O Inverno das Fadas

O Inverno das Fadas Carolina Munhóz




Resenhas - O Inverno das Fadas


136 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Vivian costa 12/11/2020

Demorei demais a terminar esse livro e ele só conseguiu prender a minha atenção total em poucos momentos mas não é um livro ruím
comentários(0)comente



Kaylane Gésyca 02/11/2020

Meio sei lá
Eu não sei dizer exatamente oq achei desse livro,ele não é ruim,mas também não tão bom,eu não sei se é a história ou eu mesma,não achei tão legal,não é um livro que releria tão cedo,se eu resolver reler
comentários(0)comente



Deny.Gabriel 24/10/2020

Eu pensei que não iria gostar muito da historia pois nao é do tipo que eu iria ler, mas me surpreendi bastante, pois gostei do livro.
comentários(0)comente



Crônicas Fantásticas 15/09/2020

O Inverno das Fadas
Resenha por Ana Oliveira

Título: O Inverno das Fadas | Autor: Carolina Munhóz | Editora: Leya – Casa da Palavra | Gênero: literatura nacional – fantasia | Páginas: 304 páginas | Ano de publicação: 2012 | Nota: 3,5/5,0

Existem alguns personagens que povoam o imaginário das pessoas quando a gente fala de fantasia. Elfos, gnomos, fadas… Alguns vivem nas histórias como criaturas bondosas e cheias de pó mágico. Mas não aqui… Não as fadas de Carolina Munhóz.

Em “O Inverno das Fadas” somos apresentados a Sophia, uma Leanan Sídhe. Sídhe é como se chama o povo das fadas nas terras da Escócia. Esse povo tem vários tipos de seres mágicos, e as Leanan são um tipo de súcubos para o povo das fadas, ou seja, elas te dão fama, inspiração e sucesso em troca da sua vitalidade. Todos os artistas inspirados por esse tipo de fada têm vida efêmera e sucesso explosivo.

Nesse contexto, somos apresentados a William Bass, um escritor que precisa de uma musa inspiradora. E Sophia está disposta a fazer esse papel. O único problema é que a fada começa a nutrir sentimentos pelo escritor, e aí as coisas começam a se complicar. Para viver, Sophia precisa da energia vital dele, e se ela continuar a se envolver com ele, ele pode acabar morto.

Apesar de parecer um romance linear, o livro mostra um pouco do mundo das fadas, como outros tipos de fadas se relacionam com a Sophia e o modo como a própria Sophia vê o mundo, os humanos e o amor. Como toda criatura, Sophia tem lados positivos, fofos e bons; e lados ruins, negativos e feios, bem feios. Ela não tinha pena de matar suas vítimas até encontrar o escritor. Talvez esse lado mais sombrio de Sophia assuste um pouco, já que na nossa concepção básica, fadas são criaturas cheias de luz, lembrando da Sininho do Peter Pan e das Fadas Madrinhas da Bela Adormecida. Para Munhóz, as fadas têm um pouco mais de humanos que o imaginado.

Apesar das passagens mais suaves, mais voltadas para o público infanto-juvenil, a história às vezes dá curvas fechadas para o lado mais adulto da leitura, deixando a gente confuso sobre o nível de envolvimento que será mostrado durante o percurso. Apesar disso, a leitura é fácil e envolvente. Ao ler, parei várias vezes para pesquisar sobre os termos que a autora usava no texto, para saber mais sobre as fadas, os Sídhes. É um livro diferente, que foge do clichê de usar seres fantásticos tipicamente malvados para depois torná-los bons.

O que me levou a ler o livro, além da temática das fadas, é o fato da autora ser brasileira. Nem só de José de Alencar e Machado de Assis vive o leitor brasileiro, minha gente! Carolina Munhóz faz parte de uma leva de autores brasileiros que bebem do fantástico e criam histórias maravilhosas para nossas mentes ávidas. Uma última dica: se você não conhece e quer conhecer mais alguns autores brasileiros, tem um livro chamado “Geração Subzero”, organizado pelo Felipe Pena, que contém contos de vários autores brasileiros. Descobri a Carolina Munhóz por lá. Não só ela como vários outros. Dá uma olhadinha.

Você pode encontrar o livro “O Inverno das Fadas” aqui, e “Geração Subzero” aqui.

Leia mais resenhas em cronicasfantasticas.com.br

site: https://cronicasfantasticas.com.br/2019/03/04/o-inverno-das-fadas/
comentários(0)comente



Laura 08/09/2020

Iniciação
Eu li esse livro em 2013, lembro que ainda não tinha o hábito de ler, então naquela época tudo me agradava. Não sei se eu relesse ele hoje, gostaria tanto quanto gostei.
Mas em base de quando li, gostei bastante, ainda lembro de partes da história, me envolveu bastante e li muito rápido, ficou marcado em mim (acho que é por isso que ainda tenho na estante).
Shophia é uma fada, uma fada que serve de inspiração para humanos talentosos alcançarem o sucesso. Mas ao mesmo tempo que ''ajuda'' um humano ela se alimenta da energia do mesmo, levando ele a morte.
Então posso dizer, após essa breve sinopse, que é um livro clichê, que eu achei bem fofinho na época, não sei se consigo ler ele novamente. Mas meu coração é quentinho com essa história ainda.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Ana Romani 23/07/2020

Achei a história muito criativa e interessante, me achei que o mundo das fadas poderia ter sido um pouco mais explorado.
comentários(0)comente



Jana Diglio 12/07/2020

Fantasia e realidade
Um livro de fantasia com a realidade!
Um imenso amor verdade.. Com suspense, ansiedade, nervosismo e roer de unhas!!
A pitada de sensualidade é perfeita...
Nem todo ser é de todo bom.. Nem todo ser é de todo mal!!
A inveja muda.. O amor transforma!!
comentários(0)comente



Bia 09/07/2020

Bem mais ou menos
O livro tem algumas partes boas porém ele enrola muito
A história que a autora quis contar é bem legal mas 70% é muita enrolação
comentários(0)comente



Bel 12/04/2020

Este livro me encantou pela capa maravilhosa! A história tem um grande potencial, porém não foi bem utilizado e explorado.
O amor entre Sophia e William é forte mas não me emocionou quanto eu gostaria.
comentários(0)comente



Mica 09/04/2020

Sophia Coldheart é uma fada, mas não qualquer fada, ela é uma Leanan Sídhe, conhecida como a ?fada-amante?, criatura extremamente bela, de pele clara, cabelos dourados e luminosos. Uma Leanan tem o poder de inspirar artistas, fazendo com que estes produzam verdadeiras obras-primas, tornando-os famosos por seu trabalho. Contudo, enquanto a fada instiga tais pessoas, ela suga sua energia vital aos poucos, através de seu encantamento, deixando os artistas cada vez mais apaixonados e dependentes, e estes acabam por cair em uma profunda depressão ou chegam ao ápice da loucura, terminando, por fim, a cometer suicídio.
.
?Encantar e seduzir é algo que uma Leanan Sídhe não pode controlar, faz parte de sua natureza, como também, é através da energia proveniente dos artistas que a criatura mágica mantém-se viva. Sophia, nossa protagonista, apesar de amar o êxtase ao sentir seus amantes criarem obras inspiradas por ela ou quando se relaciona intimamente com eles, muitas vezes, se enxerga como uma vampira, uma sugadora de vidas.
.
?Mesmo com essas sensações ambíguas, Sophia necessita de um novo amante, alguém para inspirar, enquanto renova suas energias. Desse modo, a Leanan encontra William, um escritor iniciante, que assim como os demais, logo se encanta pela bela criatura, sem saber ao certo, se ela é real ou apenas fruto de seus sonhos. Desde o primeiro encontro, a fada sente algo diferente naquele artista, seus sentimentos ficam mais confusos e ela entende que se apaixonou verdadeiramente pelo rapaz, o que não poderia acontecer, já que o mesmo está fadado a morte, a partir do momento em que a conheceu, assim como todos os outros.
.
?A história do livro é toda voltada ao amor que Sophia acabou nutrindo por um de seus escolhidos, e quanto mais ambos lutam por esse amor, mas próximo de seu fim William fica, pois por ser uma Leanan Sídhe, Sophia acabava se alimentando da vitalidade do escritor, para se manter viva. E a grande questão do O Inverno das Fadas é quem vai sobreviver a este amor já que o processo de sedução se iniciou.
.
-Li essa livro faz uns 3 anos e não me cativou totalmente mas achei bom. E vocês, me contem o que acharam desta história de fadas... ?
comentários(0)comente



Carol 23/01/2020

Uma ótima ideia mal desenvolvida.
Achei a ideia da autora muito bacana, mas a maneira que ela a desenvolveu na escrita não ficou legal. O livro tem sim suas partes mais emocionantes, mas eu diria que 80% é mais enrolação. Achei a escrita dela um pouco infantilizada, mesmo se tratando de um assunto sexual. Não consegui aguentar até o final :(
comentários(0)comente



Gei. Silva 04/11/2019

Um romance muito, muito adorável!
Eu queria ler esse livro há anos, pois desde sempre a sinopse me intrigou muito. Amo qualquer história que envolva seres sobrenaturais e fadas são uma de minhas favoritas criaturas, e eu adorei ter conhecido a mitologia das fadas/vampiras/sucúbos Leanan Sídhes.
Pontos positivos: A protagonista e os personagens são muito bem contruídos, Sofia é uma personagem forte que entende perfeitamente seu papel mesmo não o aceitando. William... É um princípe de contos de fada. O mundo também é bem criado, os lugares e a terra das fadas e como tudo se estrutura. O desenrolar da trama é perfeito, nem apressado nem lento demais. Mas o que eu mais gostei foi do romance. Os personagens - Sofia e William - se concectam de uma maneira que pouco vi na literatura, e mesmo sendo rápido demais você compreende. Outra coisa também é a presença de crenças e até cenas de rituais mágicos presentes na bruxaria e na Wicca (a qual estou começando a estudar). É tudo maravilhoso e adaptado ao cenário mágico das elementais do ar, no entanto se coisas assim te incomodam pode relaxar que não é tão explicíto. Quanto a escrita nada tenho a reclamar, não é a maior coisa do mundo, mas é deleitável, poética algumas vezes e bem descritiva. Carolina Munhóz sabe muito bem descrever o inverno.
Pontos negativos: Eu gostaria muito mesmo que autora tivesse explorado mais o mundo das fadas, Annyn. Mas acho que outros livros dela já fizeram isso. Outra coisa que me incomodou um pouco foi a personalidade de William, é um ótimo personagem, mas a autora meio que o infantilizou algumas vezes (o que em algumas cenas pode ser meio bizarro, considerando que a fada é muito, muito mais velha que ele- não fisicamente). Uma coisa que eu acho que deve ser ressaltada e não ouvi ninguém falando sobre isso é que esse é um livro adulto. Não é nada explicíto demais, porém há várias cenas e a linguagem é bastante erótica e até sexual em algumas partes.
Mas no total eu adorei a leitura. Relaxante, e ainda sim que nos faz refletir sobre várias coisas. Como: Você se entregaria a uma sugadora para se tornar um artista imortal e realizar desejos e fantasias perfeitas?
Gostei, gostei mesmo. Não sei se recomendo para todos, mas se você gosta de livros sobrenaturais e um pouco eróticos tenho certeza de que não vai se arrepender!
comentários(0)comente



Julia.Michetti 08/06/2019

Talvez pela época em que o livro foi lançado pautas fundamentais para o respeito humano ainda não era um alvo. Entretanto os comentários desrespeitosos durante a leitura me fez questionar se deveria relevar e continuar, resultado: Abandonei o livro. Não acho que a leitura seja inútil, muito pelo contrario, um livro que serve para orientação, e questionamento ao leitor. Vou deixar algumas passagens:
''Beijada por um homem com H maiúsculo" (pg. 38)
''Os outros homens com quem já havia saído eram casados, alguns até homossexuais mas ao estar com ela, esqueciam do mundo'' (pg. 77)
Não vou colocar mais algumas para não dar spoiler, mas alem dessas passagens o livro se refere a artistas já falecidos com muito desrespeito, como se eles fossem um nada, e quase jogado no livro apenas para você descobri quem é.
comentários(0)comente



136 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |