A Luva de Cobre

A Luva de Cobre Cassandra Clare
Holly Black




Resenhas - A Luva de Cobre


39 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Ana Ira! 18/11/2016

http://elvisgatao.blogspot.com.br/2016/11/resenha-luva-de-cobre-holly-black-e.html
De volta ao Magisterium e de uma forma bem inusitada, após fugir de casa e ir parar numa festa de arromba na casa de Tamara, Call, bem desanimado por ter ficado longe dos amigos e brigado com o pai, não aproveita muito seus primeiros dias de aula, apesar de estar empolgado que logo ele, Aaron e Tamara, sairão em novas aventuras incubidas pelo Magisterium, a escola de magia que frequentam.

Porém, depois de ficar nervoso pensando sobre aquele segredo que é deixado no ar no final do primeiro livro (não posso contar, porque é spoiler), e mais os segredos do pai que descobriu, Call, sem aguentar mais, bota a boca no trombone e revela aos amigos esse segredo tenebroso que Alastair, seu pai esconde.

Tamara, chatinha como sempre, o menina implicante! Me deu uma raiva dela diversas vezes nos livros kkkk conta o segredo para o mestre Rufus, encarregado dos três, e vira uma correria para prenderem o pai de Call, o que o faz fugir, junto com os amigos a fim de encontra-lo antes e faze-lo devolver a alkahest, o objeto poderosíssimo que roubou (relacionado com aquele segredo do Call), e que pode destruir a vida de muitos, principalmente de Call e Aaron.

O livro é mais ou menos isso aí. Nossa, achei supermonótono, foi difícil de ler, porque gente, que sono me deu! A leitura foi engrenar já passando da metade!

Eu confesso que gostei bem mais do primeiro livro, achei esse bem fraquinho e continuou sem dar várias respostas, pelo contrário, deixou mais pontas!!

Aquele segredo do Call (fica estranho falar sempre no segredo, mas é que não posso revelar esse spoiler, mesmo!), ainda não é totalmente confirmado o que me deixou chateadíssima kkk surgindo outros questionamentos e novidades.

O final foi interessante, deu pra perceber que ou os próximos três livros cairão, ou serão bem mais legais e envolventes - assim espero!!!

Nessa obra, a aventura toda contou com a "participação especial" de Jasper, que era bem chatinho com os três, principalmente com o Call. E foi legal ver ele menos marrento, e mais amigo.

O Call continua divertido e estabanado, sempre se metendo em confusões, uma atrás da outra, e com aquela carência de família e amigos. O Aaron não estava tão bacana como no livro anterior, e a Tamara o mesmo cocozinho de sempre kkkkkk a menina pode ser esperta, porém, é chataaaaa! rs

Poderia ter sido melhor, não gostei muito, e fiquei pensando em parar a série por aqui. Só que né, sou curiosa, por isso já comprei o e-book do terceiro livro, que chama-se A Chave de Bronze.

Lerei rapidamente e logo mais trago resenha dele também!
Renata 28/11/2016minha estante
Super concordo! Gostei muito mais do primeiro; pra terminar esse livro, precisei me esforçar um pouco... mas pretendo continuar a série :)


Ana Ira! 28/11/2016minha estante
Eu também!! E que esforço!! kkkk Eu já to com o terceiro em mãos, vamos ver se melhora... :)




Leo Oliveira 04/03/2017

O segundo volume da série "Magisterium" me empolgou em alguns momentos e me incomodou em outros. Apesar das cenas de ação serem bem escritas e extremamente eletrizantes, a história demorou um pouco para se desenvolver. Os capítulos continuam grandes e alguns bem densos (uma das características mais marcantes de Cassandra Clare), mas isso não me atrapalhou nem um pouco. Apesar dessa minha confusão inicial com a história acabei aproveitando o livro do meio para o final (quando boa parte dos mistérios começam a se resolver). Callum e seus amigos são personagens muito bons, mas ainda tenho algumas dúvidas sobre a vida pessoal de cada um (família, por exemplo). O último capítulo me deixou bem empolgado pelo terceiro livro, mal posso esperar para saber como tudo irá se desenvolver.

ps¹: tenho uma birra enorme com a Holly Black e desconfio que os trechos que não me agradaram na história foram escritos por ela. Estaria eu delirando?

ps²: Cassandra Clare eu te amo e vou te proteger sempre.
Norberto 06/03/2017minha estante
morto


Leo Oliveira 06/03/2017minha estante
muito sincero sim




Indyra Araujo 13/08/2017

Gostei? Não, ? to só alucinadamente apaixonada por essa história.
Esse livro trouxe resposta para o primeiro (desafio de ferro) e sim vamos ter assuntos relacionados ao Makar, agora o que é não posso dizer.... Mas que foi um tapa buraco foi sim sim.
Agora não só Callum, Tamara e Aaron estão nesta aventura, o nosso "querido e amado" Jasper se envolve.
A trama traz bem menos ação e muitas confissões e pequenos rancores entre os personagens (todos os personagens).
Com certeza esse livro me fez querer continuar e colocar fé na história, simplesmente me facinando cada vez mais.
Ma 03/02/2018minha estante
undefined




Super Ci 13/01/2016

Resenha do Elefante Voador
No ano passado, quando li O Desafio de Ferro (primeiro volume de Magisterium) eu tinha expectativas altíssimas. O primeiro motivo era o fato de já conhecer e adorar o trabalho das autoras, principalmente de Cassandra Clare e o segundo por adorar livros de fantasia/magia. Minhas expectativas foram atendidas, pois se tratava de um livro cheio de aventuras, reviravoltas, eu fiquei apaixonada e completamente desolada quando terminei a leitura sem saber o desfecho dessa história.
Veja mais no site do Elefante Vodor

site: www.elefantevoador.com
comentários(0)comente



Michel Lima 17/10/2016

Maravilhoso... Simplesmente envolvente. Não conseguia parar de ler até termina-lo. faz parte de um dos seletos livros que me deixaram ansiosos pelo próximo junto a Harry Potter e as Crônicas de Gelo é fogo. Para quem gosta de magia, aventura e Personagens Fantásticos e vilões sinistros e muitas surpresas. recomendo!
comentários(0)comente



Rascunho com Café 12/11/2015

A Luva de Cobre: “Um vai falhar, um vai morrer e o outro já está morto”
No segundo livro da série Magisterium, as autoras Holly Black e Cassandra Claire não deixaram a peteca cair e acabamos ainda mais envolvidos com Callum e seus amigos.
Orgulhosamente, nós do Rascunho com Café realizamos o lançamento deste livro em Palmas-TO, claro que o evento foi muito legal, afinal somos apaixonados pela autora e fomos completamente fisgados pela série.
Este é o segundo volume da trilogia. Nesta aventura, Callum está no segundo ano de Magisterium, o ano de Cobre. Amei as autoras começarem o livro nas férias escolares com Callum e seu pai em casa, depois mostrarem a vida de Tamara e descobrir também um pouquinho sobre o passado de Aaron. Pudemos acompanhar toda a tensão, expectativa e responsabilidade que foram jogadas nas costas de Aaron (que inclusive é meu personagem preferido).
A trama é sobre a Luva de cobre, uma luva mágica que permite extrair a magia de caos matando o Makar, portanto os seguidores do Inimigo da morte querem muito possuir essa luva. Uma parte muito legal é adição de Jasper na aventura, amo o jeito que Callum fica perto dele, sempre imaginando o que poderia dar errado ao seu “arqui-inimigo” escolar.
Este livro é mais sombrio e com muito mais mistérios para descobrir, eu começo a desconfiar de muitas pessoas no Magisterium agora. Ainda tem muitos segredos, essas autoras adoram nos deixar com gostinho de quero mais!
Elas também nos deixam de coração na mão, por volta da página 220, acontece um fato que me fez fechar o livro e pensar: “Não acredito!!”, claro que não vou contar, mas é muito interessante descobrir a capacidade de Callum.
Uma ótima continuação. Recomendadíssima a leitura.
Obs: Aquela frase não sai da minha cabeça “Um vai falhar, um vai morrer e o outro já está morto” quem leu o livro 1 conhece.
Nota 5/5


site: www.rascunhocomcafe.com.br
comentários(0)comente



Michele Bowkunowicz 22/12/2015

Resenha A Luva de Cobre
A Luva de Cobre é o segundo volume da série Magisterium, de Cassandra Clare e Holly Black, e se ainda não conferiu a minha resenha do primeiro livro "O Desafio de Ferro", veja aqui.

É férias de verão, e Callum está de volta em casa, e ainda não contou a ninguém que o Mestre Joseph lhe contou que quando ele era um bebê, a alma do Inimigo da Morte, Constantine Madden, sobrevivia dentro de seu corpo. Claro, que por conta disso ele não para de se perguntar se os seus comportamentos não são consequência por ter o próprio Inimigo da Morte em si. E Callum também teme que seu pai Alastair Hunt desconfia que ele é o Inimigo da Morte e por isso que ele não quer que ele retorne ao Magisterium, chegando a tomar medidas extremas para impedi-lo de voltar à escola. Dado à isso, Call toma a decisão de fugir de cada para o Magisterium junto com o seu lobo dominado pelo caos, Devastação, em busca de ajuda. No entanto, as coisas ficam ainda mais terríveis quando Callum descobre que alguém roubou o Alkahest, uma luva de cobre que pode destruir a magia de qualquer coisa, inclusive de dentro de uma pessoa. Call tem quase certeza de que seu pai é o culpado, porque só a Alkahest tem o potencial para separar a alma de Constantine do corpo de Callum, mas também poderia matá-lo.

Para ler o restante acesse:

site: http://www.lostgirlygirl.com/2015/12/resenha-709-luva-de-cobre-cassandra.html
comentários(0)comente



Jordana 06/06/2016

Divertido!
A resenha pode ser conferida no link:

site: http://addictionforbooks.blogspot.com.br/2016/06/resenha-luva-de-cobre-cassandra-clare.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



AndyinhA 30/07/2016

Trecho de resenha do blog MON PETIT POISON

Ainda continuo achando que a série tem muitas, mas muitas coisas repetidas com Harry Potter. Se isso é bom ou ruim, eu ainda não sei. Até diria que pesa um pouco mais para ruim, pois as vezes dá a impressão que você está lendo uma coisa que já leu, mas por outro lado, para os fãs de HP é uma sensação de conforto, ler algo de certa forma semelhante ao que amamos. Por isso até deixo uma pergunta, para você, ler algo parecido com uma série que você ama (não necessariamente precisa ser HP) é bom ou ruim?

Voltando ao nosso livro, este teve mais aventuras, mais desdobramentos da magia e seus monstros e interesses, bem como começamos a ter deslumbres do vilão, seus capangas e o que os outros magos e estudantes pensam sobre isso. A visão anterior do livro era muito limitada, principalmente porque o mundo que as autoras criaram eram muito grande e sabíamos que mais coisas precisava vir. Eu curti esse ponto de explorar e quero que os próximos livros isto continue. Ainda sinto falta de mais explicações e desdobramentos do mundo da magia.

Já nos personagens principais não vi grande melhoras, de certa forma tinha muito mimimi, muitas briguinhas infantis, coisas que não foram tratadas antes quando o menino praticamente era um forasteiro, não achei que cabia esse mimimi todo, até teve umas piadas engraçadas ou boas sacadas, mas no geral foi meio chatinho.

Nos outros personagens, tivemos uma certa surpresa, deixo claro que eles não aparecem constantemente, mas suas aparições foram melhor aproveitadas, seja por fazer uma revelação ou colocar em xeque alguma informação que sabíamos de antemão, ou até mesmo para explicar mais dos mistérios da escola e da grande luta que aconteceu. Neste quesito temos personagens variados, tem antigos professores, pessoas extras e até alguns alunos da escola. Curti mais estes.

Para saber mais, acesse:

site: http://www.monpetitpoison.com/2015/12/poison-books-luva-de-cobre-holly-black.html
comentários(0)comente



rafazaakar 13/05/2016

ZaaKar.com Resenha - A Luva de Cobre
Cuidado, pode ter alguns Spoilers!!! Mas leia mesmo assim!

Sinopse: "Nesta fantasia urbana, um universo de magia coexiste com nosso mundo.
Um universo repleto de intrigas, onde crianças aprimoram seus poderes em uma escola de magia chamada Magisterium, com Mestres que temem a volta do mago mais poderoso, e ambicioso, de todos os tempos, o Inimigo da Morte. Nesse volume, o aprendiz de mago Callum Hunt precisa encontrar uma antiga arma mágica roubada do Magisterium. A luva de cobre é capaz de arrancar a magia de uma pessoa e destruí-la completamente. Ao mesmo tempo, ele tem de decidir se conta aos amigos que, dentro dele, vive a alma do Inimigo da Morte, apenas à espera do momento perfeito para retomar sua escalada pelo poder".


***

“- Quero dizer, se não funcionar, então, como dizem, “se você ama alguém, liberte-o, não prenda no subterrâneo ou em uma caverna”.

Dando continuidade a resenha da semana passada, que tal irmos direto para o segundo volume de Magisterium? Pois bem, mas antes, vamos conhecer quem escreve essa história. A primeira é a norte-americana Holly Black. Holly mora em West Long Beach, New Jersey e ficou mundialmente famosa após escrever a série de livros da série “Crônicas de Spiderwick”. Ela é uma grande colecionadora de livros raros de folclore. Em seus primeiros anos de vida ela morou em uma mansão abandonada em estilo vitoriano com sua mãe, que contava a ela várias histórias de fantasmas e fadas. Seu primeiro livro, “Tithe: A Modern Faerie Tale”, foi muito bem recebido pela crítica e foi publicado no outono de 2002. A escritora só viria a ficar famosa um pouco mais tarde, com o lançamento do livro “As Crônicas de Spiderwick: O Guia de Campo”, primeiro livro da série Spiderwick. Além disso, holly também é conhecida pela série “Mestres da Maldição”.
Além dela, o livro é escrito em parceria com uma autora não muito famosa, a Cassandra Clair... SIM ISSO FOI UMA IRONIA. Conhecida por escrever a série de livros best-seller “Os Instrumentos Mortais”, Claire é filha de pais norte-americanos, nascida em Teerã, no Irã. Passou grande parte de sua infância viajando pelo mundo com sua família. Viveu na França, Inglaterra e Suíça antes de completar dez anos de idade. Com as frequentes mudanças de sua família, Clare encontrou familiaridade nos livros e sempre encontrava-se com um debaixo do braço. Estudou em um colégio de Los Angeles, onde ela costumava escrever histórias para divertir seus colegas, incluindo um romance épico chamado "The Beautiful Cassandra", baseado na história homônimo de Jane Austen. Após a faculdade, Clare começou a trabalhar em inúmeras revistas de entretenimento e tabloides, incluindo The Hollywood Reporter. Ela mora atualmente em Amherst, Massachusetts, com seu marido, Joshua Lewis, e três gatos.

“- Só não mostre a ela quem você é de verdade – disse Call. – Finja que é uma pessoa que ela pode amar, e ai ela vai amar. Porque, de qualquer jeito, as pessoas amam quem elas pensam que as outras são”.

De volta para casa nas férias, Call precisa aprender a lidar com o novo temperamento de seu pai. Alastaire parece ter ficado mais nervoso com a estadia de Call na escola e isso se agravou ainda mais com a presença do lobo dominado pelo caos em sua casa. Devastação, mesmo sendo dócil, ainda era um lobo dominado pelo caos e Alastaire não gostava nem um pouco disso.
Depois de ir ao cinema com seu pai e deixar Devastação preso na garagem, Call percebe que de alguma coisa tudo está voltando ao normal. Seu pai o levou para ver um filme que ele gostava, envolvendo naves espaciais e explosões. Mas na volta, depois de quase discutirem por causa do retorno de Call para o Magisterium, o garoto percebe que Devastação sumiu. Não só sumiu, foi solto. Eles buscam por todo o bairro, por horas, noite adentro, mas nenhum sinal do lobo.
Depois de desistirem da busca – e também de mais um briga – Call vai para seu quarto dormir e no meio da noite sente alguma coisa, escuta algum barulho dentro da casa. Essa sensação vinha de dentro do porão, onde seu pai guardava as tranqueiras que tinha. Mas ao abrir a porta, Call constatou que ali não era mais só um depósito, havia se tornado um escritório para um mago. Em um dos cantos do lugar tinha uma mesa cheia de anotações, símbolos alquímicos e do outro uma cama, com correntes – do tamanho de um garoto de 13 anos -, e Devastação, Preso com uma corrente e uma focinheira.
Quem dera fosse só isso: Na mesa de seu pai, havia uma infinidade de papéis e desenhos e anotações, tudo sobre uma luva que era capaz de tirar o caos de dentro de uma pessoa e transferir seu poder. A única coisa que era necessário para ela dar certo era o coração de um dominado pelo caos...
Preciso dizer mais alguma coisa?

Charada 1: “O que começa e não tem fim, mas é o fim de tudo que começa?”.
Charada 2: “Eu o deixo exausto, no entanto você sofre quando eu vôo. Você vai me matar mas eu nunca vou morrer”.
Charada 3: “Aceite e vai perder ou ganhar mais que todos os outros. O que é?”.

Se tem uma coisa que essa duas autoras conseguiram nesse volume, sem duvida foi acertar. Elas acertaram em exatamente tudo. Desde a trama até o clímax. Ao contrario do primeiro volume, este já começa tenso, com Call fugindo de casa, seu pai tentando capturá-lo e a descoberta de que alguém tentou invadir o Magisterium. Este livro tem um timing perfeito. As coisas acontecem rápidas, sem nenhum tipo de enrolação.
Quando nos damos conta, a luva de cobre já foi roubada, todos sabem dos planos de seu pai por conta de Tâmara que não soube manter sua boca fechada, o Magisterium já esta na cola dele e os quatro já estão saindo da escola para dar um jeito em toda essa situação... Sim eu disse os quatro. Jasper acaba encontrando eles na saída da escola e eles acabam tendo que elvá-lo junto.
De forma bem rápida e cheia de novas personagens entrando em cena, as autoras conseguem de uma forma espetacular prender a atenção dos seus leitores. Desta vez, fora da segurança do colégio, os quatro viajam juntos a procura de algum sinal do pai de Call, encontrando no caminha não só pistas, como obstáculos também. Quem diria que o Magisterium queria eles mortos? Pois é.
Mas na minha opinião, o melhor do livro todo ficou para o final. A forma como todos os conflitos feitos durando o decorrer do livro foram resolvidos com apenas uma ação foi boa e bem pensada, isso sem falar que, com o final de uma trama, outra logo apareceu, para dar continuidade na história. Tudo isso junto ao enredo principal, ou seja, Call ser o Inimigo da Morte.
Além de toda a trama bem intricada e resolvida, amei também a forma como a amizade de todos é posta em jogo. Se eu fosse o Call e Tâmara tivesse feito tudo o que fez, eu não olharia mais na cara dela. Mas, se ela não tivesse feito nada, não haveria história, e isso é importante. Sem falar em Aaron, que eu ainda não entendi muito bem qual é a dele. Sempre muito educado, mas com zero de personalidade. Parece sempre estar em cima de um muro. Ainda mais quando Call começa a controlar os dominados pelo caos e a ouvi-los. Aaron parece outra pessoa, enquanto Tâmara, por sua vez, parece ser a mais “apaziguadora” da situação enquanto Jasper surta e é indelicado como sempre
Acho que, se você leu, e curtiu o primeiro volume, esse vai te deixar ainda mais apaixonado. Vai dar algumas pulgas na orelha e alguns questionamentos, e ao final você vai ficar tipo: Cadê o próximo volume, meudeusdocéu!
Acho válida a leitura, e se você ainda não leu, por favor, leia.
23/55

Respostas: A mort

site: http://zaakarcom.blogspot.com/2016/05/resenha-luva-de-cobre.html
comentários(0)comente



Bela Lima 27/01/2017

A parceria de Holly Black e Cassandra Clare é uma das melhores que já vi
O Ano de Ferro terminou, as férias começaram e Call está muito ocupando classificando suas ações em sua lista imaginária de bondade e maldade, preocupado que esteja tornando-se um Suserano do Mal. Tornando-se ainda mais um Suserano do Mal.

“Toda a questão de ser secretamente mau também perturbava Call. Muito. Ele tinha começado a fazer uma lista mental (...). Um Suserano do Mal tomaria a última xícara de café do bule? Que livro um Suserano do Mal pegaria na biblioteca? Vestir-se totalmente de preto era uma atitude típica de um Suserano do Mal, ou uma escolha legítima que facilitava a vida no dia de lavar roupa?"

No livro anterior (O Desafio de Ferro) Callum Hunt descobre que na verdade é (não é spoiler, a menos que você tenha pulado o primeiro livro) a alma reencarnada de Constantine Madden, o Makar que causou diversas destruições e matou vários outros magos. Agora, Callum não sabe se pode confiar em si mesmo, temendo se tornar um Suserano do Mal a qualquer momento. Isso é, se ele já não for.

“Ele sabia que ter a devoção de uma fera Dominada pelo Caos contabilizava muitos pontos na escala de Suserano do Mal, mas não conseguia se arrepender de ter ficado com ele. Claro, este provavelmente era o problema de ser um Suserano do Mal. Você não se arrepende das coisas certas.”

Tudo piora quando Devastação, seu lobo Dominado pelo Caos, desaparece e Call encontra-o logo depois acorrentando no porão, ao lado de uma cama e um par de algemas que serviriam muito bem para ele. O que seu pai está fazendo?

Não ficando para descobrir, Call solta Devastação e foge de casa, depois de brigar com o seu pai, indo para a casa de Tamara e ficando um tempo por lá, junto com Aaron, o seu melhor amigo e – talvez? – seu também inimigo destinado?

“Algumas pessoas são destinadas a serem amigas e outras inimigas, no fim das contas o universo se ajeita.”

Mas, é claro, as coisas nunca está ruim o suficiente para um Suserano do Mal, porque Alkahest, uma luva que tem o poder de retirar o poder do Caos e matar quem o detém, foi roubada. E Call suspeita do seu pai.

Partindo numa aventura com os seus amigos, Aaron e Tamara, e o seu não tão amigo Jasper, além do seu perigoso animal de estimação sombrio, Callum vai atrás do seu pai, para impedi-lo de fazer seja lá o que for. Provavelmente matá-lo.

"Não olhe para mim, Call queria dizer. E, ao mesmo tempo, queria perguntar: o que vê quando me olha?"

Houve algumas coisas que não gostei, como o fato de terem usado muito a piada de Suserano do mal – uma piada sempre perde a graça depois da primeira vez! Mas de resto....

A parceria de Holly Black e Cassandra Clare é uma das melhores que já vi, estou amando essa nova série delas. A leitura está sendo surpreendente, porque de alguma forma elas estão contrariando todos os padrões esperado de uma história fantasiosa, como o fato de terem criado um personagem principal que não se destaca e quer isso. É comum ver um protagonista que não quer atenção, mas um que sente inveja disso?

“-É incrível como ele responde a você, Aaron. Ele com toda a certeza parece domado. (...)
Call, atrás de Tamara, se sentiu invisível e incomodado com aquilo. Ninguém se importava com o fato de que Devastação era seu cachorro e tinha passado o verão perfeitamente domado por ele. (...) Ninguém se importava a não ser que Aaron estivesse envolvido.”

Estou amando isso! (Já disse?!) É tão confuso! E eu não sei o que esperar. E me surpreendo com o fato das autoras estarem focando na amizade e lealdade e não no romance (até agora ao menos, embora haja uma insinuação romântica para os próximo livros). E com a ousadia delas a cada final, por não terem enrolado para fazer com que todos – os que importam – descobrissem o segredo de Calum, (re)afirmando mais uma vez a amizade. (Nessa parte me lembrei de quando Sherlock é acusado de ser vilão e Watson diz que ninguém conseguiria ser tão canalha o tempo todo.)

“-Por que você falou aquilo antes? — perguntou Aaron. — Que você acreditava em Call?
-Porque ele tentou escapar do Magisterium — explicou Tamara. — Ele realmente não queria entrar. Se ele soubesse que era Constantine Madden, teria tentado se dar bem com os Mestres para espioná-los. Em vez disso, irritou todo mundo. Para completar, Constantine Madden era famoso por seu charme, e obviamente este não é o caso de Call.
-Obrigado. Isso alegrou meu coração.
-E, ainda — continuou Tamara —, existem coisas que não se pode fingir.”

Ler Magisterium está sendo como ler um livro pela perspectiva do amigo do protagonista: você o entende, você o compreende e você se sente mais próximo a ele do que ao protagonista, que nesse caso seria o Aaron, que é o típico protagonista, mas que na verdade é o personagem secundário e – talvez – o herói da história, já que Call é o vilão?! (Oi?)

“-Você nunca poderá escapar do Inimigo da Morte, Aaron Stewart — afirmou ela, e, apesar de parecer estar falando com Aaron, ela olhava para Call.”

Bem, mal posso esperar para terminar de ler a continuação (que eu nem sabia que já havia sido lançada, bem como o fato editora ter mudado e agora pertencer a Galera Record!) e saber o que me aguarda. Call é o vilão? Aaron é o herói? E a profecia dita no livro anterior? Quem morrerá? Quem viverá? Será que Call é realmente quem estar morto? Com Holly Black e Cassandra Clare, unidas nessa série, tudo pode ser possível!

“O Inimigo da Morte não estava nem um pouco mais morto que antes. Não dá para matar o monstro quando esse monstro está dentro de você.”

site: http://sougeeksim.blogspot.com/2017/01/resenha-do-livro-luva-de-cobre.html
comentários(0)comente



TataFlor 21/01/2017

Do meio para o fim fica melhor
Achei a leitura menos fluída que o Desafio de Ferro... Mas, mais ou menos dá metade para o final fica interessante...Quando comecei essa leitura fiquei com dúvidas sobre continuar com os próximos livros do Magisterium... Mas ao final desse livro com certeza continuarei...
comentários(0)comente



Moonlight Books 05/12/2015

Leia esta e outras resenhas no blog Moonlight Books, www.moonlightbooks.net

Excelente continuação.

Eu adorei A Luva de Cobre! Uma leitura muito divertida e vibrante, mas que também conseguiu me comover muitas vezes. Call é corajoso e destemido, mas ainda é uma criança, e como tal, tem medo e quer amor, muitas vezes sua carência e dúvidas partiram meu coração.

O final trouxe muitos acertos, deixou laços de amizade mais estreitos e deu a Call um novo status no Magisterium. O garoto antes visto com piedade, agora é admirado e temido em igual medida. Ele terá que lidar com mais esta mudança em sua vida, enquanto tenta descobrir quem está fingindo ser um amigo, quando na verdade é um espião.

Delicioso! Recomendo para quem ama histórias protagonizadas por jovens traquinas, que não temem desafios e amam universos mágicos.


site: Leia o restante da resenha em http://www.moonlightbooks.net/2015/11/resenha-luva-de-cobre.html
comentários(0)comente



Gus | @escritavo 23/11/2015

Fantástico
Não deixou nada a desejar, continua com a mesma aventura fantástica e as revelações de arrepiar... Essa série promete ser épica
comentários(0)comente



39 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3