O Pássaro

O Pássaro Samanta Holtz




Resenhas - O Pássaro


114 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Ketlyn.Silva 21/04/2018

O Pássaro
Ah gente assim vou ter que me programar para comprar lencinhos de papel sempre que ler livros da Samanta Hotz, não entendeu eu explico ...
Mais uma vez sou arrabatada com esta história onde temos força de vontade, persistencia, amor, família, amizade, erança e o proibido sim pois é nele que a trama é desenvolvida de uma forma tão leve mais ao mesmo tento tão verdadeira. Temos Caroline diferente de sua irmã Elizabeth uma sonhadora espivitada que não vê sentido em determinadas regras da sociedade quando criança, onde não entende o porquê de tudo ao que a rodeia a pobreza de seus vassalos,das injustiças Criança que vira adulta e que continua com uma dor provocada pelo Barão pai que faz com que Caroline queira voar sim voar sair de sua caixa e conhecer o desconhecido.
Por sua vez Caroline é deparada com a presenta de um rapaz rude determinado também que por mais que pensamos ser igual e ela em muitas vezes é o oposto em outras mais que ao se conhecerem descobrem muito mais, coisa que dinheiro nenhum pode comprar.
Amei Bernardo tanto como Caroline o amou e posso dizer que o final desta história me encheu de lágrimas, mas que me fez pensar além é isso que acredito que a Samanta queria passar.
Indico mil vezes esse livro, leiam, leiam, e leiam... Simplesmente lindo.
comentários(0)comente



Gustavo Barberá 14/02/2018

Um romance inesquecível!!!
Pense em um romance de época perfeito, com alegrias, drama, tristezas, revoltas que te leva à catarse em vários momentos e sem menos esperar atinge ao auge do clímax e te prende profundamente ao enredo, onde não dá vontade de largar o livro. Esta é a descrição da obra “O pássaro”, de Samanta Holtz, que conquista e prende o leitor desde a primeira página.

A história gira em torno de Caroline, uma garota filha mais nova de um ilustre e popular Barão, dono de um grande feudo, o qual enriquece a cada dia as custas de seus vassalos que vivem em condições cada vez mais precárias, pois mesmo trabalhando muito o Barão cobra impostos muito altos, não dando-lhes condições de terem uma vida melhor. Isso irrita profundamente Caroline.

Além de rico e mercenário, Enézio - o Barão - é uma pessoa extremamente má. No lugar do seu coração parece haver uma pedra de gelo ocupando o local. Caroline nunca se esquecerá da surra que levou quando era pequena e na sua doce inocência de uma criança perguntou perto de uma visita o porque dele ser tão rico e não trabalhar e seus empregados tão pobres, mesmo trabalhando exaustivamente. A punição foi cruel!


“Ele atirou a menina ao centro da ampla sala, fazendo-a cair sobre os cotovelos... Antes que Caroline percebesse, seu pai avançava sobre ela, chicoteando-a com a vara improvisada. A menina gritava, implorando ajuda à mãe e à irmã...”.

A partir daquele dia o amor pelo seu pai se tornou em raiva e Caroline, mesmo ficando com essa mágoa e trauma que lhe rendera noites de pesadelos, ela não mudou. É uma garota de personalidade forte, crítica e contestadora. Nada a impedia de na hora certa argumentar e mostrar sua revolta diante de tantas injustiças cometidas dentro daquele casarão, seja verbalmente ou pelo olhar.

"Lançava um olhar fulminante que já deixava prevista a desobediência. Onde foi que ela aprendera a usar os olhos daquele jeito?”

O Barão, além de mau também é uma pessoa manipuladora e quem determina o rumo em que a vida de suas filhas irá tomar (típico das família dessa época), além de acusar cruelmente e humilhar constantemente Antonelle por não ter lhe dado um filho para ser seu herdeiro. Em durante esse meio tempo casou sua filha mais velha e no mesmo dia anunciou o noivado de Caroline com Filip, sem que ela soubesse. Isso a deixa furiosa. E em seu quarto sua irmã Elizabeth também se desabafa com ela.

“- Até hoje só consegui permissão para aquilo que não gosto. Para aquilo que não quero... Caroline é horrível admitir isso, porém sempre tive a impressão de que papai deseje nossa infelicidade”.

Só que Elizabeth não tinha a audácia e temperamento igual a irmã. Jamais enfrentou seu pai, sempre foi submissa as suas ordens e nesse dia confessou com Caroline sua admiração ao comportamento ousado da irmã.

“Sabe que as vezes eu queria ter esse seu jeito? Enfrentá-lo sempre que não concordo com algo... Ah, é sempre tão difícil ficar sempre calada!”

Após deixar seu pai colérico e com o orgulho ferido perante a sociedade daquela época (o que era tudo para o Enézio), Caroline nesse meio tempo encontra-se com Bernardo que a salva de um cavalo descontrolado que a levaria a uma tragédia. Ele, juntamente de seu irmão William e seu pai Gerson eram um dos vassalos que moravam no feudo de seu pai em um casebre muito velho e eram os responsáveis por cuidar dos cavalos do senhorio. Bernardo, assim como Caroline, possui uma personalidade forte e temperamental, onde condenava e odiava o Barão e sua família por os deixarem naquela vida difícil e sem recursos.

Ao se conhecerem, ele insulta Caroline que tenta ser gentil, mas até a página dois. Não aguentando as acusações e se explicando sempre que não concorda com o comportamento de seu pai, discute várias vezes com a incompreensão de Bernardo, porém jamais iriam imaginar o que a vida lhes teria reservado.

“Porém, Bernardo mal sabia que aquele inocente encontro mudaria para sempre a vida e os pensamentos daquela pobre menina rica, libertando a revolucionária que se encolhia dentro de si e trazendo atitudes como aquela que ele acabara de presenciar”.

E com o passar do tempo o casal vão se envolvendo cada vez mais, deixando seus dias com mais cor e vida. E claro, para seu pior pesadelo, seu pai fica sabendo e o deixa como um animal raivoso, dando uma segunda surra em Caroline que resolve fugir de casa e nesse meio tempo até sua esposa é agredida por ele ao ficar desesperada pela fuga da filha.

“ Enézio empurra sua esposa com força, ordenando que se calasse. Ela caiu sobre a mesinha de centro, que se quebrou em duas.”

A vida de Elizabeth ultimamente também não estava indo muito bem. Não tinha a atenção nem o amor que merecesse do marido e ele fazendo-a ser submissa a ele, o que a faz tomar uma atitude igual sua irmã e decidir-se por si mesma suas decisões. E com isso despertou em seu marido o medo da perda de sua esposa que ele amava, mas não demonstrava por causa do seu orgulho masculino de sempre querer estar certo, mas que deixou de lado e foi ao encontro da sua amada Elizabeth confessar sua paixão eterna e assumir seus erros, pedindo desculpas e recuperando seu matrimônio.

Nessa história há a presença de uma joia muito preciosa. Um colar de pedras de valor altíssimo que foi repassado no decorrer das gerações e Caroline foi quem herdou de sua mãe que tinha herdado de sua avó. Ele foi um amuleto em certas decisões que Caroline tomou e em alguns momentos quando ela estava desanimada, mas pensava em sua avó Antonieta, uma mulher forte e batalhadora o qual muito se assemelhava com a neta. E através dessa joia algo imaginável aconteceu.

Através dessa fuga foi que Caroline enxergou pelo menos um pouco o que era a vida. Deixou os lençóis macios de sua cama e os trocou pela dureza do chão, deixou a tina com água quente para se banhar nos rios e trocou os copos de cristal por uma caneca amassada para beber água dos lagos. E junto de Bernardo a todo momento, passaram por momentos de ternura e outros de discussões e brigas, mas aquela chama sempre estava dentro deles acesa e aquecendo seus corações.

“Como é teimoso o destino! Odiavam-se há poucos minutos, e logo ali estavam, presos nos olhos um do outro involuntariamente.”

O cenário descrito nesse romance não pode ser mais bonito. Locais bucólicos, tranquilos, revigorantes e pacificadores estão presentes nesse livro que completa o momento das cenas vividas pelos protagonistas. É peça fundamental para o desenrolar da história, as vezes ele deixa de ser apenas um local físico e parece ser o protagonista da cena.

E como nada é sempre um mar de rosas, no desenrolar da história, momentos de grandes surpresas acontecem, deixando todos boquiabertos, assim como acontece na vida real, o amor e a nossa própria vida ás vezes nos estapeia, jogando-nos no chão parecendo não termos forças de nos levantarmos. E aqui não poderia ser diferente.

“Nosso maior erro milady, é amar”.

O amor! Palavra curta, doce, mas de uma hora para outra quando menos se espera torna-se amarga. E foi essa sensação que Bernardo e toda sua família, assim como Caroline e sua família também sentiram. Encontros desencontros, descobertas e frustrações fizeram com que suas vidas tomassem rumos diversos e deixaram feridas que jamais irão cicatrizar. E assim encerra uma das histórias mais lindas que já li de todos os tempos.

O que me agrada muito e me torna fã dos livros de Samanta Holtz é o fato dela fazer mágica com as palavras, sabe escrever um romance e não o deixa transformar-se naquelas histórias “água com açúcar, algo meloso” que desanima o leitor porque a trama acaba se transformando em uma rotina desinteressante. A cada capítulo uma nova situação está presente e ao finalizar o mesmo, você não consegue fechar o livro, ele instiga sua curiosidade de saber o que irá acontecer e quando menos espera, você terminou o livro e fica com aquele desejo de querer um livro 2 da história. E isso não se encontra fácil nos romances, o que deixou “O pássaro” um livro incrível, no qual a história nunca mais será apagada da memória do leitor.
comentários(0)comente



Mari 25/01/2018

Resenha - O Pássaro
Pra mim, foi melancólico demais, especialmente mais pro final e isso me enjoou um pouco, porém entendi o ponto que a autora quis dar. De qualquer forma, poderia ter sido bem mais curto, e acabei travando por um longo tempo e só depois retomei a leitura.

Premissa: 4
Interessante, mas meio comum. Uma garota em um cenário de época que tenta ser livre e dona do próprio nariz.

Escrita: 5
Samanta escreve muito bem, falo sobre fluidez e escolha de palavras, no entanto, achei o livro um pouco melancólico demais...

Desenvolvimento: 3
Muito bom no início, mas da metade pro final comecei a achar meio chato e acabei demorando muuuuito pra terminar.

Personagens: 3
No geral eram sem graça e não me importei muito com eles. Além disso, a protagonista era chatinha. Já o antagonista, eu o odiei e isso foi bom. O personagem que mais gostei (e mal apareceu) foi o Filip que era um amor, mas foi bem sacaneado...

Romance: 3
Foi bom, tirando algumas coisas que me incomodaram (não coloco detalhes pq é spoiler). Também me irritou que demorou muito pra eles entenderem o que sentiam pelo outro e teve o baita cliché de ter alguém orientando-os pra entender seus sentimentos... E também não gostei que Carolina fez do Filip sua segunda opção, ela podia ter sido feliz com ele e de certa forma conseguir sua liberdade desde o início...

Envolvimento: 2
Não me conectei com os personagens, então não me envolvi muito.

Final: 4
Nos últimos capítulos, eu já estava imaginando o final, que foi amargo e triste, mas ao mesmo tempo, achei condizente. Se tivesse me ligado mais com os personagens, teria até chorado, mas como não foi o caso, o final apenas me abalou um pouquinho por tipo 3 segundos.

Total: 3
Foi uma leitura relativamente boa, a narrativa dela é ótima, Samanta sabe escrever bem, mas queira que a estória tivesse sido melhor e os personagens, mais cativantes...
comentários(0)comente



Mariana 31/10/2017

Rendeu um poema, esse livro lindooo
Eu quero a liberdade para mim
E para meu coração
Eu quero voar
E quero a sensação

Que invade o meu corpo
Me tomando por completo
Eu quero só um pouco
Do seu remédio

Quero ser livre, quero sair
Quero abrir as asas da imaginação
Eu quero fugir
Eu quero salvação

Não para minha alma ou corpo
Nem para os meus pecados
Eu quero só estar louco
Só um bocado

Quero o vento no meu rosto
Tirando os sinais das lágrimas
E quero menos desgosto
E mais alma

Não quero aceitação
Nem reconhecimento
Quero só a ilusão
Que eu não tenho

Eu perdi quase tudo que possuía
Mas não a vontade, o instinto
Eu só não queria
Sentir o que sinto

Quanto a isso, não há o que fazer
Eu não posso mudar nada
Eu só posso querer
Voar, além de cada

Sonho perdido, vontade calada
Eu já não posso ter o que quero
E eu só queria ser amada
Mas isso eu espero

A hora chegar, o coração bater
Como da outra vez aconteceu
E quando essa hora vier
Eu vou conquistar tudo que é pra ser meu

MCG
comentários(0)comente



Bia Galvão 17/07/2017

Chocada...
Uma trama revigorante e envolvente que vai te fazer emocionar da planta dos pés até a raiz dos cabelos. Um cenário bem construído por volta do século XVIII, e que vai além de castelos e nobreza, mas até a baixa plebe como os ciganos.
Caroline é a mocinha da trama, uma jovem que batalha por seus ideais e não se deixar vencer pelos padrões impostos da época. Com espírito de liberdade, ela almeja ser dona do próprio destino, sem ninguém que lhe diga aonde e como ir.
Ao conhecer Bernardo, um vassalo de suas terras não qual não se bica de início, e descobrir que possuem em comum o desejo de liberdade eles planejam uma fuga e é aí que tudo começa. O desabrochar de um sentimento forte e arrebatador, capaz de enlacar duas almas sem que nada nesse mundo fosse capaz de separa-las. Apesar das muitas diferenças, Caroline e Bernardo se unem de tal modo que é possível o leitor sentir a química entre eles.
Personagem marcantes, dos protagonistas aos secundários, eu amei todos e confesso que o final me pegou de surpresa (estou chocada até hoje, rsrs) porem com uma lição valiosa: Um pássaro nunca perde seu voo. O que eu aprendi com Caroline é que ela nunca vai se limitar a ser livre, mesmo que isso custe sacrifícios. Uma linda história, que ficará marcada pra sempre no meu coração!

Bjs, Bianca.
comentários(0)comente



Marília 13/06/2017

O voo do Pássaro
Citações de " O Pássaro" -

- " Toda escolha, por melhor que lhe pareça, sempre exige que um caminho seja deixado para trás".

- "Quando a tristeza cresce dentro da gente, ela precisa sair.Senão, não sobra espaço para a felicidade".

- "O castigo de uma vida desgraçada é Sempre maior que a morte, que mais liberta do que pune".

-"Não deixe passar o momento de ser feliz,porque ele pode nunca mais voltar".

Uma obra surpreendente,que nos apresenta personagens marcantes e de fácil identificação com os mesmos, em especial a protagonista ( me identifiquei em alguns momentos), que toca o coração e mexe com nossas emoções. Retrata o amor de forma sutil e natural, que nos encanta com as emoções, reações, sensações advindas do mesmo de uma maneira linda como realmente é o amor.
Além de nos remeter a reflexão e qualidades como garra, força e determinação, tão necessárias a vida e existência.
E a certeza de que quando os laços do amor verdadeiro são entrelaçados, nem a distância, saudade e o tempo pode destruir.....afinal já foram eternizados.

E um final surpreendente....que merece uns lencinhos.

Belíssima! obra!!
Meus parabéns a autora e talentosa Samanta Holtz.






comentários(0)comente



teti 12/06/2017

Me surpreendeu mto ,pois adorei , tinha uma dificuldade com livros de época, Mto linda a história, fala sobre liberdade, amor Adorei mais me deixou um pouco triste ?
O pássaro
comentários(0)comente



Fabi 03/05/2017

MELANCÓLICO DEMAIS
'' — Quando a tristeza cresce dentro da gente, ela precisa sair. Senão, não sobra espaço para a felicidade.''

Sabe quando a personagem central do livro não te agrada?
Foi o que aconteceu com a personagem deste livro: Calorine Mondevieu . A mocinha da vez, é filha de um barão, tem quantos vestidos que quiser, fome ela nunca passou.
O cenário do livro é baseado na época em que as mulheres eram submissas aos homens, que não podiam expressar sua opinião. Caroline desde pequena, demonstrou ser o oposto de tudo isso. Seu pai, um homem bruto e sem sentimentos, sempre desprezou o jeito da menina.
Quando ela se encontra com 17 anos, o barão propõe dela se casar com Filip, um rapaz que a conhece desde criança, que a ama de todo o coração, porém um pouco tímido.
Mas ela o quer? Nãooooooooo, só vê ele como amigo. Ela quer ser livre, ter liberdade, não viver sobre o domínio do seu pai autoritário.
Poxa vida, Filip é um amor de pessoa, porque não podia gostar dele? E já que ela queria ser livre, se casasse com o noivo que o barão propôs, de certa forma, ela não estaria mais sobre o domínio do pai neh. Odeio personagens que tem tudo à disposição, nada de errado, mas acha que tem motivos para ser rebelde; a chatinha da história; que gosta de fazer revolta.
Caroline não quer nada disso. Ela quer viver uma aventura e para isso conta com a ajuda de Bernardo. Um domador de cavalos, que sonha também ser livre, mandar em sua própria vida.
A fuga de Caroline foi bem da atrapalhada. Tem um momento que ela relata estar quase a arrancar os próprios cabelos. Eu também fiquei assim hahaha a menina parecia que não ia conseguir fugir, pois o tanto de problemas que ela encontrou. Me deu vontade de tacar o livro na parede ( caso eu estivesse lendo livro físico), muita enrolação, mais uma parte que eu estava frustrada na leitura.
O resto vocês já podem imaginar. Depois de um tempo se apaixonam blábláblá.....
Não me conformei mais ainda no final, quando Caroline quer fazer Filip de segunda opção. Ahhhhhh, haja paciência com esta mocinha. =(
Filip foi o que mais sofreu neste livro, mas foi primeiro personagem que me agradou, depois veio em seguida Elizabeth e o marido.
Eu não consegui gostar dela com Bernardo, então quando é revelado o grande segredo que envolve os dois, eu fiquei: Ah, ta.Tipo, para mim tanto faz.
Se o casal central, fosse trocado por Elizabeth e seu marido, eu teria gostado deste livro sem dúvidas, a declaração do marido da Elizabeth foi tão lindaaaa, dizendo que se apaixonou por ela, que a quer em sua vida. S2
No final, achei O Pássaro, um misto de Romeu e Julieta e O morro dos ventos Uivantes, centrado no tema amor impossível.
Quem gostou deste livro, beleza. Eu não senti conexão com ele. A autora que me desculpe, não foi dessa vez.
Não leria de novo. Foi muita melancolia num livro só. Deixo a sua disposição ler e tirar suas conclusões ;)

''- O amor transparece os olhos de quem o sente.''

''O amor não é feito de ouro, embora meus olhos brilhem como tal quando eu o vejo.''
Mi 05/05/2017minha estante
Palmas kkkkkk
Amei o final : " Quem gostou desse livro, beleza (...) " kkkk cara deu até um orgulho kkkkk

"Sabe quando a personagem central do livro não te agrada? "
Acho que eu tenho um certa experiência, não muita claro ;) kkkkkkkkkkkkkk


Fabi 05/05/2017minha estante
hahaha nao gostei d livro, entao nao tinha como esconder a opiniao kkkkkkk


Diandra 09/01/2018minha estante
Odiei esse livro, a protagonista é insuportável e sem nexo. Quer fugir e nem pensa como vai sobreviver lá fora.




Cris 18/04/2017

Um pai rígido, uma garota querendo voar.Filha de um barão poderoso Caroline quer mais da vida quer conhecer lugares , conheceu um domador de cavalos e aí começa sua jornada, mas no caminho tem muito obstáculos, tem um final surpreendente!!
comentários(0)comente



Iris 27/02/2017

O Pássaro - Resenha
Oi Povo, tudo bem?
Vocês já devem ter observado que amo um romances de época, né? Rsrs
Hoje vamos falar de “O Pássaro” um romance de época de uma autora nacional! \o/ \o/ \o/
Antes de começar a falar do livro em si, preciso comentar desta capa. Que capa mais linda é essa?! Confesso, que quando vi simplesmente me apaixonei.

Barão de Mondevieu é o um dos grandes senhores feudais da época, era conhecido por seus amigos (senhores de terras) por ser uma super educada e amável. Porém, por seus empregados era conhecido com um homem sem coração. Enézio Mondevieu era casado com Antonelle e tinha duas filhas, a mais velha chamada Elizabeth e a mais nova Caroline. Nem com a própria fámilia ele era uma pessoa amável, tratava a esposa e as filhas muitas vezes pior do que os empregados.
Sua filhas foram criadas das mesma maneira, mas tinham gênios completamente diferentes. Elizabeth era calada e não contestava nenhuma decisão do pai. Já Caroline, era questionadora desde de criança.

Ainda olhava a pequena casa, transtornada. Sempre pensou que todos tivessem a mesma vida que ela, todas as famílias com seus castelos, todos felizes. Era a primeira vez que alguém lhe apontava a realidade com o dedo.
Pág: 15

Conforme foi crescendo Caroline não gostaria de ter a vida de qualquer mulher de sua época, ela deseja ser livre e descobrir o mundo. É claro, que esse comportamento não era compatível com o que barão esperava, e o deixava furioso. Ao ver sua irmã sendo obrigada a se casar sem ao menos ter direito de opinar sobre seu futuro esposo, ela bate de frente mais uma vez com o seu pai e acaba sendo punida.

- Com a sua escolha - explicou séria. - Não perguntou se ela aceita, perguntou?
Ela não precisa aceitar o que cabe a mim decidir!!
Pág: 26

Pouco tempo depois ela conhece Bernardo, filho do domador de cavalo e descobre que ele foi o menino que lhe “contou” a realidade a anos atrás. Ela fica impressionada como desprezo que ele tem com as pessoas de sua classe social. Ambos, trocam diversas farpas, mas acabam encontrando um objetivo em comum, eles sonham com a liberdade. Ambos, são prisioneiros da vontade do Barão, ele por ser um mero empregado e ela por ser filha.

Pouco tempo depois Caroline descobre que ficará noiva e se casará em breve, é nesse momento que resolve fugir. Ela pede a ajuda de Bernardo, no principio ele não acredita que ela realmente irá fugir e com isso acaba ignorando Caroline. Quando percebe que ela vai sozinha, ele resolve ajudá-la. Afinal, ela não sobreviveria um segundo sozinha na floresta.

Após horas de espera por um casamento que não aconteceu, o barão dispensou seus convidados. Com votos de boa sorte e promessas de apoio nas buscas, deixaram a propriedade levando consigo a informação oficial: Caroline Mondevieu estava desaparecida.
Pág: 163

A partir desse momento é impossível largar o livro até saber o que vai acontecer com os personagens. Eles passam por tantas coisas e ainda vão parar num acampamento cigano, tendo que lidar com todos os preconceitos que Caroline tinha com eles. Os preconceitos dela vinham do que aprendeu com o Barão, ele os chamava de malditos, pois alegava que não tinham religião e praticavam roubos.

Não gosto de soltar spoilers, mas tenho que dizer que o caminho que o livro toma é completamente surpreendente e o final é de arrancar muitas lágrimas. Apesar, do livro ter um começo lento, quando toma o ritmo é impossível de largar. O pássaro é o primeiro livro da Samanta que li e devo dizer que virei fã.

site: http://www.fadasliterarias.com.br/2016/01/o-passaro-resenha.html
comentários(0)comente



Reader Writer 09/01/2017

Pena que acabou...
Demorei até começar a ler. Demorei para terminar a leitura... E agora não sei se me arrependo de ter lido até o fim ou se volto no tempo para demorar mais. Porque o livro é lindo! Apaixonante! Claro que o final é fora do esperado, mas nada tira a essência da boa escrita. Amar não é um mar de rosas e isso é mostrado nitidamente em cada página. Desde Caroline até as outras mulheres que a rodeiam. Dramas na medida certa! Uma pena que acabou...

Recomendadíssimo!!!!
comentários(0)comente



Val.Duarte 25/11/2016

AMEI! <3 E chorei também..
Um livro lindo e que eu adorei. Quando li a sinopse já sabia que não ia me decepcionar. Dito e feito. Um livro, eu diria, que viciante, pelo menos eu não conseguia parar de ler. A personagem principal, Caroline Mondevieu, é uma jovem forte, decidida, que inconformada com a vida que lhe é imposta, parte em busca de sua liberdade. E o final não posso contar mas é muito surpreendente, com uma reviravolta que me deixou boquiaberta. Super indico este livro. Me deixou numa ressaca braba mas valeu a pena. Ah! Certifique-se de que no final os lencinhos estejam próximo a você. ;)
comentários(0)comente



Thainá Nazareth 26/10/2016

“Talvez o que eu precise não seja alçar voo, mas parar de insistir em me manter nos ares.”
E este é o conflito interno de Caroline Montevieu, a segunda filha de um poderosíssimo barão. Um livro brasileiro que se passa em meados de 1200, lá nas sociedades dos senhores feudais.
Nossa, poucas vezes senti o que senti neste livro, posso até dizer que, pela primeira vez, eu realmente gosto de um livro brasileiro.
As primeiras páginas do livro são ótimas, uma história envolvente e divertida. O meio é muito bom também, pois cada vez mais vai se descobrindo coisas novas, não só sobre os personagens, mas coisas reais que aconteciam naquela época. Nele, passei a ter outra visão sobre os ciganos e confesso que minha curiosidade em saber mais sobre eles aflorou. Para uma pessoa que gosta tanto de diferentes culturas como eu, eles (ciganos) têm bastante conteúdo não divulgado que seria ótimo explorar. Mas, cá entre nós, o final é esplêndido! Não sei porque fiquei tão surpresa assim com ele e também não sei explicar o motivo de ter gostado tanto, já que... (spoiler), mas foi um dos meus finais favoritos pois, desta vez, eu realmente não esperava.

Caroline Mondevieu é uma menina-mulher que passou a ser uma das minhas personagens favoritas de todos os livros que já li. Você vê o nível de altruísmo e simplicidade dela já aos nove anos, quando conhece um dos trabalhadores de seu pai. Para uma menina que sofreu tanto nas mãos do barão, seus atos são de uma grandeza sem tamanho.
Foram mais de uma tentativas de casamento armado pelo pai por ganância da parte dele, e todas foram impedidas por ela mesma, e na terceira (e penúltima) tentativa de casamento, ela foge. Para onde...? Nem ela sabia. Só queria fugir daquela vida de luxo, porém de prisioneira. É então que sua vida cruza com a de Bernardo.

Bernardo é um irritante e experiente domador de cavalos que trabalha para o pai de Caroline. Os dois se conheceram quando ainda eram crianças, mas nunca se deram bem. Achava a menina muito mimada sem motivos, apesar de seu pai sempre negar este fato.
Acontece que, os dois têm algo em comum: a vontade incontrolável de fugir das terras de Enézio Mondevieu, o senhor feudal (pai de Caroline). E nestes acontecimentos da vida, os dois veem a oportunidade perfeita para realizarem este sonho, mas tinham que fazer isso juntos.
Na floresta e já fugitivos, os dois aos poucos vão se entendendo, e sem perceberem (ou sim) começam a se apaixonar um pelo outro. Bernardo sente uma necessidade constante em protegê-la dos perigos que encontram na floresta onde passam a maior parte do livro. E Caroline, mesmo sendo uma menina muito forte e determinada, sente a necessidade (mas não admite) da presença de Bernardo.
Com o tempo, você descobre que ele é uma pessoa maravilhosa. Os dois combinam de uma forma que nem eles sabem explicar, mas com os dois egos disputando quem é o maior, eles não dão o braço a torcer por nada. Até que chegam a uma famosa, porém muito bem escondida, comunidade cigana.
Os ciganos são pessoas excepcionais, capazes de acolhê-los como se realmente fossem da família. Eles são os responsáveis pelo maior acontecimento da vida destes dois jovens: o casamento deles. Sim, eles se casam na comunidade cigana para sustentarem uma mentira, mas é aí que se declaram apaixonados um para o outro. A forma como os ciganos atuam na vida deste “falso casal” faz com que tenhamos uma nova visão sobre estas pessoas e fez com que eu me apaixonasse por eles.


Acho que nunca acertei tanto numa intuição igual acertei neste livro. Na verdade, eu comprei o livro por causa da capa (sim, podem me julgar) e não tinha reparado que era brasileiro no ato da compra, até porque não teria comprado se tivesse percebido isso (sim, podem me julgar de novo), mas, para minha surpresa – e tapa na cara do meu preconceito – este passou a ser meu livro favorito até hoje. Então, desta vez eu imploro para que leiam este livro pois a história é fantástica, e o final... não tenho palavras para descrever!

comentários(0)comente



LAPLACE 20/10/2016

Voando Alto
Desde pequena, Caroline Mondevieu aprendeu que as mulheres não possuem muita voz ou liberdade no século XIII, na Europa. Da pior maneira possível, lhe foi ensinado que as virtudes de uma mulher consistem em ser elegante, silenciosa e obediente, e a garota não se contentou nem um pouco com isso, e muito menos com a submissão de sua mãe e irmã perante seu pai.

Não bastasse tal lição, Caroline não conseguia compreender como pessoas como seu pai eram ricas, se não trabalhavam um único dia, enquanto que pessoas como o esforçado Bernardo e sua família labutam diariamente e não possuem bem nenhum, pelo contrário, são servos daqueles que nada fazem.

Embora pertencentes a dois mundos distintos, um de senhores e o outro de vassalos, e tenham se estranhado a princípio, Caroline e Bernardo possuem suas semelhanças e estão dispostos a tomarem atitudes radicais em relação a seus futuros.

Querem saber o que acontece? Então corram para ler o livro!

***

Eu admito, meu interesse em ler O Pássaro surgiu pela capa belíssima que a Marina Ávila criou. A princípio não me preocupei com sinopse, resenhas, com nada, eu só queria saber de ter aquela capa na minha estante. Até que, após um tempo, resolvi pesquisar mais sobre a história e sua autora, e aí foi que a paixão se firmou de vez.

Se você não conhece a Samanta Holtz, eu te pergunto: o que raios você está esperando? A Samanta é um amor de pessoa, é alguém diferente em um mundo de pessoas iguais, e, se isso já não bastasse, a garota escreve muito.

O Pássaro não foi sua primeira obra escrita, contudo foi a primeira publicada, em 2012 pela Novo Século, com uma nova edição em 2014, pela mesma editora, que é justamente o livro que tenho.

Na história nós conhecemos Caroline, uma garota que foge o padrão das mulheres de sua época — século XIII, quando todas as mulheres se comportam como damas, são submissas e não possuem voz. Nossa protagonista vive em constante conflito com seu pai, que quer que ela seja bela, recatada e do lar, porém a menina, além de rebelde, luta em defesa do proletariado.

Sua determinação e ideais se tornam ainda mais fortes quando ela conhece Bernardo e sua família. Eles são empregados de seu pai, e embora Caroline e Bernardo vivam trocando farpas, a garota acaba se afeiçoando ao pai e irmão do garoto, e fica bastante revoltada ao presenciar o sofrimento que os vassalos enfrentam diariamente. Sofrimento este causado por seu próprio pai.

A partir daí acontece muita coisa no livro, muita coisa essa que daria umas boas semanas de conteúdo para uma novela de época, como as que temos no Brasil, onde o proletariado luta contra o patrão, e jovens donzelas são prometidas em casamentos para homens que não gostam. Porém a Samanta não fica se estendendo na trama, ela aborda tudo isso nos primeiros capítulos e com um acontecimento atrás do outro, tornando a leitura ágil e sem marasmo.
Os embates entre Caroline e seu pai são todos memoráveis, esses são dois personagens que amei, embora o conde Mondevieu seja detestável. Foi justamente por isso que gostei dele, por sinal. Enézio e a filha são completamente opostos, dois extremos em conflito constante, e acredito que a autora caracterizou bem os dois.

Os demais personagens não ficam atrás, é fácil lembrarmos de cada um sempre que os reencontramos nos capítulos, e ao longo da história novas pessoas e eventos são introduzidos, enriquecendo a trama.

A obra caminha como uma montanha-russa de emoções, deixando-nos aflitos e felizes ao longo dos capítulos, tentando desvendar como tudo irá acabar. E sobre o final eu não posso falar muito, apenas digo que a Samanta, sem dúvidas, me surpreendeu. Eu não imaginei que aquilo fosse acontecer, e, alguns leitores podem não entender, mas eu amei sua ousadia.

Ela é uma grande autora, não é à toa que seu trabalho vem sendo reconhecido cada vez mais. Como um pássaro, a Samanta ainda voará muito longe, e é ótimo saber que temos alguém como ela representando nossa literatura nacional.
comentários(0)comente



Alessandra.Andrade 14/07/2016

Simplesmente Encantador
Livro "maravilindo", escritora "fantastimágica". Não saberia escrever uma resenha, então inventei novas palavras para descrever a maravilhosidade desta narrativa. Simplesmente encantaxonada!
Samanta 31/08/2016minha estante
Querida Alessandra, que resenha mais criativa e liiiinda :D Adorei a criação de novas palavras para expressar o que achou da narrativa hahahaha! Fico muito, muito feliz em ler sua opinião tão positiva! :)

Beijo enormeeeee
Sam!




114 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |