O Lobo do Mar

O Lobo do Mar Jack London




Resenhas - O Lobo do Mar


97 encontrados | exibindo 46 a 61
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


Camila.Lessa 07/06/2020

Maravilhoso
Adorei a história. A leitura é fluida e envolvente. Recomendo!
comentários(0)comente



Sidney Matias 02/03/2014

O Lobo do Mar - Jack London
Além de jornalista, marinheiro e escritor, Jack London era um notório aventureiro, foi para o Alasca em busca de ouro, e escreveu contos, poesias e ensaios. Alguns destaques do autor como os livros, "O Chamado Selvagem" e "Caninos Bancos", também já tiveram um espaço garantido aqui no blog.

No auge de sua inspiração, Jack London concebe ao mundo literário O Lobo do Mar, este que segue nos mesmos moldes de suas outras obras, extremos e diferentes realidades sendo colocados a prova em um mesmo plano, tendo como cenários paisagens fascinantes em meio a natureza, com boas doses de estadias em lugares inóspitos e enebriantes, onde a luta pela vida é uma necessidade constante.

Escrito em 1903, O Lobo do Mar é uma excelente análise psicológica, influenciado pelas ideologias de Darwin e Nietzsche, Jack London nos apresenta na obra facetas do bem e do mal, nos fazendo pensar qual é o significado e o real valor de nossas vidas. Apesar de leitura fácil e descomplicada, o livro trata de assuntos polêmicos, onde conclusões arrebatadoras de nossos personagens garantem boas horas de reflexão.

As viagens marítimas de Jack London a bordo de um barco caçador de focas, serviram como inspiração para "O Lobo do Mar". O escritor narra a história do crítico literário Humphrey Van Weyden, náufrago resgatado por Lobo Larsen. E uma vez abordo do navio Ghost, a vida de Humprey jamais voltou a ser a mesma.

Nos primeiros capítulos, o autor derrama uma série de teorias filosóficas associadas a Nietzsche, personificando o capitão do sombrio Navio Ghost, onde sua rigidez e ordem de comando opressora, faz com que ninguém tenha dúvida de quem realmente está com as rédeas em punho.
Lobo Larsen também deixou bem explícito seu ceticismo, não acreditava em qualquer divindade, existência de alma ou coisas do tipo. Para o capitão não temos nada além do corpo, onde certamente o medo tem como origem o temor que temos de nos machucar, coisa que ele não sentia, assim como também não tinha compaixão por nada nem ninguém, e intitulava esses sentimentos como fraquezas.

No outro extremo da corda temos nosso personagem que fora resgatado, sem calos nas mãos, um homem criado em meio a livros e culturas infindáveis, que nunca havia realizado algum serviço braçal ou visto cenas de brutalidades e violência física.

Notavelmente o patamar mais elevado das discussões filosóficas, se dão por conta dos debates intelectuais entre Humphrey e Lobo Larsen. Onde em suas mangas, sempre estavam munidos de citações de grandes escritores e filósofos, bastava um diálogo qualquer entre os dois para que pudesse vir a tona temas notavelmente interessantes, seguindo desde a criação da vida e a evolução do homem. Questões sociais, religiosas e culturais também faziam parte dos assuntos abordados.

Quando a pauta pendia ao materialismo e o valor da vida, somos levados a profunda reflexão, onde frases de grande impacto irão martelar constantemente na cabeça do leitor.

Uma obra dotada de uma narrativa fantástica, entretendo o leitor com as relações peculiares entre os tripulantes da embarcação. Sangue, mortes, atos desumanos, castigos, desafios a natureza, mesmo ela se apresentando em sua forma mais brutal. Temos também uma verdadeira aula de psicologia, pessoas vivendo confinadas em alto mar, longe da sociedade e da terra firme, sob comando de Lobo Larsen, um ser que mescla selvageria, força física a uma capacidade intelectual direcionada a sobrevivência sem remorsos, custe o que custar. Corriqueiramente profanando atos demoníacos, como se fossem uma simples tarefa de sua rotina diária, garantindo cenas cheias de horror, onde ao decorrer das páginas, faz com que a obra ganhe um ritmo espetacular, picos de tensão e euforia são constantes, umas das melhores aventuras que pude ler

Após ser resgatado pelo navio Ghost, Humprey passou longos dias a se recuperar do acidente que sofrera durante o naufrágio de sua embarcação, e com muito esforço e sofrimento, muita das vezes segurando as última fagulhas de sua vida nas pontas dos dedos, para ali então permanecer vivo.
Mas com o passar do tempo Humprey evolui física e mentalmente, andando com as próprias pernas, em um novo mundo que até então não conhecia.

Uma aventura empolgante, onde os acontecimentos não param, e em certo ponto as coisas mudam de rumo, quando também perdida no mar e resgatada pela Ghost, sobe abordo a nobre escritora Maud Brewster, e a partir daquele instante, essa nova tripulante passará a ter sua vida a merce da sorte e das inconstâncias de Lobo Larsen, passando a trabalhar em sua embarcação, nas mais ríspidas condições.

Logo de início Humprey foi sugado pelo brilho dos olhos da linda moça, de face sempre rosada, com traços femininos encantadores, o amor depois de tanto tempo, aterrissara nesse novo mundo em que Humprey vivia. Não mais sozinho no embate pela vida, traça um novo plano, onde esforços não seriam medidos, e já nessa nova etapa, a força física adquirida trabalha em conjunto com seu intelecto que sempre fora muito em forma, mas agora mais experiente, levando o leitor rumo a um final expetacular.

Como sempre, Jack London dá um show na criação de personagens, onde suas concepções sobre vida e morte, bem e mal, espírito e matéria, garantem um leitura memorável. Uma ideologia sobre os fracos e os fortes, diálogos marcantes, sempre expondo confrontos de personalidades entre os protagonistas com palavras bem colocadas.

Com muita maestria Jack London conduz a narrativa, descrições de ambientes e termos técnicos de navegação marítima, que nosso aventureiro e escritor muito bem conhecia.

O Lobo do Mar ganhou adaptações cinematográficas em 1941 e 2009.

Um grande clássico da literatura, que vai além de um simples romance, um livro que propõe diversos dilemas morais, nos faz pensar na vida de um modo geral, pontos de vistas diferentes, personagens marcantes e um cenário fantástico, onde as intempéries da natureza trazem castigos vindos do mar a qualquer instante, com se não bastassem as dificuldades em ser subordinado a Lobo Larsen, um livro que todos deveriam ler. Casa de Livro recomenda.

Titulo: O Lobo do Mar
Título Original: The Wolf Sea
Autor: Jack London
Páginas: 226
Ano lançamento: 1903
Editora: Martin Claret

Boa Leitura

Sidney Matias

site: http://www.casadelivro.com.br/2014/01/alem-de-jornalista-marinheiro-e.html
Sarah 20/09/2014minha estante
Obrigada pela Resenha. Já havia comprado o livro mas como vi que a edição da martin claret deste livro teve muitos cortes desanimei. Vou retomar a leitura. Sua resenha me animou. Abraços.




Leonardo Matos 09/08/2012

Livro fantástico
Está procurando um ótimo livro para ler esses dias? provavelmente encontrou!

O Lobo do Mar traz uma história empolgante, cruel, polêmica, e porque não... romântica!
O contraste de um homem bem civilizado que amadureceu por entre os livros e um capitão de um navio de pesca rígido, manipulador, as vezes violento mas com um conhecimento enorme. Isto somado as aventuras em alto mar, regadas a um triângulo amoroso proporciona ao leitor, uma história inesquecível.
comentários(0)comente



Nanda Lima 28/02/2014

Um clássico delicioso!
Adoro vlogs literários: com eles aprendo mais sobre Literatura e conheço novos livros e autores. E um dos melhores livros que já li na vida, conheci através de um vlog. O lobo do mar, de Jack London, é considerado um clássico norte-americano, e seu autor é tido como um dos maiores escritores americanos de todos os tempos. No entanto, vergonhosamente, nunca tinha ouvido falar da obra ou de London.

A obra é de uma profundidade absurda, com diálogos recheados de Filosofia e citações de autores clássicos da Literatura. Os diálogos entre Wolf Larsen um dos melhores personagens que já vi e Weyden são inquietantes e nos fazem refletir sobre nossa concepção de mundo, sobre o verdadeiro significado da moralidade e da existência humana. O clássico, publicado originalmente em 1904, é atual e extremamente relevante.

Possui, também, muita ação, algumas vezes até de tirar o fôlego, e eu me peguei lendo compulsivamente certas partes com olhos vidrados no e-reader.

Eu não era a mesma depois de ler O lobo do mar. Passei dias pensando nas frases de Wolf Larsen, concordando com algumas e abominando outras. E poucos são os livros que nos fazem pensar neles tempos após os termos lido. Mas tenho certeza de que esse livro vai permanecer nos meus pensamentos por muito tempo, e certamente vou querer relê-lo de tempos em tempos. Esse livro, definitivamente, me modificou.

Recomendo para aqueles que adoram um bom clássico, para os que gostam de obras inquietantes e com ação, para os que gostam de Filosofia e para os que querem apenas um bom livro para ler. Dou nota máxima para ele!

site: www.umaleitoraassidua.blogspot.com
comentários(0)comente



Maria Paula 10/06/2020

Livro super envolvente, que me prendeu do início ao fim. Com certeza, vale a leitura!
comentários(0)comente



spoiler visualizar
BetoOliveira_autor 27/01/2020minha estante
Tô lendo o livro, ainda nas 100 primeiras páginas. Não me preocupo muito com essa coisa de spoiler, pois a leitura é singular para cada leitor. Muitas vezes a forma de contar é muito mais rica que o próprio enredo e suas tramas.
Você fez uma síntese sobre a mulher que surge no meio da narrativa. Interessante que ela desperta o amor nos dois homens, e cada passa por profundas transformações. O rejeitado, outrora impávido e brutal, definha até o fim. O outro, antes medroso e passivo, ganha coragem e enfrenta seu contendo. O que não foi capaz de fazer antes, abandonar o barco, fez depois movido pelo amor. Parece que por trás dessa melosa situação, há um forte simbolismo. Tanto o homem sofisticado como o homem bruto não escapam das forças inafastáveis das paixões.


Jessé 27/01/2020minha estante
Sim entendi esse aspecto do livro com a introdução dela, mas o meu problema com isso, é o esquecimento de outros personagens na trama. Como disse, o próprio Larsen é esquecido nas últimas páginas e tem fim meio bobo.
E como também mencionei, a qualidade dos diálogos caem muito ao meu ver. Mas foi um bom livro. Só não achei tão maravilhoso como muitos falam.




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Alessandro 20/04/2014

Um clássico que merece ser lido e descoberto
Apesar de Jack London ser considerado um dos melhores escritores norte-americanos,talvez do século XX, suas obras parecem que são pouco conhecidas no Brasil. O Lobo do Mar segue o estilo do escritor: narrativa fluída que narra as aventuras de um homem que de inesperadamente se vê em ambiente hostil e, por isso, é obrigado a se adaptar a ele para sobreviver. Por trás do formato de história de aventura marítima que não esconde suas origens no clássico Moby Dick, o livro também é uma espécie de romance filosófico, onde os personagens centrais, o almofadinha Humphery van Weyden e o capitão do navio, o bestializado, Wolf Larsen travam um embate intelectual que remete a teoria da evolução da espécie de Darwin e ao conceito de superhomem de Nietzsche. Também são interessantes a referências que o autor faz a Paraíso perdido, poema épico de John Milton, principalmente, para descrever a personalidade turbenta de Larsen, um dos vilões mais interessantes da literatura norte-americana. Envolvente, emocionante e tenso em muito momentos, O Lobo do Mar é um clássico que merece ser lido e descoberto.
comentários(0)comente



Andréa 12/07/2010

A vida na sua realidade mais bruta
Uma aventura no mar onde a luta pela sobrevienvia física é travada junto à luta pela sobreviência moral. Quando duas pessoas tão diferentes como Humper e o Capitão Lobo Larsen, têm que conviver em um pequeno mundo cercado pelos mistérios e perigos do mar, a vida ensina a cada um deles o quão cruel ela pode ser. Humphrey, um homem habituado aos livros que nunca precisou se preocupar em ganhar a vida, após o naufrágio do navio em que viajava, é resgatado, mas se vê obrigado a trabalhar em uma escuda habitada por caçadores de foca e um capitão auto-ditada apaixonado por literatura, mas que despresa a vida como se cada ser humano fosse apenas mais uma gota no oceano. Além de se habituar ao trabalho físico, Hump precisa ignorar preceitos morais de uma vida civilizada que não encontra espaço junto ao cruel Capitão Lobo Larsen. A vida na sua realidade mais bruta é o que Humphrey tem que enfrentar, mesmo quando consegue escapar das mãos de Lobo, porém, a vontade de viver transforma o homem das palavras em homem de ação que não mede esforços para lutar pela sua vida e daquela que assim como ele, se vê presa nas mãos de um homem capaz de matar por simples prazer ou desprezo. Sem dúvida o forte do livro são os diálogos sobre a vida travados entre esses dois personagens tão diversos. A natureza humana nos é apresentada por London com uma realidade que chega a chocar e que nos faz refletir se somos ou não moldados pelo meio em que nascemos e vivemos.
comentários(0)comente



Valerya insta @leslivres_ 07/02/2020

A imortalidade...
Trata-se de um livro perfeito. Bom para todos os gostos.
Nele temos divagações filosóficas sobre a vida, terror, aventura e romance.
Uma obra escrita em sua perfeição!
comentários(0)comente



@Estantedelivrosdamylla 06/08/2019

Maestral
Sabe aquele livro que você tem vontade de sair em todas as esquinas falando que todo mundo deveria ler? Pois bem, este é um deles. "O lobo do mar" foi uma surpresa para mim, pois achei interessante a sinopse mas não esperava muito, visto que não sabia de como é aclamado pela crítica, dessa forma entrei nesta jornada de forma "ingênua".

Jack London desde os primeiros capítulos hipnotiza com sua forma de narrar uma estória, é encantador, literalmente!! Fiquei vidrada na dinâmica das palavras e na forma maestral da sua escrita. Não consegui desgrudar do livro.

Em alguns momentos ele fala sobre a embarcação na qual se encontra o personagem principal, e claro que existem termos que, para um leigo como eu, são totalmente desconhecidos, porém não é um livro enfadonho que passa muito tempo descrevendo detalhes irrelevantes, pelo contrário, não cansa, é empolgante e possui uma estória maravilhosa.

A estória e os personagens me encantaram. A forma como a filosofia foi introduzida, os conceitos trazidos por Wolf Larsen e Humphrey, as discussões entre eles e a forma como cada um levava sua vida, era fantástico. Os opostos, o moral e o amoral, o civilizado e o primitivo, o materialista e o humanitário. Ideias que nos levam a questionar os conceitos que regem a sociedade.

E por fim, um desfecho que não deixou a desejar, que só me fez querer um pouco mais de Jack London.
comentários(0)comente



jpmondoni 23/06/2020

Forte Lobo
Um homem tão forte como Wolf, o Lobo do Mar, definhando ao final de sua vida e mesmo assim ainda é tratado com receio e com respeito. Esse livro nos transporta para um ambiente hostil e sangrento, mas que você de alguma forma consegue sentir que lhe pertence.

Uma obra prima de Jack London, assim como O Chamado Selvagem (ou o Chamado da Floresta).
comentários(0)comente



Rafael 01/12/2018

"... Isso mesmo - disse Larsen - eles me chamam de lobo."
Um bom livro. Continuo ainda preferindo Caninos brancos como o melhor do autor, mas não se enganem, pois essa escolha é puramente pessoal. A narrativa marítima dessa obra em nada perde, em questão de construção de acontecimentos e personagens.
Sofro sempre um insight quando termino de ler Jack London, como se ele não nos fizesse esquecer a brutalidade e a natureza da sobrevivência dentro da alma humana.
comentários(0)comente



Israel Miranda 03/11/2018

Clássico da Aventura
Ler O Lobo do Mar é redescobrir o prazer da boa escrita. Aliás, boa escrita é apelido, o que London faz aqui é uma verdadeira aula de como contar uma história de maneira impecável.

Uma bela aventura em alto mar que mistura ação, filosofia e terror psicológico. Fiquei um tanto quanto surpreso com a violência, esperava algo mais leve e juvenil.

Foi além das minhas expectativas e entregou um irrepreensível estudo sobre o comportamento humano, ancorado em personagens vivos, pulsantes e multifacetados.

De quebra, temos aqui um dos maiores vilões da história da literatura: Wolf Larsen. Tá esperando o quê pra começar?
comentários(0)comente



Alessandra @euamolivrosnovos 26/04/2021

Instagram @euamolivrosnovos
Quando Humphrey van Weyden foi resgatado pela escuna Ghost, após um naufrágio, jamais esperaria se tornar cativo do capitão Wolf Larsen. Impossibilitado de retornar a sua vida e obrigado a trabalhar no navio, Hump, como foi apelidado, torna-se refém das circunstâncias e aprende a rotina de um marinheiro à força, regada de muita brutalidade.

O capitão, além da intrínseca inclinação à violência, demonstra um lado inesperado, um homem superdotado, culto e indagador, que discorre muito bem sobre assuntos diversos, tais como a vida. Daí surge um choque cultural entre eles, pois o senso moral de Hump vai de encontro a primitividade de Wolf, tornando-os opostos necessários na luta pela sobrevivência.

Um livro que me surpreendeu demais, pois tomou rumos que eu não esperava. Muito mais do que uma aventura em alto mar, "O lobo do mar" é regado de reflexões filosóficas sobre a existência humana, o papel do homem como indivíduo e o significado da moral para cada um.

Foi meu primeiro contato com o autor e já posso dizer que vou querer seguir conhecendo suas obras. A estadia de Hump no Ghost tem momentos de tensão, episódios grotescos e muitas reviravoltas. É um livro que tem seus altos e baixos, mas que conquista o leitor com inteligência e uma boa dose de nervosismo. Impossível passar pelas páginas sem temer o destino do protagonista em diversas situações.

Recomendo a leitura para quem busca um livro mais reflexivo, cheio de diálogos interessantes, mas, em alguns momentos, mais complexo.

site: https://www.instagram.com/euamolivrosnovos
comentários(0)comente



97 encontrados | exibindo 46 a 61
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7