engraçado, apaixonada por Mal!!!
Mal Ericson, baterista da banda de rock mundialmente famosa Stage Dive, precisa limpar sua imagem rápido — pelo menos por um tempo. Ter uma boa garota em seu braço deve fazer o trabalho muito bem. Mas ele não contava com o quão divertido isso poderia ficar com exatamente a garota certa.

Anne Rollins tem problemas de dinheiro. Grandes. Mas sendo paga para jogar de namorada de mentira para um baterista demente nunca seria uma boa ideia. Não importa o quão quente ele fosse. Ela estava de olho no seu melhor amigo, Reece, durante anos. E agora que ela está supostamente tomada, ele finalmente presta atenção. Se apenas a química entre ela e sua estrela do rock parasse de bater novos patamares...

Livro, leve, engraçado, hot, perfeito!!!!! Essa série com certeza está me surpreendendo!!!!!
comentários(0)comente



79 encontrados | exibindo 61 a 76
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6