O Pássaro

O Pássaro Samanta Holtz




Resenhas - O Pássaro


111 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Bia Galvão 17/07/2017

Chocada...
Uma trama revigorante e envolvente que vai te fazer emocionar da planta dos pés até a raiz dos cabelos. Um cenário bem construído por volta do século XVIII, e que vai além de castelos e nobreza, mas até a baixa plebe como os ciganos.
Caroline é a mocinha da trama, uma jovem que batalha por seus ideais e não se deixar vencer pelos padrões impostos da época. Com espírito de liberdade, ela almeja ser dona do próprio destino, sem ninguém que lhe diga aonde e como ir.
Ao conhecer Bernardo, um vassalo de suas terras não qual não se bica de início, e descobrir que possuem em comum o desejo de liberdade eles planejam uma fuga e é aí que tudo começa. O desabrochar de um sentimento forte e arrebatador, capaz de enlacar duas almas sem que nada nesse mundo fosse capaz de separa-las. Apesar das muitas diferenças, Caroline e Bernardo se unem de tal modo que é possível o leitor sentir a química entre eles.
Personagem marcantes, dos protagonistas aos secundários, eu amei todos e confesso que o final me pegou de surpresa (estou chocada até hoje, rsrs) porem com uma lição valiosa: Um pássaro nunca perde seu voo. O que eu aprendi com Caroline é que ela nunca vai se limitar a ser livre, mesmo que isso custe sacrifícios. Uma linda história, que ficará marcada pra sempre no meu coração!

Bjs, Bianca.
comentários(0)comente



Marília 13/06/2017

O voo do Pássaro
Citações de " O Pássaro" -

- " Toda escolha, por melhor que lhe pareça, sempre exige que um caminho seja deixado para trás".

- "Quando a tristeza cresce dentro da gente, ela precisa sair.Senão, não sobra espaço para a felicidade".

- "O castigo de uma vida desgraçada é Sempre maior que a morte, que mais liberta do que pune".

-"Não deixe passar o momento de ser feliz,porque ele pode nunca mais voltar".

Uma obra surpreendente,que nos apresenta personagens marcantes e de fácil identificação com os mesmos, em especial a protagonista ( me identifiquei em alguns momentos), que toca o coração e mexe com nossas emoções. Retrata o amor de forma sutil e natural, que nos encanta com as emoções, reações, sensações advindas do mesmo de uma maneira linda como realmente é o amor.
Além de nos remeter a reflexão e qualidades como garra, força e determinação, tão necessárias a vida e existência.
E a certeza de que quando os laços do amor verdadeiro são entrelaçados, nem a distância, saudade e o tempo pode destruir.....afinal já foram eternizados.

E um final surpreendente....que merece uns lencinhos.

Belíssima! obra!!
Meus parabéns a autora e talentosa Samanta Holtz.






comentários(0)comente



teti 12/06/2017

Me surpreendeu mto ,pois adorei , tinha uma dificuldade com livros de época, Mto linda a história, fala sobre liberdade, amor Adorei mais me deixou um pouco triste ?
O pássaro
comentários(0)comente



Fabi 03/05/2017

MELANCÓLICO DEMAIS
'' — Quando a tristeza cresce dentro da gente, ela precisa sair. Senão, não sobra espaço para a felicidade.''

Sabe quando a personagem central do livro não te agrada?
Foi o que aconteceu com a personagem deste livro: Calorine Mondevieu . A mocinha da vez, é filha de um barão, tem quantos vestidos que quiser, fome ela nunca passou.
O cenário do livro é baseado na época em que as mulheres eram submissas aos homens, que não podiam expressar sua opinião. Caroline desde pequena, demonstrou ser o oposto de tudo isso. Seu pai, um homem bruto e sem sentimentos, sempre desprezou o jeito da menina.
Quando ela se encontra com 17 anos, o barão propõe dela se casar com Filip, um rapaz que a conhece desde criança, que a ama de todo o coração, porém um pouco tímido.
Mas ela o quer? Nãooooooooo, só vê ele como amigo. Ela quer ser livre, ter liberdade, não viver sobre o domínio do seu pai autoritário.
Poxa vida, Filip é um amor de pessoa, porque não podia gostar dele? E já que ela queria ser livre, se casasse com o noivo que o barão propôs, de certa forma, ela não estaria mais sobre o domínio do pai neh. Odeio personagens que tem tudo à disposição, nada de errado, mas acha que tem motivos para ser rebelde; a chatinha da história; que gosta de fazer revolta.
Caroline não quer nada disso. Ela quer viver uma aventura e para isso conta com a ajuda de Bernardo. Um domador de cavalos, que sonha também ser livre, mandar em sua própria vida.
A fuga de Caroline foi bem da atrapalhada. Tem um momento que ela relata estar quase a arrancar os próprios cabelos. Eu também fiquei assim hahaha a menina parecia que não ia conseguir fugir, pois o tanto de problemas que ela encontrou. Me deu vontade de tacar o livro na parede ( caso eu estivesse lendo livro físico), muita enrolação, mais uma parte que eu estava frustrada na leitura.
O resto vocês já podem imaginar. Depois de um tempo se apaixonam blábláblá.....
Não me conformei mais ainda no final, quando Caroline quer fazer Filip de segunda opção. Ahhhhhh, haja paciência com esta mocinha. =(
Filip foi o que mais sofreu neste livro, mas foi primeiro personagem que me agradou, depois veio em seguida Elizabeth e o marido.
Eu não consegui gostar dela com Bernardo, então quando é revelado o grande segredo que envolve os dois, eu fiquei: Ah, ta.Tipo, para mim tanto faz.
Se o casal central, fosse trocado por Elizabeth e seu marido, eu teria gostado deste livro sem dúvidas, a declaração do marido da Elizabeth foi tão lindaaaa, dizendo que se apaixonou por ela, que a quer em sua vida. S2
No final, achei O Pássaro, um misto de Romeu e Julieta e O morro dos ventos Uivantes, centrado no tema amor impossível.
Quem gostou deste livro, beleza. Eu não senti conexão com ele. A autora que me desculpe, não foi dessa vez.
Não leria de novo. Foi muita melancolia num livro só. Deixo a sua disposição ler e tirar suas conclusões ;)

''- O amor transparece os olhos de quem o sente.''

''O amor não é feito de ouro, embora meus olhos brilhem como tal quando eu o vejo.''
Mi 05/05/2017minha estante
Palmas kkkkkk
Amei o final : " Quem gostou desse livro, beleza (...) " kkkk cara deu até um orgulho kkkkk

"Sabe quando a personagem central do livro não te agrada? "
Acho que eu tenho um certa experiência, não muita claro ;) kkkkkkkkkkkkkk


Fabi 05/05/2017minha estante
hahaha nao gostei d livro, entao nao tinha como esconder a opiniao kkkkkkk




Cris 18/04/2017

Um pai rígido, uma garota querendo voar.Filha de um barão poderoso Caroline quer mais da vida quer conhecer lugares , conheceu um domador de cavalos e aí começa sua jornada, mas no caminho tem muito obstáculos, tem um final surpreendente!!
comentários(0)comente



Iris 27/02/2017

O Pássaro - Resenha
Oi Povo, tudo bem?
Vocês já devem ter observado que amo um romances de época, né? Rsrs
Hoje vamos falar de “O Pássaro” um romance de época de uma autora nacional! \o/ \o/ \o/
Antes de começar a falar do livro em si, preciso comentar desta capa. Que capa mais linda é essa?! Confesso, que quando vi simplesmente me apaixonei.

Barão de Mondevieu é o um dos grandes senhores feudais da época, era conhecido por seus amigos (senhores de terras) por ser uma super educada e amável. Porém, por seus empregados era conhecido com um homem sem coração. Enézio Mondevieu era casado com Antonelle e tinha duas filhas, a mais velha chamada Elizabeth e a mais nova Caroline. Nem com a própria fámilia ele era uma pessoa amável, tratava a esposa e as filhas muitas vezes pior do que os empregados.
Sua filhas foram criadas das mesma maneira, mas tinham gênios completamente diferentes. Elizabeth era calada e não contestava nenhuma decisão do pai. Já Caroline, era questionadora desde de criança.

Ainda olhava a pequena casa, transtornada. Sempre pensou que todos tivessem a mesma vida que ela, todas as famílias com seus castelos, todos felizes. Era a primeira vez que alguém lhe apontava a realidade com o dedo.
Pág: 15

Conforme foi crescendo Caroline não gostaria de ter a vida de qualquer mulher de sua época, ela deseja ser livre e descobrir o mundo. É claro, que esse comportamento não era compatível com o que barão esperava, e o deixava furioso. Ao ver sua irmã sendo obrigada a se casar sem ao menos ter direito de opinar sobre seu futuro esposo, ela bate de frente mais uma vez com o seu pai e acaba sendo punida.

- Com a sua escolha - explicou séria. - Não perguntou se ela aceita, perguntou?
Ela não precisa aceitar o que cabe a mim decidir!!
Pág: 26

Pouco tempo depois ela conhece Bernardo, filho do domador de cavalo e descobre que ele foi o menino que lhe “contou” a realidade a anos atrás. Ela fica impressionada como desprezo que ele tem com as pessoas de sua classe social. Ambos, trocam diversas farpas, mas acabam encontrando um objetivo em comum, eles sonham com a liberdade. Ambos, são prisioneiros da vontade do Barão, ele por ser um mero empregado e ela por ser filha.

Pouco tempo depois Caroline descobre que ficará noiva e se casará em breve, é nesse momento que resolve fugir. Ela pede a ajuda de Bernardo, no principio ele não acredita que ela realmente irá fugir e com isso acaba ignorando Caroline. Quando percebe que ela vai sozinha, ele resolve ajudá-la. Afinal, ela não sobreviveria um segundo sozinha na floresta.

Após horas de espera por um casamento que não aconteceu, o barão dispensou seus convidados. Com votos de boa sorte e promessas de apoio nas buscas, deixaram a propriedade levando consigo a informação oficial: Caroline Mondevieu estava desaparecida.
Pág: 163

A partir desse momento é impossível largar o livro até saber o que vai acontecer com os personagens. Eles passam por tantas coisas e ainda vão parar num acampamento cigano, tendo que lidar com todos os preconceitos que Caroline tinha com eles. Os preconceitos dela vinham do que aprendeu com o Barão, ele os chamava de malditos, pois alegava que não tinham religião e praticavam roubos.

Não gosto de soltar spoilers, mas tenho que dizer que o caminho que o livro toma é completamente surpreendente e o final é de arrancar muitas lágrimas. Apesar, do livro ter um começo lento, quando toma o ritmo é impossível de largar. O pássaro é o primeiro livro da Samanta que li e devo dizer que virei fã.

site: http://www.fadasliterarias.com.br/2016/01/o-passaro-resenha.html
comentários(0)comente



Reader Writer 09/01/2017

Pena que acabou...
Demorei até começar a ler. Demorei para terminar a leitura... E agora não sei se me arrependo de ter lido até o fim ou se volto no tempo para demorar mais. Porque o livro é lindo! Apaixonante! Claro que o final é fora do esperado, mas nada tira a essência da boa escrita. Amar não é um mar de rosas e isso é mostrado nitidamente em cada página. Desde Caroline até as outras mulheres que a rodeiam. Dramas na medida certa! Uma pena que acabou...

Recomendadíssimo!!!!
comentários(0)comente



Val.Duarte 25/11/2016

AMEI! <3 E chorei também..
Um livro lindo e que eu adorei. Quando li a sinopse já sabia que não ia me decepcionar. Dito e feito. Um livro, eu diria, que viciante, pelo menos eu não conseguia parar de ler. A personagem principal, Caroline Mondevieu, é uma jovem forte, decidida, que inconformada com a vida que lhe é imposta, parte em busca de sua liberdade. E o final não posso contar mas é muito surpreendente, com uma reviravolta que me deixou boquiaberta. Super indico este livro. Me deixou numa ressaca braba mas valeu a pena. Ah! Certifique-se de que no final os lencinhos estejam próximo a você. ;)
comentários(0)comente



Thainá Nazareth 26/10/2016

“Talvez o que eu precise não seja alçar voo, mas parar de insistir em me manter nos ares.”
E este é o conflito interno de Caroline Montevieu, a segunda filha de um poderosíssimo barão. Um livro brasileiro que se passa em meados de 1200, lá nas sociedades dos senhores feudais.
Nossa, poucas vezes senti o que senti neste livro, posso até dizer que, pela primeira vez, eu realmente gosto de um livro brasileiro.
As primeiras páginas do livro são ótimas, uma história envolvente e divertida. O meio é muito bom também, pois cada vez mais vai se descobrindo coisas novas, não só sobre os personagens, mas coisas reais que aconteciam naquela época. Nele, passei a ter outra visão sobre os ciganos e confesso que minha curiosidade em saber mais sobre eles aflorou. Para uma pessoa que gosta tanto de diferentes culturas como eu, eles (ciganos) têm bastante conteúdo não divulgado que seria ótimo explorar. Mas, cá entre nós, o final é esplêndido! Não sei porque fiquei tão surpresa assim com ele e também não sei explicar o motivo de ter gostado tanto, já que... (spoiler), mas foi um dos meus finais favoritos pois, desta vez, eu realmente não esperava.

Caroline Mondevieu é uma menina-mulher que passou a ser uma das minhas personagens favoritas de todos os livros que já li. Você vê o nível de altruísmo e simplicidade dela já aos nove anos, quando conhece um dos trabalhadores de seu pai. Para uma menina que sofreu tanto nas mãos do barão, seus atos são de uma grandeza sem tamanho.
Foram mais de uma tentativas de casamento armado pelo pai por ganância da parte dele, e todas foram impedidas por ela mesma, e na terceira (e penúltima) tentativa de casamento, ela foge. Para onde...? Nem ela sabia. Só queria fugir daquela vida de luxo, porém de prisioneira. É então que sua vida cruza com a de Bernardo.

Bernardo é um irritante e experiente domador de cavalos que trabalha para o pai de Caroline. Os dois se conheceram quando ainda eram crianças, mas nunca se deram bem. Achava a menina muito mimada sem motivos, apesar de seu pai sempre negar este fato.
Acontece que, os dois têm algo em comum: a vontade incontrolável de fugir das terras de Enézio Mondevieu, o senhor feudal (pai de Caroline). E nestes acontecimentos da vida, os dois veem a oportunidade perfeita para realizarem este sonho, mas tinham que fazer isso juntos.
Na floresta e já fugitivos, os dois aos poucos vão se entendendo, e sem perceberem (ou sim) começam a se apaixonar um pelo outro. Bernardo sente uma necessidade constante em protegê-la dos perigos que encontram na floresta onde passam a maior parte do livro. E Caroline, mesmo sendo uma menina muito forte e determinada, sente a necessidade (mas não admite) da presença de Bernardo.
Com o tempo, você descobre que ele é uma pessoa maravilhosa. Os dois combinam de uma forma que nem eles sabem explicar, mas com os dois egos disputando quem é o maior, eles não dão o braço a torcer por nada. Até que chegam a uma famosa, porém muito bem escondida, comunidade cigana.
Os ciganos são pessoas excepcionais, capazes de acolhê-los como se realmente fossem da família. Eles são os responsáveis pelo maior acontecimento da vida destes dois jovens: o casamento deles. Sim, eles se casam na comunidade cigana para sustentarem uma mentira, mas é aí que se declaram apaixonados um para o outro. A forma como os ciganos atuam na vida deste “falso casal” faz com que tenhamos uma nova visão sobre estas pessoas e fez com que eu me apaixonasse por eles.


Acho que nunca acertei tanto numa intuição igual acertei neste livro. Na verdade, eu comprei o livro por causa da capa (sim, podem me julgar) e não tinha reparado que era brasileiro no ato da compra, até porque não teria comprado se tivesse percebido isso (sim, podem me julgar de novo), mas, para minha surpresa – e tapa na cara do meu preconceito – este passou a ser meu livro favorito até hoje. Então, desta vez eu imploro para que leiam este livro pois a história é fantástica, e o final... não tenho palavras para descrever!

comentários(0)comente



LAPLACE 20/10/2016

Voando Alto
Desde pequena, Caroline Mondevieu aprendeu que as mulheres não possuem muita voz ou liberdade no século XIII, na Europa. Da pior maneira possível, lhe foi ensinado que as virtudes de uma mulher consistem em ser elegante, silenciosa e obediente, e a garota não se contentou nem um pouco com isso, e muito menos com a submissão de sua mãe e irmã perante seu pai.

Não bastasse tal lição, Caroline não conseguia compreender como pessoas como seu pai eram ricas, se não trabalhavam um único dia, enquanto que pessoas como o esforçado Bernardo e sua família labutam diariamente e não possuem bem nenhum, pelo contrário, são servos daqueles que nada fazem.

Embora pertencentes a dois mundos distintos, um de senhores e o outro de vassalos, e tenham se estranhado a princípio, Caroline e Bernardo possuem suas semelhanças e estão dispostos a tomarem atitudes radicais em relação a seus futuros.

Querem saber o que acontece? Então corram para ler o livro!

***

Eu admito, meu interesse em ler O Pássaro surgiu pela capa belíssima que a Marina Ávila criou. A princípio não me preocupei com sinopse, resenhas, com nada, eu só queria saber de ter aquela capa na minha estante. Até que, após um tempo, resolvi pesquisar mais sobre a história e sua autora, e aí foi que a paixão se firmou de vez.

Se você não conhece a Samanta Holtz, eu te pergunto: o que raios você está esperando? A Samanta é um amor de pessoa, é alguém diferente em um mundo de pessoas iguais, e, se isso já não bastasse, a garota escreve muito.

O Pássaro não foi sua primeira obra escrita, contudo foi a primeira publicada, em 2012 pela Novo Século, com uma nova edição em 2014, pela mesma editora, que é justamente o livro que tenho.

Na história nós conhecemos Caroline, uma garota que foge o padrão das mulheres de sua época — século XIII, quando todas as mulheres se comportam como damas, são submissas e não possuem voz. Nossa protagonista vive em constante conflito com seu pai, que quer que ela seja bela, recatada e do lar, porém a menina, além de rebelde, luta em defesa do proletariado.

Sua determinação e ideais se tornam ainda mais fortes quando ela conhece Bernardo e sua família. Eles são empregados de seu pai, e embora Caroline e Bernardo vivam trocando farpas, a garota acaba se afeiçoando ao pai e irmão do garoto, e fica bastante revoltada ao presenciar o sofrimento que os vassalos enfrentam diariamente. Sofrimento este causado por seu próprio pai.

A partir daí acontece muita coisa no livro, muita coisa essa que daria umas boas semanas de conteúdo para uma novela de época, como as que temos no Brasil, onde o proletariado luta contra o patrão, e jovens donzelas são prometidas em casamentos para homens que não gostam. Porém a Samanta não fica se estendendo na trama, ela aborda tudo isso nos primeiros capítulos e com um acontecimento atrás do outro, tornando a leitura ágil e sem marasmo.
Os embates entre Caroline e seu pai são todos memoráveis, esses são dois personagens que amei, embora o conde Mondevieu seja detestável. Foi justamente por isso que gostei dele, por sinal. Enézio e a filha são completamente opostos, dois extremos em conflito constante, e acredito que a autora caracterizou bem os dois.

Os demais personagens não ficam atrás, é fácil lembrarmos de cada um sempre que os reencontramos nos capítulos, e ao longo da história novas pessoas e eventos são introduzidos, enriquecendo a trama.

A obra caminha como uma montanha-russa de emoções, deixando-nos aflitos e felizes ao longo dos capítulos, tentando desvendar como tudo irá acabar. E sobre o final eu não posso falar muito, apenas digo que a Samanta, sem dúvidas, me surpreendeu. Eu não imaginei que aquilo fosse acontecer, e, alguns leitores podem não entender, mas eu amei sua ousadia.

Ela é uma grande autora, não é à toa que seu trabalho vem sendo reconhecido cada vez mais. Como um pássaro, a Samanta ainda voará muito longe, e é ótimo saber que temos alguém como ela representando nossa literatura nacional.
comentários(0)comente



Alessandra.Andrade 14/07/2016

Simplesmente Encantador
Livro "maravilindo", escritora "fantastimágica". Não saberia escrever uma resenha, então inventei novas palavras para descrever a maravilhosidade desta narrativa. Simplesmente encantaxonada!
Samanta 31/08/2016minha estante
Querida Alessandra, que resenha mais criativa e liiiinda :D Adorei a criação de novas palavras para expressar o que achou da narrativa hahahaha! Fico muito, muito feliz em ler sua opinião tão positiva! :)

Beijo enormeeeee
Sam!




Sâmmy 22/05/2016

Resenha exclusiva para o blog SammySacional

Quando li O Pássaro, ainda em janeiro de 2016, fazia exatamente dois anos que havia tido o primeiro contato com os livros da autora, em janeiro de 2014, através daquela que viera a ser uma das leituras mais marcantes, não apenas daquele ano, mas da minha vida como leitora, Quero Ser Beth Levitt. Desde então, a vontade de continuar a ler suas obras era imensa, e a oportunidade de adquiri-las enfim surgiu e eu pude conhecer, nesse caso, o livro que fora a estreia de Samanta Holtz na literatura, o romance que definitivamente a consagrou e abriu as portas para uma carreira que, assim desejo à autora, seja de muito sucesso, inspiração e lindas emoções, porque, da mesma forma, é disso que suas histórias são feitas, de muitas emoções e mensagens inspiradoras que podem fazer uma grande diferença na nossa vida.

Em pleno século XIII, como filha de um dos mais poderosos barões da região, Caroline Mondevieu tem tudo que uma garota poderia desejar nessa sociedade, desde os vestidos mais incríveis e luxuosos até mesmo a garantia de um ótimo pretendente com quem se casar. Ela, por outro lado, não dá muita atenção à nada disso, uma vez plantado em seu coração o desejo por liberdade e independência, após tantos conflitos com o próprio pai, então ditador do destino da jovem. Não muito longe dela, em uma humilde cabana em sua propriedade, Bernardo, um jovem e por vezes arredio domador de cavalos almeja sua própria liberdade dos campos de trabalho do Barão de Mondevieu. O primeiro encontro entre eles não é nada agradável, e nem mesmo os seguintes, mas uma vez que ninguém mais compartilha dos mesmos desejos que eles, ambos sabem que são os únicos capazes de se unirem e livrar à ambos da prisão em que se sentem. Mas nada será tão simples como eles imaginam, e à medida que uma série de segredos passados ameaçam vir a tona após sua fuga, eles não sabem, mas suas vidas irão mudar para sempre.

“— Ser cavalheiro? — explodiu. — Isso lá é coisa pra gente pobre como nós?
— A educação é sempre o mais importante — insistiu. — Ela não tem a ver com a riqueza, mas com sua honra de ser humano.
— Sei! — zombou. — Você não pensou nisso sozinho, pensou? Quem foi o idiota que colocou isso na sua cabeça?
— O idiota foi sua mãe. [...] — Ela também me ensinou que, acima de qualquer dificuldade, está o amor.”

O início de O Pássaro já é introdutório por si só, apresentando ao leitor a história e prestígio social da família Mondevieu, mérito do Barão e então pai de Caroline e Elizabeth, sua irmã dois anos mais velha. Em meio a uma cena da infância da personagem, acompanhamos os traços da curiosidade latente da personagem e sua postura em não abaixar a cabeça tão facilmente como era de costume às mulheres da época, ganhando uma certa marcação por parte do pai, que quer controlá-la da mesma forma que já faz à esposa e filha mais velha, mas uma vez sendo Caroline muito ousada, a relação de pai e filha tenderá sempre a ficar cada vez mais abalada e frágil. Ela é uma protagonista cativante e ativa, sem dúvida alguma, e por mais que vez ou outra queiramos dar-lhe um puxão de orelha por alguma atitude ou fala impulsiva, a verdade é que, apesar da narrativa em terceira pessoa, nos envolvemos com a história e, principalmente, com a personagem, de tal forma que compreendemos e até mesmo sentimos sua aflição e anseio constante por liberdade, principalmente à medida em que as máscaras da alta sociedade caem e enxergamos tamanha inferioridade a qual as mulheres da época eram subjugadas. Com seus eventuais equívocos e atitudes um tanto quanto mimadas logo no início, ainda assim, apesar da pouca idade de dezessete anos, Caroline era uma garota a frente de seu tempo, um pássaro preso na gaiola das convenções sociais da época, e que só almejava ser liberto e alçar um voo por conta própria.

“— Milady, eu...
— Conte-me, Bernardo: quantas damas você viu entrarem na floresta, para longe do conforto e da riqueza, sem qualquer ultimato? Renunciar a tudo em busca de algo que ouro nenhum poderia comprar? Sentir formigas picando suas canelas, enquanto podiam estar descansando em seu quarto limpo e seguro?
Ele apenas ouvia, perdido na dimensão dos pensamentos dela.
— E você ainda vem me falar de coragem!”

Ainda assim, com uma protagonista tão forte e determinada, Bernardo, da mesma forma, rouba a cena quando aparece e vai conquistando o leitor mesmo por entre seu jeito meio marrento e teimoso que, logo mais, se mostram apenas como traços que escondem toda uma sensibilidade e romantismo inerentes, inclusive, a quem almeja não apenas alçar seu próprio voo, mas, também realizar o tão antigo sonho de tornar-se corredor. Com o plano de Caroline, de repente esse sonho nunca esteve tão próximo de virar realidade, ao ganhar desta, como uma recompensa, um dos cavalos mais fortes dos Mondevieu, o "quase tão corredor quanto ele" Apolo. Mas ao passo que ambos permanecem em teimosia e orgulho, Caroline e Bernardo terão uma grande aventura por viver para só então reconhecer sentimentos que antes eles não estavam preparados para encarar e mesmo até vivenciar. E nesse ponto, por mais romântica que eu seja, gostei que a autora não tratou do romance como um foco; ele estava ali, mas desenvolvia-se de uma forma tão leve e natural, com certa lentidão que, no entanto, fez toda a diferença nos capítulos finais.

“— Elizabeth, qualquer esposa deve obedecer ao marido. Você não é a única.
Ela amenizou o tom da voz, reflexiva:
— Desde quando a obediência anula o amor?”

Assim, com dois personagens tão cativantes e que se destacam de uma forma tão forte e altiva no enredo, é natural que, de certa forma, esqueçamos um pouco dos demais personagens. No entanto, foi por driblar esse enfoque que a autora se superou mais ainda, pois, com o desenvolver da história e apresentar de cada um dos demais personagens, de repente me vi ansiando por saber o que aconteceria a seguir não apenas com a Caroline e o Bernardo, mas também à sua irmã Elizabeth, então recém-casada mas visivelmente decepcionada com a distância do marido a quem tanto ama, à mãe das duas, Antonelle, que apesar de inicialmente mostrar-se tão unicamente submissa ao marido e suas vontades, logo mais começou a agir por conta própria e a lutar mais pelo bem das filhas, bem como, por fim, à Filip, doce como um príncipe que, no entanto, tem seus sentimentos por Caroline não correspondidos, mas ainda assim mantendo a amizade tão delicada e pura iniciada ainda na infância. Outros personagens também se fazem presentes de forma igualmente importante no enredo, mas cuja apresentação só se dará na hora certa, então só lendo para conhecê-los. Por outro lado, de destaque negativo citemos o pai de Caroline, o barão Enézio Mondevieu, que se sobressai por tamanha frieza e ambição, que me fez torcer o nariz e desejar que ele desaparecesse da história a cada vez que ele se intrometia em algo e ditava ordens desmedidas às filhas e à esposa.

No fim das contas, O Pássaro conclui-se como mais do que um simples romance, mas como uma representação do grito por liberdade proferido, de certa forma, pela jovem protagonista. É como se sua jornada, enfim, não dissesse respeito apenas à ela mesma, mas também na influência que acabou tendo sobre a mãe e a irmã, dando-lhes o gatilho para buscar a real felicidade, a vida de verdade, que tanto Caroline defendi e até então elas não entendiam. Uma história tocante, com personagens fortes e marcantes que, mesmo após a conclusão da leitura, deixam saudades e permanecem na nossa memória.

site: http://sammysacional.blogspot.com.br/2016/05/Resenha-OPassaro.html
Samanta 04/07/2016minha estante
Uaaaaaaaaau, Sâmella!!!

Que resenha linda, linda, linda! Que texto incrível!!! AMEI, li cada palavra com um sorriso no rosto, sentindo como se lesse a crítica em uma coluna de um importantíssimo jornal!! Maravilhosa sua interpretação, a colocação do seu ponto de vista... e, claro, que delícia saber que a história a agradou tanto!!!

Muito obrigada por essas palavras, que são quase um presente para mim!

Beijo enorme no coração,
Sam


Lisandra.Vieira 20/08/2016minha estante
Agora fiquei com mais vontade ainda de ler!!!


Samanta 31/08/2016minha estante
Lisandra, querida! Espero que tenha sim a oportunidade de ler e ame muuuuuito! :)


margot 08/03/2017minha estante
Linda resenha. Adorei. Acabei de colocar na minha estante. Não vejo a hora de começar a devorá-lo.
Parabéns a autora.
Bjim.
Margaret




Simone 06/05/2016

Dilacerante e Sensacional! S2
Eu precisei respirar por minutos ao finalizar essa leitura. Lembro-me que a última vez que fiz isso foi no final de 2015, ao ler "O Caçador de Pipas". Algumas pessoas já haviam me alertado para eu me preparar, pois se tratava de uma linda e intensa leitura, o que eu afirmo com veemência. Eu só não imaginava que ela superaria o que já serpenteava dentro de mim, o quão linda e intensa seria — diga-se de passagem — uma das mais belas que já apreciei até hoje, passando a fazer parte da minha lista das prediletas. S2 Um enredo rico em sentimentos, onde a autora soube conduzir de forma magistral, entretendo-me e entorpecendo-me de forma única, envolvendo-me ao máximo no contexto, onde até mesmo os personagens antagonistas ganharam o meu coração.

A trama é envolvente, envolta em coração, e me transportou para a época que é narrada, conduzindo-me a um enredo bem amarrado e rico em detalhes, revelando fatos do passado, ocultando a tantos outros que levariam a uma tragédia maior, e os capítulos finais são de perder o fôlego, emocionantes ao extremo, especialmente o último capítulo, em que me deixou aos prantos, uma riqueza sem igual, principalmente para os apaixonados por uma linda e magnífica história enveredada por um bom drama. Se eu gostei? NÃO! EU AMEI!!! S2 E leria até mesmo a lista de compras da Samanta. \o

P.S: Leia a resenha completa no link abaixo.

site: http://simonepesci.blogspot.com.br/2016/03/falando-em-o-passaro-de-samanta-holtz.html
Samanta 04/07/2016minha estante
"Leria até mesmo a lista de compras da Samanta" - rs rs!!! Ameiiii!!!

Querida Simone, muito obrigada pela resenha tão lindamente escrita sobre O Pássaro! Uau!!! Mais parece uma poesia :)

Fico muito feliz, de coração, em saber que meu livro a envolveu e emocionou tanto!

Beijo enorme no coração!!!
Sam




Blog Viajando Pelas Paginas 17/02/2016

Apaixonada pelo livro! Tem um final muito triste, mas a história é linda demais!

A autora é nacional e é maravilhosa! Tem uma escrita fantástica, que prende o leitor do início ao fim! E o fim... de chorar litros!

"Embora não trocasse uma palavra, eles sabiam, de alguma forma, que sentia, o mesmo".

Os personagens que movem o livro são Caroline e Bernardo. Ela, filha do dono de um feudo próspero e rico; Ele, o domador de cavalos do feudo.

Caroline tem tudo que Bernardo sempre almejou: Uma casa confortável, uma cama macia, comida a vontade... Bernardo tem tudo o que Caroline sempre quis: liberdade! O que ambos não sabem, é que a vida de cada um não é tão perfeita quanto parece ser.

Bernardo despreza Caroline por quem é, pelo que é. Já Caroline não entende porque Bernardo a trata como se ela fosse a responsável pela sua miséria! Porém as desavenças não serão o suficiente para barrar a linda história de amor que irá florescer no coração dos dois, um amor lindo, mas proibido!

"Foi como se as aves tivesse parado de cantar e o vento não mais soprasse, nos segundo em que os olhares deles se prenderam."

O enredo do livro é sustentado por drama e romance. Mentiras que alteram o destino, mentiras que roubam o essencial da vida, segredo que escondem verdades capaz de destruir um amor puro e livre, de acabar com uma vida. A ganancia e o poder subjugando e humilhando o menos favorecido.

"Foi assim que aquele dia que prometia ser tenebroso transformou-se em uma grande diversão. Ela se sentia viva, plena, feliz! A nuvem escura que pairava sobre sua alma simplesmente desmanchou-se"

O livro é magnifico e transborda emoção. Esse livro não me tirou lágrimas, me arrancou prantos! Super recomendo! Mas aviso: leiam com lenços á mão!

site: http://viajandopelapaginas.blogspot.com.br/2015/11/resenha-o-passaro.html
Samanta 04/07/2016minha estante
Querida Sophia,

Que delícia ler essa linda resenha de "O Pássaro"!!

Amei a forma como você interpretou o enredo e os personagens e, principalmente, amei saber que você se encantou tanto com a história :)

Obrigada, de coração, pelas lindas palavras!

Com amor,
Sam




Sonali 07/01/2016

Marcante
Muito bom o livro, emocionante, marcante a cada personagens, cada momento da leitura foi espetacular. O modo da escrita foi fascinante, foi o primeiro livro que li dessa autora brasileira Samanta Holtz e gostei muito.
A nossa heroina foi determinada para ser livre, de todo o jeito de ser libertada das garras de dominancia de seu pai e sociedade.
O nosso domador de cavalos foi que mostrou para Caroline a liberdade.
Gostei da batalha verbal dos dois, não achei que fosse se tornar o casal,mas no decorrer foi lindo, romantico, sem ser apelar pelo carnal. Fquei surpresa com a mãe dela
Chorei muito da etapa final do livro da nossa personagem ser livre
E avaliação se tivesse 10 estrelas daria a esse livro.

RECOMENDO MUITO!!!!!
Samanta 11/01/2016minha estante
Querida Sonali,

Muito obrigada pelas lindíssimas palavras sobre meu livro! :) Fico muito feliz em saber que gostou tanto da leitura!!!

Espero que também se apaixone por meus outros livros :) Quando tiver a oportunidade de ler, vou amar saber sua opinião!

Beijosssss!
Samanta :*




111 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |