Caçadores de Tesouros

Caçadores de Tesouros James Patterson
Chris Grabenstein




Resenhas - Caçadores de Tesouros


43 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Zilda Peixoto 28/05/2014

Caçadores de Tesouros
Desde o lançamento de Boneca de Ossos, primeiro livro publicado pelo selo #irado da editora Novo Conceito que não via a hora de conferir um dos seus próximos lançamentos. Assim que a editora publicou em suas redes sociais o lançamento de “Caçadores de Tesouros” entrei em estado de alerta. Bem, se existia alguma dúvida que os livros do selo #irado fariam muito sucesso agora não restam mais dúvidas. Caçadores de Tesouros surge como o mais novo queridinho dos leitores.

Como era de se esperar a editora fez um trabalho excepcional em sua diagramação e a revisão do livro está impecável. Além de todo esse cuidado com a edição o leitor ainda ficará hipnotizado diante das belíssimas ilustrações ao longo das 384 páginas. Pensa que acabou? Não! A Novo Conceito ainda nos presenteia com uma edição HardCover! Tá bom pra você? Enfim, o livro é simplesmente magnífico em sua totalidade. Se eu pudesse ficaria por horas descrevendo a beleza desse livro e, ainda assim não seria o suficiente.

E a pergunta que não quer calar? O conteúdo do livro merece todo esse alvoroço? Minha resposta é: SIM! Caçadores de Tesouros é um livro fantástico, magnífico, fascinante e todos os demais elogios que não caberiam numa única resenha. Particularmente adoro a escrita de James Patterson, mas acredito que ele consegue se superar e atingir a perfeição nos seus livros juvenis. James tem como característica uma linguagem de fácil entendimento, seus personagens normalmente cativam o leitor desde o princípio e suas narrativas fluem naturalmente. Ao juntarmos todas essas características o resultado é apenas um: histórias que tendem a despertar no leitor sentimentos de puro êxtase.

Em Caçadores de Tesouros James Patterson conta a história dos irmãos Kidd. Já na apresentação do livro temos uma prévia de que iremos nos divertir bastante na companhia dessa turminha. A bordo do barco que possui um nome bem peculiar –O Perdido- é a casa da família Kidd. Durante uma tempestade em alto mar o pai das crianças desaparece inexplicavelmente deixando- as completamente desoladas. Mas Bick , Beck, Tempestade e Tommy “Cabeça-de-Vento” passaram suas vidas em alto mar e já estão acostumados a enfrentar os perigos que ele oferece. Sem a presença do pai e da mãe que também desaparecera seis meses antes durante uma expedição na cidade de Chipre, as crianças irão ter que aprender a se virar literalmente sozinhas.

Mundialmente conhecido como oceanógrafo e caçador de tesouros, o Professor Tom Kidd está em uma caçada durante seu desaparecimento. Agora, cabe a Bick, Beck, Tempestade e Tommy darem continuidade a sua expedição. Em busca de um mapa de tesouro muito importante, os irmãos Kidd terão de provar que são capazes de dar continuidade a missão de seu pai. Porém é de se esperar que tal missão encontre diversos obstáculos pelo caminho já que os Kidd ainda são crianças.

Bick e Beck têm 12 anos e são gêmeos. A conexão entre ambos é um dos pontos mais interessantes da narrativa. Os gêmeos protagonizam momentos muito engraçados e dignos de boas risadas durante alguns de seus diálogos intitulados por “Tagarelice dos Gêmeos” onde ambos confrontam suas ideias.

Bick é quem narra a história, já Beck é responsável pelas ilustrações que iremos encontrar ao longo de todo o livro. Como é comum em livros do gênero as ilustrações são partes essenciais, mas neste caso eu diria que elas tornam o livro ainda mais interessante. A narrativa de James é indiscutivelmente impecável, mas é através da composição dessas ilustrações que a história ganha forma. Para narrar a vida em alto mar a bordo do “Perdido” o autor consegue inserir o leitor dentro da narrativa apresentando-os a detalhes que somente quem vive em alto pode conhecer. Mesmo que você não entenda absolutamente nada sobre barcos, James dará uma aula a respeito facilitando o entendimento a respeito sobre a vida dos tripulantes.

O grande barato foi perceber que em momento algum o autor quis sensibilizar o leitor em relação a situação dos irmãos Kidd. Mesmo sem a presença dos pais, os irmãos não se entregam ao desespero e continuam bravamente a missão deixada pelo pai. Outro fato importante foi o destaque e o posicionamento de cada um dos personagens dentro da narrativa. Mesmo sendo Bick o responsável por nos descrever a viagem, todos os outros personagens se destacam. Não há quem se destaque mais. Todos, em igualdade roubam a cena em seu devido momento.

Beck é uma figura. Impetuosa, extremamente inteligente e muito astuta. Ela tem uma opinião forte e não se deixa abalar com o desaparecimento dos pais em momento algum. Já Bick é um coração mole. Sempre esperançoso e amigo inseparável da irmã. Tempestade é praticamente a CDF do grupo. Ela tem uma memória fotográfica impressionante, capaz de memorizar um compêndio marítimo em apenas 15 segundos. Ela é o cérebro do grupo. Tommy, o irmão mais velho, tem apenas 17 anos mas, em muitos momentos você irá duvidar disso. Tommy possui um perfil atlético graças ao longo período auxiliando o pai durante as viagens. É ele responsável pelo comando do ” Perdido” na ausência do pai.
Figuras emblemáticas não poderiam ficar de fora já que estamos falando de caçadores de tesouros. Porém, não espere que surja das páginas nenhum Capitão Gancho ou nada do tipo. Aqui, os temidos piratas são bem moderninhos e cheiram a parafina.

A leitura é tão agradável e deliciosa que é praticamente impossível largar o livro ainda que por poucos segundos. Comecei a leitura assim que o recebi durante a tarde de ontem e conclui no fim da noite. Vocês podem perceber o quanto a história prende a nossa atenção. Não tenho o costume de indicar livros destacando-os por gênero ou classificação etária a não ser quando se trata de um livro estritamente proibido para menores de 18 anos, no caso dos livros eróticos. Mas no caso de Os Caçadores de Tesouros a recomendação é livre. Qualquer leitor, independente da faixa etária poderá se identificar com a narrativa.
A história é dividida em três capítulos totalizando ao todo 67 capítulos. Mas não se assustem com a quantidade, pois os capítulos são relativamente curtos mantendo o ritmo necessário para a fluidez da leitura.

A história dos irmãos Kidd irá conquistar a todos. É um livro para crianças e adultos; pais e filhos. É um livro que destaca a importância dos laços afetivos onde a superação e a união entre os irmãos mostra toda sua força.
O leitor irá se apaixonar pelos gêmeos Bick e Beck, Tempestade e Tommy, pois eles são realmente apaixonantes. Guerreiros, íntegros, astutos, engraçados, excepcionais.

Como se trata de uma série o leitor já tem a ideia que muita coisa deixará para ser descoberta somente nas próximas sequências. Pois sempre existirão mistérios e segredos a serem revelados. Aliás, Caçadores de Tesouro está repletos deles. Segredos de família caem como bombas sobre os irmãos despertando-nos a curiosidade desde o início. Quando achamos que James irá dar-nos uma folga, um tempo para ganhar fôlego, lá vem ele outra vez nos lançando em uma nova aventura. Temos que aprender a conter nossa aflição porque a aventura nunca tem fim. De qualquer maneira, não é exatamente isto que esperamos de um livro que tem como foco narrar à vida de caçadores de tesouros contra seus cruéis inimigos?

Enfim espero que todos possam ter a oportunidade de conhecer essa obra magnífica. Passei por momentos inesquecíveis na companhia dos irmãos Kidd e, agora desejo o quanto antes dar continuação a série. Pelo amor de Deus, Novo Conceito! Publique logo o segundo volume!

Para finalizar gostaria de parabenizá-los mais uma vez pelo excelente trabalho feito no livro. Nós, leitores apaixonados por boas leituras estamos sempre a procura de boas histórias, seja de aventura, mistério ou humor. E se podemos encontrar tudo isso em apenas um livro por que não dizer: muito obrigado!

Os Caçadores de Tesouros: um livro perfeito? Não. Ele é muito mais do que isso. Ele é INCRÍVEL! Merecidamente ganha um lugar no topo dos Favoritos.

site: http://www.cacholaliteraria.com.br/2014/05/resenha-cacadores-de-tesouros-james.html
comentários(0)comente



Val 30/12/2014

Livro "Caçadores de Tesouros"
Esse livro é tão envolvente quanto o Diário de um banana, que parece ser totalmente infantil, mas quando começa a ler você adora, acha fofo e não consegue largar. É ótimo pra ler depois de um livro que tenha sido pesado e relaxar.
A estória é sobre quatro irmãos após o desaparecimento dos pais.
Quem narra é o Bick, e os desenhos da irmã Beck narram os acontecimentos.
Eles são de uma família de caçadores de tesouros. Essa é a vida que conhecem, e que estão acostumados. Escolas e festas são coisas que nunca viveram e nem pretendem viver. O prazer deles é viver no mar em busca dos tesouros perdidos.
Quando se veem sozinhos, sem o pai, decidem seguir em uma caçada, e mal sabem em quanta confusão irão se meter com isso. As crianças se encontram com o inimigos do pai e com piratas...mas, apesar desses obstáculos, conseguem passar por todos usando as habilidades de cada um.
Caçadores de tesouros tem momentos bem engraçados, como por exemplo a "Tagarelice dos Gêmeos", de Bick e Beck.

Esse é o primeiro de uma série, então já sabemos que ainda vem muita aventura por ai.


Vocês já leram esse livro?
O que acharam da leitura?

site: http://www.revistagalaxy.com/2014/12/resenha-cacadores-de-tesouros.html
Vivi Gonçalves 16/01/2015minha estante
James Patterson é genial! Estou louca para conferir este livro e me aventurar!
Bela resenha!


Gizeli Regina Meister 07/02/2015minha estante
Esse livro esta na minha lista de espera de leitura, mas depois da sua resenha acho que vou adiantá-la,super curiosa,parabéns pela resenha.




AndyinhA 01/08/2014

Trecho de resenha do blog MON PETIT POISON

Minha teoria da conspiração diz que o autor na verdade escreve bem pouco do que é produzido em seu nome, mas não sei dizer se esses livros infanto-juvenis são de fato dele (ele cria a ideia básica e outra pessoa desenvolve) ou se ele apenas coloca seu nome. A outra série ‘Bruxos e Bruxas’ sofre do mesmo mal – subestimar a inteligência do leitor. E antes que digam, ‘mas é infantil’, lembre-se que não é porque é um livro para criança que precisa ser bobo.

A história conta de irmãos que passaram a vida toda velejando em busca de tesouros juntos com os pais, mas as coisas são narradas de forma boba e muito miraculosa, isso me irritou muito muito no início, quase desisti muitas vezes, mas depois tive um ‘clique’ e percebi que aquilo não iria mudar, ou eu seguia com as coisas rasa e bobas daquele jeito e levasse tudo numa grande brincadeira, ou teria de desistir do livro.

Levei na brincadeira.
O livro tem umas teorias legais, apesar das situações bobas e mirabolantes, de quatro crianças em um barco sozinhas e desbancando piratas e ladrões de artes internacionais, elas são espertinhas, mas sempre caem em coisas mega bobas como ‘meninas bonitinhas que tentam roubar itens caros’, sendo que para início de conversa, quem vai sair com um item raro, andar por Nova Iorque como se tivesse em um passeio de férias?

Não vou falar do enredo, ele é fraco, bem bobo e muito muito enrolativo... não entendi porque ter 70 capítulos essa história, sério, não tem nada que justifique essa esticada gigante na história para fazer esses 70 capítulos, por isso os mesmos são curtos, muitas vezes bobeiras do irmãos, coisas que poderiam ser retiradas e talvez rendesse uma história mais interessante.

Para saber mais, acesse:

site: http://www.monpetitpoison.com/2014/07/poison-books-cacadores-de-tesouros.html
comentários(0)comente



Diego 08/02/2015

Caçadores de Tesouros
Dei 3 estrelas pois,estava num empasse no meio do livro. Comecei bem lendo 7 capítulos de uma vez mais depois comecei a me espreguiçar e a parar de ler.O livro me satisfez somente 50% e,apesar de ser do James Patterson (autor que respeito muito e um dos meus divos da literatura)não me satisfez por completo não chegou no 100%.E também na questão do gênero que não é a minha praia ler livros com navios,piratas,e etc.Mais apesar das críticas massantes que estou fazendo no livro,Caçadores de Tesouros tem técnica. A escrita e fácil ,a história é de chamar interesse,tem personagens bacanas, e divertidos ''em alguns momentos'',mais não se compara a meus personagens favoritos da sua outra série escrita pelo James Patterson: Bruxos e Bruxas.Desculpa James Patterson mais a minha nota é 3= a Bom.
Adriana 14/02/2015minha estante
Ebaaaaaaaaaaa!


Diego 14/02/2015minha estante
Eba,por que?


Diego 14/02/2015minha estante
kkk


Adriana 15/02/2015minha estante
Por que ... finalmente, você terminou!!!!!!!!!!




Portal Caneca 21/09/2014

QUANDO A VIDA VIRA UMA TEMPESTADE EM ALTO-MAR
Olá, pessoal!

Bom, hoje vou falar de um livro que li recentemente e que, por mil tubarões, conseguiu me envolver numa aventura de tirar o fôlego.

Como vocês sabem, o Portal Caneca é parceiro da editora Novo Conceito, conhecida por livros como Bruxos e Bruxas, Starters, Querido John, Trilogia do Mago Negro, entre tantos outros. Eles lançaram há algum tempo, o selo #Irado, onde eles reúnem os livros mais legais que vocês possam imaginar. Usando as palavras deles, os livros integrantes do selo #Irado são feitos só para você, escritos pelos seus autores preferidos e sempre com um visual incrível.

Um desses livros se chama Caçadores de Tesouros e foi produzido através de uma parceria entre James Patterson e Chris Grabenstein. E é sobre ele que quero falar hoje.

Primeira coisas que vocês precisam saber: eu li esse livro em UM DIA!

E o que isso importa? Se você perguntou isso ou pensou em perguntar, só digo uma coisa: eu li um livro de 384 páginas em um dia! Você pode não entender o que isso significa e, nesse caso, eu explico. Eu tenho uma leitura lenta, com algumas pausas e dificilmente leio um livro em menos de uma semana. Para falar a verdade, só houve dois casos em que li um ou mais livros em um prazo tão curto. E Caçadores de Tesouros com certeza foi um deles.

Por que estou falando isso? Porque esse livro tem uma fluidez tão legal que você simplesmente não percebe o tempo passando enquanto segue em sua leitura. E isso é tão legal porque combina completamente com o clima e o ritmo da leitura.

Dá uma olhada na sinopse dele.

CAÇAR TESOUROS? ENFRENTAR PIRATAS? MOLEZA! ESSA TURMA É RADICAL!

Os pais de Bick Kidd são caçadores de tesouros mundialmente famosos, que desapareceram misteriosamente.

Agora, Bick e os seus irmãos Beck, Tommy e Tempestade precisam cumprir a última grande missão de seu pai e sua mãe. Mas a vida dos garotos corre perigo agora que eles estão sozinhos no meio do oceano.

O livro faz parte de uma série, sendo o primeiro volume. É um livro basicamente infanto-juvenil, mas isso, sem dúvida alguma, não o impede de ser lido por qualquer pessoa, de qualquer idade. Apesar de ser uma história de linguagem mais simples, voltada para o público mais novo, ela ainda tem todo um encanto e desenvoltura que agradariam aos leitores mais velhos e exigentes.

Narrado em primeira pessoa, Caçadores de Tesouros nos leva para navegar na história sob o ponto de vista de Bick, o caçula de um grupo de quatro irmãos. Ele e seus irmãos Beck (sua irmã gêmea) Tempestade (a gênio da turma) e Tommy (o cabeça de vento e o mais velho) perderam seus pais em duas situações um tanto quanto dramáticas e, por isso, precisam decidir o que fazer com suas vidas já que estão sozinhos e perdidos no meio do mar.

Eles não têm uma família normal, diga-se de passagem. São caçadores de tesouros, como o próprio nome do livro sugere. E são ótimos caçadores, sendo mundialmente reconhecidos por isso. Só que com o desaparecimento dos pais, Bick e seus irmãos não sabem mais o que fazer, já que viveram todas as suas vidas caçando tesouros perdidos pelo mundo. Mas, como o barco não pode parar, eles decidem continuar suas vidas, indo em busca do maior tesouro de suas vidas: seus pais!

Apesar de ser narrado em primeira pessoa, o autor soube distribuir muito bem a participação de todos os personagens, fazendo com que a história não seja só, de fato, vista sob o olhar de Bick. E mesmo Bick sendo protagonista, você sente que ele não existiria sem seus irmãos. Ou melhor, que a história não existiria sem eles, pois todos ali são importantes de algum modo, como se eles fossem parte de um quebra-cabeça onde todos eles fossem peças essenciais e insubstituíveis.

Como eles são navegantes, maior parte da história se passa em alto-mar, a bordo dO Perdido, nome do barco de seus pais. E isso combina muito bem com o ritmo da história como eu disse mais acima. A história é muito fluída, tal qual é o mar em toda sua extensão. Ela corre de uma página a outra sem que você perceba que o fim está chegando cada vez mais perto e mais rápido. E, por ser o início de uma saga, muitas informações são dadas, mas não necessariamente de modo que você possa entendê-las. Muitos segredos são revelados e muitas outras coisas são, de certo modo, desmentidas.

Além disso, história consegue ser bem madura em alguns pontos. Um deles é a forma como o autor trabalhou a figura da Tempestade, a segunda irmã mais velha, fazendo-nos refletir sobre as diferenças entre as pessoas e nos ensinando a aceitar e entender que são nossas diferenças que nos tornam iguais.

Ah, e você pode aprender muitas coisas com essa história, desde geografia até história da arte. Você percebe em cada página, que houve uma pesquisa bem detalhada, através da qual o autor nos dá informações tão interessantes sobre os mais diversos assuntos.

Agora, sobre o livro em si. Bom, eu tenho que dizer que a Novo Conceito/#Irado arrasou nesse livro. Sério! Ele é lindo demais! Vem numa capa dura super bonita, bem desenhada e resistente, ótima para leitores como eu, que levam o livro para todos os lugares. As páginas são impressas em papel amarelado, mas o que chama mais atenção (depois da história em si), são as gravuras feitas por Chris Grabenstein e que, na história, são feitas por Beck. O livro tem 384 páginas, mas você simplesmente não se dá conta disso. A história tem muitos altos e baixos, como é de se esperar de uma vida em alto-mar. Há momentos de muito riso e outros de muitas lágrimas. Em todos eles, o autor lida com as situações com um humor quase lúdico, de modo que mesmo nos momentos mais tensos, você ainda consegue encontrar forças para rir da vida.

Bom, pessoal, essa foi minha resenha de hoje. Espero que tenham gostado! Quem já leu o livro? O que acharam? Deixem suas opiniões nos espaços para comentários logo abaixo!

Abraços e até a próxima!

site: http://portalcaneca.com.br/cacadores-de-tesouros/
comentários(0)comente



ValGouveia 13/10/2014

Super divertido!
O livro conta a história dos irmãos Kidd, 4 crianças que tomam o controle do barco, quando Tom Kidd, o pai deles desaparece durante uma tempestade em alto mar.
Mesmo sozinhos, eles não desistem da expedição, e continuam à procura do mapa do tesouro. E, como era de se imaginar vão enfrentar mais tempestades, piratas e muitas outras dificuldades.

Bick e Beck são gêmeos, tem 12 anos e são super engraçados. Os dois mantém diálogos incríveis e que divertem muito o leitor. Ao longo da história, narrada por Bick, as ilustrações são feitas por Beck e em vários momentos dei muita risada, porque Bick reclamava da forma como Beck o desenhava nos momentos em que estavam implicantes, um com o outro.

Tempestade é a mais inteligente dos 4 irmãos, além de ter memória fotográfica. Tom, o irmão mais velho, de 17 anos é atlético e digamos que seja o menos provido de inteligência.
Com essas características diferenciadas, os personagens se completam.

Já li vários livros do James Patterson, adoro o estilo da escrita dele. A forma leve com que escreve e como particiona os capítulos, tornando cada capítulo bem curto, nos dá a impressão de que a leitura flui de forma muito rápida e prazerosa. E adorei esse livro, que em teoria seria para o público infanto-juvenil, mas que em minha opinião é tão bom que vai agradar ao público de todas as idades.

Mesmo com o desaparecimento dos pais e as dificuldades durante a aventura, os irmãos Kidd não são crianças tristes, a história não é triste. É divertida, leve e ao final, nos deixa com gostinho de quero mais. A melhor parte é que, sim, vai ter mais. Caçadores de Tesouros é uma série. Ainda sem previsão de lançamento para o segundo livro, mas espera-se que chegue recheado de novas aventuras.

O livro é todo cheio de ilustrações, mas a capa é um show à parte. Capa dura, em alto relevo e com cores lindas. Diagramação perfeita.

Enfim, é uma história leve, com personagens apaixonantes e super divertidos. Indico muito!

site: http://valgouveia.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Descontrolados 21/07/2014

Aventuras em alto mar
Aventuras em alto mar, enfrentando piratas para recuperar tesouros é certamente algo que nunca sai do imaginário da garotada. Por isso mesmo, considero este um dos maiores trunfos do selo #irado, lançado pela editora Novo Conceito.

Escrito pelo renomado James Patterson (da série Bruxos e Bruxas), em parceria com Chris Grabenstein, Caçadores de Tesouros é o primeiro de uma série que, aparentemente, será composta de dez livros (se consideramos a dica na lista impressa na contra capa interna do livro). Possui uma trama envolvente, dinâmica e de fácil compreensão, repleta de aventuras e mistério. Em resumo, é um livro que tem tudo para conquistar de forma arrebatadora o público jovem ao qual se destina.

Um destaque deve ser dado à excelente apresentação dessa obra, pela editora Novo Conceito, no segundo livro do selo #irado. Trata-se de um livro em capa dura, com belo acabamento e impresso em papel de ótima gramatura, pela Prol Editora e Gráfica.

Para os fãs de James Patterson, este livro é só mais uma prova da versatilidade do autor. Após o sucesso com os livros da série Bruxos e Bruxas (também lançados pela editora Novo Conceito), Patterson volta a apostar em um novo gênero completamente diferente dos seus habituais romances de suspense. Uma sábia e bem acertada aposta, pois Caçadores de Tesouros é de fato uma obra de grande qualidade.

A história é escrita na primeira pessoa, através da ótica de Bick, um dos quatro filhos do casal Kidd, arqueólogos mundialmente famosos. Beck, sua irmã gêmea (com quem protagoniza algumas das mais hilárias passagens do livro, com as chamada "Tagarelice dos Gêmeos") é a responsável pelas ilustrações (pelas mãos de Juliana Neufeld) do relato de Bick, sobre as aventuras vividas pela família Kidd. E que aventuras!

Bick, Beck, Tommy e Tempestade - os irmãos Kidd, enfrentam diversos perigos em alto mar - e em terra também - para desvendar o mistério que envolve o misterioso desaparecimento de seus pais. Algumas verdades os chocarão, mas também serão combustível para que o grupo siga à bordo do Perdido e enfrentem os mais diferentes desafios, que incluem caça a um tesouro no fundo do mar, piratas modernos e aproveitadores.

Apesar do livro ser mais convidativo para um público infantil e pré adolescente, lhes posso garanto que nenhum adulto ficará decepcionado se decidir lê-lo. Isso porque o texto de James Patterson e Chris Grabenstein possui um amadurecimento na medida certa, com linguagem de fácil compreensão, proporcionando uma leitura rápida e prazerosa. Além disso, tem um quê de nostalgia para os mais velhos que, assim como eu, muito se encantaram no passado pelas histórias de piratas, vistas em filmes clássicos dos anos 80 e 90, como Os Goonies e A Ilha da Garganta Cortada. Páginas que nos levam a uma gostosa viagem ao tempo em que as responsabilidades eram menores e nos permitíamos sonhar acordado, com essas aventuras imaginárias.

Por Diego Cardoso

site: http://programadescontrolados.com/resenha-cacadores-de-tesouros-de-james-patterson/
comentários(0)comente



Marianne 04/12/2016

Caçadores de Tesouros (James Patterson e Chris Grabenstein)
A primeira coisa que pensei quando peguei Caçadores de tesouros foi “Que livro lindo!”. O livro, publicado no Brasil pelo selo jovem da editora Novo Conceito, o #Irado, foi feito pra encantar o público ao qual se destina.
A família Kidd está mais do que habituada à vida no mar. Desde pequenas as crianças vivem na embarcação, sendo escolarizadas pelos próprios pais enquanto os acompanhavam em suas missões de caça ao tesouro pelo oceano afora.
Mas após uma tempestade que balança pra valer a embarcação a vela Perdido, o lar da família Kidd, os irmãos pré-adolescentes Beck e Bick, Tommy e Tempestade se dão conta de que o pai, o professor e famoso oceanógrafo Tom Kidd, não está mais no navio.

Sem a mãe, que desapareceu misteriosamente uns meses antes, e agora sem o pai, que provavelmente foi lançado ao mar durante a tempestade, as crianças se veem sozinhas e sem a menor ideia do que fazer.
Decididos a continuar a caçada dos pais pelos tesouros perdidos, as crianças seguem viagem no Perdido, sem se preocupar com todos os perigos que existem no oceano. Tempestades, tubarões e o pior de todos: os navios piratas. A família Kidd é famosa por encontrar os tesouros mais valiosos que podem existir, transformando o Perdido no principal alvo de piratas e saqueadores.
Considero a ficção de fantasia/aventura é um gênero difícil de ser bem desenvolvido por facilmente cair nas armadilhas clichês da saga do herói e muitas vezes desmerecer o intelecto do leitor jovem, como se este publico não tivesse a capacidade de compreender situações mais complexas. Não que seja pros autores transformarem numa intensa questão filosófica cada questão abordada nas histórias, mas criar personagens bobos e sem conteúdo não ajuda.
E nesse quesito os autores conseguiram segurar a peteca em Caçadores de Tesouro. As crianças são perspicazes dentro dos limites de sua inocência e suas personalidades nos cativam, fazendo com que o leitor tenha vontade de, literalmente, embarcar no Perdido e seguir em alto mar com as crianças Kidd.
De capa dura e repleto de ilustrações lindas, do apelo visual à linguagem da escrita, o livro cumpre muito bem seu papel de atrativo para os jovens leitores e conquista muito bem alguns dos mais grandinhos também.
Espero que tenham gostado da resenha e até a próxima!

site: http://www.dear-book.net/2016/09/resenha-cacadores-de-tesouros-james.html
comentários(0)comente



15/06/2014

A família Kidd navega pelos quatro cantos do mundo em busca de grandes tesouros que acabaram se perdendo junto com as embarcações que os levavam há muitos e muitos anos. Como já dá para perceber, não é uma família convencional. Muito unida e apaixonada por tudo o que possui uma história misteriosa, além de amantes de uma boa aventura, os Kidd quase não deixam sua embarcação: O Perdido.
Mas quando, no meio de uma terrível tempestade, o famoso professor Kidd desaparece em meio às ondas revoltas, Tommy, Tempestade e os gêmeos Bick e Beck estão exatamente como o seu barco: perdidos! Com a mãe recentemente desaparecida durante uma viagem da família a Chipre, as crianças estão entrando em desespero, sem ter a menor ideia de por onde começar.
Entretanto, o que Bickford, nosso narrador, não sabia era que, à parte dos grandes mistérios que seus pais pareciam carregar, eles os haviam preparado sutilmente para seguir em frente com o negócio de caça aos tesouros e, além disso, muitas surpresas os aguardariam dali para frente.
Por conta própria, os Kidd sabem que a chave para conseguirem aguentar tudo isso é manterem-se unidos. E, por sorte, eles se dão muito bem...bom, com exceção de Bick e Beck que, de vez em quando, possuem suas "Tagarelices dos Gêmeos", em que discutem quase tão rápido quanto uma partida de ping-pong antes de terminarem fazendo as pazes no mesmo processo.
De personalidades muito distintas, Tempestade é o cérebro da família, com uma incrível memória fotográfica, capaz de decorar de tudo; Tommy é o cabeça de vento, mas com músculos de ferro, tem ótima habilidade para navegar; Bick e Beck são os gêmeos que se completam, enquanto um possui habilidade para contar histórias, o outro capricha nos desenhos. Juntos, eles serão capazes de viver as maiores aventuras que só as crianças, sem a supervisão de qualquer adulto, conseguem.
Caçadores de Tesouros é uma leitura aventureira para qualquer criança ou adulto que esteja à procura de um livro que mistura de tudo um pouco e não economiza na hora de colocar a união dessa família à prova. Reúna tudo o que há de melhor em histórias com crianças como protagonistas: piratas, tesouros, espiões, segredos, lutas e surfistas, tudo isso com a maior intromissão de adultos interesseiros e estranhos. Nesse mundo, as crianças Kidd comandam!
Com capítulos curtos e uma aventura seguida da outra, o ritmo de leitura é alucinante, permeada de lindas e caprichadas ilustrações em todas as páginas, além de uma capa dura que deixa o livro extremamente confortável e rápido de ler. Definitivamente é um prato cheio para os olhos.
No entanto, apesar de todas a beleza e diversão garantidas, existem algumas coisas que deixaram a desejar; uma delas foi a tradução. Não a tradução inteira, mas de alguns trechos que tratam da mesma coisa e que acabaram ficando completamente fora de contexto. É costume na dublagem dos filmes inserir expressões e nomes de lugares e artistas que condizem com a nossa realidade, mas que dificilmente correspondem ao texto original.
Essa regionalização sempre me irritou profundamente porque não tem nada a ver mudar algo que é da cultura do país de origem do filme. Temos que respeitar isso; pode ficar sem graça ou sem sentido? Pode. Mas o que podemos fazer? Para mim, o mais importante é relevar e passar para a próxima cena do filme.
Acredito que, até agora, eu nunca havia encontrado uma regionalização tão gritante em um livro, quanto encontrei nesse. Acreditem, ou não, foi inserido o nome do time do Palmeiras! Confiram no trecho a seguir:

"(Dois apitos significam: "O jantar está pronto", e quatro, "O Palmeiras venceu o campeonato".)"
(pág. 66)

Não só nessa parte, como em algumas outras, a mesma citação ao time se repetiu. Completamente fora de contexto, afinal, como um bando de crianças, mesmo conhecedoras de muitas partes do mundo, sequer conheceria o Palmeiras? Além disso, este é um livro notadamente norte-americano e nós sabemos que a paixão nacional deles esbarra no baseball e futebol americano. Mas jamais no nosso futebol. Depois de passar pelo hóquei, basquete e rugby, talvez os americanos curtam um pouco de futebol. E mais um detalhe: o Brasil sequer é citado no livro. Essa menção a um time de futebol brasileiro caiu totalmente do céu.
Passando por essa derrapada na tradução, outra coisa que me deixou profundamente aborrecida no livro foram as constantes e dispensáveis "Tagarelices dos Gêmeos". Além de irritantes, muitas delas levavam do nada a lugar nenhum, ou seja, não passavam de briguinhas bobas entre Bick e Beck que sempre acabavam nas pazes dos gêmeos, tornando tudo muito chato e que poderia ser facilmente resolvido na metade da quantidade de diálogos.
No entanto, em se tratando de um livro para o público mais jovem, talvez funcione melhor para uma criança do que para mim. Apesar de todas as ideias mirabolantes, a leitura fácil e gostosa, algumas coisas simplesmente não deram certo comigo. Tantas aventuras e tantas situações extraordinárias nem sempre funcionam e, na minha opinião, se os autores tivessem focado apenas em um ou em outro, teriam tido o mesmo enredo bacana e divertido, mas com maiores possibilidades de desenvolvimento e uma história menos "salada de frutas".
No mais, Caçadores de Tesouros é um ótimo passatempo; a revisão da editora Novo Conceito está ótima e a edição, demais de caprichada! Por mais que não tenha me encantado completamente, ainda indico o livro para quem estiver a fim de uma leitura descontraída e muito rápida. Apesar de suas quase 400 páginas, você irá devorá-las em questão de horas e a beleza no interior de suas páginas contribui demais para uma maior dinâmica na leitura.
Recomendado, mas já estejam avisados dos exageros que poderão encontrar n'O Perdido!
Caçadores de Tesouros é o segundo título lançado pelo selo #irado da editora Novo Conceito, que vai focar no público infanto-juvenil. Até agora, tudo muito bom. Vamos ver o que mais nos aguarda!

site: http://onlythestrong-survive.blogspot.com.br/2014/06/resenha-cacadores-de-tesouros-james.html
comentários(0)comente



Lelê 31/05/2014

Resenha:
Quem gosta de livros infantis levanta a mão! o/

"Segure firme.

As coisas estão prestes a ficar feias.

E molhadas, muito molhadas."

Pag. 7

Aqui vamos conhecer quatro irmãos, Bick, Beck, Tommy e Tempestade. Eles vivem em um barco onde trabalham como um tipo de pirata. Eles descobrem obras de arte no fundo do mar e as vendem, trocam, fazem todo tipo de negócio para manter a família unida com conforto. Bick e Beck são gêmeos e vivem tagarelando, ou seja, discutindo. E confesso que essas discussões são muito engraçadas!!

Tommy é o mais velho e totalmente cabeça-de-vento. Bonitão, saradão, gente fina, mas vive se enrolando por causa de garotas.

Tempestade é isso mesmo, uma tempestade!! Inteligente demais, garota que merece a confiança de todos, inclusive dos pais.

E por falar em pais, a mãe dos quatro sumiu sem deixar rastro e o pai desapareceu no meio de uma tempestade.

Beck acha que os pais estão mortos, mas Bick tem certeza que eles estão vivos. Então tem muita tagarelice sobre isso entre eles.

Só o que eles sabem é que devem terminar o trabalho do pai exatamente onde ele parou. Eles precisam encontrar um navio naufragado cheio de ouro e relíquias, e assim descobrir o que realmente aconteceu com seus pais.

"Algumas vezes você já tentou correr

na parte rasa de uma piscina? Era

isso o que eu estava enfrentando. Mas

eu precisava encontrar a minha família."

Pag. 18

Gente!! Esses irmãos vão enfrentar tantas coisas em alto mar!! Muita aventura! Piratas maus, saqueadores, compradores de relíquias super sinistros, investigadores, policiais... Tem de tudo!!

Leitura super rápida. Li em um dia. Não dá pra parar, a cada página é uma aventura nova, deliciosa e divertidíssima. Eu sei que é um livro para crianças, mas como não amar isso?? Se alguém souber não me diga, não quero perder essa fascinação toda. Como é bom voltar a ser criança e dar risada com um livro. Adoro!!

Quanto a edição, há muito tempo não via um livro tão rico assim. Capa dura, muito colorida e com detalhes em alto relevo. Diagramação extremamente encantadora, com ilustrações lindas, fonte com um tamanho perfeito para a leitura das crianças. O selo #Irado superou tudo que eu tenho visto por aí do gênero.

É narrado em primeira pessoa, por Bick. Ele conta tudo o que acontece e ainda divide com o leitor todos os seus pensamentos. Que não são pouca coisa.

Logo no inicio, Bick já nos coloca dentro do barco apresentando seus irmãos, o barco e como eles vivem. Tudo isso com humor. Aí no primeiro capítulo ele já raptou meu coração e meus olhos que não largaram as páginas até o final.

Leitura mais que recomendada!!!



site: http://topensandoemler.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Dear Book 18/03/2017

Feito pra encantar o público ao qual se destina.

[Resenha com corte de trechos ilustrativos e imagens; confira no link no blog]
Tradução: Luciana Garcia

Por Marianne: A primeira coisa que pensei quando peguei Caçadores de tesouros foi “Que livro lindo!”. O livro, publicado no Brasil pelo selo jovem da editora Novo Conceito, o #Irado, foi feito pra encantar o público ao qual se destina.

A família Kidd está mais do que habituada à vida no mar. Desde pequenas as crianças vivem na embarcação, sendo escolarizadas pelos próprios pais enquanto os acompanhavam em suas missões de caça ao tesouro pelo oceano afora.

Mas após uma tempestade que balança pra valer a embarcação a vela Perdido, o lar da família Kidd, os irmãos pré-adolescentes Beck e Bick, Tommy e Tempestade se dão conta de que o pai, o professor e famoso oceanógrafo Tom Kidd, não está mais no navio.

Sem a mãe, que desapareceu misteriosamente uns meses antes, e agora sem o pai, que provavelmente foi lançado ao mar durante a tempestade, as crianças se veem sozinhas e sem a menor ideia do que fazer.

Decididos a continuar a caçada dos pais pelos tesouros perdidos, as crianças seguem viagem no Perdido, sem se preocupar com todos os perigos que existem no oceano. Tempestades, tubarões e o pior de todos: os navios piratas. A família Kidd é famosa por encontrar os tesouros mais valiosos que podem existir, transformando o Perdido no principal alvo de piratas e saqueadores.

Considero a ficção de fantasia/aventura é um gênero difícil de ser bem desenvolvido por facilmente cair nas armadilhas clichês da saga do herói e muitas vezes desmerecer o intelecto do leitor jovem, como se este publico não tivesse a capacidade de compreender situações mais complexas. Não que seja pros autores transformarem numa intensa questão filosófica cada questão abordada nas histórias, mas criar personagens bobos e sem conteúdo não ajuda.

E nesse quesito os autores conseguiram segurar a peteca em Caçadores de Tesouro. As crianças são perspicazes dentro dos limites de sua inocência e suas personalidades nos cativam, fazendo com que o leitor tenha vontade de, literalmente, embarcar no Perdido e seguir em alto mar com as crianças Kidd.

De capa dura e repleto de ilustrações lindas, do apelo visual à linguagem da escrita, o livro cumpre muito bem seu papel de atrativo para os jovens leitores e conquista muito bem alguns dos mais grandinhos também.


Espero que tenham gostado da resenha e até a próxima!


site: http://www.dear-book.net/2016/09/resenha-cacadores-de-tesouros-james.html
comentários(0)comente



Flávia Carvalho 24/04/2018

Excelente Aventura!
Comprei esse livro para dar para meu filho de 8 anos.
Quando chegou, notei que era muito grande para que ele pudesse ler sozinho. Mas como tenho o costume de ler para meus filhos de 8 e 4 anos, todas as noites, eu o peguei como "leitura antes de dormir".
E deu super certo!!
Os meninos adoraram a família Kidd e foram vários dias de muitas aventuras. Até baixei para eles a música que as crianças do livro ficam cantando, e foi muito divertido escutar.
Pelo tamanho do livro e por seu vocabulário, acredito que a classificação para ler sozinho, seria a partir de 11 anos, mas como leitura em família, até meu filho de 4 anos conseguiu acompanhar o contexto do livro.
Super Recomendo!!
comentários(0)comente



Lucianoasantos 10/03/2015

Tive meus problemas com a série Witch & Wizard, do James Patterson, escrita sempre com um parceiro. No primeiro livro, apesar de ter identificado alguns problemas, acreditei que no segundo volume – e escrevendo com um autor diferente daquela vez – esses problemas fossem em parte sanados. As coisas melhoraram em alguns aspectos, mas ainda ficou à desejar, o que me fez pensar que ainda não havia encontrado o Patterson em um terreno onde ele se apresentasse “tão grande quanto sua fama”. Daí veio o “Caçadores de Tesouros”.

Caçadores de Tesouros é o primeiro livro de uma série infantojuvenil que trás a grife do autor associada à um parceiro, narrando as aventuras de quatro irmãos, filhos de famosos caçadores de tesouros, que tem de se virar sozinhos quando sua mãe desaparece em Chipre e seu pai é aparentemente tragado pelo mar durante uma grande tormenta. Sem opção, decidem fazer o que sempre viram seus pais fazendo, continuar caçando tesouros, o que, inclusive, custearia as buscas pelos dois.

Os irmãos são Tommy, o mais velho, que passa mais tempo cuidando de seu corpo que fazendo qualquer outra coisa, mas que assume bem a função de filho mais velho quando tem de fazê-lo após o desaparecimento do pai – e mesmo sendo um pouco lerdo –; Tempestade, a segunda filha, do tipo nerd que tem uma memória fotográfica e é capaz de decorar todo o livro de Direito Marítimo mas que tem uma série de complexos por ser gordinha e não ajudar a família na hora que o serviço pesado tem de ser feito, como mergulhos e recuperação de artefatos; e os gêmeos, Bick, o menino, que é quem narra o livro, e Beck, a menina, que é quem o ilustra.

Apesar de não acreditarem que os pais morreram – estão em um tipo de negação, onde mesmo quando aceitam o fato é com uma raiva e frustração que demonstra que não levam aquilo totalmente à sério, é mais como uma válvula de escape – eles ficam em dúvida e discordam entre si acerca de qual o próximo passo que devem dar. Procurar pela mãe, ou pelo pai? Ou seguir com a última missão? Como tempestade afirma que eles tem perto de nada nas contas bancárias, decidem seguir com a missão, talvez recebessem alguma coisa por ela.

Em uma série sobre piratas, é claro que tem de ter uma passagem pelo Caribe e personagens estereotipados. Geralmente falo contra personagens que já vem formatados para você amar ou odiar, mas aqui eu gostei! Eles tem todo o exagero que se espera de piratas, como tatuagens, brincos e roupas estilosamente esfarrapadas, além do linguajar único, e, o melhor de tudo, combinam incrivelmente com a atmosfera do livro.

A narrativa do livro é muito fluída, não há dificuldade alguma em se acompanhar o texto, e o mais interessante é que, como é narrado por Bick, ele tem o tom que um garoto daria se fosse uma história contada verbalmente. A agilidade que isso trás ao texto é enorme, sem falar nas inúmeras ilustrações – não cheguei a contar, mas não é exagero dizer que existem uma ilustração a cada duas páginas – que dão um toque a mais ao livro, em especial quando os gêmeos conversam entre si usando-se delas e do texto.

Gostei. Ainda não é o Patterson que eu espero ver, mas ao menos é uma prova de que posso me divertir com ele. Acho que a tradução pecou em alguns pontos na localização, como quando faz do time sempre citado pelos garotos como sendo o Palmeiras – sério? achava que era quase um padrão que, em se falando de times do Brasil, sempre se citasse o Corinthians ou o Flamengo – mas é algo pontual. A edição em si segue o padrão #irado: trabalho impecável e capa-dura*. No geral, para quem gosta de um bom infantojuvenil, ágil e engraçado, essa é uma leitura obrigatória.

site: http://www.pontolivro.com/2014/08/cacadores-de-tesouros-de-james.html
comentários(0)comente



Nainha 29/04/2015

Os pais dos irmãos Bick, Beck, Tommy e Tempestade desapareceram. Agora, eles tem se cuidarem sozinhos.
"Nós quatro éramos o que havia sobrado da família." Pág. 22
Seus pais eram caçadores de tesouros e eles decidem concluir a última missão deles. Mas os irmãos não esperavam que fosse ser uma aventura cheia de perigos, surpresas e revelações.
"Também éramos caçadores de tesouros." Pág. 28

O livro me cativou. A leitura é rápida, envolvente e cheia de surpresas. O narrador da história é Bick, o modo como a história vai sendo narrada é muito boa, porque é como se o Bick estivesse contado para os leitores as aventuras que ele e os irmãos estão vivendo.
"Como você deve saber, sou eu quem vai lhe contar esta história, mas minha irmã gêmea, Beck ..., vai fazer os desenhos." Pág. 9
Os desenhos que ilustram as ações são perfeitos e bem engraçados, eles parecem que foram feitos pela Beck. Em um momento do livro vai ter um desenho feito pelo Bick, mas como ele mesmo admite, ele não possui o talento da irmã.
A personalidade de cada irmão é bem delineada. Em cada situação adversa eles vão precisar da habilidade de um deles. É bem interessante como Bick descreve cada irmão e podemos perceber que eles são uma família bem unida.
Os diálogos contribuem muito para a dinâmica do livro. Eles são bem engraçados, principalmente quando eles começam a chamada "Tagarelice dos gêmeos", que é uma pequena discussão entre Bick e Beck, mas eles logo chegam a um consenso.
O final do livro nos deixa querendo que o próximo chegue logo.
comentários(0)comente



Tici 15/02/2015

Que tal uma leitura cheia de tesouros, aventuras e surpresas inimagináveis?
É isso o que Caçadores de Tesouros tem para oferecer.
Os irmãos Kidd: Bick, Beck, Tommy e Tempestade, estavam com seu pai em meio à tempestade e quando chega a calmaria se veem no meio do mar sem seu pai. A bordo de O Perdido, como é chamado o navio, os irmãos Kidd têm que encontrar um meio de sobreviver até encontrar seu pai.
Bick Kidd, quem nos conta cada detalhe de suas aventuras junto com as ilustrações de sua irmã gêmea Beck Kidd.

“Tommy e eu escorregamos pelas escadas da proa e corremos até os aposentos. Surpreendentemente, nenhum dos piratas estava pilhando qualquer dos tesouros em exposição na sala, exceto um baixinho metaleiro de rabicho, que estava de olho no elmo de conquistador espanhol.”
Interessante como cada um dos irmãos tem uma habilidade diferente e que é perfeito pra ajudá-los na hora certa. O pai sabia disso e deixou as pistas para desvendar cada mistério de modo que somente seus filhos seriam capazes de descobrir.

Temos personagens com os mais variados tipos de maluquices, e as crianças Kidd lidam com cada um deles.
Terão que ser mais espertos para não saírem perdendo nessa corrida.
Só mais pra frente os irmãos percebem do que realmente estão atrás e talvez não seja realmente. Estranho, certo?
Mas Bick nos avisa pra não acreditarmos em tudo o que fosse lido.

Depois de tanta correria, tesouros, tubarões, mergulhadores ninjas e muita diversão, o final é agradável, ver os irmãos completando a missão que lhes fora deixada e prontos para embarcar em uma nova aventura.

“Antes que tivéssemos chance de descobrir qual era realmente a do Tio Timothy, ele recebeu outra ligação que o fez sair correndo de Miami em uma embarcação prateada polida que parecia se movimentar mais como uma nave espacial aerodinâmica do que como uma lancha.”

Além de sua capa e suas ilustrações muito bem trabalhadas, Caçadores de Tesouros foi um ótimo passatempo.
Acompanhei as aventuras inimagináveis dos irmãos Kidd, foi uma experiência deliciosa e divertida. Muitos dirão que é um livro que viaja, mas falando de literatura o que a mente imagina por si só já é uma viagem, extraordinário ou não.

Indico a leitura pra todos. Ótimo pra ler numa tarde calma, curtindo os capítulos, que são pequenos, e as peripécias dessa turminha.
#PartiuOPerdido

site: http://www.obsessionvalley.com/2015/01/livro-cacadores-de-tesouros-james.html
comentários(0)comente



43 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3