A Mulher do Viajante no Tempo

A Mulher do Viajante no Tempo Audrey Niffenegger




Resenhas - A Mulher do Viajante no Tempo


224 encontrados | exibindo 91 a 106
7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 |


Gislaine 10/09/2012

Sabe desses romances que a gente não quer que termine nunca? Este é um deles! Muito divertido, envolvente e muito bem escrito. Adoro estórias de cronologia confusa e adoro estórias de amor, portanto esse foi o livro perfeito!
#superrecomendo
comentários(0)comente



Bruno Pereira 30/08/2012

Magnífico!!!
Simplesmente perfeito!!!! Entrou na lista dos melhores livros que já li. O autor teve uma grande ideia para a história e soube usá-la. Aprendi muito mesmo, como dá valor as coisas mínimas da vida, a família e o tempo que nos resta. Indico este livro a todos!!! Vão gostar mesmo.
comentários(0)comente



JuKiara 04/07/2012

Embora seja uma obra de ficção, nunca até hoje vi descrição mais perfeita de como o amor pode sustentar a relação de um casal. O amor é como o "fio no labirinto, a rede embaixo de quem caminha na corda bamba, a única coisa verdadeira e confiável nessa (...) vida estranha".
Cada detalhe contado, cada pedaço de história narrado (que a primeira vista parece inexplicável e deliciosamente irritante, para se encaixar no final como um quebra-cabeças), cada pedaço da história que montamos... cada ponto é importante, não somente para a história do livro, mas para a nossa própria. Quando sou Clare, esperando... ou quando sou Henry, me transportando para passado, futuro ou presente...
comentários(0)comente



dani 30/06/2012

A mulher do viajante no tempo – Audrey Niffenegger
A mulher do viajante no tempo foi um livro que me emocionou.
Confesso que romance não é um dos meus estilos literários favoritos, porém quando vi que o título “A mulher do viajante do tempo” estava como sugestão para o mês de junho do desafio literário (viagem no tempo) lembrei de várias resenhas com comentários positivos que já tinha visto anteriormente e fiquei empolgada e com muita expectativa nessa leitura. Posso afirmar que não me decepcionei em nenhum momento.
O livro vai contar a história do relacionamento de Clare e Henry, mostrando que o amor ultrapassa as barreiras de tempo e espaço. Henry possui um distúrbio que o faz viajar no tempo, ele pode estar fazendo qualquer coisa e de repente sumir e aparecer em outro local e outro momento, ele não possui nenhum tipo de controle sobre essa habilidade o que torna sua vida confusa e incerta mas mesmo assim ele tenta levar uma rotina normal saindo e trabalhando como bibliotecário. Clare é uma artista que desde que era pequena recebe as visitas de um homem de outro tempo e lugar e conforme vai envelhecendo começa a se envolver com Henry porém não podem ficar juntos já que ele é de outra época e apenas resta a Clare esperar por encontrar Henry no presente. O relacionamento dos dois se desenvolve durante a história e eles terão que enfrentar vários obstáculos (além daqueles que os casais normalmente já passam) para ficaram juntos.
Além de um dos personagens principais possuir seu elemento diferencial (a habilidade de viajar no tempo) a narrativa também carrega sua personalidade, o livro é narrado tanto por Clare quando por Henry, que dividem suas visões dos fatos. A linha temporal da história é sempre bem demarcada (já que Henry viaja no tempo tornando a narrativa não linear). O livro é emocionante, o relacionamento dos personagens e o amor entre eles é construído aos poucos em tempos e lugares diferentes, mas sempre bem demonstrado pela autora com sutileza e cheio de sentimentos. Acompanhamos o amor inegável de Henry por Clare (que é demonstrado em várias etapas diferentes da vida dela), suas incertezas e seus medos, assim como a espera de Clare por Henry, sua paciência, seu carinho, suas certezas. A história é linda e bem construída, os personagens são tão completos com suas qualidades, defeitos, medos, amores e inseguranças que poderiam ser reais. Realmente recomendo esse romance.

“Clare: é difícil ficar para trás. Espero Henry, sem saber dele, me perguntando se está bem. É difícil ser quem fica” pg. 9

“Henry:...Odeio estar onde ela não está, quando não está. No entanto, vivo partindo, e ela não pode vir atrás” Pg. 11

“- Oi – digo.
- Você sente falta dele alguma vez ? – ela me pergunta.
- Todos os dias. A cada minuto.
- A cada minuto – ela diz. – Sim. O amor é assim, não é? – Ela vira de lado e afunda no travesseiro.
- Boa noite – digo, apagando a luz.” Pg. 113

http://olhosderessaca25.blogspot.com.br/2012/06/mulher-do-viajante-no-tempo-audrey.html
comentários(0)comente



Andréia 24/06/2012

A autora escreve de uma forma incrível, com uma grande riqueza de detalhes. Todos fatos, pelo personagem ser um viajante do tempo, tiveram uma ordem ''acessível'' ou seja, você não fica perdido. Apenas no final o tempo relatado foi um pouco ''acelerado''.
O livro é contado pelo ponto de vista do Henry e da Clare, dá para definir a linha de pensamento dos dois e as datas. Nossa! Os dados foram de um perfeccionismo que esse livro e seus personagens me cativaram. Quando eu largava esse livro eu mal podia esperar a hora de voltar para lê-lo pois eu sempre ficava na expectativa.
Sinceramente, talvez o final não agrade a muitos mas eu gostei.
Fiquei apaixonada por essa estória, é um dos meus livros preferidos.
comentários(0)comente



Silvia 11/06/2012

Já li muitos livros durante a minha vida mas nenhum deles me fez adquirir tantos valores quanto esse. Audrey Niffenegger, quase que desconhecida a muita gente, conseguiu escrever o livro mais intrigante e diferente que eu tenha conhecido.
Eu indico este livro a toda e qualquer pessoa que não tenha medo do desconhecido e que seja sensível o suficiente para compreender o valor do amor e a confusão do tempo.
comentários(0)comente



Nat 03/06/2012

Clare Anne Abshire é escultora, mulher de Henry DeTamble, um homem que sofre de um distúrbio genético que faz com que ele viaje no tempo. Por isso, Clare conhece Henry a vida toda, mas não sabe disso: ele sempre é seu melhor amigo durante a infância e adolescência. No presente, quando eles se conhecem Clare já tem 20 anos e Henry 28. E aí está o cerne da questão, pois ela reconhece o homem que sempre, enquanto ele ainda não a conhece. Os encontros entre ambos vão acontecendo, no passado e no presente. Assim, Clare precisa aprender a conviver com a espera por Henry.

Um livro confuso, pelo menos no início. O que me chamou a atenção e me confundiu demais foram as viagens no tempo. Mas há algo de bonito no fato de um estar esperando pelo outro. Uma coisa legal é que, seja no passado, seja no presente, ambos, Clare e Henry, demonstram seu ponto de vista. Uma excelente história de amor, complexa e simples ao mesmo tempo. Recomendado.

site: http://ofantasticomundodaleitura.blogspot.com.br/2012/06/mulher-do-viajante-no-tempo-de-audrey.html
comentários(0)comente



Jessi 22/05/2012

A mulher do viajante no tempo - Audrey Niffenegger.
‘As coisas parecem simples até pensarmos nelas. Por que a ausência intensifica o amor?’

Foi com essa frase marcante que me deparei logo na primeira página de ‘A mulher do viajante no tempo’. Acredito que essa simples frase, pode explicar o livro inteiro. Tem um enorme significado para mim, e para qualquer um que ler, com certeza.
‘A mulher do viajante no tempo’ é um livro forte e marcante. É um livro que vai te fazer sentir coisas inexplicáveis. A forma como é escrito é linda. A forma como é usado o amor, é linda. Maravilhosa.
A autora usa uma forma de ótima compreensão, utilizando a historia do ponto de vista de Clare e Henry, mudando sucessivamente. Conhecemos Clare desde sua infância, porém só vemos flashes da vida de Henry pequeno. Para quem não sabe, ou não conhece, Henry é um viajante no tempo. Ele não usa disso uma forma de mudar passado ou futuro, porque não é possível. Ele não faz isso porque quer, ou porque gosta. Se pudesse escolher, optaria por não ter esse ‘super poder’. Cada vez que chega a um lugar, não sabe onde está. Não sabe o ano, ou o dia que está. Chega sem nada, sem roupas, e se vai sem nada, deixando tudo que estava com ele. Mas é justamente graças a esse ‘super poder’ que sua vida se cruza com a vida de Clare (ex-presente-futura mulher de sua vida).

‘Quando estou em outro tempo, me sinto pelo avesso, transformado numa versão desesperada de mim. Viro um ladrão, um andarilho, um bicho que corre e se esconde. Assusto velhas e assombro crianças. Sou um truque, uma ilusão da mais alta ordem. É incrível eu ser mesmo real.’

Apesar de todas as dificuldades, Clare não desiste jamais de Henry. O que é muito lindo de se ler. É um amor lindo, um amor puro e verdadeiro. Daqueles que não se curam por nada. Não se apagam, nem se acabam. Mesmo com a distância, ou os acontecimentos. Clare conhecia Henry e Henry conhecia Clare de uma forma inexplicável.

‘ E Clare, sempre Clare. Clare de manhã, sonolenta e de cara amassada. Clare com os braços mergulhados na tina de fazer papel, puxando o molde e sacudindo-o assim e assim, para misturar as fibras. Clare lendo, com o cabelo solto sobre o encosto da cadeira, passando hidratante nas mãos vermelhas e rachadas antes de dormir. A voz baixa de Clare está em meu ouvido com frequência. Odeio estar onde ela não está, quando não está. No entanto, vivo partindo, e ela não pode vir atrás.’

E para finalizar:
‘Clare, quero dizer, de novo, que te amo. Nosso amor foi o fio no labirinto, a rede em baixo de quem caminha na corda bamba, a única coisa verdadeira e confiável nessa minha vida estranha. Esta noite, sinto que meu amor por você tem mais densidade neste mundo do que eu mesmo tenho; como se pudesse permanecer depois de minha morte e te rodear, te proteger, te segurar.’

Apesar de ser um pouco confuso, principalmente as partes das viagens de Henry pelo passado-futuro, é um livro extremamente essencial de ser lido. Um livro com uma historia de vida, uma historia de amor. Um livro que vai te fazer ficar pensando um bom tempo depois de ter terminado-o. Um livro nota 1000.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Isabia 07/04/2012

Audrey Niffenegger nasceu em 1963, em South Haven, porém passou a maior parte da sua vida vivendo perto de Chicago. Formada em Artes pela School of the Art Institute of Chicago, seus primeiros livros são o que chamamos de Graphic Novel, relacionando, evidentemente, sua formação a escrita. Quando surgiu a ideia de escrever sobre um viajante no tempo e sua esposa, a sua vontade a princípio era de que este livro fosse assim como os outros, um Graphic Novel. Entretanto, a dificuldade que seria de representar as mudanças temporais com imagens a fez deixar isso de lado. Em 2003, The Time Traveler's Wife foi publicado e logo se tornou um Best-Seller, chegando inclusive as telas em 2009.
A Mulher do Viajante no Tempo é dividido em três partes. Por não existir um tempo bem delimitado, a demarcação temporal é feita através de datas e idades, de acordo com a respectiva época, das personagens principais. No livro, ambos narram, permitindo ao leitor visões diferentes.
Ao que tudo indica, Clare e Henry sempre foram destinados a ficar juntos. Henry em suas viagens no tempo costumava visitar Clare vez por outra. Ele a viu crescer e se tornar uma mulher. Embora "amigos", Clare já alimentava uma paixão por Henry, e ele por sua vez já sabia, por causa das viagens no tempo, que ela seria sua futura esposa. Após um período de dois anos sem que um tivesse notícias do outro, eles se reencontram. Na verdade, Clare o reencontra. Apesar de decepcionada com aquele Henry imaturo que encontrou, ela resolve assim mesmo investir no relacionamento. As viagens sem controle de Henry, mesmo que incomodas não chega a afastar o casal. A forma como um lida com o outro e com os problemas é muito bonita. Brigar eles brigam, mas o amor sempre os une. Não fica claro no livro o porquê de Henry aparecer justo na vida de Clare, provavelmente, apenas obra do destino. Com as viagens, os altos e baixos a estória vai se desenvolvendo e proporcionando ao leitor momentos de angustia e alegria.
Minha vontade de ler esse livro é antiga. Ao tê-lo, finalmente, em minhas mãos comecei a ler e não larguei mais. É, de fato, um romance envolvente com um plano de fundo bastante interessante. Acostumada a estórias que seguem um tempo bem determinado, acreditei que a falta disso seria um empecilho na leitura, mas me enganei. Nem por um segundo você se perde. E quando, há um salto grande quer seja para frente, quer seja para trás, geralmente é relacionado ao "capítulo" anterior ou ao próximo, facilitando muito o entendimento. De fato, Clare e Henry são perfeitos um para o outro. A estória de amor criada pela Niffenegger é maravilhosa e comovente - principalmente os capítulos finais. Sem dúvidas, quem tiver a oportunidade de ler não se arrependerá.

Postado inicialmente em: http://naoconsigoevitar.blogspot.com.br/2012/03/livro-mulher-do-viajante-no-tempo.html
comentários(0)comente



Paulinho 05/04/2012

21/07/2010 A Mulher do Viajante No Tempo,de Audrey Niffengger, editora Suma de Letras traduzido por Adalgisa Campos da Silva 453 páginas.


Bem, o livro me ganhou em primeiro Lugar pela inovação ao se abordar um tema tão usado a viagem no tempo, o legal do livro é que ele não apenas explora as aventuras de Henry ao viajar no Tempo mas aborda Clare que o espra.

O livro é narrado em primaira pessoas por ambos os personagens Henry e Clare, eles se conhecem com idades bem distintas ela tem 6 e ele 28 a partir daí o livro narra o relacionamneto deles no presente, passado e futuro, a história é linda bem escrita, sem clichês ridículos, eu adorei e o final é emocionante, engraçado que o livro quase todo eu ri é de uma leitura gostosa, deliciosa e no final chorei horrores, a prosa e os fatos narrados tornam os personagens tão reais, tão existentes.

O Livro é uma Jornada épica sobre O Amor e como de fato ele resiste ao tempo.

Para quem gosta não de histórias de amor mas pra quem gosta de excelentes histórias.

5 ESTRELAS.
Renata CCS 13/11/2013minha estante
Uma de minhas mais recentes aquisições. São muitas leituras para pouco tempo... (rs)




Linny 14/03/2012

Brilhante!
Se fosse para descrever este livro em só uma palavra seria: Brilhante.
Desde as primeiras linhas já me envolvi com a história de Henry de Table, que se mostra sendo um verdadeiro guerreiro em toda a sua vida, principalmente nas viagens no tempo.Fiquei admirada com sua bravura e pelo seu profundo amor por Clare Abshire.
Sem dúvida alguma ele foi o meu personagem preferido, sendo assim achei graça quando se meteu em confusões e sofri em certas circunstâncias em que teve de se envolver. Suas qualidades são surpreendentes, adorei o seu jeito hábil e esperto em sair de situações um tanto embaraçosas, como também de sua incrível astúcia.
Clare foi para mim, uma personagem razoável pois ela cometeu alguns atos que não me agradaram, como também não soube lidar com dificuldades e contratempos. Mas me ganhou ao demostrar o verdadeiro e puro amor que sente por Henry.
A autora mostrou ter uma habilidade perfeita ao criar uma história em que ocorrem mudanças no tempo, sem que esta se perca ou fique cansativa.
Mesmo o livro sendo contado no passado, futuro e presente. Não tive nenhum problema com a leitura.Aliás achei bem interessante essas viagens temporais.
É uma história linda, fascinante e que nos sensibiliza ao mesmo tempo. O único ponto negativo foi alguns acontecimentos que achei desnecessários.Amei o final, tanto que acabei a última página com um sorriso e lágrimas escorrendo pelo rosto.
Recomendado.
comentários(0)comente



Nefazodona 03/03/2012

Tempo em tempo
Quando comecei a ler o romance nunca esperava que nunca conseguiria parar de lê-lo. A principio achei interessante a ideia de viagens no tempo (Sempre adorei esse assunto, sou fascinado por isso desde criança), mas em seguida foquei mais nas dificuldades de Henry que preferia ficar no presente. Logo então você começa a lutar junto com Henry para se manter no presente para ficar ao lado de Clare, mas como já mostrado pela própria autora: Se ele não viajar o passado não será feito e o futuro não existiria.
Agora nos focamos na dificuldades de Clare, ao se deparar sozinha na cama, ou em qualquer outro lugar quando pensava que estava acompanhada. Esperando Henry chegar imaginação milhões de possibilidades.
Por fim podemos dizer que é um romance que prende a atenção do leitor de um modo extraordinário, onde sempre se repete (eu mesmo fiz isso) várias vezes ''Só mais um capitulo''.
Com um final inesperado e surpreendente, ele deixa marcado em seu coração que nem sempre é bom saber as coisas antes delas acontecerem, e que existem males que vem para o bem.
''Ele vem, e eu estou aqui''.
comentários(0)comente



kely 23/02/2012

Livro lindo. Aufrey Niffenegger =)
Inicialmente fiquei bem confusa, tempo, espaço, época e não sou muito boa em aprender rapidamente nomes de personagens, a narração é feita por ambos então creio que custe a se adaptar nesse vai e vem de época (já quero reler), mas tenho que admitir que esse livro está fazendo parte da minha história, eu me sinto amiga de Henry (o viajante no tempo) e Clare (a garota com que ele se casa). Eu me emocionei em vários momentos, é uma estória tão ‘história’ que no fundo eu sinto como se estivesse acontecendo em algum lugar do mundo, nesse momento. A vida de ambos é muito bem descrita, principalmente os anseios e angústia que Clare passa com essa inconstância inevitável enfrentada por Henry, há um momento ainda na adolescência de Clare, que ela está à conversa com a avó:

- Oi – Digo
- Você sente falta dele alguma vez? – ela me pergunta
- Todos os dias. A cada minuto
- A cada minuto- ela diz. - Sim. O amor é assim não é? Ela vira de lado e afunda no travesseiro.
- Boa noite- digo, apagando a luz. Quando estou parada no escuro olhando para vovó deitada na cama, a depressão toma conta de mim como se eu tivesse levado uma injeção de tristeza. O amor é assim, não é? Não é.

Henry vive o presente voltando no passado e conversando com a Clare ainda criança, o inconveniente é que no presente ele e Clare passam por diversas desordens que de alguma forma Henry se sente prejudicando a adolescência dela:

“O que há de errado comigo? Clare, aos 15 anos, não é a mesma pessoa que anda me torturando há meses, que se recusa a desistir de ter um filho, que se arrisca a morrer, que transforma o ato de fazer amor num campo de batalha coberto de cadáveres de crianças...”

Quando eu achei que tinha chorado o suficiente, vem mais e mais estória, eu preferia o encerramento do livro na página 333 (vocês vão entender) gosto de finais felizes e preferia que terminasse em um bem feliz. Aliás, eu faria melhor, tem algumas páginas que se eu as- arrancasse não faria a menor falta nos últimos capítulos (DASEIN), é nítido o amor verdadeiro que Clare sente por Henry, mas ela errou feio em algumas situações e deixou a estória em aberto para mim (E agora? Vai ficar assim mesmo?), e o repulsivo e estúpido personagem de Gomez me fará dá 4 estrelas ao livro que eu quase pude ter como favorito. A família de Clare a de Henry, a festa, a carta, todos os personagens até Ingrid me familiarizaram, nossa! Tudo muito lindo (menos Gomez).
Eu pude me ver em tantas situações que estou cada vez mais apaixonada (meu nindo) se você é emotivo, gosta de romances, gosta de coisas surreais, é nerd (tem um pouco de física) ou se você não tem nada para fazer leia “A mulher do viajante no tempo”

# Super recomendado *-*
comentários(0)comente



Tay 10/02/2012

Me desapontei com o livro, acho que ele tinha tudo pra ter tido uma grande estória, mas em vez disso vou um livro cansativo com vários momentos confusos.
Fer Kaczynski 09/01/2013minha estante
Concordo, muito confuso, insisti até onde deu, não consegui me apegar, achei chato e monótono...
Talvez um livro superestimado, não sei, um dia quem sabe termine a leitura.




224 encontrados | exibindo 91 a 106
7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 |