1808

1808 Laurentino Gomes




Resenhas - 1808


701 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Evelyn Ruani 10/05/2011

DESAFIO LITERÁRIO 2011 - Tema: Livro-Reportagem / Mês: Maio (Livro 1)
1808 é um ótimo livro. Fazia muito tempo que queria lê-lo, mas nunca conseguia colocá-lo na minha lista de leitura. Confesso que parte se deve ao fato de eu não ser muito patriota e relutar em ler alguns autores e livros da nossa literatura nacional. Mas também tinha curiosidade para conhecer melhor esse período da história e os livros didáticos que temos sobre o assunto são ainda menos atrativos.

A idéia de um livro sobre um período histórico contado de forma menos didática me chamou a atenção e resolvi dar uma chance ao livro. Fico feliz de tê-lo feito pois é realmente um ótimo livro. Laurentino Gomes tem uma narrativa super agradável e envolvente e descorre sobre os acontecimentos com muita propriedade, fruto de dez anos de pesquisas e investigações jornalísticas sobre o assunto. Gosto muito de livros históricos justamente por isso. Você nota nas palavras e páginas, o suor e a batalha do autor para construir uma obra séria e fiel aos acontecimentos.

O período abordado no livro compreende a fuga da família real portuguesa para o Rio de Janeiro devido à pressão de Napoleão Bonaparte e da Revolução Francesa. É engraçado descobrir que, o então príncipe D. João VI teria chances de vencer as tropas cansadas e esfarrapadas que adentraram Portugal, mas preferiu, em sua insegurança que o norteia durante toda a vida, fugir para a colônia brasileira. Em contrapartida, graças a esse episódio, o Brasil viveu um dos momentos mais apaixonantes e revolucionários de sua história.

Laurentino também demonstra em sua narrativa a vontade de devolver aos protagonistas dessa história a dimensão mais correta possível dos importantes papéis que desempenharam duzentos anos atrás. Apesar de ser um Príncipe e depois Rei, indeciso e inseguro, D. João VI foi o responsável por inúmeras ações que trouxeram civilidade, cultura e desenvolvimento ao Brasil. Tinha idéias e planos grandiosos para o Brasil, e embora alguns deles não tenham saído do papel, muitos foram importantíssimos para a criação de nosso país.

Carlota Joaquina, apesar de ter um capítulo dedicado só a ela, não tem grande destaque na história, embora é possível perceber a tentativa de Laurentino de mudar a idéia de promiscuidade e adultério que a perseguem. Apesar de ser realmente maquiavélica e infeliz, nunca teve a infidelidade a D. João VI realmente comprovada.

Também são muito interessantes as descrições das cidades importantes deste período, como é o caso de Salvador e Rio de Janeiro. E claro que são de arrepiar as descrições e relatos sobre a escravidão e as crueldades cometidas na época em questão. Laurentino realmente fez um grande trabalho e o propósito do livro que era resgatar e contar de forma acessível a história da corte lusitana no Brasil, foi alcançado.

Leitura recomendada!
Adriano 04/09/2013minha estante
Já estava afim de comprar esse livro para ler, após a leitura da sua resenha, fiquei com mais vontade de comprar. Também tinha o mesmo receio que você sobre livros de história do Brasil.
Obrigado pela sua resenha.
See ya!


Lívian 28/05/2014minha estante
Evelyn, eu também o li pelo desafio do grupo "O vendedor de Livros"mas pelo desafio do mês de junho já hahaha


Sabrina 10/02/2015minha estante
Fiquei com mais vontade ainda de lê-lo.


Vicente 30/05/2015minha estante
Excepcional resenha.


Margô 17/07/2020minha estante
Realmente Evelyn, a proposta de Laurentino Gomes com a trilogia, 1808, 1822, e 1889 é justamente aproximar o grande público ( ou seja, a minoria que ler no Brasil, rss) da nossa História contada sem evidências ideológicas, e nem tão pouco com o viés didático que camufla fatos viscerais para a compreensão da nossa história no presente...Por exemplo, como que uma corte foge para uma colônia destituída de toda e qualquer instrução, e abandona no cais do Porto , caixas e caixas com milhares de livros que compunham a Biblioteca real?
É na mesma obra que se percebe, de como a nobreza de Portugal, vivia ociosa, sugando os impostos dos que trabalhavam pra bancar uma vida de indolência total.


