Voto de Sangue

Voto de Sangue J. R. Ward
J. R. Ward




Resenhas - Voto de sangue


25 encontrados | exibindo 16 a 25
1 | 2


Swellen 12/05/2020

Voto de Sangue é o segundo livro da série Legado da Irmandade da Adaga Negra que é um spin-off da série Irmandade da Adaga Negra. Nesse livros vamos conhecer mais sobre o casal Axe e Elise e o desenrolar de Rhage, Mary e Bitt - como já disse, meus favoritos.
.
.
Não foi um casal (Axe e Elise) que agradou muito. Achei eles um tanto sem graça. Para mim, o que valeu a pena foi o retorno de Rhage e Mary. E a comédia ficou por parte do nosso anjo quase querido. . .
Agora, uma coisa que não entendi: os títulos. Realmente não fazem sentido algum, pelo menos, para mim.

Mas, seja como for, Ward é uma escritora sensacional e a série IAN é viciante
comentários(0)comente



Thais Caroline 09/05/2020

Esse spin off da série Irmandade da Adaga Negra apresenta um pouco mais de Axe, um jovem trainning da irmandade. E também não menos importante, como uma continuação de A Besta, Rage, Mary e Bitty e o processo de adoção. Axe descobrindo o amor e Rage a paternidade. História envolvente, mas faltou um pouco com Axe, já que o volume é voltado para ele e Elise. Senti que ficou faltando algo para complementar o final, mas mesmo assim, vale a pena a leitura.
comentários(0)comente



Thaís Almeida 07/05/2020

Confesso que o casal principal não me conquistou muito, mas gostei do desenrolar da história e de saber mais do Rhage e da Mary! As cenas de ação são poucas mas são boas, recomendo a leitura!
comentários(0)comente



Patty 05/05/2020

Bom
Gostei mais das histórias dos coadjuvantes do que dos principais kkk
comentários(0)comente



Carolina DC 20/05/2019

"Voto de sangue" é o segundo livro do spin-off da Irmandade da Adaga Negra e conta duas histórias: a de Axe e Elise e a do Rhage, Mary e Bitty. Axe é um dos seis trainees da IAN e tem uma história pessoal repleta de decepções. Sua mãe abandonou a família para conseguir encontrar um companheiro mais rico, enquanto que o pai, um artesão, nunca desistiu do sonho de ver a esposa retornar, criando obras e reformando a casa na expectativa de que o seu desejo se realizasse. Axe cresceu com um pai apático, um homem bom e honrado, mas que perdeu o brilho depois que a esposa o abandonou e que anos depois, morreu no meio do grande atentado por conta do descaso da glymera, a alta sociedade vampírica. Por conta disso, Axe é uma pessoa que tem sérios problemas com a glymera, sendo extremamente preconceituoso e generalizado todos os integrantes dessa sociedade.

Elise perdeu sua prima Allishon poucos meses antes, e a casa que divide com seu pai e seus tios tornou-se sufocante com o silêncio de todos. Não que antes a família fosse comunicativa ou amorosa, pois não é assim que as famílias da glymera funcionam, mas para Elise, a situação deteriora a cada segundo. É por isso que ela quer terminar seu doutorado e começar uma vida nova, mas precisa estudar às escondidas, pois seu pai quer que ela apenas encontre um marido e seja mais uma garota superficial da glymera.

Imaginem a surpresa de ambos quando se conhecem e sentem aquela atração inevitável. E tudo piora quando o pai de Elise descobre sobre os seus estudos e contrata Axe como guarda-costas da filha.

"Teve a impressão de que fazia muito tempo desde que Axe abraçara alguém. E também soube que ele não quis soltá-la. O abraço foi, conforme ela refletiria mais tarde, ainda melhor do que qualquer sexo promissor e espetacular." (p. 206)

Em paralelo temos a história da Bitty, uma garotinha que apareceu em livros anteriores por ter sobrevivido aos maus-tratos causados pelo pai biológico. Bitty e sua mãe fugiram para o lugar seguro, onde conheceram Mary e Marissa. Infelizmente, a mãe de Bitty não sobreviveu e Bitty ficou órfã. Mary e Rhage imediatamente se apaixonaram pela garotinha e entraram com um pedido inédito na sociedade vampírica: o de adoção. Para isso eles precisam passar por um período de seis meses, onde um parente de sangue pode aparecer e por direito legal, criar a garota.

"Mary Luce foi a enfermeira de uma mãe adoentada que morreu de modo terrível e antes do tempo. Mary Luce foi a sobrevivente de um câncer que a deixou infértil depois da quimioterapia. Mary Luce foi o fantasma à margem, a sombra que passava despercebida em um cômodo, uma alegoria de uma posição em que ninguém desejaria estar. Só que a vida dera uma reviravolta, da melhor maneira possível. E naquele momento, ela se encontrava onde jamais tinha ousado sonhar que estaria." (p. 31)

Das duas histórias apresentadas, sem dúvida, a do Rhage, Mary e Bitty foi a que mais se destacou. Foi emocionante observar Hollywood tão preocupado e protetor com essa garotinha doce, assim como Mary, que nunca imaginou a possibilidade de se tornar mãe depois da intervenção da Virgem Escriba para que ela se tornasse a companheira de Rhage. Além disso, é palpável o amor que toda a Irmandade têm por essa garotinha, que sofreu e ainda sofre as sequelas do abuso do pai. Um dos destaques do livro sem dúvida foi o Lassiter, que mais uma vez se mostrou incrível por trás de toda aquela atitude blasé.
comentários(0)comente



Dilly 27/03/2020

Maravilhoso
Um livro com o casal que eu mais amo de toda a série????? Simplesmente amei, já quero mais,quero saber de tudo deles. Autora arrasou mais uma vez.
comentários(0)comente



silvanagalafassi.dalssaso 11/03/2020

Adoro essa série!
Como sou fã dessa série, sempre gosto muito das histórias que se misturam. Vários personagens novos interligados com os Irmãos originais.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Carolina DC 20/05/2019

"Voto de sangue" é o segundo livro do spin-off da Irmandade da Adaga Negra e conta duas histórias: a de Axe e Elise e a do Rhage, Mary e Bitty. Axe é um dos seis trainees da IAN e tem uma história pessoal repleta de decepções. Sua mãe abandonou a família para conseguir encontrar um companheiro mais rico, enquanto que o pai, um artesão, nunca desistiu do sonho de ver a esposa retornar, criando obras e reformando a casa na expectativa de que o seu desejo se realizasse. Axe cresceu com um pai apático, um homem bom e honrado, mas que perdeu o brilho depois que a esposa o abandonou e que anos depois, morreu no meio do grande atentado por conta do descaso da glymera, a alta sociedade vampírica. Por conta disso, Axe é uma pessoa que tem sérios problemas com a glymera, sendo extremamente preconceituoso e generalizado todos os integrantes dessa sociedade.

Elise perdeu sua prima Allishon poucos meses antes, e a casa que divide com seu pai e seus tios tornou-se sufocante com o silêncio de todos. Não que antes a família fosse comunicativa ou amorosa, pois não é assim que as famílias da glymera funcionam, mas para Elise, a situação deteriora a cada segundo. É por isso que ela quer terminar seu doutorado e começar uma vida nova, mas precisa estudar às escondidas, pois seu pai quer que ela apenas encontre um marido e seja mais uma garota superficial da glymera.

Imaginem a surpresa de ambos quando se conhecem e sentem aquela atração inevitável. E tudo piora quando o pai de Elise descobre sobre os seus estudos e contrata Axe como guarda-costas da filha.

"Teve a impressão de que fazia muito tempo desde que Axe abraçara alguém. E também soube que ele não quis soltá-la. O abraço foi, conforme ela refletiria mais tarde, ainda melhor do que qualquer sexo promissor e espetacular." (p. 206)

Em paralelo temos a história da Bitty, uma garotinha que apareceu em livros anteriores por ter sobrevivido aos maus-tratos causados pelo pai biológico. Bitty e sua mãe fugiram para o lugar seguro, onde conheceram Mary e Marissa. Infelizmente, a mãe de Bitty não sobreviveu e Bitty ficou órfã. Mary e Rhage imediatamente se apaixonaram pela garotinha e entraram com um pedido inédito na sociedade vampírica: o de adoção. Para isso eles precisam passar por um período de seis meses, onde um parente de sangue pode aparecer e por direito legal, criar a garota.

"Mary Luce foi a enfermeira de uma mãe adoentada que morreu de modo terrível e antes do tempo. Mary Luce foi a sobrevivente de um câncer que a deixou infértil depois da quimioterapia. Mary Luce foi o fantasma à margem, a sombra que passava despercebida em um cômodo, uma alegoria de uma posição em que ninguém desejaria estar. Só que a vida dera uma reviravolta, da melhor maneira possível. E naquele momento, ela se encontrava onde jamais tinha ousado sonhar que estaria." (p. 31)

Das duas histórias apresentadas, sem dúvida, a do Rhage, Mary e Bitty foi a que mais se destacou. Foi emocionante observar Hollywood tão preocupado e protetor com essa garotinha doce, assim como Mary, que nunca imaginou a possibilidade de se tornar mãe depois da intervenção da Virgem Escriba para que ela se tornasse a companheira de Rhage. Além disso, é palpável o amor que toda a Irmandade têm por essa garotinha, que sofreu e ainda sofre as sequelas do abuso do pai. Um dos destaques do livro sem dúvida foi o Lassiter, que mais uma vez se mostrou incrível por trás de toda aquela atitude blasé.
comentários(0)comente



25 encontrados | exibindo 16 a 25
1 | 2