O Jogo do Amor/"Ódio!"

O Jogo do Amor/"Ódio!" Sally Thorne




Resenhas - O Jogo do Amor e Ódio


58 encontrados | exibindo 46 a 58
1 | 2 | 3 | 4


Natacha 06/08/2018

Amei!!!
Gostei muito desse livro, ri do início ao fim! Recomendo!! Se tornou um dos meus favoritos!
comentários(0)comente



LauraaMachado 23/05/2018

Muito romance e nenhuma história
Antes de mais nada, acho bom deixar claro que eu não costumo ser muito fã de livros New Adult, então, se você é, provavelmente vai gostar muito mais desse livro do que eu. Nem posso dizer que não gostei, já que ele foi bem divertido do começo e cheguei a ler durante bastante tempo sem nem pensar no número de páginas, o que raramente acontece para mim. Mas, infelizmente, alguns detalhes da história me decepcionaram um pouco e tem pelo menos um defeito grande nesse livro que me impediu de dar mais do que essa nota.

O romance do livro é muito bem feito. Ainda que eu tenha percebido milhares de detalhes típicos de New Adult que costumam me fazer revirar os olhos, eles pareceram bastante naturais aqui, e eu leria outro livro da autora no mesmo gênero, mesmo não sendo dos meus favoritos, só como um passatempo. Achei a interação dos personagens bem bacana e, no começo, estava sim torcendo para os dois ficarem juntos.

Mas tenho críticas para o romance. Na minha opinião, eles tiveram a primeira interação realmente romântica rápida demais. O desenvolvimento do romance depois daí foi bem feito, mas ainda preferia ter sentido um pouco de ódio pelo Joshua antes, só para esse sentimento ficar mais crível. Do jeito que está, dá para ver que é só birra.

Minha segunda crítica para o romance é um pouco mais grave. Na sua maioria, Joshua foi extremamente interessante (e super me lembrou um ex, o que me fez gostar mais dele, vou admitir), mas ele teve algumas pequenas e sutis atitudes que foram controladoras e protetoras demais na minha opinião. Esse relacionamento chegou bem perto de ser tóxico. Nunca cruza mesmo a linha, por isso também estou disposta a dar outra chance para a autora, mas não é do tipo de coisa com a qual eu me sentiria confortável e nem posso dizer que cheguei a me envolver nesse romance por isso.

Mas a pior coisa do livro, o verdadeiro defeito imperdoável, é a falta de enredo. Não existe enredo aqui, sinto muito. E, não, uma coleção de cenas não é enredo. Isso me deu raiva, na verdade, só no final. Durante todo o livro, eu já estava incomodada com as várias cenas românticas que duravam trinta, quarenta páginas cada sem grandes mudanças, mas só fiquei realmente irritada quando percebi que até a mínima sombra de enredo que era teoricamente a direção da história (e está na sinopse) acaba sem resolução e sem acontecer! Isso foi realmente revoltante e imperdoável! Depois de eu ter passado por tanta cena só de construção do relacionamento, a única coisa que podia criar um clímax diferente ali ainda é esquecida como se não significasse nada.

Também detestei que as pequenas reviravoltas que apareceram foram completamente previsíveis, nada interessantes e não serviram para compensar a falta de enredo do livro. Já disse que fiquei um pouco revoltada?

Às vezes, você gosta de livro que não tem muita história ou enredo, só romance mesmo. Eu, até esse livro, achava que era uma das pessoas que ama romance e nem se importa com o resto. Na minha opinião, romance não precisa ser só um detalhe no plano de fundo. Pode até estar em primeiro plano, só não pode ser a única coisa acontecendo e se desenvolvendo pelo livro.
Por isso dei nota três. O livro diverte, mas deixa a desejar. Mas, vai saber. Não é como se eu fosse muito fã do gênero New Adult mesmo.
Andréa Araújo 30/05/2018minha estante
Como assim acaba sem resolução?? Hahaha


LauraaMachado 31/05/2018minha estante
Tipo, tem uma única coisa para se resolver além do romance e nem isso é resolvido!


Andréa Araújo 02/06/2018minha estante
Ja imgineino que é, pela sinoose, e estou indignada! Haha


sadbitch 13/09/2018minha estante
Mana, concordo com vc em relação ao enredo, li só a metade não aguentei ler o livro todo. Não gostei dos personagem achei eles meio infantis, e Joshua é bem ridículozinho.


LauraaMachado 13/09/2018minha estante
Eles são muuuuito infantis mesmo! Eu continuei, porque achava que ia ter um final! Imagina minha raiva quando não teve!




Zouza 02/05/2018

Que leitura deliciosa.O livro é aquele clichezão típico,porém bem conduzido,divertidíssimo e os personagens são extremamente cativantes,mesmo os que aparecem pouco(como os pais da Lucy,por exemplo).
Li em um dia e amei,só senti falta de um epílogo para esclarecer algumas questões.
Recomendo para quem está querendo uma leitura leve e de qualidade.
comentários(0)comente



Adrya Ribeiro 22/04/2018

Uma delicia de estória. Me acabei de rir praticamente o livro todo, a Lucy vinha com cada frase que eu me rachava de rir. O Josh, mesmo com aquela fachada dura, por dentro, é um completo amorzinho.
Só gostaria de um pouquinho mais de páginas, um epílogo talvez, para tirar a sensação do correria no final!
Mesmo assim, eu Adorei a leitura!
comentários(0)comente



Anne - @literatura.estrangeira 09/04/2018

O Jogo do Amor/Ódio é um chick-lit que vai contar a história romântica dos personagens Lucy Hutton e Joshua Templeman, que se odeiam!

Lucy e Joshua trabalharam em editoras diferentes, até que uma crise faz com que elas tenham que se juntar e se tornar uma afim de tentar evitar a falência. Acontece que apesar de serem agora uma empresa só, cada um tem seu chefe, cada um tem suas responsabilidades, mas dividem o mesmo espaço. Depois que uma vaga surge, eles começam a brigar pelo cargo e acabam se aproximando, por incrível que pareça, por causa disso.

Narrado em primeira pessoa por Lucy, a gente se dá conta logo de início que o ódio que ela tem pelo Josh também vem regado com paixão e uma pitada de obsessão. Ela percebe algumas peculiaridades em Josh, como por exemplo o fato de ele usar as cores das camisas em ordem. Por causas de algumas atitudes dele, cheguei a cogitar que ele tivesse Síndrome de Asperger, mas depois tudo é bem explicado e essa dúvida é sanada positivamente.

Temos aqui um romance, que apesar de ter começado como "ódio", desenvolve rapidamente e não espera chegar quase no final para ser revelado. Também o achei bem parecido com o enredo do filme Como Perder um Homem em 10 dias, que eu adoro.

A história é divertida, que se desenrola com facilidade, com personagens cativantes e que apesar da previsibilidade não perdeu seu charme e se tornou um dos queridinhos esse ano. Indico para quem quer uma leitura leve, romântica, engraçada e com personagens bem construídos e nada caricatos.

"Você é sempre linda".

site: http://www.literaturaestrangeira.com.br/2018/04/resenha-o-jogo-do-amorodio-por-sally.html
comentários(0)comente



Amanda Ferreira - @Mandy_itbook 21/03/2018

O jogo do Amor/"Ódio!" - Sally Thorne
{ Sorrio para ele, que sorri em resposta. Fico surpresa pelo fato de as estrelas no céu não explodirem em poeira prateada }

Joshua Templeman e Lucy Hutton simplesmente se odeiam. Eles trabalham juntos na mesma editora e passam o dia todo demostrando como se sentem. Lucy é aquela garota boazinha e extrovertida que todo mundo gosta, e se aproveita. Já Joshua é exatamente o contrário, totalmente metódico e fechado, ninguém gosta dele.

Ambos não veem problema em deixar clara a rivalidade existente através de jogos de provação. E a rotina segue assim diariamente, até o dia em que um beijo acontece. A parti daí, tudo muda. O problema não é apenas a atração gigantesca que surge, mas também o cargo que estão disputando, somente um será promovido.

O jogo do (amor) ódio poderia ser um filme de comédia romântica, daquelas bem engraçadas e gostosas de assistir. Consigo visualizar claramente na minha cabeça, ficaria ótimo!

Com uma narrativa leve e fluida, aos poucos o leitor vai conhecendo melhor os protagonistas. São dois personagens que conquistam, cada um à sua maneira. Josh e Lucy são completamente diferentes um do outro, porém no final das contas combinam muito bem. É adorável acompanhar essa evolução na relação deles.

Leitura indicada para quem procura uma história divertida, com uma pitadinha mais sexy em alguns momentos e rápida de ler, ideal para relaxar.

site: https://www.instagram.com/mandy_itbook/
comentários(0)comente



spoiler visualizar
Cristian 15/03/2018minha estante
Gosto das suas resenhas :)


Luiza 15/03/2018minha estante
Muito obrigada! ??




Rafa 14/03/2018

Nêmesis
Lucy e Joshua se odeiam, um não suporta o outro, e mesmo assim um tem de encarar o outro todos os dias, frente a frente, na empresa em que trabalham.

Lucy é agradável, sorridente, gentil e todos a adoram. Vinda do interior, de uma fazenda de morangos, ela passa a maior parte do tempo trabalhando e odiando seu colega Joshua.

Joshua é insensível, impiedoso, mal humorado e ninguém gosta dele, alias todos têm medo. Vindo de uma familia de médicos, ele passa a maior parte do tempo trabalhando e irritando sua colega Lucy.

Com uma premissa simples, de amor e ódio, uma narrativa fluída e meio maluquinha, vamos nos apaixonando pelo mundinho administrativo desses dois personagem. A historia é toda narrada pelo ponto de vista de Lucy, deixando tudo hilário com seus pensamentos e seu jeito atrapalhado de ser.

A competividade e os jogos entre os dois tornam a leitura mais rápida e você se entretem muito, querendo saber o que esses dois vão aprontar.

Diante de uma promoção, o jogo vai se tornar mais acirrado, valendo tudo.

Eles são tão opostos que parecem ter sido criados um para o outro, se encaixam amplamente. É claro que todo esse ódio e competição vai terminar em um romance e muitas descobertas.

É um romance adulto equilibrado, com humor, amizade, fofura, competição, ódio, amor e descobrimento. Acho que a mensagem é clara, nem tudo é o que parece à primeira vista.

Para todos que curtem uma boa comédia romântica, O Jogo do Amor "Ódio"! é perfeito.

"Olho para sua cadeira vazia, fecho os olhos e sou invadida pelo azul de seu quarto. Estou prestes a perder uma coisa que sequer já tenho."
Pâm 14/03/2018minha estante
Oi você tem ele em pdf oi mobi? Troco por outro da sua escolha, tenho varios. Caso se interessar me manda mensagem.


Rafa 14/03/2018minha estante
Olá, eu só tenho ele em eBook ?


Pâm 15/03/2018minha estante
Ahan
Quer trocar por algum?
Tenho todos que eu li, olha minha lista de lidos e aí a gente combina se você se interessar por algum


Rafa 15/03/2018minha estante
Gostei bastante dele vou manter na minha coleção ?


Pâm 15/03/2018minha estante
Ok




Josy 09/03/2018

Ódio ou Amor? Eis a questão!
Uma história divertida, com momentos bastante pitorescos. Um texto fluido, onde o leitor fica querendo saber qual o próximo conflito dos personagens.
Lucy e Josh, são os protagonistas dessa história, trabalham numa fusão editoras, são assistentes executivos e resolveram que se "odeiam". Esse conflito os levará a momentos, um tanto quanto absurdos. Ele absolutamente metódico, ela totalmente excêntrica e de bem com a vida. Lucy tem dificuldade para entender e derrubar a barreira criada por seu colega de trabalho. É mais seguro odiá-lo, já que ela se dá bem com todos.
Porém, a disputa por uma promoção vai acirrar ainda mais o conflito entre eles.
Acontecimentos alheios as suas vontades surgem, fazendo com que se aproximem...
Para saber o desenrolar desse jogo, só se deixando levar por essa leitura. Diversão garantida!
comentários(0)comente



ELB 22/02/2018

É adorável, envolvente e te arrancará altas risadas.
Lucy Hutton é assistente executiva de Helene Pascal, dona da Gamin Publishing, uma editora que estava em colapso e teve como única solução: se fundir com a Bexley Books, que também estava em decadência. E ambos se uniram para evitar a ruína financeira, os tonando a Bexley & Gamin.

E é aí que Lucy conhece Josh Templeman, assistente executivo do Sr. Bexley. No primeiro dia, Lucy estava decidida a ser simpática e fazer amizade, mas a primeira impressão deixada por Josh selou o destino de ambos em um jogo entre eles.

Todos os dias ambos travam discussões, pressionam um ao outro e fazem uma variação de jogos, como: o Jogo do Espelho; o Jogo dos Recursos Humanos; Jogo do Ódio; o Jogo do Ou Algo Assim. E todos tem o simples objetivo de intimidar o outo e fazê-lo perder.

Mas tudo piora quando são informados que um deles poderá ser promovido a chefe do outro. Com isso, as coias ficam mais tensas, se possível, e eles acabam se beijando no elevador. O que muda completamente a dinâmica entre eles, que tentam descobrir qual jogo jogar em seguida, o do amor ou do ódio.

Ele deixa a coluna ereta na cadeira, mas o canto de sua boca se repuxa. Eu queria poder usar os polegares para puxar sua boca em um sorriso enorme e perturbado. Enquanto a polícia me arrastasse algemada para fora da sala, eu gritaria: “Sorria, seu maldito!”

" Tenho 28 anos e parece que caí pelas rachaduras do céu e do inferno e fui parar no purgatório. Uma sala de aula do jardim da infância. Um hospício."

O que falar da Sally, que acabei de conhecer, mas já considero pacas?
Esse é o primeiro livro da autora, que traz o melhor do gênero Chick Lit.

Essa história é o típico romance gato e rato. Os dois se odeiam desde o começo e trocam farpas entre si, e não perdem uma oportunidade de azucrinar um ao outro, mas conforme o tempo vai passando, eles vão desenvolvendo uma trégua, que passa para amizade e depois romance.

Parece clichê, e sim, é. Mas como eu sempre falo, depende de como o autor desenvolve esse enredo. E Sally não te decepciona em nenhum momento, o relacionamento dos dois se desenvolve lentamente, é muito bem construído, e você sente a veracidade nos sentimentos do casal. Sem falar que a autora incluiu os elementos que são obrigatórios em um Chicklit que amamos ler, principalmente o toque de humor, daquele tipo que chega a ser bobo ou até ridículo, às vezes. Mas durante o livro todo, eu estava com um sorriso nos lábios e meu coração transbordava felicidade.

Lucy é maravilhosa, gostei mais da narração dela do que da de Josh. Ela é simplesmente radiante, não tem como descrever de outra forma: ela é doce, gentil, engraçada. Enquanto Josh é arrogante, irritante e cruel às vezes, mas ele te pega. Não sei como, mas no decorrer do livro, você se pega o adorando. E o jogo entre eles é fantástico, as respostas são espirituosas e divertidas, a maneira como cada um conseguia pressionar os limites um do outro, era mais do que bem escrita. Não posso deixar de citar a tensão sexual que se vai construindo entre e eles, as provocações com um tom sexy. Tãooooo

site: http://www.everylittlebook.com.br/2018/02/resenhao-jogo-do-amor-e-odio-sally.html?showComment=1519304124808#c6054223401241766020
comentários(0)comente



Lisse 14/02/2018

Odiar é desgastante
Gamins e Bexley acabaram de se unir. E não pense que são duas pessoas, não não, são duas empresas editoriais que estavam á beira da falência e nos últimos minutos do segundo tempo conseguiram entrar em um acordo e se unir, trazendo á vida Bexley & Gamin. Agora com duas pessoas tomando á frente e dia após dia tentando sobreviver, é assim que Lucinda e Joshua precisam se aturar.

Ambos são assistentes executivos dos donos da companhia. Lucinda adora sua chefe, Helene; e Joshua é o ombro direito do Sr. Bexley, a quem Lucinda dá um apelido super carinho (você terá que ler para descobrir, ok?  ); e eles passam todo santo dia um de frente para o outro se aturando, tentando ser melhor que o outro e com muitas farpas no meio disso tudo.

Quote: "Sentado á minha frente está o assistente executivo do senhor Bexley. Seu capanga e servo. A segunda coisa, a coisa mais essencial que qualquer pessoa precisa saber a meu respeito é: eu odeio Joshua Templeman."

Lucy é a personagem mais engraçada que eu já tive o prazer de conhecer, e olha que com certeza assim como eu, você também já deve ter lido vários livros com protagonista divertidas; mas Lucy está em um patamar tão alto que é difícil superá-la. Ela não tem vergonha de muitas coisas a não ser onde foi criada, é totalmente sem filtro e tem uma personalidade que é difícil não querer tê-la como amiga. 

Quote: "Aqui está um fato: odiar alguém é desgastante."

Mas Lucy tem essa coisa de odiar Joshua por vários motivos e a principal foi a fusão das empresas e como toda dinâmica mudou e sua melhor amiga perdeu o emprego e agora ela está sozinha nesse barco, então restou apenas odiá-lo com todas as forças. 

Joshua é meticuloso com seu trabalho, suas roupas e seu jeito de ser e até de fazer suas anotações, coisa que Lucy observa atentamente. Ele também não é muito falante e não permite que Lucy o tire do sério, mas o fato é que ela sempre tenta fazer. No entanto, Josh é muito rápido e sagaz, deixando a interação deles ainda mais divertida. 

Quote: "É isso que você pensa que nós dois fazemos? Flertar? Moranguinho, se nós dois estivéssemos flertando, você saberia."

Teve momentos em que o jeito comedido do Josh me fez querer bater na cabeça dele, mas a dinâmica não demora muito a mudar. Os verdadeiros sentimentos da Lucy ficam logo claros e de um jeito muito bem feito pela autora esses personagens tornam-se tão especiais para mim, e também um para o outro, que eu estava como uma louca líder de torcida esperando pela próxima interação. E vou confessar que já faz muito MUITO tempo que não me sinto assim. 

Quote: " - Onde fica o jogo de dardos com a minha cara bem no centro do alvo?
- Fica no quarto de visitas."

Ir descobrindo um pouco mais da Lucy em cada capítulo me deixou com a sensação de realmente conhecê-la. Em como o pai dela fala do Josh de um jeito engraçado, ou o modo como Lucy e a mãe tem um relacionamento tão achegado, além das inseguranças da protagonista sobre perder o trabalho e o que fazer se isso acontecer a tornaram muito humana me fazendo querer consolar, rir, chorar ou apenas estar ao lado dela.

Já o Josh, UAU, um perfeito cavalheiro. Nenhuma de suas atitudes foram demasiadas ou inferiores, apenas na medida certa. Com seus próprios dissabores, ele é um personagem que também tem uma história para contar e que vamos entendendo pouco a pouco porque a personalidade dele não é extrovertida. Mas em nenhum momento quis que ele fosse diferente; era perfeito com seu jeitinho. Acho que fiquei um pouco apaixonada...

Quote: "Se eu achava que era viciada antes, o vício não passava de um enorme eufemismo. Quero ter uma overdose de Joshua."

Li essa história em 1 dia. 1 DIA! E ainda não acredito, afinal esse livro tem 400 páginas, mas a história é tão fluída, engraçada e dinâmica narrada em primeira pessoa pela Lucy que não notei as páginas voando. Sally Thorne fez um excelente trabalho em me deixar ligada e desesperada por mais páginas e muito mais da química explosiva de Lucy & Josh. 

Não sei se meu trabalho aqui ficou bem feito em persuadir você a ler O Jogo do Amor/Ódio, mas lembre que já estou indo reler e não é qualquer livro que me faz não querer fechá-lo e voltar para a primeira página. 
Isis 15/02/2018minha estante
Essa resenha me fez ter vontade de ler *_*


Lisse 15/02/2018minha estante
Vc deveria ler, é muito fofo


Isis 15/02/2018minha estante
Deixa eu te entregar a remessa desse ano e pego mais haha




Fabi | @psamoleitura 14/02/2018

{resenha no blog PS Amo Leitura}
Quando você trabalha com o que gosta é uma sensação maravilhosa, não é mesmo? Mas imagina ter que olhar todo dia para uma pessoa que você não suporta e pior: essa pessoa trabalha na mesa de frente a sua! É o eterno dilema entre Lucy Hutton e Joshua Templeman.

Lucy sempre sonhou em trabalhar em uma editora. Joshua trabalhava em uma editora concorrente. Mas com os grandes acontecimentos, houve uma fusão. Alguns funcionários foram mandados embora; outros permaneceram com o emprego. E foi assim que eles se conheceram e começaram a trabalhar juntos.

Eles realmente se odeiam! E deixam isso explícito por conta do humor, das respostas atravessadas, dos olhares de ódio, de senhas de computadores... e tudo vai agravando quando uma nova vaga aparece no departamento. Ambos irão concorrer essa promoção e o ódio cresce ainda mais!

Será que todo esse ódio correndo em suas veias poderia ser amor? Lucy acha que isso é impossível. Como ela seria capaz de amar um homem como Joshua? Ele é lindo, mas seu jeito de ser a incomoda completamente e é através de umas brincadeiras entre eles que ela descobrirá quem ele realmente é.

Há uma possibilidade de uma promoção. Lucy está confusa em relação aos seus sentimentos. O que será que ele pensa a respeito dela? Mas ela não deixará que nada, nem mesmo ele, atrapalha seus jogos e sua disputa para essa promoção. Afinal, como tudo isso irá acabar?

O jogo do amor/ódio" é um livro fofo, engraçado e completamente clichê. Desde o começo você já imagina como tudo irá acabar e conforme a história vai desenrolando, você tem certeza! Mas isso não impediu de ser uma boa leitura e uma boa distração.

Os personagens do livro são completamente carismáticos e mesmo eles se odiando o tempo todo, você é conquistada por ambos. Impossível não rir de Lucy descrevendo seu ódio por Joshua, assim como é impossível não rir de Joshua tentando passar a perna nela para ganhar essa promoção.

Aliás, tudo isso mostra uma grande realidade, não é mesmo? Muitas vezes temos que trabalhar com pessoas das quais não gostamos ou até mesmo viver por situações complicadas por conta do trabalho. E acho que foi isso que me conquistou ainda mais neste livro, além da escrita maravilhosa da autora.

Há cenas sexys no livro e isso realmente me incomoda em qualquer história. Então, aqui vai mais um ponto: o livro gira em torno do ódio entre os personagens e a promoção. Ok. E essa disputa foi acontecendo no decorrer dos capítulos, porém, a explicação final foi dada na última página.

Exceto isso, Sally Thorne tem uma escrita simples, leve, descontraída e cativante. O livro é narrado no ponto de vista de Lucy e pode ter certeza: a diversão é garantida com ela e seu ódio mortal pelo personagem.

site: http://psamoleitura.blogspot.com.br/2018/02/resenha-o-jogo-do-amorodio.html
comentários(0)comente



Lekatopia 03/12/2017

O jogo mais divertido do ano
Vamos começar de trás para frente. Eu adorei. Depois de alguns chick lits desapontadores, Sally Thorne e sua estréia, O Jogo do Amor/Ódio, me lembraram porque eu ainda amo esse gênero: é leve, é engraçado, é fofo e não tem medo de ser ridículo (ridículo pode ser bom, crianças). Obrigada, Sally, sua linda.

A sinopse é bem auto descritiva: Lucy e Josh trabalham juntos em uma editora e se odeiam, o que eles não têm vergonha de demonstrar com uma série de comportamentos inapropriados capaz de envergonhar qualquer RH. Lucy é excêntrica, gentil e tem consideração demais pelos sentimentos alheios (leia-se: todo mundo passa por cima dela). Josh é metódico, arrogante e tem consideração de menos pelos sentimentos alheios (leia-se: é um babaca odiado por 95% do escritório). Eles são igualmente eficientes, mas opostos, forçados a trabalhar um na frente de outro para os dois CEOs de uma editora. O anúncio de uma promoção acirra a guerra entre os dois, mas alguns acontecimentos inesperados podem revelar que as aparências enganam e fazê-los questionar se, de fato, eles se odeiam tanto assim.

Pausa para eu dizer que não tem nada que eu goste mais do que diálogos rápidos e sarcásticos entre dois nêmeses que a gente torce para ver juntos. Culpo Orgulho e Preconceito por essa preferência cultivada ao longo dos meus anos de leitura e posso dizer que, nesta frente, O Jogo do Amor/Ódio não decepciona.

É uma leitura leve e rápida, apesar das 400 páginas, além de muito divertida. Eu ri alto e dei sorrisos involuntários por diversas vezes. Perfeito para você levar para praia nas férias e se distrair.

Ainda assim, há alguns pontos que para mim separam essa leitura de algo muito bom e altamente recomendado para fãs do gênero (o que ela é) de algo quase impecável (o que faltou um pouco para ser): pouco desenvolvimento das personagens secundárias, lapso temporal curto para tudo o que acontece (as coisas me pareceram intensas demais para ter ocorrido em duas ou três semanas) e uma mudança de comportamento muito radical de uma das personagens – acho que não tinha problema admitir que simplesmente estamos falando de alguém que não é tão legal assim (afinal, essas pessoas também se apaixonam) ao invés de dar camadas de fofura cobertas em açúcar para a personagem. Para um romance de estréia, porém, Sally Thorne demonstra muito potencial e o próximo livro dela, com publicação prevista para 2018, já está na minha lista de desejos.

Mais que recomendado!

site: http://lekatopia.blogspot.com.br/2017/12/o-jogo-do-amorodio.html
*Rô Bernas 05/02/2018minha estante
Acabei de ler esse livro...amo chick-lit, justamente por ser leve e divertido. Asim como você, amo diálogos sarcásticos, exatamente por isso esperava um pouco mais de embate entre os personagens principais...achei muito rápido rsss
Mas no geral, gostei muito do livro. :)




58 encontrados | exibindo 46 a 58
1 | 2 | 3 | 4