Margô 17/07/2020minha estante
Não completei o comentário...


Ana ou Vivi 17/08/2020minha estante
É um livro muito interessante e bastante explicativo pra quem quer saber um pouco mais sobre o Brasil colônia.


Margô 18/08/2020minha estante
Sim. E a última obra do autor está sendo bastante elogiada pela crítica e a academia, intitula-se, "Escravidão".


Margô 18/08/2020minha estante
Olá Evelyn! Que resenha




Carol 14/03/2021

Muito bom!
Li para um trabalho na faculdade e acabou sendo mais divertido do que imaginei
Gosto do modo como foi escrito as realidades da nossa história
comentários(0)comente



Iracy 03/04/2021

Brasil
Laurentino percorre a história da coroa portuguesa desde a fuga de Portugal até a chegada no Brasil. Gostei demais da linguagem do autor, sendo simples e fluida. Dá pra ler vários capítulos no mesmo dia, sem se tornar cansativo.
Em vários trechos ele discute curiosidades, como a passagem de Darwin pelo Brasil.
Acredito que ler este livro, me fez entender muito da minha história como brasileira.

Gostei muito mesmo! Nota mil pro Laurentino.
Raphaella 03/04/2021minha estante
esse livro é muito bom! adorei minha experiencia com ele tbm


José Marques 03/04/2021minha estante
Livraço! Gosto demais da escrita do Laurentino Gomes. Li a trilogia e 1808 é disparado o meu favorito. Ah, os outros dois são maravilhosos também. ?


Iracy 03/04/2021minha estante
Bom saber que os outros são maravilhosos.




Jonara 17/04/2010

Eu tenho uma politica de nunca ler livros que tragam na capa "mais de XX mil unidades vendidas" ou "autor dos best sellers xxx e yyy". Mas como muitos conhecidos elogiaram e consegui um exemplar emprestado, resolvi dar uma chance ao autor.
O livro é escrito em linguagem jornalística estilo "veja" e o espaçamento entre linhas é maior que o padrão que estou acostumada, então apesar das quatrocentas e poucas páginas, é possível dar cabo à leitura em pouquíssimos dias (ou dependendo da dedicação, num único dia).
Acho que o livro tem o mérito (ou demérito) de ser um fast food de uma série de acontecimentos da história do país. Como qualquer fast food, ele mata a fome numa emergência, mas tem lá seus problemas.
Pra mim foi bastante interessante ler porque minha irmã esteve em Portugal e, lembro das fotos que ela me mandou de suas viagens, postais e outras conversas que tivemos. Também é interessante ler relatos sobre o Rio de Janeiro morando há cinco anos na cidade, e já tendo estudado um pouco da evolução histórica do local. Mas algumas coisas são totalmente dispensáveis no livro...
Por exemplo, achei totalmente superficial a suposição de como seria o Brasil se a corte não tivesse vindo em 1808. Creio que ele poderia ter sido mais crítico e forçado menos a barra. Acho que em vários trechos do livro ele tenta elevar o Brasil e reduzir Portugal, seja pelo tamanho do território, seja por outros dados que não deveriam ser comparados... creio que houve um nacionalismo forçado e um certo desrespeito com Portugal em alguns momentos...
Também acho que ele errou ao criticar o filme da Carla Camurati e seguir pelo mesmo caminho. Achei que ele iria desfazer a imagem caricata de D. João VI e Carlota Joaquina, mas pelo contrário, ele consegue acrescentar detalhes pessoais ainda mais pitorescos.
Tirando as críticas posso dizer que fico muito feliz que um livro sobre história do Brasil tenha sido um best seller.
ES 13/05/2011minha estante
Ainda estou no meio do livro, mas já posso concordar com você. Quanto ao enredo jornalístico, eu já esperava, até porque Laurentino ainda escreve para a Veja.

É gostoso ler alguns escritos feitos pelos próprios personagens da época, e ver como a falta do pensamento científico não é de agora, e que desde sempre o Brasil já esteve fadado a se portar como o filho indeciso que precisa que os pais expliquem os fatos.

E, simples, pouca coisa mudou nesse sentido.


Daniel 16/01/2013minha estante
Eu gostei deste livro, e do "1822" também. Claro que não são livros para consultas acadêmicas mais aprofundadas (como reclamam por aí em outras resenhas...), mas leituras que divertem e informam de forma leve e divertida sobre a formação da sociedade brasileira. Parece que o Laurentino vai escrever mais um, sobre o D. Pedro II, e deverá ser o mais interessante dos tres.


Jossi 25/04/2015minha estante
Jonara, eu também fiquei feliz em ver livros de História (e do Brasil ainda), se tornarem bestsellers! E mais, é um livro que conta os fatos numa linguagem simples e acessível, sem viés doutrinário ou críticas, como faz o politicamente correto de hoje em dia, todo voltado para a esquerda. Que venham mais livros como esse, mostrando a História com leveza e fluidez.




Leo 29/10/2009

Acabo de ler, com muito atraso, “1808”, de Laurentino Gomes. A essa altura, o livro já se consagrou como um bestseller inquestionável: figurou durante 104 semanas consecutivas na lista de mais vendidos da revista Veja e, segundo a Editora Planeta, já conta com “mais de 3 milhões de leitores” em todo o país. Além disso, a obra também arrebatou os prêmios Jabuti e Livro do Ano.

Não há como negar que “1808” tenha seus méritos. Consta que o livro consumiu 10 anos de pesquisas, cujo resultado é visível: em suas páginas transbordam dados, curiosidades e referências. Além de narrar a vinda da família real portuguesa para o Brasil, Gomes também joga luz sobre fatos e aspectos que costumam ser ignorados por outras obras do gênero, como o que aconteceu com Portugal durante o período em que D. João VI permaneceu na colônia e o que aconteceu ao monarca depois que voltou para a metrópole.

Mas provavelmente o grande mérito do livro seja também o seu maior defeito: “1808” é um impressionante compêndio de informações, e só. Nada de revelações bombásticas: D. João realmente carregava franguinhos em seus bolsos; Carlota Joaquina realmente tirou a poeira dos sapatos quanto partiu do Brasil. Nada de teses inovadoras: Gomes se limita a relatar os dados que compilou, de forma saborosa, vá lá, mas sem lançar um olhar diferente à historiografia já estabelecida.

Não deixa de ser irônico, portanto, que a grande revelação do livro seja relacionada à vida particular do arquivista real Luis Joaquim dos Santos Marrocos, figura menor sobre a qual Gomes dedica mais páginas do que o necessário e cuja biografia é usada para se traçar um paralelo artificial com a trajetória do próprio país.

Dessa maneira, “1808” se enquadra em uma linha editorial já explorada e consagrada pelo também jornalista Eduardo Bueno: a do livro de história que não questiona e não incomoda, mas instrui e diverte. Talvez isso explique sua enorme popularidade. Nada de linguagem acadêmica ou do estilo exuberante de um Sérgio Buarque de Holanda: “1808” é fácil e gostoso de ler. Seus capítulos são curtos e sua temática, acessível.

Fica então a pergunta: “1808” é um bom livro? A resposta depende da sua expectativa como leitor. Se você espera um olhar original sobre um dos grandes momentos da nossa história, provavelmente irá se decepcionar. Mas, se a intenção é apenas passar algumas horas com uma leitura prazerosa, fruto de um grande trabalho de pesquisa, então a obra de Laurentino Gomes é um prato cheio.
Tha 17/05/2012minha estante
É verdade! O livro em si não é uma grande novidade. Mas eu adorei justamente por ser gostoso de ler... me senti em 1808!


Gustavo 27/02/2014minha estante
Concordo, é um livro sem critica e mera compilação de informações. Muito superficial. Há livros de historiadores bem melhores, mas que, infelizmente, não conseguem a divulgação devida...


Jossi 25/04/2015minha estante
Justamente por não ter a linguagem acadêmica, e por ser um livro que conta a história, "que não questiona e não incomoda" [ser incomodado por quê? E para quê?] é que adorei os livros de Laurentino Gomes. Sem nenhum 'viés incômodo' seria a expressão correta. O jornalista apenas narra os fatos, numa linguagem acessível, agradável, sem deixar de contar apenas a verdade. Se eu quiser ler um livro com viés esquerdista, é só procurar por outro autor da moda. Na verdade, o que mais existe por aí, livrarias afora, são autores com ares sabichões, linguagem pouco acessível e tentando criticar ou reconstruir a História, de acordo com seus pontos de vista (críticos do "imperialismo português", cheios do chatérrimo politicamente correto).


eddye 11/03/2016minha estante
Só não entendi o porquê de você ter classificado o livro com zero estrelas, sendo que encontrou nele diversos méritos.

Que revelações bombásticas pode-se esperar da obra? O propósito da mídia não é este, afinal, trata-se de um livro de história, não de uma revista de fofocas.

Justamente por fazer um compêndio de informações expostas em neutralidade sem "contaminar" a obra com sua opinião pessoal, Laurentino Gomes conseguiu um feito admirável. Apresentar os fatos, e permitir que as pessoas tirem próprias as conclusões, sem serem influenciadas pela visão do autor. Concordo com a Jossi - livros com vieses críticos ou favoráveis são fáceis de encontrar. Difícil é conseguir ser neutro, informar sem pretender influenciar.




GS 18/04/2021

Patriota
O autor expõe bem os seus sentimentos para com os portugueses, ele possui um ar bem patriota. Em relação ao conteúdo do livro, é triste perceber que não se trata de uma obra ficcional, na qual se escolhe os caminhos que a trama tomará. Por conta disso, o pesar sobre a história do meu país, se intensifica sobre os meus ombros, pois percebo que poderia ter sido melhor, se certas coisas tivessem sido mudadas. Por outro lado, não se deveria imaginar ações diferentes, vindas da nação que só queria extorquir essa mina de ouro chamada "Brasil".
comentários(0)comente



Mossolim 25/06/2021

Uma monarquia apavorada em pleno século XIX
Um livro fabuloso, a história quase colonial e quase independente do Brasil.
Com as invasões napoleônicas força a fuga da corte portuguesa para a fechadíssimo colônia sul americana, o Brasil. Escolta pelos britânicos, que peitavam os franceses no continente, o príncipe regente D. João vem para o Brasil, transformando a cultura, a economia e toda sociedade nas terras brasileiras.
Uma verdadeira aula de história, um livro obrigatória q mostram as boas verdades do nosso príncipe regente, e o costumes do povo brasileiros, q jamais vão sair apesar dos tempos já passados.
Chega tbm ao fim algumas desmitificações da princesa com compulsão sexual e de um príncipe regente inútil, mas realidade perversa um país q se desenvolveu e construiu sua história na base da corrupção e na exploração humana.
As verdades desse livro mostram q o Brasil teve poucas mudanças no sentido da administração pública do país, onde ainda se nota na realidade atual, no passado brasileiro. Algumas pessoas oportunistas, preconceitos, corruptas q ainda vê o nome ou sobrenome ainda é lei e a ordem.
Conhecer uma parte da história do país é conhecer a realidade desse atual Brasil, q mesmo aos trancos e barrancos o país vai mostrando o seu lado bonito de construir a sua história apesar das vergonhosas atitudes dos administradores q desenvolveram esse país.

site: https://www.instagram.com/colecao_em_dobro/
comentários(0)comente



@tigloko 06/11/2020

Mergulho a fundo no Brasil colônia
Apesar de ser um livro de não-ficção com temática histórica, ele me prendeu bastante como se eu estivesse lendo uma estória fictícia, com os personagens se desenvolvendo e tudo mais. Gostei muito desse aspecto narrativo.

Com riqueza de detalhes que me surpreendeu, deu para notar que a pesquisa foi complexa pelo tanto de notas e bibliografia no final do livro.

Vários tópicos interessantes abordados, como a corrupção, que caminha com o Brasil não importa a sua época, o famoso jeitinho brasileiro. O estilo de vida da colônia com a chegada da família real, as transformações que ocorreram ali, está tudo bem explicado e sem ficar monótono. E um grande destaque para a escravidão (como deve ser, não pode ser esquecido), tanto como questão social e econômica da época. Esses só são alguns dos que mais gostei. Mas o livro vai muito além. Recomendo muito para todos. Ansioso para ler 1822 e 1889.
comentários(0)comente



Natalia Fernandes 13/04/2020

13 anos de monarquia
Gostei muito da forma que o livro descreve a mudança da corte portuguesa para o Brasil, além dos relatos dos viajantes da época e como era a percepção deles em relação a corte portuguesa, a cultura brasileira, a escravidão, o crescimento e evolução do país, a personalidade de Don JoãoVI e a mulher Carlota Joaquina, além dos órfãos portugueses após a partida da corte.

Confesso que me questionava como seria o Brasil se a monarquia portuguesa não tivesse se instalado por 13 anos no país, no final o livro esboça uma possibilidade sem essa monarquia.
JuBarbosa 13/04/2020minha estante
Sou loucaaaa pra ler esse livro. Sua resenha me deixou mais curiosa!! Ra


Natalia Fernandes 13/04/2020minha estante
Eu gostei muito do livro, algumas partes do livro dão uma sensação de desgosto, princilpamente os relatos da escravidão e corrupção, mas não deixa de passar de forma clara como foi essa parte importante na história do Brasil!


Natalia Fernandes 13/04/2020minha estante
Obrigada! :)


JuBarbosa 13/04/2020minha estante
Obrigada você pela dica. Acabei de comprar um outro livro, mas o próximo será esse!




Laura 12/12/2020

Gostei
.
comentários(0)comente



@Cb.victorpi. 14/03/2021

Em geral, o livro é bem escrito. É envolvente. Você vai se importando mais e mais com D João VI, mas ficou faltando algo. Para alguém que se aprofundou tanto na pesquisa, a ponto de descobrir que o arquivista real teve um filho ilegítimo, ficou devendo mais causos da corte durante os 13 anos que eles ficaram no Rio. Já estou na ansiedade para ler o próximo.
Fer 14/03/2021minha estante
O melhor é o primeiro, mas os outros dois são tão necessários quanto. Muito bom mesmo


kaka 14/03/2021minha estante
Amooo esse livro mostra para a gente a realidade nua e crua




Isabelle 19/10/2020

Para entender o porquê o Brasil é como é atualmente
Neste livro podemos perceber que temos uma herança histórica muito forte vinda da coroa portuguesa. É possível compreender o porquê o Brasil é do jeito que é atualmente.

Uma corte corrupta, marcada por falta de vontade de trabalhar, mas querer dinheiro fácil e manter gastos excessivos até a falência, enquanto a população mal tinha o que comer e vestir; conservadorismo, preconceito, forte influência religiosa da igreja católica (vocês sabiam que a Maria I, mãe de Dom João XI deixou seu filho mais velho, Dom Miguel morrer de varíola, pois não o deixou tomar a vacina e confiou sua cura a Deus?) e por serem covardes a ponto de se escorarem na Inglaterra para praticamente tudo. Além de a família real portuguesa ser extremamente porca e suja (no sentido literal mesmo rsrsrs)

Alguns desses pontos remetem muito o Brasil atual, não é?

A leitura vale muito a pena se você gosta de história do Brasil e quer entender um pouco mais de como foi a vinda e a estadia da família real para cá. Laurentino Gomes fez um trabalho incrível!
Aline Casellato 19/10/2020minha estante
Ah estou querendo muito lê-lo. A escrita é fluida?


