A Mulher do Viajante no Tempo

A Mulher do Viajante no Tempo Audrey Niffenegger




Resenhas - A Mulher do Viajante no Tempo


224 encontrados | exibindo 46 a 61
4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 |


(n)Ana 25/08/2014

O filme é melhor que o livro
Eu não consigo acreditar que uma história que tinha tudo pra ser MARAVILHOSA possa ter sido tão fenomenalmente estragada por dois chatos como Claire e Henry. Se qualquer outro casal - qualquer - tivesse vivido essa situação teria sido melhor. Mas eles são horríveis: construídos para parecerem melhores do que todo mundo, e ao mesmo tempo com atitutes absolutamente deturpadas e imorais e problemas emocionais clichê!
O problema maior é que a autora quis escrever um livro em que a natureza humana fosse dissecada romântica e tragicamente, e para isso jogou os personagens na arena 'viagem no tempo'. Só que ela errou na receita: os personagens são toscos (o tipo de gente que não se quer conhecer e muito menos ler um livro a respeito) e o aspecto das viagens no tempo é genial! Por favor, menos desse romance pateta e mais do intrincado esquema de datas! - era o que eu pensava enquanto lia. E não é que eu não goste de ler romances, é que não tenho paciência para romances ruins. Além disso, o livro tem passagens vulgares ABSOLUTAMENTE desnecessárias. Eu não entendo.
E meu Deus, o que é aquele final?!Não a última cena, mas uma das últimas. Putz, pra quê?? Por quê??
Recomendo por causa das viagens no tempo. Sim, elas superam expectativas.
Sobre o filme: é melhor porque ao condensar eles cortaram muita coisa desnecessária, que fazia do livro uma porcaria. E pra adequar aos padrões de Hollywood eles consertaram um pouco os personagens (geralmente isso não dá certo, mas aqui veio a calhar). Ficou fofinho e ainda deu pra curtir o deslocamento temporal do Henry. Uma sessão da tarde boa.
comentários(0)comente



Sarah 26/07/2014

O tempo não é nada
Eu amo o filme, que por algum motivo aqui no Brasil ganhou o nome de "Te Amarei Para Sempre". É... Não foi legal, porque não tem nada a ver com o título original, convenhamos.
Em "A Mulher do Viajante no Tempo" Henry sofre de um distúrbio genético raro. De tempos em tempos, seu relógio biológico dá uma guinada para frente ou para trás, e ele se vê viajando no tempo, levado a momentos emocionalmente importantes de sua vida tanto no passado quanto no futuro. Causados por acontecimentos estressantes, os deslocamentos são imprevisíveis e Henry é incapaz de controlá-los. A cada viagem, ele tem uma idade diferente e precisa se readaptar mais uma vez à própria vida. E Clare, para quem o tempo passa normalmente, tem de aprender a conviver com a ausência de Henry e com o caráter inusitado de sua relação. Apesar de tudo, apesar dela se sentir uma mulher de marinheiro, que fica a mercê esperando a volta (e se houver a volta) de seu amado, ela ama Henry com todas as forças do seu coração e não se arrepende de ter se envolvido com ele... Bem, desde a infância.
O livro não é confuso, sério. Achei que seria e ficaria igual barata tonta, mas não. No fim, exatamente tudo se encaixa. E critica também bastante as pessoas, como um pai se reclusa após a morte da esposa deixando de cuidar de um filho, como um cara com uma vida complicada pode encontrar meios ruins para fugir dela no começo da vida adulta, como certas pessoas não conseguem viver tudo o que há na vida e simplesmente dão um fim a si mesmo, como existem amigos filhos de uma égua, que são comprometidos, mas ainda assim dão em cima (e etc) em cima de outras mulheres, como algumas pessoas só sabem criticar as outras e como os adultos são tão adultos e só acreditam em uma coisa quando estão bem diante de seus olhos. Não estou caracterizando Clare ou Henry, mas os outros personagens em um geral.
Muitas coisas acontecem nesse livro, muitas coisas estão envolvidas, muitas viagens que no final encaixam perfeitamente e você fica um tempo, parado, perplexo pensando sobre tudo aquilo. Eu chorei várias vezes durante a leitura, não por ter um final feliz conquistado com muito afinco ou por um final triste que terminou em tragédia, mas pelo final real que mais cedo ou mais tarde aconteceria com esse incrível e diferente casal.
Apesar de não ter amado como imaginei que amaria (acho que não capitei a essência que todos os outros viram), o livro ainda assim, é muito bom, cheio de cultura musical, livros, arte e com toda certeza vale a pena ler! Deu até uma ressaquinha literária!
comentários(0)comente



Thais 25/07/2014

Simplesmente apaixonante, li 4 vezes em menos de um ano porque não admitia abandonar essa história e essas personagens cativantes. Me emocionei, me decepcionei, chorei, me empolguei.. virei cada pagina pedindo por mais. Um dos melhores livros que já li quando se trata de sentimento.
ps: O filme acabou com a história :(
comentários(0)comente

Camis 29/07/2014minha estante
Bom saber que o filme acabou com a história pois no mesmo dia que comprei o livro o filme passou na TV e eu assisti! Meio que perdi a vontade de ler depois, mas creio que seu comentário era o que faltava pra eu me empolgar novamente com ele!!!




Jessica 25/06/2014

O livro ás vezes me confundia um pouco pelo fato da estória transcorrer do passado, presente e futuro mas valeu a pena le-lo.
Um ótimo romance, surpreendente e de tirar o fôlego.
comentários(0)comente



Arca Literária 10/06/2014

A Mulher do Viajante no Tempo
Bom, faz um tempinho que terminei de lê-lo, e achei melhor escrever antes de me esquecesse sobre tantas coisas que existem nesse livro. Antes de tudo eu havia visto o filme alguns anos atrás e fiquei realmente despedaçada pelo que aconteceu. E esse ano terminei por comprá-lo.

Uma das coisas boas que achei deste livro é que como o assunto é viagem no tempo ocorre que, se mal escrito, você pode acabar se confundindo com os acontecimentos. O que não aconteceu com este livro. Ele era contado sempre colocando a idade tanto de Clare e de Henry. O que facilitava a compreensão.

A história começa com um Henry de 28 anos e de uma Clare de 20 anos. Este Henry não a conhece, mas ela o conhece. Estranho não? O mais bacana é que tudo isso tem uma lógica. Henry ia visitá-la quando ela era mais nova, quando ele era mais velho. Então pela lógica ele não iria conhecê-la, mas ela já sabia de sua existência havia 14 anos, se não me engano. Ela feliz por que finalmente encontrou com o Henry do presente começa a bombardeá-lo de informações. Algo que vi que seria normal de acontecer. A história vai seguindo e eles vão ficando firmes no namoro. Mas mesmo assim as viagens de Henry continuam constantes o que faz com que Clare fique sozinha.

"Você fica acordada na cama se perguntando se eu sou uma brincadeira que Deus está fazendo com você?
- Não. Fico acordada com medo de que você possa desaparecer e nunca mais voltar".

Acontece que enquanto a Clare do presente ficava sozinha a Clare do passado estava recebendo essas tão aguardadas visitas. Era algo como ganhar e perder. Quando essas viagens aconteciam ele não poderia levar nada que não fosse seu. O que eu achei bacana, mas isso dificultava a sua vida, pois ninguém iria reagir normal se um homem de repente aparecesse do nada nu na sua frente. Por isso Henry foi preso algumas vezes e teve que roubar.

"Para mim, o futuro é como uma caixa de chocolates fechada".

A história do livro em geral é sobre eles tentando fazer com que essas viagens parassem de ocorrer, e para isso eles contaram com a ajuda de um médico que eles já sabiam que iriam conseguir fazer com que acreditasse nessa total loucura de viagem no tempo. E depois a maior parte das páginas é sobre eles tentando ter uma criança. Era realmente algo muito difícil, por que o bebê ficava viajando e isso fazia com que ele morresse. Achei bem dolorosa a quantidade de vezes para que eles finalmente tivesse conseguido manter uma gravidez. Achei que o livro poderia ter terminado de uma forma mais feliz, mas não vou dizer que não me emocionei com o final.

"Eu nunca vou lhe deixar, mesmo que você sempre esteja me deixando"

Achei muito lindo e fiquei pensando como ela deveria ter se sentido com a visita dele. Realmente muito bonito. Não vou contar por que não gosto de dar Spoiler! Principalmente do final. Só sei que sim, vale a pena ler! Espero que tenham gostado :D Até mais o/

___________

Resenha de Jessica Guimarães, resenhista do Arca Literária e do blog Hora da Leitura

site: http://horadaleitur.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Jéssica 01/06/2014

Resenha - Hora da Leitura
Bom, faz um tempinho que terminei de lê-lo, e achei melhor escrever antes de me esquecesse sobre tantas coisas que existem nesse livro. Antes de tudo eu havia visto o filme alguns anos atrás e fiquei realmente despedaçada pelo que aconteceu. E esse ano terminei por comprá-lo.

Uma das coisas boas que achei deste livro é que como o assunto é viagem no tempo ocorre que, se mal escrito, você pode acabar se confundindo com os acontecimentos. O que não aconteceu com este livro. Ele era contado sempre colocando a idade tanto de Clare e de Henry. O que facilitava a compreensão.

A história começa com um Henry de 28 anos e de uma Clare de 20 anos. Este Henry não a conhece, mas ela o conhece. Estranho não? O mais bacana é que tudo isso tem uma lógica. Henry ia visitá-la quando ela era mais nova, quando ele era mais velho. Então pela lógica ele não iria conhecê-la, mas ela já sabia de sua existência havia 14 anos, se não me engano. Ela feliz por que finalmente encontrou com o Henry do presente começa a bombardeá-lo de informações. Algo que vi que seria normal de acontecer. A história vai seguindo e eles vão ficando firmes no namoro. Mas mesmo assim as viagens de Henry continuam constantes o que faz com que Clare fique sozinha.

"Você fica acordada na cama se perguntando se eu sou uma brincadeira que Deus está fazendo com você?
- Não. Fico acordada com medo de que você possa desaparecer e nunca mais voltar".

Acontece que enquanto a Clare do presente ficava sozinha a Clare do passado estava recebendo essas tão aguardadas visitas. Era algo como ganhar e perder. Quando essas viagens aconteciam ele não poderia levar nada que não fosse seu. O que eu achei bacana, mas isso dificultava a sua vida, pois ninguém iria reagir normal se um homem de repente aparecesse do nada nu na sua frente. Por isso Henry foi preso algumas vezes e teve que roubar.

"Para mim, o futuro é como uma caixa de chocolates fechada".

A história do livro em geral é sobre eles tentando fazer com que essas viagens parassem de ocorrer, e para isso eles contaram com a ajuda de um médico que eles já sabiam que iriam conseguir fazer com que acreditasse nessa total loucura de viagem no tempo. E depois a maior parte das páginas é sobre eles tentando ter uma criança. Era realmente algo muito difícil, por que o bebê ficava viajando e isso fazia com que ele morresse. Achei bem dolorosa a quantidade de vezes para que eles finalmente tivesse conseguido manter uma gravidez. Achei que o livro poderia ter terminado de uma forma mais feliz, mas não vou dizer que não me emocionei com o final.

"Eu nunca vou lhe deixar, mesmo que você sempre esteja me deixando"

Achei muito lindo e fiquei pensando como ela deveria ter se sentido com a visita dele. Realmente muito bonito. Não vou contar por que não gosto de dar Spoiler! Principalmente do final. Só sei que sim, vale a pena ler! Espero que tenham gostado :D Até mais o/

site: http://horadaleitur.blogspot.com.br/2014/01/a-mulher-do-viajante-no-tempo-bom-faz.html
comentários(0)comente



Marcos Rodrigue 26/05/2014

Excelente.
Livro bem escrito, com encadeamento, emocionante e muito bom.
Simples assim.
comentários(0)comente



Dreeh Leal @blogmaisquelivros 09/05/2014

A mulher do viajante no tempo, Audrey Niffenegger
Henry não pode viver sua vida como uma pessoa normal, ele até tenta, mas nem sempre com êxito. Isso porque ele sofre de um raro distúrbio genético que faz com que ele viaje no tempo. Sem avisar, seu relógio biológico da uma virada e leva ele tanto para o passado quanto para o futuro. Essas viagens são causadas normalmente por momentos de stress, e ele não tem nenhum controle sobre quando vai acontecer ou onde ele irá parar. Sem poder levar uma única peça de roupa – ou qualquer outra coisa – consigo, ele acaba passando por momentos complicados e por isso tem de aprender a se virar sozinho. Desde criança foi assim. Clare por outro lado vive sua vida normalmente e tem de aprender a lidar com as peculiaridades do relacionamento deles. Clare o conhece desde criança, mas ela sempre conheceu o Henry do futuro, nunca o do presente. A trama de desenvolve, em sua maior parte, com base nesse encontro. E tudo o que você espera de um livro, você encontra aqui e muito mais!

Eu posso escrever um testamento sobre esse livro, e mesmo assim eu nunca conseguirei passar com precisão tudo aquilo o que ele representa. O livro se divide em três partes e se subdivide em capítulos, no inicio de cada um deles vem indicado à data e a idade dos personagens. No inicio eu demorei a me situar um pouco, mas isso não demorou mais do que três capítulos. Quando penso que esse foi o primeiro romance que a Audrey Niffenegger escreveu fico abismada. Ela escreve de uma forma tão envolvente! Rica em detalhes e o enredo é de uma criatividade.... Ela conseguiu estruturar a doença de Henry de uma brilhante. Eu me atreveria a dizer que foi o enredo sobre viajem no tempo mais criativo e completo que já li.

Existem muito personagens no livro! A família de ambos, os colegas de trabalho de Henry, a amiga que mora com Clare.. Eles são um dos pontos que mais gostei no livro. Bem estruturados, cada um tem seu papel e é responsável por um momento emocionante do livro. A narrativa feita em primeira pessoa pelo casal protagonista passa de forma brilhante todos os sentimentos deles. E são muitos! Em todas essas paginas, são contados cerca de 40 anos de história, que graças a todos os motivos que já falei antes, são muito bem definidos. Não confundido em momento nenhum a cabeça do leitor.

A minha edição é uma pokect, e nunca fiquei tão satisfeita! A Editora Ponto de Leitura faz uma capa relativamente durinha e as folhas são normais! Nada daquelas folhas transparentes mais moles do que jornal. Além de vir com o texto integral. Eu já estou pensando em me aventurar mais com essas edições, principalmente dos livros mais caros haha

É difícil falar sobre as nuances do livro sem dar spoiler. Mais difícil ainda é falar sobre um livro que eu gostei tanto, que mexeu tanto comigo e que com certeza entrou para a lista dos melhores livros já lidos. Então só vou dizer para que leiam esse livro! Vocês irão se emocionar com esse relacionamento nada perfeito e onde eles conseguirem superar todas as dificuldades pelo simples fato de se amarem!

site: http://www.maisquelivros.com/2013/12/resenha-mulher-do-viajante-no-tempo.html
comentários(0)comente



Sarah 04/05/2014

Resenha no blog Sincerando.com, escrita por Sarah Sindorf
"Eu me lembro, eu me lembro. Acordei de manhã e foi tudo um sonho maravilhoso. Mamãe riu, dizendo que viagem no tempo parecia ser uma coisa divertida e que queria tentar também.
Essa foi a primeira vez."

Clare e Henry são um casal. Um casal que se ama, um adora o outro e são completamente apaixonados. Tem vários problemas em seu relacionamento mas um grande problema é que Henry viaja no tempo. Se encontrando em diferentes períodos da vida, com idades com grandes ou pequenas diferenças entre si, o relacionamento dos dois vai se construindo. Através de períodos de ausência, desencontros temporais e problemas normais em um relacionamento vemos uma história de amor com características únicas.

Eu queria ler esse livro há um bom tempo. Queria ler antes de ver o filme mas não aguentei. Assisti o filme há um tempão (e devo assistir novamente em algum momento próximo) e fiquei apaixonada pela história. O romance dos dois é ao mesmo tempo profundo, emocionante, apaixonante, e em alguns momentos, desesperador.

Clare é uma menina que conheceu na infância um homem misterioso, que alegava poder viajar no tempo. Filha de pais ricos mais ausentes e tendo irmãos complicados, Clare cresce com essa mágica a sua volta. Henry é um homem complicado e sofrido, que sofreu a vida toda pelo seu problema: viagem no tempo. Uma hora estava em casa, confortável, e na outra estava pelado em qualquer lugar, qualquer período. Não consegue controlar quando nem para aonde vai.

O relacionamento dos dois é perturbado pelo problema de Henry mas também sofre alguns baques reais. Problemas de relacionamento com a família, de convivência, a ausência dele. Mas os dois mostram um amor palpável e verdadeiro quando enfrentam vários obstáculos para ficar juntos. Uma coisa que me encantou nessa história foi que a autora não teve medo de mostrar que um relacionamento não é felicidade o tempo todo, mas que ter problemas e vários momentos felizes é uma coisa real.
A história traz uma narração deliciosa. Fiquei aterrorizada quando vi o filme, com medo de que quando aquilo se passasse em um livro ficasse confuso. Pelo contrário, consegui me localizar muito bem, mais pela idade dos personagens do que pela data (cada capítulo começa com a data e a idade dos dois). A leitura foi fluída e praticamente não consegui largar. Só me separei do livro para dormir algumas horas.

Outra coisa que me agradou no livro é que a história é agradavelmente dividida entre os dois. Consegui ter um laço tanto com Clare quanto com Henry, pois os dois personagens são muito bem detalhados. Foi um romance diferente dos que estou acostumada a ler, e o toque da viagem do tempo o deixou muito mais interessante e intrigante.

Falando da adaptação, eu a considerei maravilhosa. Algumas coisas do livro não apareceram, mas nada prejudicial. Amei a atuação dos atores e não tenho dúvida de que vou assistir novamente. O filme conseguiu trazer a emoção às telas, e recomendo muito que o vejam. Mas vejam depois da leitura, pois confesso que ter visto o filme estragou as surpresas do livro para mim. Acho que gostaria e me emocionaria ainda mais se não tivesse visto antes.

Estou dando sorte até agora, segundo livro que leio esse ano e que amo. Espero continuar assim!

"- Tenho medo de que você se canse de não poder contar comigo para nada e me largue.
(...)
- Nunca vou largar você - diz. - Ainda que você viva me largando.
- Mas eu nunca quero te largar."

site: http://www.sincerando.com/2014/01/a-mulher-do-viajante-no-tempo.html
comentários(0)comente



Ana Paula 29/04/2014

Adoro!
Uma história de amor nada convencional, muito criativa, diferente e inesquecível. Li A Mulher do Viajante no Tempo em 2011 e até hoje é um dos meus favoritos. É o romance de estréia da escritora Audrey Niffenegger.
O viajante no tempo é Henry, que tem uma característica genética que o transporta para o passado ou o futuro em momentos de forte emoção, sem que ele possa controlar. Esta condição gera uma série de encontros e desencontros ao longo de sua vida, permeada pela incerteza.
A autora criou uma história de viagem no tempo totalmente diferente de tudo. É fascinante acompanhar o desenrolar da história, pois em momento algum conseguimos imaginar o que irá acontecer. E viagem no tempo é sempre uma loucura, não é? Só para você ter uma ideia:
Henry aos 28 anos encontra Clare, com 20 anos em uma biblioteca (este encontro acontece em tempo real e não em uma das viagens dele). Para Henry é a primeira vez que estão se encontrando, para Clare, não! Quando ela tinha apenas 6 anos de idade conheceu o Henry de 36 anos. E foi este primeiro encontro dela que mudou a sua vida sempre.
Clare vive em constante tensão, pois ao lado de Henry nada em sua vida é garantido. Ele desaparece inesperadamente em meio a um jantar ou na lua de mel e volta horas ou até dias depois, por exemplo. Suas viagens representam um constante risco, pois ele nunca sabe quando e onde vai parar. E detalhe, ele se transporta deixando suas roupas para trás. Certa vez, ele volta em uma noite extremamente fria, completamente nu em um estacionamento coberto de neve, sofrendo de forte hipotermia.
Se suas viagens são mais frequentes em momentos de emoção, você pode imaginar o dia do casamento deles? E gerar um filho é uma situação normal para este casal tão incomum?
Bom, eu adoro esta história com suas surpresas e emoções.

site: www.estante-da-ana.blogspot.com.br
Kelly @leituraepaz 14/12/2016minha estante
undefined




Isabela 09/03/2014

Um livro que te faz pensar se seus atos no passado ou presente podem alterar seu futuro. Pensar: será que se eu fosse pela direita e não pela esquerda seria diferente, ou se independente do que fazemos esse/nosso futuro já espera por nós sem temos escolha?
Mostra o amor nos seus altos e baixo. Como a vida é realmente. "já estive nas montanhas mais altas e nos rios mais profundos" (como diria a música).
P.S: Eu sei que não podemos viajar no tempo, dah, contudo a maioria de nós queria poder. Sei la, voltar atrás e des/fazer algo. Ou ver como será o futuro. Esse que temos tanto medo.
Adiei muito terminar esse livro, porque o fim dele era a morte, mas a morte nao é o fim para todo mundo. Para alguns é só um começo, bem dificil.
O livro deixa você em suspenso, porém responde a todas as perguntas. A autora não deixou escapar nada, até aquilo que você já tinha esquecido.
Amei , 5 estrelas não são o suficiente para expressar o quanto me maravilhei com esse livro.
RECOMENDO!!!
comentários(0)comente



Luana Ludmila 11/02/2014

A tempestade e o sol - Catedral
A vida é frágil e viver é um lindo momento quando se sabe amar. Foi preciso eu passar por esse livro para entender o real significado das pessoas da minha vida, aquelas que realmente são importantes e tudo aquilo que de verdade tem valor. Na mulher do viajante no tempo, eu sofri com henry em todas as suas viagens. É uma história sensível aos olhos, nos remete a pensar sobre nossas relações e, acima de tudo, é maravilhosa! É tudo cativante ao extremo, fazendo você não querer largar o livro até chegar ao fim (eu devorei-o em uma semana). E que fim maravilhoso e original! O autor amarra todas as pontas soltas que podem surgir durante a leitura, escreve o final inevitável e te faz ficar com vontade de reler o livro todo assim que chega a ultima página. Mereceu minhas cinco estrelinhas!! Super recomendo.
comentários(0)comente



Ricardo 04/02/2014

Uma estória para ler com atenção, pois presente, passado e futuro se entrelaçam aqui...
Um amor à prova das intempéries do espaço-tempo... Assim conta "A mulher do Viajante no Tempo", este romance de Audrey Niffenegger, que explora em sua estória uma estranha doença genética que faz o protagonista (Henry) viajar no tempo, vivendo uma vida em que passado, presente e futuro se enroscam no tempo... Vale a leitura!
comentários(0)comente



Renata CCS 04/02/2014

“Por si só, o tempo não é nada. A idade de nada é nada. A eternidade não existe.” (Explicação da Eternidade - José Luís Peixoto)

De forma resumida, o livro é a história do casal Henry e Clare. Henry é o tal viajante: ele tem um distúrbio genético que o faz viajar no tempo. Sem mais nem menos, ele desparece e surge completamente nu em outros momentos da sua linha do tempo. Clare é a mulher do título, e passa toda sua infância e adolescência recebendo suas visitas, sempre o vendo com idades diferentes, até que ele a conhece, de fato, aos 28 anos, quando ela tem 20. Parece complicado, eu sei, e acho que foi exatamente isso que me atraiu no livro: o poder de transformar uma história bastante complexa em algo palpável e facilmente reconhecível. Em momento nenhum as viagens ficam confusas para quem lê, pois tudo é muito bem elaborado. E nesse quesito, bizarrices temporais, o livro é ótimo e a autora não se perde: o que ela consegue fazer é contar a história de forma que as diversas lacunas vão sendo preenchidas conforme o personagem principal vai viajando pelo tempo.

O livro é uma espécie de diário de pensamentos dos personagens principais, onde Clare e Henry narram os acontecimentos, e é esta estrutura da narrativa que destacaria como um ponto forte: ao invés de escolher um único narrador, a história intercala os pontos de vista de Clare e Henry, em primeira pessoa, dando humanidade aos personagens com a oportunidade de contar sua própria história, sob seus respectivos pontos de vista.

O que faz essa história de amor banal ganhar ares atrativos é a brincadeira que Audrey Niffenegger faz com o tempo. Considero o maior mérito do livro não ter caído em lugares comuns de histórias sobre viagens temporais: não há discussões intermináveis sobre mudar o passado e reescrever o futuro ou universos paralelos que se modificam e se cruzam. É simplesmente a história simples de um casal – casamento, filhos, dinheiro, amigos, felicidade – contada de uma forma diferente, de uma maneira que eu nunca imaginaria.

A constante espera de Clare por Henry é encantadora, e Henry encontra nela seu porto seguro, seu motivo para voltar das viagens que não consegue evitar. A superação das dificuldades encontradas no relacionamento, a ausência e a saudade são tratadas com muita sensibilidade, inteligência e bom humor pela autora.

Apesar de toda a ficção, do impossível, é disto que o livro trata no fim das contas: do amor, da espera, da distância e da saudade, principalmente de quem fica. Uma leitura dinâmica, rápida, prazerosa, e que convida o leitor a refletir sobre o que está escrito. Uma história de amor incondicional que nos mostra não um final feliz, mas uma vida feliz.
Arsenio Meira 04/02/2014minha estante
Essa epígrafe, Renata! É a seta sem alvo... Belíssima.

E depois a resenha, direta, calorosa, com o destaque deste parágrafo que me fisgo literalmente:

"O que faz essa história de amor banal ganhar ares atrativos é a brincadeira que Audrey Niffenegger faz com o tempo. Considero o maior mérito do livro não ter caído em lugares comuns de histórias sobre viagens temporais: não há discussões intermináveis sobre mudar o passado e reescrever o futuro ou universos paralelos que se modificam e se cruzam. É simplesmente a história simples de um casal ? casamento, filhos, dinheiro, amigos, felicidade ? contada de uma forma diferente, de uma maneira que eu nunca imaginaria."

O título é belo, e aqui parece-me que a viagem é tratada num sentido de corrosão, desgaste e consumição inevitável diante da vida.

Com isso tudo, resistir quem há-de?
Bela resenha!
Abraços
Arsenio


Renata CCS 07/02/2014minha estante
Arsenio,
Realmente vc está certo: a história é sensível e intensa não pelas viagens em si, mas pelo que os personagens constroem. É belo acompanhar o quanto um sentimento verdadeiro é atemporal.
abraços!


Helder 17/02/2014minha estante
Também gosto muito deste livro. As idas e vindas no tempo conseguem realmente tirar tudo o que podia ser somente mais uma banal estorinha de amor! Algo que o filme não conseguiu fazer.


Nanci 21/03/2014minha estante
Adorei, Renata. Uma história de amor incondicional entre homem e mulher, sem cair no lugar-comum? Vou ler, com certeza.

Obrigada!


Renata CCS 28/03/2014minha estante
Obrigada a todos pelos gentis comentários!
Recomendo para quem busca uma leitura leve, romântica e diferente.




Kamila Andrade 31/01/2014

Incrível!
Quando comecei a ler A mulher do viajante no tempo não sabia o que esperar. Sabia que seria um livro diferente, mas havia visto diversos comentários positivos e esperava gostar da obra. Mais que isso, eu amei.
A história de Henry e Clare é real e gostei de sentir a todo momento que eles eram um casal verdadeiro. As brigas, o amor palpável e todas as dificuldades. Tudo isso... tudo era intenso e muito, muito real!
Enfim, Henry é viajante no tempo e não tem controle de quando e para onde vai. Ele apenas aparece nu. Em uma de suas viagens, Clare o encontra. Henry vindo do futuro, sabe que eles irão se casar, o que realmente acontece.
E eles vivem assim. Se encontrando, a Clare jovem, o Henry mais velho. O casal já junto, com um Henry mais novo.
E no meio de tudo isso eles tem problemas familiares, financeiros, amorosos... Tem de tudo.
Quando enfim, ambos alcançam algo incrível e que desejavam há muito, são um casal sólido e maduro.
Amei tudo no livro e o final foi o que me deixou mais extasiada. Entorpecida e emocionada. Recomendo a leitura desse livro à todos, pois cada pedacinho dele trouxe ensinamentos à mim.

"Lar doce lar. Não há lugar como nossa casa. Take me home, country roads. Lar é onde está o coração. Mas meu coração está aqui. Então devo estar em casa. Clare suspira, vira a cabeça e fica quieta. Ei, querida, cheguei. Cheguei em casa."
comentários(0)comente



224 encontrados | exibindo 46 a 61
4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 |