Máscara

Máscara Luiz Henrique Mazzaron




Resenhas - Máscara


64 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Barbie 27/06/2019

Amei de paixão!
O livro é espetacular, eu honestamente fiquei apaixonada pelo enredo, as personagens, tudo! É uma história muito criativa e que o autor conseguiu elaborar muito bem conforme o livro. Eu li o livro em pouco tempo pois não aguentava ficar esperando pra saber o que iria acontecer em seguida. Todos os cenários foram muito bem descritos e eu ainda consigo imaginá-los na minha cabeça. Nem sei o que dizer mais, só que a leitura é maravilhosa e eu amei cada página. Só fiquei extremamente chateada que o autor nunca chegou a escrever ou publicar um segundo livro, e eu definitivamente gostaria muito de ler um final pra esta história. Então, se ele ler este comentário algum dia: por favor, publique um capítulo final! Precisamos saber como termina tudo!
Luiz 24/07/2019minha estante
Oi Barbie! Fiquei muito feliz em ler sua opiniao e saber que gostou tanto! Sobre a sequencia, ela ja esta escrita e pretendo publicar tanto ela quanto uma nova versao desse primeiro volume ainda nesse ano, ou no mais tardar no início do ano que vem, so que por ebook na Amazon, entao fique de olho ;)
Abraços e saiba que o jogo nao acabou s2




Nu e As 1001 Nuccias 07/07/2017

Resenha do Blog As 1001 Nuccias
*resenhista Nuccia De Cicco
*resenha completa no link do blog

Desde a mais terna idade que Liam sofre para se manter vivo. Mas agora, sua vida é mais preciosa e está em jogo, literalmente!

Em Máscara, logo nos primeiros capítulos ficamos chocados com o que um homem pode fazer a uma criança. Liam perdeu seus pais ainda bebê e foi "criado" por seu tio. Após uma denúncia, o "digno" senhor recebe uma visita da assistente social a quem termina por trucidar. E Liam, com apenas 6-7 anos de idade, assassina seu tio em legítima defesa.

Contudo esse nem é o maior choque desse primeiro capítulo. Ahá... O morto se ergue e... acaba por iniciar uma caçada ao garoto, ao pequeno Liam, sem se importar em deixar vítimas pelo seu caminho. E não foram poucas.

A história começa a se desenvolver mais a partir daí, a ação e a loucura não param. Tentando salvar o garoto dessa perseguição alucinada, os policiais invadem um orfanato, perdem companheiros e um deles, o detetive Craig, foge para uma casa em outra região, levando consigo Liam e pessoas inusitadas a tiracolo, todas conectadas de alguma forma.

Então a história dá um salto de 10 anos e as coisas começam a degringolar novamente. Uma das freiras sobreviventes ao massacre no orfanato desaparece. A adolescente que fugiu com eles começa a agir de forma estranha. Liam começa a ver as Máscaras novamente. É ele, aquilo que o persegue... E não deu outra.

Uma leve bobeira com uma adolescente e Liam cai nas garras Dele. Essa Entidade maléfica que cria, comanda todo um jogo de vida ou morte. Que exige jogadores exímios e os observa a cada segundo. E nesse jogo, acontecendo em um mundo paralelo chamado Domus, além de conhecer, salvar e matar pessoas, Liam terá de enfrentar a si mesmo.

Agora, o gran finale: minha opinião! Eu sou toda errada e comecei a ler os livros do autor pela segunda publicação. Assim, é até meio bizarro fazer comparações, porém não há como negar que o Luiz amadureceu muito entre a escrita de Máscara e O Sol Perdido. Como sou fã dos dois gêneros (terror e fantasia, respectivamente), talvez fosse difícil escolher entre ambos, mas posso afirmar com convicção que O Sol Perdido, pra mim, foi uma leitura melhor!

Não que Máscara não seja bom! Pelo contrário! É um ótimo livro, tem um clima de suspense muito bacana, me lembrou uma mistura de filmes e livros de terror que adoro, incluindo O Albergue, Jogos Mortais, Desespero, A Volta dos Mortos Vivos, etc. A história é bem estruturada, que explora o que há de pior no ser humano de forma inteligente, constrangedora e manipuladora. É um livro com muita ação desde as primeiras páginas, porém...

Em alguns momentos os diálogos são superficiais, especialmente no começo do livro. Parece que os personagens falaram por falar. E apesar de ter personagens de todas as idades, sendo maioria jovens e adultos, o livro tem uma pegada juvenil, é a forma como ele está escrito que parece dar essa impressão. Então, por conta disso, eu não senti tanto terror, era mais pra jogo de inteligência, tortura mental, psicológico. Se bem que tinham uns zumbis que...

Eu, particularmente, adorei a ideia, o mote principal do livro de um assassino sobrenatural que assume a vida e até o corpo das pessoas como uma "Máscara", mas fiquei um pouco chateada por não descobrir, afinal, quem ou qual entidade está por trás dela. Já explico por quê:

Eu estava feliz e contente até terminar o livro e... descobrir que não tem final! Este é só o primeiro volume!! Como assim??

Fiquei: "será que eu entendi errado? Porque, tipo, o livro para no meio do suspense, os personagens ainda tem muitas provações, como por exemplo, saírem de onde estão!"

Aí, montando a resenha, eu fui ler a biografia do autor e vi que (fui enganada) é isso mesmo! Este é o primeiro livro (eu sou uma anta lerda rsrsrs).

No mais, é um bom livro e tenho certeza que o Luiz irá caprichar no novo volume! E será tão bom quanto este! Aos leitores do sombrio que gostem de um pouco mais de ação, este livro é perfeito!

site: http://1001nuccias.blogspot.com.br/2017/07/resenha-livro-mascara-de-luiz-henrique.html
comentários(0)comente



Marukesu 24/05/2016

[Resenha] Máscara - A Vida Não É Um Jogo
Em Máscara somos apresentados a Liam que na infância sofreu constante nas mãos do tio tirano. Acompanhamos a sua estadia na delegacia logo após o incidente em que o tio tenta matá-lo, mas que acaba sendo morto. Sentimos a dor que consome o Liam e pra piorar ele agora não tem mais ninguém, pois seu tio era sua única família.
Ainda na delegacia conhecemos os policiais Ryan e Cortez. De cara Ryan sente um afeto pelo pequeno Liam e o sentimento é mútuo, mas o guri é mandado para um orfanato. O policial diz ao guri que tentará, sempre que possível, visitá-lo.
Outra pessoa nos é apresentado. Quer dizer, um ser desconhecido. Ele ronda a vida de Liam há anos. Sempre o desejou e agora, mais do que nunca, o quer. Esse ser usa uma máscara e não tem corpo. Não será agora que ele vai parar de desejar o guri em seu jogo ambicioso e sangrento.
Após sermos acuados com cenas de assassinato a la Jogos Mortais, vemos o recomeço de Liam. Agora ele tem dezessete anos e possui uma vida quase que perfeita. Entretanto, ele vem escutando nos últimos tempos uma risada maligna que não o deixa dormir.
Numa noite, Liam acordar num local onde há dez cabines tendo uma pessoa desconhecida dentro de cada. A ordem dada é ele salvar apenas cinco das dez. O restante? Morrerão!!!
Tendo feito suas escolhas, ele precisa sobreviver a um jogo insano e mortal tendo como aliados as pessoas que salvou. Liam se encontra no mundo paralelo chamado Domus!
Mortes é o recheio principal desse thriller eletrizante criado pelo jovem Mazzaron. Sentimento de frustração, confinamento e agonia são constantes no decorrer da leitura. Meus parabéns eterno ao autor.
Posso estar exagerando, mas senti referências no enredo à Harry Potter e franquia Jogos Mortais. Outro possível exagero é que comparei os sentimentos durante a leitura aos sentimentos que me percorreram lendo obras do grande rei Stephen King. Ou seja, o livro foi bom pra cacete! :D
Amo zumbis e a maneira como eles foram retratados chega a ser quase triste. Os personagens foram muito bem construídos e são tão humanos que percebemos as suas dificuldades físicas em lidar com as adversidades. Todos possuem falhas e isso é mostrado sem rodeios. Tentei imensamente sentir empatia por eles, mas não consegui. Os vi somente como peões que futuramente podiam ser descartados no jogo do ser mascarado. Mas seria uma mentira dizer que não simpatizei com nenhum deles. Kelly foi a personagem que mais me chamou a atenção e provocou risos (a comparei ao LaFayette, do seriado True Blood). Também há o Daniel.
Infelizmente, não pude gostar do protagonista Liam. Mazzaron deu todas as justificativas das ações do guri, como se tivéssemos que sentir pena dele, mas eu não consegui.
Fiz apostas sobre o desfecho desse jogo sangrento só deve ser lançado no próximo volume. E isso está me matando!!!!!! O segundo livro tem que ser lançado logo se não vou arrancar todos os meus cabelos e virarei a Kelly. Kkkkk...
A diagramação da obra está perfeita e as folhas são meio amareladas. A fonte das letras tem um tamanho agradável proporcionando, assim, várias horas corridas de leitura. A capa foi muito bem elaborada e é extremamente linda e misteriosa. Meus singelos parabéns a editora Novo Século.
Recomendo de olhos fechados essa obra. Vocês possivelmente perderam o fôlego, assim como eu perdi.

OBS: Não leia durante a madrugada. kkkk

site: http://www.refugioliterario.com.br/2014/01/resenha-mascara-vida-nao-e-um-jogo_18.html
comentários(0)comente



Nath 13/01/2016

Resenha para o blog Pobre Leitora
Liam é um rapaz de desde que nasceu passa por provações em sua vida. Abandonado pelos pais legítimos e criado pelo irmão de seu pai adotivo, Liam não teve uma infância fácil. Proibido de ir a escola e de ser uma criança normal com apenas 7 anos o pobre garoto sofria as mais absurdas violências na mão de seu tio, até que um dia uma assistente social vem em seu socorro, mas, o que era pra ser um lindo momento de salvação, também acaba num banho de sangue e sofrimento.
Acudido por policiais e indo parar um orfanato, a vida de Liam continua a ser difícil quando um assassino ronda o lugar e provoca mais mortes. Aliás, mortes não faltam. O tal assassino persegue Liam, e tira do caminho quem o estiver atrapalhando.
Depois do terrível episódio no orfanato, Liam vai com outras pessoas (um policial, uma freira, a irmã e sobrinha da assistente social e a secretaria da polícia) morar numa casa isolada e afastada. Tudo fica tranquilo durante anos, Liam cresce e agora é um adolescente normal, o passado ficou para trás e não ronda mais os pensamentos do garoto, até o dia em que ele resolve dar uma festa para os amigos da escola e coisas estranhas começam a acontecer. Num dia, Liam simplesmente acorda num lugar estranho, onde vê cabines com várias pessoas que cometeram diferentes pecados em suas vidas. Uma voz surge do nada mandando Liam escolher as pessoas que deseja salvar. É aí que o jogo começa.
Máscara é um livro de terror/suspense/fantasia que para mim, aborda o ser humano como um todo. A história nos mostra e acentua o que as pessoas tem de melhor e o que tem de pior, e todos sabemos que a raça humana pode ser muito, muito ruim. Tudo isso é exposto graças a uma entidade maléfica que montou um mundo próprio onde as pessoas que ele leva para lá tem que jogar um jogo doentio onde precisam sobreviver e chegar ao final, mas isso não é tão simples assim. Liam, é o principal do livro, sendo a pessoa que a entidade persegue.

No decorrer do livro vamos nos deparar com cenas e personagens de dar arrepios, situações que enojam e dão raiva. Tudo beira a mais completa loucura. Aliás, beira não, tudo É muito louco. É um jogo de vida ou morte que te testa, te bota a prova, mexe com seu consciente.
Liam passa pelos mais terríveis dilemas, decide sobre a vida de outras pessoas, enfrenta dores inimagináveis. Nem nos piores pesadelos dele esse mundo existiria, e o pior: ele não sabe o porquê de estar lá. Da para perceber que Liam é diferente, que ele é um ser especial e que até tem uma certa missão naquele mundo, mas a obsessão que a entidade maléfica sente por ele ainda é um incógnita para o próximo livro.

A escrita do Luiz é ótima e te prende ao livro. Mesmo sendo doentio, o jogo te atrai e você não quer largar o livro enquanto a próxima prova ou situação começar. É estranho mas é legal pra caramba de ler, sabe? Ou eu que sou meio louca e tenho um gosto duvidoso hahaha
A construção da história é muito boa, nos mostrando como foi a vida do Liam desde o comecinho, e ô personagem pra sofrer hein? Nada fácil a vida do pobre rapaz.
Os personagens são um show a parte. Temos todos os tipos de seres humanos presentes e aqui e se fosse falar de um por um a resenha ficaria enorme, mas posso dizer que a personagem que mais gostei na história foi Kelly, uma drag queen super corajosa, justa e cheia de estilo.

Para os fãs de um terror mais rebuscado, mais bem trabalhado, um terror que mexe bastante com o ser humano em sua essência, que nos disseca, esse livro é a pedida perfeita. E claro, como sempre tenho orgulho em dizer, é nacional! Agora, se você é fraco pra terror, se assusta com qualquer coisa e vomita quando vê algo nojento... leia mesmo assim!

Não posso deixar de comentar também que acho a capa do livro incrível! Pra mim ela representa muito bem toda a loucura de dentro do Domus. E acredite em mim quando eu digo que esse livro tem tudo para figurar como um dos principais do gênero na nossa literatura. Alô DarkSide, publica o Luiz!

Entre no jogo, conheça Domus e perca sua cabeça.

site: http://pobreleitora.blogspot.com.br/2015/11/resenha-mascara-luiz-henrique-mazzaron.html
comentários(0)comente



Lê Golz 29/11/2015

Que os jogos comecem!
Que os jogos comecem!

Foi preciso tempo para ordenar meus pensamentos antes de começar essa resenha. Máscara foi uma surpresa e ao mesmo tempo um desafio para mim, que apesar de gostar de um bom suspense, nunca fui muito chegada quando o assunto é terror. E este livro é a mistura dos dois. A capa chama muita atenção, e a sinopse me instigou a querer conhecer a história. O livro é sensacional e tenho orgulho em dizer que é uma obra nacional.

"Empurrou o ombro levemente para verificar se estava morto. O corpo de Sergey estremeceu; então ele abriu os olhos e começou a gargalhar. (...) Seu corpo se debatia no chão, convulsivamente. Ria, e ria, e ria." (p. 19)

A história começa com Liam ainda criança, e sobre as rédias do tio que só o maltrata. Até que um dia aparece uma mulher que o salva das garras do tio e, é então que as coisas começam a pegar fogo. Inúmeras coisas assustadoras vão acontecendo, enquanto Liam é perseguido por uma figura usando uma máscara. Um massacre, onde diversas pessoas são mortas, acontece na cidade e, Liam é protegido e levado para outro local, junto com outras pessoas, que irão se tornar sua família para começar uma nova vida. Mas, passam-se anos e a figura maléfica reaparece, colocando diversas pessoas, inclusive Liam, em uma espécie de jogo, onde a sanidade das pessoas serão testadas e seus pecados serão julgados.

Para quem já assistiu Jogos Mortais é impossível não notar a gritante semelhança. Eu sempre achei que colocar as pessoas à prova, e praticamente fazê-las se matarem (porque convenhamos, era quase impossível escapar dos jogos), uma hipocrisia das grandes. Quem nesse mundo é perfeito? Quem é o idiota que se acha superior para fazer isso? Porém, não temos aqui um homem que julga os atos das pessoas através dos jogos, mas uma figura que parece tudo, menos humana.

O suspense criado pelo autor é viciante e faz o leitor querer devorar cada página. Era tudo tão confuso, porque muitos acontecimentos iam se desenrolando, e nada levava a uma conclusão. A curiosidade para descobrir quem eram os seres por trás de todos aqueles jogos, e qual sua real intenção, crescia a cada final de capítulo. Liam e os diversos personagens que se encontram nos jogos, criam laços de amizade, mas também há muita discórdia, provando que o ser humano não aprende, mesmo estando cara a cara com a morte.

Com uma fluidez e facilidade incrível para escrever, Luiz criou algo inovador, e personagens muito bem elaborados. A narrativa é feita em terceira pessoa, e em nenhum momento cansativa. Mesmo tendo uma grande semelhança com Jogos Mortais, achei de uma criatividade imensa tudo que ele criou. Só não dei cinco estrelas, pois houve uma ou duas coisas que achei sem sentido, e que não encaixou-se bem na história.

A diagramação está ótima e super confortável, com folhas amareladas e fonte grande. A capa, como disse no início, me chamou muita atenção, e com certeza tem tudo a ver com a trama. A revisão também está impecável.

"Liam virou o rosto para a vitrine. A figura se aproximava, desfilando numa ginga das passarelas internacionais, seguida por um público fiel de criaturas infernais e pútricas." (p. 223)

O final foi para deixar qualquer leitor ansioso pelo segundo volume. Se você, assim como eu, sempre teve medo de ler livros do gênero, ressalto que consegui levar a leitura de boa. Porém, nem tudo foi tão calmo assim. Corredores escuros, portas sendo abertas, pessoas mortas, pesadelos e um bando de zumbis são apenas demonstrações do que pode-se esperar de Máscara. No começo do livro, essas coisas foram meio torturantes para mim, mas com o tempo me adaptei a história, e vi que é tudo uma questão de costume mesmo. Mesmo assim, se tudo isso definitivamente não é para você, e mesmo assim quiser ler o livro, vá com cuidado!

O "mestre" do jogo irá testar a sanidade de seus jogadores, mas quem testa a sua, é o próprio autor com essa história incrível.

site: http://livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br/2015/10/resenha-mascara.html
comentários(0)comente



sentilivros 07/11/2015

resenha de Máscara
Em primeiro lugar tenho que dizer que recebi o livro da parceria com o autor Luiz Henrique Mazzaron em 2013. Li o livro assim que o recebi, mas devido a minha ausência do blog não postei a resenha. :(
Sei que fiquei super empolgada com o livro, a escrita é de fácil entendimento e a leitura flui. É o primeiro livro publicado pelo Luiz e não deixa nada à desejar para escritores mais conceituados.
Na verdade é isso o que mais gosto no blog, descobrir novos escritores e obras tão bons quanto os já disseminados por aí.
Mas, vamos ao que interessa que é o que eu achei...
O começo do livro é intrigante, mas introdutório, ou seja, pouca ação. Ainda estamos conhecendo Liam. Este começo, bem o comecinho mesmo, me lembrou um pouco HP.
Mas com o passar dos capítulos sou obrigada a mencionar que me lembrei muito dos filmes Jogos Mortais e Cubo (se não estou enganada).
O livro é cheio de intrigas, novos personagens que aparecem, reviravoltas e com um final que te deixa LOUCO pelo próximo livro.
Tantas sensações e sentimentos nos permeiam com a leitura do livro que você cria, ou pelo menos eu criei, algumas teorias para explicar a situação que Liam e os demais vivem.
Tem um caso no livro que me lembrou um puco Chapeuzinho vermelho...kkkk, mas acho que aqui foi eu quem viajei...kkkk
Já cansei de escrever por aqui que não gosto de falar sobre a história em si, mas contar as sensações e impressões que tive ao ler o livro e o que posso dizer com toda a certeza é que RECOMENDO!

site: http://sentimentonoslivros.blogspot.com.br/2015/10/semana-do-halloween-mascara-luiz.html
comentários(0)comente



Michelly 03/10/2015

As pessoas riem e sorriem. Sorrisos falsos. Máscaras. É isso que me fascina em vocês.
Preciso começar essa resenha dizendo que Luiz Henrique Mazzaron me fez ter ainda mais orgulho dos autores nacionais! Seu livro é instigante, criativo, angustiante, extremamente bem escrito e apesar das claras influências famosas, como Jogos Mortais e Silent Hill, passa longe de ser uma cópia, mantendo sua originalidade do começo ao fim.

A história traz como personagem central o pequeno Liam, uma criança perseguida por tragédias desde muito cedo. Todos que têm o mínimo envolvimento com ele acabam mortos ou muito machucados por uma figura misteriosa que assume a forma daqueles que mata e parece querer capturar o garoto a qualquer custo. Depois de deixar um rastro de sangue, Liam consegue ajuda e foge com aqueles que vão se tornar sua nova família.
O tempo passa, Liam já é um adolescente e a vida segue normalmente. Mas o tal ser maligno, que nunca se cansou de procurar o garoto, finalmente o encontra. E é aí que o jogo começa.

Depois desse breve resumo já dá pra perceber que Máscara é um livro que pega fogo do início ao fim, e isso é uma de suas melhores qualidades. Apesar de toda a energia da narrativa, o autor soube dosar momentos de ação, sempre ágeis e de perder o fôlego, com outros de suspense, onde a calmaria sempre esconde uma surpresa macabra. O texto é fluido e nos mantém interessados na história. Por vezes me peguei ansiosa para descobrir qual seria a próxima prova que Liam e seu grupo teriam que passar.
Pois é, não existe só Liam nessa história, apesar desse ser o personagem principal. Existe um grupo constituído por pessoas que participam da primeira prova do garoto, onde ele precisa salvar alguns e matar outros. Aí você já sente o drama e percebe que o autor não está pra brincadeira.

A construção dos personagens também chamou atenção pelos detalhes de cada um. Nesse ponto, o livro me lembrou muito o filme Seven, onde cada um tinha um tipo de pecado principal. Todos do grupo de Liam já cometeram crimes, contudo resta saber as condições em que eles foram praticados, o que pode definir a culpa real de cada um. Mas isso você não descobre de cara, obviamente.

Os capítulos intercalam pontos de vista, mas sem uma ordem definida. No decorrer da obra acompanhamos Liam, como não poderia deixar de ser, mas também temos outras visões como o que acontece com outros membros do grupo, quando estes se separam; a da família de Liam, que está no mundo real; e a do vilão e de suas ajudantes. Ou seja, dá pra ter uma ideia bem ampla do que acontece na história.
Um fato muito importante, que não pode passar despercebido, é a sensação que o livro me causou. Já havia lido obras que me deixaram angustiada, mas foi a primeira vez que fiquei realmente assustada durante a leitura. Os monstros criados por Luiz merecem esse nome. Normalmente, são apresentados na forma de pessoas deformadas e mortas, com atitudes insanas, além de serem maus de verdade. As cenas de tortura chocam e certas atitudes, de certos personagens dão muita raiva. Tudo o que um bom livro deve ter!

Eu poderia ficar horas falando o que Máscara tem de bom, mas aí corre o risco de eu soltar milhares de spoilers, o que tenho certeza que não é o que vocês querem. Sendo assim, faço um pedido: valorizem a literatura nacional, sobretudo os novos e talentosíssimos autores, como Luiz Henrique Mazzaron. Garanto que esse jogo vai conquistar vocês.
comentários(0)comente



Caverna 02/09/2015

Liam é um garoto solitário. Trancado no porão, ele lamenta ao mesmo tempo em que agradece por não estar perto do tio na sala, recebendo agressões sem poder proferir. As coisas mudam quando uma moça que parece um anjo vem resgatá-lo e o manda correr pra polícia que está chegando enquanto ela vai enfrentar o tio de Liam. Da polícia, Liam é mandado pro orfanato já que seus pais haviam morrido anos antes, mas algo parece persegui-lo, algo que deseja tê-lo com tamanha intensidade. 10 anos e loucuras depois, Liam se encontra numa família peculiar. Ele fora adotado por Craig, um dos policiais, e sua esposa Sylvia. Além deles, na casa também mora outras pessoas que não tem laço sanguíneo, mas se tornaram parte da família e precisaram se juntar já que estavam fugindo do massacre que ocorrera na noite em que Liam fora salvo.

Tudo estava perfeito. Cada membro da família tinha sua responsabilidade na casa, e a maré parecia ter abaixado, já que nada suspeito havia acontecido dentro desses 10 anos. Mas após uma determinada festa, Liam fica estranho a ponto de ser levado pro sanatório, onde lá ele se torna uma presa vulnerável. E então Liam percebe que nunca deixou de ser perseguido. Seja lá o que fosse, ainda estava atrás dele, todos os dias. E quando ele acorda já não está mais no sanatório, e sim dentro de um jogo onde ele precisa decidir quem vive e quem morre. De 10 pessoas, ele precisa escolher 5 para jogar ao lado dele. Mas a escolha não é nada fácil a partir do momento que todas essas pessoas são acusadas de algo. Seja assassinato, ser covarde, ou traidora. E no desespero, sem tempo para pensar, Liam escolhe: Georgia, Kiki, Ramon, Mary, Daniel, Kelly e Genevieve. E para chegar ao fim do jogo, eles precisavam se manter juntos. Será que conseguiriam? O que afinal estava esperando por eles por trás daquelas portas?

Ficou meio complexo até agora, não é? Desculpa gente, mas são muitos detalhes. Qualquer coisa a mais que eu soltar se torna um spoiler.

Máscara foi uma surpresa tanto positiva quanto negativa. Não sei o que eu estava esperando ao certo, mas definitivamente não a história que se desenrolou. Com quase 400 páginas, o autor teve a oportunidade de caracterizar com maestria seus personagens, e conseguiu construí-los de uma maneira única. São realmente muitos personagens que aparecem desde o início, e é engraçado como ainda lembramos lá dos primeiros ao chegarmos no final do livro, de tão marcantes eles são em sua própria singularidade. Mas sem dúvidas os que mais se destacam são os do grupo que participam do jogo. Cada um tem um jeito bem diferente do outro, o que nos leva a pensar que aquilo não vai terminar bem, que haverá muitas discussões, que irá tudo por água abaixo. Mas mesmo com todos os poréns, eles crescem. Amadurecem. Mostram quem são de verdade. Aqueles que simpatizamos no início, passamos a ver com outros olhos, enquanto outros nos surpreendem e passamos a admirá-los.

A escrita do autor é fluida e nos envolve com facilidade. A ação e o mistério dá ânsia ao leitor, que avança nas páginas desejando por mais. Os jogos são cruéis, impiedosos, repletos de sangue e um toque de sarcasmo. O mundo de Domus é bem peculiar, algo futurístico pós infecção que devastou a população, mas devo ressaltar que algumas partes ficaram confusas como em relação ao poder de Liam, como ele o adquiriu, e particularmente achei estranho como ele superava as mortes num estalar de dedos. Tudo bem que ele mal tinha tempo pra respirar, mas. Sei que esse é só o primeiro volume, mas senti falta de algumas respostas, de forma que o autor joga não só com Liam, mas com o leitor também. E chateada por o segundo volume ainda não ter saído, viu :( foi frustrante chegar ao fim e não ter as explicações, é de arrancar o cabelo haha

site: http://caverna-literaria.blogspot.com.br/2015/09/mascara.html
comentários(0)comente



Ani 10/07/2015


Máscara – A vida não é um jogo é o primeiro livro do autor Luiz Henrique Mazzaron. A obra é divida em partes e eu não sei por onde começar essa resenha.

Começamos conhecendo Christina e Kevin, um casal jovem que anseia pelo primeiro filho. Em uma madrugada, alguém toca a campainha e assustados, ambos descem para saber quem incomoda. Ao chegar à porta encontraram um bebê. Era como um presente de Natal. O casal resolve cuidar do menino, que recebe o nome de Liam.




Os pais de Liam são assassinados quando ele ainda era um recém-nascido e seu tio, um ex-militar carrasco, quem cuida do menino. Cuidar não é a palavra certa. Sergey fazia de Liam seu escravo, espancava a criança sem dó e o deixava com fome. Os vizinhos que sempre acompanhavam as cenas de tortura resolveram denunciá-lo. Lisa, a assistente social resolve visitar a casa da “família” para constatar se há ou não maus tratos.
Quando isso é constatado, Lisa avisa para Liam fugir o mais rápido que puder. Não vou contar mais que isso, pois, o meu medo de soltar um spoiler é enorme.




Luiz, como eu disse ali em cima, dividiu a obra em algumas partes, são seis partes cada uma delas dividas por capítulos e cada capitulo por cena. Parece confuso né? Mas não é, na verdade isso é genial, a obra ganha um dinamismo sem fim por causa disso. Cada cena condiz com um dos participantes do jogo. O que mostra como o personagem está sentido e o que está acontecendo nos ambientes. Máscara é narrado em terceira pessoa que nos descreve o ambiente – o jogo se passa em Domus, uma cidade futurista – e todas as caracteristas das personagens.




Não há um personagem que não seja trabalhado, a história se passa em torno de Liam, mas todos os coadjuvantes são bem descritos e com uma carga de vida e emocional incrivelmente trabalhada. Passamos o livro inteiro sofrendo ao ver as provas que Nero os obrigava a cumprir – todas no estilo Jogos Mortais, com direito a agulhas e olhos arrancados – e loucos para entender o porquê daquilo tudo estar acontecendo.
Justamente essa espera que me incomodou um pouco, fiquei me perguntando quando as minhas dúvidas seriam sanadas, o autor brincou comigo e com Liam durante todo o enredo. A escrita do Luiz ainda precisa de um pouco mais de amadurecimento e de revisão, achei alguns erros – que não tirava o brilho da obra, mas que para os mais exigentes seriam um problema. E senti um pouco de falta de saber o que aconteceu no “mundo real” durante o final do livro.
Sobre a diagramação ela é bem simples, com folhas amareladas, fontes agradáveis, a capa e a contra capa traz todo o estilo sombrio do livro. Um trabalho muito bem feito.




Essa obra faz parte da série Máscara e ainda não teve seus outros livros lançados. Para quem só vai ler depois dos demais livros, um aviso: não precisa esperar. Sim, o livro tem um final aberto, mas todo o enredo que o Luiz criou vale a pena à leitura e a espera para as próximas aventuras dos sobreviventes.

"O jogo ainda não havia acabado."



site: http://www.entrechocolatesemusicas.com/2015/07/mascara-luiz-henrique-mazzaron.html
comentários(0)comente



Gisa 23/06/2015

Oii galerinha, tudo bem??? Hoje eu vim aqui para falar de um livro bastante conhecido na blogsfera e muito elogiado. E estou aqui para colocar mais elogios a essa história e autor, heheh. Então que tal parar de enrolar e enrolar e conhecer???

Sempre fico com um pé atras quando um livro é muito elogiado por todos. Sinceramente, até tenho um pouco de medo de ler um livro destes. Mas claro que quando um livro é muito bem comentado, a gente acaba ficando curioso. Foi assim que eu conheci e coloquei na minha lista de desejados o livro Máscara.

Muito tempo depois, surgiu a oportunidade de fazer uma parceria com o autor. E claro que eu não ia perder essa chance. E agradeço ao autor, que é um querido e que me deu essa oportunidade e a Fê, minha linda, que foi quem fez toda a ponte dessa parceria.

Mas vamos parar de lenga lenga e vamos conhecer um pouquinho dessa história?

Máscara, vai contar a história de Liam, um menino que vive com o carrasco tio. O tio é o demônio na Terra e até mesmo tranca o menino no quarto abaixo da escada Á lá Harry Potter
Mas um dia, uma moça vai socorrê-lo e acontece uma sucessão de acidentes que termina na morte do tio, no sumiço da moça, na morte de alguns policiais e muitas outras coisas sinistras.

E então todo esse episódio bizarro é arquivado e esquecido por 10 anos.

Porém, passado esse tempo, novos acontecimentos se sucedem. Pessoas próximas de Liam desaparecem, ele começa a ter visões e ouvir vozes, algumas mortes sem explicação surgem.

Então quando Liam se dá conta, ele está participando de um bizarro e macabro jogo, envolvendo zumbis, mutilações Á lá Jogos Mortais em um universo paralelo chamado de Domus.

A primeira coisa que me chamou a atenção, foi algumas semelhanças entre os filmes Jogos Mortais e o livro Máscara. Para quem não sabe, eu não olho filmes de cortes e sangues e decapitações e coisas do tipo. Mas adoro livros que jorram sangue.
Mas pelo que sei , informação obtida de um especialista, meu pai, as semelhanças são apenas na questão do jogo sinistro, do senhor do jogo misterioso e de alguns truques macabros. Mesmo assim, acho que quem curte esse tipo de filme, ia amar esse livro.

Mas em Máscara, temos mais do que isso. Temos toda a história de cada um dos personagens e de como eles chegaram até ali. Temos uma realidade alternativa bastante estranha, mas muito criativa. Temos personagens que nos apegamos mesmo que não devamos fazer isso, temos mistérios a serem descobertos e claro, impossível de não mencionar, temos a escrita do autor que é simplesmente maravilhosa. Sem exageros, o autor sabe usar as palavras. Apesar do livro ter seu lado pesado, a escrita do autor é muito fluída o que facilita e muito, nossa entrada na história e até nos jogos.

Só tenho uma crítica a fazer e se não fizer, não será eu, hehhe é que eu achei que o livro terminou sem fim. Teremos sim, uma continuação que já está escrita, e provavelmente teremos mais alguns volumes depois. Então entendo o motivo para que nem todos os mistérios sejam resolvidos. Mas gosto quando um livro tem começo, meio e fim. E esse fiquei com a sensação de que iriamos para o intervalo. Sabe, quando a gente olha sessão da tarde e o filme é cortado para as propagandas? Foi essa a sensação que eu tive. Mas claro que essa foi a minha impressão e pode ser por que eu estava tão envolvida que não queria que acabasse, hahaha. Então leia e tire suas próprias conclusões.

Por fim, acho que não faz sentido indicar esse livro não é mesmo? Se todos os elogios acima não te convenceram, minha indicação aqui não fará isso, hahah. Mesmo assim, LEIA!!!

O autor, está tentando publicar a continuação com a Dark Side e para isso, fez uma grande campanha, que nós aqui do PE não podemos ficar de fora.
Por favor Dark publique o Luiz. Nós merecemos a continuação, hahahha

site: http://profissao-escritor.blogspot.com.br/2015/06/mascara-vida-nao-e-um-jogo-luiz.html#comment-form
comentários(0)comente



Lari 18/06/2015

Um nacional incrível
Minha sinopse:
Em "Máscara" conhecemos Liam, um garoto que durante a sua infância sofreu muito na mão de seu tio, até o dia em que uma mulher aparece para ajudar o garoto, mas depois disso todos que se envolvem no caso de Liam correm perigo, por isso um policial foge com Liam e mais algumas pessoas.
Passa alguns anos e todos estão felizes e seguindo a vida deles, mas então Liam começa a ser perturbado por algo e pessoas começam a sumir. De tão perturbado que o garoto estava ele foi mantido em um manicômio e é lá que o ser que estava perseguindo ele o captura.
Depois disso Liam acorda em uma sala com várias cabines com pessoas dentro, uma voz diz que ele pode salvar algumas e outras irão morrer, mesmo com pena das pessoas, Liam escolhe algumas e essas pessoas se tornam suas companheiras no jogo de Domus.

Minha opinião:
Fazia um tempo que eu não lia algo diferente e esse livro me tirou da minha zona de conforto literária, esperava que ele fosse me agradar, mas não esperava que iria me envolver tanto com a história como me envolvi.
A narrativa do autor é super envolvente, a história te prende do início ao fim e você consegue visualizar o que está acontecendo na sua mente com facilidade, além disso todos os personagens possuem alguma característica forte que irá te conquistar.
A história em si do livro eu achei muito interessante e por vezes imaginei como seria assistir um filme com esse enredo, porque para mim "Máscara" daria uma boa história de filme, uma incrível e aterrorizante.
As provas que acontecem no jogo são terríveis e chegam até a causar arrepios, porque elas são extremamente desumanas e tristes, sem contar que nunca dava para saber se Liam devia confiar na palavra da voz do jogo ou não, pois a mesma não é confiável.
O criador do jogo não aparece muito, a gente não sabe o que ele realmente é, mas esse mistério todo só nos deixa ainda mais curiosos com o livro e sua futura continuação.
Durante a história vamos descobrindo um pouco sobre os personagens, o desenrolar da vida deles vai aparecendo de forma devagar e ao terminar o livro não sabemos sobre todos eles, e isso é outro ponto que serve para deixar o leitor ainda mais curioso com o próximo livro.
E mesmo o livro deixando várias dúvidas em nossas cabeças, ele não nos confunde com nada, é tudo narrado da melhor forma possível e é por isso que a leitura se torna tão agradável.
A capa do livro é simplesmente incrível, ela representa bem o desespero de Liam no jogo, além disso ela é muito bonita, tendo o título e subtítulo do livro em relevo. Por dentro o livro está bem simples, mas muito agradável, as folhas são amareladas e o tamanho da fonte está ótimo.
A história é bem instigante, ela faz com que o leitor não queira mais soltar o livro até terminá-lo, por isso a leitura é tão fluida, além disso os capítulos são curtos e a diagramação agradável facilita bastante a leitura também.
"Máscara" foi uma leitura extremamente agradável, o autor conseguiu me envolver na sua história de uma forma que fazia tempo que eu não me envolvia com um livro e agora eu estou muito curiosa para a continuação.
Enfim, para quem gosta de histórias instigantes e assustadoras que te fazem devorar o livro, eu super recomendo essa, pois tenho certeza que você não vai querer largar o livro até ter concluído a leitura e no final vai sentir aquela necessidade de saber como tudo vai continuar e aquela tristeza por não ter a continuação em mãos.

site: http://srtabookaholic.blogspot.com.br/2015/06/resenha-mascara-luiz-henrique-mazzaron.html
comentários(0)comente



Rosana - @tudoquemotiva 08/06/2015

Um suspense com algo bem mais surreal, fantasioso, sádico e emocionante.
A história começa com um prólogo sobre um casal que não podia ter filhos, ate que um dia misteriosamente um neném aparece em sua porta. Ninguém sabe quem deixou a criança lá e como ela essa criança surgiu, sem ter qualquer informação esse casal então decide tomar conta desse neném até aparecer alguém, até aparecer os verdadeiros pais, porém isso não acontece. Anos depois (já na parte um do livro) conhecemos Liam, uma menino de apenas sete anos que vive grandes dificuldades sob custódia do tio. Liam nunca foi a escola e mora em um quartinho embaixo da escada, porém é óbvio que ele não suporta mais isso. Certo dia aparece uma moça da assistência social para ver como anda as coisas na casa do pobre menino, coisas estranhas acontecem e Liam acaba ficando sozinho no mundo.

Apesar de não ter mais o tio para aporrinhá-lo, outra estranha presença acaba por surgir em sua vida. Porém essa outra presença, ou entidade como queira, leva Liam para outro nível e passa a persegui-lo não o deixando em paz até que ele entra no jogo em um mundo completamente surreal, chamado Domus. Nesse mundo, Liam encontrando outras pessoas que, mesmo não querendo, participam dos jogos sádicos dessa entidade bizarra. Pode-se esperar muita situações de medo, pavor, correria, mortes, muitos enigmas e muitas perguntas e momentos de tirar o fôlego e o sono!

O livro é dividido em cinco partes: Massacre, Recomeço, Jogo, A cidade onde os sonhos morrem e Tormenta. Cada parte do livro conta um momento diferente da vida de Liam e das pessoas que o cercam. Máscara é uma mistura de Jogos Mortais com algo bem mais surreal, fantasioso, sádico e emocionante. Muito mistério e suspense que faz o leitor devorar o livro. Demorei bastante para fazer a resenha, pois estava complicado colocar as ideias no lugar. Parece que palavras não são suficientes entende? haha

Nota: 5/5. Eu gostei MUITO do livro! O Luiz soube como escrever um livro de suspense e com muito mistério, a ponto de não conseguir dormir enquanto não terminava determinada parte do livro. Tem umas passagens bens intensas e sanguinolentas, mas que fazem sua imaginação ir a mil. O livro tem muitos momentos ótimos, mas não vou dizer pois não quero dar nenhum spoiler, só recomendo que você leia o livro e o quanto antes, melhor!

site: http://www.tudoquemotiva.com/2015/06/mascara-luiz-henrique-mazzaron.html
comentários(0)comente



Juliana 16/05/2015

Havia uma moça de um olho só no meu sonho...
Imagine seu pior pesadelo. Aquele que te faz acordar suando, ofegante, com aquela sensação estranha atrás da nuca... Que imagem lhe vem em mente? Um monstro? Uma sombra? Alguém que você não gosta?
Seu pior pesadelo vai ganhar novos personagens.
O meu pesadelo ganhou. Uma garota de um olho só, e uma enfermeira com um rostinho nada convencional. E isso é tudo culpa do Mazzaron!
Bom, comecei essa resenha assim, para ilustrar o poder que os personagens e o enredo de Máscara podem exercer sobre o leitor. No início eu pensei: é um livro de terror. Ao final eu pensei: caramba, era um livro de terror!

Fui absorvida pelo mundo de Liam em poucas páginas. A história mostra desde seu nascimento e seus vários modos de ficar órfão, again, again, and again. O pobre Liam já tem o destino traçado, e não é para o bem. Depois de fugir com o policial Craig e mais uns companheiros, uma nova família nasce para Liam, porém ele não pode escapar por muito tempo.

Queria poder não dar nenhum spoiler, então serei bem básica. O enredo conta com cenas sanguinárias, personagens incríveis e o modo de narrar do Luiz é bem imaginativo, fazendo com que o leitor veja tudo como se fosse em um filme.
Várias perguntas são feitas ao longo da narrativa, pois ficamos perdidos sem saber por que o Liam é tão perseguido, por que todas as famílias dele são destruídas, por que os mortos levantam do chão, quem é o homem da máscara... E o que é o tal Jogo? Por que todas aquelas vidas estão nas mãos do garoto?
E quando você acha que já viu os melhores personagens, outros ainda melhores são inseridos na trama. Não me simpatizei tanto com os primeiros, como com os que aparecem depois que o jogo começa. Mas... minha grande favorita é a Genevive, isso porque, sem que eu percebesse, a moça invadiu um pesadelo meu com seu único olho. Okay... sem mais spoilers.

Tenho que confessar que em alguns momentos quis dar um tapa na cara do Liam para ele reagir mais firmemente, mas eu virava a página, e lá estava ele, me surpreendendo.

Enfim... o Mazzaron tem um talento incrível, e tem tudo para despontar na literatura nacional como um nome forte no gênero terror. Além de ter tido a honra de ter meu livro lido por ele, pude ser sua leitora, e com isso virei fã. No que depender de mim, muitas pessoas conhecerão esse garoto que é um primor! Hahahahah

Agora quero a continuação. O jogo ainda não acabou, não é?
comentários(0)comente



Rick 03/05/2015

INCRÍVEL!
Começa essa resenha dizendo que "Máscara" é um dos melhores livros de terror/suspense que li. E a satisfação fica ainda maior quando lembro que o autor é nacional e que escolheu esse cantinho para divulgar sua obra.


Em "Máscara" acompanhamos a vida de Liam, um garoto que ficou órfão pela segunda vez e foi adotado pelo tio ex-militar. Liam é muito jovem, mas sua convivência com a dor é perturbadora. Seu tio é um crápula, tortura o garoto com seus castigos excessivos. Porém, Liam enxerga um saída daquele inferno. As coisas não acontecem como esperado e Liam se vê órfão novamente.


Liam parece atrair a morte, sua situação se torna cada vez mais macabra e assustadora. Tentando proteger o garoto, um dos policias foge com o garoto e outras pessoas que correm perigo. Sua vidas estão ligados pela morte e sofrimento. Durante um tempo a vida daqueles pessoas seguem normalmente. Até que uma festa muda a roda da vida completamente.


Liam desaparece e acorda em um lugar totalmente diferente. Um mundo feito sobre destruição e dor. E logo que o garoto chega naquele lugar é incumbido de uma tarefa; a dez pessoas e a vida deles estão na mão dele. Ele precisa escolher cinco para continuarem vivas. Diante das pessoas há suas características. Eu pergunto a vocês quais pessoas escolheriam dentre: 

ESTUPRADOR, ASSASSINA, TRAIDORA, COVARDE, TRAPACEIRA, INDIFERENTE, CORRUPTO, INVEJOSO, LADRÃO E SÁDICA.

A partir de suas escolhas, um jogo mortal se inicia. Vida e morte se entrelaçam nessa obra singular.

Luiz nos leva em um passeio pelos horrores da mente humana e mostra que todos temos luz e trevas em nossos corações. O desenvolvimento dos personagens também é notável. Eles precisam superar seus medos se quiserem terminar esse jogo com vida. O suspense e o terror na narrativa são dignos dos grandes roteiros do cinema. É até difícil explicar com palavras o quanto gostei de Máscara. Se você gosta de terror e suspense, simplesmente, leia. Se não gostar, também leia, vai que esse livro te chame a atenção.


Máscara vai tirar seu sono e fazer você escolher o seu favorito nesse jogo de gato e rato ao melhor estilo "Jogos Mortais.

comentários(0)comente



Angel 13/04/2015

Eletrizante!
Liam não teve uma infância fácil e nem normal.
Depois que seus pais adotivos foram brutalmente assassinados quando ele ainda era um bebê, passou a viver com um tio sádico e odioso, que o escravizava, obrigando-o a fazer serviços domésticos enquanto o porco bebia, comia e assistia TV, entre outras coisas.
Mas um dia esse sofrimento chega ao fim quando uma mulher misteriosa o resgata, arriscando a própria vida, mas nesse momento o que Liam não imaginava é que tudo poderia piorar e uma criatura misteriosa começa uma caçada desenfreada por Liam e deixa um rastro de sangue e mortes por onde passa.
Com a ajuda do policial Craig, e juntamente com algumas outras pessoas, Liam consegue escapar de tal criatura e começando uma nova vida, longe de tudo de ruim que aconteceu.
Anos após o ocorrido, novamente coisas estranhas começam acontecer na vida de Liam, até que um dia ele se vê em um local estranho, com pessoas desconhecidas, dentro de um jogo em que eles são os peões, e qualquer deslize pode levá-los à morte.

"Os dois se encaravam e, num piscar de olhos, uma luta foi travada entre os dois. Liam queria ficar olhando aquela cena curiosa, queria descobrir o que aquilo significava. Mas algo lhe cobriu os olhos e a boca, e ele caiu na mais profunda escuridão."

Faz uma semana que terminei a leitura, só agora criei coragem de escrever essa resenha. O livro é muito bom, mas me deixou com muito medo e já explico o motivo.

Ao chegar no Domus, Liam e este grupo de pessoas cuja a única coisa em comum é que todos tem algum segredo, seja um passado sujo ou outra coisa, menos ele próprio, afinal ele é só um adolescente que sofreu muito durante a infância e não cometeu nenhum "pecado" que o elevasse ao nível de seus companheiros de jogo, enfim, ao começarem explorar esse mundo, eles percebem que é muito parecido com o nosso, com a diferença que a população foi dizimada e o mundo está dominado por zumbis, e além de tentar entender o que está acontecendo, o motivo de estarem ali, passando por todos aquelas provas doentias, tem que lutar contra os malditos zumbis e tentar conviver em grupo, tarefa nada fácil, devido às diversas personalidades de cada um. E não bastasse tudo isso, Liam é submetido a vários testes isolados, por estranhas criaturas mascaradas e precisa de muita coragem e sangue frio para passar por eles, não vou dizer o motivo para não dar spoiler.
Mas a grande questão é: por que somente o Liam passa por tais provações, o que ele tem de diferente dos outros?
Bom, esse é um mistério que será revelado no momento certo.

O livro é narrado em terceira pessoa, o que nos possibilita saber o que está acontecendo com Craig aqui no mundo real, como está a busca por Liam, como estão as pessoas que conviviam com ele.
O ritmo da narrativa é eletrizante e apesar do medo, eu não conseguia parar de ler, tanto que quando faltava umas 120 páginas não consegui dormir até terminar. Agora me imaginem aqui, morrendo de medo na sala (de madrugada) lendo Máscara e começo escutar sons estranhos vindo do outro lado da porta? Tenso né? hahaha!

Agora vou contar uma coisa para vocês que poucos sabem: morro de medo de zumbis, The Walking Dead, Resident Evil, não assisto! Morro de medo dos malditos, agora imaginem como me senti quando o primeiro apareceu na trama? Minha alma quase saiu do corpo de tanto medo, e agora aqui lembrando deles estou com medo de novo.
Apesar do medo, o fato de ter zumbis na história não diminuiu ou atrapalhou o meu ritmo de leitura, pois o livro é muito, muito, muito bom, a escrita do Luiz é muito fluida, e o livro não fica cansativo em momento algum, tudo acontece muito rápido.
Os personagens são bem construídos, e apesar de até certo ponto do livro não conseguirmos captar exatamente o que e por que acontece cada coisa, tudo é esclarecido ao longo do "jogo".

"-Sabe o que o se humano faz para mascarar seus sentimentos na maioria das vezes?
-O quê?
-As pessoas sorriem. Sorrisos falsos. Máscaras. É isso que me fascina em vocês."

Ahh, e não poderia deixar de falar do final do livro: não tenho nem palavras para descrever o que senti com aquele final, me deixou totalmente com o coração na mão, totalmente inesperado e fiquei pensando: "Luiz cruel". Acho que reli umas 3 ou 4 vezes as a última parte do último capítulo.

E por falar em última parte do último capítulo, o livro é dividido em 6 partes, 50 capítulos, além do prólogo (que é bem perturbador), e cada capítulo é dividido em várias partes, que como eu já disse, deixa a história com um ritmo eletrizante.



site: http://a-libri.blogspot.com.br/2015/04/resenha-mascara-vida-nao-e-um-jogo-luiz.html
comentários(0)comente



64 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5