Isabelle 20/10/2020minha estante
pra um assunto denso e histórico, eu achei a linguagem bem fluída sim! ele trás informações bem concisas e você consegue visualizar certinho o que ele tá falando




Mauricio Gonçalves 08/02/2021

Indignado
Indignado não com o livro, o livro é excelente. Aborda de maneira muito simples e precisa todo o período da Família Real Portuguesa no Brasil. Não só traz informação histórica, mas também consegue ilustrar a vida no Brasil, em especial no Rio de Janeiro da época. Livro muito rápido de ler, fácil leitura e compreensão. A forma como o livro é apresentado faz com que o leitor se apegue facilmente e deseje ter a coletânea completa (1822 e 1889).
A indignação se dá nos muitos trechos que retratam a vida no Rio de Janeiro, não por eu ser carioca e mostrar o que a cidade tem de ruim, mas por eu ser carioca e saber que é sim uma cidade péssima em muitos detalhes e que elas são assim há 200 anos, ou até piores nos dias atuais. Tudo de ruim que o Brasil e o Rio de Janeiro tem a oferecer nos dias atuais é um reflexo ou uma potencialização de coisas que se arrastam por séculos, passando pela desordem generalizada, idolatria política, corrupção e tudo de mais sórdido que todo brasileiro conhece bem.
comentários(0)comente



Felipe 30/08/2020

1808
Um livro que eu estava com uma vontade de ler a muito tempo pois História sempre foi uma das minhas matérias favoritas na época de escola. Antes de ler esse livro, fui avisado para tomar cuidado com o fato dele ter sido escrito por um jornalista o que poderia acarretar algumas inverdades ou uma opinião do autor embutida na história. Tendo isso em mente, comecei a leitura.
Me deparei com um texto muito bem escrito, uma leitura bem fluida, de fácil entendimento. Por não ser da área, não saberia dizer se tudo aquilo descrito no livro é verdade ou apenas suposição, apesar das minhas suspeitas em alguns momentos. Laurentino Gomes sempre cita historiadores de diversos países para falar sobre como foi a vinda e a passagem da família real portuguesa no Brasil um pouco antes de 1808 até meados de 1821.
Lendo esse livro, me vinha a mente as minhas aulas do tempo de colégio, de vários fatos que foram narrados por meus professores, sendo que agora esses fatos vieram com maior riqueza de detalhes. Muito louco imaginar tantos nobres vindos para o Brasil, fugidos de Napoleão em uma época em que viagens de navio demoravam meses. Navios que não tinham higiene e cheios de perigos.
Inegável que a vinda da família real tenha trazido coisas boas para a então colônia brasileira, mas também não foi aquela maravilha. Portugal era um dos poucos países daquela época em que a Igreja Católica mandava e tudo era feito em nome de Deus, portanto, já podemos entender como isso chegou no Brasil e tudo que foi feito em nome de uma religião. É triste!
A escravidão é outro ponto muito triste da história desse país pois muitos negros morreram nas minas e fazendas do Brasil para poder deixar os homens brancos ricos. Nesse primeiro volume da trilogia de Laurentino Gomes, o autor relata como a escravidão era algo “normal” e aceito por todos e como ter vários negros como escravos era uma mostra de riqueza e poder. O mais triste disso tudo é ver o país, hoje, tentando apagar essa história, fingir que nada aconteceu. Ao invés de assumir o erro, pedir perdão e tentar reparar essa atrocidade cometida na época do Brasil Colônia.
Enquanto a família real esteve no Brasil, muitas rebeliões de independência ocorreram e Dom João VI acabou com todas, mantendo a unidade do território brasileiro como conhecemos hoje. Talvez se ele não estivesse aqui, o Brasil seria um retalho de pequenos países como a Europa, mas isso é apenas uma suposição.
É um livro bem bacana para quem gosta de conhecer essa história e poder compartilha-la com outras pessoas. Melhor seria fazer uma visita pela cidade do Rio de Janeiro para ver esses lugares que são citados no livro de perto e assim, poder entender melhor o passado do Brasil
comentários(0)comente



Emi 13/05/2020

Gostei
É um livro de fácil leitura e entendimento, para quem quer conhecer um pouco mais sobre esse período do Brasil, acredito que seja um bom começo
comentários(0)comente



701 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR