Entre rinhas de cachorros e porcos abatidos

Entre rinhas de cachorros e porcos abatidos Ana Paula Maia




Resenhas - Entre rinhas de cachorros e porcos abatidos


53 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4


Ricardo.Souza 20/09/2021

A forma que a história é contada é incrível, passando por todo tipo de miséria mais absurda com um olhar sem juízo valor. Você não concorda com os personagens às vezes, mas apesar da autora na maioria das vezes não tentar justificar as ações dos personagens, você entende. E levado na história tendo tanto contato com o lixo, a miséria, o descaso, você acaba acompanhando as coisas horríveis tão impassível quanto os que as vivenciam. Sinto que eu queria algo maior na história, que às vezes parece que a história está prometendo, mas na realidade ela não está, é sobre pessoas e coisas tão absurdas e revoltantes quanto cotidianas.
comentários(0)comente



Isadora 19/09/2021

Esse é um livro que vai te fazer sentir mal. Não tanto pela violência exposta nas narrativas, mas pelas tantas camadas de subtexto que residem entre suas linhas. Provoca uma avalanche de reflexões necessárias e urgentes sobre a nossa sociedade. Não por acaso a obra da autora é objeto de diversos estudos acadêmicos.

Ana Paula Maia tem uma escrita crua e crítica, que fisga o leitor desde a primeira página e o conduz num caminho sem fôlego por situações grotescas, de desumanização e invisibilização dos indivíduos que são explorados e marginalizados, sem apelar pra espetacularização da miséria, pelo menos a meu ver.

Além da riqueza do conteúdo, é genial a forma como as histórias, além deste livro, se conectam. Fica a cargo do leitor montar o quebra-cabeça e conectar as tramas.

Se você ainda não conhece a obra da autora, recomendo iniciar por este livro. Com certeza, Ana Paula Maia foi uma das minhas melhores descobertas literárias deste ano. Depois desse livro, fiquei com vontade de devorar toda a sua obra.

Obs: os textos podem conter gatilho de violência.
comentários(0)comente



Drika 25/07/2021

A crueza da sociedade moderna. Sua hipocrisia e seus conflitos. Estar a margem. Retrato frio e cruel da humanidade.
comentários(0)comente



Grace @arteaoseuredor 10/06/2021

?Entre Rinhas de cachorros e Porcos Abatidos, de Ana Paula Maia.
.
?O texto da autora no início do livro já diz tudo o que esperar: ?Este livro reu?ne duas novelas litera?rias compostas de homens-bestas, que trabalham duro, sobrevivem com muito pouco, esperam o mi?nimo da vida e, em sile?ncio, carregam seus fardos e o dos outros.
Os textos, em tom naturalista, retratam a amarga vida de homens que abatem porcos, recolhem o lixo, desentopem esgoto e quebram asfalto.
Toda imundi?cie de trabalho que nenhum de no?s quer fazer, eles fazem, e sobrevivem disso.
Fica por conta do leitor medir os fardos e contar as bestas.?
.
?Gostei muito do livro, e achei um dos mais pesados que li da escritora, e como sempre ela te faz ficar pensando nos livros por um tempo, e nos faz olhar dentro de nós mesmos, com suas críticas e linguagem crua.
São duas novelas, ?Entre rinhas de cachorros e porcos abatidos? e ?O Trabalho sujo dos outros?.
Ambas trazem personagens marginalizados, sem esperanças, que ficam à margem da sociedade. Na primeira Edgar Wilson abate porcos e nas horas vagas aposta nas rinhas de cachorros. Na segunda Erasmo Wagner trabalha de lixeiro, o que aconteceria se não recolhessem o lixo nas cidades? São novelas impactantes.
comentários(0)comente



Diego.Diniiz 23/05/2021

????
Que escrita perfeita! Um dos melhores livros que já li! Uma crítica à sociedade atual. As pessoas podem até pensar: "ah, mais essas coisas macabras nunca vão acontecer na realidade." Do meu ponto de vista tanto pode como acontece, essa primeira parte do livro mostra coisas deturpadas que os abatedores de porcos fazem, pessoas que também não são reconhecidas pelo seus trabalhos.
A segunda parte foi a mais que gostei, uma ótima crítica à sociedade consumista e que não valorizam os coletores de lixo e tantos outros empregos, os quais o corpo social praticamente despreza. Eramos Vagner, personagem principal da segunda parte, se considera como lixo, pois a sociedade e os governos não valorizam seu trabalho, e o tratam como o lixo que ele recolhe. Mas fica a pergunta, o que seria da sociedade sem os coletores de lixo?
comentários(0)comente



Diogo 08/05/2021

Cru
São duas novelas: "entre rinhas de cachorro e porcos abatidos" e "o trabalho sujo dos outros". Rápida leitura.
Ambas contam histórias de pessoas marginais, invisíveis à sociedade, que desempenham o trabalho que ninguém quer (abate de porcos, recolhimento de lixo, limpeza de excrementos...). Ao narrar a frieza, indiferença, e algumas vezes violência dos personagens, faz o leitor refletir sobre os motivos que levaram essas pessoas a agirem assim, sem sentimentalismo, compaixão, e também sem grandes sonhos ou ilusões. Muito realista e cru. Talvez exagerado, mas este exagero serve à narrativa e à reflexão proposta.
comentários(0)comente



Eduarda 05/05/2021

Soco no estômago...
O livro é dividido em duas histórias.

Confesso que achei a primeira muito boa e impactante, mas a segunda ainda melhor!

Muito reflexivo e pertinente.

"Ah mas isso não acontece!" - Eu pergunto: Em que mundo você vive?!
comentários(0)comente



Gabs 18/04/2021

Muito mais do que parece
No início do livro a autora convida o leitor a medir os fardos e contar as bestas. Se você conseguiu, parabéns. Eu, não.
Abrir os olhos para as pessoas que costumamos (e muitas vezes não queremos) enxergar é dolorido, mas necessário.
Com Edgar Wilson achei difícil simpatizar, embora ele definitivamente tenha conseguido me comover, enquanto Erasmo Wagner me fez refletir muito sobre nossa sociedade.
Recomendo a leitura.
comentários(0)comente



Gildenisson 14/03/2021

Interessante
Livro nacional dividido em dois contos curtos contudo muito fortes. Que demonstram o íntimo de pessoas excluídas da sociedade. Quando você é esquecido e fruto de um meio cruel, você se torna o espelho disso.
comentários(0)comente



Thiago Donato 26/02/2021

Cru, direto e impactante
O primeiro livro da Trilogia da autora que busca mostrar personagens a margem da sociedade nos presenteia com dois contos e uma narrativa instigante.
Em um primeiro momento notamos a desumanização dos protagonistas afim de nos apresentar uma vida sem leis, princípios e perspectiva, onde muitas vezes fatos absurdos soam até aceitáveis vindo destes personagens.
A obra se divide em duas histórias, a primeira é mais pesada e difícil de digerir, ela nos apresenta dois amigos e suas desventuras impulsionadas pela máxima ignorância em um bairro sem lei, com um desfecho memorável, a segunda, embora mais tenra, trata do lixo produzido pela sociedade e por aqueles, que por viverem desse lixo, também se consideram como o tal.
Embora o entendimento da leitura seja simples o conteúdo pode ser impactante para algumas pessoas, no meu caso, finalizei o livro em menos de 24hs.
comentários(0)comente



Julia 08/02/2021

Te faz refletir
A autora mostra de forma brutal e crua a degradação humana com personagens despidos de empatia, o livro te deixa boquiaberto, em choque e te faz refletir sobre tudo.
comentários(0)comente



Lanna 27/01/2021

Eu sou bem ignorante então n sei o termo certo pra o gênero e nem quem veio primeiro mas me senti como se tivesse assistindo pulp fiction e acho q aquele doido do T*ra***** ia ficar mais doido ainda com o primeiro conto
comentários(0)comente



Ellen 21/01/2021

Queria saber mais sobre a vida dos personagens principais das duas novelas! Deixou um gostinho de quero mais.
comentários(0)comente



julianny 17/01/2021

Homens e animais são os mesmos
A cada livro da Ana Paula que leio, me surpreendo mais e mais com sua linguagem e um livro acaba sendo surpreendentemente mais cruel que o outro. Não há eufemismo ao se tratar de violência e vísceras. Me senti enojada em muitas passagens, principalmente no primeiro conto, de tão absurdamente violento que é. Homens morrem como animais. Animais são tratados da mesma forma que os trabalhadores. É quase antropofágico. Afinal, não há mesmo tantas diferenças entre eles.
Marina 23/01/2021minha estante
Antropofágico!!! Realmente é essa a palavra!!!!!




Paulo Renan 16/01/2021

Tiro, porrada e bomba.
Todos os personagens se parecem com psicopatas, destituídos de qualquer empatia pelo sofrimento alheio. É certo que há pessoas assim, mas não creio que comunidades inteiras sejam tão cauterizadas moralmente quanto se demonstra na primeira parte do livro.

As reflexões sobre lixo e exclusão social são interessantes e dão um peso maior ao livro.
comentários(0)comente



53 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR